Evitando os Perigos do Yôga (Ioga), do Misticismo, da Nova Era e do Ocultismo — Parte 1

Spiritual Research Network

Introdução

A espiritualidade mística, ocultista e metafísica continua a ganhar força e permear a cultura ocidental e o Cristianismo. As igrejas estão sendo destruídas a partir de dentro por causa da infiltração ocultista. Os líderes cristãos que adotam ensinos sobre saúde e prosperidade, práticas místicas e filosofias ocultistas, estão sendo enganados por ensinos pagãos camuflados com roupagem cristã. Muitas igrejas que no passado mantinham profundas convicções baseadas na Palavra de Deus sucumbiram totalmente. A negligência em exercer o discernimento bíblico e a separação das falsas doutrinas e dos falsos mestres fez surgir uma nova safra de líderes que contemporizam terrivelmente as doutrinas cristãs.

A Bíblia ensina de forma bem clara os princípios do discernimento e da separação dos falsos mestres, das doutrinas perigosas e das práticas idólatras. Mateus 23, 1 e 2 Timóteo, Tito, 2 Pedro, 1 João, Judas, Apocalipse e muitos outros textos delineiam o que Deus pensa sobre este assunto. Incrivelmente, 26 dos 27 livros do Novo Testamento advertem sobre o engodo espiritual, os enganadores e os falsos Cristos, porém muitos cristãos da nossa época deixam de dar ouvidos às advertências. A falta de conhecimento bíblico é a causa fundamental de toda a enganação que está entrando nas igrejas, e é a razão por que os cristãos estão sucumbindo à apostasia crescente que vemos por toda parte.

O cristão fiel precisa se lembrar que é bíblico e recomendável para os líderes exercerem discernimento e implementarem a separação da contemporização espiritual (Romanos 16:17-18). Deus honrará aqueles que obedecerem à Sua Palavra e que advertirem a igreja sobre os ensinos perigosos, refutando publicamente e citando os nomes dos falsos mestres, e equiparem o povo cristão com a sã doutrina. Alimentar o rebanho de Deus com doutrinas e ensinos sadios é o que significa discernir entre o bem e o mal e é o que precisamos nos dias atuais.

Também precisamos nos lembrar que aquilo que era conhecido como Evangelicalismo se transformou quase que totalmente em um monstro ecumênico insidioso conhecido como Neo-evangelicalismo. O Neo-evangelicalismo é "maleável" na separação, busca a todo custo evitar controvérsias e faz virtualmente qualquer coisa para permanecer "religiosamente correto". Os líderes dessa vasta inundação ecumênica permitem coisas como Yôga Cristã, oração centrante contemplativa, mantras cristãos, a visualização de Jesus, olhar profundamente dentro de si mesmo para se conectar com Deus (panenteísmo) e muito mais. Encontros e experiências grupais, mais do que o ensino claro das Escrituras, caracterizam muitos desses ministérios neo-evangélicos. A metodologia da espiritualidade contemplativa (Nova Espiritualidade, Novo Evangelho) é saudada como o caminho para misticamente se conectar com Deus. Práticas que espelham o misticismo oriental em um "contexto cristão", são comuns. Muitas igrejas neo-evangélicas simplesmente se transformaram em centros de Nova Era semicristãos, repletos com inúmeras variedades de misticismo antigo e moderno do Catolicismo Romano, tipos de práticas encontradas em sistemas de crenças ocultistas, evolucionários e panteístas (por exemplo, do Hinduísmo, do Budismo, etc.).

O apóstolo Paulo instruiu o jovem Timóteo a permanecer fiel a Deus e à Sua igreja. Ele escreveu: "Como te roguei, quando parti para a Macedônia, que ficasses em Éfeso, para advertires a alguns, que não ensinem outra doutrina." [1 Timóteo 1:3].

Que, pela graça de Deus, possamos dar ouvidos a esta instrução das Escrituras.

Nota ao Leitor: A Parte 1 desta série discute os termos "Misticismo" e "Yôga". A Parte 2 abordará os itens "Nova Era" (Nova Espiritualidade, Novo Evangelho e Espiritualidade Contemplativa) e o termo "Ocultismo". As advertências bíblicas sobre essas filosofias e as práticas espirituais envolvidas são apresentadas em ambos os artigos.

