Escolha uma cor para o fundo:  

A União Monogâmica e Heterossexual Instituída Por Deus no Casamento Possibilitou Que a Civilização Ocidental Atingisse Seu Ápice

Recursos úteis para sua maior compreensão

As Igrejas Cristãs Estão Abrindo as Portas Para o Anticristo


Título do Livro 2


Título do Livro 3

O padrão estabelecido por Deus que toda atividade sexual esteja restrita dentro do casamento heterossexual transformou o mundo e permitiu o florescimento e a ascensão da civilização ocidental! A atual promoção dos "estilos de vida alternativos" e das uniões homossexuais levará a civilização ao total desastre, em meio aos inevitáveis julgamentos de Deus.

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma

Agora você está com a
"THE CUTTING EDGE"

Resumo da Notícia: "Por Que o Judaísmo Rejeitou a Homossexualidade", Dennis Prager, Revista Whistleblower, julho de 2002.

"Quando o judaísmo exigiu que toda a atividade sexual ficasse restrita dentro do casamento isso mudou o mundo. Não é exagero dizer que a proibição da Torá contra o sexo fora do matrimônio possibilitou a criação da civilização ocidental. As sociedades que não impuseram limites concernentes à sexualidade colocaram um obstáculo ao seu desenvolvimento. O subseqüente domínio do mundo ocidental pode ser largamente atribuído à revolução sexual iniciada pelo judaísmo e mais tarde sustentada pelo cristianismo. A revolução consistiu em forçar o "gênio sexual" a voltar para dentro da garrafa. Isso garantiu que o sexo não dominasse mais a sociedade, valorizou o amor e a sexualidade homem-mulher e assim praticamente criou a possibilidade do amor e erotismo dentro do casamento, e iniciou uma tarefa árdua de elevar a posição da mulher."

Essa afirmação é magnífica e poderosa! É raro hoje em dia ouvir uma defesa tão excelente do mandamento bíblico sobre o sexo heterossexual dentro do casamento. Embora esse autor nem mesmo cite a Bíblia pelo nome, admite — e aparentemente admira — a superioridade dos caminhos antigos de Deus com relação ao sexo, casamento e família. Vamos agora tomar vários aspectos mencionados nesse parágrafo, e discuti-los, primeiro em um breve esboço e depois entrando nos detalhes.

Primeiro: Deus ordenou que toda a atividade sexual ficasse restrita dentro do casamento.

Segundo: Deus estabeleceu a plataforma pela qual nossa atual e próspera civilização ocidental se tornou possível!!

Terceiro: Deus garantiu que o sexo não mais dominasse a sociedade; uma vez descartada a obsessão sexual, seus cidadãos, tantos pequenos quanto grandes, puderam direcionar sua criatividade para construir uma nação, uma civilização.

Quarto: O autor faz a notável declaração de que a criação de Deus da heterossexualidade elevou o papel da mulher dentro da sociedade, uma verdade que possivelmente provoca acesso de raiva e apoplexia nas feministas radicais!

Quinto: As sociedades que não impuseram limites concernentes à sexualidade foram prejudicadas em seu desenvolvimento. Portanto, Prager está declarando que os limites sexuais são algo bom e saudável, exatamente como a Bíblia afirma.

Agora, vamos examinar esses pontos detalhadamente.

1. Deus ordenou que toda atividade sexual esteja restrita dentro do casamento. Deus reconhece o excessivo poder do desejo sexual que criou; portanto, criou homem e mulher [Gênesis 1:27-28] para satisfazer esse desejo. Vamos examinar essa Escritura para descobrir a verdade que você talvez não tenha percebido.

"E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra..."

Quando Deus criou o homem e a mulher, ele o fez à sua imagem! Não será essa a razão por que sua primeira ação foi abençoá-los? Essa não é uma incrível revelação? Deus abençoou Adão e Eva imediatamente após ter criado Eva. Deus, então, colocou seu selo de aprovação diretamente sobre o casamento heterossexual! Em seguida, vemos onde Deus especificamente condena a homossexualidade [Levítico 18:22; 20:13], um ponto sobre o qual voltaremos a falar; entretanto, neste momento, observe que Deus abençoou o primeiro casal casado.

Então, Deus disse a Adão e Eva para terem relação sexual! Como parte da sua benção, Deus disse a Adão e Eva para frutificarem e multiplicarem a humanidade. Deus criou o desejo sexual em ambos homem e mulher, e então prontamente providenciou sua solução para satisfazer esse poderoso desejo por meio do sexo no casamento. Ao longo dos séculos, algumas igrejas decretaram que o sexo é feio e nojento e que deve ser praticado apenas para perpetuar a espécie; essa opinião não vem de Deus, nem da Sua Palavra! Deus intencionou que o marido e a mulher tenham prazer sexual um com o outro continuamente [1 Coríntios 7:2-5]. A superioridade dessa maneira de viver é provada pelas estatísticas das seguradoras, que demonstram que os homens casados vivem mais do que os solteiros e que as pessoas que freqüentam a igreja regularmente também vivem mais.

