Reinventando Jesus Cristo: O Novo Evangelho

Capítulo 5: Meditação e Oração Contemplativa: Provai os Espíritos

Autor: Warren Smith

http://www.reinventingjesuschrist.com


Walsch [questionando 'Deus']: "— Como posso experimentar a Realidade Final em qualquer momento particular?"

"Deus": "— Aquiete-se e saiba que eu sou Deus. Digo isto literalmente: Aquiete-se. É assim que você saberá que eu sou Deus, e que sempre estou com você. É assim que você saberá que é Um comigo. É assim que você encontrará o Criador dentro de você." — Neale Donald Walsch — em Friendship with God [Amizade com Deus].



Não muito tempo após nossa conversão, minha mulher e eu nos sentamos um dia e conversamos sobre a enganação espiritual final descrita na Bíblia — a grande apostasia da igreja e o aparecimento do Anticristo. Concordamos que para alguém como o Anticristo ser aceito no mundo, ele precisaria que um grande contingente de pessoas que se consideram cristãs acreditasse que ele seria o Cristo. Se ele pudesse conseguir que um número suficiente de cristãos — especialmente os líderes cristãos — o seguissem, então poderia desacreditar e marginalizar aqueles que se opusessem a ele. Mas para fazer as pessoas que se chamam de cristãs acreditarem que ele é o Cristo, ele teria primeiro de conseguir redefinir o cristianismo. [2] Para fazer isso, ele teria de introduzir ensinos e práticas não-cristãos na igreja, e ao mesmo tempo fazer com que eles parecessem ser cristãos. O objetivo óbvio seria converter os cristãos incautos e sem discernimento a uma variedade mais oriental e mística de "cristianismo". Ao mesmo tempo em que invoca o nome de "Deus" e "Cristo", ele irá na verdade virar a Bíblia de cabeça para baixo — exatamente como vimos em A Course in Miracles e nos nossos antigos ensinos de Nova Era.

O cristianismo se tornará um cristianismo de Nova Era mais "positivo". Esse cristianismo de Nova Era tem uma "forma de piedade, mas na verdade nega a verdadeira fé [1 Timóteo 3:5]. Esse cristianismo de Nova Era/Nova Espiritualidade usa a terminologia cristã, mas está sob o encantamento de "outro Jesus", "outro espírito" e outro evangelho" [2 Coríntios 11:4]. Esse novo evangelho/nova espiritualidade/nova era é a falsificação e a enganação definitivas. É aquilo acerca do qual o verdadeiro Jesus Cristo advertiu seus discípulos para estarem acautelados.

Meditação e Contemplação

A Nova Era/Nova Espiritualidade continua a fazer grandes avanços na igreja — particularmente na área da meditação e da "oração contemplativa". A despeito de severas advertências de muitos de nós que estiveram envolvidos no movimento de Nova Era, a igreja permanece extremamente vulnerável às experiências enganosas e sobrenaturais que parecem vir de Deus.

A partir do nosso próprio envolvimento na Nova Era, sabíamos que poderosas experiências espirituais tinham freqüentemente sido usadas para nos levar mais para perto da Nova Era e de suas várias práticas espirituais, incluindo meditação e contemplação. E sabíamos que as mesmas experiências sedutoras que tinham nos levado à Nova Era, continuavam dentro de nossas meditações e contemplações. Como nossas experiências espirituais nos faziam sentir tão bem, nós simplesmente assumíamos que aquilo que estávamos experimentando vinha de Deus. Nossas meditações e contemplações logo se tornaram a força de conexão básica que nos dava a sensação que estávamos na trilha certa. Essas meditações e contemplações diárias serviam para reforçar nossa emergente crença de Nova Era, e tinham o efeito de nos levar cada vez mais para dentro dos ensinos de Nova Era/Nova Espiritualidade.

Para a maioria de nós na Nova Era, a meditação era uma parte integrante da vida diária. Como ela era relaxante e dava uma sensação tão boa, não tínhamos idéia que nossas meditações estavam nos abrindo para uma grande enganação. Olhando agora para trás e relembrando, a meditação foi o principal veículo por meio do qual espíritos enganadores impuseram sobre nós seus pensamentos e os ensinos de Nova Era. A boa sensação espiritual que freqüentemente acompanhava nossas meditações e contemplações parecia corroborar nossa emergente crença de Nova Era que éramos todos "um" porque Deus estava "em tudo e em todos. Na verdade, em minha primeira meditação, experimentei uma misteriosa sensação de unidade que achei que era minha conexão divina com essa unidade. [3] Uma das lições diárias que contemplei de "A Course in Miracles" foi "Que eu me lembre que sou um com Deus." [4].

Ironicamente, a meditação de Nova Era e aquilo que é chamado de meditação bíblica ou oração contemplativa são freqüentemente a mesmíssima prática. Um dos truques espertos do nosso Adversário espiritual é o de reempacotar a meditação mística oriental de Nova Era como meditação e contemplação "cristã". Em seu poderoso livro A Morte de um Guru (Edições Vida Nova), o ex-hindu Rabindranath R. Maharaj descreve como formas aparentemente relaxantes e benignas de meditação e contemplação podem ser usadas pelo mundo espiritual para fornecer uma experiência de unidade cósmica:

"Embora popularizada no ocidente com muitos nomes, o objetivo da meditação oriental é "perceber" a união essencial da pessoa com o universo. É a porta para o esvaziamento chamado Nirvana. A meditação geralmente é promovida como uma técnica de 'relaxamento', mas ela na verdade objetiva e leva no fim a entrega de si mesmo às forças cósmicas místicas." [5].

A Oração Contemplativa de Barbara Marx Hubbard

A meditação bíblica é geralmente compreendida como quando orar e considerar pensativamente em uma passagem das Escrituras. Infelizmente, muitos que pensam que estão praticando a meditação bíblica, confusamente cruzam para a meditação mística e oriental e sem base bíblica da Nova Era. Mas meditar e contemplar nas Escrituras não garante que o que virá em seguida é necessariamente da parte de Deus.