A Mão do Misticismo Consulta o Tarô, Joga os Ossos e Adivinha pelas Tripas de um Bode

"A Mão do Misticismo está estendida sobre o plano rachado, tentando inutilmente compreender o significado da existência... A Mão do Misticismo, animada pela necessidade do homem de conhecer, gesticula desejando ambiciosamente a iluminação espiritual. A Mão procura aquilo que nunca poderá possuir, uma compreensão perfeita de calendário de Deus. Contemple as marcas na palma da Mão, pois elas retratam a ignorância do homem... Somente os magos do misticismo universal podem ver o amanhã desconhecido. O Olho Que Tudo Vê, um Lindo Cronômetro e o Pai Sol formam um triunvirato poderoso o suficiente para expor os segredos do passado, do presente e do futuro. Esta palma da humanidade nunca participará do círculo interno do verdadeiro conhecimento, mas, ao contrário, será deixada para fazer tudo aquilo que quiser. Barrada da fonte da verdade universal, ela precisará consultar outras fontes... talvez a Mão consulte o Tarô, ou jogue os ossos, ou adivinhe pelas tripas de um bode. A Mão do Misticismo fará aquilo que precisar ser feito para aliviar a dor ardente da ignorância." (The Hand of Mysticism. Itálico no original; negrito adicionado).

A Palavra de Deus diz:

"Quando entrares na terra que o SENHOR teu Deus te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daquelas nações. Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR teu Deus os lança fora de diante de ti. Perfeito serás, como o SENHOR teu Deus. Porque estas nações, que hás de possuir, ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR teu Deus não permitiu tal coisa." [Deuteronômio 18:9-14].

Muitos cristãos pensam que sabem o que o Yôga (ou Ioga), misticismo, Nova Era e o termo "ocultismo" significam, e que não estão sendo afetados por eles. Infelizmente, muitos líderes cristãos estão levando seus seguidores para essas coisas sem sequer perceber o quão perigosas elas são. Portanto, é imperativo que os cristãos compreendam exatamente o que esses termos significam.

Para começar, a palavra "imperativo" é definida com um "uma mandado, uma ordem, uma obrigação, um dever". Aplicada ào mundo da espiritualidade e terminologia, diríamos que é "imperativo" que definamos nossos termos. Sendo cristãos com discernimento, é parte do nosso dever saber o que os termos espirituais significam e ficar longe de tudo aquilo que possa nos prejudicar espiritualmente. Deixar de fazer isto pode ser desastroso.

Os membros de seitas, abusadores espirituais e falsos líderes cristãos são especialistas em redefinir a terminologia bíblica. Basicamente, eles carregam a terminologia bíblica com significados que não são corretos. Eles pegam diferentes formas de espiritualidade pagã, espiritualidade contemplativa, misticismo e até o puro ocultismo e levianamente propagam essas formas de espiritualidade, após misturá-las com terminologia cristã, assim enganando os descrentes e também os cristãos sem discernimento. Consequentemente, as pessoas são levadas ao grave erro de tentar adorar ao Deus verdadeiro da Bíblia de formas que não são cristãs.

Como qualquer educador, professor ou gramático sabe, é prudente e necessário definir a terminologia. Definir os termos nos ajuda a ter conhecimento do que é mau e do que precisamos evitar. Seguir uma seita, ou um falso líder cristão, que abusa da terminologia bíblica, não é sensato e pode ser muito perigoso. Entrar na eternidade sem Cristo é frequentemente o resultado final do que acontece com aqueles que se recusam a definir os termos bíblicos corretamente A exortação aqui é a seguinte: antes de mergulhar na próxima onda espiritual que aparecer, faça uma pesquisa e descubra exatamente o que está envolvido. Defina seus termos e aprenda como os outros estão definindo os termos que usam! Deixar de fazer isto é perigoso! Você foi avisado!

