Dissecando o Movimento de Nova Era

Parte 1: As Concepções Sobre Deus e Governo

Autor: Carl Teichrib

Forcing Change, Volume 2, Edição 10.

"Estamos aprendendo a abordar os problemas de uma forma diferente, sabendo que a maior parte da crise mundial surgiu com o antigo paradigma — as formas, estruturas e crenças de uma compreensão obsoleta da realidade. Agora, podemos buscar respostas fora das velhas estruturas, fazer novos questionamentos, sintetizar e imaginar." [Marilyn Ferguson, A Conspiração Aquariana, pág. 407 no original; tradução nossa].

A Conspiração Aquariana, publicado em 1980, foi um marco social. Utilizando como base mais de uma década de descontentamento espiritual e social em todo o mundo ocidental, a autora Marilyn Ferguson postulou que um movimento crescente de mudança da mente estava se preparando para transformar nossa cultura coletiva. "A sociedade ocidental está em um ponto crucial", ela escreveu com referência a esse paradigma da "Cultura Emergente". [1].

Essa metatransformação já recebeu diversos títulos, dependendo das personalidades do dia e da inclinação dada: Terceira Via, Nova Ordem Social, Aventureirismo Espiritual, Consciência Planetária, Mudança Global de Paradigma, Sinergia Mundial, Paradigma Emergente, Transformação Global e Evolução da Consciência. Ferguson a chamou de "Conspiração Aquariana", em reconhecimento a uma rede vasta e sem liderança de indivíduos, iniciativas de raiz popular e organizações formais que ligam esse movimento nos níveis nacional e internacional.

"Mais ampla do que reforma, mais profunda do que revolução, essa conspiração benigna para uma nova agenda humana deu partida ao realinhamento cultural mais radical da história. O grande tremor, a mudança irrevogável que está tomando conta de nós não é um novo sistema político, religioso ou filosófico. É uma nova mente — a ascensão de uma cosmovisão surpreendente..." [2].

Por volta de meados dos anos 1980s, essa mudança mental teve um nome comum: Movimento de Nova Era. Entretanto, esse processo de transformação não estava baseado em nada "novo". Em vez de ser uma ideia singularmente nova, esse movimento representava apenas a introdução, aceitação e propagação do misticismo oriental no Ocidente e a cosmovisão que emanava dessa forma de espiritualidade.

Roger Oakland, autor de Faith Undone (Fé Desfeita), oferece o seguinte comentário:

"No início dos anos 1980s, tomei conhecimento de uma grande mudança de pensamento que estava varrendo o mundo ocidental. Práticas pagãs do passado, anteriormente relegadas a um mundo de trevas, estavam agora sendo adotadas como meios e modos de dar início a uma era de iluminação. Em vez de física, era a metafísica. Em vez de acreditar em Deus, as pessoas estavam seguindo homens que diziam que eram deuses. Em vez de adorarem ao único Deus verdadeiro que criou todas as coisas, elas estavam adorando tudo aquilo que o Criador tinha criado. Tudo era deus e todo homem podia se tornar um deus. Todo método e terapia imaginável importados do hinduísmo, do budismo e de todas as formas de misticismo oriental subitamente entraram em voga. Fomos informados que a era da iluminação tinha chegado." [3]

No espaço de algumas poucas décadas, essa "cosmovisão surpreendente" fez profundos avanços. Da Inglaterra até a Austrália, da Nova Zelândia aos Estados Unidos, o Movimento de Nova Era apresentava uma alternativa ao cristianismo, aquela "compreensão obsoleta da realidade". À medida que a sociedade se livrava daquela "velha religião" com seus dogmas fundamentais — a pecaminosidade do homem, a santidade de Deus e a obra redentora de Jesus Cristo — as pessoas famintas por "espiritualidade" e sentido para suas vidas aderiam a uma infinidade de filosofias e experiências místicas substitutas.

Agora, 28 anos após a publicação de A Conspiração Aquariana, nossa paisagem compartilhada está tão profundamente entrelaçada com os conceitos de Nova Era que é impossível manter o controle das transformações que estão ocorrendo. Além do mais, a diversidade do Movimento de Nova Era propicia o anonimato cultural — ele sutilmente se inseriu nos campos da educação, da administração empresarial, da assistência à saúde e até nas igrejas. Hoje, a Nova Era se implantou de forma tão perfeita no cenário ocidental que frequentemente nos vemos negligenciando suas influências. Em outras palavras, ela se tornou uma parte tão aceita do nosso ambiente social que nos tornamos em grande parte cegos para ela.

Essa cegueira é algo que testemunhamos nos últimos anos ao conversar com vários pastores e outros cristãos professos. "O Movimento de Nova Era foi ineficaz... ele se dissipou anos atrás... aquilo foi um fenômeno da década de 1980... foi uma moda... ele não é revelante hoje..." Enquanto isso, as igrejas estão oferecendo classes de Yôga, construindo labirintos e adotando outros instrumentos místicos para a "união com o divino" e adotando o pensamento da "progressão humana" e a Psicologia "transformacional". [4]. Aquilo que teria sido óbvio para os cristãos como "enganação espiritual" trinta anos atrás é agora, em muitos círculos cristãos, visto como parte da nossa "formação espiritual".

Percorremos um caminho muito longo.

Uma pequena lista dos aspectos ou manifestações de "Nova Era', é suficiente para demonstrar a diversidade espiritual do movimento. Ao analisar a seguinte lista incompleta, é importante observar o fato que o Movimento de Nova Era é, em muitos aspectos, inseparável daquilo que tradicionalmente é considerado como ocultismo.

Para qualquer pessoa que tente compreender o total significado e o contexto de apenas uma dessas muitas manifestações, a tarefa pode ser dantesca. Além disso, para a pessoa mediana que "apenas queira saber o que está se passando", o Movimento de Nova Era pode ser um pântano de terminologia obscura, falácias lógicas, representações errôneas, contradições e até pura bizarrice. Entretanto, existem temas comuns que ocorrem em todas suas variações e este artigo fará um exame rápido em duas questões comuns: Deus e governo.

Sobre Deus

O melhor modo de entender o que o Movimento de Nova Era ensina com relação a "Deus" é ouvir aquilo que seus líderes e autores proclamam. Considere as seguintes afirmações:

  1. "Nada pode me tocar, exceto a ação direta de Deus e Deus é meu Eu Onipotente. Posso fazer todas as coisas por meio da Força do Cristo Eu Sou. Eu Sou a FORÇA! — John Randolph Price, The Planetary Commission (A Comissão Planetária; The Quartus Foundation, 1984), pág. 133.

  2. "... se enviei Jesus, então enviaria Maomé, Buda, Krishna, e todos os meus grandes revolucionários. Então o que aconteceria? É Jesus realmente meu filho, mais do que os outros — ou na verdade, mais do que qualquer homem ou mulher é meu filho e minha filha? Todos vocês são meus filhos. E 'Cristo' significa Consciência Universal. Todos vocês são o Cristo por quem buscam." — conforme canalizado por Allen Michael, GOD — Unlimited Ultimate Mind — Speaks (Starmast Publications, 1982), pág. 15.