Um exemplo perfeito é o que aconteceu com a ex-buscadora mas agora uma líder de Nova Era, Barbara Marx Hubbard. Após ter contemplado" em uma passagem das Escrituras, recebeu uma poderosa visão que a levou para seu sistema de crenças de Nova Era/Nova Espiritualidade e, mais tarde, para a liderança da Nova Era. Em seu livro The Revelation (A Revelação), ela descreve o que aconteceu após ela "contemplar" em 1 Coríntios 12:12. Por causa de magnitude da enganação espiritual, farei uma longa citação dela:

"Em uma fatídica tarde em fevereiro de 1966, eu estava fazendo minha caminhada diária usual... Eu estava lendo Reinhold Niebuhr sobre o assunto de comunidade. Ele tinha citado a famosa frase de São Paulo: "Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também." À medida que eu contemplava essa idéia, eu sentia uma profunda frustração.

"... uma nova questão irrompeu em minha mente. Eu a falei em voz alta... "Qual é nossa história? O que em nossa época é comparável ao nascimento de Cristo?... Cai em um estado de sonhar acordada... Eu estava preparada em meu interior, para pegar a mais tênue indicação da revelação."

"Subitamente, o olho de minha mente penetrou além do casulo azul da Terra, erguendo-me para a profunda escuridão do espaço sideral. Dali, testemunhei toda a história da Terra, como se estivesse assistindo um filme no cinema."

"Testemunhei a Terra como um organismo vivo... Senti que eu era uma célula naquele organismo..."

"Em seguida o filme tornou-se mais rápido. Vi algo novo. Um clarão de luz extraordinário, mais radiante que o sol, envolveu o planeta. Instantaneamente, todos nós fomos atraídos para a luz. Esquecemos nossas dores, e naquele momento de atenção compartilhada, a empatia começou a percorrer nosso corpo planetário. Ondas sucessivas de amor fluíram por todas as pessoas. Um campo magnético de amor nos alinhava. Estávamos despreocupados, elevados nesse campo de luz. Sentíamos que nossa luz interior nascer. Curas em massa ocorreram. As pessoas saíam de suas casas, escritórios, e edifícios, e se reuniam em ajuntamentos cada vez maiores, abraçando-se e demonstrando amor umas pelas outras..."

"Então ouvi as palavras interiores claramente: 'Nossa história é um nascimento. É o nascimento da humanidade como um corpo'..."

Em resposta a essas palavras, que pareciam vir do interior profundo do Universo, bilhões de nós abriram nossos olhos coletivos e sorriram. Era o sorriso planetário... Uma alegria extasiante fluiu pelo organismo planetário... e por mim como um de seus bilhões de membros." [6].

Toda essa 'nova revelação' — o fundamento do ministério de Nova Era de Barbara Hubbard hoje — veio após ela ter "contemplado" com base em um único verso da Bíblia: 1 Coríntios 12:12. Mas as experiências sobrenaturais não são obviamente de Deus se contradizem Sua Palavra escrita. Sem saber como "testar os espíritos", ela se abriu totalmente para a enganação espiritual.

Embora a maioria de nós na Nova Era não tenha tido a experiência de Hubbard, tivemos nossas próprias versões. E o que estávamos aprendendo com nossas experiências espirituais era que nossa "experiência" deveria ter precedência sobre qualquer palavra escrita ou quaisquer crenças prévias. Na verdade, ouvíamos que nossas experiências espirituais deveriam oferecer a base para novas crenças. E, muito freqüentemente, essas experiências vinham durante períodos de meditação e contemplação.

Deve ser observado com atenção que como uma buscadora espiritual, Hubbard tinha sido grandemente enganada após proferir uma oração contemplativa que tinha enfocado as Escrituras. Ela mais tarde descreveu como começou a ouvir "regularmente" uma voz interior após dizer a Oração do Pai Nosso em profunda concentração durante meditação:

"Em 1977, comecei a meditar, indo todas as manhãs ao monte atrás de minha casa, em Washington. Aprendi a dizer a Oração do Pai Nosso em profunda concentração. Comecei a ouvir regularmente uma voz interior." [7].

Essa "voz interior" iria se transformar na "voz de Cristo" de Hubbard. [8] Ela explicou como sua "voz interior" transformou-se na "voz de Cristo" durante um "retiro silencioso" no Monastério Episcopal do Monte Calvário, em Santa Bárbara, na Califórnia, em 1980. O monastério tinha descrito o fim de semana como um "fim de semana não dirigido de silêncio, aberto a todos, para renovar a paz interior e encontrar o Senhor nas cercanias monásticas dos Ofícios, Eucaristia, comunhão silenciosa e não-verbal." [9] Hubbard contou como ela encontrou a "voz de Cristo" ao se sentar em "silêncio" debaixo de um cruzeiro de madeira no monastério:

"Cedo de manhã, enquanto eu estava sentada debaixo de um pequeno cruzeiro de madeira no topo da colina, olhando para o mundo abaixo, a voz interior me guiou à medida que eu escrevia em meu diário." [10].

"Então a 'voz', que até agora parecia ser meu próprio eu superior, tornou-se elevada e se transformou em uma voz ainda mais alta, a voz de Cristo. Senti uma eletrizante presença de luz, um campo que me elevou." [11].

Foi nesse monastério episcopal que Hubbard, sob a direção de seu "Cristo", reescreveu partes do Novo Testamento e começou a descrever um "cristianismo" de Nova Era que estabelecia a crença no "Cristo interior" e um "processo de seleção" para selecionar aqueles que se recusavam a acreditar em sua própria divindade. [12].

Para aqueles que acreditam que a reclusão, o silêncio, a oração contemplativa, ou até mesmo a meditação bíblica são a única província de Deus, Barbara Marx Hubbard continua sendo um bom exemplo do porquê eles devem pensar novamente. A contemplação séria de Hubbard de 1 Coríntios 12:12 e da Oração do Pai Nosso não a impediu de ser enganada espiritualmente. O que aconteceu com Hubbard e o que aconteceu com tantos na Nova Era, pode acontecer com qualquer um que escolher acreditar na experiência espiritual pessoal mais do que na Palavra escrita de Deus. Isso pode acontecer com qualquer um que não testa os espíritos que está experimentando. (Hebreus 4:12; 1 João 4:1). Parece para mim que a igreja sem discernimento dos dias atuais está particularmente vulnerável em toda essa área da meditação e oração contemplativa.

