Joel Osteen: A Nova Face do Evangelho da Prosperidade

Autor: Gary Gilley — junho/julho de 2009.

Recursos úteis para sua maior compreensão

As Igrejas Cristãs Estão Abrindo as Portas Para o Anticristo


Título do Livro 2


Título do Livro 3

O livro e o vídeo de Nova Era O Segredo, de Rhonda Byrne, que ganharam popularidade recentemente devido à forte promoção no programa de televisão Oprah Winfrey, ensinam que podemos "criar nossa própria felicidade por meio da lei da atração". Seja dinheiro, saúde, prosperidade ou felicidade, tudo pode ser nosso se simplesmente aprendermos a usar "o segredo". A autora Byrne diz: "A doença não pode viver em um corpo que está em um estado emocional sadio". Mas, fique avisado: "Se você tiver uma doença e estiver com seu foco nela, e falar sobre ela para as outras pessoas, isso criará mais células doentes." [1].

Essa retórica deve soar familiar para qualquer um que conheça superficialmente o Movimento Palavra da Fé, frequentemente chamado de "Evangelho da Prosperidade". Esse grupo se infiltrou no evangelicalismo várias décadas atrás e é agora o segmento de mais rápido crescimento no cristianismo em todo o mundo. Estima-se que até 90% daqueles que afirmam serem cristãos na África estejam ligados à variedade do Evangelho da Prosperidade.

As personalidades mais conhecidas dentro do movimento incluem Kenneth Hagin (já falecido), Kenneth Copeland, Robert Tilton, Paul Yonggi Cho, Benny Hinn, Marilyn Hickey, Frederick Price, John Avanzini, Charles Capps, Jerry Savelle, Morris Cerullo, Joyce Meyer, Paul e Jan Crouch.

Como implicado pelo título "Palavra da Fé", os apoiadores desse movimento acreditam que a fé funcione como uma poderosa força, ou energia. Por meio da fé, podemos obter qualquer coisa que quisermos — saúde, riqueza, sucesso, qualquer coisa. Entretanto, essa força é liberada somente por meio da palavra falada. À medida que proferimos palavras de fé, poder é liberado para realizar nossos desejos.

Em seu livro Cristianismo em Crise, Hank Hanegraaff resume a teologia de Kenneth Hagin (considerado por muitos como o pai desse movimento) conforme encontrada em seu livreto How To Write Your Own Ticket With God:

"No capítulo de abertura, intitulado 'Jesus Apareceu Para Mim', Hagin afirma que enquanto estava 'no Espírito', Jesus lhe disse para apanhar um lápis e um pedaço de papel. Ele então o instruiu a escrever: 1, 2, 3, 4. Jesus então supostamente disse a Hagin que 'se alguma pessoa, em qualquer lugar, seguir os quatro passos seguintes, ou se colocar esses quatro princípios em operação, sempre receberá tudo o que quiser de mim ou de Deus, o Pai.' Isso inclui tudo o que você quiser financeiramente. A fórmula é simples: Diga, Faça, Receba e Conte".

  1. "A etapa número 1 é 'Diga'. Positivo ou negativo, depende do indivíduo. De acordo com o que o indivíduo disser, isso ele receberá."

  2. "A etapa número 2 é 'Faça'. Sua ação o derrota ou o faz vencer. De acordo com sua ação, você receberá ou deixará de receber."

  3. "A etapa número 3 é 'Receba'. Você está conectado à 'central de energia do céu'. 'A fé é o plugue, louvado seja Deus! Simplesmente conecte na tomada.'"

  4. "A Etapa número 4 é 'Conte, para que os outros possam crer'. Essa etapa final pode ser considerada o programa de evangelismo do Movimento de Fé." [2].

Kenneth Copeland define a fórmula da fé da seguinte forma: "Tudo o que é necessário é: 1) ver ou visualizar tudo o que você precisa, seja físico ou financeiro; 2) firmar sua reivindicação nas Escrituras; e 3) falar para que ela passe a existir." [3].

Paul Yonggi Cho, pastor da maior igreja do mundo, na Coreia do Sul, influenciado pelo ocultismo, desenvolveu aquilo que chama de "Lei da Incubação". Aqui está como ela funciona: "Primeiro, defina um objetivo bem claro, depois desenhe uma figura mental, vívida e gráfica, para visualizar o sucesso. Em seguida, incube-a para a realidade e, finalmente, fale e traga-a à existência por meio do poder criativo da palavra proferida." [4].