  3. "Tome agora seu lugar ao meu lado e vamos juntos provar que o Homem é Deus, que não há nada que não seja Deus." — canalizado por Benjamin Creme, Messages from Maitreya the Christ (Mensagens de Maitréia, o Cristo; Tara Press, 1980), pág. 59.

  4. "Em nome da amada, poderosa e vitoriosa Presença de Deus, Eu SOU em mim, Santo Cristo de toda a humanidade, todos os grandes poderes e legiões da luz..." — Elizabeth Clare Prophet, The Great White Brotherhood (A Grande Fraternidade Branca; Summit University Press, 1987), pág. 205.

  5. "Ser ou não ser um Cristo; esta é a decisão que cada alma neste planeta precisa tomar." — John Davis and Naomi Rice, Messiah and the Second Coming (O Messias e a Segunda Vinda; Coptic Press, 1982), pág. 36.

  6. "... todos nós somos amor e espírito, e esse amor e espírito são Deus, e que todos nós, portanto, somos Deus e Deus é tudo..." — Desmond E. Berghofer, The Visioneers: A Courage Story About Belief in the Future (Os Visionários: Uma História de Coragem Sobre Crença no Futuro; Creative Learning International Press, 1992), pág. 202.

  7. "Todos estamos ligados juntos. Somos o grande 'Eu Sou', como suas escrituras chamam Deus... Somos Deus. Você é uma parte de Deus..." — canalizada por Lee Carroll, Kryon: The End Times — Channelled Teachings Given in Love (Kryon: O Fim dos Tempos — Ensinos Canalizados Dados em Amor; The Kryon Writings, 1992), pág. 10.

David Spangler, uma personalidade que lidera o Movimento de Nova Era há muitos anos, expressou o mesmo tipo de pensamento em termos que poderiam — dentro de certos círculos — ser considerados "como cristãos".

"Este é todo o significado da Nova Era: fazer de Deus nosso Amado, responder ao seu convite de casamento e de parceria criativa com ele, sermos um com ele, sermos perfeitos como nosso 'Pai no céu'." [Spangler, Reflections on the Christ (Reflexões Sobre o Cristo), 1978, pág. 30].

Considere também as palavras de Henry C. Clausen, que foi o Soberano Grande Comandante do Rito Escocês da Maçonaria. Em seu livro Emergence of the Mystical, Clausen se certifica que o leitor compreende o vínculo entre a Loja e a divindade do homem:

"Nosso Rito Escocês inspira o espírito que liberta o homem — ele fala para nossos iniciados com a pena dourada da poesia e com o fogo sagrado do drama — fala ao mundo com a alma inspirada da humanidade — revela a Ordem Divina dentro do próprio homem..." (Emergence of the Mystical, 1980, pág. 8).

Outras autoridades maçônicas, como Manly P. Hall, um dos filósofos mais respeitados da Arte, advogou abertamente essa combinação Deus-Homem:

"O homem é um deus que está no processo de formação e, como nos mitos místicos do Egito, na roda do oleiro ele está sendo moldado. Quando sua luz resplandece para elevar e preservar todas as coisas, ele recebe a coroa tríplice da divindade e ingressa naquela companhia de Mestres Maçons que, em seus mantos de Azul e Dourado, buscam dissipar as trevas da noite com a luz tríplice da Loja Maçônica." (Manly P. Hall, The Lost Keys of Freemasonry (As Chaves Perdidas da Maçonaria), pág. 92.)

A Bíblia também contém uma passagem que mostra este mesmo conceito espiritual — isto é, o homem se tornando uma divindade. Essa passagem se encontra em Gênesis 3 e fala sobre a queda da humanidade.

Sucintamente, o contexto é o seguinte: Satanás, disfarçado como uma serpente, convence os habitantes do Jardim do Éden a violarem intencionalmente a lei de Deus — um decreto estabelecido que proíbe comer de certo fruto. Abordando Eva, a Serpente lança dúvidas sobre a lei protetora de Deus e introduz um novo modo de ver o fruto:

"Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais. Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal. E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela." [Gênesis 3:2-5].

Eva tomou e comeu o fruto, e o mesmo fez Adão.

A morte ficou oculta, como a Serpente prometeu? Adão e Eva alcançaram a divindade por meio do conhecimento do bem e do mal? A resposta a ambas as perguntas é não. Em vez disso, a morte se tornou nossa marca registrada, pois o homem tolamente se deixou iludir — a criação nunca pode ser igual ao Criador.

Isto nos traz de volta ao Movimento de Nova Era. Essencialmente, a mentira da Serpente registrada em Gênesis 3 é a pedra fundamental no Movimento de Nova Era: "sereis como Deus". Experimentei esse sistema de crenças em primeira mão no fim dos anos 1990S, ao participar como pesquisador de um evento de Nova Era. Durante uma sessão, foi formado um círculo em que os participantes de mãos dadas entraram em um período de meditação para coletivamente canalizarem as energias cósmicas; depois, encerraram a cerimônia inclinando-se uns diante dos outros em reconhecimento às suas divindades. Durante todo aquele dia, diversas outras referências foram feitas às suas divindades e posições crísticas, porém todos tiveram de pagar o ingresso para participar do evento. Muitos dos participantes eram idosos e tinham problemas de saúde. Algumas das divindades participantes também tinham problemas de visão, o que era evidente pelo fato de usarem óculos. Além disso, todos os deuses tinham chegado de carro. Nenhum deles tinha voado por sua própria conta e se materializado ali, ou descido dos céus. Todos pagavam contas no fim do mês. Todos eram meros seres humanos.

Somos Deus? Se pensamos assim, estamos simplesmente enganando a nós mesmos.

Sobre o Governo

A crença da Nova Era no egoteísmo tem limites óbvios, tanto na lógica quanto em termos da natureza moral do homem. Entretanto, os proponentes dessa transformação social e espiritual buscam outro método de progresso evolucionário — a capacidade de gerenciar a existência da humanidade por meio do instrumento do governo mundial.

Considere as seguintes declarações:

  1. "O controle populacional, limitar um ou dois filhos por família... é necessário para alcançar um verdadeiro internacionalismo, que leve em conta os recursos do mundo coletivamente... Compreendo perfeitamente que o Governo Mundial é um assunto controverso e que parece estar em oposição ao espírito tradicional do nacionalismo. Entretanto, o mundo é pequeno demais agora para que continuemos a pensar nele no futuro como um tabuleiro do jogo de damas de Estados soberanos e ambições individuais." — Ralph M. Lewis (antigo Imperador da Antiga e Mística Ordem Rosa-Cruz), "The Imperator Interviewed", Rosicrucian Digest, abril de 1984.

  2. "O compartilhamento e cooperação de toda a humanidade, a redistribuição da produção mundial, resultarão no governo mundial... Na chefia dos vários governos do mundo e das grandes agências internacionais, como as agências das Nações Unidas, haverá um Mestre ou, pelo menos, um iniciado do terceiro grau." — Benjamin Creme (Creme afirma ser o veículo por meio do qual um Mestre de espírito evoluído fala), The Reappearance of the Christ and the Masters of Wisdom (O Reaparecimento do Cristo e os Mestres da Sabedoria, Tara Press, 1980), pág. 169.

