A Tenda em Que Todos Nós Habitamos: A Razão Por Que o Céu é Azul

Autor: Jeremy James, 26/5/2016.



Em nosso ensaio anterior, intitulado "O Exército dos Céus e Nova Terra Plana e Estacionária", vimos como o sol e a lua seguem seus circuitos respectivos acima da Terra plana, o sol a uma elevação de cerca de 5.700 quilômetros e a lua a uma elevação de aproximadamente 5.400 quilômetros.

Isto permite uma questão interessante. Se o sol está em movimento abaixo do firmamento, não acima dele, então como explicamos por que o céu é azul?

A Visão Convencional

Vejamos primeiro a explanação científica tradicional, que define que a cor azul do céu é causada por um fenômeno conhecido como Dispersão de Rayleigh. Isto alega que a luz branca do sol é absorvida ligeiramente ao atravessar a atmosfera, mas que isto ocorre principalmente nos comprimentos de onda mais curtos, na extremidade azul do espectro de cores. A atmosfera é constituída principalmente por moléculas de nitrogênio e oxigênio, que têm exatamente o tamanho apropriado para desviar a luz nessas frequências menores. Esse efeito de dispersão ocorre em toda a atmosfera e dá origem à sua distinta — e muito bonita — cor azul.

Aqui está como o website sciencemadesimple.com descreve este fenômeno:

"À medida que a luz atravessa a atmosfera, a maior parte de seus comprimentos de onda mais extensos passa direto por ela. Uma parte pequena da luz vermelha, laranja e amarela é afetada pelo ar. Entretanto, a maior parte da luz em comprimento de onda mais curto é absorvida pelas moléculas de gás. A luz azul absorvida é então refletida em diferentes direções. Ela é espalhada por todo o céu. Para qualquer direção que você olhe, uma parte dessa luz azul dispersada chega até você. Como você vê a luz azul por todo o céu acima, a cor do céu fica azul."

O Serviço Metereológico do Reino Unido, em sua página na Internet, metoffice.gov.uk, apresenta uma explanação similar:

"Quando a luz do sol atinge a atmosfera da Terra, ela é dispersa, ou desviada, pelas minúsculas moléculas de gás (em sua maioria de nitrogênio e oxigênio) no ar. Como essas moléculas são muito menores do que o comprimento de onda da luz visível, a quantidade da dispersão depende do comprimento de onda... Comprimentos de onda menores (violeta e azul) são dispersos com mais força, de modo que uma quantidade maior da luz azul é dispersa em direção aos nossos olhos do que as outras cores. Alguém poderia perguntar por que o céu não fica com a cor lilás, pois a luz violeta é dispersa com mais força do que a luz azul. A razão é que não há tanto violeta na luz do sol e nossos olhos são muito mais sensíveis ao azul."

Os dois websites também chamam a atenção para o fato que o azul do céu é ligeiramente mais pálido perto do horizonte e oferecem a mesma explanação para esse fenômeno. Sciencemadesimple.com declara o seguinte:

"Quando olhamos mais de perto para o horizonte, o céu parece muito mais pálido em tonalidade. Para chegar até você, a luz azul dispersada precisa passar por mais ar. Parte dela é dispersada novamente em outras direções. Menos luz azul chega até seus olhos. A cor do céu perto do horizonte parece mais pálida, ou branca."

Sérias Imprecisões

O Efeito Rayleigh pode satisfazer a comunidade científica, porém tem diversas sérias imprecisões:

A luz que atinge diretamente a mulher na ilustração acima é branca, o que significa que contém uma mesma quantidade de todas as frequências de cores. Nenhuma parte do componente azul foi disperso ou enfraquecido — caso contrário, a luz não seria branca. Se o efeito de dispersão for comum a todas as partes do céu, o que precisa ser, então a luz que atinge a superfície da Terra nunca seria perfeitamente branca.

O efeito de dispersão deveria também operar em comprimentos de onda mais curtos do que o azul, como o violeta. Então, por que o céu não fica com a cor lilás? A explanação oferecida pelo Serviço Metereológico do Reino Unido é ilógica.

"Você poderia se perguntar por que o céu não tem a cor lilás, pois a cor violeta é dispersa até mais fortemente do que o azul. A razão é que não há tanto violeta na luz do sol e nossos olhos são muito mais sensíveis ao azul."

Primeiro, não há evidência científica de que nossos olhos são "mais sensíveis" ao azul. Os estudos mostram que o olho humano é incrivelmente sensível a milhões de tons de cores em todo o espectro visível. Portanto, a sugestão que, embora o céu pudesse ser ligeiramente lilás, esse fator cromático adicionado não pode ser detectado pelos nossos olhos, devido a uma suposta deficiência, não é honesta.

