A Mãe do Movimento de Nova Era e Seus Planos de "Revitalizar" o Cristianismo

Autor: Ray Yungen.

As Escolas de Mistério

Muitas pessoas sentem certo desprezo por aqueles que estão envolvidos com misticismo e, assim, acreditam que o Movimento de Nova Era seja uma brincadeira frívola dentro do absurdo.

Em resposta a isto, gostaria de enfatizar dois pontos. Primeiro, milhões de pessoas estão tendo experiências reais. Segundo, essas experiências são tão antigas quanto as civilizações humanas.

É importante compreender que o fundamento sobre o qual o Movimento de Nova Era está baseado transcende a mera aceitação intelectual das ideias. Ele não pode ser visto como separado da experiência mística a partir da qual ele floresce.

As Escolas de Mistério são as mais facilmente documentadas das antigas escolas aderentes do ocultismo. Foram elas que preservaram os conhecimentos esotéricos (ocultos). Essas escolas formavam o núcleo das práticas religiosas das antigas nações e impérios, como do Egito, China, Caldeia, Pérsia, Grécia e Roma, bem como das civilizações asteca e inca.

As religiões de mistério foram rotuladas assim por que seus ensinos eram mantidos ocultos do povo comum. Na verdade, o termo oculto (com o significado de escondido) originou-se a partir das religiões de mistério por que a maioria das pessoas era ignorante de seus verdadeiros significados. Somente os sacerdotes e adeptos (aqueles que eram iniciados nos vários graus ou níveis) obtinham compreensão dessas "verdades" ocultas do universo.

O que era mantido oculto, ou secreto? Isto pode ser melhor resumido como o conhecimento das leis e forças que formam o fundamento do universo, mas que não são evidentes para os cinco sentidos da percepção humana normal. Basicamente, as Escolas de Mistérios ensinavam uma conscientização dos mundos invisíveis para a sabedoria, direção, o desenvolvimento de capacidades psíquicas e técnicas espirituais de cura.

Os autores de Nova Era frequentemente se referem aos ensinos centrais do ocultismo como a Sabedoria Antiga. Eles também se referem a esses ensinos como Sabedoria Secreta, Sabedoria Atemporal e Sabedoria Perene. Muitos acreditam que essa Sabedoria Antiga pode ser rastreada até a mitológica civilização de Atlântida.

Apesar das enormes distâncias geográficas e diferenças culturais, todas as Escolas de Mistérios ensinavam a mesma mensagem: "Feliz e abençoado, você se tornou divino, em vez de mortal." [1].

A Sociedade Teosófica

Se fôssemos marcar um determinado início do moderno Movimento de Nova Era, esse início teria de ser a fundação da Sociedade Teosófica. Theos é a palavra grega para Deus e sophos é a palavra para sabedoria. A Sociedade Teosófica tornou-se a sociedade para o estudo da sabedoria do Divino.

A Sociedade foi iniciada em 1875, na cidade de Nova York, por Helena Petrovna Blavatsky (uma mulher da nobreza russa) e pelo coronel Henry Olcott, um ocultista americano.

O principal propósito da Teosofia, como ela foi chamada, era abrir a porta para os ensinos ocultistas se propagarem por toda a sociedade ocidental. Ela se concentrou no desenvolvimento dos poderes ocultos dentro do indivíduo, em vez de se preocupar simplesmente em contactar os mortos, como fazia o Movimento Espiritualista. A declaração seguinte pode melhor explicar o núcleo da Teosofia:

"Todos os instrutores teosóficos repetiram a antiga doutrina como o fundamento sobre o qual construir — a doutrina que o ser humano real não é a criatura fraquinha que ele muito frequentemente pensa que é e exibe para os outros, mas um ser espiritual maravilhoso nos recessos mais íntimos de sua natureza, um mistério divino, e que está dentro de seu poder descobrir a si mesmo e, de fato, é seu destino descobrir isto e, eventualmente, tornar-se isto. [2].