Se uma confissão positiva de fé libera coisas boas, uma confissão negativa pode na verdade ser como um tiro que sai pela culatra. Capps diz que a língua "pode matá-lo, ou pode liberar a vida de Deus dentro de você". Isto é assim porque "a fé é uma semente... você a planta por meio daquilo que diz com sua voz.". Há poder na "maligna quarta dimensão", diz Cho.

Hagin nos informa que se você confessar doença, ficará doente, se confessar saúde, terá saúde; tudo o que você diz, você recebe. A palavra falada libera poder — poder para o bem e poder para o mal, é a visão comumente defendida pelo movimento. É fácil ver por que o título "Confissão Positiva" é frequentemente aplicado a esse grupo.

Como você pode imaginar, os ensinos do Movimento "Palavra da Fé" são muito atrativos para algumas pessoas. Se pudermos produzir tudo o que nosso coração deseja simplesmente exigindo aquilo que queremos pela fé, se pudermos manipular o Universo e, talvez, até Deus, então temos nosso próprio gênio particular simplesmente aguardando para cumprir nossos desejos. As similaridades entre os ensinos da Palavra da Fé e o livro O Segredo são inegáveis.

A Nova Face: Joel Osteen

Muitos cristãos podem discernir o erro óbvio dos ensinos de Nova Era que existem em O Segredo e outros livros similares, como The New Earth, de Eckhart Tolle (outro autor favorito de Oprah Winfrey), bem como as proclamações feitas do alto do telhado por muitos que estão dentro do movimento do Evangelho da Prosperidade. Entretanto, quando ensinos similares são reempacotados, reescritos e apresentados de uma forma envolvente e charmosa, um número bem maior de pessoas se deixa enganar. Entram em cena Joel Osteen e sua variedade de evangelho suave da prosperidade. Como veremos, Osteen ensina essencialmente a mesma teologia que seus mentores da Palavra da Fé, porém dá a essa teologia uma nova entonação.

Joel Osteen se tornou o nome da casa devido ao seu incrível sucesso. Ele "pastoreia" a maior igreja nos EUA, a Igreja de Lakewood, em Houston, no Texas, que em 2008 afirmava ter em média 43.500 pessoas nos fins de semana, quase o dobro de sua concorrente mais próxima. [5]. Osteen assumiu a liderança da Igreja Lakewood em 1999, após a morte de seu pai, John. John Osteen era declaradamente um pregador do Evangelho da Prosperidade; ele fundou a Igreja de Lakewood em 1956 e a levou a ter 6.000 membros antes de seu filho o substituir. Joel, que até aquele ponto tinha recebido a liderança do ministério da televisão de Lakewood e tinha pregado somente uma vez antes, foi empurrado para o púlpito e imediatamente a igreja começou a ter um crescimento explosivo. Hoje, os cultos da Igreja de Lakewood são transmitidos para mais de cem países, Joel escreveu dois livros que venderam milhões de exemplares e ele, junto com sua mulher, sua mãe e diversos músicos da igreja, viajam por todo o mundo, oferecendo um evento que eles chamam de "Uma Noite de Esperança". Enquanto a maioria das igrejas luta para conseguir e manter seus membros, as pessoas estão dispostas a comprar ingressos a 15 dólares para comparecer à "Uma Noite da Esperança" e os auditórios normalmente ficam lotados.

Osteen não tem formação teológica em um seminário e é óbvio, a partir de seus livros, sermões e entrevistas na televisão, que ele tem pouco conhecimento das Escrituras. Apesar disso, ele foi pego por uma onda de popularidade sem precedentes e pode claramente reivindicar o título de ser o pastor mais admirado nos EUA. Obviamente, essa popularidade é devida em grande parte ao tipo de mensagem que ele prega. Evitando mencionar qualquer coisa que seja controversa ou negativa (como inferno, julgamento ou até mesmo pecado), Osteen proclama uma mensagem totalmente positiva. O título de seu primeiro livro Your Best Life Now (O Momento É Este!, na edição em português), resume o que Osteen tem a oferecer à sua audiência. Se seguirmos certos princípios ou passos (sete, para ser exato), assim o roteiro diz, nossa existência será feliz, saudável, e abençoada com tudo o que torna esta vida maravilhosa.