Para ilustrar este ponto, algumas perguntas simples podem ser feitas. Em que "Jesus" você crê, qual "espírito" influencia sua mente e ações e qual "evangelho" você aceitou quando ouviu pela primeira vez a respeito de Jesus Cristo? Você aceitou o Jesus bíblico, o Evangelho bíblico e o Espírito Santo bíblico; ou recebeu o Jesus das seitas, o espírito do Anticristo e um evangelho que é qualitativamente diferente do "Evangelho de Deus", conforme encontrado nas Escrituras (Romanos 1:1-5, 1 Coríntios 15:1-4)? O apóstolo Paulo estava preocupado exatamente com isto, cerca de 2.000 anos atrás, quando escreveu:

"Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo. Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis." [2 Coríntios 11:3-4].

"E, estando assentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos." [Mateus 24:3-5].

"E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele." [Apocalipse 12:9].

Algo que é importante lembrar é que deixar de lado o padrão bíblico da divina revelação, de modo a ter uma "experiência com Deus", sempre termina em desastre espiritual. O mundo do misticismo pagão (e cristão) e o reino do ocultismo fazem exatamente isto — eles fornecem uma "experiência" fora dos parâmetros daquilo que Deus considera ser a verdadeira adoração. As práticas místicas e ocultistas rejeitam logo de início a verdade bíblica, ou espertamente a redefinem, de modo a levar as pessoas às alegadas "experiências diretas" com o divino. Isto é feito em nome da "espiritualidade" e de acordo com a sabedoria dos homens, não a sabedoria de Deus.

"Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus. As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido." [1 Coríntios 2:12-15].

É necessário observar que o mundo do engodo satânico está baseado em dois aspectos principais — falsos ensinos e experiências enganosas! De algum modo, as pessoas pensam que, se têm uma experiência espiritual, essa experiência precisa necessariamente ser da parte de Deus. Todavia, é necessário considerar cuidadosamente de qual "Deus" a experiência deles se origina — de Iavé (ou Jeová), a quem a Bíblia declara ser "o Deus da verdade", ou de Satanás, o "deus deste mundo".

"E trá-los-ei, e habitarão no meio de Jerusalém; e eles serão o meu povo, e eu lhes serei o seu Deus em verdade e em justiça." [Zacarias 8:8].

"Assim que aquele que se bendisser na terra, se bendirá no Deus da verdade; e aquele que jurar na terra, jurará pelo Deus da verdade; porque já estão esquecidas as angústias passadas, e estão escondidas dos meus olhos." [Isaías 65:16].

"Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus." [2 Coríntios 4:3-4].

Quando a verdade bíblica é colocada de lado, ou é distorcida, de modo a se adequar à forma de espiritualidade criada por alguém, pode-se ter certeza que o engodo virá em seguida. Os falsos ensinos são dados via "experiências" enganosas; é assim que Satanás trabalha!

"Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho; o qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema." [Gálatas 1:6-9].

De forma a evitar o desastre espiritual, sempre tenha a divina revelação das Escrituras como o padrão e medida de tudo. Nada menos do que isto é suficiente. Deixar de lado a Palavra de Deus e não testar tudo... as pessoas, os líderes, profetas, doutrinas, experiências, etc., não é apenas imprudência, é tolice.

"Quando profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti, e te der um sinal ou prodígio, e suceder o tal sinal ou prodígio, de que te houver falado, dizendo: Vamos após outros deuses, que não conheceste, e sirvamo-los; não ouvirás as palavras daquele profeta ou sonhador de sonhos; porquanto o SENHOR vosso Deus vos prova, para saber se amais o SENHOR vosso Deus com todo o vosso coração, e com toda a vossa alma. Após o SENHOR vosso Deus andareis, e a ele temereis, e os seus mandamentos guardareis, e a sua voz ouvireis, e a ele servireis, e a ele vos achegareis. E aquele profeta ou sonhador de sonhos morrerá, pois falou rebeldia contra o SENHOR vosso Deus, que vos tirou da terra do Egito, e vos resgatou da casa da servidão, para te apartar do caminho que te ordenou o SENHOR teu Deus, para andares nele: assim tirarás o mal do meio de ti." [Deuteronômio 13:1-5].

