Conhecendo o Preço de Tudo e o Valor de Nada

"Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele." [Provérbios 22:6]

Recursos úteis para sua maior compreensão

As Igrejas Cristãs Estão Abrindo as Portas Para o Anticristo


Título do Livro 2


Título do Livro 3

Se Deus permitir, em meados do mês que vem estarei completando 69 anos e os cabelos em minha cabeça que não estão caindo estão ficando bastante grisalhos. Assim, admito que estou envelhecendo e minha opinião sobre muitas coisas é 'típica do passado' aos olhos de minhas filhas e de meus netos. Também entendo plenamente que isto é algo que toda geração experimenta ao passar a tocha para aqueles que nasceram depois. Entretanto, mesmo assim, tenho grande dificuldade de entender por que são ignoradas as advertências sobre certas coisas que inevitavelmente causam problemas quando o senso comum diz que envolver-se naquele comportamento é receita para o desastre!

Um exemplo claro envolve o excesso de indulgência das crianças. Duvido que tenha havido duas gerações em toda a história humana que se igualem aos nascidos a partir dos anos 1950 e seus descendentes no que se refere a mimar os filhos. Tornou-se um modo de vida tão aceito que os pais não têm a mínima idéia do mal que estão fazendo.

As causas desse comportamento são complexas, mas parece provável que a origem foram as privações causadas pela Grande Depressão dos anos 1930, seguida pela Segunda Guerra Mundial. Vários milhões cresceram após aquela conflagração em uma economia que se expandiu durante mais de sessenta anos. A geração que incluiu meus pais estava determinada a oferecer aos seus filhos "uma vida melhor" do que a que eles experimentaram — um desejo que é certamente compreensível. Entretanto, na busca para oferecer essa vida melhor, muitos foram longe demais e instilaram em seus filhos um amor aos bens materiais. Então, ao longo dos anos, esse desejo cresceu exponencialmente, transformando-se em um monstro faminto que está devorando as famílias.

Um fator altamente significativo e que lançou gasolina na fogueira foi o número sem precedentes de mulheres que ingressaram no mercado de trabalho durante a guerra. Esse motim cultural foi provocado por elas ao assumirem postos de trabalho que antigamente eram ocupados somente por homens. Como muitos homens tiveram de se alistar, tornou-se uma necessidade prática as mulheres ajudarem a sustentar o esforço de guerra. Mas, quando a guerra acabou, os homens que voltaram para casa descobriram que, em muitos casos, teriam de competir com as mulheres pelos empregos disponíveis. Como resultado, números crescentes de famílias com "pai e mãe" trabalhando fora foram surgindo e ter filhos subitamente tornou-se um sério problema logístico. Como a mãe poderia trabalhar fora se seus bebês requeriam atenção constante? A maioria simplesmente impôs sobre os avós, ou sobre outros membros da família, a responsabilidade de cuidar das crianças! Mas logo essas providências se mostraram insatisfatórias, uma vez que as pessoas se cansavam de ter de assumir as responsabilidades e despesas inerentes a esse cuidado de longo prazo.

Conseqüentemente o problema se tornou tão grande, que os empreendedores encontraram ai uma oportunidade de negócio, e abriram creches para cuidar de crianças — cobrando uma mensalidade, é claro — e, como se diz, o resto é história. O que começou como uma conveniência tornou-se uma necessidade absoluta para a maioria das mães trabalhadoras. Mas um dos problemas mais sérios é que estranhos começaram a passar mais tempo com as crianças pequenas do que suas mães.

A busca para "ter de tudo" tornou-se uma tremenda carga psicológica sobre as mulheres que (1) optaram por abrir mão de ter seus filhos para poderem seguir uma carreira profissional ou (2) permitiram que seus bebês fossem criados por terceiros — freqüentemente em um ambiente institucional. Os instintos maternais delas, dados por Deus, foram suprimidos e as consciências culpadas continuam a compensar despejando "coisas" sobre seus filhos em um esforço fútil de compensar a falta de tempo de qualidade gasta com eles.

Além disso, três refeições nutritivas e equilibradas por dia, carinhosamente preparadas pelas mães no lar, deram lugar em grande parte às refeições rápidas, que permitem aos esgotados pais trabalhadores satisfazerem os crescentes apetites rapidamente. O resultado é um problema catastrófico para o setor de assistência médica, devido aos males da má alimentação para a saúde.