  3. "Pessoas de compreensão e de capacidade especial se levantam para estabelecer nosso Novo Governo Mundial, que já está potencialmente iniciado nas Nações Unidas; para estabelecer nossos mercados livres, que já foram potencialmente iniciados no Mercado Comum e para estabelecer nossa Comissão de Planejamento Mundial, que já foi iniciada por meio dos ambientalistas e dos planejadores urbanos progressistas." — Allen Michael (que canalizou as mensagens de um ser espiritual que afirmava ser a Mente Maior), God — Ultimate Unlimited Mind — Speaks (Deus — A Mente Maior Não Limitada — Fala; Starmast Publications, 1982), pág. 286.

  4. "A revolução começou. Ela teve início mais de cem anos atrás, mas agora o ritmo está aumentando. Em todo o mundo, homens e mulheres estão aderindo à insurreição e vindo à frente para serem contados como parte de uma nova raça que algum dia governará o universo. — John Randolph Price (cofundador da Quartus Foundation), The Super Beings (Os Super-Seres; The Quartus Foundation for Spiritual Research, 1981), pág. 1.

  5. "O que a ordem mundial significa é que certas funções serão transferidas dos níveis nacionais para o nível planetário. Por exemplo, a manutenção da paz, a proteção ecológica transnacional, regulamentações para o comércio internacional e para um sistema monetário integrado, regulamentação do uso dos mares e alguma forma de tributação global." — Gerald and Patricia Mische (fundadores da Global Education Associates, uma organização de transformação com fortes inclinações de Nova Era), Toward a Human World Order (Rumo a uma Ordem Humana Mundial), Paulist Press, 1977), pág. 64.

  6. "... a América precisa conscientemente se ver como um império de transição, um império cujo destino neste momento é atuar como parteiro para um sistema global governado democraticamente. Seu grande desafio não é dominar, mas catalisar. Ela precisa usar sua grande força e sua herança democrática para estabelecer instituições integradas e mecanismos para gerenciar o sistema global emergente para que seu próprio poder seja colocado em submissão ao edifício que ela ajuda a construir. O presidente Wilson estabeleceu a Liga das Nações a partir das cinzas da Primeira Guerra Mundial. Os presidentes Roosevelt e Truman estabeleceram uma nova ordem internacional após a Segunda Guerra Mundial. A América precisa agora construir a terceira iteração da governança global." — Jim Garrison (Presidente do Fórum Estado do Mundo; Presidente da Universidade da Sabedoria — uma escola que enfoca o estudo de assuntos esotéricos e de Nova Era), America As Empire: Global Leader or Rogue Power? (A América como Império: Líder Global ou Poder Delinquente?, Berrett-Koehler Publishers, 2004), pág. 9.

  7. "Uma nova consciência está... emergindo a partir de uma crescente conscientização no Ocidente da sabedoria da cosmovisão oriental. O budismo, o hinduísmo, o taoísmo e o xintoísmo, embora diferentes em muitos aspectos, retratam o mundo como um ecossistema multidimensional e organicamente interrelacionado do qual o homem é uma das muitas partes interdependentes. Talvez possamos aprender isto com eles para vermos o mundo inteiro, como ele realmente é, e juntos — Ocidente e Oriente — começarmos a construir os alicerces de uma nova ordem internacional. O item mais urgente na agenda planetária é definir os limites da liberdade e da ordem em questões supranacionais e globais. O mundo precisa de uma Constituição que combine as realizações de ambos os hemisférios; isto é, as limitações constitucionais e uma Carta de Direitos do Ocidente e uma cosmovisão ampla e abrangente do Oriente." — Lucile W. Green (uma federalista mundial com fortes inclinações de Nova Era), Journey to a Governed World: Thru 50 Years in the Peace Movement (Jornada para um Mundo Governado: 50 Anos no Movimento da Paz; The Uniquest Foundation, 1991), págs. 34-35.

Lucile Green, que fez a última declaração acima, acreditava firmemente que a ONU seria a organização melhor qualificada para atuar como gerente global: "... as Nações Unidas precisam ser transformadas em um governo mundial eficaz." [5]. Muitos outros no Movimento de Nova Era veem a ONU como a "melhor e única esperança". Mas, simplesmente querer um governo mundial não significa muito, a não ser que a organização ou o indivíduo em questão tenha alguma força nas elites sociais e políticas.

É este o caso com o Movimento de Nova Era? Embora a maioria seja formada simplesmente por cidadãos comuns, existe uma facção muito influente e com voz que opera nos escalões sociais, políticos e empresariais mais altos e também nos círculos acadêmicos. Além disso, não é difícil encontrar aderentes da Nova Era dentro da comunidade das Nações Unidas. Robert Muller é um caso em vista.

Em 1947, Muller venceu um concurso de ensaios com uma monografia que escreveu sobre o governo mundial. O prêmio foi um estágio na ONU. Mais tarde, em 1948, ele foi contratado pela organização. Desde 1948 até sua aposentadoria em 1986, ele ocupou os seguintes postos:

Conhecido como "Profeta da Esperança" e "Filósofo" da ONU, Muller dedicou sua vida à cidadania mundial e à espiritualidade global — com uma estrutura de crenças construída em torno da combinação feita pela Teosofia do misticismo oriental com a filosofia ocultista ocidental. Um respeitado conferencista de Nova Era e autor de diversos livros, a influência de Muller é sentida em toda a ONU e na comunidade internacional mais ampla. (Nota: Muller ainda está vivo, porém sua idade avançada o forçou a reduzir consideravelmente suas atividades). Em outras palavras, ele não é um seguidor inconsequente.

Uma prova dos conceitos de "governo mundial" de Muller pode ser encontrada em sua declaração aos educadores públicos e às crianças em idade escolar no Congresso da Mocidade Cidadania Global 2000, que foi realizado durante a primavera de 1997, em Vancouver, no Canadá:

"Tenho seis modos fundamentais de chegar a um Mundo Unido... Vou trabalhar em cada um deles... Estou pedindo agora que as Nações Unidas sejam tremendamente fortalecidas, ou que sejam criados os Estados Unidos do Mundo. Ou, vamos pegar a União Europeia agora, como um modelo que é melhor que as Nações Unidas, para um Mundo Unido. Ou, vamos pegar todos os Federalistas Mundiais juntos para criar uma Federação Mundial. Ou, vamos criar unidades regionais continentais... A União Europeia, a União Americana, que também promovi — e foi assim que vocês tiveram o acordo de comércio entre os EUA e o Canadá. E então tomemos os cinco continentes, se eles estiverem unidos, criarão uma União Mundial. Este é outro... O último e mais importante é que organizemos este planeta de acordo com a biologia. Todas as bactérias, todas as células no seu corpo, estão interconectadas... Este é um conceito completamente novo de como o planeta deve ser organizado. Devemos fazer isto por região, em vez de segmentar de um lado a outro. Eu gostaria de ter uma Comunidade do Pacífico, uma Comunidade do Atlântico... Gostaria de ter a Comunidade do Pacífico com todos os países em torno do Oceano Pacífico. Uma Comunidade do Atlântico com os países em torno do Oceano Atlântico. Eu gostaria de ver uma Comunidade do Ártico, uma Comunidade da Antártida, os países do deserto... Os grandes rios da Amazônia seriam praticamente uma região em que os povos deveriam estar unidos com a natureza. Assim, vocês têm de trabalhar nisto tudo. Vocês têm um futuro fantástico." — Robert Muller, falando no Congresso da Mocidade Cidadania Global 2000, em 5 de abril de 1997. [O autor possui as fitas cassetes com o áudio deste evento.]

