Dirigindo a Onda da Transformação Global — Parte 2:

A Ordem Europeia: Uma Cronologia do Superestado Europeu

Autor: Carl Teichrib, Forcing Change, Edição 11, Volume 5.

Os olhos do mundo estão observando a luta do euro para evitar o naufrágio e as nações europeias cambaleando na beira do caos e da ruína econômica. O que será necessário para tirar o continente desta situação? O último esquema, o vínculo conjunto no euro — "um por todos e todos por um — um modo de fazer diferentes países garantirem as dívidas uns dos outros" [1] — não servirá no longo prazo. O fato é que 17 nações estão vinculadas em uma união monetária por meio do euro, porém elas são fiscalmente muito diferentes. Isto é, embora cada um dos países da zona do euro use uma moeda comum, suas estruturas fiscais não têm unidade — cada país tem diferentes prioridades de gastos, sistemas tributários, programas de bem-estar social, níveis de endividamento e necessidades orçamentárias. Assim, a Alemanha e a França se encontram amarradas aos problemas econômicos da Itália e da Grécia por meio de um instrumento monetário compartilhado. Todavia, esses países são fiscal e culturalmente diferentes. A ruptura do euro e um retorno às moedas nacionais parecem iminentes.

Entretanto, há outro modo de olhar para o problema. Em minha estimativa, o que estamos testemunhando é um cabo de guerra entre os últimos vestígios de nacionalismo e de independência versus a próxima fase da unificação continental: o Superestado Europeu. O caminho para a estabilidade neste contexto significa mais integração, mais harmonização e mais centralização. Isto significa padronização fiscal por meio da gestão tecnocrática e o fortalecimento do sistema do euro junto com o correspondente declínio na autonomia nacional. Além disso, se a Europa conseguir sair desta crise por meio de uma integração mais profunda (e possivelmente ampliada), então o resto do mundo olhará para isto como um mapa da estrada para a estabilidade global: uma Nova Ordem Econômica Internacional por meio da gestão regional. Não fique surpreso se isto eventualmente incluir uma nova moeda global para o comércio, baseada na energia e no carbono — uma ideia que será promovida seriamente durante as conferências internacionais em 2012.

Portanto, é importante ver o quadro europeu maior, pois isto ajudará a ter uma boa perspectiva. O restante deste artigo é uma cronologia que demonstra um panorama histórico — um panorama que estrutura o desejo comum das elites internacionais, socialistas, comunistas, fascistas, banqueiros, capitalistas, estadistas e políticos.

Embora esta cronologia não esteja de modo algum completa, ela deve suficiente para fornecer uma janela para permitir uma boa compreensão da unificação continental.

Cronologia para Uma Europa

1814: O filósofo francês e Pai da Sociologia, Henry de Saint-Simon, publicou um ensaio intitulado "A Reorganização da Comunidade Europeia". Ele propôs que um rei da Europa fosse entronizado e que essa monarquia fosse hereditária. Da mesma forma, um Parlamento Europeu seria formado: "Homens de negócios, cientistas, magistrados e administradores são as únicas classes que devem ser convocadas para constituir a Casa dos Comuns do Grande Parlamento." Ele também propôs uma "Casa dos Pares" — similar a um Senado — e que os pares fossem indicados pelo rei. O sistema tributário, a educação em todo o continente e um código geral de ética ficariam sob a jurisdição administrativa do Parlamento, entre outras tarefas.

"Colonizar o mundo com as etnias europeias, superiores a todas as outras etnias humanas; tornar o mundo acessível e habitável como a Europa — este é o tipo de empreendimento que o Parlamento Europeu deveria seguir continuamente para manter a Europa ativa e saudável." [Henri de Saint-Simon, Social Organization, the Science of Man and Other Writings (Nova York: Harper Torchbooks, 1964), pág. 49].

Saint-Simon enviou uma cópia de seu ensaio aos parlamentos da Inglaterra e da França, dizendo-lhes que uma Constituição europeia deveria ser rascunhada e que os dois parlamentos deveriam buscar esse grande ideal: "a união pode mudar o estado da Europa, pois a Inglaterra e a França juntas são mais fortes que o restante da Europa."

1849: Ao participar da Conferência de Paz em Paris, o poeta francês Victor Hugo propôs a fundação dos Estados Unidos da Europa.