Quando a Palavra de Deus não é mais o padrão e medida para a adoração e vida cristãs, então as opiniões e experiências dos homens (e mulheres) serão. O que é mais prudente e seguro, obedecer as Escrituras e testar todas as coisas pelo padrão da Palavra de Deus, ou seguir nossa própria (ou de outra pessoa qualquer) imaginação criativa e experiências subjetivas? Deus nos deu Sua Palavra, a Bíblia, e espera que a obedeçamos, sem torcê-la ou fazê-la se encaixar em uma ideia pré-concebida daquilo que achamos que a "espiritualidade" deve parecer. Deus espera que cumpramos aquilo que o apóstolo Paulo exortou os tessalonicenses:

"Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem. Abstende-vos de toda a aparência do mal." [1 Tessalonicenses 5:19-22].

Integração Via "Cristianização"

Com isto tudo em mente, precisamos nos lembrar que integrar qualquer forma de espiritualidade pagã no estilo de vida cristã é uma forma de mal e é considerado uma abominação por Deus. Simplesmente rotular ou redefinir a espiritualidade e práticas pagãs para o público cristão não as torna cristãs, ou bíblicas. Chame de oração centrante, Yôga Cristã, mantras cristãos, visualização de Jesus, adoração eucarística, etc. — é simplesmente espiritualidade pagã sendo disseminada com terminologia cristã. As pessoas se esquecem que um dos objetivos de Satanás é trazer o misticismo e o ocultismo para dentro da igreja, de modo a enganar as pessoas e levá-las a pensar que estão "tendo comunhão com o divino", com "anjos", com "Mestres Ascencionados", com supostos "familiares queridos que já partiram" (na verdade, demônios em disfarce), etc. (Veja Gálatas 1:6-9; 2 Coríntios 11:13-15 e 1 Samuel 15:23-24).

Deve ser lembrado que o objetivo final das práticas ocultistas e místicas é o envolvimento em uma experiência espiritual direta com qualquer coisa que o praticante considere ser "Deus", ou se envolver em comunicação direta com o mundo espiritual invisível. Se um cristão se envolver nessas práticas, seja de forma intencional ou não-intencional, a adoração a Deus "em espírito e em verdade" (João 4:24) é substituída por experiências espirituais que causam contaminação e que não são da parte de Deus, mas do Príncipe das Trevas.

"Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras." [2 Coríntios 11:13-15].

Quando os pagãos apresentam ofertas e sacrificios para falsos deuses, estão simplesmente buscando aquilo que terminará em total desilusão e na condenação eterna.

"Vede a Israel segundo a carne; os que comem os sacrifícios não são porventura participantes do altar? Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou irritaremos o Senhor? Somos nós mais fortes do que ele?" [1 Coríntios 10:18-22].

"Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicários, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte." [Apocalipse 21:8].

Não Se Deixe Enganar Por Palavras Vãs

De modo a poupar os leitores do envolvimento em práticas que levam à ruína espiritual, vários termos foram definidos neste artigo. O objetivo de definir esses termos é ajudar os leitores a terem um maior discernimento, para não ingressarem em movimentos que buscam "coisas espirituais novas e emocionantes", que parecem boas e agradáveis à primeira vista, mas que podem ser extremamente perigosas.

Ao ler as definições seguintes, é adequado ter em mente que o povo de Israel provocou a ira do Senhor quando serviu aos ídolos e integrou o paganismo das nações vizinhas na adoração ao único Deus verdadeiro. Deus tinha declarado muito claramente para eles: "Não fareis estas coisas."

"E os filhos de Israel fizeram secretamente coisas que não eram retas, contra o SENHOR seu Deus; e edificaram altos em todas as suas cidades, desde a torre dos atalaias até à cidade fortificada. E levantaram, para si, estátuas e imagens do bosque, em todos os altos outeiros, e debaixo de todas as árvores verdes. E queimaram ali incenso em todos os altos, como as nações, que o SENHOR expulsara de diante deles; e fizeram coisas ruins, para provocarem à ira o SENHOR. E serviram os ídolos, dos quais o SENHOR lhes dissera: Não fareis estas coisas. E o SENHOR advertiu a Israel e a Judá, pelo ministério de todos os profetas e de todos os videntes, dizendo: Convertei-vos de vossos maus caminhos, e guardai os meus mandamentos e os meus estatutos, conforme toda a lei que ordenei a vossos pais e que eu vos enviei pelo ministério de meus servos, os profetas. Porém não deram ouvidos; antes endureceram a sua cerviz, como a cerviz de seus pais, que não creram no SENHOR seu Deus." [2 Reis 17:9-14].