Essa mensagem apela à carne dos incrédulos e dos cristãos de mente mundana e explica o status de superastro que Osteen tem atualmente. É claro que essa é uma acusação severa. Estou acusando Joel Osteen de ser um falso mestre: um homem que distorceu o evangelho para agradar à natureza caída das pessoas, que transforma Deus em um gênio da lâmpada e que distorce as Escrituras para apresentar uma forma calorosa, porém vaga e distorcida de cristianismo. De modo a ver se estou correto, ou apenas com espírito crítico e de inveja, precisamos examinar as palavras do próprio Osteen em seu livro O Momento É Este!

O que o leitor encontrará nesse livro de grande sucesso de vendas é uma mistura de senso comum, conselhos práticos úteis, e uma infinidade de histórias de sucesso intercaladas por uma pesada dose de ensinos enganosos. Vamos começar com o evangelho. Não é tanto que Osteen apresente um falso evangelho (o que ele parece fazer em O Momento É Este), mas ao contrário, nenhum evangelho absolutamente. Em um livro de mais de 300 páginas que será lido por milhões de incrédulos, o mais perto que Osteen chega do evangelho é: "Opere sua própria salvação. A salvação é mais do que uma oração feita uma vez na vida. É trabalhar constantemente com Deus, lidando com os problemas que ele faz aparecer e manter uma boa atitude, lutando o tempo todo até que você alcance a vitória." [6]. O que Osteen acredita com relação ao evangelho não é claro, mas o que é inegável é que a ênfase de seu ministério é em encarar a vida de uma forma positiva, em vez de um relacionamento correto com Deus. Exceto por essa sentença, o livro todo está repleto com "sete passos para encontrar a felicidade hoje", como declara o subtítulo. Esse tema ressoa com o pensamento daqueles cujas vidas e mentes estão em conformidade com este sistema mundano, em vez de "transformados pela renovação da mente". [Romanos 12:2].

Realmente não deve ser surpresa para nós que homens como Osteen tenham chamado a atenção do público, uma vez que eles estão meramente dizendo às pessoas aquilo que elas querem ouvir (2 Timóteo 4:3), que é: precisamos tirar o máximo desta vida, aproveitar cada minuto que pudermos, porque isto é o melhor que a vida tem para nós. Essa filosofia é do mundo, não de Deus, que consistentemente nos chama para vivermos com valores mais elevados do que este mundo e de nós mesmos (1 João 2:15-17). Como Paulo escreveu para a igreja em Colossos: "Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra." [Colossenses 3:2]. Paulo não quis dizer, como os cristãos conservadores são frequentemente acusados, que devemos ignorar a vida neste planeta e viver escondidos em algum lugar até o retorno do Senhor. Significa que vivemos com um propósito mais elevado do que o prazer e o sucesso pessoais, "pois morremos e nossa vida está escondida com Cristo em Deus". [Colossenses 3:3]. Osteen não tenta levar seus leitores para esse propósito mais elevado, para uma vida vivida para Deus. Em vez disso, Deus precisa ser manipulado para nosso próprio prazer. Acredito que Osteen apreciaria o conselho de Elifaz a Jó (mais tarde condenado por Deus), "Apega-te, pois, a ele, e tem paz, e assim te sobrevirá o bem." [Jó 22:21].

Vejamos alguns detalhes específicos:

A Oferta

A atração de Osteen encontra-se naquilo que ele está oferecendo, que é nada menos que uma vida de boa saúde, abundância, riqueza, prosperidade e sucesso. "Se você desenvolver uma imagem de vitória, sucesso, saúde, abundância, alegria, paz e felicidade, nada no mundo poderá reter essas coisas de você" [pág. 5] [7]. Como essas são coisas que a maioria das pessoas valoriza e, como Jesus nos disse que "onde estiver o vosso tesouro, ai estará também o vosso coração" [Mateus 6:21], é previsível que a promessa sedutora de uma mapa que leve a esses tesouros encontre muitos aderentes. E certamente encontra. Mas o que especificamente está sendo oferecido?

Saúde

Se você seguir os ensinos de Osteen, pode esperar boa saúde. A mãe dele, por exemplo, recebeu o diagnóstico de câncer terminal vinte anos atrás, mas como confessou boa saúde, ela agora está sem o câncer (págs. 122-27). Na verdade, um dos destaques dos eventos "Uma Noite de Esperança" é o testemunho da mãe de Osteen sobre sua cura física — implicando, é claro, que as pessoas na audiência também podem ser curadas se fizerem tudo o que Joel Osteen sugere.

