O Que a Bíblia Ensina Sobre a Homossexualidade

Autor: Jeremy James, Irlanda, 6/8/2018.

Alguém poderia pensar que o ensino bíblico sobre homossexualidade seja bem compreendido pela maioria dos cristãos hoje, mas este não é o caso. Esta séria deficiência parece ter três causas não relacionadas entre si: (1) poucos cristãos estudam as Escrituras como deveriam estudar, de forma que não possuem as capacidades básicas necessárias para lidar adequadamente com este tópico; (2) ao glamorizar os atos homossexuais, o Maligno tornou difícil para os cristãos falar a respeito deles sem parecer obstruídos por preconceitos irracionais; e (3) o ensino bíblico tradicional a respeito dos atos homossexuais nunca foi estudado em profundidade pelos teólogos, principalmente por que o caráter abominável desses atos era plenamente evidente para todos que viviam e criam na Palavra de Deus.

Com tantos especialistas médicos e luminares acadêmicos ensinando que a sodomia é uma forma normal de expressão sexual para uma pequena, porém significativa porcentagem da humanidade, podemos facilmente esquecer que ela nunca foi considerada normal ou de corrente dominante pelas sociedades pagãs. Apesar das muitas afirmações em contrário, nenhuma civilização considerou a homossexualidade como uma "escolha de estilo de vida" em pé de igualdade com o casamento monogâmico entre dois "heterossexuais". A homossexualidade nunca foi usada para propósitos de determinar herança ou sucessão e, tanto quanto podemos dizer, nunca foi solenizada por casamento (exceto pelos próprios homossexuais). Em resumo, a sodomia sempre foi vista ao longo da história de forma muito parecida como era vista pelos nossos avós: uma forma aberrante de comportamento sexual que uma pequena porção da sociedade praticava secretamente em busca de prazeres carnais.

"Porventura envergonham-se de cometer abominação? Pelo contrário, de maneira nenhuma se envergonham, nem tampouco sabem que coisa é envergonhar-se; portanto cairão entre os que caem; no tempo em que eu os visitar, tropeçarão, diz o SENHOR. " [Jeremias 6:15].

O mais perto que a sodomia já chegou de alcançar status de corrente dominante foi nas sociedades militaristas, em que homossexuais radicais governavam com mãos de ferro e em sociedades em que a sodomia estava incorporada em uma atividade religiosa, principalmente a prostituição cultual nos templos. Mas, mesmo neste último contexto, ela era imposta a partir de cima por uma casta sacerdotal que era formada por homossexuais.

Supressão dos Fatos

Estes são fatos simples da história que a comunidade homossexual hoje anseia suprimir. A homossexualidade nunca foi normal ou esteve na corrente dominante. Ela nunca foi considerada, até mesmo pelas sociedades pagãs, como qualquer coisa mais do que uma forma grosseira de expressão sexual que destruía a posição social do participante passivo no ato sexual e aumentava o domínio social do participante ativo. O poder para sodomizar e o poder de governar estavam ligados muito de perto. É assim que sempre foi e como continua a ser. A homossexualidade é uma questão de poder e prazer carnal. Infelizmente, nossa sociedade hoje foi enganada a pensar de forma contrária.

Estamos agora vivendo no tempo a respeito do qual Cristo advertiu, quando a sodomia seria aceita como normal pela sociedade em geral. Quando Ele disse que o fim dos tempos seria "como nos dias de Noé", ou como nos dias de Sodoma e Gomorra, estava se referindo à generalizada corrupção moral e aos desvios sexuais:

"E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem." [Lucas 17:26].

"Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar." [Lucas 17:28-30].

Aqueles que distorcem a Bíblia querem que pensemos que a passagem relacionada com Noé e o Dilúvio está falando dos assim chamados Nefilins, estranhos híbridos constituídos por material genético humano e sobrenatural. Mas, ao fazerem isso, eles estão tentando desviar nossa atenção da causa real de ambas as calamidades — a perversão sexual entre pessoas humanas. A Palavra de Deus resume isto com impressionante candura em Gênesis 6:5:

"E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente."

A Imaginação do Homem Caído

O que é a expressão mais comum e persistente hoje — ou em qualquer tempo — da nossa imaginação humana degradada? É a perversão sexual em todas suas formas. As fantasias e desejos sexuais de todos os tipos, incluindo os mais depravados e contrários à natureza, são produzidos facilmente por nossa imaginação caída. A não ser que exerçamos controle sobre essa faculdade mental perversa e rebelde, ela irá nos controlar.