1867: Iniciado por Charles Lemonnier, um devoto de Saint-Simon, um grupo de pacifistas franceses se reuniu em Genebra, na Suíça, para formar o Congresso Pacifista. O objetivo era determinar os pré-requisitos políticos para os democráticos Estados Unidos da Europa, "em nome dos princípios imortais da Revolução Francesa". Naquele mesmo ano, a Liga da Paz e Liberdade realizou seu congresso inaugural em Genebra. Aqui, o revolucionário russo Mikhail Bakunin propôs uma equalização das nações europeias e o estabelecimento dos Estados Unidos da Europa. [Veja a página na Internet dos Friends of Peace Monuments [http://peace.maripo.com]. Veja o discurso de Bakunin, "Federalism, Socialism, Anti-Theologism", em www.Marxists.org.].

1870: Em um panfleto publicado pela Comuna de Paris, lemos as seguintes palavras:

"Em ambas as margens do rio da disputa, a alemã e a francesa, ofereçamos as mãos uns para os outros. Esqueçamos os crimes militares que os déspotas nos fizeram cometer uns contra os outros. Proclamemos a Liberdade, Igualdade e Fraternidade dos povos. Com nossa aliança, fundemos os ESTADOS UNIDOS DA EUROPA." (maiúsculas no original).

1899: Publicação do livro The United States of Europe: On the Eve of the Parliament of Peace (Os Estados Unidos da Europa: A Véspera do Parlamento da Paz). O autor foi o famoso jornalista e aventureiro espiritual William T. Stead, que tinha viajado pela Europa promovendo o programa de paz do czar Nicolau para a vindoura Conferência de Paz de Haia. Stead viu os vindouros Estados Unidos da Europa como um grande passo rumo a uma Federação do Mundo.

1911: Dois membros socialistas do Reichstag (antigo Parlamento Alemão) advogaram os Estados Unidos da Europa:

Camarada Ledebour:

"Exigimos a união econômica e política dos Estados europeus. Estou firmemente convencido que, embora isto certamente virá durante o período do Socialismo, também pode ocorrer antes desse tempo; que viveremos para ver os ESTADOS UNIDOS DA EUROPA." (maiúsculas no original).

Camarada Kautsky:

"Para uma paz duradoura, que consiga banir o fantasma da guerra para sempre, existe hoje somente um caminho: a união dos Estados da civilização europeia em uma liga com uma política comercial comum, uma liga parlamentar, uma liga governamental e uma liga militar — a formação dos Estados Unidos da Europa. Quando isto acontecer, então uma etapa tremenda terá sido alcançada. Esses Estados Unidos possuirão uma superioridade de forças tão grande que sem qualquer guerra eles poderão compelir todas as outras nações que não ingressarem voluntariamente a liquidarem seus exércitos e abrirem mão de suas esquadras." [Citado por Rosa Luxemburgo, "Peace Utopias", conforme reimpresso em www.Marxists.org.].

1914: O reitor da Universidade de Colúmbia, Nicholas Murray Butler, delineou a criação dos "Estados Unidos da Europa". Ao mesmo tempo, ele a reconheceu como parte de um programa mundial mais amplo:

"... Entretanto, o tempo virá em que cada nação depositará em uma federação mundial alguma porção de sua soberania para o bem geral. Quando isto acontecer, será possível estabelecer um executivo mundial e uma polícia internacional, ambos planejados com o propósito especial de impor as decisões do Tribunal Internacional." [Nicholas Murray Butler, A World in Ferment: Interpretations of the War for a New World (Nova York: Charles Scribner’s Sons, 1918), pág. 36.].

1915: A Liga para a Paz Mundial publicou seu trabalho, The Allies Pledged to a United States of Europe, que continha declarações oficiais dos líderes nacionais, opiniões de especialistas e sugeria detalhes para uma Constituição europeia/internacional. Acreditava-se que uma ordem internacional efetiva emergiria a partir das cinzas da Primeira Guerra Mundial.

1915: A expressão "Estados Unidos da Europa" foi debatida dentro dos círculos revolucionários comunistas. V. I. Lenin entrou na discussão afirmando que os Estados Unidos da Europa, construídos com base capitalista, seriam algo "impossível ou reacionário". Leon Trotsky via a unificação da Europa ao longo de linhas revolucionárias socialistas como uma etapa rumo à união mundial:

"Os Estados Unidos da Europa — sem monarquias, exércitos permanentes e diplomacia secreta — são, portanto, a parte integrante mais importante do programa de paz do proletariado... A salvação da revolução russa reside em sua propagação por toda a Europa... a fundação de um regime estável de ditadura do proletariado seria concebível somente se ele se estendesse por toda a Europa e, consequentemente, na forma de uma Federação Republicana Europeia. A unificação da Europa como um Estado a ser alcançado não por força das armas nem por acordos industriais e diplomáticos, nesse caso se tornaria uma tarefa inadiável do proletariado revolucionário triunfante... Estados Unidos da Europa é o slogan da época revolucionária em que entramos." (itálico no original). [Veja V. I. Lenin, "On the Slogan for a United States of Europe" e Leon Trotsky, "The Program of Peace", conforme republicados em www.Marxists.org.].