Abundância

Osteen, sem fazer limitações, declara que todos nós estamos destinados a grandes coisas de todos os tipos: "Você nasceu para vencer; você nasceu para ser grande, você foi criado para ser um campeão na vida." (pág. 35), e abundância: "Ele quer que você viva em abundância. Ele quer lhe conceder os desejos do seu coração... Deus está fazendo as coisas virarem em seu favor" (pág. 78). Na verdade, aparentemente independente do nosso relacionamento com Deus, "Antes que fôssemos formados, Ele nos programou para vivermos vidas abundantes, para sermos felizes, saudáveis e plenos. Mas, quando nosso pensamento se torna contaminado, ele não está mais alinhado com a Palavra de Deus." (pág. 114).

Duas coisas devem ser observadas neste ponto. Primeiro, as Escrituras não ensinam isto. Embora a vida eterna com o Senhor seja o destino final dos redimidos, o julgamento e depois o lago de fogo são o destino final dos perdidos (2 Tessalonicenses 1:9; Apocalipse 20:14-15). Enquanto isso, nesta vida, a chuva cai sobre os justos e os injustos, e os cristãos podem sofrer tantas tribulações quanto os incrédulos, talvez até mais. (Romanos 5:3-5; Tiago 1:2-4; 2 Coríntios 4:8-12, 11:23-29; Hebreus 11:35-40). É verdade que Salmos 37:4 promete: "Deleita-te também no SENHOR e ele te concederá os desejos do teu coração", mas após uma pequena reflexão, podemos ver que aquele que se deleita no Senhor deseja Deus, não as meras bênçãos materiais, boas vagas para estacionar o carro, sucesso nos negócios e um belo guarda-roupa. O programa de Osteen trivializa a vida abundante que Jesus veio dar aos Seus seguidores (João 10:10).

Em segundo lugar, quando os mestres da prosperidade usam a frase "Palavra de Deus", o leitor precisa discernir com cuidado o que eles querem dizer. Frequentemente, como neste caso, "Palavra de Deus" não é uma referência à Bíblia, mas às palavras faladas, supostamente por Deus, extrabiblicamente, por meio dos aderentes da Palavra da Fé. Osteen então não está acusando as pessoas de estarem desalinhadas com as Escrituras, mas de estarem desalinhadas com os ensinos de homens como ele mesmo. Isso é o mesmo que afirmar que Deus revelou Sua palavra além das Escrituras e por meio dos líderes da prosperidade.

Riqueza

"Deus quer que você cresça financeiramente, dando-lhe promoções, novas ideias e criatividade." (pág. 5), ou assim Osteen promete. Como ele sabe isso, se nos tempos bíblicos, as promoções não eram uma prática comum, ideias novas e criatividade não tinham a importância que têm hoje, e a riqueza não era vista necessariamente como um sinal do favor de Deus? Alguém poderia argumentar que Davi e Salomão foram ricos, mas esse não foi o caso de Jeremias e de Habacuque, ambos homens piedosos que perderam tudo o que tinham. Jó floresceu por um tempo, perdeu tudo, e depois recuperou a riqueza. Alguns dos "consoladores" de Jó lhe deram pistas sobre a filosofia da prosperidade? Foi isso o ponto de virada? Dificilmente. Foi quando Jó se arrependeu de sua arrogância que Deus restaurou sua riqueza anterior, e Deus não estava obrigado a fazer isso. O princípio das Escrituras é que o Senhor é soberano no modo como trabalha em nossas vidas. Ele pode escolher nos abençoar com riquezas, ou pode escolher nos abençoar retirando as riquezas de nós.

Portanto, de onde Osteen tirou a ideia que "Deus quer nos fazer crescer financeiramente?" A base dele está em sua experiência muito limitada e seletiva. Por exemplo, ele nos diz que quando seu pai se "dispôs a ir além das barreiras do passado [aplicando os princípios encontrados neste livro], ele quebrou a maldição da pobreza na nossa família. Agora, meus irmãos e eu, e nossos filhos, netos e até bisnetos, vão todos experimentar mais da bondade de Deus por causa do que aquele homem fez." (pág. 25). Logicamente, milhões de exemplos em todo o mundo e em toda a história poderiam ser dados de pessoas piedosas que viveram na pobreza, e os filhos de ricos que desperdiçaram sua herança e privilégios, porém Osteen parece convenientemente ignorar esses exemplos. Em vez disso, ele está convencido que "Deus quer lhe dar sua casa própria" (pág. 35). O governo americano e os bancos pareciam concordar com Osteen até a recente crise econômica. Agora, eles estão tomando de volta muitas daquelas casas. Mas isso não detém Osteen, que está persuadido que iremos prosperar.

