As Raízes e Frutos da Teoria da Evolução — Uma Resposta Cristã

Autor: Dr. Robert Gurney

Forcing Change, Volume 8, Edição 11.

Um modo de descobrir a verdadeira natureza de uma teoria é estudar suas "raízes e frutos" — isto é, suas origens e consequências. Neste artigo, veremos que as origens da Teoria da Evolução são anticristãs e antibíblicas e que suas consequências parecem ser uniformemente más. Existem diversas razões por que os cristãos devem se opor à Teoria da Evolução, e essas são apenas duas delas.

Raízes

A ideia da Evolução é, na verdade, muito antiga. Pensadores gregos pagãos escreveram sobre ela cerca de 2.700 anos atrás. Mas, a teoria moderna, junto com o conceito atual dos vastos períodos de tempo, têm suas raízes no "Iluminismo" anticristão dos séculos 17 e 18 (o mesmo é verdade a respeito do liberalismo teológico). Muitos dos pioneiros dessas ideias eram deístas. Os deístas não acreditam na revelação divina, de modo que não acreditam que a Bíblia é a Palavra de Deus. O "deus" deles é muito diferente do Deus da Bíblia; ele é um ser remoto que deu origem ao Universo, mas que o deixou por sua própria conta, operando segundo as leis naturais. [1].

Várias teorias foram propostas, resultando eventualmente nas longas eras, na geologia anti-Dilúvio, de Charles Lyell (1797-1875) e, depois, na Teoria da Evolução, de Charles Darwin (1809-1882). Lyell era um deísta que queria "libertar a ciência (a geologia) de Moisés". [2]. Ele foi grandemente influenciado por outro deísta, James Hutton (1726-1797). Hutton propôs um uniformitarianismo radical em que ele insistia que somente os processos dos dias atuais, em frequências e magnitudes dos dias atuais, deveriam ser usados para interpretar o registro das rochas — e Lyell desenvolveu essa ideia ainda mais. [3].

Darwin estudou teologia por um tempo, mas depois ele se voltou contra o Cristianismo e tornou-se um deísta ou, possivelmente, um agnóstico. [4]. Ele foi muito influenciado por Charles Lyell e por seu próprio avô, Erasmus Darwin (1731-1802), que era um deísta anticristão e também um evolucionista.

A teoria de Charles Darwin não surgiu principalmente a partir de suas observações científicas. Ele aceitou a cosmovisão deísta e o uniformitarianismo de seu amigo e mentor Charles Lyell e, depois, interpretou os dados de acordo com essa cosmovisão. [5].

Portanto, as raízes dessas ideias (as vastas eras e a evolução) são claramente anticristãs.

Frutos

E os frutos dessas ideias? A lista dos frutos maus parece quase infindável. Eles catalogam misérias e sofrimentos indizíveis. Nações e sociedades inteiras — incontáveis milhões de pessoas — foram afetadas por esse mal. A própria ciência foi corrompida e seu progresso prejudicado. [6].

A Teoria da Evolução (com os bilhões de anos que ela requer para ter acontecido) é a crença fundamental do Humanismo Secularizado (ateísmo). Ela permite que os humanistas neguem a existência de Deus e se isentem de qualquer responsabilidade moral diante Dele. Isto significa que eles podem criar seus próprios padrões de moralidade e "fazer aquilo que parecer reto aos seus olhos". (Juízes 21:25).

As nações e sociedades que adotam essa filosofia evolucionista veem uma ruptura na vida familiar, lares divididos, imoralidade sexual, falta de respeito pela santidade da vida humana (incluindo a vida dos bebês nascituros) e criminalidade crescente. A Teoria da Evolução é fundamental para as doutrinas do Marxismo (Comunismo) e do Nazismo, que produziram a morte a sangue frio de milhões de pessoas. Esses homicídios incluem 77 milhões na China Comunista, 62 milhões nos Gulags do Estado Soviético, 2 milhões nos campos de extermínio do Khmer Vermelho, no Camboja, e 21 milhões de mortes perpetradas pelos nazistas fora dos campos de batalha. [7].

A Teoria da Evolução também é a base das práticas mais chocantes da Eugenia (a "ciência" de garantir populações humanas superiores). Isto inclui a política nazista de matança dos deficientes físicos e a esterilização forçada de centenas de milhares, incluindo milhares nos EUA. [8]. A Teoria também alimentou o racismo de diversos tipos, envolvendo a eliminação sumária daqueles que eram considerados inferiores. [9]. Por exemplo, o aborígenes australianos foram mortos por que eram considerados sub-humanos. [10].