Toda a Terra no tempo de Noé estava povoada por homens e mulheres que expressavam suas fantasias sexuais sem restrições. A sodomia deve ter sido endêmica naquele tempo. As crianças eram provavelmente sexualizadas bem cedo e incentivadas a "seguir suas emoções e sentimentos". "Seja do gênero que quiser, realize qualquer fantasia sexual que lhe agradar" — esta era e ainda é a ideia humana de liberdade. O mundo no tempo de Noé era, provavelmente, a sociedade mais "liberada" que já existiu, mas aquela sociedade estava imersa na impiedade. É por isto que Deus a destruiu completamente (com exceção de oito indivíduos).

Deus também destruiu as cidades da planície — Sodoma, Gomorra, Admá e Zeboim — pela mesma razão. Além disso, Ele fez isso de tal forma que aquilo ficasse para sempre como um chocante memorial a respeito das profundezas tenebrosas e proibidas do coração humano. O fogo e enxofre literalmente embalsamaram aquelas cidades. Ainda é possível encontrar dispersos no terreno desolado, resíduos das bolas de enxofre que caíram do céu e destruíram os habitantes daquelas cidades.

Deus faz isto por que nos ama e não quer nos destruir. É por isto que Ele enviou Seu Filho para nos libertar da nossa própria condição miserável e perdida.

O homem não está no processo de se tornar afastado de Deus — por que ele já está! Nossa imaginação depravada é prova disto, se prova fosse necessária. Se for deixado com seus próprios planos e projetos, não há nada que o homem possa fazer para corrigir ou curar sua condição degenerada. Além disso, sem uma âncora na verdade, perdido no mar de sua própria imaginação, o homem se afastará cada vez mais de Deus e se deleitará mais e mais em própria imoralidade.

Os três primeiros capítulos da Epístola aos Romanos tratam deste tema! O homem carnal detesta esses capítulos por que eles mostram o que ele realmente é.

Romanos Cap. 1

"Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça. Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou." [Romanos 1:18-19].

"Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu." [Romanos 1:21].

"Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém." [Romanos 1:24-25].

"Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro." [Romanos 1:26-27].

"E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; estando cheios de toda a iniquidade, fornicação, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; os quais, conhecendo o juízo de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem." [Romanos 1:28-32].

A Bíblia É Inequívoca A Respeito da Homossexualidade

Se a Bíblia não fizesse referência em qualquer outra parte a respeito da impiedade do pecado da homossexualidade, o capítulo 1 de Romanos seria o suficiente. Ele declara inequivocamente que, não somente a homossexualidade é um pecado, mas é possivelmente o mais pernicioso de todos. Enraizado em uma mente réproba, ele tem um poder destrutivo imenso, que leva no devido curso a muitas outras expressões de rebelião, pecados que estão entre os piores que o homem é capaz de cometer, incluindo o homicídio.

A esquerda radical que controla e dirige o movimento homossexual abomina o capítulo 1 de Romanos. Eles também abominam o apóstolo Paulo por ter condenado esse vício com grande força e clareza. De modo a contornar isso, eles tentam retratar Paulo como o "inventor" do Cristianismo, afirmando que ele sequestrou os ensinos e doutrinas de Jesus — que estavam imersas na tolerância e compaixão, amor e aceitação — e os substituiu por um dogmatismo estreito e elitismo em julgar que é uma reversão ao Velho Testamento. Eles afirmam que, se Jesus estivesse aqui hoje, Ele daria as boas-vindas e apoiaria a comunidade homossexual e a elogiaria por sua honestidade, franqueza e disposição de sofrer pacientemente por tanto tempo nas mãos de religiosos preconceituosos que mostram desagrado pelo grande amor que eles têm uns pelos outros.

Como veremos, isto é propaganda marxista do início até o fim, uma cínica zombaria satânica de tudo o que a Bíblia ensina.