1919: Surgimento do fascismo italiano. O fascismo foi inicialmente concebido como parte de um movimento revolucionário europeu maior que levaria a uma Confederação dos Estados Europeus.

1923: O livro Pan-Europa é publicado por Richard Coudenhove-Kalergi (fotografia ao lado), recomendando a criação de uma união aduaneira. Coudenhove foi uma voz influente para a unificação europeia até o fim de sua vida.

1925: A Alemanha foi admitida na Liga das Nações. Muitos estadistas daquele tempo esperavam que isto seria a catálise para uma Pan-Europa. Em 15 de dezembro, o jornal Bertkeley Daily Gazette publicou uma matéria da agência de notícias United Press sobre a adesão da Alemanha: "Se a Alemanha e a França puderem se tornar amigas e admitirem a Itália em seus conselhos amigáveis, o início da evolução pan-europeia poderá se revelar." [J. W. T. Mason, "Statesman Envisages Ideal of Pan-Europe", Berkeley Daily Gazette, 15/12/1925, pág.15.].

1926: O primeiro Congresso da Pan-Europa foi realizado em Viena, com 2.000 participantes. Essa conferência gerou o movimento Pan-Europa de organizações nacionais compromissadas com a unificação europeia.

1927: O ex-primeiro-ministro italiano Francesco Nitti escreveu:

"O que precisamos fazer é restaurar a liberdade política e econômica em um lugar de honra e preparar o caminho para os Estados Unidos da Europa por meio de vastas uniões tarifárias e econômicas. A VERDADEIRA PAZ SERÁ ENCONTRADA SOMENTE NOS ESTADOS UNIDOS DA EUROPA." (maiúsculas no original). [Francesco Nitti, Bolshevism, Fascism and Democracy (London: George Allen & Unwin, 1927), pág. 220.].

1929: Em setembro, o ministro francês das Relações Exteriores, Aristide Briand, fez um discurso diante da Liga das Nações em que pediu a a criação de uma associação federada de Estados europeus.

1930: O governo francês enviou um memorando especial para os membros europeus da Liga das Nações com relação à possibilidade de planejar uma União Federal Europeia. Esse memorando sugeriu "uma Assembleia Europeia, um Conselho Europeu, um Comitê Econômico Europeu, Comitê Financeiro, Comitê de Trânsito... e diversos outros subcomitês especializados." Embora todos os 26 governos que responderam ao memorando tenham concordado a princípio, eles não tinham ideia alguma de uma metodologia coesiva.

1930: O intelectual francês Bertrand de Jouvenel publicou Towards the United States of Europe (Rumo aos Estados Unidos da Europa). Em 1931 ele publicou From European Economic Unity to the World Directed Economy (Da Unidade Econômica Europeia à Economia Mundial Dirigida). Durante um tempo durante os anos 1940s, Jouvenel esteve alinhado com um grupo francês pró-europeu, Le Groupe Collaboration (Colaboração, um Agrupamento de Energias para a Unidade Europeia). "O Grupo" acreditava que a Alemanha poderia solucionar os problemas da França por meio da liderança europeia dirigida pela Alemanha.

1930/31: O ano exato em que o Grupo Nova Europa foi formado é difícil de determinar. Fundado na Inglaterra por Dimitrije Mitrinovic (fotografia ao lado), um enigmático místico sérvio com interesses na Sociedade Rosa-Cruz, gnosticismo e religiões orientais, o Grupo Nova Europa promoveu o federalismo europeu por meio de palestras, uma publicação e a circulação de artigos e cartas escritas por "D. M.". O Grupo Nova Europa foi um terreno fértil para a promoção de ideias socialistas, um local para o estudo do marxismo e um centro de treinamento para "um novo tipo de revolução — não violenta, porém radical." [Para maiores informações sobre o Grupo Nova Europa e seu líder, "D. M.", veja Watson Thomas, Turning Into Tomorrow (Nova York: Philosophical Library, 1966).].

1933: O fascista italiano Benito Mussolini disse ao Conselho Nacional das Sociedades Anônimas: "A Europa poderá novamente assumir a direção da civilização mundial se puder desenvolver uma pequena unidade política." [Conforme citado por John Laughland, Tainted Source: The Undemocratic Origins of the European Idea (Little, Brown and Company, 1997), pág. 43.]

1933-1945: O Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães ascende ao poder na Alemanha. Embora o regime nazista tenha suspendido as organizações pan-europeias, ele apesar disso seguiu sua própria plataforma de integração. Uma "nova ordem europeia" seria estabelecida.