Embora a influência da Sociedade Teosófica tenha minguado grandemente, lojas teosóficas ainda podem ser encontradas em todo o mundo. A Sociedade Teosófica teve um papel importante em iniciar aquilo que agora é conhecido como Movimento de Nova Era no mundo ocidental.

Alice Bailey e Aquele Que Virá

No início do século 20, uma figura que teria um grande impacto no movimento esotérico ocidental apareceu na ocultista Sociedade Teosófica. A própria criação do termo Nova Era é atribuída aos seus escritos. O nome dela era Alice Ann Bailey.

Ela nasceu em Manchester, na Inglaterra, em 16 de junho de 1880, e recebeu o nome de Alice LaTrobe-Bateman; ela cresceu como uma menina da sociedade e desfrutou de todos os privilégios da classe alta britânica. Sendo muito religiosa, Alice conheceu e se casou com um homem que mais tarde veio a se tornar um ministro na Igreja Episcopal. Eles se mudaram para os EUA. Quando o marido de Alice tornou-se fisicamente abusivo em relação a ela, ela o deixou e se estabeleceu com seus três filhos em Pacific Grove, na Califórnia.

Alice foi grandemente confortada quando conheceu duas outras mulheres inglesas que viviam em Pacific Grove. Essas mulheres lhe apresentaram a Teosofia, que parecia fornecer respostas para suas questões com relação à razão por que toda aquela infelicidade tinha vindo sobre ela. Alice, então com 35 anos, estava prestes a ter sua vida modificada para sempre. Mais tarde, em sua autobiografia, ela escreveu:

"Descobri, primeiro de tudo, que há um Plano grande e divino... Descobri, em segundo lugar, que existem aqueles que são responsáveis pela operação desse Plano e que, passo a passo, estágio por estágio, ao longo dos séculos, lideram a humanidade na caminhada." [23].

Em 1917, Alice mudou-se para Los Angeles e começou a trabalhar para aquele plano na sede da Sociedade Teosófica, onde conheceu Foster Bailey, um homem que tinha dedicado sua vida ao ocultismo. Ela se divorciou de seu marido, com quem estava brigada, e se casou com Bailey em 1920. Alice teve seu primeiro contato com uma voz que afirmava ser um mestre em novembro de 1919. Chamando a si mesmo de Tibetano, ele queria que Alice anotasse aquilo que ditava para ela. A respeito disto, ela escreveu:

"Ouvi uma voz que dizia: 'Existem alguns livros que são desejáveis que sejam escritos para o público. Você pode escrevê-los. Você faria isto?" [4].

A princípio, Alice se sentiu relutante em assumir essa tarefa incomum, mas a voz continuou incentivando-a a escrever os livros. Neste ponto no tempo, Alice experimentou um breve período de intensa ansiedade, em que temeu por sua saúde e sanidade. Um de seus outros "mestres" espirituais finalmente garantiu que ela não tinha nada a temer e que estaria fazendo um "trabalho realmente valioso" [5]. O "trabalho valioso" que Alice iria fazer terminou durando trinta anos. Entre 1919 e 1949, por meio de comunicação telepática, Alice Bailey escreveu dezenove livros para seu mentor invisível.

Para os ocultistas, os escritos de Alice Bailey são relevantes por que anunciam a expectativa pelo aparecimento de um Restaurador e Salvador Mundial na vindoura Era Aquariana (a era astrológica da iluminação e da paz). Esse salvador unirá toda a humanidade sob sua direção. Bailey o chamou de "Aquele Que Virá". Essa pessoa não será o Senhor Jesus Cristo, cujo retorno os cristãos aguardam, mas um indivíduo totalmente diferente que incorporará todos os grandes princípios do ocultismo, principalmente a divindade e perfectibilidade do homem. Um dos seguidores de Bailey escreveu:

"O reaparecimento do Avatar [o instrutor mundial], seja por qualquer nome que ele possa ser conhecido, foi profetizado em muitas religiões, bem como na tradição esotérica [ocultista]. Uma importante manifestação é esperada em conexão com a Era Aquariana." [6].