O Plano de Deus para a Humanidade Versus o Plano de Satanás para a Humanidade

Para compreender plenamente a condenação bíblica da sodomia, precisamos examiná-la no contexto do plano de Deus para a humanidade. Fomos instruídos a "crescer e nos multiplicarmos", porém os homossexuais não podem fazer isso. Somos orientados a participar da instituição do casamento, em que uma mulher e um homem se comprometem um com o outro por toda a vida e a viverem como "uma carne". A monogamia exclusiva forneceu o fundamento em que toda a sociedade floresceu e se expandiu. Mas, os homossexuais não podem casar — por óbvias razões biológicas. O melhor que eles podem fazer é imitar — aos olhos do público — o modo como eles veem os casais genuinamente casados se comportarem. Um deles pode se comportar de forma efeminada, porém esse comportamento somente serve para enfatizar o fato que o relacionamento deles é meramente uma imitação da coisa real.

O livro de Provérbios condena a homossexualidade nos termos mais fortes possíveis. Infelizmente, a maioria dos leitores tende a interpretar sua mensagem unicamente a partir de um ponto de vista "heterossexual" e deixam de ver a abrangência de sua aplicação. Considere os seguintes versos do capítulo 7. Eles descrevem um rapaz "falto de juízo", que tolamente perambula durante a noite até encontrar uma mulher lasciva que satisfaça seu desejo de luxúria. O autor do livro vê esse simplório e vulnerável rapaz a partir de sua janela:

"Porque da janela da minha casa, olhando eu por minhas frestas, vi entre os simples, descobri entre os moços, um moço falto de juízo, que passava pela rua junto à sua esquina, e seguia o caminho da sua casa; no crepúsculo, à tarde do dia, na tenebrosa noite e na escuridão." [versos 6-9].

A mulher está a procura de alguém exatamente como ele, com o mesmo desejo de lascívia:

"E chegou-se para ele e o beijou. Com face impudente lhe disse... Vem, saciemo-nos de amores até à manhã; alegremo-nos com amores." [versos 13 e 18].

Talvez ele tivesse algumas dúvidas, mas agora é tarde demais:

"Assim, o seduziu com palavras muito suaves e o persuadiu com as lisonjas dos seus lábios." [verso 21].

A Palavra de Deus prossegue e descreve as implicações espirituais daquilo que esse rapaz acabou de fazer:

"E ele logo a segue, como o boi que vai para o matadouro, e como vai o insensato para o castigo das prisões; até que a flecha lhe atravesse o fígado; ou como a ave que se apressa para o laço, e não sabe que está armado contra a sua vida. Agora pois, filhos, dai-me ouvidos, e estai atentos às palavras da minha boca. Não se desvie para os caminhos dela o teu coração, e não te deixes perder nas suas veredas. Porque a muitos feridos derrubou; e são muitíssimos os que por causa dela foram mortos. A sua casa é caminho do inferno que desce para as câmaras da morte." [versos 22-27]

Como isto é diferente de uma ocasião em que um rapaz vai a um bar "gay" pela primeira vez e encontra ali alguém de quem ele "gosta", é seduzido por palavras agradáveis e então acompanha aquele indivíduo até seu apartamento? É a mesma coisa.

Em tudo que é essencial, as palavras do cap. 7 se aplicam com força igual ao estilo de vida homossexual: a procura por um parceiro, a sedução, o sexo anônimo — e as pavorosas consequências espirituais. Uma flexa atravessou o fígado do rapaz; ele é como um pássaro preso em um laço; ele foi a uma casa na estrada para o inferno e realmente corre o risco de "descer às câmaras da morte".

Embora existam muitas passagens na Bíblia que condenam o pecado da homossexualidade, poucas retratam suas tenebrosas implicações de forma tão contundente quanto esta. O ato licencioso e seus efeitos destrutivos são mostrados de forma bem clara. A mensagem é a mesma, independente do gênero dos envolvidos.

O que torna esta passagem particularmente apropriada é o quão bem ela caracteriza o estilo de vida "gay", em que um rapaz mal-orientado é seduzido e explorado por um predador mais velho, atraído mais profundamente para uma situação em que seu desejo de lascívia sobrepuja sua capacidade de exercer um melhor julgamento.

O capítulo 7 de Provérbios, exatamente como o capítulo 1 de Romanos, pode ser visto como uma rejeição clara à homossexualidade. Tomados em conjunto, eles constituem uma poderosa advertência de um Deus amoroso que nos criou. Se decidirmos, contra todos os conselhos, seguir esse "estilo de vida" — com desleixada desconsideração pelas consequências — estamos cometendo suicídio espiritual. Isto é o que a Palavra de Deus está a nos dizer.

"Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e os farei membros de uma meretriz? Não, por certo. Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne. Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito." [1 Coríntios 6:15-17].

Fidelidade Sexual Entre um Homem e uma Mulher

Observe que esta advertência bíblica não é dependente de Levítico, o livro que os homossexuais acusam como a referência de origem para todos os que criticam seu "estilo de vida".

"Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é." [Levítico 18:22].

"Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles." [Levítico 20:13].

Todo livro da Bíblia está baseado na crença que a sodomia é pecado. Ela não é uma doutrina que possa ser empurrada para a lateral, como se fosse periférica àquilo que a Bíblia trata. A Palavra de Deus condena o sexo fora do casamento, a idolatria, a concupiscência e a lascívia da carne em tantas passagens que seria impossível em um ensaio como este citar todas elas. E cada uma delas ecoa o fato fundamental que a sodomia é um pecado.

Ninguém pode negar que a Bíblia condena a fornicação; dado que a sodomia é uma fornicação entre duas pessoas do mesmo sexo, então toda vez que a Palavra de Deus condena a fornicação, está também condenando a sodomia.

À luz disto, é perturbador encontrar livros e ensaios que se propõem a listar as passagens na Bíblia que explicitamente condenam a sodomia, mas que deixam de reconhecer que essa condenação está implícita em todos os aspectos da doutrina bíblica. Um número muito grande de autores e comentaristas cristãos comete esse erro.

Um resultado solene disto é a falsa crença (comumente mantida) que, como Jesus não disse explicitamente "A homossexualidade é errada" durante Seu ministério terreal, então ela deve ser aceitável aos Seus olhos ou, se não, sua pecaminosidade precisa ser de um nível muito menor que o Velho Testamento implica. A verdade é que Jesus são ab-rogou ou diminiu parte alguma da Lei Mosaica. Ele veio, não para abolir a Lei, mas para cumpri-la.

Jesus se misturou com os pecadores, mas não da forma como muitos supõem. Os pecadores com os quais Ele se misturou eram pecadores ARREPENDIDOS. Há uma vasta diferença entre o pecador que se arrepende e aquele que se recusa a se arrepender. AMBOS são pecadores, porém somente um está lavado no sangue do Cordeiro.

Se você não puder ver essa distinção, então está perdendo um aspecto tremendamente importante da missão de Cristo aqui na Terra. A igreja dá as boas-vindas aos pecadores ARREPENDIDOS, porém não pode abrir suas portas para alguém que se recusa a se arrepender.

O Apóstolo Paulo em Corinto

O próprio Paulo se dirigiu aos cristãos em Corinto, que anteriormente tinham se envolvido no comportamento homossexual antes de virem a Cristo:

"Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus." [1 Coríntios 6:9-11].

O apóstolo Paulo confirma nesta passagem que o comportamento homossexual é eletivo e que os cristãos em Corinto que verdadeiramente se arrependeram estavam libertos de seu controle destrutivo.

A epístola de Judas foi, provavelmente, escrita após a queda de Jerusalém, em 70 DC, algumas décadas após Paulo ter escrito à igreja em Corinto. Judas observa que a igreja à qual ele estava se dirigindo tinha caído na "concupiscência" (em que o comportamento da pessoa é dirigido em grande parte pelos pensamentos a respeito do sexo). Ele se refere aos homens de Sodoma e Gomorra, que tinham se entregue á "fornicação" e "ido após carne estranha". Essas pessoas "contaminam a carne" e "desprezam a autoridade" — isto é, eles se recusam profundamente a serem corrigidos. Isto soa familiar a você? Em seguida, ele diz que esse tipo de comportamento seria generalizado no fim dos tempos. Em resumo, Judas estava condenando os cristãos apóstatas na região, que tinham retornado às suas antigas práticas homossexuais:

"Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo... Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno. E, contudo, também estes, semelhantemente adormecidos, contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades... Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que vos foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo; os quais vos diziam que nos últimos tempos haveria escarnecedores que andariam segundo as suas ímpias concupiscências." [Judas 4,7,8,17-18].

