Escolha uma cor para o fundo:  

O Exército de Israel Está Deixando as Localidades Yesha Expostas aos Ataques dos Palestinos

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

Em uma decisão incompreensível, as guarnições do Exército de Israel, que protegiam as pequenas comunidades Yesha (colônias na Judéia, Samaria e nas proximidades da Faixa de Gaza) estão sendo removidas, deixando a população desprotegida. Estaria a raposa velha, o general Ariel Sharon, armando uma cilada, atraindo um ataque palestino?

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma

Agora você está com a
"THE CUTTING EDGE"

Resumo da Notícia: "As FID Retiram-se das Comunidades Yesha", (www.IsraelNationalNews.com), 16/7/2001.

"Os prefeitos e o pessoal de segurança nas áreas Yesha tiveram reuniões de emergência no domingo após as FID [Forças Israelenses de Defesa] removerem as tropas que tinham sido destacadas para proteger as comunidades Yesha... os agentes de segurança rapidamente encontraram-se em número reduzido, incapazes de atender aos requisitos básicos de segurança. As comunidades menores fizeram um pedido de ajuda, reconhecendo sua incapacidade de atender à necessidade constante de sentinelas e de patrulhas. Os agentes civis de segurança e os líderes comunitários deliberaram fazer um pedido para que o Exército retorne seus soldados neste momento crítico em que a segurança é uma das maiores preocupações."

O jornal The Jerusalem Post publicou uma matéria relacionada com essa história em 17 de julho. Veja como o atual Ministro da Defesa, Ben-Eliezer, defendeu o súbito abandono dessas colônias Yesha:

"Jerusalém (17/7/2001) — As FID 'não podem defender cada um dos colonos', disse o Ministro da Defesa Ben-Eliezer ao The Jerusalem Post ontem. Ben-Eliezer disse que embora tenha um grande respeito pela grande maioria da população de colonos, a área em que eles vivem está sob disputa. 'O Exército está fazendo o máximo que pode, mas a tarefa central das FID é evitar a guerra, ou ir à guerra, se necessário — mas não proteger cada colono individual. Não podemos proteger todo colono, não podemos defender todo o território, pois mesmo que as FID fossem três vezes maiores, ainda não seriam suficientes', disse Ben-Eliezer. [The Jerusalem Post, 17/7/2001, por Jeff Barak e Ariel O'Sullivan.].

Essa parece ser a mais chocante notícia vinda do Oriente Médio no atual conflito israelense-palestino, que iniciou em 29/9/2000. Como é possível que o Exército israelense remova a proteção das colônias judaicas avançadas? Como é possível que, embora os judeus tenham uma desvantagem populacional de 50 para 1 contra os árabes, o Exército esteja removendo a proteção militar, permitindo potencialmente que as forças armadas palestinas ataquem e aniquilem os colonos judeus?

Esses colonos Yesha são o epítome do espírito judaico entusiástico e dedicado, um espírito civil similar ao espírito militar dos fuzileiros navais norte-americanos. Diariamente, essas pessoas vivem sob a mira dos terroristas palestinos. Esses colonos vão trabalhar sob a ameaça dos ataques de franco-atiradores, de emboscadas nas estradas, com bombas, além dos suicidas que carregam bombas e circulam nas ruas e nos mercados públicos. No entanto, recusam-se a abandonar suas colônias avançadas. Quando alguma família se muda, outras rapidamente a substituem. Esses colonos são um dos espinhos mais persistentes tanto para o líder palestino Arafat, quanto para o Partido Trabalhista, de esquerda. Esses são os dois grupos que publicamente promoveram os fracassados Acordos de Paz de Oslo, e ambos sempre foram incomodados por esses colonos Yesha.

Sim, é verdade que o Partido Trabalhista, agora liderado por Shimon Peres, sempre esteve às turras com esses colonos que têm o desejo e a coragem interior de desafiar todas as dificuldades e estabelecer colônias fora da Linha Verde, que é a fronteira de Israel anterior a 1967. Veja: os Acordos de Oslo prevêem que, para obter a paz com os árabes, Israel concordará em se retirar para trás da Linha Verde. No entanto, quanto mais comunidades Yesha são estabelecidas por esses colonos empreendedores, mais difícil fica para o Partido Trabalhista devolver essas terras a Arafat em permuta por aquele objetivo eternamente elusivo — a paz com os palestinos.