Aquiete-se

Nas nossas meditações de Nova Era, freqüentemente meditávamos e contemplávamos certas passagens das Escrituras. Em uma conferência de Edgar Cayce [médium espírita e vidente] da qual participei certa vez, começávamos cada dia meditando em Salmos 46:10 — "Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra." Relembrando aquela experiência agora, percebo por que esse verso específico de Salmos 46 foi usado por tantos grupos de Nova Era para contemplação. O mundo espiritual estava simplesmente disposto demais a pegar algo que Deus disse de si mesmo e traduzir para algo que a Nova Era estava dizendo acerca do homem. Era muita esperteza.

Estávamos "aquietados" e citando as Escrituras, mas estávamos continuamente afirmando que éramos Deus, enfatizando o "eu" e repetindo a frase "Eu sou Deus" diversas vezes. Estávamos indo para o nosso interior, para o Deus interior — "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus." Em nosso estado vulnerável de "estar aquietado" não estávamos aprendendo que Deus era Deus, mas que cada um de nós era Deus.

O "Jesus" de A Course in Miracles também usava o Salmo 46:10 para ensinar seu conceito de Nova Era. Devíamos nos aquietar e saber que éramos "Deus". Esse falso "Jesus" realmente usava o verso "Aquietai-vos" para prefaciar seu falso ensino que "a jornada para a cruz deveria ser a última 'jornada inútil'" [13]. Nossa jornada de Nova Era era contornando a cruz, não passando pela cruz. Estávamos sendo ensinados por A Course in Miracles e por outros ensinos de Nova Era que se nós nos aquietássemos e "soubéssemos" que éramos Deus, então não precisaríamos da cruz e não precisaríamos de Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador. Poderíamos salvar a nós mesmos "aquietando-nos" e "despertando" para nossa "auto-realização" interior que nós éramos Deus. A lição 70 em A Course in Miracles é "Minha Salvação Vem de Mim Mesmo". [14].

Ironicamente, Salmos 46:10 também era a divisa principal da comunidade de Nova Era pioneira de Findhorn, na Escócia. A co-fundadora, Eileen Caddy distintamente ouviu as palavras "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus" em uma meditação e, como resultado, a Comunidade de Findhorn foi fundada com base na interpretação errônea desse verso. Ela descreve sua experiência de "aquietar-se":

"Sim, éramos como crianças então, e Deus ainda era alguém como o Pai, separado e acima de nós, descendo para ajudar. Gradualmente, porém, cheguei à compreensão que isso significa descobrir esse mesmo Deus dentro de mim mesma..."

"A primeira vez que ouvi essa voz foi em 1953, quando Peter e eu estávamos visitando Glastonbury, um centro de poder espiritual na Inglaterra. Eu estava sentada no silêncio de um pequeno santuário particular ali, quando ouvi uma voz — uma voz muito clara — dentro de mim. Eu nunca tinha experimentado nada parecido antes. Ela dizia simplesmente, 'Aquiete-se e saiba que eu sou Deus. O que é isto? pensei. Estou ficando louca? Eu tinha sido criada na Igreja Anglicana e aprendi na Escola Dominical sobre a "voz mansa dentro de mim" — mas quando você realmente ouve a voz, é algo diferente. Ela era realmente chocante porque era tão clara." [15].

Mais tarde, esse falso "Deus" disse a ela:

"Que relacionamento maior ou mais maravilhoso poderia o homem pedir do que o conhecimento que ele é verdadeiramente um comigo, e que sou um em você e você é em mim?" [16].

Ela escreveu:

"A aceitação da realidade dessa unidade veio lentamente. Na verdade, a princípio achei que era audacioso até mesmo pensar nisso. Porém, não podia negar minha experiência. Sei que Deus está dentro de cada um de nós, dentro de todas as coisas. Acho que a igreja ensina sobre o Deus que está fora de nós, mas este é o mesmo Deus que está no interior. Você pode chamá-lo de diferentes nomes, se quiser, mas há somente um Deus." [17].

A compreensão de Nova Era de Eileen Caddy do "Deus interior" e "unidade" começou com a "voz mansa interior" que lhe disse "Aquiete-se e saiba que eu sou Deus." Como Caddy, muitas pessoas que foram criadas na igreja de hoje têm sido similarmente enganadas a acreditarem que o verso "Aquietai-vos" em Salmos 46:10 é a instrução celestial de Deus para entrarmos em reclusão e "silêncio" para que possamos ouvir Sua voz. Mas pastores e comentaristas bíblicos confiáveis e com discernimento ensinam que o verdadeiro significado desse verso não tem nada que ver com meditação ou oração contemplativa. [18] Na realidade, Deus está repreendendo as nações do mundo e dizendo para elas se aquietarem e saberem que Ele é Deus. Infelizmente, os líderes sem discernimento da igreja aplicaram inapropriadamente o verso em Salmos 46:10 para justificar a oração contemplativa. Eles agora usam o verso para incubar uma "conversa com Deus".

Existe um motivo espiritual óbvio para o "Deus" de Nova Era de Neale Donald Wasch ensinar a importância de Salmos 46:10 e a necessidade de se aquietar. O "deus" de Walsch quer se comunicar com os buscadores incautos que estão diligentemente meditando e proferindo orações contemplativas. "Deus" diz a Walsch:

"— Aquiete-se e saiba que eu sou Deus. Digo isto literalmente: Aquiete-se. É assim que você saberá que eu sou Deus, e que sempre estou com você. É assim que você saberá que é Um comigo. É assim que você encontrará o Criador dentro de você." [19].

É interessante que o "Deus" de Nova Era de Walsch coloca uma ênfase tão grande nesse verso "Aquietai-vos". Obviamente, existe algo sobre todo esse processo de oração contemplativa e de meditação "aquiete-se" que abre as pessoas para o mundo espiritual enganoso. Portanto, por que estão líderes cristãos promovendo a reclusão e o silêncio e o Salmo 46:10 quase tanto quanto seus correspondentes de Nova Era? Por que eles não estão advertindo a igreja sobre o mau uso desse salmo e a necessidade óbvia de testar os espíritos. (1 João 4:1)? Por que não estão advertindo que você não pode apenas se aquietar — você também tem de ser sóbrio e vigilante? (1 Pedro 5:8) De muitas formas, o movimento cristão atual de "oração contemplativa" está compartilhando a expectativa de Nova Era de que todos nós podemos ter uma "conversa com Deus" se simplesmente 'nos aquietarmos' e nos submetermos à "disciplina espiritual" de meditar nas Escrituras e nos envolvermos na oração contemplativa.