2. Deus estabeleceu a plataforma pela qual nossa atual e próspera civilização ocidental se tornou possível!! Como nenhuma outra religião possibilitou que seus cidadãos construíssem um tipo de sociedade forte, pacífica e próspera como a sociedade ocidental — mesmo com suas atuais imperfeições antibíblicas — essa declaração é inacreditável.

A sociedade ocidental domina a cena mundial e tem feito isso praticamente nos últimos 2.000 anos. Embora Satanás tenha feito o máximo que pode para poluir e destruir nossa civilização por meio da feitiçaria — pelos reis, governantes e da Igreja Católica — e de vários poluentes morais, o fato fundamental é que nossa sociedade tem permanecido fortemente comprometida com o sexo dentro do casamento, e tem desencorajado o impulso de permitir as relações homossexuais. Em meus muitos anos de estudo da feitiçaria, observei que a inclinação ao homossexualismo é um dos temas mais comuns dentro das sociedades pagãs de cada era, virtualmente em cada lugar do globo.

Prager observa isso em seu artigo referido, que a homossexualidade ocupa um poderoso papel nas religiões pagãs — não judaico-cristãs — pelo mundo afora. De fato, cerca de 75% do seu artigo de nove páginas faz uma breve análise da homossexualidade em várias culturas da história mundial, incluindo antigas culturas norte e sul-americanas.

Portanto, a superioridade da atual cultura ocidental sobre todas as culturas na história e sobre todas as culturas de hoje pode ser logicamente rastreada à heterossexualidade por meio do casamento. Encerrando o artigo, Prager afirma: "Ao longo de sua história, uma das mais distintas características dos judeus é seu comprometimento com a vida familiar. Para o judaísmo, a família — e não o indivíduo — é a unidade fundamental, o alicerce da sociedade." [pág. 44].

3. Deus garantiu que o sexo não mais dominasse a sociedade; uma vez descartada a obsessão sexual, os cidadãos, tantos ricos quanto pobres, puderam direcionar sua criatividade para construir uma nação, uma civilização. Não se engane: quando uma pessoa dá um passo fora dos mandamentos de Deus com relação ao sexo, a obsessão torna-se inevitável. Além disso, ocorre o desvio sexual, principalmente entre os homens. Ouça o que diz Prager:

"O judaísmo está preocupado com o que acontece com o homem e com a sociedade quando o homem não canaliza seus impulsos para dentro do casamento. Com relação a isso, a Torá e o judaísmo foram extremamente precavidos: A maioria esmagadora dos crimes violentos são cometidos por homens solteiros. Assim, o celibato masculino, uma condição sagrada em muitas religiões, é pecado. No judaísmo, para se tornarem seres humanos completos, homens e mulheres precisam se casar... A união de um homem e uma mulher não é meramente um ideal estimulante; é a essência do ponto de vista judaico de como se tornar um ser humano." [Ibidem].

Esta declaração também é extraordinária: para conquistarem um completo desempenho como seres humanos, homem e mulher devem se unir sexualmente dentro do casamento! Por outro lado, uma sociedade que admite ou encoraja seus cidadãos a participarem de relações homossexuais está condenando seus cidadãos a viverem uma vida parcialmente humana. Será essa a razão por que tantas sociedades não cristãs são culpadas pela violação regular e sistemática dos direitos humanos? Será essa a razão por que a maioria das sociedades pagãs valoriza tão pouco a mulher? Apesar de todo o protesto de feministas radicais, o fato histórico que permanece é que as mulheres são tratadas muito melhor nas sociedades judaico-cristãs do que nas pagãs.

Isso nos traz ao quarto ponto no parágrafo inicial:

4. Esse autor faz a notável declaração de que a criação da heterossexualidade por Deus elevou o papel da mulher dentro da sociedade. Veja suas exatas palavras:

"Mas a maior razão para as mulheres e os homens, com relação à igualdade da mulher, se preocuparem com a homossexualidade é que parece existir uma direta correlação entre a predominância da homossexualidade masculina e a exclusão da mulher para um papel social inferior. Ao mesmo tempo, a emancipação feminina tem sido um produto da civilização ocidental, a civilização menos tolerante ao homossexualismo." [Ibidem].

Como pode ser isso? Você pergunta. Como a cultura grega valorizava grandemente as relações homossexuais, é ai que devemos primeiramente nos voltar para avaliar como uma sociedade obcecada pelo homossexualismo vê suas mulheres. Observe o relatório de Prager sobre a desmedida homossexualidade na atual cultura muçulmana. Falando sobre o horror das tropas da Força Especial Britânica ao descobrirem a ousada homossexualidade na cultura afegã, Prager cita um britânico, que disse:

"Descobrimos por um soldado afegão que muitos homens neste país têm a mesma filosofia dos antigos gregos: mulher é só para ter filhos, homem é para ter prazer." [Ibidem, pág. 43].