Assim, o Partido Trabalhista de Shimon Peres, Yitzhak Rabin e Ehud Barak tentaram de todas as formas persuadirem esses colonos a abandonar suas comunidades e voltar para trás da Linha Verde. No entanto, os colonos recusaram-se a obedecer. Temendo um clamor público negativo, o governo liderado pelo Partido Trabalhista nunca executou suas ameaças implícitas de remover à força esses cidadãos.

Durante o curso da sempre crescente confrontação militar entre os israelenses e palestinos, os colonos Yesha ficaram cada vez mais sob ataque, perdendo um número considerável de seus líderes civis e religiosos. Alguns israelenses, liderados pelo autor Barry Chamish, observaram que um par de assassinatos de líderes Yesha por atiradores palestinos só poderiam ter sido perpetrados se tivessem uma inteligência militar fornecendo uma rede sofisticada de informações sobre quando aqueles líderes passariam por uma determinada estrada em um determinado horário e em um determinado veículo. Chamish acusou o Serviço de Inteligência de Israel por fornecer essas informações aos palestinos, com o único propósito de persuadir a população Yesha a abandonar suas colônias, lançando a culpa nos palestinos. Por outro lado, Chamish apresentou forte evidência que Arafat também esteja fornecendo dados de Inteligência aos israelenses sobre o paradeiro específico de certos líderes palestinos linha-dura que ambicionam substituí-lo. [Leia os detalhes completos no artigo NEWS1461 (não-traduzido) no site da The Cutting Edge.].

Assim, Israel pôde localizar e matar especificamente líderes potenciais que poderiam substituir Arafat. Esse cenário parece plausível, pois preserva em seus postos os líderes judeus e palestinos que os Illuminati colocaram no poder tempos atrás, para fomentar os Acordos de Oslo e mantê-lo vivo pelo tempo que for necessário para preparar o cenário para o aparecimento do Anticristo.

Não se esqueça que informamos que Arafat é controlado pelo serviço secreto russo desde 1967, e que nem mesmo é palestino, e sim egípcio (leia os detalhes no artigo N1429, "Revelações Sobre Yasser Arafat"). A importância de Arafat ser egípcio é simplesmente esta: Todos os árabes em todo o mundo temem e odeiam os palestinos. Eles os vêem como desnaturadamente violentos e não-confiáveis. A última coisa no mundo que os outros árabes na região desejam é que os palestinos tenham seu próprio Estado, com todos os recursos que um Estado propicia ao seu povo. Todos os árabes na região querem que os palestinos sejam no fim destruídos, mas primeiro, querem usá-los como uma força interna para derrubar Israel.

Assim, um egípcio, como Arafat, não teria os melhores interesses dos palestinos em mente, mas poderia ser "persuadido" pelo Serviço Secreto Russo a servir como um líder traidor dos palestinos, levando-os para sua destruição final. Em breve você verá esse cenário ocorrer diante dos seus olhos, nas notícias do dia-a-dia.

Alguns informes provenientes de Israel estão começando a noticiar que certos líderes palestinos estão questionando se Arafat está realmente liderando o povo palestino; esses líderes devem observar suas costas com atenção, pois os Illuminati não permitirão que representem uma ameaça à liderança de Arafat. Ele é o homem deles do momento, para esta hora, e está deliberada e sabidamente levando o povo palestino em um caminho para sua aniquilação.

Arafat está fazendo o melhor que pode para "vestir a capa do Super-Homem", pois ataca, depois retrocede, e ataca novamente. Ele aparentemente vai até a beirada, convidando o maior de todos os contra-ataques israelenses, somente para parar depois e propor um "cessar-fogo". Ele sabe que essa oferta manterá os militares israelenses contidos e ele poderá gradualmente aumentar seus ataques contra os cidadãos judeus.

Para ver as estatísticas reais que comprovam essa tática, examine a tabela a seguir, dos ataques palestinos contra civis israelenses no período de junho a meados de julho de 2001. Com que altas vozes o povo norte-americano estaria clamando se a população dos EUA, que é aproximadamente cinqüenta vezes maior que a população judaica em Israel, estivesse sendo atacada assim?