A razão por que o "Deus" de Nova Era incentiva a oração contemplativa "aquiete-se" é que ela coloca a experiência espiritual acima da Palavra de Deus. A Nova Era/Nova Espiritualidade que está tentando de todos os modos entrar na igreja hoje não quer que os crentes avaliem suas experiências espirituais pela Palavra de Deus. Ela quer que a Palavra de Deus seja avaliada pelas experiências espirituais das pessoas. O "deus" de Nova Era de Walsch diz que sua "mais poderosa mensagem é a experiência." [20].

"Agora, a suprema ironia aqui é que vocês todos colocaram tanta importância na Palavra de Deus e tão pouca na experiência."

"De fato, vocês colocam tão pouco valor nas experiências que quando sua experiência de Deus difere daquilo que vocês aprenderam de Deus, vocês automaticamente descartam a experiência e se apropriam das palavras, quando deveriam fazer exatamente o contrário." [21].

O mundo espiritual está simplesmente satisfeito demais em saltar no meio de uma meditação ou oração contemplativa com uma "palavra da parte do Senhor" ou algum outro tipo de experiência espiritual enganosa. Não há nada de errado com a reclusão e o silêncio. Mas os crentes precisam estar mais alertas e compreender que existem forças espirituais no mundo que são totalmente hostis a Jesus Cristo e aos seus discípulos. Os crentes não podem colocar suas mentes em ponto morto e assumir que simplesmente por que recitaram o verso "Aquietai-vos" ou alguma outra Escritura que toda voz subseqüente e direção que receberem vem de Deus. Existe um Enganador. Existem outras vozes por ai. Deus responde às orações mas Ele não promete ter uma conversa com você porque você repetiu as Escrituras e está aquietado.

Advertências Acerca da Meditação

Em meu livro, The Light That Was Dark, descrevi como minha mulher e eu fomos enganados com relação à meditação. Aquietando-nos e "indo em busca do interior" fomos cada vez mais para as profundezas da Nova Era/Nova Espiritualidade. Escrevi que "indo para dentro de nós mesmos, tínhamos ficado sem Deus." [22].

O líder de Nova Era Donald Walsch diz exatamente o contrário para seus leitores. Em seu livro What God Wants (O Que Deus Quer), publicado em 2005, ele escreveu: "Se você não for para dentro, você fica sem Deus". [23] Mas isso é exatamente o que o enganoso mundo espiritual quer que todos acreditem — especialmente os cristãos. Eles querem que as pessoas acreditem que existe algo "especial" com relação à meditação e à oração contemplativa — que a "disciplina" torna-o mais espiritual e o deixa mais próximo de Deus. Para ter um relacionamento real com Deus você precisa se tornar mais meditativo e contemplativo, entrando no "mistério" do silêncio.

É no silêncio que o mundo espiritual pode ganhar entrada nas mentes desprotegidas e incautas. É nesse espaço meditativo e contemplativo que o enganoso mundo espiritual pode começar a fornecer os pensamentos, palavras e experiências que reforçam os ensinos de Nova era da Nova Espiritualidade. É por meio da meditação e da oração contemplativa que eles podem apresentar à pessoa sem discernimento a voz do outro Jesus e outro espírito e os ensinos de outro evangelho. [2 Coríntios 11:4].

Muitos anos atrás, quando minha mulher, Joy, era uma seguidora do guru indiano Swami Baba Muktananda e meditava em seu ashram (NT: Uma espécie de retiro para o estudo do hinduísmo sob a direção de um guru), ela era continuamente lembrada das palavras do guru: "Ajoelhe-se para o seu próprio eu. Honre e adore seu próprio ser. Deus habita dentro de você como Você." O ponto da meditação era tornar-se um com o "deus interior". Mas Jesus não disse aos seus discípulos que Deus estava em tudo e em todos. Ele não disse a eles para meditarem na interconectividade divina de toda a humanidade. Ele não os fez ficarem em silêncio para se conectarem com o deus interior. Jesus Cristo não colocava sua confiança no homem "porque ele bem sabia o que havia no coração do homem." [João 2:24-25].

Certa vez conheci um fazendeiro californiano do Napa Valley que tinha se tornado um canalizador de Nova Era após uma voz subitamente soar em uma de suas meditações e começar a falar por meio dele. Muitos ex-ocultistas de Nova Era, incluindo Johanna Michaelsen, Will Baron e Randall Baer documentaram os extremos perigos da meditação e contemplação sem discernimento — como isso os atraiu mais e mais para o engano espiritual. [24].

Em A Face Atraente do Mal [leia a resenha], Johanna Michaelsen descreve como foi enganada em suas meditações por um espírito maligno que se apresentava como "Jesus Cristo". [25] Quando ela finalmente testou esse Jesus Cristo falsificado, o espírito demoníaco falhou no teste e desapareceu de sua vida. [26] Em seu livro extremamente esclarecedor, ela explica por que os cristãos não podem assumir que sua sinceridade os manterá protegidos de serem enganados. Ela adverte que os cristãos precisam estar alertas e devem sempre testar os espíritos de qualquer coisa que esteja influenciando seus pensamentos. Ela escreveu:

"Muitos de nós na igreja acreditam que nossa sinceridade atua como um tipo de proteção mágica contra todos os avanços e enganos demoníacos. Mas em parte alguma da Bíblia há um único verso que nos assegure que nossa sinceridade apenas nos protege e garante uma imunidade automática da enganação demoníaca. Nem um único verso."

"Muito pelo contrário. As páginas do Novo Testamento estão repletas de advertências para sermos sóbrios e vigilantes, para estarmos de guarda." [1 Pedro 5:8 e Efésios 6:18].

"Se eu não posso ser enganada, então por que somos instruídos a não acreditarmos em todo espírito, mas a testar os espíritos para ver se eles são de Deus? (1 João 4:1) O próprio Jesus advertiu que falsos Cristos e falsos profetas se levantarão e mostrarão grandes sinais e maravilhas, de modo a enganar, se possível fora, até os eleitos. (Mateus 24:24)" [27] [tradução nossa].

Em seu livro revelador, Deceived by the New Age (Enganado Pela Nova Era), Will Baron escreve que ele também foi enganado por um espírito falsificado que se apresentava como "Jesus Cristo". Ele descreve como esse aparentemente bíblico Jesus Cristo tomou o controle da organização de Nova Era em que ele estava envolvido. Ele escreve como veio a aceitar esse "Jesus Cristo" como seu mestre e salvador. Ele descreve que em suas meditações, esse "Jesus Cristo" o orientou a começar a freqüentar igrejas cristãs e a introduzir a meditação nessas igrejas:".