Para os gregos, uma mulher era apenas uma propriedade (como um escravo) para ter filhos, com quem o sexo era "necessário" para procriar e preservar a espécie. Era para os homens — especialmente os meninos — que os gregos se voltavam para obter prazer sexual.

Agora, compare esse fato histórico com o ponto de vista cristão sobre a mulher.

"Vós, maridos amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela... Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo." [Efésios 5:25,28].

Isso é amor sacrificial! É um padrão altamente poderoso! Esse padrão coloca a mulher em uma posição de alta estima para seu marido e para qualquer sociedade que aprecia os padrões bíblicos. O mandamento divino força os sentimentos naturalmente gerados para as relações sexuais entre homem e mulher dentro do casamento, ao invés de permitir que sentimentos fluam fora do casamento, e entre homens especificamente.

Destarte, as intensas sensações geradas pela experiência sexual passam entre o homem e sua mulher, fortalecendo a estima e o amor que um tem pelo outro. Essa realidade está por trás do mandamento para os maridos amarem suas mulheres de forma sacrificial, e uma vez que você remove o egoísmo de um relacionamento, esse relacionamento pode crescer plenamente. Veja o que diz o apóstolo Paulo mais uma vez:

"Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros." [Filipenses 2:3-3].

Essa é a verdadeira base para um relacionamento fundamentalmente sólido, e ele começa com Jesus Cristo. Paulo continua seu ensino, seguindo para o próximo verso:

"De sorte que haja em vós mesmos o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus." [Ibidem, verso 5].

Um relacionamento que começa com o tipo de sentimento altruísta de Jesus pode então avançar do casamento para o leito matrimonial. No leito conjugal, cada um está mais preocupado com outro do que consigo mesmo. O resultado deve ser então a satisfação total — física, emocional e mental.

Esse tipo de relacionamento pode construir famílias, criar filhos no "temor e admoestação do Senhor" e, coletivamente, construir uma sociedade superior a qualquer outra. De acordo com Dennis Prager, a sociedade judaico-cristã realizou isso. Ele está absolutamente correto, apenas não dá a Deus, a Jesus Cristo e à sua palavra o devido crédito, preferindo ao invés disso referir-se ao judaísmo, e à Torá. Mas, pelo menos, sua opinião secular sobre a superioridade do mandamento de Deus quanto à heterossexualidade dentro do casamento é grandemente válida.

5. As sociedades que não impuseram limites concernentes à sexualidade colocaram um obstáculo no seu desenvolvimento. As pessoas ao longo dos séculos acreditaram erradamente que Deus tentou evitar que elas "se divertissem" por causa de todos os seus estatutos e mandamentos. É claro, nada poderia estar mais longe da verdade, como Jesus Cristo amplamente demonstrou, ao ser criticado por participar de festas, banquetes e por recrear-se. [Mateus 11:16-19].

Quando Deus criou os limites para certos comportamentos — especialmente o comportamento sexual — estava expressando a bondade do seu coração, desejando apenas proteger sua criação de atitudes destrutivas e fatais. Por ser o Criador da humanidade, ele sabia exatamente que tipos de ações precisaríamos tomar para sermos saudáveis e felizes, e sabia exatamente que tipo de atitudes deveríamos evitar.

Permita-me fazer duas ilustrações:

Primeiro, todos entendemos que quando compramos um automóvel devemos preservá-lo de acordo com as instruções do fabricante, para o mantermos funcionando bem por um bom período de tempo. Concluímos que temos de ler e seguir o manual.

Assim, trocamos o óleo regularmente e observamos a manutenção planejada. E se decidirmos colocar água ao invés de óleo em nosso carro para economizar dinheiro? E se decidirmos colocar água no tanque de gasolina ao invés de combustível? A resposta é óbvia, o carro pararia de funcionar rapidamente, acarretando provavelmente estragos maiores.

Da mesma forma é com a humanidade. Deus, o Criador, nos formou de certa maneira, e nos deu instruções detalhadas em seu "manual do fabricante", a Bíblia. Os estatutos e mandamentos de Deus são todos destinados a manter nossos corpos, mentes, e espíritos funcionando bem e de acordo com seu plano. Se nos desviarmos desses estatutos, corremos risco, pois rapidamente na vida do indivíduo e da nação a deterioração será tão grande que eles ficarão enfermos e morrerão — tanto individualmente quanto como nação.

Segundo, os mandamentos de Deus lançam um limite ao redor das pessoas, para protegê-las. Sendo que nosso coração é instintivamente mau (Jeremias 17:9), deixados por nossa própria conta, naturalmente faremos coisas que irão nos prejudicar e nos destruir. Portanto, Deus nos deu seus mandamentos para colocar uma cerca de proteção ao nosso redor, para que não sejamos feridos ou soframos a morte como resultado de nossas ações.

Os limites de Deus podem ser propriamente imaginados como sendo as paredes que construímos ao redor das lareiras em nossas casas. A lareira é firmemente cercada por tijolos ou aço, e uma tela externa que é colocada em frente dela para que as chamas não lancem faíscas no tapete, causando assim um incêndio. Esses bloqueadores protegem a casa e o fogo não perde o controle queimando-a toda!