Data Número de Ataques Data Número de Ataques Data Ataques
1/6 12 2/6 15 — Arafat propõe cessar-fogo 3/6 9
4/6 11 5/6 21 6/6 12
7/6 18 8/6 17 9/6 15
10/6 14 11/6 7 12/6 19
13/6 15 — Plano Tenet "aceito" 14/6 14 15/6 5
16/6 7 17/6 5 18/6 16
19/6 13 20/6 17 21/6 10
22/6 8 23/6 2 24/6 7
25/6 16 26/6 10 — Bush afirma "progressos" 27/6 13
28/6 1/7 29/6 10 30/6 5
4/7 11 2/7 27 — Arafat propõe 7 dias de calma 3/7 11
7/7 15 5/7 22 6/7 25
10/7 11 8/7 11 9/7 15
13/7 25 11/7 10 12/7 15
    14/7 14    

Essas estatísticas foram compiladas pelo Dr. Aaron Lerner, diretor da IMRA [Independent Media Review and Analysis, http://www.imra.org.il] e não incluem os pequenos ataques, como o lançamento de pedras (embora algumas pessoas já tenham morrido em conseqüência de pedradas). Os ataques com bombas incendiárias também não foram incluídos.

Enquanto isso, a liderança israelense Iluminista também está tratando os palestinos de uma maneira enganosa. O resultado final dos Acordos de Paz de Oslo é duplo: (1) incentivar a predisposição da população palestina de se congregar em comunidades quase que exclusivamente de palestinos; (2) encorajar os palestinos a ver toda concessão israelense como prova de "fraqueza", levando assim o palestino médio a acreditar que no final conseguirá derrotar e aniquilar os judeus.

Não se deixe enganar: O objetivo final dos árabes é aniquilar Israel e todo judeu, completando assim aquilo que Adolf Hitler iniciou. Para aqueles de vocês que não acreditam que esse seja o objetivo final da liderança árabe/palestina, considere estas citações dos líderes árabes.

Primeiro, vamos ouvir o próprio Arafat:

"'Matem o maior número de colonos que puderem', disse Yasser Arafat... 'matem um colono por dia, não prestem atenção a nada que eu disser na mídia... Ai de vocês se deixarem que eles cheguem em segurança às suas casas ou viajem seguros nas estradas', disse Arafat. Ele instruiu suas forças a não abrirem fogo a partir da Área A, que está sob seu controle exclusivo e não iniciar ataques dentro do território de Israel [IMRA: Within the Green Line]. 'Quero que matem o maior número possível de colonos', disse ele. [IMRA, 11/7/2001].

Preste agora atenção ao comentário feito por um clérigo palestino aos seus seguidores em 6/7/2001, ao tentar justificar os ataques contra os judeus:

"Damos as boas-vindas para os judeus viverem como dhimmis, mas o governo nesta terra e em todos os países islâmicos precisa ser o governo de Alá... [sermão na televisão da Autoridade Palestina, 6/7/2001; The Middle East Media Research Institute (MEMRI). Sermão de uma sexta-feira na televisão da AP: "... precisamos educar nossas crianças sobre o amor à Guerra Santa..." [10/7/01, http://www.memri.org].

Finalmente, ouça as aparentemente proféticas palavras de um líder árabe em 1947, Abd al-Rahman Azzam, Secretário-Geral da Liga Árabe, após lideres judeus tentarem sem sucesso persuadi-lo a aceitar pacificamente o vindouro Estado judaico:

"Para os árabes vocês não são um fato absolutamente — são apenas um fenômeno passageiro. Séculos atrás os cruzados estabeleceram-se no nosso meio contra a nossa vontade e em duzentos anos os expulsamos. Isso porque nunca cometemos o erro de aceitá-los como um fato." [Efraim Karsh, Fabricating Israeli History: The 'New Historians'. Frank Cass and Co. Ltd. London, Portland, 1997].

Agora, ouça a estas solenes palavras do ex-presidente sírio Hafez Assad, em 13/12/1981:

"Vemos a questão da perspectiva do futuro da nação e não apenas das próximas horas, meses ou anos... Voltemos ao tempo da invasão dos cruzados. Embora tenham lutado contra nós durante duzentos anos, não nos rendemos nem capitulamos. Também eram uma grande potência (como Israel) e tiveram suas vitórias, enquanto nós sofremos nossas derrotas. No entanto, após duzentos anos, triunfamos. Por que agora deveríamos ter uma vitória decisiva ou uma rendição total em apenas trinta anos?" [Ibidem].