O Senhor também advertiu, por meio do apóstolo Paulo, que os cristãos deveriam estar atentos para não serem enganados por aqueles que falam "palavras vãs":

"Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. Portanto, não sejais seus companheiros. Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz. (Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade, e justiça e verdade); aprovando o que é agradável ao Senhor. E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as." [Efésios 5:6-11].

O Que É o Yôga (ou Ioga)?

O Concise Dictionary of the Occult and New Age (Dicionário Conciso do Ocultismo e da Nova Era), de Debra Lardie, descreve o Yôga da seguinte forma:

"Uma disciplina física e mental hindu. O Hinduísmo ensina que o eu é divino e distinto da atividade associada com o corpo, mente e vontade. Por meio do sistema de exercícios do Yôga, as pessoas podem treinar suas consciências para controlar o corpo e a mente, desse modo obtendo um estado mais elevado de consciência." [2].

"Por meio da prática regular do Yôga, as pessoas podem alcançar perfeita compreensão espiritual, tranquilidade, bem-estar, experimentando libertação da ignorância, do sofrimento e, finalmente, alcançando o renascimento." [3].

Em seguida, o dicionário descreve a etimologia da palavra Yôga:

"O nome Yôga vem de um termo sânscrito que significa "ligar", ou "unir". Essa etimologia encaixa-se com a filosofia subjacente do Yôga. Os hindus afirmam que Deus é uma fonte vital de energia, a partir da qual toda realidade emana. As pessoas estão conectadas a essa força vital universal e são arquétipos dela. De acordo com o ensino hindu, a condição humana é causada por uma falta de conscientização desse vínculo vital entre as pessoas e a consciência cósmica." [4].

Objetivo do Yôga

"O objetivo do Yôga é ajudar os praticantes a reexperimentarem a unidade com o eu universal. À medida que praticam o Yôga, um nível mais elevado de conexão com a Unidade infinita virá como resultado. A visão deles do mundo será radicalmente modificada como uma particularização da Realidade Final."

Existem diversos tipos de Yôga:

"Existem diversos tipos de Yôga. Jnana Yôga refere-se aos caminhos da discriminação e sabedoria, enquanto que Bhakti Yôga refere-se ao caminho do amor e da devoção a um deus pessoal. Karma Yôga refere-se ao caminho da ação altruísta, enquanto que Hatha Yôga, que é bastante praticada no Ocidente, enfatiza as posturas, ou posições físicas. Japa Yôga requer a repetição de mantras, ou sons sagrados, para habilitar a pessoa a se concentrar sem ser interrompida pelas distrações externas. Kriya Yôga habilita os devotos a canalizarem a energia cósmica para dentro de suas almas, de modo a estabelecerem a união harmoniosa da mente, corpo e espírito, liberando poderes milagrosos inatos. Kundalini Yôga enfatiza a abertura dos centros de energia psíquica, chamados chakras, supostamente localizados na coluna vertebral; isto é visto como uma forma de despertar a Kundalini, uma força cósmica que está enrolada na base da coluna.

Os Gurus Ensinam Técnicas Espirituais:

"Os exercícios típicos, como aqueles que são encontrados em Hatha Yôga, são praticados sob a tutela de um guru, ou iogue, um guia religioso pessoal e instrutor espiritual. Os gurus ensinam os alunos a combinarem uma variedade de técnicas de respiração com asanas, ou posturas de relaxamento. Em cada uma das posturas, os alunos precisam primeiro entrar na posição, mantê-la por certo tempo e depois sair da posição." [7].

E agora chegamos ao ponto em que o dicionário referido anteriormente diz como as pessoas no Ocidente erradamente consideram o Yôga como apenas "meros exercícios respiratórios e de ralaxamento", quando na realidade, "a prática do Yôga serve como uma porta para o misticismo oriental e o pensamento ocultista".

