A Comunicação com os Mortos: Novos Livros Voltados para o Público Cristão Introduzem uma Prática Que É Abominável aos Olhos de Deus

Hoje, uma maré de ideias e práticas pagãs está invadindo as igrejas e subvertendo dezenas de milhões de cristãos professos, muitas vezes via mercado editorial evangélico. Aqueles que se comunicam com seus familiares queridos que já morreram estão desafiando a Palavra de Deus.

Autor: Jeremy James, 14 de novembro de 2013.

Quando eu estava no Movimento de Nova Era, aprendi que existem algumas pessoas que acreditam em quase tudo. O número é relativamente pequeno. Entretanto, há outra classe mais discernível de pessoas que acredita em alguma coisa desde que seja apresentada da forma correta. Quando esta condição é satisfeita, essas pessoas podem então ser induzidas a acreditar em quase qualquer coisa. O Movimento de Nova Era, que é controlado pelo Maligno, é especialista em apresentar antigas mentiras de uma forma nova e moderna para que essa "classe mais discernível de pessoas" as aceitem. E isto faz enorme sucesso. Depois de passar 33 anos no Movimento de Nova Era e de engolir a maioria de suas mentiras, fiquei realmente surpreso ao descobrir, após vir a Cristo em 2008, que um grande número de cristãos professos estava adotando elementos dos ensinos que eu tinha acabado de deixar para trás! O que estava acontecendo? Satanás está formando sua grande igreja do fim dos tempos, a versão falsificada do Cristianismo que abrirá o caminho para o Anticristo. O Movimento de Nova Era é uma parte importante desse plano. Por meio dele, Satanás está vendendo o Gnosticismo, o Misticismo e a magia sob o disfarece de uma versão nova, ou refeita, de "Cristianismo".

Por exemplo, a maioria dos cristãos professos nunca assistiria a uma palestra sobre Reiki, um sistema terapêutico budista para transferir a assim chamada energia universal, ou chi (ki) pelas mãos de um praticante treinado e iniciado. Assim, o Maligno cria uma falsa forma de Cristianismo, neste caso o Modelo Igreja com Propósitos, e usa-o como um veículo para apresentar o Reiki aos cristãos professos. Destarte, quando o pastor de uma grande igreja, como Rick Warren, apresenta um Plano de Saúde e endossa o Dr. Mehmet Oz, que ensina Reiki, ele consegue doutrinar milhares de pessoas em um aspecto da Nova Era.

Estes cristãos ingênuos se sentam com boa vontade nos bancos das igrejas e absorvem ideias pagãs de um mestre pagão, tudo ao mesmo tempo que fingem para si mesmos que aquilo que estão ouvindo é bíblico. Os novos movimentos eclesiásticos de hoje — Igreja com Propósitos, Igreja Emergente, Palavra da Fé, Nova Reforma Apostólica, etc. são basicamente veículos para apresentar ideias de Nova Era aos cristãos sem discernimento. Esta abordagem teve algum sucesso no século 19 via Mormonismo, Ciência Cristã e Adventismo do Sétimo Dia, mas foi grandemente expandida, até o ponto em que agora rompeu uma brecha nas muralhas do Cristianismo evangélico tradicional. Hoje, uma maré de ideias e práticas pagãs está invadindo as igrejas e subvertendo dezenas de milhões de cristãos professos. Considere, por exemplo, as vendas do livro O Chamado de Jesus, de Sarah Young, que provavelmente já excedeu dez milhões de exemplares em todo o mundo. Em alguns poucos anos, incontáveis "bons" cristãos leram esse livro e disseram para si mesmos: "Ei, isto é tão inspirador!" Mas, quantos reconheceram o livro como uma blasfema simulação do verdadeiro Cristianismo? Quantos discerniram o veneno ocultista suavemente misturado em cada página? Quantos já disseram: "Basta! Isto é puro lixo!"?

Propósito do Programa da Nova Era

O principal propósito do programa de Nova Era é diluir o Evangelho até o ponto em que ele não tenha mais efeito algum. Mas, há ainda outro objetivo, não menos sinistro, que é o de fazer os cristãos se abrirem para o sobrenatural. Por exemplo, a Nova Reforma Apostólica, por meio de sua prática da "guerra espiritual", está ativamente incentivando seus membros a interagirem com o mundo sobrenatural. Ou, considere a Igreja Emergente, que ensina seus membros a praticarem a "visualização" ou "oração contemplativa". Isto não é nada menos que misticismo oriental apresentado de uma forma ocidentalizada, com o propósito de tornar o praticante mais receptivo às impressões sobrenaturais.