Prosperidade

Prosperidade é mais do que saúde e riqueza; inclui todas as coisas boas que a vida pode oferecer. Aparentemente Deus está trabalhando com afinco para tornar a vida fácil para nós. Osteen promete: "Isto vai acontecer... Subitamente, sua situação melhorará para melhor... Ele fará seus sonhos se concretizarem" (págs. 196-198). Afirmações desse tipo não deixam espaço para o paciente com câncer que não consegue se recuperar, para o trabalhador que é dispensado da fábrica e nunca encontra um emprego comparável, para o atleta que sofre uma lesão que encerra sua carreira, ou para todos aqueles participantes desclassificados no programa "Ídolos" (pelo menos podemos agradecer por estes). Essas pessoas teriam razão para questionar o pronunciamento de Osteen que "Deus não fez você para ser mediano. Deus o criou para se superar" (pág. 82). Apenas dois minutos de reflexão devem revelar a falácia desse argumento. Por definição, não é possível que todos estejam acima da média ao mesmo tempo — alguns precisam estar na média e alguns precisam estar abaixo da média. Esse tipo de ideia soa como a familiar inflação de notas altas que está aparecendo em muitas universidades e faculdades hoje. Se 90% dos alunos conseguirem uma média "A" (o que não é mais incomum), isso não significa que eles são mais inteligentes que os estudantes das décadas passadas, apenas significa que o sistema de avaliação foi modificado para que mais alunos (e potenciais empregadores) achem que eles são bem-sucedidos Além disso, o que Paulo disse a respeito daqueles a quem Deus chama? "Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes." (1 Coríntios 1:27) Nosso Senhor parece ter padrões e valores que não estão alinhados com os de Osteen.

Todavia, Osteen insiste: "Você frequentemente receberá tratamento preferencial pela simples razão que seu Pai é o Rei dos reis, e Sua glória e honra espirrarão sobre você." (pág. 40). Osteen ora: "Pai, agradeço porque tenho o teu favor." (pág. 41). Por favor de Deus, Osteen tem em mente coisas terreais triviais como encontrar a vaga perfeita no estacionamento em um pátio lotado (págs. 41-42). Por que um homem de meia-idade perfeitamente saudável deve orar para encontrar a vaga ideal no estacionamento, sabendo, é claro, que alguma outra pessoa com maiores necessidades físicas terá essa vaga negada, nunca é explicado. Osteen admite que Deus algumas vezes se recusa a responder à sua oração por uma vaga no estacionamento, mas isso "não significa que vou deixar de acreditar no favor de Deus" (pág. 43). Osteen não pode perder. Se ele encontrar a melhor vaga no pátio, ele tem o favor de Deus; se precisar circular durante 15 minutos e fracassar nessa tarefa de máxima importância, isso não fará sua teologia descarrilar.

Sucesso

"Deus quer que você vá mais longe que seus pais" (pág. 8). Essa afirmação é feita sem a menor evidência bíblica. Pelo contrário, é uma raridade nas Escrituras encontrar um filho que tenha excedido um pai temente a Deus ou bem-sucedido. Além disso, o mesmo frequentemente é verdade em nossa própria experiência — alguns filhos vão mais longe do que seus pais, outros não. Osteen está fazendo uma afirmação que não pode ser confirmada.

"Mas não se deixe deter", ele nos diz. "Deus quer que você viva uma vida de superação, de vitória. Ele não quer que você mal consiga passar. Ele é chamado de El Shaddai, "o Deus do mais do que suficiente" (pág. 33). Ao contrário: El Shaddai é um título usado para nosso Senhor no Velho Testamento que é frequentemente traduzido como "Deus Todo-Poderoso". Esse título fala da total suficiência de Deus, e é um título especial de reverência. Osteen inventou seu próprio significado e, no processo, transformou Deus em nosso patrono pessoal, pronto para distribuir coisas boas para qualquer um que ache que descobriu o segredo do Seu coração.