A Conexão Profética

É importante observar que o apóstolo Paulo declarou que um indivíduo chamado de "homem do pecado" e "filho da perdição" também iria proclamar a si mesmo como Deus (2 Tessalonicenses 2:3-4). Acredito que esse vindouro messias aquariano será o filho da perdição mencionado por Paulo em sua segunda epístola aos tessalonicenses. Além disso, estou convencido que o Movimento de Nova Era é a plataforma espiritual desse indivíduo. Existem coisas demais que se encaixam para que isto seja apenas mera coincidência. Portanto, precisamos examinar a reestruturação do nosso mundo por aqueles que estão preparando o caminho para a chegada desse indivíduo.

Daniel 8:23 diz que esse homem será entendido em adivinhações. No hebraico, esta expressão pode ser traduzida como alguém que é habilidoso em proferir um discurso sagaz e ambíguo. O mundo o verá como alguém distinto e espiritualmente brilhante. Mantenha isto em mente ao ler a seguinte descrição:

"Aquele que virá não será cristão, um hindu, um budista, não será um americano, judeu, italiano ou russo — o título dele não é importante; ele é para toda a humanidade, para unir todas as religiões, filosofias e nações." [7].

O único que poderia fazer isto é aquele que se encaixa na descrição mencionada por Daniel. Isto explica o esforço total realizado pela Nova Era, que está atualmente saturando nossa sociedade com a meditação. Quando esse homem se apresentar, todos aqueles que estiverem em contato com seu eu superior, aqueles que estão despertados, claramente o reconhecerão como seu unificador e farão votos de fidelidade a ele. Ele terá um contingente preparado (muitos em posições-chave) para ajudá-lo a reconstruir a sociedade. Esta será a culminação final da mudança de paradigmas.

O Componente Espírito-Guia

Um discípulo do guru indiano Rajneesh fez esta arguta observação, ilustrando o poder potencial dessa enganação e a influência hipnótica do "Aquele Que Virá":

"Algo tinha acontecido com Rajneesh que o tornou diferente dos outros homens. Ele tinha passado por alguma transformação — iluminação, a ascensão da kundalini [o poder da serpente] — e seu ser tinha sido alterado de formas palpáveis [observáveis]. A transformação nele, por sua vez, afetou seus sannyasins [discípulos] e criou uma ressonância persistente e catalizadora entre eles." [8].

Qual foi a natureza da ressonância? A Bíblia prediz que o Anticristo e o falso profeta realizarão sinais e maravilhas da mentira (Apocalipse 13:12-15; 2 Tessalonicenses 2:9]. Alice Bailey descreveu a obra de seu "Cristo" da Nova Era de forma muito explícita:

"A obra do Cristo (dois mil anos atrás) foi proclamar certas grandes possibilidades e a existência de grandes poderes. Seu trabalho quando Ele reaparecer será o de provar o fato dessas possibilidades e revelar a verdadeira natureza e potencial do homem." [9].

O seguinte é outro exemplo poderoso do que isto pode significar. Um instrutor espiritual hindu chamado Sri Chinmoy demonstrou uma capacidade de levantar 3.000 kg com um braço. Ele atribuiu sua capacidade impressionante ao poder da meditação e admitiu que sem ela, não conseguiria levantar nem 25 kg. O que muito provavelmente o capacitou a fazer isso foi o poder de espíritos familiares, que lhe deram (a aos que o observavam) a impressão que aquilo foi feito por meio do poder de seu eu interior. Isto é o que a Bíblia quer dizer por "maravilhas da mentira". O homem do pecado ("Aquele Que Virá") fará isto em uma escala muito grande. Ele operará grandes milagres para convencer a humanidade que todos temos esse grande poder, ou, como Bailey o chamou, "potencial" dentro de nós.