A autora Debra Lardie diz:

"Alguns no Ocidente pensam incorretamente em Yôga como meros exercícios respiratórios e de relaxamento para desenvolver, alongar e fortalecer os músculos do corpo, estender a alinhar a coluna e melhorar a circulação cardiovascular. A prática do Yôga serve como uma porta para o misticismo oriental e o pensamento ocultista. Certas posturas, como a posição de lótus, são feitas para ativar os centros de energia psíquica. Além disso, exercícios específicos de respiração são praticados para infundir a alma com a energia cósmica que flutua no ar. Um guru pode fazer seus alunos olharem fixamente para um objeto, como uma vela acesa, como forma de desenvolverem a concentração focada. O guru pode fazer os alunos entoarem um mantra para esvaziarem suas mentes e alcançarem unidade com o objeto que está diante deles. O objetivo é alcançar estados meditativos cada vez mais elevados, até atingir a unidade com a consciência cósmica. Esse estado de ser é caracterizado por um olhar vago e distante, em que o devoto torna-se receptivo à sabedoria esotérica da Mente Universal. Veja também CHACKRA, HINDUÍSMO, KUNDALINI, LÓTUS, MANTRA, YOGANANDA, PARAMAHANSA." [8]

A Bíblia diz que os cristãos devem se separar destas práticas:

"Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei." [2 Coríntios 6:14-17].

O Que É o Misticismo?

O misticismo é um assunto vasto. Muitos místicos e dicionários definem o misticismo de muitas formas diferentes. Aqui está uma definição muito básica do Dicionário Miram-Webster Online:

"(1) A experiência da união mística, ou comunhão direta com a realidade final reportada pelos místicos. (2) A crença que conhecimento direto de Deus, verdade espiritual, ou realidade final, pode ser alcançado por meio de experiência subjetiva (como intuição ou compreensão); (3) Vaga especulação: uma crença sem base sólida; uma teoria que postula a possibilidade de aquisição direta e intuitiva de conhecimento ou poder inefáveis." [9]

"Teoria e prática de extâses religiosos. Tradicionalmente concebido como a busca espiritual da união com o Absoluto, o Infinito, ou Deus e a percepção de sua unidade essencial, o misticismo é compreendido agora como englobar muitas outras variedades de experiências e percepções extáticas, incluindo aquela da anulação, ou do desaparecimento da alma. Formas de misticismo medieval cristão incluem Santo Agostinho, São Bernardo de Claraval, Santa Teresa D'Ávila e Meister Eckhart e seus sucessores no século 14. Enquanto que o Hinduísmo e, no Islão, o Sufismo, geralmente buscam a unidade com divino, ou a absorção pelo divino, o Budismo e o misticismo esotérico judaico, conhecido como Cabala, estão direcionados para o esvaziamento; o Budismo também enfatiza a meditação como um modo de alcançar a iluminação. Outras tradições místicas são encontradas no Taoísmo e no Xamanismo." [10].

Mantendo em mente o fato que as práticas místicas de "Nova Era" são hoje em dia referidas como práticas da "Nova Espiritualidade / Novo Evangelho / Espiritualidade Contemplativa", a seguinte citação do dicionário referido anteriormente é muito esclarecedora (maiúsculas no original).

"A visão que a conscientização da Realidade Final pode ser obtida por meio de um estado elevado de percepção mental e emocional. A experiência mística tem o objetivo de levar os participantes além das fronteiras da realidade, por meio de uma sucessão de sensações físicas, resultando na percepção da comunicação direta com o deus interior. O objetivo é o despertamento para a divindade interior, desse modo unindo-se com a força vital universal. Compartilhando esse objetivo comum estão a Realidade Final da Nova Era, o satori do Zen, o samadhi do Yôga, e o nirvana do Hinduísmo... O misticismo da Nova Era ganhou popularidade inicial durante os anos 1960s. Os místicos orientais prometiam aos seus seguidores liberdade pessoal, plenitude espiritual e um conjunto ilimitado de habilitadades inatas. Até hoje, os proponentes dizem aos iniciados que eles poderão alcançar estados alterados de consciência por meio da autodisciplina, dieta, meditação e o uso de drogas alucinógenas. Eles apresentam aos iniciados os Mestres Ascenscionados, que os guiarão durante suas jornadas até a iluminação. Os místicos de Nova Era reportam sensações de euforia, paz e unicidade universal, bem como uma renovação da energia e uma maior apreciação da beleza natural do planeta. Eles afirmam que as forças vitais universais lhes deram picos intuitivos de entendimento e criatividade. Veja também: ESTADOS ALTERADOS, MOVIMENTO DE NOVA ERA, SATORI, MEDITAÇÃO TRANSCENDENTAL." [11].