Outro aspecto interessante é o aparecimento da "mãe motorista". Em um ritual diário frenético de dirigir por toda a cidade, a maioria das relativamente poucas que ficam em casa com os filhos parece obcecada em garantir que eles não percam uma única atividade esportiva que esteja disponível! Se por acaso o horário de um jogo coincidir com o culto ou outra atividade na igreja, adivinhe à qual eles faltarão? Para citar um provérbio antigo, todas essas mães "acham que seu corvo é o mais preto", e brigam enfurecidas com o treinador se o filhinho ou a filhinha forem mandados para o banco de reservas para dar lugar a algum jogador mais habilidoso. Julgando então a partir da atitude que elas exibem, alguém poderia facilmente ter a impressão de que a própria vida depende do filho ser uma "estrela." (As crianças provavelmente se divertiriam muito mais se pudessem escolher o time e jogar enquanto a mãe e o pai estivessem em casa). A competição é uma coisa boa desde que seja mantida dentro dos limites. Mas uma ênfase desordenada sobre vencer leva muitos filhos que não possuem inclinação atlética, ou que não são fisicamente capazes desses heroísmos, a pensarem que são fracassados quando não atingem as expectativas. Freqüentemente, os relativamente poucos que demonstram essa capacidade acabam se tornando soberbos e desenvolvem a mentalidade de que nada do que fazem é errado, por causa da adulação acumulada sobre eles por suas famílias e por um público mal-orientado.

Entretanto, o aspecto mais prejudicial do mimo excessivo se manifesta em uma total desconexão entre saber o que as coisas custam e o esforço que precisa ser feito para ganhar o dinheiro necessário para pagar por elas. A maioria das crianças de hoje pode dizer o preço exato das coisas que elas consideram essenciais para viver e possivelmente não têm qualquer interesse em saber o esforço que seus pais precisam fazer para trabalhar e pagar por elas. Para as famílias muito ricas isto é compreensível porque ter renda suficiente disponível para comprar coisas caras não é problema. Mas independente se a família é rica ou de recursos modestos, é um grande engano quando os pais deixam de ensinar que "dinheiro não nasce em árvore". Porque quando a maioria se torna adulta e vai viver por conta própria, eles vão se encontrar em trabalhos de nível inicial, em que a renda deve ser rigidamente orçada para pagar as necessidades básicas. Então, quando são acrescentados casamento e filhos à mistura, isto quase sempre leva a uma séria tensão no relacionamento conjugal devido às finanças apertadas. Aqueles que acompanham essas tendências dizem que o fator número um que contribui para o aumento do índice de divórcios hoje são as discussões enfurecidas sobre como gastar o dinheiro — porque nunca parece haver o suficiente.

Sob a melhor das circunstâncias, a maioria de jovens casais vai experimentar vários anos tendo de 'contar as moedas' para conseguir sobreviver. Além disso, se uma ou ambas as partes não foram ensinadas pelos pais a apreciar devidamente o princípio do Custo versus Valor, eles rapidamente se encontrarão disputando quem satisfará sua necessidade de brinquedos e quinquilharias. Crescer e se tornar um adulto responsável é difícil o bastante sem a mania infantil de querer agora mesmo o que a mãe e o pai levaram trinta ou quarenta anos para obter com trabalho árduo e gastos bem planejados.

Já ouviu um de seus filhos, ou os netos, dizerem o seguinte sobre o novo item que eles precisam ter: "Bem, só custa (preencha o espaço em branco)"? Com certeza já! E isso é exatamente o que eles acham, porque o valor do dinheiro é sem sentido para eles. A maioria nunca teve de realmente ganhar uma mesada por meio de esforço, de modo que a filosofia de "vem fácil, vai fácil" é rapidamente adotada. Meu amigo, qualquer criança que tenha idade para receber uma mesada é crescida o suficiente para trabalhar por ela e os pais lhe prestam um grande desserviço se não a fizerem entender a realidade que está por trás da remuneração recebida para realizar certos tipos de trabalho. (Em geral, quanto mais duro o trabalho é fisicamente, menor a remuneração!) Se as crianças aprenderem essa lição desde pequenas, duas coisas importantes terão sido realizadas: (1) Elas não vão querer passar o resto de suas vidas labutando em um trabalho de baixa remuneração — o que é em muitos aspectos o melhor incentivo para se dedicarem aos estudos, e (2) O desejo tolo de desperdiçar dinheiro na vida adulta será diminuído porque elas saberão por experiência pessoal o quanto suor é necessário para ganhá-lo.

Por outro lado, conheço alguns pais que são relativamente ricos e exigem que seus filhos realizem tarefas que valham a pena. Mas eles arruínam a lição Custo versus Valor recompensando-os demais pela quantidade/dificuldade de trabalho que eles executam de fato. Eles estão no caminho certo, mas fazendo do modo errado! A não ser que a criança seja ensinada a entender a realidade que nem todo o trabalho paga o mesmo, é provável que ela presuma por suas próprias circunstâncias que um pequeno trabalho sempre resulta em muitas coisas.

Permita-me relatar uma experiência pessoal que fez uma grande diferença em minha própria vida:

Cresci como um único filho e nunca tive falta de nada porque meu pai ganhava bem. Sempre havia bastante comida para comer e roupa para vestir — e ainda por cima eu tinha brinquedos suficientes. Observe que eu disse "brinquedos suficientes" porque meus pais perceberam que como eles só tinham um filho, as pessoas logo os acusariam de me deixar mimado e eles estavam determinados a evitar essa acusação. Portanto, eles intencionalmente limitavam o número de presentes que me davam e adivinha o que aconteceu? Eu tomava muito cuidado com tudo o que eu tinha! Quando eu terminava de brincar, guardava cada brinquedo em sua gaveta apropriada, onde eles deveriam ficar. Não deixava minha bicicleta no meio do quintal para tomar chuva e enferrujar. Não, eu sempre a guardava na varanda para que ela não ficasse molhada. E, enquanto escrevo este artigo, minha premiada espingarda Daisy "Red Rider" BB está fixada na parede em meu armário, a menos de 10 metros de onde estou sentado! Sou agora um cidadão da terceira idade, mas ainda tenho memórias preciosas de brincar com aquela arma — e ela ainda funciona perfeitamente!