Em seu livro New Genesis: Shaping a Global Spirituality (Novo Gênesis: Moldando uma Espiritualidade Global), Muller advoga a unificação global centrada na espiritualidade de Nova Era. Ele diz que "um dia, nosso planeta será uma democracia espiritual mundial" (pág. 10). Ele explica:

"Pouco a pouco, um livro planetário de orações está sendo composto por uma humanidade cada vez mais unida que busca sua unicidade... Novamente, mas desta vez em uma escala universal, a humanidade está buscando não menos que sua reunião com o 'divino', sua transcendência em formas mais elevadas de vida. Os hindus chamam nossa Terra de Brahma, ou Deus, pois corretamente não veem diferença entre nossa Terra e o divino. Essa antiga e simples verdade está lentamente alvorecendo sobre a humanidade. Seu florescimento pleno será a grande e nova história real da humanidade, pois estamos prestes a entrar na nossa era cósmica e nos tornar aquilo que sempre fomos destinados a ser: o planeta de Deus." (pág. 49).

O Movimento de Nova Era tem, no mínimo, sido um fator de influência no que se refere à modelagem do que os futuros sistemas de governança devem ser. Ademais, as impressões digitais da Nova Era podem ser encontradas em muitas outras estruturas de governo atuais. Elementos significativos de Nova era podem ser rastreados em toda a União Europeia e em muitos departamentos estaduais e nacionais — especialmente nas agências educacionais, ambientais e culturais.

Em certo sentido, esta noção de governo mundial atua da mesma forma que a ideia da autodivindade. Basicamente, se o homem é Deus, conforme o ensino da Nova Era, então "Governo Mundial" representa a expressão organizada máxima de "Deus na Terra". Afinal, um sistema global centralizado seria, por sua própria natureza, o gerente sobre toda a atividade humana no planeta. Neste sentido, "o Governo É Igual a Deus". As implicações são extraordinárias. Quem se atreveria a contradizer as aspirações centralizadas desse governo-deidade?

Barbara Marx Hubbard, uma líder da Nova Era, nos diz que essa transformação planetária afetará a todos. Se você estiver em oposição a esse programa evolucionário — essa transição global que objetiva capacitar toda a humanidade — então você será separado.

"A humanidade não conseguirá fazer a transição da vida centrada unicamente na Terra para a vida universal até que a palha tenha sido separada do trigo. O grande ceifeiro precisa ceifar para que possamos dar o salto quântico para a próxima fase da evolução. A paz terreal somente conseguirá prevalecer quando os membros centrados em si mesmos do corpo planetário mudarem ou morrerem. Esta é a escolha... Este ato é tão horrível quanto matar uma célula cancerosa. Ele precisa ser feito para o bem do futuro do todo." [6].

Conhecimento Implica em Responsabilidades

Compreender estes dois componentes comuns encontrados no Movimento de Nova Era — as visões sobre Deus e Governo — nos ajudam a compreender melhor a mudança cultural que está ocorrendo no mundo ocidental. Ao pensar nestas questões, é importante observar que esta é uma "batalha de base espiritual pela mente e pela alma".

Tudo isto assume um tom especialmente sério quando se percebe que essas filosofias inundaram a sala de aula, bem como a programação na televisão e a literatura voltadas para as crianças. Sem qualquer surpresa, a educação é considerada a porta para a transformação global e social, tanto que Robert Muller desenvolveu um currículo internacional baseado em princípios de Nova Era. Além disso, a cofundadora da Sociedade do Mundo Futuro, Barbara Marx Hubbard, é igualmente inflexível com relação à educação como principal chave para a transformação da Nova Era — "nosso plano de ação motivado pelo espírito para o século 21" [7].

"A educação para a evolução consciente é o contexto em que todas as disciplinas e campos trabalham juntos para compreender e guiar a evolução da humanidade. Ela é a metadisciplina que precisamos para fornecer o conhecimento, a motivação e as oportunidades sobre as quais a liderança no século 21 se formará." [8].

"Os próximos cinquenta anos devem ser dedicados a colocarem juntos os recursos intelectuais, sociais e espirituais da nossa brilhante espécie para lançar os fundamentos para o próximo estágio da evolução humana..."

"... para abrigar a nova metadisciplina, novas escolas para a evolução consciente são necessárias, não somente uma escola de pensamento, mas também instalações escolares, sejam em universidades reconhecidas ou não, onde as pessoas se reúnam para ensinar e para aprender como participar na evolução consciente — espiritual, social e cientificamente... Elas seriam lugares para misturar o fermento intelectual, social e espiritual necessário para este salto quântico." [9].

Sabendo que a educação e as crianças, em particular, são alvos para a programação transformadora da Nova Era, quais são nossas responsabilidades?

1. Se você é pai, é sua responsabilidade reconhecer estas influências e lidar com elas de um modo que forneça sabedoria aos seus filhos. Não diga simplesmente que algo é "mau". Em vez disso, explique a enganação e forneça para elas um alicerce construído sobre a verdade. Se seus filhos estão no sistema público de ensino, analise regularmente o currículo e os materiais didáticos. Se houver um problema, converse com os professores e/ou administradores, explicando sua posição com cuidado, com fatos e de forma lógica. Controle suas próprias emoções — a cabeça calma e tranquila trabalha melhor do que com explosões de raiva. Nota: A educação no próprio lar fornece uma excelente alternativa, porém nem todos estão em condições de oferecê-la aos seus filhos.

2. Se você for um administrador escolar e/ou um professor, tem uma responsabilidade; você deve ser o filtro para a classe. Esta não é uma tarefa fácil, especialmente se seu ambiente profissional não vê com bons olhos seu interesse em filtrar os ensinos de Nova Era.

É importante se lembrar que a Nova Era está infiltrada em uma ampla variedade de campos e atividades. Como um exemplo: minha família gosta de colecionar pedras. Não se trata de encontrar belas pedras no caminho de casa, mas de coletar amostras de minerais, blocos de cristais bem-definidos e outras peças diferentes. Fazemos muito disso com trabalho árduo — cavando, quebrando com martelos e talhadeiras e explorando terreno íngreme. Sempre que possível, procuramos visitar as lojas de pedras preciosas. Inevitavelmente, quando visitamos algumas dessas lojas, encontramos um aspecto do Movimento de Nova Era: as supostas propriedades espirituais das rochas e dos cristais — pedras terapêuticas e energia dos cristais.

