A Música Cristã Contemporânea, Hillsong e o Ataque Organizado à Verdadeira Adoração Cristã

Autor: Jeremy James, 4/8/2016.

Os lobos nunca estiveram tão bem treinados e nunca foram tão habilidosos quanto são hoje. Como cristãos, frequentemente nos esquecemos disso, preferindo, ao contrário, imaginar um futuro brilhante e melhor em que mais e mais pessoas "aceitam" Jesus. Os lobos modernos passaram por uma grande cirurgia plástica para esconder seus dentes afiados, ao mesmo tempo que suas garras estão também sob disfarce, pintadas com esmalte. Eles são grandes atores, cujas habilidades foram refinadas até o ponto em que, em muitos casos, é virtualmente impossível — sem inspeção cuidadosa — distinguir o pastor verdadeiro de um impostor.

A Bíblia também nos adverte a respeito dos mercenários, o pastor que serve somente por obrigação e que não tem amor real pelo rebanho. A função do pastor é guardar o rebanho e soar um aviso se vir o lobo se aproximar. Mas, se ele for míope, não verá o lobo e, se não reconhecer os tipos de disfarce que os lobos usam, certamente não emitirá alarme algum. Isaías os descreveu como segue:

"Todos os seus atalaias são cegos, nada sabem; todos são cães mudos, não podem ladrar; andam adormecidos, estão deitados, e gostam do sono. E estes cães são gulosos, não se podem fartar; e eles são pastores que nada compreendem; todos eles se tornam para o seu caminho, cada um para a sua ganância, cada um por sua parte. Vinde, dizem, trarei vinho, e beberemos bebida forte; e o dia de amanhã será como este, e ainda muito mais abundante." [Isaías 56:10-12].

Quantos pastores hoje são pastores de ovelhas no verdadeiro sentido bíblico?

A Palavra de Deus aponta repetidas vezes para aquilo que é, provavelmente, o papel mais importante do pastor: discernir e erradicar os falsos ensinos. Ele é, acima de tudo, um homem que se posiciona na muralha e observa continuamente qualquer coisa que possa prejudicar o rebanho. Ele também precisa promover a saúde espiritual de sua congregação, garantindo que a Palavra de Deus seja mantida constantemente diante dela e que o louvor e a adoração da congregação sejam biblicamente sólidos.

Infelizmente, temos diante de nós hoje um programa de longo prazo para solapar e destruir a igreja — um programa que procura injetar falsos ensinos e corromper a verdadeira adoração cristã. Todavia, somente alguns poucos pastores estão soando o alarme! Além disso, os poucos falam estão sendo rejeitados como criadores de problemas (ou algo pior) pela maioria complacente. O programa de longo prazo inclui a Música Cristã Contemporânea (MCC).

Já examinamos a natureza da MCC em um ensaio anterior, intitulado "Como a Música Cristão Contemporânea Solapa e Destrói a Verdadeira Adoração Cristã". Agora, nosso propósito é olhar mais de perto as falhas que permitiram que esse flagelo invadisse as igrejas e infligisse enormes estragos espirituais, apesar da supervisão de pastores bíblicos.

A Pergunta Que Parece Que os Pastores Nunca Fazem

Precisamos fazer uma pergunta muito básica, uma pergunta que, aparentemente, poucos pastores fazem: Que tipo de música é agradável a Deus? A resposta é muito simples, especialmente para qualquer um que tenha estudado o livro de Levítico: A música que agrada a Deus é aquela que fala ao Pai sobre Seu Filho.

A música cristã de adoração precisa exaltar nosso Salvador e tudo o que Ele fez. Quando adoramos ao Pai, precisamos adorar e exaltar Seu Filho. Não há outro modo de nos aproximarmos do Pai Celestial.

Então, por que as canções da MCC não fazem isto? Por que elas enfatizam tanto o indivíduo e seus sentimentos e emoções? A verdadeira adoração não tem nada que ver com o modo como nos sentimos; tampouco está preocupada com nossas vidas insignificantes ou com qualquer objetivo ou ambição que possamos ter.

Isto pode surpreender qualquer um que esteja imerso na MCC, pois as pessoas são ensinadas a acreditar que a adoração deve "fazer" alguma coisa por elas. No mínimo, elas esperam se sentir melhores, seja durante ou após o serviço religioso. Mas, essa expectativa não é diferente daquela de um trabalhador que vem requerer seu pagamento.

A verdadeira adoração cristã é diferente de qualquer outra atividade humana. Ela não é encontrada em qualquer outro lugar na Terra e não tem paralelo nas religiões pagãs. Somente um cristão nascido de novo pode saber o que significa participar na verdadeira adoração. É por isto que os estilos e modos da música secular não têm papel algum na decisão do conteúdo ou expressão da adoração cristã.