A atividade sexual, como você está prestes a descobrir a seguir, é um fogo que queima totalmente fora de controle quando é praticada fora dos preceitos de Deus. As faíscas da lareira desta nação e de todas as nações atualmente que estão abraçando o homossexualismo, estão queimando fora de controle; nossa casa está queimando, ainda assim a maioria das pessoas se recusa a perceber isso, e pouquíssimas querem retornar para as fronteiras seguras fornecidas pelos mandamentos de Deus a respeito do comportamento sexual.

Não é óbvio que a nossa casa está em chamas com a atual e oficial aceitação da homossexualidade? Veja novamente o que diz o autor Prager.

"Embora alguns homossexuais vivam vidas de fidelidade comparáveis aos homens heterossexuais, normalmente não é isso que acontece. Enquanto uma típica lésbica tenha menos de dez amantes, o típico homem homossexual na América tem mais de 500... Quando a sexualidade masculina não é controlada, as conseqüências são consideravelmente mais destrutivas do que a homossexualidade feminina não controlada. Os homens, e não mulheres, se entregam aos fetiches. Os homens são mais freqüentemente consumidos por seus desejos sexuais e vão de um parceiro sexual para outro. Os homens, e não mulheres, são sexualmente sádicos."

"O sexo indiscriminado que caracteriza muito a vida do homem homossexual representa a antítese do objetivo do judaísmo de elevar a vida humana, de uma vida animal (e irracional) para uma vida à imagem de Deus." [Ibidem, pág. 45].

Quanto mais nossas autoridades — do governo aos educadores, do legislativo à polícia — aceitam o estilo de vida homossexual, mais as faíscas voam da lareira desprotegida, e mais a casa arde em chamas. Nossa casa nacional está em chamas, e ainda assim pouquíssimas pessoas jamais compreendem o que Deus predisse sobre o fim dos tempos:

"...mas os ímpios procederão impiamente, e nenhum dos ímpios entenderá, mas os sábios entenderão." [Daniel 10:12b].

Como o livro de Daniel foi escrito exclusivamente para o fim dos tempos, sabemos que essa passagem foi escrita para este tempo presente, para nós aqui e agora. Entretanto, podemos saber que essa revelação é para nós, e se aplica ao assunto da homossexualidade. Veja o que essa passagem está dizendo:

1. "Os ímpios procederão impiamente". A impiedade normalmente presente em qualquer momento da história será extremamente ampliada no fim dos tempos. Os ímpios realmente agirão impiamente, e viverão vidas perversas. Jesus Cristo nos disse que o fim dos tempos será caracterizado pela mesma malignidade que atormentava o pobre Ló:

"E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do Homem. Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos. Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos." [Lucas 17:26-29].

A advertência principal de Jesus aqui é que sua segunda vinda será tão inesperada para os pecadores como foi nos dias de Noé e Ló. Entretanto, muitos estudiosos acreditam que ele também quis dizer que muitas das características pecaminosas das sociedades nos tempos de Noé e Ló estarão presentes no fim dos tempos. Certamente, estamos vendo a liberação do estilo de vida homossexual e sua forçosa aceitação pelas autoridades governamentais numa escala jamais vista desde os dias de Ló — de Sodoma e Gomorra.

Agora, vamos voltar para o restante do artigo, e retirar genuínas jóias que valem a pena mencionar e discutir.

A Dessexualização de Deus, da Religião e da Sociedade

"Entre as conseqüências do impulso sexual não canalizado para o matrimônio está a sexualização de tudo — inclusive da religião. A não ser que o impulso sexual seja apropriadamente controlado (mas não cortado — o que leva à sua própria conseqüência destrutiva), a religião mais elevada não pode se desenvolver. Assim, a primeira coisa que o judaísmo fez foi dessexualizar Deus. 'No princípio, criou Deus o céus e a terra' pela sua vontade, não por meio de alguma atividade sexual. Isso rompeu com todas as outras religiões, e somente isso mudou a história da humanidade." [Ibidem, pág. 36].

Em meus anos no mundo dos negócios, posso falar dos dois tipos de pessoas que mais têm obsessão pelo dinheiro: (1) aqueles que pensam que estão próximos do seu objetivo; e (2) aqueles que não têm nenhum dinheiro, mas que ambicionam as coisas que o dinheiro pode comprar. Esse último grupo é o que tem a maior obsessão pelo dinheiro; são os que jogam na loteria e lotam os cassinos e bingos, tentando ficar ricos rapidamente.

O princípio é que as pessoas mais obcecadas são as que têm muitas ambições, mas nenhum escape pelo qual possam satisfazer suas cobiças. Existem exceções a essa regra, mas ela é firmemente válida.