A Grande Apostasia

Na luz dos muitos que virão em nome de Cristo, também acredito que as "profecias" de Alice Bailey podem fornecer uma compreensão adicional àquilo que o apóstolo Paulo chamou em 2 Ts. 2:3 de apostasia. Bailey impacientemente predisse aquilo que chamou de "regeneração das igrejas". [11]. A lógica dela para isto era óbvia:

"A igreja cristã, em suas muitas ramificações, pode servir como um São João Batista, como uma voz do que clama no deserto e como um núcleo por meio do qual a iluminação do mundo pode ser realizada." [12].

Em outras palavras, em vez de se opor ao Cristianismo, o ocultismo capturaria e se misturaria com o Cristianismo e depois o usaria como seu veículo principal para propagar e instilar a consciência da Nova Era! As várias igrejas ainda teriam seus adornos exteriores de Cristianismo e ainda usariam grande parte da mesma linguagem. Se certas questões fossem perguntadas sobre a doutrina cristã tradicional, as mesmas respostas seriam fornecidas. Mas, tudo estaria no exterior; no interior, uma espiritualidade contemplativa estaria atraindo aqueles que estivessem abertos para ela.

Em amplos segmentos do Cristianismo, isto de fato já ocorreu. Um sacerdote católico sozinho ensinou a oração mística para 31.000 pessoas em apenas um ano. As pessoas respondem a isto em grandes números por que a aparência externa é de Cristianismo, mas na verdade é exatamente o oposto. Isto tem todas as indicações da apostasia sobre a qual o apóstolo Paulo escreveu.

Observe que esse afastamento está vinculado com o aparecimento do "homem do pecado". Se ele for de fato quem Bailey chamou de "Aquele Que Virá", então tanto a profecia de Paulo quanto a de Bailey se encaixam com perfeição — mas indisputavelmente a partir de campos e perspectivas opostos.

Isto é muito lógico quando vemos, como Paulo proclamou, que eles darão ouvidos ao "mistério da injustiça" (2Ts. 2:7). A palavra mistério em grego, quando usada no contexto do mal (iniquidade), significa secreto, ou oculto!

Essa revitalização do Cristianismo se encaixaria com "a nova e vital religião mundial" [13] de Bailey — uma religião que seria a pedra fundamental da Nova Era. Essa religião seria a plataforma espiritual do "Aquele que Virá". Essa unidade de pensamento espiritual não seria uma única denominação mundial, mas teria uma agenda ecumênica, interfé, multicultural e de unidade na diversidade. Thomas Merton fez uma referência direta a isto em uma conferência de cúpula espiritual em Calcutá, na Índia, quando disse aos budistas e hindus: "Já somos um, mas imaginamos que não somos. O que temos de recuperar é nossa unidade original." [14].

Apelos como esse de Merton podem ser facilmente encontrados nos escritos contemplativos. Examine o seguinte:

"Não é para o cristão se tornar hindu ou budista, nem um hindu ou budista se tornar cristão. Mas, cada um precisa assimilar o espírito dos outros." [15 — Vivekananda].

"É meu entendimento, depois de ter meditado com pessoas de muitas tradições diferentes [não-cristãs], que no silêncio experimentamos uma unidade profunda. Quando vamos além dos portais da mente racional e para a experiência, há somente um Deus a ser experimentado." [16; ênfase adicionada — Basil Pennington.]

"O novo ecumenismo envolvido aqui não é entre cristãos e cristãos, mas entre cristãos e a graça das outras tradições religiosas intuitivamente profundas." [17 — Tilden Edwards].

O que está acontecendo no Cristianismo da corrente dominante é a mesma coisa que está ocorrendo nas empresas, na área da saúde, na educação, no aconselhamento e em outras áreas da sociedade. O Cristianismo está sendo cultivado para ter um papel na Nova Era. Um espírito-guia chamado Rafael explica isto nas Starseed Transmissions:

"Trabalhamos com todos que são vibracionalmente simpáticos: pessoas simples e sinceras que sentem nosso espírito se movendo, mas para a maior parte, somente dentro do contexto de seus atuais sistemas de crença." [18; ênfase adicionada].