Outra variação preocupante dessa tendência de Nova Era é a prática da "necromancia cristã", onde os cristãos procuram se comunicar, ou experimentar a presença de seus familiares queridos que já faleceram. Como a palavra "necromancia" é profundamente ofensiva aos ouvidos dos cristãos — como deve mesmo ser — usaremos outro termo para os propósitos desta análise. O termo que escolhemos é "Desvendar" (ou Tirar o Véu), pois como veremos em breve, os cristãos que estão envolvidos nessa prática estão procurando remover o assim chamado "véu" entre este mundo e o mundo espiritual e olhar, mesmo que por alguns momentos, a presença ou um sinal de uma pessoa querida que tenha falecido.

Antes de prosseguirmos com nossa análise de "Tirar o Véu" e sua suposta base doutrinária, a sensibilidade de todo este assunto precisa ser considerada. Qualquer um que procure contactar uma pessoa querida que tenha partido, muito provavelmente está enlutado pela perda e desejaria ter a pessoa de volta aqui na Terra. A dor emocional causada pela morte de uma criança, ou de filho adulto jovem, é certamente uma das experiências mais difíceis pelas quais podemos passar. Para muitos, a dor da perda pode durar anos, ardendo dolorosamente dentro do peito e lançando uma sombra sobre tudo aquilo que eles fazem. Assim, ao discutirmos esta questão, precisamos ter em mente a angústia e o tormento interior que sofrem aqueles que perderam um filho.

Não temos dúvidas que os autores do livro que vamos discutir — Steve e Sarah Berger — tiveram um desejo genuíno de compartilhar aquilo que pareceu para eles um modo realmente abençoado de lidar com a dor e o luto. Assim, ao submetermos as afirmações deles ao escrutínio bíblico, estamos somente tentando estabelecer se eles são ou não doutrinariamente válidos. Não temos desejo algum de invadir a intimidade de suas experiências pessoais ou de questionar de forma alguma a integridade ou o comprometimento deles como cristãos bíblicos.

Construindo uma Ponte Sobre o Abismo Entre o Céu e a Terra

Em 2010, os Bergers publicaram um livro intitulado Have Heart: Bridging the Gulf Between Heaven and Earth (Tendo Bom Ânimo: Construindo uma Ponte Sobre o Abismo Entre o Céu e a Terra) em que descreveram o trauma da perda de seu amado filho Josiah (Josias), em um acidente de carro, aos 19 anos de idade, e as experiências deles nos meses seguintes, à medida que eles, junto com outros membros da família e o círculo mais próximo de amigos, receberam "comunicações" de Josias de modos aparentemente milagrosos.

Não tenho comentários sobre qualquer uma dessas experiências e do significado delas para Steve e Sarah, ou para qualquer outra pessoa no círculo de amigos. Entretanto, os problemas aparecem quando examinamos a interpretação que os próprios pais colocam sobre essas e outras experiências similares.

O Movimento de Nova Era frequentemente se refere ao véu entre este mundo e o próximo. Contrariamente ao que diz o livro The Afterlife Unveiled, os mortos não nos dizem nada sobre o mundo deles. Todas as supostas mensagens de almas desencarnadas são parte de uma bem-orquestrada enganação sobrenatural.

As seguintes afirmações dão uma amostra do que eles creem e o que estão diligentemente tentando transmitir para os cristãos:

Em resumo, os Bergers estão ensinando que nossos familiares queridos que já partiram ainda estão assistindo aos eventos aqui na Terra, que estão envolvidos em missões em várias partes do mundo para ajudar a levar as almas a Cristo, e que, de tempos em tempos, eles entram em nossas vidas rapidamente, por meio dos sonhos e visões, de modo a nos "contactar" e transmitir uma palavra ou um sinal de encorajamento. Para qualquer um na Nova Era, este é um ensino muito padrão. Quase qualquer um que acredite na vida após a morte, e que não seja um cristão nascido de novo, achará isto aceitável. Os Bergers acreditam que o cristãos nascidos de novo tradicionais estão errados em rejeitar este ensino e apontam para várias passagens das Escrituras que, na opinião deles, provam a questão sem sombra de dúvidas.

O Contexto de Nova Era do Livro dos Bergers

Antes de examinarmos as provas sugeridas, devemos dar um passo atrás por um momento e observar alguns fatos indicadores do livro deles que mostram que a compreensão deles foi influenciada, em parte, por fatores diferentes que as Escrituras. A seguinte admissão, em particular, destaca uma chocante abertura para a especulação sobrenatural baseada na Teosofia e no espiritualismo:

"Ao longo dos últimos quinze anos, lemos múltiplas vezes um livro muito interessante intitulado My Dream of Heaven (Meu Sonho com o Céu), de Rebecca Ruter Springer. Neste livrinho fascinante, a autora conta sua visão de como é o Céu e detalha os tipos de atividades que ela testemunhou ali, após ser transportada para lá durante uma longa enfermidade que colocou sua vida em risco. Ela foi inspirada a escrever o livro após se recuperar de sua experiência de estar próxima da morte, e achamos que o endosso de Billy Graham soa muito verdadeiro: 'O livro My Dream of Heaven ... capta as verdades bíblicas com impressões emocionais.' Uma das impressões mais emocionais que o livro causou em nós foi a ideia da autora que os santos que estão no Céu são enviados em "missões invisíveis" na Terra." (pág. 89).