Essa exata situação é válida em termos de sexo, a que o autor do artigo referido menciona. Quando o desejo sexual é "cortado, suprimido" através do celibato forçado — como ocorre no sacerdócio de muitas religiões de mistério ao longo da história — os resultados são desastrosos desvios sexuais por parte dos sacerdotes. A atividade desviante do clero ocorreu no meio de sacerdotes celibatários de todas as religiões de mistério nos últimos 4.000 anos, sendo o exemplo mais recente o do clero católico romano. [Veja os detalhes no vídeo, "Catholicism: White Sepulcher Christianity"].

Agora, vamos retornar para a primeira declaração desse parágrafo acima, que o judaísmo foi capaz de "dessexualizar" Deus; muitos cristãos não compreendem a magnitude em que as religiões pagãs na história "sexualizaram" seus deuses. Como o autor desse artigo referido observa:

"Os deuses de virtualmente todas as civilizações se envolviam em relações sexuais." [Ibidem].

Para ilustrar esse ponto, o autor Prager relaciona várias civilizações e suas respectivas religiões na qual seus deuses ou deusas se envolviam em comportamento sexual, incluindo atos de estupro e sadismo sexual. Dos babilônios aos egípcios e cananeus, ao hinduísmo, ao budismo chinês, aos mistérios gregos e romanos, os deuses e deusas estavam em busca de sexo, tanto heterossexual quanto homossexual. Depois de relacionar esses fatos em várias religiões, Prager afirma:

"Dado o comportamento sexual dos deuses, não é de se surpreender que as religiões estavam repletas com toda forma de atividade sexual. No Oriente Próximo, e em outros lugares, as virgens eram defloradas pelos sacerdotes antes de iniciarem o relacionamento sexual com seus maridos, e a prostituição ritual ou sagrada era quase universal." [Ibidem, pg.37].

Durante os primeiros anos da igreja cristã, o ritual pagão da prostituição era comum tanto na religião da Grécia como em Roma. A deusa Diana, contra a qual o apóstolo Paulo tanto lutou, era basicamente uma deusa do sexo, retratada com muitos seios. Nos templos dessa deusa, a prostituição era praticada rotineiramente; os homens gostavam desse tipo de religião, pois podiam adorar seu deus ou deusa praticando sexo com muitas mulheres diferentes!

Mas, então, o autor Prager solta a bomba!

"Em todo o antigo Oriente Próximo, desde o início dos tempos, o sexo anal fazia parte da adoração às deusas."[Ibidem].

Realmente, quando Satanás criou essas falsas religiões baseadas em grande parte no sexo, sabia que estava apelando ao instinto mais básico do ser humano. Realmente, essas civilizações permitiram que o fogo sexual escapasse da lareira e queimasse toda a casa. Depois de um período de tempo, o Deus da Bíblia trouxe julgamento físico sobre cada uma dessas civilizações antigas, destruindo-as totalmente. A maioria dos cristãos não percebe isso, mas quando Deus ordenou aos israelitas que matassem todos os habitantes da Terra Prometida, ele assim o fez por que aqueles povos estavam tão imersos no pecado sexual que Deus queria evitar que esse terrível mal tomasse conta das tribos israelitas. Várias e várias vezes, Deus disse: "Assim afastarás o mal para longe de ti."

O autor Prager gasta um bom tempo detalhando essas práticas sexuais pagãs e demonstrando que a obsessão sexual dominou não somente as religiões pagãs, mas também a própria sociedade. Os cidadãos medianos e seus líderes ficaram absorvidos em várias formas de sexo. Em seguida, Prager compara esse triste estado de coisas com a superioridade do caminho de Deus.

"O judaísmo coloca controle na atividade sexual. Ela não podia mais dominar a religião e a vida social. Deveria ser santificada — o que em hebraico significa 'separada' — do mundo e colocada no lar, no leito do marido e da sua mulher. A restrição do comportamento sexual no judaísmo foi um dos elementos essenciais para capacitar a sociedade a progredir...(produzindo) as mudanças de mais longo alcance na história." [Ibidem].

Nessas sociedades pagãs, os cidadãos agiam rotineiramente como os homens solteiros de sangue quente agem hoje em dia; estavam constantemente procurando sua próxima conquista sexual, e ficavam obcecados em alcançá-la. Então, uma vez que a conquista era feita e completada, eles se desvairavam para a próxima conquista.

O plano de Deus é tão superior! Canalizando o impulso sexual para dentro do casamento entre marido e mulher, Deus proveu o potencial pelo qual o sexo poderia ser apreciado diariamente, se esse fosse o desejo do marido e da mulher! Ou, várias vezes diariamente! Essa realidade então afastou a obsessão de obter sexo. Durante o dia, no trabalho, tanto marido e mulher podiam voltar a atenção às suas atividades, às habilidades criativas, em direção às atividades que construiriam a família, a nação e a civilização. É de se admirar que o esforço coletivo na nação judaica e nas nações cristãs construíram melhores civilizações, e produziram um estilo de vida mais abundante?