Ele está dizendo que eles "operam", ou interagem, com pessoas que abrem suas mentes para eles de um modo que se adequa com as crenças atuais da pessoa. No contexto do Cristianismo, isso significa que aqueles que estão meditando pensarão que contactaram Deus, quando na realidade conectaram-se com espíritos da mesma espécie que Rafael (que estão mais do que dispostos a imitarem quem quer que eles desejem alcançar, desde que esses espíritos sedutores possam fazer a ligação com eles).

Isto aponta no fim para uma religião global de ilusão, baseada em meditação e experiências místicas. David Spangler, um autor de Nova Era, explica isto do seguinte modo:

"Haverá várias disciplinas religiosas e espirituais quantas existem hoje, cada uma servindo à diferentes sensibilidades e afinidades, cada uma enriquecida e enriquecendo o solo cultural particular em que está enraizada. Todavia, haverá também uma espiritualidade planetária que celebrará o sagrado de toda a humanidade em festivais, rituais e sacramentos apropriados... O misticismo sempre transbordou os limites de determinadas tradições religiosas e, no novo mundo, isto será até mais verdadeiro." [19].

O Sangue dos Santos

Um dos principais dogmas do pensamento da Nova Era é paz, boa vontade e a unidade de toda a humanidade. Lembre-se que a Era de Aquário deve ser a Era da Unicidade. Em contexto com essa ideia, o termo "limpeza" é bastante perturbador. Diversos livros fazem referências àqueles que forem retardatários quando a Nova Era alcançar sua maturidade. Vários autores de Nova Era consideram esses resistentes como o único obstáculo final para permitir que essa espiritualidade global ocorra:

"Os remanescentes da Quinta Raça-Raiz [a humanidade não transformada] continuarão a sobreviver nos estágios iniciais do novo Ciclo Cósmico, mas, a não ser que eles aumentem sua conscientização ou consciência com a Mente Mais Elevada e o tempo de espiritualidade, eles serão removidos da Corrente da Vida da Raça." [20].

"As almas motivadas pela unidade responderão ao chamado dele [o Messias da Nova Era], o ímpeto interior delas por unidade espiritual mundial se sincronizará com a energia mais elevada. As pessoas que se opuserem ao reconhecimento do Cristo poderão lutar intensamente, mas isto não será prolongado. Por volta deste tempo, a energia do Cristo será tão forte que as pessoas serão tratadas de acordo com seu próprio carma individualizado e sua capacidade e desejo de assimilar essa energia acelerada." [21; ênfase adicionada].

"O aparecimento final do Cristo será um evento evolucionário. Ele será o desaparecimento do homem egocêntrico [eu inferior] e sub-humano e a ascensão do Homem centrado em Deus. Uma nova raça, uma nova espécie, habitará a Terra — pessoas que coletivamente têm a estatura de consciência que Jesus teve." [22].

Até a própria Alice Bailey, que personificou a consciência de Nova Era, apoia aquilo que essas três citações implicam:

"A nova era está vindo: os novos ideais, a nova civilização, os novos modos de vida, de educação, de apresentação religiosa e de governo estão lentamente precipitando e nada poderá impedi-los. Entretanto, isto tudo pode ser retardado pelas pessoas reacionárias, ultraconservadoras e de mente estreita... São elas que podem impedir a hora da liberação... todas precisam ser colocadas sob o poder da morte." [23; ênfase adicionada].

Se a pessoa compreender a lógica que está por trás dessas afirmações, então torna-se claro sobre o que eles estão falando. Aqueles que aceitarem a consciência do Cristo poderão permanecer — aqueles que não aceitarem — precisarão partir. A citação sobre a "capacidade e desejo" das pessoas de assimilarem a "energia do Cristo" como o fator determinante para seu destino é algo que nos faz pensar.