O livro "muito interessante" que eles leram múltiplas vezes nos 15 anos anteriores foi na verdade um relato detalhado de uma dramática e prolongada experiência fora do corpo que a autora Rebecca Ruter Springer afirmou ter vivenciado, mais de cem anos atrás. O livro, intitulado agora My Dream of Heaven, tinha originalmente o título Intra Muros, o que significa "Entre os Muros".

O livro My Dream of Heaven seria hoje classificado como uma narrativa após a morte na tradição de Swedenborg (falecido em 1772) e do espiritualismo no século 19. Como seus predecessores, ele está repleto de imagens e sentimentos que caracterizam uma viagem ao "Plano Astral". Embora a autora expresse algumas opiniões vagamente cristãs aqui e ali, o livro é flagrantemente ocultista. Ele tem todos os ingredientes que caracterizam esse tipo de literatura: belos rios, céus rosados, flores radiantes, lindas mansões, um Templo extraordinariamente bonito, caminhadas nas matas, música gloriosa, encontros frequentes arrebatadores com parentes já falecidos, e até encontros com os animais de estimação. (Veja no Apêndice A uma visão geral sobre este livro.) Um cristão que encontra um livro com este pela primeira vez provavelmente pensará: "Uau! Isto é incrível! Por que não nos dizem isto?" Bem, a resposta deve ser óbvia. Isto é parte do grande engodo ocultista que Satanás preparou para ludibriar e confundir todos os que se afastam dos ensinos sólidos da Santa Palavra de Deus.

Em certo sentido, esses livros são contos de fadas para adultos e exercem o mesmo fascínio sobre a mente e imaginação de um adulto que os contos de fadas mágicos exercem sobre as sensibilidades de uma criança. O Inimigo há muito tempo usa a fantasia, o mito e a imaginação para confundir a humanidade, para tecer verdades, meias-verdades e mentiras de formas que atraiam os incautos cada vez mais para longe de Deus! A autora Springer não estava mentindo. A "experiência" dela não ocorreu, mas foi infundida na mente dela durante um período de severa enfermidade. Um hipnotizador faz a mesma coisa com as vítimas acordadas, quando ele as leva a acreditar em coisas impossíveis. A hipnose é demoníaca, mas as cenas que produz são tremendamente reais para a vítima. As muitas experiências próximas da morte e fora do corpo reportadas pelo Dr. Raymond Moody, e outros, estão na mesma categoria. Assim também são as experiências místicas e os estados extáticos reportados pelos monges e freiras contemplativos.

Um Exército de Enganadores Sobrenaturais

Satanás e seu enorme exército de anjos caídos têm a capacidade de afetar nossas mentes, se lhes dermos permissão para isto. Eles podem infundir imagens e ideias, pensamentos e impressões, falsas memórias, estados emocionais intensos e outros fenômenos cognitivos para criar experiências sobrenaturais extremamente convincentes. Essas experiências podem ser revigorantes, imensamente consoladoras e tocantes, mas têm um único propósito: enganar! Satanás fará tudo o que for necessário para enlaçar as almas vulneráveis e levá-las à destruição. Ele pode usar o medo, ou pode usar balas e docinhos saborosos para atraí-las até a borda do precipício. De ambas as formas, ele obtém o resultado que deseja. O livro de Springer e outros similares são docinhos de alto nível. Não é nosso propósito aqui examinar as razões por que algumas pessoas se abrem para esse tipo de experiência, mas à medida que mais e mais pessoas se afastam da verdade bíblica, o número de novos livros que relatam jornadas profundamente místicas ou visitas gloriosas ao céu aumentará muito nos próximos anos. Os líderes cristãos parecem alheios à ameaça. Na verdade, muitos incentivam seus rebanhos a lerem este tipo de material. Vimos como o evangelista Billy Graham endossou o livro de Springer! (Mas, como reverendo Billy Graham é um maçom, foi amigo do papa João Paulo II, e é um grande participante no movimento ecumênico encabeçado pela Igreja Católica Romana, não devemos estar surpresos.)