É claro que nós, cristãos, também sabemos que a benção e a maldição de Deus sobre as pessoas dependendo se estão seguindo seus mandamentos ou não com relação à atividade sexual, tem muito que ver com o resultado final dessas civilizações pagãs; entretanto, as diferenças entre Israel e as nações cristãs são tão evidentes, que o autor Prager pôde ver isso claramente mesmo que não acredite na benção de Deus sobre nações obedientes e sua maldição sobre as rebeldes.

Deus Definiu a Heterossexualidade e a Homossexualidade

Sem as declarações de Deus de que somente reconheceria o sexo dentro do casamento heterossexual, o homossexualismo seria tão aceito como normal pelo povo pagão quanto era o heterossexualismo. Como Prager afirma:

"Para apreciar a extensão da revolução ornamentada pelo judaísmo proibindo o homossexualismo e exigindo que todas as interações sexuais fossem entre homem-mulher, é necessário primeiro avaliar quão universalmente aceito, valorizado e praticado o homossexualismo é em todo o mundo. A única e contínua exceção foi a civilização judaica — e mil anos mais tarde — o cristianismo. 'Nenhuma das civilizações da antiguidade proibia o homossexualismo', observa o professor de sociologia Dr. David E. Greenberg." [Ibidem, pág. 38].

Essa única exceção em declarar a homossexualidade como errada é exatamente o que você esperaria em ver se o Deus da Bíblia é o único Deus verdadeiro, enquanto Satanás, o deus de todas as outras nações pagãs que legitimaram a homossexualidade, espalhou essa forma de rebelião por todo o mundo, permeando todas as religiões pagãs. Você esperaria que apenas uma religião — a religião que adora o único Deus verdadeiro — proíba a atividade que Deus chama de "abominação". Observe como Deus condena a homossexualidade de forma absoluta:

"Com homem não te deitarás, como se fosse mulher, abominação é." [Levítico 18:22].

"Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles." [Levítico 20:13].

Essas são palavras excessivamente fortes da parte do Deus Criador, que originalmente criou o homem (Adão) e sua mulher (Eva), para que fossem "frutíferos e enchessem a terra". Como Deus originalmente criou o sexo para ser o meio pelo qual a humanidade é perpetuada e numericamente acrescentada, como alguém pode se surpreender que Deus proíba qualquer atividade que ele não autorizou ou planejou? Por que devemos nos surpreender que Deus proíba nos termos mais rígidos possíveis, o sexo que não produza o nascimento de crianças?

Os líderes cristãos não perderam tempo em dizer que Jesus Cristo estava levando adiante toda a Lei Moral do Antigo Testamento, incluindo a estrita proibição ao homossexualismo. Veja o que escreveu o apóstolo Paulo, falando pelo poder do Espírito Santo:

"Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus." [1 Coríntios 6:9-10].

Assim, o Espírito Santo nos assegura firmemente que a Igreja Cristã primitiva estava alinhada com a Lei Moral original do Antigo Testamento. Esse fato é a razão pelo qual Prager observa que o cristianismo uniu-se ao judaísmo como a única defesa firme contra o homossexualismo.

Essas firmes declarações de Paulo realmente enfurecem a atual comunidade homossexual. Qual é o grau de aversão e ódio dos homossexuais de hoje com relação ao apóstolo Paulo? No atual livro de apologética em favor do Catolicismo Romano tradicional, Michael Rose cita um padre católico homossexual. Veja:

"O apóstolo Paulo devia ser castrado e ter seus testículos enfiados em sua boca." [Goodbye! Good Men, de Michael Rose].

Os líderes homossexuais atuais estão seguindo uma nova tática. Procuram separar Jesus Cristo e as narrativas do Evangelho do resto do Novo Testamento e apontam que Jesus Cristo não falou especificamente contra o homossexualismo. Portanto, argumentam que ele aceitou de maneira implícita a prática sexual depravada!

A partir de um ponto de vista puramente lógico, ninguém pode chegar a tal conclusão específica com base na falta de evidência! É totalmente ilógico chegar a tal conclusão com base na falta de ensino de Jesus sobre o assunto. Além disso, essas pessoas ignoram o fato de que Jesus atribuiu ao apóstolo Paulo a responsabilidade de ser o fundador do cristianismo entre os gentios, e articular exatamente como os ensinamentos de Jesus nos Evangelhos seriam aplicados. Lembre-se disto: Jesus Cristo nasceu sob a Lei do Antigo Testamento, Ele enviou seus discípulos para alcançar o povo judeu, e morreu sob a Lei. Jesus era um rabino (mestre) que viveu debaixo da Lei do Antigo Testamento. Portanto, nem todos os ensinos dos Evangelhos, e nem todas as verbalizações proféticas, nos quatro Evangelhos, aplicam-se à igreja gentílica. Podemos ter certeza se um ensino aplica-se à igreja gentílica — que nunca esteve debaixo da Lei — somente se o apóstolo Paulo o reiterou.