Isto não influencia meus filhos. Eles compreendem a diferença entre a verdade e o erro espiritual, tanto a partir da perspectiva bíblica quanto da lógica; eles sabem que uma rocha é apenas uma rocha, nada mais e nada menos. Eles também sabem que há um trabalho árduo envolvido em encontrar e limpar os belos cristais que estão nas prateleiras das lojas; não há nada "mágico" nisto. Todavia, existem ensinos de Nova Era que tentam desafiar a fé e as convicções de minha família.

A abrangência da Nova Era é vasta. A autora Marilyn Ferguson, escrevendo sobre aqueles que estão envolvidos em fazer avançar esse movimento, diz o seguinte:

"Eles estão nas grandes empresas, nas universidades e nos hospitais, no corpo docente das escolas públicas, nas fábricas e nos consultórios médicos, nas agências dos governos estaduais e federal, nas câmaras de vereadores e na equipe de funcionários da Casa Branca, nas legislaturas estaduais, nas organizações de voluntários, em virtualmente todas as arenas de criação de políticas no país." [10; tradução nossa].

Sabendo isto, como devem os cristãos responder para aqueles que estão no Movimento de Nova Era?

Os indivíduos que aderem às crenças da Nova Era não são seus adversários. Emboras as filosofias sejam diametralmente opostas ao cristianismo bíblico, os aderentes são seus vizinhos, colegas de trabalho e membros da sua família. Trate-os com respeito e com amor, e esteja disposto a discutir as questões espirituais com eles com cuidado e com verdade. Seja honesto quando você não conhecer a resposta para uma de suas questões. Quando tiver a oportunidade de se sentar com eles e comparar as crenças religiosas — e isto acontece! — seja claro com relação à condição bíblica do homem, a santidade de Deus e a obra redentora de Jesus Cristo. Além disso, o Movimento de Nova Era é extremamente relativista em sua aparência, essencialmente dizendo que as experiências pessoais são mais válidas do que as afirmações de verdades e que ninguém pode conhecer a "verdade absoluta". Os furos lógicos nessa linha de raciocínio são imensos. Embora muitos no Movimento de Nova Era sejam capazes de viver com contradições lógicas, é importante reconhecer a oportunidade de desafiar suas asserções com questões e afirmações provocativas.

Vivemos em um tempo de mudanças e de desafios e é nossa responsabilidade identificar essas transformações culturais e confrontar a sociedade quando as oportunidades aparecerem. A Nova Era busca a autodivinização individual ou coletiva, de modo que devemos nos lembrar daquilo que o livro de Isaías nos diz:

"Porque assim diz o SENHOR que tem criado os céus, o Deus que formou a terra, e a fez; ele a confirmou, não a criou vazia, mas a formou para que fosse habitada: Eu sou o SENHOR e não há outro... Porventura não sou eu, o SENHOR? Pois não há outro Deus senão eu; Deus justo e Salvador não há além de mim. Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro." [Isaías 45:18,21b-22].

Notas Finais

1. Marilyn Ferguson, The Aquarian Conspiracy: Personal and Social Transformation in the 1980s (A Conspiração Aquariana, J. P. Tarcher, 1980), pág. 37. Nota: O termo "Cultura Emergente" é um subtítulo usando por Ferguson para fornecer uma base contextual para as mudanças que ela via acontecendo.

2. Ibidem, pág. 23.

3. Roger Oakland, Faith Undone (Lighthouse Trails, 2007), pág. 93.

4. Existem diversas análises críticas sobre este assunto de mistura da igreja com a Nova Era. Para o Yôga e o Cristianismo, veja o livro de Dave Hunt, A Yoga e os Cristãos (Editora Actual). Outros livros incluem Samantha Smith, Trojan Horse (Huntington House Publishers, 1993) e Dave Hunt, Occult Invasion: The Subtle Seduction of the World and Church (Harvest House, 1998).

5. Lucile W. Green [uma federalista com inclinações de Nova Era muito fortes], Journey to a Governed World: Thru 50 Years in the Peace Movement (The Uniquest Foundation, 1991), pág. 12.

6. Este texto foi extraído do livro de Barbara Marx Hubbard intitulado Manual for Co-Creators (New Visions, 1980), págs 55-61, e reimpresso em The New World Religion, de Gary Kah (Hope International Publishing, 1998), págs. 117-118. Outros na Nova Era, como John Randolph Price, fizeram afirmações similares.

7. Barbara Marx Hubbard, Conscious Evolution (New World Library, 1998), pág. 171.

8. Ibidem, pág. 165.

9. Ibidem, pág. 169-170.

10. Ferguson, The Aquarian Conspiracy (A Conspiração Aquariana), pág. 24.



Dissecando o Movimento de Nova Era

Parte 2 — Examinando a Nova Era: Orientações Básicas

Autor: Willy Peterson

A Nova Era é um movimento de incrível complexidade e diversidade, de modo que é difícil generalizá-la em uma definição fácil e concisa. Entretanto, atualmente ela tende a incorporar os seguintes conceitos:

1. Monismo — Um conceito do universo que tudo é um. O universo é composto de uma essência comum, que também conecta e amarra todas as coisas juntas. Toda a verdade se torna relativa à sua estrutura de referência e Deus está relegado a uma mera expressão conceitual de matéria/energia ou tempo/espaço. O monismo fornece a estrutura filosófica para as religiões agnósticas do Oriente, como o budismo e o taoísmo, mas também é compartilhado pelo neopaganismo do Ocidente. Duas das implicações mais populares do monismo são o niilismo (tudo é nada) e o universalismo (todos os caminhos levam a "Deus").

2. Relativismo — Uma crença que toda a verdade, conhecimento e leis são relativos às percepções ou situações particulares e não têm autoridade universal. William Hurt, no filme Estados Alterados, afirma: "Vi o outro lado e descobri que a única verdade absoluta é que não existe a verdade absoluta." Uma das derivações do relativismo é o conceito hindu de maya, que afirma que toda a matéria é no fim ilusória — um truque da imaginação. Como dizia uma canção dos Beatles, "Campos de morangos, nada é real, e não há nada com o que se machucar, campos de morango para sempre."

3. Panteísmo — O conceito que tudo é um, expresso como deidade. Cada elemento disto é uma parte de deus e, portanto, tão inerentemente divino quanto o todo. Como Shirley MacLaine diz: "Eu sou Deus, eu sou Deus!" O politeísmo é frequentemente uma consequência natural do panteísmo, pois essa deidade é expressa em várias manifestações elementais. O panteísmo está mais frequentemente associado com o hinduísmo, mas também é encontrado em muitas outras religiões pagãs baseadas na terra.

4. Iluminação — O momento da autoconscientização, quando um indivíduo reconhece perfeitamente sua identificação pessoal com o universo e que ele/ela é de fato totalmente divino. Também conhecida como autorrealização, essa experiência do infinito pessoal frequentemente acontece após um processo de doutrinação, após o uso de drogas que alteram a mente e/ou por técnicas psíquicas que têm o objetivo de desmantelar a mente racional e patrocinar uma dependência funcional na intuição. A droga LSD provavelmente fez mais para propagar esse fenômeno nos anos 1960s do que todos os gurus juntos, porém não sem a influência deles.