Outro livro endossado pelos Bergers (com algumas reservas) é Afterlife Encounters: Ordinary People, Extraordinary Experiences (Encontros Após a Morte: Pessoas Comuns, Experiências Extraordinárias), de Dianne Arcangel. O livro foi baseado em um estudo de cinco anos chamado "Pesquisa de Encontros Após a Morte". Eles dizem: "Muitos dos clientes dela acreditam que tiveram experiências tangíveis com seus familiares queridos, como sonhos ou símbolos ou sons, e algumas das experiências foram confirmadas por mais de uma pessoa.". Os leitores do livro dos Bergers podem não compreender que a autora Arcangel é parte do Movimento de Nova Era. O prefácio do livro dela foi escrito por Gary E Schwartz, que foi um dos coprodutores de um audiocassete comercial com Deepak Chopra, em 2001. Chopra, um hindu, é um dos expoentes mais conhecidos da filosofia de Nova Era e é grandemente admirado por milhões de neopagãos em todo o mundo. Na seção de Reconhecimentos, a autora Arcangel escreveu: "Em toda minha vida profissional e pessoal, Rhea White, editora do Jornal da Sociedade Americana de Pesquisas Psíquicas (JASPR), contribuiu com seu suporte, entusiasmo e recursos."

Deepak Chopra, experiências pós-morte, pesquisa psíquica, símbolos e sons de um plano mais elevado? Isto tudo é misticismo de Nova Era! No século 18, isto tudo era chamado de Teosofia, Novo Pensamento e Espiritualismo. Hoje, foi reempacotado como "Nova Era", mas é a mesma doutrina pagã que o Inimigo ensina há milhares de anos. Se você é um cristão e isto não o deixa perturbado, então provavelmente já foi infectado, pelo menos em parte, pelos falsos ensinos da Nova Era. O que mais posso dizer? As autoras Springer e Arcangel estão ensinando uma doutrina religiosa falsa. Elas não estão promovendo algo que é bom em parte, como os Bergers parecem acreditar, mas algo que está total e profundamente em conflito com a verdade bíblica.

A Alegada Prova Bíblica

Vamos examinar os textos bíblicos que os Bergers afirmam que são consistentes com essas crenças. Logo no início do livro eles fazem uma declaração muito reveladora:

"Precisamos nos apegar ao fato que Jesus veio para curar os contritos de coração. Ele não veio apenas para nos alegrar em um dia triste. Ele veio para que pudesse nos mostrars o poder e a cura quando nossos corações estão em pequenos pedaços, dispersos por todo o lado. Ele veio para que pudéssemos literalmente ter "bom ânimo"! Ele veio para que... Esta é a boa nova: Jesus veio para curar os contritos de coração! Não pense nisto apenas como o sentimento de um lindo cartão de saudações. Ele não é sentimental; é sobrenatural." (págs. 26 e 30).

Isto não é biblicamente correto. Isto retrata, não o Cristo da Bíblia, mas o "Cristo" da Nova Era, o Cristo "grande irmão", que quer que todos sejam felizes e é extremamente relutante em julgar ou castigar alguém. Na verdade, três pessoas que forneceram um endosso escrito para o livro deles — William Paul Young (autor de A Cabana), Greg Laurie e James Robison — ensinam o Cristo "grande irmão" da Nova Era.

• Isaías

Os Bergers citam Isaías 6:1-4: "No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi também ao SENHOR assentado sobre um alto e sublime trono; e o seu séquito enchia o templo. Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas; com duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés, e com duas voavam. E clamavam uns aos outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. E os umbrais das portas se moveram à voz do que clamava, e a casa se encheu de fumaça." (pág. 46). Eles consideram que isto significa que Isaías estava tão triste pela morte do rei Uzias que começou a meditar profundamente nas questões da morte e da vida futura e, assim, preparou-se para uma experiência celestial especial. Eles afirmam: "Algumas vezes, é necessário a morte de uma pessoa querida para que possamos ver claramente as coisas celestiais... A morte do rei Uzias deflagrou um evento maior. Ela deu a Isaías as respostas e uma visão do céu." [pág. 46].

A interpretação deles está totalmente errada. Isaías datou sua profecia com referência ao ano em que o rei morreu. Este foi o único propósito. É ridículo afirmar que a morte do rei "acionou um evento maior". Era uma prática comum, tanto no Velho quanto no Novo Testamento, datar um evento pela referência ao reino ou a morte de um rei, ou outra figura política notável. É simplesmente irracional imputar uma conexão causal onde nada disto existe.

• Glorificação

O próximo erro deles é confundir o estado pré-ressurreto de uma alma que já partiu com o corpo glorificado que aquele indivíduo desfrutará após a ressurreição. Eles citam as Escrituras consistentemente com relação a isto na primeira metade do livro, mas depois, começam a atribuir propriedades aos falecidos que eles não podem possuir até a ressureição (ou o Arrebatamento):

"Quando você pensa sobre o corpo ressurreto de Cristo, com suas capacidades singulares, incluindo aparecer de forma milagrosa... desaparecer instantaneamente... e voar.. é emocionante pensar que teremos o mesmo tipo de corpo..." (pág. 64).