Hostilidade ao Cristianismo

Vivemos em uma civilização que é hostil ao Cristianismo. A música atual ressoa com essa hostilidade e carrega com ela a mesma confusão e trevas que estão presentes nos corações dos homens não-regenerados. A MCC ignora essa verdade fundamental. Ela tenta, ao revés, tratar a música cristã de adoração como um gênero em seu próprio direito e fazê-lo parecer "legítimo" diante de um mundo descrente. Mas, a música de adoração cristã não é um gênero! Ela não tem absolutamente nada que ver com o mundo ou com os padrões do mundo. Ela nem mesmo é música do modo como o mundo define música.

Os cristãos estão grandemente enganados quando macaqueiam os modos da civilização moderna e tentam usar música para adorar a Deus do mesmo modo como os homens caídos usam a música para honrar e adorar seus ídolos.

"Este É Meu Filho Amado..."

Precisamos ter uma compreensão clara daquilo que Deus ouve quando ouve a verdadeira adoração cristã. Em nosso estudo a respeito do Tabernáculo (publicado em janeiro de 2016), observamos o extraordinário amor que o Pai tem pelo Filho e do Filho em relação ao Pai:

É esse incrível amor que nos trouxe à existência, para início de conversa — pois o Pai deu os santos ao Seu Filho antes da fundação do mundo — mas é também o mesmo amor que nos redimiu completamente da corrupção e da morte.

É por este motivo que quando oramos ao nosso Pai Celestial, sempre precisamos fazer isso em nome de Seu Filho Jesus. Lembre-se que é com Seu Filho que Ele "se compraz". A tradução tradicional de Mateus 3:17 e 17:5 — "Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo" — não revela plenamente o fato que a palavra grega no original — eudokeo — tem a conotação não apenas de grande satisfação, mas de prazer real. O Pai ficou tanto grandemente safisfeito com a obra de Seu Filho quanto se deleitou grandemente com ela.

Não há coisa alguma que possamos fazer para dar prazer de algum tipo a Deus. Nós mesmos não podemos agradá-lo. Mas, quando nos achegamos a Ele em nome de Seu Filho, tudo se transforma. Como fomos criados à imagem e semelhança de Deus, podemos refletir a glória de Cristo em nossas orações e em nossa adoração. E isto é o que nosso Pai Celestial vê e ouve quando fazemos isso!

O autor cristão H. A. Ironside cristalizou tudo isto quando disse: "É de inestimável valor para a alma meditar a respeito da estima de Deus por Seu Filho" (The Levitical Offerings). Ele também observou que não há nada que um homem possa levar a Deus que lhe dê alegria, a não ser que aquilo fale de algum modo de Seu Filho bendito e de Sua obra no Calvário. Temos comunhão com Deus somente quando nossa alma entra em Seus pensamentos a respeito de Jesus, nosso Salvador.

A MCC está baseada em uma premissa totalmente diferente. O indivíduo e suas experiências — não Cristo e Sua obra — fornecem a plataforma principal para a MCC. Naturalmente, existem exceções a isto, mas no geral, a MCC está preocupada principalmente com o indivíduo.

Isto, por sua vez, esconde um problema muito mais profundo com a MCC, um problema que os pastores e os leigos parecem nem reconhecer. Com algumas poucas possíveis exceções, as canções da MCC são propriedade privada. Elas não são compostas pura e simplesmente para honrar e adorar o Senhor. Os compositores retêm a propriedade pela sua criação, exatamente como qualquer outro produto comercial, e têm o direito de receber direitos autorais do uso futuro de suas composições. Em resumo, algo que deveria ser santo — reservado exclusivamente para Deus — está sendo explorado e usado para outro propósito.

Adoração Ilegítima

Por meio dessa sagaz exploração da MCC, o Maligno conseguiu propagar uma forma falsificada de adoração cristã por todo o mundo. Muitos cristãos parecem ter se esquecido que uma canção que foi composta, pelo menos em parte, para fazer avançar as ambições pessoais daquele que a compôs não é aceitável diante do Senhor. Independente de quão agradável ela possa ser aos ouvidos de muitos, ela não é uma oferta pura e voluntária a Deus!

Por que tantos cristãos deixam de ver isto? Há uma estranha cegueira na igreja hoje, em que os pastores estão confundindo o que corretamente pertence a Deus com aquilo que, na verdade, pertence ao homem. Esse tipo de oferta contaminada não é bíblica.

Os sacerdotes no tempo de Malaquias pensavam que podiam fazer o mesmo. Eles não viam mal algum em oferecer sacrifícios imperfeitos ao Senhor:

"Porque, quando ofereceis animal cego para o sacrifício, isso não é mau? E quando ofereceis o coxo ou enfermo, isso não é mau? Ora apresenta-o ao teu governador; porventura terá ele agrado em ti? ou aceitará ele a tua pessoa? diz o SENHOR dos Exércitos." [Malaquias 1:8].

Era mais lucrativo oferecer animais defeituosos do que saudáveis.