"Gradualmente, comecei a reconhecer o fato que Jesus tinha tomado o controle do nosso centro e que eu precisava aceitá-lo como meu mestre. Comprei uma Bíblia e comecei a freqüentar classes de estudo bíblico e grupos de oração que estavam sendo oferecidos em lugar de aulas de metafísica."

"Os ensinos expostos em The Lighted Way envolviam uma curiosa mistura de misticismo de Nova Era e cristianismo bíblico. Nós nos considerávamos cristãos de Nova Era. Comecei até a dizer às pessoas que eu era um cristão nascido de novo. Afinal, eu tinha deixado meu guru indiano e aceitado a Jesus Cristo como meu mestre e salvador."

"Durante meus períodos de meditação, eu podia sentir que 'Jesus Cristo' e o 'Espírito Santo' estavam me inspirando por meio da voz da minha consciência, exatamente do modo como Djwahl Khul parecia ter feito anteriormente. Após certo tempo, tornei-me devotado a esse Jesus. Ele tomou o controle da minha vida."

"Eu também fui orientado a freqüentar congregações cristãs de igrejas normais para que pudesse fazer novos amigos e torná-los interessados em meditação e outras idéias de Nova Era menos ofensivas, disfarçadas de termos que soassem como bíblicos."

"Evitando qualquer assunto controverso, eu apresentava sugestões sutis aqui e ali. Encontrei algumas pessoas que estavam dispostas a ouvir minhas interessantes propostas. Por exemplo, um pastor de uma congregação evangélica me disse que seria uma boa idéia iniciar um grupo de meditação em sua igreja se eu conseguisse juntar um grupo de pessoas interessadas." [28].

Com tantas igrejas sem discernimento surgindo e que estão agora praticando meditação, oração contemplativa e misticismo, podemos imaginar quantos outros "Will Barons" não foram enviados para as igrejas cristãs por espíritos de mentira para introduzirem a meditação e infectarem as igrejas com seu "cristianismo" de Nova Era. Por incrível que pareça, a maioria dos líderes cristãos que introduz a meditação e a oração contemplativa na igreja, não faz praticamente nenhuma advertência sobre como o mundo espiritual pode usar essas práticas para atingir seus propósitos de Nova Era/Nova Espiritualidade. Como resultado, muitas pessoas na igreja hoje estão sendo enganadas por experiências e direções espirituais que não são da parte de Deus.

Experiências Místicas Paralelas

Em 1979, uma experiência sobrenatural diante do Oceano Pacífico, na costa da Califórnia, levou-me a um guru indiano, à prática da meditação e a um sistema de crenças místico e oriental. [29] Além disso, em 1979, uma experiência sobrenatural diante do Oceano Pacífico na costa da Califórnia levou o empresário/autor Jim Ballard a um guru indiano, à prática da meditação, e a um sistema de crenças místico e oriental. [30] Hoje, a diferença significativa entre nós é que eu renunciei ao meu guru indiano, às meditações e o envolvimento com o sistema místico oriental de Nova Era mais de vinte anos atrás, enquanto que Ballard continua sendo um devoto de seu guru indiano, de suas meditações e de suas crenças místicas e orientais da Nova Era. [31].

Os paralelos entre a experiência de Ballard de 1979 e a minha são impressionantes. Por meio de eventos espirituais engenhosamente orquestrados por um mundo espiritual enganoso, fomos ambos levados a acreditar que aquilo que aconteceu conosco foi divina e benevolentemente ordenado. O reino espiritual que fez contato conosco nos fez sentir tão bem com aquilo que estava acontecendo que nenhum de nós parou para questionar a fonte daquilo que estávamos experimentando. Olhando para trás e relembrando o que aconteceu a nós dois, compreendo que aquilo que considerávamos ser experiências espiritualmente inspiradas vindas da parte de Deus eram na realidade tentações criadas por espíritos enganadores. Mas naquele tempo eu não estava ciente das muitas advertências da Bíblia sobre o mundo espiritual. Eu não sabia nada acerca da enganação espiritual. Suspeito também que esse era o caso com Ballard. Como resultado, nossas experiências serviram para catalisar nosso interesse pelo misticismo oriental da Nova Era.

Se tivéssemos nos conhecido naquele período de tempo de nossas vidas, poderíamos ter tido muita coisa em comum. Mas hoje vemos as coisas de forma muito diferente. Enquanto eu escrevo livros para advertir sobre os perigos da Nova Era/Nova Espiritualidade, Jim Ballard escreve para promovê-las.

A Mente como Água

Em seu livro de 2002, Mind Like Water: Keeping Your Balance in a Chaotic World (A Mente Como Água: Mantendo o Equilíbrio em um Mundo Caótico), Jim Ballard descreve como sua experiência sobrenatural em 1979 eventualmente o levou a seu guru indiano Paramahansa Yogananda e à prática da meditação oriental mística. Em um capítulo intitulado "Confie em Sua Intuição", ele escreveu:

"Uma manhã, logo após eu ter me mudado para a Costa Oeste, em 1979, fui praticar corrida em uma trilha no topo de uma falésia diante do Oceano Pacífico, em Encinitas, na Califórnia... Sentindo a brisa do mar em meu rosto e nas pernas nuas, ouvindo o choque das ondas contra as pedras abaixo, eu exultava com o frescor e com a beleza ao meu redor..."

"Então, parece que ouvi um sussurro vindo de dentro de meu corpo. Ele se transformou em algumas sílabas incompreensíveis, mas de som melífluo em minha mente, que gradualmente cresceram e se transformaram em um cantochão. Para a cadência de meus passos na corrida, dei voz a ela, sentindo uma alegria irromper: Ka-li... Ka-li! De alguma forma, eu sabia que aquilo era bom e correto para mim fazer. Vários meses mais tarde, um amigo me deu uma cópia do livro Autobiography of a Yogi (Autobiografia de um Iogue), de Paramahansa Yogananda. Após algumas páginas no texto, lendo o relato do autor da sua vida pregressa na Índia, encontrei estas palavras: 'Nossa família se mudou para Lahore, no Punjab. Ali, comprei um quadro de Mãe Divina na forma da deusa Kali.'"