1936: A União Federal foi formada como uma organização para fazer avançar a união europeia e mundial.

1939: Comentando sobre a nova guerra com a Alemanha, os editores do The New International colocaram o conflito dentro do contexto do regionalismo continental e depois da unificação mundial.

"A derrubada do imperialismo, a vitória das massas no triunfo do socialismo, e somente isto pode fazer parar a guerra e trazer uma paz justa e duradoura. Por meio de uma paz socialista, liberdade, segurança e coordenação econômica podem garantir o futuro. Os Estados Unidos Socialistas da Europa, das Américas, uma Ásia livre e uma África livre, uma Federação Mundial de Repúblicas Socialistas: esses poderosos slogans agora, com a guerra, perdem toda sua abstração. Eles e somente eles são o objetivo, o objetivo imediato para a humanidade." (itálico no original). ["The Second World War", outubro de 1939, conforme reimpresso em www.Marxists.org.].

1940: O líder nazista Hermann Goring, presidente do Reichstag (o antigo Parlamento Alemão) e comandante da Força Aérea, apresentou ordens para "a unificação econômica em larga escala da Europa", também conhecida como "Comunidade Econômica Centro-Europeia". Isto estava dentro do conceito de Groβraumwirtschaft — "economia em grande área." O historiador John Laughland explica:

"Ela mencionava o estabelecimento de taxas de câmbio fixas entre as moedas dos outros países e o Reichsmark; a abolição das barreiras aduaneiras na Europa e a criação de uma 'área de comercialização livre de tarifas aduaneiras'...". [John Laughland, Tainted Source: The Undemocratic Origins of the European Idea (Little, Brown and Company, 1997), pág. 24.].

1941: Circulou em um jornal comunista:

"Unidos nesta luta comum, os trabalhadores alemães, franceses, italianos, húngaros e romenos se moverão rumo aos ESTADOS UNIDOS SOCIALISTAS DA EUROPA, que oferecerão um mão fraternal à URSS, para que juntos possam realizar a luta final para a libertação de toda a humanidade: os Estados Unidos Socialistas do Mundo. VIDA LONGA AO EXÉRCITO VERMELHO! VIDA LONGA À UNIÃO SOVIÉTICA! VIDA LONGA AOS ESTADOS UNIDOS SOCIALISTAS DA EUROPA! VIDA LONGA À QUARTA INTERNACIONAL! (maiúsculas no original). [Barta, "Long Live the Red Army of Workers and Peasants!", conforme reimpresso em www.Marxists.org.].

1942: Uma conferência de alto nível é realizada em Berlim com relação à concepção nazista de uma Comunidade Econômica Europeia. O historiador John Laughland nos dá alguns detalhes:

"Os títulos das palestras apresentadas nessa conferência são estranhamente reminiscentes do moderno discurso pró-europeu: 'A Face Econômica da Nova Europa', 'Desenvolvimento Rumo à Comunidade Econômica Europeia', 'Agricultura Europeia', 'Economia Industrial Europeia', 'Emprego na Europa', 'Problemas de Transporte na Europa', 'Questões Monetárias Europeias', 'Tratados Econômicos e Comerciais Europeus'..." [John Laughland, Tainted Source: The Undemocratic Origins of the European Idea (Little, Brown and Company, 1997), pág. 27.].

Laughland relata que em 1942 o ministro nazista das Relações Exteriores tinha criado um "Comitê Europeu" e no ano seguinte rascunhou planos para uma confederação europeia. Programas sociais harmonizados, leis trabalhistas, uma união aduaneira europeia e uma eventual união monetária foram propostos.

George F. Kennan, um assessor americano em Relações Internacionais e posteriormente embaixador na União Soviética, descreveu em suas memórias um ponto em particular de percepção durante a Segunda Guerra Mundial:

"Quando estive estacionado em Berlim durante a guerra fiquei admirado com o fato que o próprio Hitler, embora pelas razões erradas e no espírito errado, tinha na verdade realizado muitas tarefas técnicas para a unificação da Europa. Ele tinha criado autoridades centrais em toda uma série de setores: nos transportes, no sistema bancário, na aquisição e distribuição de matérias primas, e no controle de várias formas de propriedade nacionalizada. Por que, eu perguntava a mim mesmo, poderia essa situação não ser adequadamente explorada após uma vitória aliada? O que era necessário era uma decisão aliada de não destruir essa rede de controles centrais quando a guerra terminasse, mas, ao contrário, tomar o controle dela, remover os oficiais nazistas que a tinham feito funcionar, indicar outros (e não necessariamente excluindo todos os alemães) em seus lugares e depois suplementar essa unificação física com uma nova autoridade federal europeia."