5. Gnosticismo — Uma antiga heresia rejeitada pela igreja primitiva que reapareceu e agora influencia fortemente o Movimento de Nova Era. Basicamente, o gnosticismo é a mentira da Serpente. Os aspectos proeminentes hoje são a centelha da divindade dentro de todas as criaturas vivas; uma queda mística da árvore da vida e a gradual ascensão por meio do domínio de conhecimento especial; iniciação e orientação para essa verdade interior por meio da sabedoria da serpente; aparecimento periódico da orientação messiânica e a vilificação do Criador. O Instituto Gnóstico de Antropologia anuncia: "Homem, Conheça a Ti Mesmo e Conhecerás os Deuses do Universo". Exemplos contemporâneos são a Maçonaria, a Sociedade Rosa-Cruz, o sufismo e o cabalismo.

6. Gaia — Um conceito moderno da Terra como um ser único, vivo e consciente, nomeada assim em honra a uma antiga deusa grega. Esta ideia afirma que a Terra evoluiu e se transformou em um organismo totalmente funcional e que se auto-regula, completo com consciência e conscientização pessoal. Todos os círculos naturais, ecossistemas e organismos são partes de seus sistemas de suporte à vida, exatamente como as células do nosso sangue, os pulmões e os hormônios são parte de nós. Gaia foi elevada ao status de uma deusa, substituindo nosso Deus transcendente como criadora, salvadora e fonte final da vida para o Movimento de Nova Era. Uma das consequências desse conceito é a visão que a humanidade se tornou um parasita sobre a Terra, de modo que a civilização humana precisa ser severamente limitada e reestruturada para garantir a sobrevivência do nosso grande organismo hospedeiro. Os neopagãos, ambientalistas e muitos cientistas agora se identificam como "gaianos".

7. Reencarnação — A roda da vida ou transmigração da alma. Toda a matéria evolui por meio de vários ciclos naturais, por meio da morte para a vida e, finalmente, "de volta" para a consciência divina. A reencarnação humana envolve uma série de ciclos de nascimento e renascimento, o que fornece oportunidades para cumprir a dívida cármica por meio da devoção, ação correta e o desenvolvimento de habilidades psíquicas. Esta crença, que foi em grande parte introduzida no Ocidente por meio da filosofia oriental, também é defendida pelo espiritismo e pela feitiçaria, entre outras.

8. Xamanismo — Religião da natureza que enfatiza a adivinhação, o espiritismo, o herbalismo, a projeção astral e a acumulação de poder psíquico em uma tentativa de desenvolver conhecimento e capacidades sobrenaturais. Um elemento importante do xamanismo é a identificação do ser interior com espíritos-guias na forma de espíritos de animais. O xamanismo está experimentando um aumento de popularidade em grande parte por meio da promoção das religiões dos aborígenes da Austrália e dos povos indígenas do continente americano. Um dos exemplos mais notáveis do xamanismo contemporâneo é o vodu haitiano, mas o filme A Floresta das Esmeraldas fornece uma visão da quinta-essência do xamanismo, sem toda a fanfarra.

9. Paganismo — Religiões pré-cristãs e não-cristãs que estão baseadas na Terra, em seus elementos e nos ciclos naturais. O paganismo pode ser compreendido mais simplesmente como uma explicação primitiva do fenômeno natural em termos das forças sobrenaturais. O neopaganismo moderno está sendo apresentado principalmente pela feitiçaria e está experimentando um grande reavivamento no Movimento de Nova Era. Exemplos de paganismo são as antigas religiões da Grécia, do Egito e dos celtas. Formas modernas incluem o hinduísmo e as religiões dos índios do continente americano.

10. Oculto — Literalmente, "coisas ocultas", o ocultismo normalmente se refere à manipulação das energias ocultas. Benjamin Creme, que chama o oculto de "ciência da energia", faz a seguinte interessante distinção: "Uma vez manipulada ou canalizada, essa energia se transforma em uma força."

11. Animismo — Uma visão pagã da natureza segundo a qual os objetos inanimados contêm a centelha da consciência divina e são, portanto, merecedores da nossa devoção. Além disso, é a prática de adorar uma inteligência superior dentro de objetos simples animados ou inanimados. Exemplo: a adoração do carvalho pelos druídas.

12. Espiritualismo — A doutrina ou prática de comunhão com os mortos, ou necromancia. O espiritismo é similar, exceto que as forças espirituais não precisam ser humanas, mas podem ser entidades que emanam da natureza ou da própria consciência do hospedeiro. Hoje, uma forma de espiritualismo é a canalização, pela qual os hospedeiros aprendem a se esvaziar de suas próprias consciências, contactar espíritos dispostos a se comunicar e convidá-los a entrar em seus corpos para transmitir conhecimento por meio de várias formas de comunicação.

13. Adivinhação — A prática de obter conhecimento especial sobre eventos do passado, do presente ou do futuro por meio de poderes ou capacidades metafísicas. O cabalismo é uma das muitas tradições que afirmam que o universo foi construído com um código de sabedoria mística. Vários rituais, modelos enigmáticos ou processos aleatórios capacitam o consulente a quebrar o código e descobrir significados ocultos. Os verdadeiros "adeptos" frequentemente admitem que espíritos-guia auxiliadores são a chave para a adivinhação ser bem-sucedida. Exemplos incluem as cartas do Tarô, o tabuleiro (ou mesa) de Ouija, a astrologia, o lançamento de búzios, etc.

14. Projeção Astral — Uma forma de viagem psíquica em que a alma ou o corpo astral se projeta para fora do corpo físico para explorar as "realidades alternativas", dimensões ou até mesmo outros locais físicos. Essas experiências podem ser induzidas por meio de drogas alucinógenas, rituais de hipnose, ou técnicas ocultistas como o Yôga e a Meditação Transcendental. Algumas dessas técnicas foram amplamente promovidas durante os anos 1970s pelos muitos livros de Carlos Castaneda.

15. Bruxaria — O uso da magia para manipular o ambiente natural ou o ambiente humano. O mago Aleister Crowley, que chamava a si mesmo de "A Besta", e que era conhecido entre seus pares como "o menino mau da feitiçaria", cunhou a agora popular definição para a mágicka como "a Ciência e a Arte de fazer a Mudança ocorrer em conformidade com a Vontade". Provavelmente, sua mais concisa definição para a bruxaria é: "Toda força no universo é capaz de ser transformada em qualquer outro tipo de força, usando-se os meios adequados." Muitos bruxos acham que os pensamentos são energias tangíveis e que, quando adequadamente canalizados por meio da vontade, têm o poder de conformar o mundo visível e invisível que está ao redor deles. Embora seja praticada em grande parte pelos feiticeiros, a bruxaria contemporânea está encontrando uma ampla expressão em toda nossa cada vez mais paganizada sociedade.