• Saul, Samuel e a Transfiguração

Em seguida, eles citam o aparecimento de Samuel a Saul em En-Dor, e o de Moisés e Elias na Transfiguração (incluindo a discussão deles com Jesus sobre a ida em breve a Jerusalém) como prova (a) que os mortos sabem o que está acontecendo aqui na Terra e (b) que eles podem retornar à Terra para realizar uma missão espiritual designada. Antevendo a acusação de necromancia, eles rapidamente acrescentam:

"Agora, vamos dizer logo de início que não estamos falando sobre canalização, sessões ou médiuns espíritas tentando contactar os mortos... Deuteronômio 18:10 proíbe a busca desse tipo de encontro... Precisamos compreender que Deus tem o poder para temporariamente remover o véu entre o Céu e a Terra a qualquer tempo, de acordo com Sua boa vontade". (pág. 95).

Na visão deles, essa "remoção do véu" não deve ser confundida com "canalização". A primeira é um ato de Deus, eles argumentam, enquanto que a segunda é claramente uma atividade pecaminosa. Mas os episódios bíblicos que eles citam não permitem que alguém chegue a esta conclusão. Saul pecou gravamente quando buscou uma audiência com Samuel, enquanto que a Transfiguração foi um evento extraordinário que não pode ter aplicação para todos os cristãos. Moisés e Elias estavam presentes, não para servir ao homem, mas para dar testemunho a Cristo! Eles foram enviados pelo Pai ao Filho. A Palavra não nos diz o propósito específico para a visita deles, mas é claro que estava relacionado com Cristo, e não com o homem.

• O Livro do Apocalipse

Os Bergers também citam uma passagem no livro do Apocalipse em que os santos que já morreram clamam com alta voz, dizendo: "Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?" [Apocalipse 6:10]. Eles argumentam que os santos sabem o que está acontecendo na Terra, que estão envolvidos emocionalmente e que podem apelar a Deus, para que intervenha nos assuntos terreais.

Existe um problema com esta interpretação. Este evento ocorre durante a Tribulação e após o Arrebatamento/Ressurreição. Portanto, ele reflete uma situação que não é costumeira hoje e não pode ser usado para apoiar as afirmações feitas pelos Bergers. Ele não poderia ser usada de forma alguma para apoiar a afirmação principal deles, isto é, que os santos que já morreram podem ocasionalmente visitar a Terra para realizar um trabalho missionário sobrenatural.

• Hebreus 12

Talvez o mau uso mais sério das Escrituras relacione-se com a "nuvem de testemunhas" em Hebreus 12:

"Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta... Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; à universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados." [Hebreus 12:1,22-23]

Eis como eles interpretam esta passagem: "O autor do livro aos Hebreus gasta um bom tempo para descrever o quão perto nossos amados estão: estamos cercados por uma grande nuvem de habitantes do céu!... Estamos cercados. Isto significa literalmente que eles estão ao nosso redor. Eles são muitos, são inumeráveis. Eles são espectadores e estão ao nosso redor." [pág. 106; ênfase no original). As "testemunhas" são, na verdade, os indivíduos mencionados no capítulo anterior de Hebreus, o bem-conhecido capítulo da "Galeria dos Heróis da Fé". Eles não são testemunhas no sentido de "espectadores", mas no sentido de pessoas que testificam, ou que dão testemunho (que é o significado usual deste termo no Novo Testamento). Os vários profetas e outros personagens bíblicos citados pelo autor de Hebreus, junto com a multidão de santos do Velho Testamento, dão testemunho da nossa salvação pela fé. A palavra "nuvem" sugere tanto o grande número quanto o estado exaltado deles. Entretanto, o autor não está sugerindo que as almas dos que já morreram estão na verdade nos observando ou participando de alguma forma em nossos assuntos cotidianos.

Nossos únicos "espectadores" sobrenaturais são os anjos, tanto eleitos quanto caídos. Em parte alguma as Escrituras sugerem que as almas daqueles que já faleceram estão nos observando, ou fazendo visitas ocasionais para ver como estamos vivendo. Por exemplo, quando o filho recém-nascido do rei Davi com Bate-Seba morreu, Davi, tomado de dor, disse: "Porém, agora que está morta, porque jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim." (2 Samuel 12:23). Cristo disse aos Seus discípulos antes de ascender aos céus que enviaria "outro Consolador". Ele estava se referindo ao Espírito Santo; Ele não estava se referindo a uma nuvem de testemunhas que pairaria sobre nós e ao nosso redor, e que nos confortaria com sua presença. Não, temos apenas um Consolador, que é realmente maravilhoso e perfeito! Por meio dEle temos acesso a Cristo e ao nosso Pai Celestial. Nada mais é necessário.