O pecado homossexual era uma tentação constante para muitos na igreja primitiva, mas não era tolerado de forma alguma pelos cristãos verdadeiros. Sabemos disto, não somente a partir dos versos que acabamos de considerar, mas também a partir de um importante incidente que Paulo relata em sua primeira epístola aos Coríntios:

"Geralmente se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem possua a mulher de seu pai. Estais ensoberbecidos, e nem ao menos vos entristecestes por não ter sido dentre vós tirado quem cometeu tal ação. Eu, na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já determinei, como se estivesse presente, que o que tal ato praticou, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo, seja, este tal, entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus." [1 Coríntios 5:1-5].

Qual foi o pecado daquele rapaz? Ele estava envolvido em um relacionamento sexual com uma mulher que tinha anteriormente sido casada com o pai dele. Dado o contexto, podemos assumir o pai do rapaz era um homem viúvo que tinha se casado pela segunda vez com uma mulher muito mais jovem. Depois que esse homem morreu, o filho dele iniciou um relacionamento com aquela mulher. Eles podiam estar profundamente apaixonados e totalmente comprometidos um com o outro, porém estavam vivendo em pecado.

Lidando com Pecados Sérios na Igreja

A Lei de Moisés tornava perfeitamente claro que um homem nunca poderia dormir com uma mulher que estivesse em um relacionamento sexual com seu pai. Isto era considerado até pelos gentios daquele tempo como um ato não-natural. Por que, então, esse tipo de conduta era tolerada pela igreja em Corinto? Paulo ordenou que aquele rapaz fosse imediatamente colocado para fora da igreja. Ao fazer isso, eles o estavam "entregando a Satanás" — o príncipe deste mundo. Isso exporia o rapaz às plenas implicações de seu pecado. Possivelmente, ao ser confrontado pelos efeitos destrutivos, ele poderia reconhecer seu pecado e se arrepender.

Paulo amava aquele rapaz. Ele queria vê-lo "salvo no dia do Senhor Jesus". Se isso significasse colocá-lo para fora da igreja, então que assim fosse. Ele também ficou profundamente preocupado com o dano que seria causado se a igreja de Corinto permitisse que aquele tipo de pecado continuasse.

É importante observar que o pecado não envolvia sodomia. O rapaz estava em um relacionamento com uma mulher, não com um homem, e estava envolvido em uma atividade sexual normal. Apesar disso, seu pecado era excessivamente prejudicial, tanto para si mesmo quanto para a igreja em Corinto.

Como Paulo teria lidado com um caso que envolvesse um membro da igreja em Corinto que estivesse sabidamente em um relacionamento homossexual? Ele teria tomado uma ação menos severa? É claro que não. Ele teria agido de forma tão rápida e decisiva. A pessoa teria sido colocada para fora da igreja até que decidisse se arrepender. Em resumo, ela também seria "entregue a Satanás".

Os cristãos professos hoje estão tão fortemente doutrinados pela cultura moderna que a vasta maioria deles não consegue compreender por que Paulo agiu daquela forma. Eles não podem ver que pecado é pecado e que não pode ser ignorado.

Os Cristãos Somente Julgam os Cristãos

Esta é uma questão somente para membros da igreja. Ela não se aplica a ninguém mais fora da igreja. Naquele tempo havia centenas,talvez até milhares de homossexuais e fornicadores em Corinto. Entretanto, Paulo não tinha "jurisdição" em relação a qualquer um deles, além daqueles que tinham professado a Cristo e se tornado membros da igreja. Ele deixou isto muito claro quando disse:

"Porque, que tenho eu em julgar também os que estão de fora? Não julgais vós os que estão dentro? Mas Deus julga os que estão de fora. Tirai pois dentre vós a esse iníquo." [1 Coríntios 5:12-13].

Deus julga todos que estão fora da igreja. Não é papel dos cristãos fazer isto. Paulo não teria distribuído folhetos "anti-homossexuais" em uma Marcha do Orgulho Gay. Ao revés, ele fazia exatamente como Cristo instruiu cada um de nós a fazer — ele compartilhava o Evangelho. Se, ao fazermos isso, formos questionados sobre o "estilo de vida" homossexual, então, naturalmente, explicamos a posição bíblica.

Tendo dito isto, os cristãos têm o direito legítimo de expressar suas preocupações a respeito das implicações de saúde para a sociedade do estilo de vida homossexual, as medidas tomadas pelos homossexuais para induzir os jovens a uma vida de sodomia e a campanha de ódio que os homossexuais radicais fazem contra qualquer um, especialmente os cristãos, que expressam preocupações de algum tipo a respeito do comportamento homossexual.