Quando eu tinha 16 anos meus pais vieram a perceber que tinham cometido o erro de não me ensinar a lição do Trabalho versus Compensação. Era minha obrigação fazer algumas tarefas em casa (cortar a grama, trazer carvão para o aquecedor no inverno, etc.), mas além de receber dinheiro para os lanches da escola ou em alguma ocasião especial, eu não recebia uma mesada — muito menos pagamento por realizar as tarefas. Assim, quando adquiri minha carteira de motorista, como a maioria dos garotos daquela idade, falei para meus pais que queria ter um carro. Bem, imagine minha surpresa quando tivemos uma pequena conversa e meus pais me informaram que eu iria começar a trabalhar! Ei, eu era apenas um garoto no Segundo Grau e certamente não queria começar a trabalhar porque estava me divertindo muito! Mas a próxima coisa que eu soube é que iria servir refeições na cafeteria da fábrica de papel (das 15h00min às 23h00min após a escola, e das 11h00min às 19h00min aos sábados) — cozinhando na grelha e fazendo mais de cem sanduíches por noite durante o período de duas horas quando aquele turno na fábrica enviava seus pedidos. Enquanto eu viver, nunca me esquecerei do meu primeiro dia de pagamento: 56 horas de trabalho árduo para receber um salário líquido semanal de — veja só — 21 dólares. Entretanto, eu pensava que estava rico, porque ainda não conhecia o valor do dinheiro. Mas é claro que um dólar valia mais em 1956 do que vale hoje.

O próximo passo planejado era comprar o carro. E então apareceu o Sr. Matthews, um vizinho idoso do outro lado da rua que tinha ganhado um carro novo participando de um concurso do supermercado. Após vendê-lo e colocar a maior parte do dinheiro no banco, ele comprou um velho Chevy 1950 cupê de duas portas. Por que ele comprou aquele carro eu não conseguia entender, pois ele nem mesmo possuía uma carteira de motorista e apenas ocasionalmente mudava de lugar no terreno para mantê-lo na sombra! (Mas eu agora sei que Deus tinha um plano para mim nisto.) Depois de certo tempo meu pai foi até lá perguntar se ele gostaria de vendê-lo e, pelo enorme preço de $400,00, tornei-me o proprietário extremamente orgulhoso de um veículo motorizado. Então veio uma das melhores lições sobre dinheiro que eu já aprendi:

Meu pai financiou a transação e, antes de tratarmos dos detalhes, ele me contou que realmente tinha pensado em me comprar um carro novo. Porém, ele disse: "Você provavelmente não tomaria cuidado porque ele teria vindo de forma muito fácil." Raramente foram ditas palavras mais sábias, e a próxima coisa que eu soube é que seria obrigado a devolver o dinheiro pago pelo carro. Isso foi vários anos atrás e eu não me recordo qual era meu salário mensal, mas me lembro de pôr o dinheiro do pagamento sobre as pequenas almofadas decorativas de minha mãe e apresentar orgulhosamente a ele. E, acredite, eu cuidei muito bem daquele ferro velho porque não levou muito tempo para descobrir quanto dinheiro suado era necessário para comprar a gasolina, o óleo e os pneus!

Seus filhos realmente sabem o valor do dinheiro? É triste dizer isto, mas a atual situação financeira neste país indica que há uma alta probabilidade de você não ser responsável fiscalmente — muito menos seus filhos! E se o "o sapato servir", a maior parte da culpa cai em cheio nos pés (a brincadeira com as palavras é intencional) daqueles que deixaram de lhe dar essas boas lições quando você estava crescendo. Assim, você vai manter essa tendência destruidora de famílias, ou dará o melhor de si para pôr um ponto final nisto em seu lar? Comece encontrando algumas tarefas que as crianças possam realizar e faça-as ganhar o dinheiro para suas pequenas despesas, telefone celular e jogos eletrônicos. Exija que elas arrumem suas próprias camas, mantenham seus quartos limpos o tempo todo colocando a roupa suja e o lixo nos lugares corretos. Ensine-as a guardar seus brinquedos quando terminarem de brincar e elas se tornarão alguém que será uma alegria e não um fardo para o cônjuge quando se casarem!

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário? Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas? E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura? E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam; e eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé? Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? (Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas." [Mateus 6:24-33].



Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", clique aqui http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Autor: Pr. Ron Riffe
Tradução: Simone A. de Souza
Data da publicação: 26/9/2008
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/p303.asp