Kennan explicou que quando retornou aos EUA em 1942, abordou o Departamento de Estado com essa ideia, "porém os esforços foram infrutíferos". Entretanto, após a guerra, Kennan ocupou um cargo recém-criado no Departamento de Estado, Diretor de Planejamento de Políticas. Aqui, ele e sua equipe influenciaram o desenvolvimento do Plano Marshall, que por sua natureza foi além da reconstrução e deu início ao processo de direção — a partir do lado americano — rumo à harmonização europeia. [Para a citação e sua frustração inicial com o Departamento de Estado, veja George F. Kennan, Memoirs, 1925-1950. (Boston: Little, Brown and Company, 1967), pág. 417].

1943: O comunista italiano Altiero Spinelli organizou o Movimento Federalista Europeu.

1944: Altiero Spinelli lançou um manifesto propondo que movimentos progressistas e reacionários reconhecessem a necessidade de uma Europa unida.

1946: Em Hertenstein, Suíça, ocorreu a primeira conferência dos Federalistas Europeus, em que o Programa Hertenstein foi lançado. A primeira linha do documento diz:

"Uma Comunidade Europeia em linhas federais é uma contribuição necessária e essencial para qualquer união mundial." A última linha diz: "Mostrando que pode solucionar os problemas de seu destino em um espírito federalista, a Europa fará sua contribuição para a reconstrução e para a criação de uma comunidade mundial de povos."

1946: Winston Churchill (foto à esquerda) disse a uma audiência na Universidade de Zurique: "Nosso propósito constante precisa ser construir e fortificar a Organização das Nações Unidas. Dentro e sob esse contexto mundial precisamos recriar a família europeia em uma estrutura regional chamada, pode ser, Estados Unidos da Europa." [Churchill Speaks, 1897-1963: Collected Speeches in Peace and War (Nova York: Barnes and Noble, 1998), pág. 893.].

1947: O primeiro Congresso da União dos Federalistas Europeus ocorreu em Montreux, na Suíça, de 27-31 de agosto. Além disso, o fundador da Pan-Europa, Coudenhove-Kalergi, estabeleceu o primeiro congresso da União Parlamentar Europeia.

1947: Winston Churchill colocou o sonho europeu em um contexto maior:

"A criação de uma ordem mundial com autoridade e poder totais é o objetivo final para o qual precisamos lutar. A não ser que algum efetivo Supergoverno Mundial possa ser criado e colocado rapidamente em ação, as possibilidades de paz e progresso humano são sombrias e duvidosas."

"Mas, que não haja engano sobre a questão principal. Sem uma Europa Unida não há possibilidade segura de um governo mundial. Este é um passo urgente e indispensável rumo à concretização daquele ideal." [Churchill Speaks, 1897-1963: Collected Speeches in Peace and War (New York: Barnes and Noble, 1998), pág. 913.].

1948: De 7 a 11 de maio, Winston Churchill presidiu o Congresso da Europa, organizado pelo Comitê Internacional do Movimento Pela Unidade Europeia. Oitocentos delegados participaram do evento, que foi realizado em Haia. Entre os líderes europeus importantes que participaram estavam Konrad Adenauer, François Mitterrand e Altiero Spinelli. Esse congresso marcante propôs a união monetária, econômica e política da Europa. Alguns meses mais tarde, Duncan Sanys, genro de Winston Churchill, assumiu a presidência do Movimento Europeu.

1949: Em 5 de maio, o Conselho da Europa foi criado pelo Tratado de Londres, assinado pela França, Dinamarca, Irlanda, Itália, Bélgica, Luxemburgo, Noruega, Holanda, Suécia e Inglaterra. Nesse mesmo ano, a União Parlamentar Europeia, de Coudenhove-Kalergi, organizou seu Conselho da Europa, que ampliou a ideia de uma união política.

1950: A Convenção Europeia dos Direitos Humanos foi estabelecida, que sacramentou os direitos humanos e atuou como um trampolim para a Carta Social Europeia de 1961. O ano de 1950 também testemunhou o Plano Pleven para uma força armada europeia comum.

1951: A Comunidade Europeia do Carvão e do Aço é formada, colocando os interesses energéticos e industriais sob uma autoridade europeia comum. A criação dessa comunidade foi o primeiro grande passo no processo da integração continental conhecido como Comunidade Europeia e uma Assembleia Comum foi estabelecida por meio do sistema dessa comunidade. Os seis países originais que constituíram a comunidade foram: Alemanha Ocidental, Itália, França, Holanda, Bélgica e Luxemburgo.