A Teoria da Evolução também contribuiu para a perda de fé, ou falta de fé, de milhões de pessoas. Observe os milhões de ateus e agnósticos que existem em países que no passado eram cristãos, mas que foram depois dominados pelo Comunismo ou pelo Humanismo Secularizado. Existem inúmeras histórias de indivíduos que cresceram em lares cristãos, mas que perderam a fé por causa do ensino da Teoria da Evolução.

Outro fruto das ideias das vastas eras e da Evolução é a tendência de aceitar a "Teologia Liberal". Isto envolve a rejeição do Gênesis como relato histórico e solapa a própria noção de salvação em Jesus Cristo, "o último Adão".

Respostas Cristãs

Muitos cristãos compartilham da minha opinião que a Teoria da Evolução, junto com seus bilhões de anos é, na verdade, um engodo satânico. Jesus Cristo disse:

"Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis." [Mateus 7:15–20].

Os frutos produzidos pela Teoria da Evolução são uniformemente maus, mas os frutos produzidos pela crença no relato bíblico, consistentemente aplicada, são uniformemente bons. A crença no relato bíblico tem efeitos que são exatamente os opostos daqueles produzidos pela crença na Evolução. Por exemplo, ela desestimula o racismo. De acordo com a Bíblia, todos os homens e mulheres estão relacionados bem de perto, sendo descendentes de Adão via Noé, que viveu menos de 5.000 anos atrás. [11]. Ela também incentiva o avanço da ciência, pois aceita que toda a Criação foi maravilhosamente projetada por um Deus racional. [12].

Mas, e os cristãos que aceitam a Teoria da Evolução e/ou os bilhões de anos, e tentam conciliá-los com as Escrituras? Um clérigo que é um evolucionista teísta me disse: "— Darwin não sabia que Hitler e Stalin usariam a Teoria da Evolução para justificar suas ações."

É verdade que Lyell e Darwin não previram as consequências totais de suas teorias, mas eles poderiam ter presumido. Afinal, o título completo do livro de Darwin é A Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural, ou a Preservação das Raças Favorecidas na Luta pela Vida e, em seu outro livro The Descent of Man, ele escreveu:

"Em algum período futuro... as raças civilizadas da humanidade quase que certamente exterminarão e substituirão em todo o mundo as raças selvagens. Ao mesmo tempo, os chimpanzés antropomorfos [que têm ou sugerem forma e aparência humana]... sem dúvida serão exterminados. A separação ficará então maior ainda, pois será entre o homem em um estado mais civilizado, como nós podemos esperar dos caucasianos e algum chimpanzé tão inferior quanto o babuíno, em vez de, como no presente, entre os negros, ou os australianos, e o gorila." [13].

A coisa importante a compreender é que Lyell e Darwin estavam deliberadamente procurando excluir Deus da ciência, e sabiam muito bem que suas teorias destruíram a crença na Bíblia, no Deus da Bíblia e na moralidade enraizada na Bíblia. [14].

Alguns cristãos dizem que a teoria de Darwin não pode ser hostil ao Cristianismo, porque ele mencionou o Criador em seu livro. Entretanto, esse conceito é totalmente estranho a todo o ethos de A Origem, de modo que as menções parecem ter sido um "agrado para apaziguar a comunidade cristã". [15]. Por exemplo, Darwin acrescentou suas famosas palavras "pelo Criador" (na última frase do livro) na segunda edição (1860) e edições posteriores de A Origem. Mas, privadamente, em uma carta a Joseph Hooker, datada de março de 1863, ele escreveu: "... Há muito tempo que me arrependo de ter cedido diante da opinião pública e usado o termo do Pentateuco para a criação, quando eu realmente queria dizer 'apareceu' por algum processo totalmente desconhecido." [16].

Como mencionado, o próprio Darwin era anticristão e quanto ao fato que seu pensamento possa ter incluído um "Deus" deísta, esse não era o Deus do Cristianismo.

Outra resposta muito comum é dizer que a Evolução é simplesmente um processo biológico e que os nazistas, marxistas e outros fizeram mau uso da teoria para justificar suas ações. Não há nada de errado, esses cristãos dizem, com o processo em si. Mas, esse argumento é ilógico e contrário à Bíblia. Os frutos malignos da teoria estão vinculados com sua própria natureza. Se Deus criou por meio da Evolução, isto significa que Ele usou um processo de milhões de anos de mortes, doenças, violências, sofrimentos e desperdícios. Ademais, isso envolve a cruel eliminação dos fracos pelos mais fortes. Se Deus usou esses métodos, então por que nós também não poderíamos usar? Na verdade, os nazistas e comunistas pensavam que estavam simplesmente imitando a natureza em sua brutalidade. Adolf Eichmann, o criminoso de guerra nazista que foi o cérebro que planejou as mortes de milhões, estava saturado pelo pensamento evolucionista e acreditava que suas ações não eram meramente defensáveis — elas eram recomendáveis. Ele estava cooperando com a natureza, aprimorando a espécie humana. [17].