Finalmente, ouça as palavras de um líder palestino considerado "moderado", ao dar sua última entrevista antes de morrer, em 24 de junho de 2001:

"'Distinguimos os objetivos estratégicos e de longo prazo dos objetivos políticos graduais, que são forçados à aceitação temporária devido à pressão internacional. Se você me perguntar quais são as fronteiras palestinas de acordo com a estratégia mais elevada, respondo imediatamente: Do rio ao mar. A Palestina é uma terra árabe em sua totalidade, a terra da nação árabe, uma terra que ninguém pode vender ou comprar, e é impossível permanecer calado enquanto outra pessoa a está roubando, mesmo que isso requeira tempo e mesmo que signifique pagar um alto preço." [MEMRI. Faysal Al-Husseiny em sua última entrevista: "Os Acordos de Oslo Foram um Cavalo de Tróia; o Objetivo Estratégico é a Libertação da Palestina do Rio Jordão Até o Mar Mediterrâneo", 2/7/2001, http://www.memri.org].

Assim, você pode ver facilmente que o objetivo final dos árabes é lutar até que possam se tornar fortes o suficiente para aniquilar o Estado judaico, exatamente o mesmo objetivo que Adolf Hitler tinha no coração.

Entretanto, esses árabes estão olhando para os cruzados como sua inspiração e guia, deixando de perceber que a equação mudou. Eles não entendem que agora estão enfrentando dois inimigos sobrenaturais que seus antepassados não enfrentaram durante as Cruzadas.

Estão enfrentando os Illuminati, de Satanás, e o Deus de Abraão, Isaque e Jacó [Êxodo 3:6]. Vamos examinar rapidamente os planos desses dois inimigos sobrenaturais dos árabes neste momento na história mundial:

Satanás está apoiando Israel durante este tempo do conflito, não os árabes ou os maometanos. Embora isso possa surpreendê-lo, a questão é realmente bem simples. Os líderes Iluministas há muito tempo concluíram que todos os maometanos estão firmados demais ao monoteísmo do Islã para poderem aceitar as reivindicações do Anticristo. Eles nunca poderão se tornar "receptores adequados para o Cristo" [para conhecer os detalhes, leia o artigo N1094, "A Religião Universal Já Está Criada — Equivalente Espiritual das Nações Unidas"]. Portanto, o objetivo final dos Illuminati é aniquilar todos os maometanos em todos os países da Terra, começando exatamente onde a Bíblia prediz, no Oriente Médio em geral [Joel 3] e com a Casa de Esaú [os palestinos] especificamente, conforme predito em Obadias 15-18.

Segundo, Deus prediz em muitas passagens bíblicas que trará Israel de volta à sua terra nos "últimos dias". Entretanto, Deus deixou uma pequena informação nessas profecias referentes aos últimos dias sobre o retorno de Israel à sua terra que a maioria dos cristãos não observa: Israel será restabelecido inicialmente em um estado de incredulidade! Veja:

"Então profetizei como se me deu ordem. E houve um ruído, enquanto eu profetizava; e eis que se fez um rebuliço e os ossos se achegaram, cada osso ao seu osso. E olhei, e eis que vieram nervos sobre eles, e cresceu a carne, e estendeu-se a pele sobre eles por cima; mas não havia neles espírito." [Ezequiel 37:7-8].

Essa profecia é conhecida como "A Profecia do Vale dos Ossos Secos", em que Deus revela exatamente como trará Israel de volta à sua terra. Quando essa Escritura diz que os ossos secos se juntaram, cada osso ao seu osso, receberam carne e formou-se a pele, significa que Israel estava vivo e funcionando, mas ainda não tinha espírito. Os eruditos bíblicos acreditavam que isso significava que Israel voltaria à sua terra sem crer no Deus de Abraão, Isaque e Jacó, e certamente sem crer em Jesus Cristo como o Messias judaico.

A história registra que foi isso exatamente o que aconteceu. Quando Israel foi restabelecido como nação, em maio de 1948, tinha líderes Iluministas que definitivamente não criam no Deus do judaísmo tradicional, pois serviam ao deus do "bem", Lúcifer. Eles acusavam o deus "mau" de Abraão, Isaque e Jacó de permitir o Holocausto nazista. Na verdade, muitos líderes judeus de segundo escalão eram ateístas.

É um fato histórico que todo o Movimento Sionista, que iniciou em 1896, foi financiado pela família Iluminista Rothschild [banqueiros internacionais].

Se você duvida que isso seja verdade, precisa apenas examinar a bandeira israelense a partir da perspectiva de um satanista. Onde a Bíblia diz que Deus especificou para os judeus o uso do símbolo mais maligno de Satanás, a estrela de seis pontas, como símbolo nacional? Onde Deus especifica que esse símbolo ocultista israelense deveria estar no meio de duas faixas azuis? A resposta é: em lugar algum.