"Fiquei admirado. Não é maravilha que na corrida daquela manhã eu tenha experimentado uma felicidade tão abundante ao praticar corrida na trilha sobre a falésia — eu tinha recitado o nome de uma divindade da natureza! Mais tarde, fiquei sabendo que naquela manhã eu estivera a apenas algumas centenas de metros do ashram à beira mar que Yogananda tinha ocupado por muitos anos. Muitas experiências misteriosas me levaram finalmente aos pés desse mestre, que tinha deixado seu corpo em 1952." [32] [tradução nossa].

Da mesma forma como eu não tinha questionado as circunstâncias sobrenaturais que me levaram ao guru indiano Bhagwan Shree Rajneesh, Ballard não questionou as circunstâncias sobrenaturais que o levaram ao guru Paramanhansa Yogananda. Todavia, se qualquer um de nós estivesse lendo seriamente a Bíblia naquele tempo, então poderíamos ter olhado para nossas experiências de forma muito diferente. Eu não teria me aberto para as sedutoras sensações místicas que experimentei com Rajneesh, e Ballard teria questionado as sensações de felicidade que atribuiu à deusa Kali. Em vez de confiar na descrição de Yogananda de Kali, Ballard poderia ter se surpreendido se tivesse consultado uma enciclopédia:

"Um deusa-mãe destrutiva, Kali é freqüentemente representada como uma megera negra sorrindo, com os dentes manchados de sangue, a língua para fora, usando uma girlanda formada por crânios humanos. Normalmente ela tem quatro braços. Uma mão segura uma espada, a segunda segura uma cabeça humana ferida, os devotos acreditam que terceira mão remove o medo, e a quarta é interpretada como doadora de felicidade." [33] [tradução nossa].

Abastecido por sua experiência sobrenatural com "Kali" e por várias outras "experiências misteriosas", Ballard foi eventualmente levado aos pés de Yogananda, da mesma forma como eu fui levado por minhas experiências misteriosas para os pés de Rajneesh. Ballard eventualmente fez um curso avançado em meditação esotérica na Comunidade de Auto-Realização de Yogananda. Mais tarde ele escreveu: "Continuo a considerar a meditação de longe a coisa mais importante que faço." [34] Em seu livro Mind Like Water, Ballard cita o Salmo 46:10: "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus" como introdução para o capítulo intitulado "Aprenda a Meditar." [35].

Liderar Como Qual Jesus?

Descrevo a experiência de Jim Ballard porque, como a minha própria experiência, ela é um exemplo claro de como tantos de nós fomos atraídos de forma sobrenatural aos ensinos místicos e orientais da Nova Era/Nova Espiritualidade — e para as práticas da meditação. Mas também descrevo a experiência de Ballard por outra razão. O prefácio de seu livro Mind Like Water (A Mente Como Água), de 2002, foi escrito por Ken Blanchard, que se diz ser um empresário cristão, mas que também é o co-fundador do famoso movimento Lead Like Jesus (Lidere Como Jesus). Blanchard descreve a si mesmo como um amigo de trinta anos e associado nos negócios com Ballard. No prefácio ao livro de Ballard, Blanchard escreveu:

"Já que o ego humano é a causa-raiz dos problemas que enfrentamos no planeta, acho que a maior contribuição individual que cada um de nós pode dar para solucionar os problemas do mundo é trabalhar dentro de nós mesmos para ascender acima da nossa própria pequenez e transformar o modo como vemos as coisas. Essa é a essência do maravilhoso livro de Jim Ballard, Mind Like Water: Keeping Your Balance in a Chaotic World (A Mente como Água: Mantendo seu Equilíbrio em um Mundo Caótico). O livro traz um conjunto de técnicas que nos permitem trabalhar dentro de nós mesmos para limpar nossos próprios atos, para que possamos ser livres para realizar o trabalho que viemos fazer no mundo."

"Desde quando minha amizade com Jim começou, quase trinta anos atrás, nossa preocupação comum em ajudar as pessoas a se relacionarem melhor consigo mesmas e com as outras nos levou a colaborar em diversos projetos autorais..."

"A paixão de Jim Ballard por ajudar as pessoas a manterem a calma e o equilíbrio em sua vida e trabalho, resultou na publicação do livro What's the Rush? Step Out of the Race... Free Your Mind... Change Your Life (Por que a Pressa? Saia da Correria... Liberte sua Mente... Transforme sua Vida). Esse livro, por sua vez, levou-o a publicar um boletim on-line quinzenal, The Balance Beam. Virtualmente toda pessoa nas empresas Ken Blanchard recebe e usa esse recurso; muitos delas dão a Jim retroalimentação sobre como uma ou outra edição do boletim as ajudou a alcançar o equilíbrio e perspectiva em suas tarefas. Foi a partir da experiência de Jim em escrever The Balance Beam, e de seu próprio trabalho interior como um praticante de corrida e de meditação, que este livro atual surgiu. Espero que você e incontáveis outros leitores encontrem em Mind Like Water alguns modos de acalmar sua mente e elevar sua consciência, e a transformar o modo como operam a cada dia neste mundo caótico." [36].

Em abril de 2005, tornou-se conhecido que Ken Blanchard estava endossando e recomendando livros de Nova Era que incluíam o Mind Like Water, de Jim Ballard. [37] Essa notícia foi chocante porque, como co-fundador da organização Lead Like Jesus (Lidere Como Jesus), Blanchard já estava trabalhando junto com o pastor Rick Warren, da Igreja da Comunidade de Saddleback, em implementar aquilo que o pastor chamava de "Plano P.E.A.C.E Global" de Deus. [38] Blanchard iria ajudar Rick Warren a treinar um número incontável de pessoas em todo o mundo a serem "líderes-servos", que iriam "liderar como Jesus". Com as notícias das afeições de Nova Era de Ken Blanchard, existem agora preocupações adicionais com relação a Blanchard, Rick Warren e todo o Plano P.E.A.C.E. A questão óbvia subitamente tornou-se "De qual Jesus estamos falando aqui — é o Jesus da Bíblia ou o Jesus na Nova Era?".

Em seu livro The Servant Leader (O Lider-Servo), Blanchard e seu co-autor, Phil Hodges, colocam grande ênfase em nossa necessidade de reclusão e silêncio de modo a "recebermos caladamente aquilo que Deus revela para nós". Invocando a cruz e Salmos 46:10, eles aconselham seus leitores a "a se aquietarem" e a entrarem no mesmo estado mental meditativo que eu praticava na Nova Era.