Compreendendo o Sacrifício a Partir do Ponto de Vista de Deus

Nesta Época da Graça, a igreja se esqueceu da importância do sacrifício. O sacrifício que Deus quer é o sacrifício de louvor:

"Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome." [Hebreus 13:15].

A mesma ênfase pode ser encontrada no Velho Testamento:

"A voz de gozo, e a voz de alegria, a voz do esposo e a voz da esposa, e a voz dos que dizem: Louvai ao SENHOR dos Exércitos, porque bom é o SENHOR, porque a sua benignidade dura para sempre; dos que trazem ofertas de ação de graças à casa do SENHOR; pois farei voltar os cativos da terra como ao princípio, diz o SENHOR." [Jeremias 33:11].

O Senhor espera nosso melhor — ofertas puras de um coração puro. Portanto, por que vamos até Ele com as produções da MCC? Por que dependemos de uma indústria para fabricar — por um preço — as palavras e melodias que usamos para expressar nosso amor a Deus? Isto é simplesmente insano. Pior ainda, é blasfemo.

Se estiver em dúvida, continue a leitura.

Gideão

A Bíblia nos dá dois exemplos extraordinários, ambos no livro dos Juízes, que destacam a importância que o Senhor associa com a adoração humana.

No primeiro, o anjo do Senhor apareceu a Gideão. Como muitos comentaristas já observaram, o anjo do Senhor é Cristo em sua forma pré-encarnada. O Messias assegurou a Gideão que ele livraria Israel das mãos dos midianitas. Neste ponto, Gideão fez um pedido incomum:

"E o SENHOR lhe disse: Porquanto eu hei de ser contigo, tu ferirás aos midianitas como se fossem um só homem. E ele disse: Se agora tenho achado graça aos teus olhos, dá-me um sinal de que és tu que falas comigo. Rogo-te que daqui não te apartes, até que eu volte e traga o meu presente, e o ponha perante ti. E disse: Eu esperarei até que voltes." [Juízes 6:17-18].

Vamos fazer uma pausa aqui por um momento. Um homem caído acaba de pedir à Segunda Pessoa da Santa Trindade para ficar onde estava até que ele volte com seu "presente", ou oferta! E como o Cristo pré-encarnado respondeu? —

"Eu esperarei até que voltes."

Como o comentarista John Gill observou, este foi um "exemplo maravilhoso de condescendência divina".

Gideão então foi e preparou um cabrito cozido, bem como pães sem fermento de um efa de farinha. O tempo para preparar tudo isto deve ter sido de pelo menos duas horas. Durante todo esse tempo, o Senhor graciosamente aguardou.

A Palavra de Deus então descreve o que aconteceu quando Gideão finalmente retornou:

"Porém o anjo de Deus lhe disse: Toma a carne e os pães ázimos, e põe-nos sobre esta penha e derrama-lhe o caldo. E assim fez. E o anjo do SENHOR estendeu a ponta do cajado, que estava na sua mão, e tocou a carne e os pães ázimos; então subiu o fogo da penha, e consumiu a carne e os pães ázimos; e o anjo do SENHOR desapareceu de seus olhos." [Juízes 6:20-21].

Que cena realmente impressionante! O anjo do Senhor, o Cristo pré-encarnado, apontou para a rocha — que simbolizava Ele mesmo — e aceitou a oferta apresentada por Gideão segundo o padrão da Lei Mosaica. Além disso, Ele fez isto de uma forma milagrosa, enviando ele mesmo o fogo. Gideão esperava que a rocha servisse como uma mesa para seu hóspede comer. Em vez disso, a rocha foi transformada pelo próprio Deus em um altar de sacrifício.

Gideão não tinha certeza, quando o anjo lhe apareceu inicialmente, se era um homem ou não. Ele sabia que a pessoa que falava com ele poderia possivelmente ter vindo da parte de Deus. É por isto que ele pediu um tipo de confirmação ("dá-me um sinal"). Quando foi preparar uma refeição para seu visitante inesperado, ele se certificou de atender o padrão de uma oferta sacrificial aceitável a Deus.

Poderíamos falar muito sobre este episódio, mas existem dois princípios espirituais profundos que precisamos considerar. Primeiro, o empobrecido Gideão não hesitou em dar o melhor que possuía. Segundo, o Senhor graciosamente concordou em aguardar enquanto Gideão preparava sua oferta. Josué pediu que o sol e a lua se detivessem enquanto ele executava sua missão, mas Gideão foi ainda mais longe e pediu que o Senhor aguardasse. Se os milagres celestiais no livro de Josué falam do comprometimento do Senhor com o justo remanescente de Israel, então Sua graciosa resposta ao pedido de Gideão é uma surpreendente declaração de Sua satisfação com a adoração humana — desde que esta satisfaça Seus santos padrões.