No entanto, os satanistas acreditam que uma nação ocultista chamada Atlântida existiu 12.000 anos atrás. Os atlantes eram tão avançados no ocultismo que podiam conversar por telepatia e podiam viajar instantaneamente de um lugar para outro por meio do pensamento. Esses atlantes eram tão avançados que na verdade tinham seu Terceiro Olho, ou o Olho da Mente, aberto como um olho físico na fronte. Os sacerdotes atlantes mais avançados vestiam vestes brancas com uma franja azul e usavam a estrela de seis pontas como seu símbolo, também em azul! Você pode ver a base Iluminista da nação moderna de Israel toda vez que olhar para a bandeira israelense!

Assim, os árabes enfrentam a ira de Satanás neste tempo presente.

No entanto, também enfrentam a ira e a hostilidade implacável do Único Deus Verdadeiro no universo, sem perceber que ele é o maior sionista de todos!

Uma das afirmações dramáticas de Deus concernentes ao seu objetivo final com aqueles que atacarem Israel e Jerusalém no fim dos tempos é reveladora:

"Naquele dia o SENHOR protegerá os habitantes de Jerusalém; e o mais fraco dentre eles naquele dia será como Davi, e a casa de Davi será como Deus, como o anjo do SENHOR diante deles. E acontecerá naquele dia, que procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém." [Zacarias 12:8-9].

Assim, os árabes e maometanos que voltaram sua face contra o Monte Sião e contra Jerusalém nestes últimos dias estão enfrentando um inimigo combinado que seus antepassados não enfrentaram. Estão seguindo a direção errada para suas ações atuais. Conseqüentemente, enfrentarão a aniquilação pelas forças Iluministas de Israel, e Deus permitirá que isso aconteça.

No entanto, após Deus permitir que a liderança Iluminista atual aniquile toda a nação islâmica, permitirá que o Cristo Iluminista [o Anticristo] apareça; esse Cristo fascinará o povo judeu por um período de três anos e meio e depois profanará o Templo com a abominação da desolação [Daniel 9:27 e Mateus 24:15]. Imediatamente, o povo judeu perceberá que seu verdadeiro Messias nunca perpetraria tal profanação, de modo que romperá a aliança. O Anticristo tentará então destruir todos os judeus da face da Terra [Apocalipse 12:6-17], mas Deus impedirá que ele mate a todos, preservando seu remanescente fiel durante os três anos e meio finais. Esse remanescente será um terço da população, pois Deus permitirá que o Anticristo mate dois terços da população judaica no mundo inteiro. [Zacarias 13:8-9].

Portanto, quando Jesus Cristo retornar, encontrará um Israel cristão, pois os únicos judeus vivos na terra serão os judeus cristãos que foram preservados por Deus. Assim será cumprida a profecia que diz que na volta de Jesus Cristo "... sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e prantea-lo-ão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito." [Zacarias 12:10].

A atual liderança judaica Iluminista será protegida por Satanás pelo tempo suficiente para colocar o Anticristo em cena e durante os primeiros três anos e meio do Período da Tribulação. No entanto, será eliminada em algum momento durante a segunda metade da Tribulação. Deus ainda não acabou de lidar com o povo de Israel, mas está se preparando para fazê-lo passar pelo fogo do Período da Tribulação, para testá-lo, prová-lo e fazê-lo aceitar o verdadeiro Messias, Jesus Cristo.

Voltando ao Artigo Original

O que tudo isso significa nessa história de as Forças Israelenses de Defesa abandonarem os colonos Yesha? Subitamente, esses resolutos cidadãos ficaram expostos a um possível ataque violento das forças palestinas. Embora as forças de Arafat não possam ser comparadas com as FID, são claramente superiores à qualquer força de segurança que os próprios colonos Yesha possam manter. As fontes da Inteligência dizem que as forças armadas de Arafat possuem o mesmo armamento pesado que uma força de Infantaria moderna possui.

Portanto, esses colonos Yesha, armados apenas com armas leves, poderão vir a enfrentar uma força palestina muito superior, equipada com armamento pesado, com morteiros, armas antitanque, mísseis terra-ar, granadas, etc. Poderemos acordar uma manhã e ouvir no rádio que uma comunidade judaica Yesha inteira foi atacada e dizimada!