Barbara Marx Hubbard, uma importante proponente da Nova Era e apoiadora dos esforços do Departamento da Paz, de Marianne Williamson, em Washington-DC, diz que precisará haver um "processo de seleção" para aqueles "que se recusam a ver a si mesmos e aos outros como parte de Deus [o Deus de Hubbard].” [24]. Ela diz:

"Ele [Deus] descreve, portanto, a necessidade de um "processo de seleção" que selecionará os indivíduos resistentes que "preferiram" não evoluir." [25].

"O humano precisa se tornar Divino. Esta é a lei." [26].

Perseguição e morte estão preditas na Bíblia para aqueles que não entrarem na linha durante o governo do Anticristo. O paralelo entre aquilo que a Bíblia diz sobre esse período e as declarações acima é chocante. As seguintes profecias revelam o que está reservado para aqueles que pregarem o verdadeiro Jesus Cristo e o Evangelho do verdadeiro reino durante esse tempo:

"Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome." [Mateus 24:9].

"E, havendo aberto o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram. E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?" [Apocalipse 6:9-10].

"E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos." [Apocalipse 20:4].

O verso seguinte leva a crer que isto será feito com base espiritual e individual:

"E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós." [Lucas 21:16].

Isto implica que um membro da família, ou um amigo, poderá ser entregue para ser tratado para seu próprio bem. Isto será visto como um ato altruísta.

A explicação que acabo de apresentar muito provavelmente incomodará ou até mesmo enfurecerá qualquer um que esteja envolvido com a espiritualidade de Nova Era. Afinal, em parte alguma você encontra autores de Nova Era dizerem que vão matar alguém. É deixado bem vago como as pessoas serão removidas. Mas, as seguintes palavras canalizadas do "Deus" de Neale Donald Walsch explicam a lógica para aquilo que a maioria das pessoas consideraria absurdo e impossível. Veja o que disse esse "Deus":

"Assim, a primeira coisa que vocês têm de compreender — como já expliquei — é que Hitler não fez mal a ninguém. Em certo sentido, ele não infligiu sofrimento, ele deu fim a ele." [27; ênfase adicionada].

"Não existe 'morte'. A vida prossege para todo o sempre. Vocês simplesmente mudam de forma... Depois que mudam de forma, as consequências deixam de existir. Existe apenas o Conhecimento." [28].

"A questão real é se as ações de Hitler foram ou não 'erradas'. Todavia, eu já disse repetidas vezes que não existe 'certo' ou 'errado' no universo. Agora, os pensamentos de vocês que Hitler foi um monstro baseiam-se no fato que ele ordenou a matança de milhões de pessoas, certo? E se eu lhes dissesse que aquilo que vocês chamam de 'morte' é a maior coisa que pode acontecer com alguém — e então?... Devemos, portanto, punir a raposa da fábula por lançar o coelho no campo de urtigas?" [29; ênfase adicionada].

Esta é uma afirmação muito reveladora. A moralidade tradicional foi virtualmente colocada de cabeça para baixo aqui. Em outras palavras, de acordo com a consciência mais elevada com a qual o autor Walsch está em sintonia, matar pessoas pode ser, na verdade, um grande favor prestado a elas! Mas, será se Walsch pensaria que isto é sabedoria elevada e profunda se ele próprio estivesse faminto e tremendo de frio, sendo transportado em um vagão de trem de carga, com destino ao Campo de Auschwits? Ele teria um sorriso em sua face se estivesse nu e sendo forçado a caminhar até a câmara de gás para enfrentar uma morte horrível em agonia? Acho que não!