1951: O Manifesto de Primeiro de Maio da Quarta Internacional propôs que o proletariado urbano da Europa Ocidental participasse na luta contra o capitalismo "preparando-se para a captura do poder e o estabelecimento dos Estados Unidos Socialistas da Europa".

1952: O tratado para criar uma Comunidade Europeia de Defesa foi assinado, mas não foi bem-sucedido politicamente. Seu fracasso levou ao desenvolvimento da União Europeia Ocidental em 1953.

1953: A União Europeia Ocidental foi formada, colocando a Itália e a República Federal da Alemanha em um programa de segurança europeu ocidental e na família da OTAN (NATO).

1956: O fundador da União Britânica dos Fascistas, Oswald Mosley, assume a causa da unificação europeia publicando uma revista, The European. Em seguida, dois anos mais tarde, ele publicou um livro intitulado Europe: Faith and Plan — A Way Out of the Coming Crisis and an Introduction to Thinking as a European (Europa: Fé e Plano — Um Modo de Sair da Crise Vindoura e uma Introdução ao Modo de Pensar como um Europeu).

1957: O Tratado de Roma foi assinado, estabelecendo a Comunidade Econômica Europeia. A Comissão Europeia de Energia Atômica também foi criada. Essas duas entidades estavam separadas da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, porém conectadas por meio da Assembleia Comum.

1958: A Assembleia Parlamentar Europeia substitui a Assembleia Comum, embora somente em 1979 é que os membros do parlamento foram eleitos diretamente.

1958: "Há muito tempo que advogamos, por exemplo, os Estados Unidos da Europa e os Estados Unidos da América do Sul, onde o comércio intracontinental possa fluir livremente." — Editorial na edição do outono do International Socialist Review (pode ser lido em www.Marxists.org).

1962: O Memorando Marjolin foi publicado — a primeira proposta da Comissão Europeia para a unificação econômica e monetária. O ano de 1962 também testemunhou o início da Política Agrícola Comum.

1964: Com suporte do Banco de Compensações Internacionais (BIS), o Comitê de Governadores dos Bancos Centrais dos Estados-Membros da Comunidade Europeia foi estabelecido. Por um tempo o Comitê de Governadores se reuniu regularmente em Basileia, na Suíça, onde está a sede do BIS. Além disso, o BIS forneceu serviços de secretariado para o comitê até os anos 1970.

1967: Os vários órgãos que surgiram com o Tratado de Roma e com a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço se fundiram com a Comunidade Europeia.

1968: Um acordo de união comercial foi assinado pela Alemanha Ocidental, França, Itália, Luxemburgo, Bélgica e Holanda. Isto pavimentou um caminho completo rumo a uma integração comercial mais profunda.

1972: A organização Jovens Federalistas Europeus (JEF — Jeunes Europeens Federalistes) foi formada como uma organização política juvenil. Hoje, 30.000 jovens participam do programa da JEF, advogando um sistema europeu federado — o desejo do coração da organização.

1973: A Dinamarca, Irlanda e Grã-Bretanha ingressam na Comunidade Europeia.

1973: O Banco de Compensações Internacionais fornece a infraestrutura para os acordos cambiais europeus por meio do Fundo Europeu de Cooperação Monetária

1974: O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional é formado, permitindo que fundos sejam transferidos entre as nações para projetos de infraestrutura.

1975: Iniciando em 1973 por meio de uma iniciativa soviética, a Conferência Sobre Segurança e Cooperação na Europa (CSCE) passou do Estágio 1 (1973-1975) para uma nova fase com a assinatura do Ato Final de Helsinque, em 1975. Visto como "a verdadeira Carta Magna da détente", o Ato Final foi assinado por 35 nações em um movimento histórico para melhorar o relacionamento entre o Ocidente e o bloco comunista. Esse evento deu partida a um processo que garantiu uma porta aberta para o envolvimento russo/soviético nos assuntos da comunidade europeia, conforme previsto no slogan não-oficial, "Um Lar Europeu Comum". O Ato Final fala sobre a solução pacífica das disputas, boa fé dentro da lei internacional e cooperação entre os Estados. O que ele fez foi criar um complexo entrelaçamento entre o Ocidente e os interesses de segurança do Bloco Comunista, e entre a Comunidade Econômica Europeia e o Conselho Para Mútua Assistência Econômica, de base soviética. O Ocidente e o Oriente, incluindo as nações em ambos os lados do Atlântico poderiam se unir em torno de um espaço estratégico europeu maior. A unificação alemã e uma maior integração dentro da Comunidade Europeia foram prenunciadas pelo Ato Final.