Contudo, Jesus fez uma ousada declaração que é a prova contra a mentira que está sendo propagada e amplamente espalhada pelos atuais líderes homossexuais. Os fariseus estavam falando para as pessoas que Jesus estava de maneira blasfema tentando abolir todo o sistema da Lei do Antigo Testamento. Ele então declarou:

"Não cuideis que vim destruir a lei e os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido." [Mateus 5:17-18].

Quão mais claro Jesus poderia ser para mostrar que não é a favor do homossexualismo? Desde que nenhum "jota ou til" se omitirá da Lei enquanto o céu e a terra permanecerem, então as proibições a respeito da homossexualidade em Levítico 18 e 20 estarão em vigor até o fim do reinado de mil anos de Jesus Cristo!

Deus Condenou a Homossexualidade Antes Mesmo de Outorgar a Lei Mosaica

Um fator que Pranger parece não compreender é que Deus proibiu a homossexualidade milênios antes de oficialmente outorgar a Lei Mosaica. A história humana começou aproximadamente 2.000 anos antes de Moisés; todavia, Prager comete o erro comum de acreditar que a proibição de Deus começou apenas com Moisés.

Deus instituiu uma Lei Verbal que requeria que todas as nações obedecessem. Vemos esse fato em algumas interessantes ilustrações do Antigo Testamento.

Primeiro, vemos que Caim sabia que tinha cometido um pecado grave ao matar seu irmão Abel.

Segundo, vemos Abraão rogar para que Deus não destruísse Sodoma e Gomorra por causa da homossexualidade que era desmedida naquelas cidades. Abraão não pediu para Deus tapar os olhos para o pecado; em vez disso, suplicou que Deus não destruísse o inocente junto com os ímpios. Depois de muitas súplicas, Abraão assegurou-se da promessa de Deus de que ele não destruiria aquelas duas cidades se encontrasse apenas dez homens justos entre a população de milhares de habitantes.

Vemos o relato da história em Gênesis 18, começando no verso 16, quando Deus decide informar Abraão de seus planos de destruir Sodoma e Gomorra. Abraão ficou horrorizado quando soube que Deus planejava destruir uma população inteira por causa de suas depravadas atividades sexuais (homossexualismo). Abraão então se lançou num episódio de negociação com Deus, argumentando que ele não podia matar o inocente junto com o culpado [versos 25-28].

Então Deus concedeu a Abraão seu pedido, prometendo não destruir fisicamente as cidades se encontrasse apenas cinqüenta justos em ambas. Embora Abraão não tenha conseguido salvar as pessoas daquelas cidades, ele salvou a Ló. Veja o que o comentarista Matthew Henry diz a respeito desse episódio maravilhoso.

"Aqui está a primeira oração solene registrada na Bíblia; e é uma oração para o livramento de Sodoma. Abraão orou intensamente para que Sodoma pudesse ser poupada, se apenas alguns justos fossem encontrados nela. Venha e aprenda com Abraão o tipo de compaixão que devemos sentir pelos pecadores, e como intensamente devemos orar por eles. Vemos aqui que a oração efetiva, fervorosa do justo é muito proveitosa. Abraão, de fato, falhou por não ter intercedido por toda a localidade, mas Ló foi miraculosamente poupado." [Comentários de Matthew Henry].

Você percebeu que a oração de Abraão para que Deus livrasse Sodoma e Gomorra foi a primeira oração solene registrada na Bíblia? Abraão caminhava e conversava com Deus íntima e diariamente, que sentiu que podia protestar vigorosamente ao seu Deus Criador!

E ele argumentou. Uma vez que Deus concordou em livrar as cidades se encontrasse apenas 50 justos, Abraão então perguntou para Deus se ele encontrasse 40, e então 20, e finalmente, 10. No final, Deus concordou em poupar Sodoma e Gomorra se pudesse encontrar apenas dez justos; essa oração é provavelmente a que salvou Ló e sua família, assim como Matthew Henry afirmou. Na verdade, a oração fervorosa do justo é muito valiosa diante de Deus.

A oração de Abraão não salvou somente as vidas de Ló e sua família, mas também causou o cenário que temos registrado nas Escrituras na qual anjos celestiais que tomaram a forma física de homens caminharam pelo portão da cidade, onde Ló os recebeu. Ló, evidentemente, sabia que aqueles estranhos seriam abordados pelos homens e garotos homossexuais da cidade, pois o sexo em público era comum ali. Ló então convidou aqueles estranhos para que viessem à sua casa e ficassem ali protegidos, um convite que os anjos aceitaram.

Em algum momento, Ló tomou conhecimento que aqueles estranhos eram anjos enviados por Deus. Os homens e garotos da cidade cercaram a casa e exigiram que Ló pusesse os homens angelicais para fora para que eles pudessem "conhecê-los" [o verbo "conhecer" também significa ter relações sexuais]. Os gays que cercavam a casa planejavam estuprar aqueles estranhos ali em público!