Boa Autoimagem

"Deus quer que tenhamos uma autoimagem saudável e positiva, para vermos a nós mesmos como tesouros inestimáveis. Ele quer que nos sintamos bem conosco mesmos... Deus vê você como um campeão... Ele considera você uma pessoa forte, corajosa, bem-sucedida e que supera obstáculos" (págs. 57-58). Sério? A partir de qual fonte Osteen tirou essa interpretação da autoimagem? Certamente não foi das Escrituras, que nunca mencionam isso. Em vez de correr atrás de boas autoimagens, Paulo nos adverte: "Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um." [Romanos 12:3]. Mas, em vez de levar seriamente a instrução das Escrituras, Osteen está contente em correr atrás dos modismos encontrados na Psicologia popular. Ele diz: "Quando você estiver tentado a se sentir desanimado, lembre-se que, de acordo com a Palavra de Deus, seu futuro será mais brilhante, você está no caminho para um novo nível de glória." (pág. 67). Para um filho de Deus, essa é uma afirmação verdadeira no que se refere à eternidade, mas prometer que isso será o caso nesta vida é pura enganação. Como Osteen não faz distinção entre os redimidos e os não-regenerados neste livro, ele está oferecendo uma falsa esperança à maior parte de seus leitores, aqueles que não conhecem a Cristo como Salvador.

O Sistema de Crenças

Qual é a base do sistema de crenças de Osteen? Certamente não é a Bíblia, pois as Escrituras nunca ensinam algo remotamente similar com essa variedade de cristianismo de prosperidade. Isso não quer dizer que o livro O Momento É Este! seja totalmente vazio de referências bíblicas, mas as poucas que são apresentadas estão quase sempre terrivelmente fora do contexto, ou distorcidas e quase irreconhecíveis (veja, por exemplo, págs. 10, 14, 18, 30-31, 61, 76, 79-83, 87-89, 104, 115, 129-130, 134, 164). Osteen avisa logo no início, e outras vezes também, que suas opiniões não são tiradas fundamentalmente das Escrituras, mas de suas próprias experiências, e da experiência de terceiros. Porém, na introdução, ele escreve: "Dentro destas páginas, você encontrará sete passos simples, porém profundos, para melhorar sua vida, independente do seu atual nível de sucesso, ou falta dele. Sei que esses passos funcionam, porque eles funcionaram nas vidas dos membros da minha família, amigos e colegas, bem como na minha própria vida." (pág. viii).

Osteen suporta suas teses por meio do uso de diversas histórias de sucesso, de um tipo ou de outro. Algumas de suas histórias são impossíveis e/ou no máximo incapazes de serem documentadas e, portanto, fazem levantar uma bandeirola vermelha de advertência quanto à sua integridade (págs. 12, 23, 73, 122, 161, 201-202, 229, 280-281, 292 no original em inglês). Outras, são exemplos altamente seletivos de finais felizes (veja págs. 4, 7-8, 27, 111-112, 125, 127, 199-200, 246 no original em inglês). Como resultado dessas histórias, Osteen pode prometer que, se suas teorias forem adotadas, "subitamente, as coisas começarão a mudar, subitamente, aquele seu negócio vai decolar. Subitamente, seu marido desejará um relacionamento com Deus. Subitamente, aquele filho rebelde voltará para casa. Subitamente, Deus fará suas esperanças e seus sonhos se tornarem realidade" (pág. 199). Ou talvez não! Inexplicavelmente (dado seu sistema de crenças e a insistência que Deus trará prosperidade para nossas vidas se seguirmos a fórmula) Osteen precisa admitir que nem todas as coisas terminam em sucesso. A irmã e o pai dele experimentaram o fracasso do divórcio (págs. 151, 176), algumas pessoas não são curadas (págs. 181-182), as coisas nem sempre saem da forma como desejamos (pág. 207-209), seu pai sofreu de deficiência renal e esteve em diálise durante anos (pág. 247) e morreu de ataque cardíaco (pág. 248). Embora Osteen declare que "Deus não nos envia problemas", ele admite que "algumas vezes, Deus permite que passemos por eles" (pág. 205). Mas o fato é que até no mundo de "histórias-teologia" de Osteen, o povo de Deus sofre os mesmos altos e baixos, sucessos e fracassos, saúde e enfermidade, etc. que os incrédulos. Basta ler os Salmos para perceber que esta não é nossa "melhor vida agora" (NT: O título literal do livro em inglês.). Vivemos em um mundo corrompido e até que o Senhor retorne, este Universo manchado pelo pecado frequentemente nos trará decepções e sofrimentos. As histórias de sucesso (e fracasso) podem ser enumeradas desde aqui até a eternidade, mas não são a base da verdade, ou da vida; a Palavra de Deus é que é.