O cabrito oferecido por Gideão não era coxo nem cego e os pães foram assados sem fermento. Podemos ter certeza disso porque o próprio Deus enviou o fogo que consumiu a oferta.

Manoá

Encontramos um episódio similar na vida dos pais de Sansã:

"E Deus ouviu a voz de Manoá; e o anjo de Deus veio outra vez à mulher, e ela estava no campo, porém não estava com ela seu marido Manoá. Apressou-se, pois, a mulher, e correu, e noticiou-o a seu marido, e disse-lhe: Eis que aquele homem que veio a mim o outro dia me apareceu." [Juízes 13:9-10].

A mulher de Manoá correu apressadamente do anjo do Senhor para encontrar seu marido. Ao sair, ela provavelmente disse algo assim: "Por favor, espere um momento e trarei aqui meu marido". A Palavra de Deus registra o seguinte diálogo quando o casal retornou:

"Então Manoá disse ao anjo do SENHOR: Ora deixa que te detenhamos, e te preparemos um cabrito. Porém o anjo do SENHOR disse a Manoá: Ainda que me detenhas, não comerei de teu pão; e se fizeres holocausto o oferecerás ao SENHOR. Porque não sabia Manoá que era o anjo do Senhor." [Juízes 13:15-16].

Como podemos ver, o anjo do Senhor — o Cristo pré-encarnado — estava novamente disposto a aguardar enquanto a humanidade caída preparava uma humilde oferta "ao Senhor". Novamente, vemos como a oferta foi recebida graciosamente:

"Então Manoá tomou um cabrito e uma oferta de alimentos, e os ofereceu sobre uma penha ao SENHOR: e houve-se o anjo maravilhosamente, observando-o Manoá e sua mulher. E sucedeu que, subindo a chama do altar para o céu, o anjo do SENHOR subiu na chama do altar; o que vendo Manoá e sua mulher, caíram em terra sobre seus rostos. E nunca mais apareceu o anjo do SENHOR a Manoá, nem a sua mulher; então compreendeu Manoá que era o anjo do SENHOR." [Juízes 13:19-20].

Os cristãos professos hoje obtiveram sua compreensão de "adoração" de fontes externas à Bíblia, ou misturaram a visão bíblica com a opinião e prática humanas. Poucos parecem tomar a Bíblia como seu ponto de partida e menos ainda estão dispostos a estudar e aplicar o padrão bíblico a todos os aspectos da adoração. Os episódios do livro de Juízes mostram que o homem precisa vir diante do Senhor usando somente o caminho que o próprio Deus já indicou. Se fizer isso, então o Senhor terá grande prazer na oferta, mas se, como Caim, o homem seguir uma rota diferente, então o Senhor não o ouvirá.

Cristo disse: "Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom." [Mateus 6:24; veja também Lucas 16:13].

CCLI

Como uma oferta a Deus, a MCC é coxa e cega. Suas canções foram escritas em parte para propósitos comerciais. Para cantá-las legalmente, é necessário obter uma licença, ou aprovação de direitos autorais. Nos EUA, uma organização especial, a CCLI (Christian Copyright Licensing International), foi criada para gerenciar esse processo. Incrivelmente, ela controla a "reprodução" de mais de 300.000 canções de adoração e representa mais de 3.000 editores e autores.

Mais de 160.000 igrejas em toda a América do Norte estão registradas com a CCLI. De acordo com a página da organização na Internet, "Um direito autoral é um direito exclusivo dado a um autor ou a uma obra original criada. Ele é um bem, um ativo legal, protegido pela lei. Incluído nos direitos exclusivos dados a um detentor de direitos autorais está o direito de copiar a obra em qualquer forma, incluindo digital, impressa e gravações." Se um pequeno ministério, tendo menos de 100 frequentadores regulares, quiser cantar qualquer uma das 300.000 canções de adoração cobertas pela CCLI, é necessário pagar US$ 124 anuais pelo privilégio.

Estas canções não são ofertas voluntárias a Deus, mas claros produtos comerciais. Embora o custo para cantar essas canções seja relativamente modesto, mesmo assim isto as desqualifica para serem usadas para a adoração cristã, de acordo com os padrões bíblicos.

Cristo ocasionalmente expressou ira diante da hipocrisia e venalidade dos fariseus, mas nada se igualou às ocasiões quando Ele derrubou as mesas dos cambistas no Templo. Ele chegou até a fazer um azorrague com pequenas cordas para usá-lo contra os infratores.

"E os ensinava, dizendo: Não está escrito: A minha casa será chamada, por todas as nações, casa de oração? Mas vós a tendes feito covil de ladrões." [Marcos 11:17].

NÃO PODEMOS misturar Mamom com adoração. Isto deveria ser óbvio, porém Satanás conseguiu enganar 160.000 igrejas em toda a América do Norte a fazer exatamente isto.

O Evangelho de João registra um detalhe adicional:

"E disse aos que vendiam pombos: Tirai daqui estes, e não façais da casa de meu Pai casa de venda." [João 2:16].