16. Círculo da Vida — Uma cosmovisão pagã segundo a qual toda a vida está aparentada, interconectada e interdependente. Essa visão tipicamente assume a evolução e a reencarnação como forças propulsoras que estão por trás do ciclo da existência — vida, morte e renascimento. O conceito pode ser visto como a totalidade de todo ecossistema, envolvido em um processo constante de consumo, reprodução e morte. Todos os organismos estão se alimentando uns dos outros e, por sua vez, contribuindo para a grande luta natural pela sobrevivência. É a visão naturalista da biosfera que implicitamente nega qualquer influência sobrenatural do exterior. Ela também implica que toda vida é igualmente sagrada, embora os proponentes dessa visão pareçam se esquecer desse status com relação a certos segmentos da humanidade. Embora seja ensinada na ciência natural, ela parece ter sido a base para os ritos de mistérios pagãos no mundo antigo. Aderentes mais recentes incluem o neopaganismo, Joseph Campbell e os psicólogos de Nova Era.

17. Era de Aquário — As constelações governantes progridem em um ciclo de 2100 anos. Estamos na iminência de uma "troca da guarda" de Peixes para Aquário. Este evento acompanha uma mudança atual de paradigmas na consciência mundial da era do monoteísmo, caracterizada pelo imperialismo centrado no homem e o domínio cristão, para o Movimento de Nova Era, caracterizado por uma ordem de paz política, social e religiosa de um mundo monista e unificado.

Todos estes ensinos, que não estiveram sempre aliados, agora tendem a se unir para apoiar uma cosmovisão holística. Quando você encontrar um, os outros inevitavelmente pegarão carona. Marilyn Ferguson explica:

"A Fundação Limiar... declarou seu intento de ajudar a facilitar a transição para uma cultura planetária, 'patrocinar uma mudança de paradigmas, um novo modelo de universo em que a arte, a religião, a filosofia e a ciência possam convergir' e promover uma compreensão mais ampla que 'existimos em um cosmos cujos muitos níveis de realidade formam um único todo sagrado'.".

Estes esforços não estão confinados a uma única organização, mas são compartilhados por uma rede de dezenas de milhares de grupos que pensam da mesma forma em todo o mundo, resultando na colaboração e fusão de cosmovisões e religiões anteriormente incompatíveis. Entretanto, a despeito de seus objetivos idealistas de amor, unidade e cooperação, esses grupos estão em grande parte baseados em alguns dos mais malignos ensinos do passado tenebroso da humanidade, isto é, no ocultismo. O Movimento de Nova Era é totalmente contrário a uma interpretação normal ou literal da Bíblia e, portanto, contraria Moisés, os profetas de Deus, o Senhor Jesus Cristo e Seus apóstolos. Na verdade, as doutrinas de Nova Era expressam eloquentemente a rejeição total da Palavra e da autoridade do único Deus vivo e verdadeiro.


O texto acima foi extraído do manuscrito escrito e publicado por Willy Peterson, intitulado The Leavening: A New Age Primer for Christian Parents (Quarta edição, 1997).



Dissecando o Movimento de Nova Era

Parte 3 — Em Suas Próprias Palavras

Nota: O texto a seguir é uma compilação de palavras do ex-Assistente do Secretário-Geral da ONU, Robert Muller, e representa em parte sua versão de como o mundo poderá ser em um futuro não tão distante. Observe a mistura de política e religião no nível global.

Plano Para a Paz Mundial em 2010

Autor: Robert Muller

Primeira publicação: 10 de março de 2003.
Atualizado em 1 de janeiro de 2007.

"Não é suficiente falar sobre paz; é preciso acreditar nela. E não é suficiente acreditar, é preciso trabalhar por ela." — Eleanor Roosevelt.

1. Um novo Plano Marshall deve ser criado para ajudar os países pobres. Empréstimos com taxas de juros reduzidas e perdão da dívida serão concedidos aos países que desarmarem suas populações e se desmilitarizarem sob a proteção e garantias da ONU. Uma série de projetos de engenharia e de geração de energia serão implementados com as economias obtidas com o desarmamento e a desmilitarização de forma a aumentar a produtividade e a eficiência e reduzir o impacto ambiental da economia mundial.

2. Zonas livres de energia nuclear, zonas de paz e áreas desmilitarizadas devem ser estabelecidas, garantidas pela ONU, acompanhadas por ajuda econômica com taxas de juros reduzidas.

3. As religiões do mundo devem encerrar todos os conflitos religiosos e apoiar a paz, o desarmamento e a desmilitarização, cooperar no mundo espiritualmente e elaborar em conjunto um código mundial de ética e cosmologia para guiar os governos e as agências mundiais dentro da estrutura maior do universo e da eternidade. As Nações Unidas devem criar uma Agência Espiritual Mundial, que utilize os recursos, visões e sabedoria das tradições espirituais para solucionar os problemas mundiais.

4. O Plano Marshall para a melhoria dramática dos padrões de vida dos países pobres elaborado pelo Conselho Econômico e Social da ONU será endossado pela Assembleia Geral e colocado em operação.

5. Encontros de cúpula serão realizados anualmente entre todos os chefes de Estado:

  1. Eles decidirão traçar um novo curso para a humanidade e para a Terra — uma Renascença Global, um novo Acordo Planetário que apresente melhores modos de administrar adequada e pacificamente nosso magnífico planeta.

  2. Eles concordarão com o total desarmamento nuclear por volta do ano 2010 e com o total desarmamento e desmilitarização por volta do ano 2020.

  3. Eles concordarão em encerrar a venda de armas e em convocar uma conferência promovida pela ONU sobre a proibição mundial da venda e produção das armas.

  4. Novas prioridades do mundo serão estabelecidas, para serem implementadas com os imensos recursos liberados pelo desarmamento e pela desmilitarização.

  5. Sistemas de comunicações com áudio e vídeo de alta tecnologia serão instalados nos gabinetes e residências dos chefes de Estado para que eles possam permanecer em comunicação direta e instantânea durante qualquer crise e na apresentação de ideias, propostas ou ações para paz e para um mundo melhor.

6. Os EUA encerrarão todos os planos e a pesquisa para a "Guerra nas Estrelas".

7. Os EUA ratificarão a Lei do Mar, da ONU, que cria uma ordem jurídica para o maior patrimônio do mundo — os mares e oceanos que cobrem 71% do planeta.

8. Um grupo de especialistas será indicado conjuntamente pelos chefes de Estado para rascunhar as propostas para um salto quântico no papel e recursos do sistema da ONU para capacitá-la a lidar eficazmente com os problemas globais que estão confrontando a humanidade em um ritmo cada vez mais acelerado.

9. Uma agência especializada da ONU sobre a população será criada. Os EUA deverão renovar seu suporte para o Fundo da ONU para as Atividades da População e multiplicar por dez suas contribuições para ele.