Os Métodos

Baseando-se em muitas histórias selecionadas e ignorando o que Deus tem a dizer, Osteen apresenta uma metodologia que ele promete produzirá uma vida de abundância, sucesso, saúde e riqueza. Esse sistema não é exclusivo de Osteen, pois é quase idêntico aos dos mestres da prosperidade mencionados anteriormente, porém Osteen leva esse falso ensino a uma nova audiência. Vamos examinar como o programa funciona.

Existem três etapas básicas para "sua vida melhor agora":

Visualização

A etapa inicial no programa de Osteen é a visualização. "O primeiro passo para viver em seu potencial pleno é alargar sua visão. Para viver o melhor da sua vida agora, você precisa começar a olhar para a vida por meio dos olhos da fé, ver a si mesmo se erguendo a novos patamares. Veja seu negócio decolar. Veja seu casamento restaurado. Veja sua família a prosperar. Veja seus sonhos se tornando realidade. Você precisa conceber isso em sua mente e acreditar que é possível, para poder então experimentar." (pág. 4; a ênfase é dele).

A razão por que a visualização é necessária é porque ela tem o poder de produzir aquilo que você imagina. "Você produzirá aquilo que está vendo continuamente em sua mente... Se você desenvolver uma imagem de vitória, sucesso, saúde, abundância, alegria, paz e felicidade, nada no mundo poderá reter essas coisas de você... Comece a ver antecipadamente as promoções e um aumento sobrenatural. Você precisa conceber isso em seu coração e na sua mente antes de poder recebê-los... Você precisa abrir espaço para o aumento no seu próprio pensamento, e então Deus fará essas coisas acontecerem." (pág. 5-6).

Aparentemente, até Deus está à mercê daquilo que visualizamos; afinal "os pensamentos [e não Deus] determinam o destino" (pág. 101). "Se você não pensa que seu corpo possa ser curado, ele nunca será... Quando você pensa da forma positiva, pensamentos excelentes, será levado a uma maior grandeza, inevitavelmente direcionada ao aumento, promoção, e às bênçãos sobrenaturais de Deus". (pág. 104).

Não é suficiente pensar e visualizar aquilo que queremos; também precisamos expressar fé. "Deus trabalha pela fé. Você precisa crer primeiro, e então receberá." (pág. 33). "Recebemos aquilo em que acreditamos. Infelizmente, esse princípio trabalha tão fortemente no aspecto negativo quanto no positivo." (pág. 72). "Compreenda o seguinte: Deus irá ajudá-lo, mas você precisa lançar o voto de decisão... precisamos entrar em um acordo com Deus." (pág. 74). "É nossa fé que ativa o poder de Deus." (pág. 306).

É vital que visualizemos o que queremos e esperemos ("expressar fé") porque nossa fé atrai aquilo que visualizamos. Embora Osteen nunca chame isso de "Lei da Atração", observe sua similaridade com o mesmo conceito, conforme ele é ensinado por mestres da Nova Era, como Eckhart Tolle, Rhonda Byrne e outros. "Sua vida seguirá suas expectativas. Aquilo que você espera, isso você receberá" (pág. 13). "Nossos pensamentos contêm um poder tremendo. Lembre-se que atraímos para nossas vidas aquilo sobre o que pensamos constantemente. Se estivermos sempre enfatizando as coisas negativas, atrairemos pessoas, experiências e atitudes negativas. Se enfatizarmos sempre nossos temores, atrairemos mais temor. Você define a direção da sua vida com os seus pensamentos." (pág. 109).

Palavras

Entretanto, não é suficiente pensar em coisas boas e expressar fé nelas; é necessário falar em voz alta quais são seus desejos. É por isto que o Evangelho da Prosperidade é frequentemente chamado de Movimento "Palavra da Fé" — porque o poder reside na palavra falada. Sigamos o pensamento de Osteen: "Nossas palavras têm um poder tremendo e, queiramos ou não, daremos vida àquilo que estamos dizendo, seja bom ou ruim... As palavras são similares às sementes, proferindo-as em voz alta, elas ficam implantadas em nossa mente subconsciente e assumem uma vida própria". (pág. 122). Osteen sugere: "Levante-se toda manhã, olhe-se no espelho e diga: 'Tenho valor; sou amado. Deus tem um grande plano para minha vida. Tenho favor por onde quer que eu vá. As bênçãos de Deus virão sobre mim de forma abundante. Tudo o que eu tocar prosperará e será bem-sucedido. Estou entusiasmado com meu futuro!' Comece a dizer palavras assim e, não vai demorar muito para você subir a um novo nível de bem-estar, de sucesso e de vitórias. Há realmente poder em suas palavras." (pág. 123).