Os Manifestos Filhos de Deus

Talvez eles não estejam cientes disto, mas a visão dos Bergers da morte e da vida futura é muito similar à dos Manifestos Filhos de Deus, cujos ensinos intensamente carismáticos estão repletos de heresias. Um dos líderes desse movimento, Earl Paulk, ensinou a falsa doutrina da "nuvem de testemunhas". Ele também citava as mesmas passagens das Escrituras para justificar sua prática que conversar com sua irmã já falecida, Joan Harris (de quem ele sentia muita falta). Em seu exame de Paulk e dos Manisfestos Filhos de Deus, Al Dager fez a seguinte observação:

"O quanto todos nós sentimos a ausência de nossos queridos que já morreram! E o quanto gostaríamos de falar com eles após terem partido. Mas, procurar ativamente, ou até mesmo desejar esse tipo de comunicação por algum modo deixa a pessoa aberta ao contato de espíritos familiares — demônios que se disfarçam como a pessoa já falecida. Isto é expressamente proibido na Palavra de Deus (Levítico 19:31, 20:6-27; Deuteronômio 18:11; 1 Samuel 28:3; etc.)." — Vengeance Is Ours, pág. 109

Não um Abismo, Mas um "Véu"

O Movimento de Nova Era ensina que as almas daqueles que já partiram podem entrar em nossos lares e podem até se comunicar conosco. Isto é possível, eles acreditam, porque a separação entre os dois mundos não é supostamente mais substancial do que um "véu". Os aderentes da Nova Era também dão grande importância à comunicação com os anjos. Entretanto, a Bíblia proíbe qualquer tentativa desse tipo de comunicação. Ela também proíbe qualquer tentativa de nos comunicarmos com os anjos eleitos, ou bons. Temos somente um intercessor, que é Jesus Cristo. É um grande erro ir além do ensino claro das Escrituras e tentar importar ideias que não se encaixam no contexto e até estão em conflito com as afirmações doutrinárias simples feitas na Escrituras. A Bíblia condena claramente a comunicação de qualquer tipo com "espíritos familiares" e nunca faz uma distinção entre aqueles que são benignos e aqueles que não são. Não há como escapar do fato que uma alma partida que permanecesse muito tempo em nossa proximidade, se isso fosse possível, constituiria um "espírito familiar". Portanto, somos proíbidos de fazer aquilo que os Bergers estão sugerindo e buscar contato de qualquer modo com uma alma que já partiu.

Como já observamos, os Bergers tentam distorcer, afirmando que sinais e símbolos da presença da alma de uma pessoa já falecida são biblicamente aceitáveis se não forem buscados. Eis como eles explicam:

"Sim, os residentes do Céu estão pessoalmente presentes, eles estão cientes e estão por perto!... É importante observar que essss encontros especiais são espontâneos, não procurados... Não houve um intermediário para fazer aquilo acontecer... Como dissemos anteriormente, não estamos falando sobre médiums ou sessões... é a espontaneidade que faz a diferença entre aquilo que é condenado por Deus ou orquestrado por Deus." (pág. 102).

Isto é na verdade falso. Qualquer um que acredite na teoria do "véu" se afastou da clara Palavra de Deus e aceitou um método extrabíblico de obter o favor divino. Eles não podem se desculpar, afirmando que não usaram um "intermediário', como os Bergers explicam. Os sinais e símbolos não são "espontâneos" se já expressamos uma disposição de recebê-los! Por exemplo, quando alguém lê um livro ocultista "múltiplas vezes" — e o livro My Dream of Heaven, de Springer, é ocultista — então já cruzou a linha. A orientação de Nova Era do pensamento deles também é refletida no modo como descrevem suas experiências. Por exemplo, o Movimento de Nova Era rejeita a rígida separação bíblica entre este mundo e o futuro. De acordo com o antigo princípio ocultista, "Como é em cima, assim também é em baixo", os neopagãos veem o céu e a terra como realidades interconectadas. Citando outro autor, os Bergers dizem: "A morte não é um fim, mas meramente uma transição para um novo estado de vida." Isto é direto da Nova Era e da filosofia ocultista antiga, onde a morte é tratada como nada mais que uma transição pelo "véu", de uma dimensão para a outra.

De Acordo com o Ocultismo, Tudo É Um

No ocultismo, tudo é um e todas as coisas estão interconectadas. Portanto, ninguém morre de verdade. Os Bergers estão expressando exatamente esta ideia quando dizem:

"Somos um corpo, conectados aqui na Terra, conectados no Céu, e conectados entre o Céu e a Terra. Nossos familiares queridos podem aparecer em sonhos ou visitas, ou de outros modos (quem pode limitar a imaginação de Deus?), mas o fato é que estamos conectados." (pág. 110; ênfase adicionada).