Jesus Condenou a Homossexualidade

Alguns podem argumentar que Cristo não teria agiado com a mesma severidade que Paulo, mas eles estão grandemente enganados. Ele ficou furioso com a arrogância e hipocrisia daqueles que vendiam produtos no Templo e até fez um azorrague com cordas para chicoteá-los. Ele derrubou as mesas e os repreendeu em termos bem claros. Quando Pedro inocentemente sugeriu que Cristo não encontrasse uma morte brutal m Jerusalém, Ele se voltou e publicamente o repreendou com as palavras "Para trás de mim, Satanás!"

Cristo odiava a hipocrisia, mentiras e impiedade. Suas repreensões públicas e frequentes aos fariseus são provavelmente as mais severas desse tipo em toda a Escritura. O orgulho dos fariseus não é diferente do orgulho dos homossexuais, que insistem que são justos — exatamente como os fariseus — e desprezam contra qualquer um que se atreva a questioná-los — exatamente como os fariseus.

O maior de todos os pecados é o da soberba. Satanás estava repleto desse veneno e se esforça desde tempos imemoriais para derramar seu gênio ruim e destruidor de almas nos corações de todos aqueles que se deixam seduzir por ele.

O profeta Ezequiel conectou a mesma soberba com os eventos em Sodoma:

"Eis que esta foi a iniquidade de Sodoma, tua irmã: Soberba, fartura de pão, e abundância de ociosidade teve ela e suas filhas; mas nunca fortaleceu a mão do pobre e do necessitado." [Ezequiel 16:49].

É maravillha que o lóbi homossexual faça uso frequente da palavra ORGULHO para marcar suas exibições publicas e vistosas de rebelião sexual?

O apóstolo Paulo estava bastante ciente das consequências fatais de tudo isto para o indivíduo:

"Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus." [2 Coríntios 4:3-4].

O Livro do Apocalipse

É significativo que Cristo tenha tratado a questão da sodomia após ter completado sua jornada terreal:

"Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro. Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas. Mas, ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã." [Apocalipse 22:13-16].

Nesta passagem, a expressão "os que se prostituem" refere-se a todos aqueles que exploram os outros sexualmente. Isso inclui também os homossexuais. Mas, a passagem também inclui uma referência direta aos homossexuais por meio do uso da palavra "cães". Os eruditos cristãos do passado estavam relutantes em falar sobre o significado da palavra "cães" nessa passagem, pois ela descreve algo obsceno e totalmente inadequado aos ouvidos das mulheres e crianças. Como resultado, o significado real da palavra foi perdido em muitos leitores modernos.

A palavra "cães" neste contexto tem o mesmo significado que tem em Deuteronômio 23:18:

"Não trarás o salário da prostituta nem preço de um sodomita à casa do SENHOR teu Deus por qualquer voto; porque ambos são igualmente abominação ao SENHOR teu Deus."

"Seja qual for o voto que tiveres feito, não levarás à casa do Senhor, teu Deus, o ganho de uma prostituta nem o salário de um cão; porque uma e outra coisa são abominadas pelo Senhor, teu Deus." [Versão Católica].

Um "cão" é um sodomita em um templo pagão, o participante passivo no ato sexual anal. A Palavra de Deus está dizendo que o dinheiro que esse indivíduo recebe é uma "abominação" ao Senhor, o que significa que o ato em si precisa ser mais repugnante do que a palavra "abominação" pode transmitir. Como o erudito Gesenius diz, a palavra "cão" é usada para indicar um prostituto masculino, pois esse comportamento é tão degradante que nivelaria o indivíduo a um cão.

Muitos prostitutos masculinos nos templos eram emasculados. O sexo ritual em um contexto religioso era comum na antiguidade. Isto fazia algo obsceno parecer socialmente aceitável. Um homem que permitisse ser sodomizado por outros homens seria normalmente vilificado e ocuparia uma posição mais baixa na escala social que uma mulher prostituta. Entretanto, se os serviços dele fossem prestados em um contexto religioso, ele poderia ser visto como um agente ou procurador (representante) na cópula do fiel pagão com a deusa. O sodomita era considerado possesso pela deusa e poderia, destarte, atuar como um conduíte do poder sobrenatural da deusa para qualquer um que tivesse uma relação sexual anal com ele.