Observação Sobre o Misticismo:

Observe atentamente que os cristãos que praticam yôga, oração centrante contemplativa, a visualização de Jesus, entoam cânticos muito repetivivos ou praticam a repetição de mantras, etc. frequentemente experimentam as mesmas sensações que são declaradas nessas definições do ocultismo e da espiritualidade mística; entretanto, a fonte de suas "experiências" não é do Deus da Bíblia.

"O objetivo do Misticismo é despertar a divindade interior, desse modo unindo-se com a força vital universal. Compartilhando desse objetivo comum estão a Realidade Final da Nova Era, o satori do Zen, o samdhi do Yôga, e o Nirvana do Hinduísmo... Os místicos de Nova Era reportam sensações de euforia, paz, e unidade espiritual, bem como uma renovação da energia e uma maiora apreciação pela beleza do planeta. Eles afirmam que as forças vitais universais lhes deram picos intuitivos de entendimento e criatividade." [12].

Deve-se reconhecer que os cristãos sem discernimento que estão adotando conceitos, técnicas e métodos pagãos e compartilhando neste objetivo comum (que não é bíblico) de experimentar a Realidade Final da Nova Era, o satori do Zen, o samadhi do Yôga, e o Nirvana do Hinduísmo... estão simplesmente sendo enganados. Isto deveria alarmar seriamente qualquer um que esteja se envolvendo com isto, seja ensinando, promovendo ou praticando.

Zen, Yôga, Hinduísmo, Budismo, Nova Espiritualidade / Novo Evangelho / Espiritualidade Contemplativa? Por que um cristão desejaria participar em práticas que espelham e podem rapidamente levar alguém para a espiritualidade esotérica, mística e ocultista? Muitas pessoas não sabem, mas existem forças espirituais malignas por trás dessas práticas, que podem escravizar e destruir os indivíduos e suas famílias. Essas forças espirituais hostis fazem isso desde o primeiro ataque contra a humanidade, no Jardim do Éden.

"Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais. Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal." [Gênesis 3:1-5].

Leia também:

"Dissecando o Movimento da Nova Era"

"A Energia da Kundalini (o Poder da Serpente): Fenômeno Ocultista do Yôga e das Religiões Orientais Está Entrando nas Igrejas Cristãs"

"A Oração Contemplativa — Espíritos Enganadores e Doutrinas de Demônios"

"Evitando os Perigos do Yôga (Ioga), do Misticismo, da Nova Era e do Ocultismo — Parte 2"

Notas Finais

1. American Heritage Dictionary: imperative, http://www.answers.com/topic/imperative.

2. Debra Lardie, editores colaboradores Dan Lioy e Paul Ingram, Concise Dictionary of the Occult and New Age (Grand Rapids, MI: Kregel Publications, 2000), págs. 288-289. 3. Idem.

4. Idem.

5. Idem.

6. Idem.

7. Idem.

8. Idem.

9. http://www.merriam-webster.com/dictionary/mysticism; http://www.m-w.com/dictionary/mysticism.

10. Idem.

11. Debra Lardie, editores colaboradores Dan Lioy e Paul Ingram, Concise Dictionary of the Occult and New Age (Grand Rapids, MI: Kregel Publications, 2000), pág. 180.

12. Idem.



Autor: Chris Lawson, Spiritual Research Network
Data da publicação: 7/11/2013
Transferido para a área pública em 6/12/2015
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/srn-4-2013.asp