As igrejas que estão pagando uma taxa de licença pelo direito de adorar estão ofendendo o Senhor. Eles tornaram a casa do nosso Pai em uma casa comercial. Elas deveriam parar de fazer isso e usar somente canções que estejam no domínio público ou, se cobertas pelos direitos autorais, canções que permitem o uso universal irrestrito. (Os direitos autorais em si mesmos são biblicamente corretos, pois protegem uma obra de modificações ou da apropriação por terceiros.)

Nossas ofertas ao Senhor devem ser sem divisão, devem ser integrais e inteiras. Elas não devem ser oferecidas em parte ao Senhor e em parte ao príncipe deste mundo.

Por que os cristãos não veem isto? Que cegueira terrível aflige agora a igreja professa! É trágico observar que a maioria das congregações está contente, não somente em adorar com canções que são frequentemente rasas, irreverentes, ecumênicas e doutrinariamente confusas mas que, além disso, são legalmente a propriedade de uma indústria comercial e com fins lucrativos.

Bons Hinos

Poucos cristãos parecem saber como é participar na adoração e louvor verdadeiramente bíblicos. A maioria está familiarizada somente com os tipos de canções produzidos de acordo com o formato de Hillsong, o ministério australiano cujo arquivo de canções tornou-se furtivamente o mais usado em muitas igrejas ocidentais.

Em seu livro The Christian Leaders of England in the Eighteenth Century (Os Líderes Cristãos da Inglaterra no Século 18), J. C. Ryle fez a seguinte observação sobre a importância e caráter dos bons hinos:

"Bons hinos são uma bênção imensa à igreja de Cristo. Acredito que o último dia somente mostrará o mundo a quantidade real de bem que eles fizeram. Eles se adequam a todos, tanto ricos e pobres. Há um efeito de enlevo, despertamento e tranquilização espiritual com um bom hino, que nada mais pode produzir. Ele permanece na memória das pessoas quando os textos são esquecidos..."

Ele também disse que um hino verdadeiramente bom consegue combinar "verdade, poesia, vida, fervor, fogo, profundidade, solenidade e unção..."

Nos dias de Ryle (ele faleceu em 1900), a composição de hinos era vista quase universalmente como um modo de honrar a Deus e servir ao corpo de Cristo. Hoje, porém, a composição é vista mais como um modo de fazer avançar a carreira musical, de se tornar um músico reconhecido e produzir álbuns comercialmente bem-sucedidos. Há pouca ou nenhuma diferença discernível entre a atitude e ambições daqueles que compõem a assim chamada música cristã e aqueles que compõem outros tipos de música.

Como podem cristãos verdadeiros, que amam ao Senhor, se apresentar diante Dele em adoração e cantar as músicas sentimentais produzidas por Hillsong e outros ministérios similares? Além disso, como eles podem trazer para oferecer ao Senhor algo que os escritores das canções não se incomodaram em oferecer? Invariavelmente, as canções foram escritas, não para o corpo de Cristo, mas para o ganho pessoal e a igreja ecumênica mundial que Hillsong e ministérios similares estão trabalhando para criar.

Hillsong é pouco mais do que uma máquina de ganhar dinheiro, que desavergonhadamente apresenta mecanicamente vãs e poluídas falsificações sob o disfarce de verdadeiras ofertas bíblicas a Deus:

"Quem há também entre vós que feche as portas por nada, e não acenda debalde o fogo do meu altar? Eu não tenho prazer em vós, diz o SENHOR dos Exércitos, nem aceitarei oferta da vossa mão." [Malaquias 1:10].

Referindo-se ao desleixado serviço sacerdotal de Ofni e Finéias, a Palavra de Deus diz:

"Era, pois, muito grande o pecado destes moços perante o SENHOR, porquanto os homens desprezavam a oferta do SENHOR." [1 Samuel 2:17].

Não há dúvida que um número muito grande de fiéis cristãos canta essas canções com um coração sincero e ficaria horrorizado em pensar que aquilo que está fazendo não agrada a Deus. Mas, não podemos evitar o assunto. A Palavra de Deus nos diz o que é agradável a Ele e, a não ser que sejamos obedientes à Sua Palavra, não podemos agradá-Lo. Não temos desculpas: "Meu povo está sendo destruído por falta de conhecimento." Essa deficiência vem, não de alguma deficiência na Palavra de Deus, mas da negligência deliberada das muitas declarações claras nas Escrituras referentes à adoração e oração que são aceitáveis a Deus.

A Corrupção Deliberada dos Hinos Cristãos

A partir do ponto de vista de Satanás, um bom hino cristão é algo muito perigoso. Quando um grupo de fiéis cristãos se reúne e louva a Deus de um modo verdadeiramente espiritual, eles trazem lindas bênçãos ao mundo. Quando um fiel cristão cansado e sobrecarregado coloca de lado suas preocupações terreais e abre seu coração para Deus, entrando por alguns momentos preciosos na presença do Todo-Poderoso, ele coloca uma imensa pressão sobre o sistema mundial satânico.