10. A Organização Meteorológica Mundial, da ONU, será transformada em Organização Mundial do Clima.

11. Seguindo os relatórios pioneiros das Pessoas Eminentes sobre as relações Norte-Sul (Relatório Brandt), sobre Desarmamento e Nosso Futuro Comum (Relatório Palme), sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Relatório Brundtland), três grupos adicionais de Pessoas Eminentes serão criados:

  1. Para a eliminação de todas as formas de violência na sociedade humana.

  2. Para um Novo Acordo Mundial para a humanidade, incluindo as prioridades mundiais.

  3. Para um governo mundial justo, pacífico e adequado e a criação de uma verdadeira comunidade internacional que inclua a União Europeia e as novas comunidades regionais da África, Américas, Ásia e o Oriente Médio.

12. A Assembleia-Geral da ONU dará três grandes passos:

  1. Em consulta com os governos, agências mundiais e os melhores cérebros do planeta, preparará um plano para paz mundial por volta do ano 2010. Todos os países-membro serão convidados a apresentarem propostas. Comitês nacionais serão estabelecidos com a participação popular para rascunhar ideias e propostas de ação concreta para a "Paz Mundial em 2010" e "Desarmamento e Desmilitarização Mundial em 2020".

  2. A Assembleia-Geral pedirá que todos os planos da ONU existentes para 2010 (Alimentos 2010, Saúde 2010 e as Décadas do Desenvolvimento Econômico) sejam colocados juntos em um Plano de Ação Mundial 2010. A Assembleia proporá a rápida solução de todos os conflitos remanescentes para capacitar a humanidade a prosseguir com uma página em branco. Um cessar-fogo internacional será proclamado sob o controle da ONU.

  3. Ela decidirá abolir o Conselho de Curadores, que completou seu trabalho, e o substituirá por um Conselho de Segurança Ambiental, conforme proposta feita pela Rússia.

  4. A Assembleia decidirá celebrar em 2005 o sexagésimo aniversário das Nações Unidas, tanto como uma retrospectiva dos sucessos e fracassos da comunidade mundial durante os últimos 60 anos e como um desejo para o ano de 2010.

  5. Uma terceira conferência mundial sobre o meio ambiente e desenvolvimento será organizada para adotar um audacioso Plano de Ação para o Meio Ambiente Mundial. O Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas se transformará em uma agência especializada com recursos vastamente aumentados, incluindo as receitas com os tributos sobre as atividades danosas ao meio ambiente.

  6. Uma Agência Espacial da ONU será criada, conforme proposta feita pela Áustria.

13. Pensadores eminentes se reunirão durante o ano para elaborarem uma Constituição do Mundo. Os artigos incluirão a democracia mundial, eleições mundiais, pesquisas de opinião e referendos para dar às pessoas uma voz direta nos assuntos internacionais, um passo que se tornou possível graças às tecnologias modernas de comunicações.

14. O Conselho de Segurança da ONU se reunirá diversas vezes por ano no nível dos chefes de Estado para analisar a política internacional e a situação da segurança, para tomar decisões sobre disputas, para finalizar acordos e iniciar ações adicionais. O Conselho de Segurança se reunirá em diversas cidades do mundo, para estar mais perto das pessoas, especialmente nas regiões problemáticas.

15. Os encontros de cúpula dos países orientais, ocidentais e não-alinhados serão substituídos por um encontro de cúpula mundial anual de todos os chefes de Estado, precedido por encontros de cúpula regionais (africanos, americanos, asiáticos, europeus e do Oriente Médio).

16. Uma conferência mundial sobre Segurança permanecerá em sessão, como aconteceu com a Conferência Sobre a Lei do Mar, até que consiga elaborar um sistema apropriado para a segurança mundial.

17. O Comitê da Casa Militar do Conselho de Segurança se reunirá no nível dos chefes de Estado Maior e assumirá três tarefas:

  1. Planejamento para a criação uma Agência Mundial de Desarmamento.

  2. Adoção de medidas imediatas para prevenir uma guerra nuclear.

  3. Implementação da cooperação militar internacional em múltiplos campos, iniciando com a criação de uma esquadra da ONU para patrulhar os mares e oceanos e um sistema de satélites da ONU para monitorar o desarmamento, conforme proposta feita pela França.

18. Sistemas de vídeo direto e teleconferência serão instalados entre os chefes de Estado, especialmente entre os membros do Conselho de Segurança e o Secretário-Geral.

19. O gabinete do Secretário-Geral será fortalecido para as informações e prevenção de conflitos. Uma Sala da Paz será criada na ONU para prevenir, acompanhar, restringir e solucionar os conflitos em qualquer parte no mundo. Escritórios da ONU serão abertos em cada capital.

20. Quatro conferências mundiais adicionais serão realizadas:

  1. Uma conferência internacional de cientistas do campo do meio ambiente (oceanografia, ciência da atmosfera, hidrologia, climatologia, desmatamento, radiação, imunologia, toxicologia, etc.).

  2. Uma conferência mundial dos Ministros da Educação, para adotar medidas urgentes para a educação ambiental em todos os países.

  3. Uma conferência sobre Simplicidade e Frugalidade Voluntárias, para tratar as questões do excesso de consumo, da ganância, do lixo, do desperdício desnecessário e da obsolescência planejada.

  4. Uma quarta Conferência Mundial Sobre os Direitos da Mulher.

  5. Uma Conferência Mundial Sobre o Futuro da Terra.

  6. Uma Conferência Mundial Sobre o Futuro da Humanidade.

21. A Conferência Sobre a Segurança Mundial completará seu trabalho e apresentará um tratado para ratificação pelos países-membros. O Comitê da Casa Militar apresentará à Assembleia um projeto para a criação de uma Agência Mundial de Desarmamento como parte desse tratado.

22. A maioria dos países renomeará seus Ministérios das Relações Exteriores para Ministérios da Paz, ou Ministérios dos Assuntos e da Cooperação Internacionais.

23. Um número cada vez maior de países celebrará os dias mundiais proclamados pelas Nações Unidas, como o Dia da Terra, o Dia Internacional da Paz, o Dia das Nações Unidas, Dia dos Direitos Humanos, Dia Mundial da Saúde, Dia Mundial da Alimentação, Dia Internacional das Crianças, Dia Internacional da Mulher e o Dia dos Idosos. As datas memoriais das guerras nacionais são substituídas pelo Dia das Nações Unidas, um símbolo da esperança e do renascimento de todas as guerras do passado. Monumentos para os soldados das tropas de paz, Parques da Paz e Museus da Paz serão inaugurados em muitos lugares. Os hinos nacionais serão reescritos em termos pacíficos e globais.

24. Um Serviço da Paz Mundial será criado para permitir que os jovens trabalhem em países em desenvolvimento e em agências internacionais, em vez de prestarem o serviço militar, que será abolido.

25. Comissões Sobre o Futuro serão criadas na Assembléia-Geral das Nações Unidas e em todas as agências especializadas da ONU. Ministérios do Futuro serão criados em todos os governos.

Como resultado destas medidas, os governos começarão a perceber que a paz mundial é possível e um período totalmente novo da história humana começará a ser escrito, caracterizado pela cooperação sinergética em uma sociedade mundial que não estará mais engessada pela soberania nacional.



Autor: Carl Teichrib, artigo original em http://www.forcingchange.org Volume 2, Edição 10.
Data da publicação: 16/4/2011
Transferido para a área pública em 26/8/2012
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/novaera.asp