Isto é Satanás agindo de forma mais sagaz possível. Um homem possesso por demônios usa o sexo para seduzir outro homem e colocá-lo sob o poder das trevas. É bastante possível que alguns dos participantes ativos nesse ato grotesco recebessem uma "vibração" sobrenatural, de forma muito parecida que um viciado em drogas ao fazer uma "viagem". O encontro sobrenaturalmente carregado fixava um desejo indelével em sua mente que o atraía de novo, repetidas vezes, para satisfazer sua lascívia e, se possível, sentir a mesma "vibração" recebida em sua visita inicial.

Conclusão

Podemos ver uma grande similaridade em tudo isto entre o vício que muitos homossexuais têm para se envolver em sexo anônimo com estranhos e indivíduos cujas vidas foram arruinadas por causa do vício no álcool ou em drogas. Uma forma de opressão demoníaca é comum em todos eles.

No capítulo 22 do livro do Apocalipse o próprio Jesus declarou que os que se prostituem e os sodomitas — homossexuais não arrependidos — não entrarão em Seu reino. Eles são colocados nos mesmo nível que os homicidas e idólatras.

Isto não é algo que os cristãos — todos pecadores — decidem. Isto é algo que o próprio Deus decidiu. Nós somente podemos advertir.

Como cristãos, amamos todos que foram criados à imagem e semelhança de Deus. Ninguém está excluído. Entristece realmente todos os que são nascidos de novo ver a dor e angústia daqueles que estão presos nas muitas enganações de Satanás, incluindo a homossexualidade. A maioria dos homossexuais sofre terrivelmente com sua condição — a solidão pode ser de partir o coração. Esta é uma razão adicional por que, como cristãos, não validamos a condição deles, mas apresentamos (da melhor forma que podemos), em um modo amoroso e compreensivo, a posição bíblica. Satanás quer convencer todos que estão em seu poder que não há um modo de sair, que isto é o que eles "realmente são" e que o mais cedo que eles se submeterem aos seus desejos, mais cedo encontrarão paz interior e contentamento. Mas, eles estão sendo iludidos pelo Grande Enganador.

É nossa tarefa e privilégio como cristãos declarar a Palavra de Deus e compartilhar a paz e alegria do Evangelho com todos os perdidos. Não importa POR QUE eles estão perdidos. Não podemos convencer ninguém de seus pecados. Este é um local ao qual o indivíduo precisa chegar por si mesmo, por meio do poder de convencimento do Espírito Santo.

Muitos nos odiarão por compartilharmos o Evangelho. Alguns o receberão e outros não. Mas, muitos daqueles que rejeitam não estarão satisfeitos em deixar a questão ali. Em disso, eles usarão o ensino bíblico a respeito da homossexualidade como uma desculpa para verbalmente atacar o evangelista: "Basta ao discípulo ser como seu mestre, e ao servo como seu senhor. Se chamaram Belzebu ao pai de família, quanto mais aos seus domésticos?" [Mateus 10:25].

O espírito da sodomia é o espírito de rebelião contra Deus. Uma vez que esse espírito for despertado,ele pode incendiar com uma fúria que deixará a pessoa mediana chocada.

Afirmamos nosso direito como cristãos de pregar o Evangelho sem restrições. Os arquiteteos da Nova Ordem Mundial estão usando o movimento homossexual — e a profunda infelicidade que arruina as vidas de tantos de seus membros — para atacar o Cristianismo, suprimir o Evangelho e fechar nossas igrejas. A não ser que os cristãos se posicionem firmemente na Palavra de Deus e reconheçam a malignidade da sodomia por aquilo que ela é, eles cairão sob as rodas do grande rolo compressor satânico — a Nova Ordem Mundial e sua vil agenda do Anticristo.



Apêndice A

A Conotação Sexual da Palavra Hebraica H6711

A palavra hebraica tsâchaq tem, em certos contextos, uma clara conotação sexual, que não é captada na definição de Strong da palavra [H6711]:

Definição de Strong — H6711: tsâchaq, tsaw-khak'; uma raiz primitiva; rir muito (em diversão ou zombaria); por implicação, fazer graça: — rir, zombar, brincar, divertir-se.