"O fato que o véu é fino entre nossos amados e nós não deve nos chocar... estamos todos eternamente conectados em ambos os lados do véu." (pág. 108).

Um teosofista, um guru hindu, um neopagão da Nova Era, e um médium espírita concordariam de todo o coração com estas declarações. Assim também iriam concordar os autores Arcangel, Springer, Gary Schwartz e Deepak Chopra. Uma proporção cada vez maior de cristãos professos também concordaria. Todavia, essas declarações são totalmente falsas! Elas contradizem algumas das doutrinas mais fundamentais da Santa Palavra de Deus e anulam ou tornam supérfluo o sofrimento e morte de Jesus Cristo no Calvário. Se todas as coisas estão conectadas, então não existe a morte; se a morte não é consequência do pecado, então o pecado é de pouca consequência; tudo é relativo; nunca podemos estar separados de Deus, pois tudo está conectado; e, se tudo está conectado, então também somos parte de Deus e Ele é parte de nós.

Tudo isto precisa ser imensamente do agrado do Grande Enganador, mas ele não pára aqui. Ele leva as coisas um passo mais longe e apresenta uma versão falsificada do céu, e até uma versão falsificada do inferno. Por exemplo, Emmanuel Swedenborg (falecido em 1772), cujos escritos foram amplamente influentes, fez descrições gráficas de suas supostas jornadas ao céu e ao inferno. Assim também fizeram os místicos católico-romanos. As crianças portuguesas que tiveram a visão em Fátima, receberam uma visão aterrorizadora do inferno dada pela Virgem Maria (um anjo caído que lhes apareceu em disfarce). É asim que o Inimigo doutrina a humanidade. Um relato bem-conhecido de uma visita ao inferno é 23 Minutes in Hell, de Bill Wiese — um produto do mesmo engodo sobrenatural. Estas pessoas sem dúvida fizeram um relato sincero daquilo que experimentaram, mas isto não significa que a interpretação delas da experiência foi correta. Um pessoa que ingira a droga sintética LSD pode fazer uma "viagem" terrível, mas esta experiência, ou especificamente, a interpretação dela, não nos diz nada sobre o outro mundo. Os místicos, videntes e indivíduos que passam por uma experiência "fora do corpo" estão todos seguindo uma "viagem" similar, mas sem o auxílio do LSD. Alguns buscam a experiência, e outros não, como as crianças que tiveram a visão em Fátima, ou Bill Wiese. Entretanto, independente dos fatores que produziram a experiência, ela ainda é uma "viagem" e não tem valor algum para confirmar, modificar ou ampliar qualquer coisa que seja encontrada nas Escrituras.

No mínimo, o Inimigo está causando confusão com todos esses engodos. Alguns dos relatos são realmente dramáticos e tiveram um impacto emocional poderoso nas pessoas envolvidas. Mas, nunca devemos confiar nisto. Na prática, mesmo quando os cristãos estão relutantes em acreditar, o Inimigo marca mais um ponto no placar, ao gerar dúvidas nas mentes e reforçar a ideia que o muro da separação entre este mundo e o mundo espiritual é somente um véu. E, se é somente um véu, então sempre existe a possibilidade que algum dia alguém descubra como removê-lo. A espiritualidade contemplativa, que está baseada nos escritos de místicos católicos romanos, na verdade afirma fazer isto, desde que o praticante esteja preparado para passar pelas disciplinas preparatórias necessárias.

Nossa Tarefa Como Cristãos Bíblicos

Os cristãos bíblicos precisam rejeitar estas mentiras vigorosamente! Eles precisam advertir seus conhecidos a observar diligentemente estas mentiras e denunciá-las, em alta voz e sem restrição, no momento que elas se infiltrarem em suas igrejas. Eles precisam rejeitar os falsos ensinos da Nova Era e condenar os muitos livros pseudocristãos que estão envenenando as mentes dos cristãos professos em todo o mundo. Esta tarefa é urgente e desafiadora. Os cristãos professos que começaram a acreditar nas mentiras da Nova Era provavelmente resistirão a qualquer tentativa de expor essas falsas ideias. Afinal, as mentiras conseguiram fincar o pé por causa do forte apelo que fazem à nossa natureza pecaminosa e caída. Os cristãos também foram iludidos com a mensagem de propaganda que a Bíblia foi mal-interpretada pelos fundamentalistas de mentalidade estreita, que somente querem controlar a igreja e manter os membros em submissão. Esta atititude vem à superfície em um ponto no livro dos Bergers:

"Eu (Steve) acredito que o ataque satânico se infiltrou assim na igreja e que até existem alguns cristãos que querem minimizar hoje a glória ilimitada do Céu... Se o Inimigo não consegue evitar que creiamos no Céu, seu próximo desejo é que acreditemos em um Céu minimizado, previsível e enfadonho. Mas, nós rejeitamos isto!" (pág. 108; ênfase no original).