"Se você estiver sentado em uma posição confortável, coloque suas mãos nos seus joelhos em uma posição abaixada. Se estiver caminhando, visualize-se nessa posição. Em harmonia com a posição de suas mãos, mentalmente ponha tudo com o que você esteja preocupado, gastando energia, tentando gerenciar ou controlar ao pé da cruz. Seja específico — cite cada carga à medida que você a remover."

"Quando você tiver chegado ao fim da sua lista, inspire profundamente um par de vezes e vire suas mãos, física e mentalmente, em uma posição elevada e aquietadamente receba aquilo que Deus revelar a você."

"Não tenha expectativas ou agenda para esse momento com Deus. Permita que Ele tenha o controle para preencher o momento." [39] [tradução nossa].

No livro do líder de Nova Era Deepak Chopra, As Sete Leis Espirituais do Sucesso: Um Guia Prático Para a Realização dos Seus Sonhos — que também leva o endosso de Blanchard — Chopra declara enfaticamente que para conhecer a Deus, a pessoa precisa meditar. Ele sublinha seu chamado de Nova Era à meditação citando Salmos 46:10 e colocando significado de Nova Era previsível na única palavra: "Seja". Ele escreve:

"Praticar o silêncio significa fazer um compromisso de separar certa porção de tempo para simplesmente Ser." [40] [tradução nossa].

"Na Bíblia existe a expressão: 'Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus.' Isso somente pode ser realizado por meio da meditação." [41].

O livro Lead Like Jesus, de Ken Blanchard, lançado em 2005 — e endossado por diversos líderes cristãos, incluindo Rick Warren — também cita o Salmo 46:10 e incentiva os leitores a enfocarem na palavra "Ser". Como Chopra, Blanchard coloca uma óbvia ênfase de Nova Era nesta palavra "Ser". Blanchard escreve:

"Antes de tirarmos as pessoas de seu período de reclusão, fazemos com que recitem conosco o Salmo 46:10 deste modo:

"Estai quietos e sabei que eu sou Deus."
      "Estai quietos e sabei.
          "Estai quietos.
              "Estai" [42] [tradução nossa].

Essa idéia de simplesmente "ser/estar" estava no centro da minha experiência de Nova Era. Mas cheguei à compreensão que apenas "ser" pode produzir um estado passivo, de claro relaxamento e de falsa confiança da mente em que as pessoas crédulas não pensam em provar os espíritos. Conseqüentemente, muitos de nós aprenderam da forma dolorosa que muito daquilo que pensamos, ouvimos, experimentamos e sentimos não era absolutamente da parte de Deus.

Quando os endossos de Blanchard aos livros de Nova Era foram trazidos à luz em 2005 pelo Lighthouse Trails Research e pelo Christian Research Service, Blanchard rapidamente reconheceu que seus endossos tinham sido "problemáticos". Mas em vez de publicamente renunciar e expor os enganosos livros e práticas de Nova Era que tinha endossado, ele estranhamente permaneceu silencioso a respeito de suas inclinações e envolvimentos com a Nova Era. Ele não disse e não fez praticamente nada para indicar que tem uma compreensão real de que o "Jesus" da Nova Era é um falso Cristo. E ele não disse e não fez quase nada para advertir a igreja a provar os espíritos: que alguns dos autores que ele endossou — como Jim Ballard e Deepak Chopra — também estavam usando reclusão e silêncio e o verso "aquietai-vos" de Salmos 46:10 para incubar uma conversa com o "Deus" da Nova Era/Novo Evangelho/Nova Espiritualidade.

Um Tempo de Apostasia

O excelente e revelador livro A Time of Departing: How Ancient Mystical Practices Are Uniting Christians with the World Religions (Um Tempo de Afastamento: Como as Antigas Práticas Místicas Estão Unindo os Cristãos com as Religiões do Mundo), de Ray Yungen, é uma vigorosa advertência à igreja para estar acautelada dos perigos enganosos que estão se apresentando como "reclusão", "silêncio" e "oração contemplativa". Yungen adverte que líderes cristãos sem discernimento, como Ken Blanchard, estão pavimentando o caminho para uma Nova Era/Nova Espiritualidade ao introduzirem indiscriminadamente as práticas meditativas e contemplativas na igreja:

"A pergunta que pode ser feita é: como podem organizações evangélicas de credibilidade justificar as práticas meditativas que claramente se assemelham às da meditação oriental? Como indicado anteriormente neste livro, uma terminologia cristã envolve essas práticas. Basta que alguns líderes cristãos de credibilidade e com projeção nacional adotem um ensino que se pareça cristão para afetar um grande número de pessoas na igreja..."

"No clima espiritual atual, uma prática mística unificadora encaixa-se no paradigma necessário para unir as várias fés do mundo. Na civilização ocidental, esse modelo é o movimento da oração contemplativa. Acredito que esse movimento está na ladeira escorregadia que levará a uma grande apostasia. Para que isso aconteça, como diz a Bíblia, "espíritos enganadores" criarão uma espiritualidade que estará muito relacionada com a verdade. Portanto, todo cristão precisa discernir se o movimento da oração contemplativa é ou não um modo mais profundo de caminhar com Deus, ou uma enganação que está tentando solapar o próprio evangelho." [43].



Comentário de um leitor:

De George: [RE: Reinventando Jesus Cristo: O Novo Evangelho] Vou dizer uma coisa que pode parecer um exagero, mas que talvez não seja o exagero que você possa inicialmente pensar. Toda a experiência destas pessoas que estão tendo algumas dessas visões na meditação e ouvindo vozes que pensam que são de Deus ou de Jesus, parece para mim como o mesmo tipo de alucinações que eu tinha anos atrás quando usei LSD. O que me faz pensar assim é o fato que eu ainda conheço alguns jovens que usam LSD e afirmam que ele está prontamente disponível hoje. Outra coisa é o fato que no lançamento do Plano P.E.A.C.E. de Rick Warren, a banda de louvor tocou a canção "Purple Haze", de Jimmy Hendrix, e Rick Warren cantou vários versos da canção. Nessa canção, a "névoa roxa" refere-se ao LSD (pelo menos isso era de conhecimento geral naquela época). O LSD é virtualmente indetectável por qualquer meio conhecido de teste físico para as drogas (seja exame de sangue, urina, ou folículo capilar).