Nas quatro passagens seguintes, a palavra significa envolver-se em jogo sexual (como nos dois primeiros casos) ou abusar sexualmente de alguém (a acusação que a mulher de Potifar apresentou contra José).

"... Abimeleque, rei dos filisteus, olhou por uma janela, e viu, e eis que Isaque estava brincando [H6711] com Rebeca sua mulher." [Gênesis 26:8].

"Chamou aos homens de sua casa, e falou-lhes, dizendo: Vede, meu marido trouxe-nos um homem hebreu para escarnecer [H6711] de nós; veio a mim para deitar-se comigo, e eu gritei com grande voz." [Gênesis 39:14].

"Então falou-lhe conforme as mesmas palavras, dizendo: Veio a mim o servo hebreu, que nos trouxeste, para escarnecer [H6711] de mim". [Gênesis 39:17].

"E no dia seguinte madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se a comer e a beber; depois levantou-se a folgar [H6711]." [Êxodo 32:6].

Como Sara ficou extremamente brava com Agar por causa do comportamento do filho dela, Ismael, a palavra "zombava" também tinha uma conotação sexual naquela ocasião:

"E viu Sara que o filho de Agar, a egípcia, o qual tinha dado a Abraão, zombava [H6711]." [Gênesis 21:9].

Noé, Cão e Canaã

Muitos comentaristas bíblicos interpretam que Gênesis 9:22-25 significa que Noé, quando estava embriagado, sofreu abuso sexual por parte de seu filho Cão, mas eles estão enganados:

"E viu Cão, o pai de Canaã, a nudez do seu pai, e fê-lo saber a ambos seus irmãos no lado de fora. Então tomaram Sem e Jafé uma capa, e puseram-na sobre ambos os seus ombros, e indo virados para trás, cobriram a nudez do seu pai, e os seus rostos estavam virados, de maneira que não viram a nudez do seu pai. E despertou Noé do seu vinho, e soube o que seu filho menor lhe fizera. E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos."

O filho menor nesta passagem é o filho de Cão, Canaã. Foi Cão quem viu a cena e chamou seus dois irmãos, Sem e Jafé, para cobrirem seu pai. A maldição de Noé foi dirigida, não a Cão, mas ao culpado, Canaã.

O termo "filho" é frequentemente usado na Bíblia para se referir a um neto, ou até, ocasionalmente, a um descendente posterior. Canaã, neto de Noé, era o filho de Noé nesse sentido. Veja, por exemplo, Gênesis 29:5, que diz: "E ele lhes disse: Conheceis a Labão, filho de Naor?", embora o pai de Labão fosse Betuel, não Naor.

Este é o primeiro de vários exemplos na Bíblia de pecado homossexual. A regra de interpretação bíblica conhecida como "Lei da Primeira Ocorrência" enfatiza a grande malignidade desse pecado (junto com o pecado do incesto). Como consequência de sua obra má, Canaã ficou sob uma maldição, um julgamento solene que todos seus descendentes tiveram de suportar.

Em todo este episódio tenebroso a Palavra de Deus nos faz uma solene advertência da malignidade que está profundamente implantada na natureza humana caída. As terríveis consequências para a humanidade se a perversão sexual fincar raízes também são apresentadas. Recebemos provas disso quando o território ocupado pelos cananeus tornou-se repleto com perversões sexuais de todos os tipos, até o ponto em que Deus ordenou que os israelitas destruíssem completamente os povos cananeus. ("Porque todas estas abominações fizeram os homens desta terra, que nela estavam antes de vós; e a terra foi contaminada." [Levítico 18:27]). Infelizmente, os israelitas deixaram de cumprir essa tarefa e pagaram um preço muito alto por sua desobediência.

Solicitação Especial

Incentivamos os leitores frequentes a baixarem os ensaios disponíveis neste website para cópia de segurança e consulta futura. Eles poderão não estar disponíveis para sempre. Estamos entrando rapidamente em um tempo em que materiais deste tipo somente poderão ser obtidos via correio eletrônico. Os leitores que desejarem ser incluídos em uma lista para correspondência futura são bem-vindos a me contactar em jeremypauljames@gmail.com. Não é necessário fornecer o nome, apenas um endereço eletrônico.



Autor: Jeremy James, artigo em http://www.zephaniah.eu
Data da publicação: 27/8/2018
Transferido para a área pública em 3/5/2020
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/homo-1.asp