A mensagem dele é clara: aqueles que se agarram à interpretação evangélica tradicional da Bíblia tiveram suas mentes entenebrecidas pelo "ataque satânico". Eles querem minimizar a glória do céu e esconder sua verdadeira beleza dos outros cristãos. (Presumivelmente, este ensaio se encaixa nesta categoria.) A verdade é que a visão da Nova Era do céu em livros como My Dream of Heaven, de Rebecca Ruter Springer é uma pavorosa perversão daquilo que Deus preparou para aqueles que o amam. Os excertos no Apêndice A dão uma amostra do lugar imaginário que a autora Springer acreditava que tinha visitado. Embora aquilo tenha parecido real para ela em seu estado alterado de consciência, tudo foi simplesmente uma construção mental complexa criada por Satanás para enganar e desorientar sua vítima. Ele escolheu bem, pois a Srta. Springer depois registrou sua experiência por escrito e a transmitiu para o mundo, onde, há mais de cem anos, ela continua a enganar e mal-orientar a muitos. Mesmo se alguém tiver dificuldades em rejeitar a experiência dela como uma fabricação satânica, a questão é definida de uma vez por todas na Santa Palavra de Deus. Eis o que o Senhor diz em Isaías:

"Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera." (Isaías 64:4)

No Novo Testamento, o apóstolo Paulo expande esta verdade como segue:

"Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam." [1 Coríntios 2:9].

Os incrédulos não têm ideia do que Deus preparou para aqueles que O amam! A verdade do mundo por vir é revelada somente para aqueles em quem o Espírito Santo habita. Os aderentes da Nova Era, místicos, teosofistas e todos os demais têm somente uma imagem falsificada do céu (e do inferno) fabricada por Satanás.

Além disso, não há nada na Palavra de Deus que sugira que aquilo que o Espírito Santo revela ao cristão sobre o céu pode ser comunicado a alguém mais. É o Espírito Santo somente quem revela aquilo. Portanto, os cristãos que afirmam que tiveram uma experiência do céu e que tentaram transmiti-la aos outros em palavras e imagens estão agindo de forma contrária à Santa Palavra de Deus. Os cristãos se beneficiariam grandemente se pegassem os livros sobre a vida após a morte que têm em suas casas e os lançassem na lata de lixo. Esses livros criam confusão, são enganosos e blasfemos. Isto inclui os escritos de místicos católicos, como Santa Teresa D'Ávila e Henry Nouween, que são fortemente promovidos pela Igreja Emergente e pela Nova Reforma Apostólica. Livros como A Celebração da Disciplina, de Richard Foster, causaram um mal imenso a milhões de cristãos professos. Esse livro de grande sucesso de vendas é subversivo e é simplesmente uma celebração do misticismo católico romano, o propósito do qual é capacitar o indivíduo a ouvir as mentiras de Satanás de forma mais clara.

"Sede pois, irmãos, pacientes até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia. Sede vós também pacientes, fortalecei os vossos corações; porque já a vinda do Senhor está próxima. Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o juiz está à porta. Meus irmãos, tomai por exemplo de aflição e paciência os profetas que falaram em nome do Senhor. Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso." [Tiago 5:7-11].

Eu aconselharia os Bergers a retirarem seu livro de circulação pública. Embora aparentemente tenha sido escrito com a melhor das intenções, ele é seriamente enganoso e pode prejudicar espiritualmente qualquer cristão que for tolo o bastante para dar ouvidos aos seus conselhos.

Apêndice A

Visão Geral do Livro My Dream of Heaven

NT: O texto do Apêndice não será incluído, pois não foi considerado importante para a compreensão deste artigo.

Comentários Finais

Temos aqui um relato do céu na clássica tradição ocultista, onde uma mulher de cultura e sofisticação visita o assim chamado Plano Astral e encontra tudo aquilo que aprecia. Ela até se encontra com o Jesus no estilo "Irmão Mais Velho" da Nova Era. Mais tarde, ela é recebida em audiência pelo "Senhor", que estava fazendo uma visita ao seu Templo. Melhor de tudo, ela fez uma visita ao Grande Mar Celestial, que na filosofia da Nova Era e no ocultismo é a fonte real de toda a vida. O livro da Sra. Springer apresenta uma falsa visão do céu, uma paródia grotesca daquilo que Deus preparou para aqueles que O amam.

Bibliografia

Nova Era / Ocultista

Cristão / Outros



Autor: Jeremy James, artigo em http://www.zephaniah.eu
Data da publicação: 18/11/2013
Transferido para a área pública em 15/1/2016
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/mortos.asp