Nos primeiros dias do Fillmore West, em San Francisco, o LSD era freqüentemente colocado em grandes poncheiras com refresco e os freqüentadores dos concertos podiam se servir à vontade e "se ligar" na música. O LSD tem um efeito muito intenso na mente. A droga LSD provavelmente é mais responsável do que qualquer outro fator para trazer a onda de paz e amor do fim dos anos 60 e início dos anos 70. Conhecemos a confusão que resultou daquele tempo. O que a maioria das pessoas não sabe é que o LSD foi desenvolvido em laboratórios do governo dos EUA como parte do programa MK-Ultra. Existem algumas evidências de que a droga LSD foi distribuída inicialmente por agentes federais para um grupo de hippies chamado Merry Pranksters (Os Traquinas Felizes"), que seguia a banda The Grateful Dead por todo o país em seus concertos. Posso testificar pessoalmente que o LSD era distribuído nesses concertos.

Se você quiser, posso pintar um quadro com maiores detalhes. É suficiente dizer que o LSD é uma droga que produz alteração na mente, e pode ter alguma correlação com formas alteradas da adoração bíblica.

Resposta: George: gostaria que você pintasse um quadro mais detalhado e fornecesse documentação. Obrigado.



Leia também o artigo relacionado: "A Oração Contemplativa: Espíritos Enganadores e Doutrinas de Demônios"

Notas Finais

1. Neale Donald Walsch, Friendship with God: An Uncommon Dialogue, pág. 291.

2. Bob DeWaay, Redefining Christianity: Understanding the Purpose Driven Movement (Springfield, Missouri: 21st Century Press, 2006).

3. Warren Smith, The Light That Was Dark: From the New Age to Amazing Grace, pág. 36.

4. A Course in Miracles: Combined Volume (Workbook), pág. 222.

5. Rabindranath R. Maharaj with Dave Hunt, Death of a Guru: A Hindu Comes to Christ (New York: A. J. Holman Company, Division of J. B. Lippincott Company, 1977), págs. 219-220. Este livro foi publicado em português com o título A Morte de um Guru, pelas Edições Vida Nova, mas encontra-se esgotado.

6. Barbara Marx Hubbard, The Revelation: A Message of Hope for the New Millennium, pp. 40-41.

7. Ibidem, pág. 55.

8. Ibidem, pág. 64.

9. Ibidem, pág. 63.

10. Ibidem, pág. 64.

11. Ibidem

12. Ibidem, págs. 288-291.

13. A Course in Miracles: Combined Volume (Text), pág. 52.

14. Ibidem, (Workbook), pág. 119.

15. The Findhorn Community, The Findhorn Garden: Pioneering a New Vision of Man and Nature in Cooperation (New York: Harper & Row Publishers, 1975), pág. 36.

16. Ibidem.

17. Ibidem, págs. 36-37.

18. Matthew Henry, Matthew Henry’s Commentary On The Whole Bible (Peabody, Massachusetts: Hendrickson Publishers, 1991), pág. 810; Pastor Larry DeBruyn, “Be Still: Some thoughts on Psalm 46:10 as it relates to contemplative prayer,” http://www.frbaptist.org/bin/view/Ptp/PtpTopic20060404145458.

19. Neale Donald Walsch, Friendship with God: An Uncommon Dialogue, pág. 291.

20. Neale Donald Walsch, Conversations with God: Book 1, pág. 5.

21. Ibidem, pág. 4.

22. Smith, The Light That Was Dark, pág. 147.

23. Neale Donald Walsch, What God Wants: A Compelling Answer to Humanity’s Biggest Question (New York: Atria Books, Simon & Schuster, 2005), pág. 184.

24. Johanna Michaelsen, A Face Atraente do Mal; Will Baron, Deceived by the New Age: The Story of a New Age Priest (Nampa, Idaho: Pacific Press Publishing Association, 1990); Randall N. Baer, O Terror da Nova Era.

25. Michaelsen, A Face Atraente do Mal, págs. 138-139.

26. Ibidem, pág. 154.

27. Ibidem, pág. 182.

28. Baron, Deceived by the New Age, pág. 11.

29. Smith, The Light That Was Dark, Cap. 2: Enter Rajneesh, págs. 23-29.

30. Jim Ballard, Mind Like Water: Keeping Your Balance in a Chaotic World (Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, Inc., 2002), págs. 13-14.

31. “SRF Devotee: Connecting SRF Devotees Worldwide, Our featured devotee artist: Jim Ballard.” A webpage for Self-Realization Fellowship founded by Paramahansa Yogananda, http://www.srfdevotee.com/featured/spotlite.html.

32. Ballard, Mind Like Water, págs. 13-14.

33. Microsoft Encarta Encyclopedia, Standard 2004.

34. Ballard, Mind Like Water, pág. 78.

35. Ibidem, pág. 76.

36. Ibidem, págs. vii-viii.

37. http://www.lighthousetrailsresearch.com, 20 de abril de 2005.

38. Rick Warren disse a Blanchard: "Então, criamos este pequeno plano chamadao Plano PEACE. Você e eu estamos trabalhando nisto." Celebração Lead Like Jesus, 20 de novembro de 2003, Igreja em Brook Hills, em Birmingham, Alabama. Transcrição on-line em http://www.gprxnow.com/bonuses/BlanchardLeadLikeJesus.pdf. DVD disponível nas lojas on-line de Lead Like Jesus.

39. Ken Blanchard and Phil Hodges, The Servant Leader: Transforming Your Heart, Head and Habits, pág. 89.

40. Deepak Chopra, As Sete Leis Espirituais do Sucesso: Um Guia Prático para a Realização de Seus Sonhos, pág. 14 no original.

41. Ibidem, págs. 16-17 no original.

42. Ken Blanchard, Lead Like Jesus: Lessons from the Greatest Role Model of All Time, pág. 160-161.

43. Ray Yungen, A Time of Departing: How Ancient Mystical Practices are Uniting Christians with the World's Religions (Silverton, Oregon: Lighthouse Trails Publishing Co., 2002, 2006), pág. 183.



Autor: Warren Smith; artigo extraído de Kjos Ministries, em http://www.crossroad.to.
Data da publicação: 15/9/2006
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/reinventando-5.asp