Na verdade, a evidência científica contra a evolução "dos micróbios até o homem" é tão poderosa que a Teoria da Evolução não tem o direito de ser chamada de "teoria". Os cientistas normalmente usam essa palavra com o significado de uma explanação bem-substanciada dos dados. Um exemplo é a Teoria da Relatividade, de Einstein. A Teoria da Evolução é realmente apenas uma hipótese baseada em uma cosmovisão naturalista e uma definição naturalista da ciência — a suposição arbitrária que tudo pode e precisa ser explicado sem referências a Deus e ao sobrenatural.

As "raízes e frutos" da Teoria da Evolução indicam muito claramente que ela é um engodo satânico. O ensino bíblico suporta essa conclusão, bem como os fatos reais da ciência. Uma indicação adicional é o fato que "o mundo" parece ter uma aversão especial ao relato bíblico da Criação. O mundo faz tudo o que estiver ao seu alcance para excluir e suprimir o relato bíblico e impor a cosmovisão evolucionista. Alguns cristãos podem acreditar na evolução e/ou nos milhões de anos, mas isso não muda os fatos desagradáveis descritos neste artigo, nem as implicações desses fatos.

Sobre o autor: O Dr. Robert Gurney foi um médico que trabalhou como missionário-médico. Ele escreveu livros e artigos sobre a Criação e teologia e foi um autor colaborador do ministério cristão Creation Ministries International (http://www.creation.org). Ele faleceu em 1 de junho de 2013.

Leia também: "Quando a Ciência e a Magia se Combinam: A Fraude Gigantesca Conhecida como Teoria da Evolução".

Notas Finais:

1. Mortenson, T., The Great Turning Point (Master Books, 2004), págs. 24-25.

2. Catchpoole, D. and Walker, T., "Charles Lyell’s Hidden Agenda — To Free Science From Moses", creation.com/lyell; agosto de 2009.

3. Mortenson, T., págs. 25-33.

4. Brentnall, J. and Grigg, R., "Darwin’s Slippery Slide into Unbelief", Creation 18(1):34–37, 1995; creation.com/darwinslide.

5. Statham, D., Darwin, "Lyell and the Origin of Species", J. Creation 24(1):65–71, 2010.

6. Bergman, J., "Textbook Tyranny", Creation 24(2):56, 2002; creation.com/textbook-tyranny.

7. Rummel, R. J., Death by Government (Transaction Publishers, 1994,); Hall, R., "Darwin’s Impact – The Bloodstained Legacy of Evolution", Creation 27(2):46–47, 2005; creation.com/darwinimpact.

8. Grigg, R., "Eugenics…Death of the Defenceless", Creation 28(1):18–22, 2005; creation.com/eugenics.

9. "Racism Q&A", creation.com/racism-questions-and-answers.

10. Wieland, C., "Darwin’s Bodysnatchers: New Horrors", Creation 14(2):16–18, 1992; creation.com/bodysnatch.

11. Batten, D., et al., Creation Answers Book, Chapter 18: How did all the different races arise (from Noah's family)? creation.com/cab18.

12. Sarfati, J., "The biblical roots of modern science", creation.com/roots.

13. Darwin, C., Descent of Man, 1871, Vol. 1, pág. 201, Darwinonline.org.uk. Veja também Bergman, J., The Dark Side of Charles Darwin (Master Books, 2011), págs. 211–232.

14. Grigg, R., "Darwin’s Mystery Illness", Creation 17(4):28–30, 1995; creation.com/illness.

15. Taylor, I., In the Minds of Men (TFE Publishing, 1984), pág. 463, no. 9. Veja a Nota de Rodapé 11 em Grigg, R., "Charles Darwin’s mystery illness", Creation 17(4):28–30, 1995; creation.com/illness.

16. Bergman, ref. 13, págs. 67–68. Veja também creation.com/darwin-divine-design.

17. Grigg, R., "The Trial and Death of Adolf Eichmann", creation.com/eichmann.



Fonte: Forcing Change, Volume 8, Edição 11.
Data da publicação: 16/12/2014
Transferido para a área pública em 24/8/2016
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/fc-11-2014b.asp