1975: O marxista internacional Ted Grant exortou o Partido Trabalhista Britânico a se opor ao referendo sobre um Mercado Comum Europeu como uma iniciativa capitalista e das grandes empresas. Grant afirmava que a unificação europeia deveria ser estabelecida segundo as linhas socialistas, primeiro na Grã-Bretanha, depois na Europa e além. "Os Estados Unidos Socialistas da Europa seriam a primeira etapa para um mundo socialista." [Ted Grant, "Capitalist Common Market — No! For a Socialist United States of Europe", conforme reimpresso em www.Marxists.org.]

1981: A Grécia ingressa na Comunidade Europeia.

1984: Altiero Spinelli (citado anteriormente nos eventos de 1943-1944 e 1948), que tinha sido eleito membro do Parlamento Europeu em 1976, tornou-se presidente da Comissão Institucional do Parlamento Europeu, que usou como uma rampa de lançamento para energizar o processo de rascunhar tratados para a União Europeia.

1986: Portugal e Espanha ingressam na Comunidade Europeia.

1989: Cai o Muro de Berlin. Isto dá início a uma sequência de eventos que levam à ruptura da União Soviética e à eventual integração de muitas nações do Bloco Oriental na Comunidade Europeia.

1989: Durante a presidência de Jacques Delors na Comissão Europeia, o Comitê Delors publicou seu relatório sobre União Econômica e Monetária para o Conselho Europeu. Isto armou o cenário para as especificações sobre a unificação monetária no Tratado de Maastrich, de 1992, e serviu de base para o Sistema Europeu de Bancos Centrais. Nota: Um fato pouco conhecido sobre o Comitê Delors é que o Banco de Compensações Internacionais atuou como facilitador para o comitê. Um documento do BIS diz:

"... é interessante observar que desde o início os líderes políticos confiaram aos banqueiros centrais um importante papel na preparação do Tratado de Maastricht, definido quando eles decidiram formar o Comitê Delors, cujos membros vieram majoritariamente dos bancos centrais. Jacques Delors não foi apenas um bom presidente, mas também possuía a sabedoria política para aceitar que a maior parte dos encontros e praticamente todo o trabalho preparatório para os encontros, ocorressem na sede do BIS, com ambos os secretários sendo banqueiros centrais." [Alexandre Lamfalussy, Central Banks, Governments and the European Monetary Unification Process (Banco de Compensações Internacionais, BIS Working Paper No. 201, 2006), pág. 3.].

1990: A Conferência para Segurança e Cooperação na Europa promoveu um encontro de alto nível com participantes da União Soviética e dos Estados Unidos da América, junto com representantes da maioria dos governos europeus. O resultado foi a Carta de Paris para uma Nova Europa, um documento que tinha o objetivo de remodelar o cenário de cooperação na Europa — incluindo a unificação alemã em uma "Europa unida e democrática..." Entretanto, esse quadro, estendia-se para além do continente, pois a América do Norte foi reconhecida dentro do arcabouço de um comprometimento unificado: "... cooperação em todos os campos", ação comum, e "cooperação e solidariedade". A Carta de Paris foi vista como o surgimento de uma Europa global e unida.

1992: O Tratado de Maastricht foi assinado, desencadeando processos históricos de integração e colocando em ação a União Europeia, o Banco Central Europeu e o sistema do euro. Novas plataformas de cooperação incluíam a Política de Segurança e de Relações Exteriores comum e cooperação nos campos da justiça e assuntos internos.

1993: O mercado único da União Europeia é estabelecido, garantindo as seguintes quatro liberdades: livre movimentação de pessoas, bens, serviços e capitais.

1994: O Instituto Monetário Europeu é formado, substituindo o Fundo Monetário Europeu de Cooperação. Esse fundo demonstrou o primeiro estágio da união monetária — ajustes da taxa cambial sob a direção do BIS; o Instituto representou o segundo estágio.

1994: Robert Muller, um antigo funcionário de alto escalão das Nações Unidas, escreveu o seguinte: "Espero que mais comunidades regionais sejam criadas, seguindo o exemplo da União Europeia, para que a ONU possa ser transformada brevemente em uma verdadeira União Mundial." [Robert Muller, 2000 Ideas for a Better World (Fascículo 1, Ideia 23).

1994: Falando para uma audiência alemã, o presidente russo Boris Yeltsin disse:

"Uma nova Europa unificada não pode ser um clube exclusivo de escolhidos... Uma arquitetura política, econômica e espiritual para nosso continente não deve isolar países ou grupo de países, ou separá-los de acordo com o critério de amigo ou inimigo, mas precisa integrá-los em um organismo unido..." [Conforme citado por John Laughland, Tainted Source: The Undemocratic Origins of the European Idea (Little, Brown and Company, 1997), pág. 244.].