Em segundo lugar, o Serviço Meteorológico do Reino Unido também está errado quando declara que "não há tanto violeta na luz do sol". Basta olhar para fotografias do arco-íris para ver que o componente violeta do espectro é exatamente tão proeminente quanto o componente azul — veja o Apêndice A.

3. Os dois websites dizem que o azul do céu é atenuado perto do horizonte por que a luz a partir dali teve de viajar por uma quantidade maior de ar. Isto supostamente faz a quantidade de dispersão na luz azul aumentar, mas isto é contraditório. Ou a dispersão atmosférica aumenta a quantidade de luz azul que chega aos nossos olhos, ou faz a quantidade diminuir, mas não pode fazer as duas coisas. [O céu está provavelmente em um tom mais claro de azul perto do horizonte porque a cor é ligeiramente diluída pela luz refletida a partir do solo.]

Em resumo, o fenômeno conhecido como Dispersão de Rayleigh não é científico.

Então Por Que o Céu É Azul?

O céu aparece com a cor azul por que ele é azul. É simples assim.

Como vimos no nosso ensaio anterior, o Senhor colocou um dossel, ou "firmamento" sobre a Terra no tempo da Criação. Esse firmamento é o grande domo, ou abóbada sólida em que as estrelas foram colocadas:

"Ou estendeste com ele os céus, que estão firmes como espelho fundido?" [Jó 37:18].

"E Deus os pôs na expansão dos céus para iluminar a terra, e para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas; e viu Deus que era bom." [Gênesis 1:17,18].

"Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda, para neles habitar." [Isaías 40:22].

Essa "tenda" em que habitamos é o céu que está acima de nossas cabeças — e a tenda é azul. Como diz a Palavra de Deus, ela é "firme" e como "espelho fundido". Isso parece sugerir que ela é sólida e reflexiva. Ela precisa ser extraordinariamente firme, pois separa as águas abaixo das águas que estão acima:

"E disse Deus: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas. E fez Deus a expansão, e fez separação entre as águas que estavam debaixo da expansão e as águas que estavam sobre a expansão; e assim foi." [Gênesis 1:6-7].

Como a água é mencionada frequentemente nos primeiros versos de Gênesis, é bem possível que o próprio firmamento seja formado por água. Em caso afirmativo, então a "tenda" é uma parede de gelo. Dado que a atmosfera superior é extremamente fria, não há razão por que uma estrutura estendida desse tipo não pudesse existir indefinidamente.

Se o firmamento é feito de gelo, isto também explicaria por que o céu é azul. Quando submetido a extrema pressão, o gelo adquire um belo tom azul. Isto é algumas vezes visto em icebergs que se desprenderam de antigas geleiras, como nas fotos abaixo:

Em cada caso, a cor azul é inerente ao gelo e não é produzida por condições atmosféricas incomuns. Isto pode ser visto claramente na foto acima e à direita, em que a camada azul foi submetida a extrema pressão e, mais tarde, incorporada, junto com camadas subsequentes de neve comprimida, em um iceberg.

Conclusão

O sol, em seu circuito diário, ilumina a Terra plana e estacionária que está abaixo dele. Entretanto, ele também ilumina o firmamento que está acima. O céu é azul, não devido a um efeito de dispersão ótica, mas devido ao fato simples que o próprio firmamento é azul. Dada a significância da água no relato da Criação, o firmamento é, muito provavelmente. feito de puro gelo.

A propósito, se o sol ilumina tanto a Terra quanto o firmamento, então pode estar na metade da distância entre os dois. Em caso afirmativo, então o firmamento está situado a cerca de 11.400 quilômetros acima da Terra. Isto poderia ser testado medindo-se a elevação de estrelas selecionadas no mesmo horário, a partir de diferentes localidades na Terra e, depois, usando trigonometria simples, calcular a distância delas.

Além disso, se o firmamento for tanto reflexivo e translúcido (como o gelo), então isto capturaria a luz das estrelas em outras partes do céu noturno e a refletiria em direção à Terra. Essa luz muito tênue poderia ser detectada por poderosos telescópios, o que explica por que os astrônomos continuam a descobrir "novas" galáxias.

Finalmente, se o Senhor criou algo que todos na Terra podem ver todos os dias, algo que provavelmente ainda tem o mesmo aspecto original, então podemos esperar que isto seja muito bonito e não simplesmente um produto da dispersão ótica. O céu acima de nossas cabeças, a tenda em que todos nós habitamos, é um lembrete glorioso do poder e esplendor do Deus maravilhoso que criou o mundo. Louvado seja Seu santo nome!

"Louvai ao SENHOR. Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento do seu poder. Louvai-o pelos seus atos poderosos; louvai-o conforme a excelência da sua grandeza." [Salmos 150:1,2].

Apêndice A



Autor: Jeremy James, artigo em http://www.zephaniah.eu
Data da publicação: 29/5/2016
Transferido para a área pública em 26/9/2017
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/ceuazul.asp