Walsch não é uma personalidade obscura. Ele é altamente respeitado e considerado. No livro sucesso de vendas O Segredo e também no filme de mesmo nome, Walsch é descrito como um "mensageiro espiritual dos dias modernos". [30]. Seus livros da série Conversando com Deus continuam a vender muito bem no mundo ocidental e são chamados de "inovadores".

Poderia a perseguição de Hitler contra a humanidade na Europa ter tido o mesmo componente espiritual? Muito provavelmente! Considere a seguinte evidência. A suástica, o principal símbolo do Nazismo, é um antigo símbolo hindu que ainda é encontrado em muitos templos em toda a Índia. A palavra não é de origem alemã, ela veio do sânscrito — Svastika — o que significa "aquilo que é excelente" [31]. Um livro de Nova Era descreve o significado da suástica como representativo do "estágio final em que o chakra está ativo, desenvolvido, aberto e energizado pela energia despertada da kundalini". [32]. Assim, o próprio estandarte do Nazismo representa a mesma energia e ímpeto que fundamenta todo o Movimento de Nova Era. Até mesmo os aderentes de Nova Era reconhecem isto. David Spangler faz referência em um de seus livros ao "... Movimento Nazista, que teve muitas raízes no ocultismo". [33]. O símbolo da suástica era também exibido de forma proeminente no broche pessoal de Madame Blavatsky, exatamente no mesmo estilo que o nazista (inclinado em um ângulo para a direita) décadas antes de o Partido Nazista ser formado. Pode-se também ver o paralelo entre o Nazismo e a Sabedoria Antiga no sistema de castas hindu, com sua casta dos brahmin (arianos) e sua casta inferior dos intocáveis. Os nazistas também tomaram o termo ariano — literalmente — a raça digna — do Hinduísmo. [34]. A palavra não tem nada que ver com a antiga Alemanha, como muitos acreditam, mas é de origem hindu e significa nobre, ou superior.

Embora os nazistas fossem militaristas e racistas e a Nova Era promova o amor e a fraternidade, esses fatos não devem ser desconsiderados. Alice Bailey era uma idealista, mas se o "Aquele Que Virá" dela for o homem do pecado predito em 2 Tessalonicenses 2, então a comparação não é tão discordante.

Conclusão

Não estamos advertindo aqui a respeito de uma teoria da conspiração improvável. Na verdade, muito longe disto. Em março de 2016, a revista Newsweek trouxe uma edição especial chamada "Vida Espiritual". A publicação apresentou página após página a pura espiritualidade de Alice Bailey. Toda a edição foi dedicada à percepção mística que o homem é divino.

"A chave para a transformação positiva — tanto interna quanto externa — está presente em todos e também existe ao nosso redor. Seja por meio da meditação, da cura energética ou um despertamento totalmente espiritual, você pode transcender o mundo físico para melhorar sua mente, seu corpo e sua alma." [35].

Isto pode parecer benigno, mas diversos artigos na revista promovem a ideia de espíritos que podem habitar dentro das pessoas. Se isto tivesse sido apresentado pela revista National Enquirer, então poderia ser rejeitado como uma matéria sensacionalista ou exagerada. Mas, a Newsweek é uma das revistas mais antigas e respeitadas em todo o mundo. Quando eles fazem esse tipo de esforço, então precisamos acordar e observar que a religião de Alice Bailey agora veio para o primeiro plano da sociedade dominante. O que isto significa, de acordo com aqueles que são simpáticos com isto, é que para sermos "espirituais", precisamos participar da "nova e vital religião mundial" de Alice Bailey.

Notas Finais:

1. Geoffrey Parrinder, World Religions from Ancient History to the Present (Nova York, NY: Facts on File Publications, 1983), pág. 155.

2. Charles J. Ryan, What is Theosophy? A General View of Occult Doctrine (San Diego, CA: Point Loma Publications, Inc., edição revisada, 1975), pág. 16.