1995: Áustria, Finlândia e Suécia ingressam na União Europeia.

1995: Fim da necessidade de apresentar passaporte em viagens para sete países da União Europeia.

1995: A Conferência para Segurança e Cooperação na Europa é reestruturada e renomeada como Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). A cooperação pós-Gerra Fria na construção da democracia, medidas de segurança, gestão de crises, reconstrução pós-conflito, monitoramento das fronteiras e direitos humanos são parte de suas atividades. A cooperação regional e a ampliação do Lar Comum Europeu — "de Vancouver até Vladivostok" — permanece um princípio subjacente e orientador. Hoje, a OSCE é a maior organização de segurança no mundo, com 56 membros e numerosas parcerias internacionais, incluindo com a OTAN (NATO), Nações Unidas e União Europeia.

1997: Negociações de ampliação iniciam com dez nações da Europa Central e Oriental.

1998: O Estágio 3 da plataforma monetária da Europa teve início com a criação do Banco Central Europeu como uma organização autônoma e independente. Edward Luttwak, autor de Turbo Capitalism, teve o seguinte a dizer com relação à independência e poder do Banco Central Europeu:

"Entretanto, independência alguma pode ser tão magnífica e absoluta quanto a do próprio Banco Central Europeu: ele não recebe instruções dos países-membros ou de qualquer instituição da União Europeia... Ele é verdadeiramente um poder soberano, dado irrevogavelmente para uma instituição chefiada por um banqueiro central, selecionado e assessorado por outros banqueiros centrais, que por sua vez são recrutados e treinados por seus predecessores em seus respectivos bancos centrais. O Banco Central Europeu, que não é eleito por ninguém, assumirá total e exclusivo controle sobre a política monetária de todos os países-membros... Ele próprio livre de qualquer interferência democrática, o Banco será livre para interferir quando quiser em tudo o que se refira a dinheiro em cada um dos países-membros." [Edward Luttwak, Turbo Capitalism (Nova York: Harper Collins, 1999), págs. 200-201.].

1999: O euro é lançado como uma unidade contábil e para transações financeiras e comerciais para onze países, com a Grécia ingressando alguns anos mais tarde.

2002: O Banco Central Europeu lançou o euro como uma moeda de verdade. Notas e moedas do euro substituem as moedas nacionais. Este ato representa a separação da soberania monetária no nível nacional.

2004: Oito países do Bloco Oriental ingressam na União Europeia. Com isto, a separação que ocorreu no continente após a Segunda Guerra Mundial está sendo corrigida. Ao todo, 25 países formam a União Europeia e um tratado é assinado para definir uma Constituição Europeia.

2005: O manifesto do Partido Trabalhista Britânico para o ano de 2005 vinculou o interesse da Inglaterra com uma União Europeia ampliada. Ele também observou que desde 1997 o Partido Trabalhista se tornou um importante ator no sistema da UE.

2007: Mais dois países ingressam na UE: Bulgária e Romênia. Este ano também marcou o Tratado de Lisboa, emendando tratados anteriores, mudando os requisitos de votação e criando dois ofícios: o presidente do Conselho Europeu e o Alto Representante da União para Relações Exteriores e Política de Segurança.

2008: Vinculando sua proposta de volta ao Ato Final de Helsinque, o presidente russo Dmitry Medvedev recomendou a criação de uma nova força de segurança para a Europa.

2010: O Grupo Spinelli, um Conselho Europeu constituído por 33 membros é formado dentro do Parlamento Europeu — assim nomeado em homenagem a Altiero Spinelli. O conselho está dedicado a fazer avançar a União Europeia até o próximo nível — uma entidade europeia federada. Alguns membros desse conselho incluem:

2011: José Manuel Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, foi citado na edição on-line do jornal britânico Express, de 14 de setembro:

"Precisamos agora de um impulso novo e unificador, um novo movimento federalista — não tenhamos medo de usar a palavra... O modo correto de interromper o ciclo negativo e fortalecer o euro é aprofundar a integração, principalmente na área do euro. Este é o modo de prosseguir... Esta é uma luta por aquilo que a Europa representa para o mundo. Esta é uma luta pela própria integração europeia."

1. Don Melvin, "Eurozone financial ministers seek quick solutions as debt crisis engulfs euro, threatens EU", Winnipeg Free Press (edição on-line), 28 de novembro de 2011.



Autor: Carl Teichrib, artigo original em http://www.forcingchange.org, Edição 11, Volume 5.
Data da publicação: 21/12/2011
Transferido para a área pública em 28/7/2013
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/onda-2.asp