É isso que o governo Sharon deseja? Sim e não. Certamente, Sharon não quer ver seus próprios compatriotas mortos, mas quer ter uma desculpa boa o bastante para poder atacar a Autoridade Palestina com o maior armamento possível. Qual poderia ser esse "maior armamento possível" de Israel?

"Mas no monte Sião haverá livramento, e ele será santo; e os da casa de Jacó possuirão as suas herdades. E a casa de Jacó será fogo, e a casa de José uma chama, e a casa de Esaú palha; e se acenderão contra eles, e os consumirão; e ninguém mais restará da casa de Esaú, porque o SENHOR o falou." [Obadias 17-18].

No artigo N1422, "A Vindoura Aniquilação do Povo Palestino — A Casa de Esaú", demonstramos que as FID possuem o armamento que poderão usar para cumprir essa profecia de 2.500 anos atrás. Elas possuem a Bomba de Combustão Aérea, que foi aperfeiçoada pelas forças norte-americanas no Vietnã e na Guerra do Golfo. Tudo o que as FID precisam para preparar essa aniquilação é cercar todas as comunidades palestinas para evitar que qualquer judeu esteja nelas quando os palestinos forem consumidos. Essa separação física começou no início de novembro de 2000, e continua até hoje.

Para justificar ao mundo sua ação de aniquilar os palestinos, o governo Sharon acredita que precisa de algo mais do que ataques suicidas contra alvos judaicos. Possivelmente, acredita que se uma ou mais colônias judaicas forem aniquiladas, terá a justificativa para oferecer ao mundo pelo seu macabro ato de vingança contra todo o povo palestino.

Temos apenas de aguardar para ver o que realmente acontecerá; entretanto, sabemos que o povo judeu será exposto a níveis tais de violência, terror e morte que nunca viu em tempos recentes. Jesus disse:

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio das dores." [Mateus 24:6-8].

Sabemos que as dores no fim do parto são idênticas às dores no início, mas diferente em intensidade e constância. Portanto, podemos saber que as dores de parto finais que produzirão o Anticristo serão guerras, rumores de guerras, nação contra nação, reino contra reino, porém na maior intensidade que a humanidade já viu. Somente os ataques pelo Anticristo contra o povo judeu durante a segunda metade do Período da Tribulação serão maiores.

Estamos nos estágios iniciais dessas dores de parto que produzirão o aparecimento do Anticristo e o cenário ficará cada vez mais feio e mortal. Israel e seus cidadãos estão vivendo nessas dores de parto finais e as baixas entre a população serão altas — altas o suficiente para justificar o ato final de vingança contra os palestinos, sua total aniquilação.

Entretanto, Deus não terá por inocente a atual liderança Iluminista de Israel por seu papel nesse genocídio. No Seminário 1, "America Leadership of the New World Order" [disponível em fitas cassetes no site da The Cutting Edge], estudamos o padrão de julgamento de Deus nos povos que usou para punir Israel fisicamente. Vemos que Deus volta-se contra a força que ergueu anteriormente para trazer o julgamento militar contra Israel pelos seus pecados, e aniquila essa força. Assim, não muito tempo após Deus usar a liderança Iluminista de Israel para executar juízos contra os palestinos primeiro e contra os árabes em seguida, voltar-se-á contra essa liderança Iluminista para julgá-la e aniquilá-la.

Uma vez que a Terceira Guerra Mundial seja consumada, o Anticristo aparecerá. Essa guerra consumirá os palestinos, o Egito, a Síria, e provavelmente a Jordânia. Quando Israel se expandir e ocupar fisicamente toda a terra que Deus prometeu a Abraão [Obadias 17:"... os da casa de Jacó possuirão as suas herdades"], o Anticristo aparecerá afirmando ser o Messias judaico. Junto com a liderança Iluminista de Israel, o Anticristo enganará o povo judeu.

Finalmente, três anos e meio mais tarde, o Anticristo se voltará contra o povo judeu e procurará aniquilá-lo, começando com a atual liderança Iluminista. Assim, o padrão de julgamento de Deus, conforme estudamos no Seminário 1 será executado nestes tempos finais.

Certamente, os tempos atuais são emocionantes, mas muito trabalhosos. Estamos definitivamente no fim dos tempos.


Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você ainda não depositou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer aceitar o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após aceitar Jesus Cristo como Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data da publicação: 18/9/2001
Patrocinado por: J. S. L. e M. R. D. S. L. — Sorocaba / SP
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n1517.asp