A Segurança Eterna dos Santos Genuínos

"Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos." [Hebreus 12:8].

Recursos úteis para sua maior compreensão

As Igrejas Cristãs Estão Abrindo as Portas Para o Anticristo


Título do Livro 2


Título do Livro 3

Infelizmente, sempre houve uma classe de indivíduos — um "sacerdócio" — dentro da cristandade, que procura manter o controle sobre os seguidores por meio do uso engenhoso do medo. Essa hierarquia não tem base bíblica e veio à existência por meio do catolicismo romano, mas com o tempo, seu legado de falsos ensinos afetou o raciocínio de um número incontável de protestantes. Seitas "cristãs" estão sendo formadas constantemente por homens ímpios que tornam o espectro da perda da salvação um instrumento básico para manipular as pessoas em proveito próprio. Eles insistem que os liderados precisam seguir as instruções e aderir aos dogmas adotados pela liderança, sob o risco de serem rejeitados por Cristo! Esse ensino é bem claro em diversos grupos sectários, mas, tristemente, em formas mais sutis, também pode ser encontrado em muitas denominações tradicionais.

Os pastores são humanos e, portanto, propensos ao que poderíamos chamar de "pragmatismo piedoso" no que se refere a este assunto. A maioria deseja que seus rebanhos caminhem em obediência a Cristo e não se desviem do caminho estreito, de modo que é difícil resistir a qualquer dispositivo de natureza psicológica que contribua para promover essa aderência rígida. De forma inconsciente, muitos ministros caíram presos na teologia criativa, ao tentarem proteger as ovelhas de si mesmas por meio do temor. E a possibilidade da perda da salvação sempre está no alto da lista.

Nosso temor do Senhor é uma coisa saudável quando vista no contexto correto. Como filhos do Rei, é bom termos o temor Dele e caminharmos em obediência aos Seus mandamentos — ou sofreremos as conseqüências! Mas, quais são essas conseqüências? Será se remotamente envolvem a possibilidade da perda da filiação e da vida eterna em Cristo? ABSOLUTAMENTE NÃO!!! O próprio senso comum deve dizer que um pai amoroso nunca rejeitaria um filho e o entregaria à morte por alguma razão! Mas esse mesmo pai disciplinará com severidade sempre que for necessário. Assim, vejamos os versos em Hebreus 12 citados no subtítulo deste artigo:

"Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos." [Hebreus 12:6-8].

Obviamente, há uma tremenda diferença entre disciplina e condenação. Em parte alguma a Bíblia ensina que um filho genuíno de Deus corre o risco de perder sua salvação. Muito pelo contrário. Para cada verso "problema" na Palavra de Deus (versos que são interpretados por alguns como se ensinassem a perda da salvação), existem muitos outros que ensinam de forma claramente contrária. A preponderância das Escrituras está no lado da salvação eterna para os filhos eleitos de Deus. Por exemplo, observe o seguinte:

"Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei." [Hebreus 13:5].

Então, há a passagem em Romanos 8, em que o apóstolo Paulo fala exatamente sobre esse assunto. Nos versos de 28 a 30, ele estabelece o fato que o próprio Deus escolheu aqueles a quem vai salvar. Com base nessa escolha prévia, nos versos de 31 a 39, Paulo explora todos os cenários possíveis em que essa salvação poderia possivelmente falhar:

"Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica." [Romanos 8:31-33].

Aqueles que temem a perda da salvação claramente deixam de entender a dinâmica da justificação de Deus! Esse ato jurídico de Deus declara o indivíduo sem culpa algumanão meramente que está perdoado! A justificação (Romanos 8:30) é uma declaração de total inocência — não um perdão. Portanto, quando Deus declara que um pecador é justo à Sua vista e atribui a própria justiça de Cristo a ele, esse indivíduo nunca mais será colocado em um segundo julgamento. Existe um conceito jurídico que uma vez que um indivíduo é acusado de um crime passível de morte, é julgado e inocentado, nunca mais poderá ser levado ao tribunal por aquele mesmo crime novamente — mesmo que sua culpa venha a ser provada posteriormente. Mas, ao justificar o perdido, Deus ignora o fato da nossa culpa inegável e, por meio de Sua maravilhosa graça, declara-nos livres de todas as acusações! Esse é o tremendo ponto que Paulo faz no verso 33 — é o mesmo Deus que nos declarou justos — sabendo bem que éramos culpados de todas as acusações — vai mudar de idéia e nos condenar certo tempo depois? CERTAMENTE QUE NÃO!!!

Então, continuando com o verso 34:

"Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós."

Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo interromperá seu ministério de intercessão à mão direita de Deus e nos acusará de alguma culpa adicional? Existe alguma coisa possível que pode nos separar do imensurável amor que nos comprou? Muitos têm um medo compreensível de negar a Cristo durante uma perseguição ou tortura, mas como Paulo tenta nos dizer — fomos especificamente escolhidos para (potencialmente) sofrermos a experiência dessas coisas, mas nossa salvação nunca ficará em risco! O cristianismo verdadeiro difere de todas as outras "religiões", pois o povo de Deus recebe a garantia de uma vida bem dura neste mundo! [2 Timóteo 3:12].

"Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor." [Romanos 8:37-39].

Paulo menciona todas as possibilidades que consegue imaginar — tanto no plano terreal quanto no sobrenatural — e conclui que nada poderá causar a perda da salvação de um dos eleitos de Deus.

Na epístola de 2 Coríntios, ele declara em dois versos separados outro princípio que é sólido como uma rocha:

"Mas o que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus, o qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações." [2 Coríntios 1:21-22].

"Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Deus, o qual nos deu também o penhor do Espírito." [2 Coríntios 5:5].

A palavra grega que foi traduzida como "selou" é, de acordo com a Concordância Exaustiva de Strong, o item 4972, sphragizo, do grego sphragis (item 4973); carimbar, selar com um selo particular para proteger e preservar (sentido literal ou figurado); por implicação, manter secreto, atestar, etc.

A palavra traduzida como "penhor" é o item 728 na Concordância de Strong, arrhabon, uma entrada em dinheiro ou bens entregues de antemão como garantia para o restante.

Portanto, quando alguém se torna filho de Deus por meio do novo nascimento — nasce de novo espiritualmente — o Espírito Santo vem habitar naquele indivíduo e literalmente o possui como um sinal do plano de Deus de salvá-lo.

Observe que eu disse que é o objetivo de Deus de salvar. A Bíblia ensina que os eleitos de Deus foram salvos no passado, estão sendo salvos no presente, mas só estarão completamente salvos quando receberem seus corpos glorificados e puderem comparecer diante da Sua santa presença nos céus. Neste momento presente, os remidos de Deus são guardados pelo poder do Espírito Santo até aquele maravilhoso dia. Observe o que o apóstolo Pedro tem a dizer sobre isso:

"Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos estrangeiros dispersos no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia; eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós, que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo." [1 Pedro 1:1-5; ênfase adicionada].

Para compreender plenamente o que significa estar guardado, não podemos perder o poder inerente nos termos descritivos "selado" e "penhor" que observamos anteriormente nos textos de 2 Coríntios. Quando alguém decide comprar uma nova casa ou propriedade, para garantir que está sendo sincero e não apenas fazendo os outros perder seu tempo, o corretor ou proprietário exigirá que certa porcentagem do preço total seja dada como entrada e um contrato seja assinado definindo a intenção da compra. Esse procedimento legal existe há milênios e incondicionalmente obriga o comprador a efetivar a compra e a entrada será perdida se ele desistir do negócio. É com essa compreensão da transação jurídica na mente que precisamos ver o que Deus fez (e está fazendo) por aqueles que pertencem a Ele. Paulo nos diz duas vezes em 2 Coríntios que quando Deus salva um indivíduo, concede o Espírito Santo para ele como "penhor" — Sua intenção de salvar o indivíduo para sempre! A presença literal do Espírito dentro do indivíduo é a "assinatura" de Deus — Seu selo colocado no contrato. Pagar o penhor é juridicamente incondicional e sempre foi considerado assim em praticamente todas as sociedades. Desistir do negócio acertado implica na perda do valor da entrada. Será se Deus vai voltar atrás, decidir não salvar mais e rejeitar alguém que já foi admitido em Sua família? Acreditar que alguém possa perder a salvação em vista dessas verdades é uma total tolice!

Finalmente, observe em 1 Pedro 1:5 (citado anteriormente) que diz que os eleitos de Deus estão sendo guardados pelo poder de Deus mediante a fé deles. Muitos daqueles que ensinam que alguém pode perder sua salvação baseiam-se na possibilidade da perda da fé pelo indivíduo. Mas essa perda da fé é possível? Seria possível se sua origem fosse puramente humana — mas tal não é o caso! As Escrituras ensinam claramente que a fé salvadora é concedida pelo próprio Deus. Se você duvida que esse seja o caso, considere o seguinte:

"De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus." [Romanos 10:17; ênfase adicionada].

"Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um." [Romanos 12:3; ênfase adicionada].

A fé não é inata — não nascemos com ela — e não somente provém de Deus, mas cada cristão não recebe a mesma porção! É por isso que alguns servos de Deus podem "mover montanhas", enquanto a maioria está limitada em seu grau relativo de fé que lhe foi concedido. Em Lucas 17:5, os apóstolos pediram que Cristo aumentasse sua fé — à luz do contexto, eles sabiam que sua fé não estava à altura da tarefa de perdoar aqueles que os tinham maltratado. Portanto, para perdermos a fé, Deus precisaria retirá-la de nós. De acordo com Hebreus 13:5, referido anteriormente, isso não ocorrerá. Portanto, se sabe que foi salvo e sente a presença do Espírito Santo dentro de você, tenha confiança nessa salvação perpétua e louve ao Senhor por Sua maravilhosa graça!



Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Autor: Pr. Ron Riffe
Data da publicação: 6/2/2003
Patrocinado por: V. H. P. — Rio Grande do Sul
Revisão: V. D. M. — Campo Grande / MS e http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/p190.asp