Mas ainda há mais. Também precisamos falar com os nossos problemas. "Seja lá qual for a sua montanha, você precisa fazer mais do que pensar nela, mais do que orar a respeito dela; você precisa falar com aquele obstáculo... Comece chamando a si mesmo de curado, feliz, pleno, abençoado e próspero. Pare de falar para Deus o quão grande é a sua montanha, e comece a falar para as suas montanhas o quão grande é o seu Deus." (pág. 124). Osteen pode confiantemente nos prometer: "Amigo, há um milagre na sua boca" (pág. 125). Como assim? "No momento em que você diz algo, você está dando vida àquilo. Este é um princípio espiritual, e funciona independente se o que você está dizendo é bom ou mau, positivo ou negativo" (pág. 129). Portanto, "Você precisa começar a confessar firmemente a Palavra de Deus, usando suas palavras para avançar na vida, para trazer à vida as coisas grandes que Deus tem reservadas para você" (pág. 130).

Além disso, depende unicamente de nós atrair esse tipo de vida. "Deus já fez tudo o que podia. A bola está agora do seu lado da quadra. Se você quer sucesso, se quer sabedoria, se quer ser próspero e saudável, vai ter de fazer mais do que meditar e crer; você precisa declarar firmemente palavras de fé e de vitória sobre si mesmo e sobre sua família" (pág. 132). Osteen está apresentando um puro programa de autoajuda e batizando-o em nome de Deus. Aqueles que deixam de alcançar esses benefícios prometidos têm somente a si mesmos a quem acusar, pois aparentemente não seguiram a fórmula de Osteen.

Conclusão

Sempre que coisas e pessoas supostamente de Deus passam a ser apreciadas pelos habitantes deste mundo caído, é sábio ter cautela e exercer uma dose adicional de discernimento. Os judeus perseguiram e/ou mataram quase todos os seus profetas (Atos 7:52); os apóstolos foram desprezados pelo mundo e Jesus foi morto por aqueles a quem veio salvar. Jesus pronunciou uma bênção para aqueles que são perseguidos por Sua causa (Mateus 5:11) e advertiu: "Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa." [João 15:20] Por quê? "Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem." [1 Coríntios 1:18]. Portanto, quando encontramos uma mensagem, um ministério, uma mulher, ou um homem cristão sendo elogiado pelos incrédulos, podemos ter certeza que a humanidade não regenerada ainda não entendeu o que está sendo dito, ou então o que eles estão dizendo está alinhado com aquilo em que os incrédulos acreditam. Como demonstramos, a mensagem de Osteen é exatamente o que os incrédulos e os cristãos sem discernimento querem acreditar e eles estão entusiasmados por terem alguém que afirma ser um porta-voz confiável de Deus e que concorda com eles. Isto explica o incrível sucesso de Osteen, mas não explica e nem justifica, a inconcebível ingenuidade e imaturidades dos cristãos professos.

Notas Finais

  1. Extraído do DVD O Segredo.

  2. Hank Hanegraaff, Cristianismo em Crise, (Editora CPAD, págs. 74 e 75 no original em inglês).

  3. Ibidem, pág. 80 no original.

  4. Ibidem, pág. 83, 84.

  5. http://churchrelevance.com/top-100-largest-churches-in-america-of-2008/ — Vale a pena observar que, de acordo com essa fonte, o número de participantes caiu em cerca de 3.500 pessoas em relação ao ano anterior; um virtual megaigreja em todos os sentidos.

  6. Joel Osteen, Your Best Life Now (New York, Faith Word, 2004), pág. 212.

  7. As citações e numerações de páginas em todo o restante deste livro foram tiradas de Osteen, Your Best Life Now.



Autor: Gary Guiley — http://www.svchapel.org/resources/articles/22-contemporary-issues/620-joel-osteen-and-the-prosperity-gospel
Data da publicação: 11/9/2009
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/osteen.asp