3. Harold Balyoz, Three Remarkable Women (Flagstaff, AZ: Atlas Publishers, 1986), pág. 207.

4. Idem, pág. 210.

5. Idem, pág. 213.

6. Simons Roof, "About the Aquarian Age" (The Mountain School of Esoteric Studies), pág. 7.

7. John Davis and Naomi Rice, Messiah and the Second Coming (Wyoming, MI: Coptic Press, 1982), pág. 150.

8. James S. Gordon, The Golden Guru: The Strange Journey of Bhagwan Shree Rajneesh (Lexington, MA: The Stephen Greene Press, 1988), pág. 236.

9. Alice A. Bailey, The Reappearance of the Christ (Albany, NY: Fort Orange Press, quarta impressão, 1962), pág. 124.

10. "Sri Chinmoy Lifts Over 7,000 lbs. with One Arm" (Life Times magazine, Vol. 1, Number 3), pág. 45.

11. Alice Bailey, Problems of Humanity (Nova York, NY: Lucis Publishing, 1993), pág. 152.

12. Alice Bailey, The Externalization of the Hierarchy (Nova York, NY: Lucis Publishing, 1976), pág. 510.

13. Alice Bailey, Problems of Humanity, op. cit., pág. 152.

14. Joel Beversluis, Project Editor, A Source Book for Earth’s Community of Religions (Grand Rapids, MI: CoNexus Press, 1995, Edição Revisada), pág. 151.

15. Swami Vivekananda, "Addresses at the Parliament of Religions" (Chicago, 27 de setembro de 1893, http://www.interfaithstudies.org/interfaith/vivekparladdresses.html, accessado em 12/2005).

16. M. Basil Pennington, Centered Living (Nova York, NY: Image Books, 1988), pág. 192.

17. Tilden Edwards, Spiritual Friend (Nova York, NY: Paulist Press, 1980), pág. 172.

18. Ken Carey, "The Starseed Transmissions" (A Uni-Sun Book, 1985 4th printing), pág. 33.

19. David Spangler, Emergence: The Rebirth of the Sacred (Nova York, NY: Dell Publishing Co., Nova York, NY, 1984), pág. 112.

20. Donald Yott, Man and Metaphysics (Nova York, NY: Sam Weiser, Inc., 1980), pág. 58.

21. John Davis and Naomi Rice, Messiah and the Second Coming, op. cit., pág. 152.

22. John White, "The Second Coming" (New Frontier Magazine, dezembro de 1987), pág. 45.

23. Alice Bailey, The Externalization of the Hierarchy, op. cit.

24. Barbara Marx Hubbard, Conscious Evolution: Awakening the Power of Our Social Potential (Novato, CA: New World Library, 1998), págs. 240, 267.

25. Idem.

26. Barbara Marx Hubbard, The Revelation (Novato, CA: Nataraj Publishing, 1995), pág. 233.

27. Neale Donald Walsch, Conversations with God, Book 2 (Charlottesville, VA: Hampton Road Publishing Company, Inc., 1997), pág. 56.

28. Idem, pág. 40.

29. Idem, pág. 36.

30. Rhonda Byrne, The Secret (Nova York, NY: Atria Books, 2006), pág. 197.

31. Geoffrey A. Barborka, Glossary of Sanskrit Terms (Buena Park, CA: Stockton Trade Press, Point Loma Publications, 1972), pág. 64.

32. Zachary E Lansdowne, Ph. D., The Chakras and Esoteric Healing (York Beach, ME: Samuel Weiser, Inc., First Indian edition: Delhi, 1993), pág. 114.

33. David Spangler, Emergence: The Rebirth of the Sacred (Nova York, NY: Dell Publishing Company, 1984), pág. 159.

34. Geoffrey A. Barborka, op. cit., pág. 15.

35. Newsweek, Special Edition: Spiritual Living, março de 2016, pág. 7.



Autor: Ray Yungen, artigo em http://www.lighthousetrailsresearch.com/blog/?p=20753
Data da publicação: 20/7/2016
Transferido para a área pública em 24/3/2018
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/bailey.asp