O Maligno ODEIA a verdadeira adoração e o verdadeiro louvor cristãos. Portanto, ele quer, não somente substituir os verdadeiros hinos cristãos por nojentas falsificações, mas ir ainda mais longe e tornar os hinos tradicionais mais poderosos inusáveis. É por isto que a indústria da música "cristã" está atarefada com a produção de versões modernizadas ou "reimaginadas" dos velhos hinos. Como resultado, muitos dos grandes hinos são ouvidos somente em suas formas modernas e "reimaginadas", onde a beleza sutil do original foi apagada.

Aos jovens de hoje está sendo negada a oportunidade de cantar hinos tradicionais em um ambiente congregacional. A maioria deles não tem ideia que um tesouro inestimável está sendo escondido deles e que enfeites e imitações baratas estão sendo exibidos em seu lugar.

MCC É Apresentação, Não Adoração

O efeito corruptor da MCC é aumentado pela mídia usada para disseminá-la. Como não existem hinários ou partituras de hinos, a gravação é a música, o MP3 é a canção. O apresentador e a gravação tomaram o lugar do canto congregacional.

Hinos lindos, como "Maravilhosa Graça" e "Sou Feliz com Jesus" podem ser compreendidos e apreciados somente com o canto em um ambiente congregacional. É para isto que eles foram escritos e é onde está seu poder espiritual.

A perda é imensa. O entretenimento tomou o lugar da adoração. O Maligno privou os jovens fiéis cristãos do extraordinário refrigério e da renovação espiritual que podem ser encontrados na verdadeira adoração cristã. Em vez disso, eles foram enganados a aceitar o "emocionante" mundo de Hillsong, com suas apresentações vocais, luzes piscantes e efeitos acústicos, até o ponto em que é impossível distinguir entre a "experiência" Hillsong e um concerto convencional de música Rock.

A geração atual de jovens cristãos não está sendo protegida por seus pastores e pelos cristãos mais velhos. Como podemos esperar que eles possam discernir os perigos representados por Hillsong quando seus próprios líderes já sucumbiram ao apelo desse tipo de música?

Armas Direcionadas Contra a Adoração Cristã

A revolução da MCC tem sido levada adiante pelo estilo sedutor da música popular, incluindo os instrumentos que tipificam esse estilo — guitarras elétricas e baterias acústicas. As primeiras permitem a produção de efeitos sonoros que não existem em parte alguma no mundo natural, enquanto que as segundas pulsam com uma batida insistente que domina e controla a linha melódica. Ambas estimulam uma resposta neurológica que excita, em vez de tranquilizar nossas emoções e que, nas mãos de um músico treinado, pode ter um efeito muito sensual.

Embora sejam completamente estranhos às tradições da música cristã, esses instrumentos são agora um importante componente da MCC. Isto ajuda a explicar por que a MCC conquistou uma forte preferência por parte dos jovens. Quando a batida domina a melodia — como na música Pop, no Rock e na MCC — ela também domina as letras. Assim, mesmo se as letras forem edificantes, elas serão absorvidas por nossa mente do mesmo modo como uma canção Pop é absorvida.

É por isto que é possível na MCC cantar repetidamente o mesmo conjunto de palavras, várias e várias vezes! O conteúdo emocional das letras sobrepuja seu conteúdo semântico, até o ponto em que o significado da canção não é mais importante, apenas o som. Quando isto acontece, a música torna-se rítmica ou meditativa, em contraste com as canções da Bíblia. Isto explica por que a MCC pode algumas vezes soar como um canto budista, ou um dos solos longos e sem significado nos concertos de Rock.

Este tipo de repetição insana nunca é encontrado na verdadeira adoração cristã. Como o canto dos hinos tradicionais é guiado pela linha melódica, em vez de pelo ritmo, ele continua a enfocar claramente a letra e seu significado.

Quando os admiradores da MCC encorajam uns aos outros sair de suas mentes e fluir com o som, eles estão grandemente enganados. Somente a música que é sóbria e edificante pode ter qualquer valor espiritual. A repetição tola anula o significado de uma canção e deixa a mente em um estado em branco, ou vazio. O indivíduo torna-se então receptivo às impressões que não têm fundamento bíblico algum. Em uma grande reunião, em que a apresentação se prolonga por várias horas em um auditório com as luzes apagadas, esse efeito é grandemente amplificado e o risco da enganação sobrenatural é muito real.

Infelizmente, a maioria dos admiradores da MCC parece estar ignorante dos efeitos fisiológicos da música. Eles tolamente se recusam a acreditar que a música pode ser usada para causar danos ao indivíduo. Tanto a Rússia quanto a China comunistas baniram a música Rock durante décadas, pois as autoridades em ambos os países sabiam que o Rock promove uma atitude rebelde e sexualmente agressiva nos jovens. O efeito combinado de uma batida estridente (produzida pelas baterias acústicas) e acordes dissonantes e não naturais (produzidos pelas guitarras elétricas) funcionam como uma droga sobre os centros emocionais do cérebro.

A Inteligência Britânica descobriu isto durante sua pesquisa sobre programação social nos anos 1950s e a usou para criar a revolução do Rock nos anos 1960s. Grandes grupos de pessoas, especialmente as meninas adolescentes, podiam ser colocados em histeria por esse estilo de música. Basta você assistir aos documentários que mostram cenas dos fãs assediando os Beatles e os Rolling Stones nos anos 1960s para ver o quão poderosa essa "droga" pode ser. O mesmo efeito não pode ser observado hoje, porque as crianças estão expostas a esse som desde a tenra idade e já estão programadas a aceitá-lo ao tempo em que entram na adolescência, estágio em que estão mais vulneráveis a uma variedade mais insidiosa de programação acústica.

Os inimigos do Cristianismo conseguiram infiltrar esses instrumentos divisivos — a guitarra elétrica e a bateria acústica — na assim chamada adoração cristã. Ao fazer isso, eles transformaram a adoração em entretenimento. Isto foi feito de forma muito gradual a princípio, de modo que a transformação não foi muito observável. Hoje, porém, o impacto desses instrumentos é óbvio.

Hillsong Está Construída Sobre a Areia da MCC

Hillsong, o altamente influente ministério australiano, está construído sobre as areias movediças da MCC. Fundada por um estuprador confesso de crianças, Frank Houston, nos anos 1990s, ele tem desde então crescido e se transformado em uma rede internacional de megaigrejas.

Infelizmente, não há nada remotamente edificante com relação a esta igreja. O "Jesus" de Hillsong não é o Jesus das Escrituras, mas uma preocupante imitação, pouco mais do que um sujeito simpático que gosta de relaxar com os amigos. Alguns diriam que isto se aproxima da blasfêmia — e eles estão certos. Ninguém que ama ao Senhor deve suportar ver o Filho de Deus ser retratado dessa forma. Como um cristão há oito anos — fui salvo em 2008, aos 52 anos de idade — estou horrorizado com a extensão em que o Cristianismo bíblico é zombado e profanado por Hillsong. Além disso, estou profundamente entristecido pelo fato que milhares de jovens estão sendo atraídos para essa ímpia enganação e poderão nunca vir a ter uma fé salvadora em Cristo.

Hillsong se gloria em sua própria importância. De acordo com sua declaração de missão, seu objetivo é:

"Alcançar e influenciar o mundo, construindo uma grande igreja centrada em Cristo, baseada na Bíblia, mudando as mentes e capacitando as pessoas para liderarem e impactarem em cada esfera da vida." [Declaração Oficial de Missão de Hillsong].

Redefinindo a adoração cristã, de acordo com sua filosofia da MCC, Hillsong objetiva absorver outras igrejas cristãs em uma megaigreja mundial com influência política e social real. A Nova Reforma Apostólica (NRA) está buscando um objetivo similar. Presumivelmente, os arquitetos da vindoura Religião do Mundo Unificado colocarão esses dois movimentos juntos no tempo devido, com Hillsong fornecendo a "adoração" (entretenimento) e a NRA a "teologia" (manifesto).

Hillsong já está na metade do caminho da NRA, com sua forte ênfase no Universalismo (a crença que todos serão salvos eventualmente), indiferença ao comportamento homossexual, sua ênfase em prosperidade, sua rejeição às distinções doutrinárias que impedem o crescimento da igreja, um evangelho que está tão diminuído que é virtualmente sem sentido, e a cega convicção que uma igreja ecumênica mundial trará o Reino em nome de Cristo.

O Uso da Música para Propósitos Demoníacos

Satanás está preparando o mundo para a chegada e aceitação do Anticristo. Os cristãos nascidos de novo nunca devem perder isto de vista! De modo a ser bem-sucedido, ele precisa de uma Religião do Mundo Unificado. O Anticristo, quando chegar, não terá tempo para construir essa religião. Tampouco ele terá tempo para colocar todas as nações sob uma estrutura de governo mundial. Tudo isto precisará estar pronto, ou praticamente pronto, quando aparecer no cenário.

O ímpeto para criar uma religião do mundo unificado é energizado pelo poder sobrenatural dos anjos caídos. Muitos cristãos parecem não ter ideia que Satanás está trabalhando para extinguir e remoldar aquilo que restou do verdadeiro Cristianismo bíblico. De modo a fazer isso, ele precisa enfraquecer e substituir a adoração cristã por sua própria forma de música e de adoração falsificadas.

Há outra razão para isto. A Palavra de Deus ensina que os demônios não podem tolerar a música santa de adoração a Deus.

"E sucedia que, quando o espírito mau da parte de Deus vinha sobre Saul, Davi tomava a harpa, e a tocava com a sua mão; então Saul sentia alívio, e se achava melhor, e o espírito mau se retirava dele." [1 Samuel 16:23].

Como um homem de Deus, Davia tocava música no palácio real que era agradável a Deus. Essa música que agrada a Deus é repulsiva aos demônios. Os cristãos precisam fazer uma pausa e pensar nisto, pois revela por que Satanás está decidido a introduzir ardilosamente a MCC em todas as igrejas e ministérios.

A música que mais agrada aos demônios é o Rock pesado e o Metal pesado (Heavy Metal). Muitas estrelas da música Rock já confirmaram isto, frequentemente vangloriando-se de que uma presença sobrenatural entra e os energiza quando eles se apresentam no palco. Entretanto, o Maligno não precisa introduzir o Rock pesado na igreja de modo a solapar e destruir a boa e santa música cristã; basta infectá-la com notas e palavras, síncopes e ritmos, de sua própria escolha. Algumas gotas de veneno bastam. Depois que um bom hino tradicional é contaminado desta forma, ele não mais fala de Jesus. Se ele não mais fala de Jesus e de Sua obra, então não há como agradar ao nosso Pai Celestial.

O Espírito Tenebroso de Hillsong

Até mesmo um cristão neófito e com pouco enraizamento na Palavra de Deus deve ter discernimento e bom senso suficientes para ver que Hillsong é uma cínica perversão do verdadeiro Cristianismo. Por exemplo, Hillsong:

O espírito tenebroso de Hillsong também deve ser evidente a partir de suas apresentações bizarras e frequentemente blasfemas, muitas das quais já foram condenadas na Internet por cristãos preocupados. Aqui estão apenas alguns exemplos:

As fotografias seguintes são de uma apresentação sofisticada dos "Cânticos de Natal" feita por Hillsong em 2015. Ela zomba da canção "Noite Feliz", representando-a em um ambiente vulgar de um cabaré e tendo criadas insolentes e seus chefes e clientes cantando de uma maneira lasciva, ao mesmo tempo que realizam movimentos de dança eróticos.

Existem motivos ocultistas discerníveis aqui e ali em toda a cena, como a "levitação" horizontal na fotografia central acima. Um dos movimentos até mesmo retrata um importante princípio ocultista — "O que está em cima é como o que está em baixo".

O espírito de Hillsong é o espírito das trevas. Não há a menor dúvida que essa igreja falsa está firmemente sob o controle do Diabo e que seus líderes são participantes conscientes em um plano cuidadosamente elaborado para subverter a adoração cristã tradicional.

Conclusão

Mostramos que Satanás está usando dois métodos distintos para solapar e destruir a verdadeira adoração cristã.

O primeiro é a contaminação da adoração, vinculando-a com o ganho comercial, em que os compositores e outros recebem pagamentos de direitos autorais e taxas de licenciamento de canções que foram supostamente compostas para a glória de Deus. Se uma canção está espiritualmente poluída, ela nunca deveria ser usada por uma congregação de fiéis e verdadeiros cristãos. Os cristãos que fazem isso estão efetivamente subornando o príncipe deste mundo, para que eles lhes permita adorar a Deus! Eles abandonaram a esfera da adoração cristã e entraram no domínio do comércio e do entretenimento. Essas "ofertas" contaminadas não são aceitáveis para um Deus extraordinariamente santo.

"E tendo feito um azorrague de cordéis, lançou todos fora do templo, também os bois e ovelhas; e espalhou o dinheiro dos cambiadores, e derribou as mesas; e disse aos que vendiam pombos: Tirai daqui estes, e não façais da casa de meu Pai casa de venda." [João 2:15-16].

O segundo método é a MCC, que é tolerante com virtualmente qualquer estilo e modo de expressão musical, exceto com o canto de hinos tradicionais. Hillsong e outros ministérios similares foram criados para explorar e promover a MCC em um ambiente institucional, desse modo atraindo um exército cada vez maior de falsos convertidos para sua forma ilegítima de adoração.

Por que os pastores permitem isto? Por que a maioria deles é formada por mercenários que são indiferentes ao dano que a MCC e a CCLI estão provocando. E por que a maioria dos cristãos professos permite isto? Por que eles têm pouco ou nenhum interesse em adorar a Deus do modo como Ele deseja ser adorado. A Palavra de Deus traz instruções muito claras sobre como Deus deve ser adorado, porém muitos cristãos nunca se preocupa em estudá-las. Em vez disso, eles preferem adorar de um modo que seja agradável a si mesmos.



Autor: Jeremy James, artigo em http://www.zephaniah.eu
Data da publicação: 9/8/2016
Transferido para a área pública em 24/5/2018
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/mcc-2.asp