Por que eles eram tão ousados? Por que não tinham medo de serem presos pela polícia por causa do estupro violento que estavam planejando ou por praticarem sexo em público? Um pouco de senso comum revela por que aqueles homens não tinham medo de serem presos: tal atividade pública NÃO era ilegal em Sodoma e Gomorra! Por quê? Porque todas as instituições de autoridade — escolas, legislaturas, tribunais — ensinavam que a homossexualidade era tão normal quanto a heterossexualidade e não criaram nenhuma lei para proibi-la, em nenhum lugar, nenhum momento, com ninguém, ou sob quaisquer circunstâncias. Além disso, os direitos individuais evidentemente não tinham nenhum valor ali, pois esses homens e garotos intencionavam ter sexo com aqueles anjos de Deus, se as vítimas estivessem dispostas ou não, em outras palavras, eles iam estuprar os anjos para satisfazer sua lascívia.

Finalmente, observem o terrível pressentimento de Ló sobre as conseqüências desse estupro intencionado:

"E antes que se deitassem, cercaram a casa, os homens daquela cidade, os homens de Sodoma, desde o moço até ao velho; todo o povo de todos os bairros. E chamaram a Ló, e disseram-lhe: Onde estão os homens que a ti vieram nesta noite? Traze-os fora a nós, para que os conheçamos. Então saiu Ló a eles à porta, e fechou a porta atrás de si, e disse: Meus irmãos, rogo-vos que não façais mal; eis aqui, duas filhas tenho, que ainda não conheceram homens, fora vo-las trarei, e fareis delas como bom for aos vossos olhos; somente nada façais a estes homens, porque por isso vieram à sombra do meu telhado." [Gênesis 19:4-8].

Quando Ló diz "não lhes façais mal", estava reagindo a uma lei moral apontada divinamente, que não somente proibia tal atividade sexual, mas estipulava tão dura punição a ponto de fazer com que Ló tomasse o próximo passo para evitar esse estupro homossexual contra os anjos de Deus. Vejam:

"Eis aqui, duas filhas tenho, que ainda não conheceram homens, fora vo-las trarei, e fareis delas como bom for aos vossos olhos; somente nada façais a estes homens..."

Embora Deus sempre tenha proibido o estupro heterossexual, Ló o considerava um pecado muito menos grave do que o estupro de anjos de Deus. Pelo menos, os mensageiros celestiais não seriam sexualmente molestados.

Entretanto, o principal ponto que desejamos enfocar é que Deus havia instituído o código moral conhecido pelos homens de todas as tribos e nações muitos séculos antes do tempo em que outorgou a Lei Mosaica. Portanto, o autor Prager, evidentemente não está a par desse fato, pois afirma que a proibição legal contra a homossexualidade começou com a Lei Mosaica.

Conclusão

Nós, cristãos que cremos na Bíblia, não precisamos de nenhuma confirmação para a nossa fé de que os mandamentos de Deus na Santa Bíblia produzem um estilo de vida superior, pois sentimos isso em nossos corações e almas no momento em que aceitamos Jesus Cristo como Salvador e o Espírito Santo faz morada em nossos corações. Todos os dias de nossas vidas, experimentamos a superioridade da vida baseada nas Escrituras. Conforme enfrentamos os problemas menores e maiores em nossas vidas, experimentamos a paz de coração que o apóstolo Paulo tão claramente afirmou ser a herança do crente:

"Glória, porém, e honra e paz a qualquer que pratica o bem; primeiramente ao judeu e também ao grego." [Romanos 2:10].

"Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo." [Romanos 14:17].

"Graça e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." [1 Coríntios 1:3].

"Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo." [2 Coríntios 1:2].

"Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai e da do Senhor Jesus Cristo." [Filipenses 1:2].

"Aos santos e irmãos fiéis em Cristo, que estão em Colossos: Graça a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo." [Colossenses 1:2].

"E a paz de Deus, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos." [Colossenses 3:15].

"Paulo, e Silvano, e Timóteo, à igreja dos tessalonicenses em Deus, o Pai, e no Senhor Jesus Cristo: Graça e paz tenhais de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo." [1 Tessalonicenses 1:1].

"Graça e paz a vós da parte de Deus nosso Pai, e da do Senhor Jesus Cristo." [2 Tessalonicenses 1:2].

"A Timóteo, meu verdadeiro filho na fé: Graça, misericórdia, e paz da parte de Deus nosso pai, e da de Cristo Jesus, nosso Senhor." [1 Timóteo 1:2].

"A Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: Graça, misericórdia, e paz da parte de Deus Pai, e da do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador." [Tito 1:4].

"Graça a vós e paz da parte de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo." [Filemon 1:3].

O apóstolo Paulo incluiu a palavra "paz" no início de parte dessas maravilhosas epístolas, fazendo você perceber que intencionou que as palavras de cada epístola produzissem a paz de coração que as pessoas estavam procurando. O verdadeiro cristão tem essa "paz de coração".

Os ímpios, entretanto, não têm essa paz. Veja como Deus os adverte:

"Mas os ímpios são como o mar bravo, porque não se pode aquietar, e as suas águas lançam de si lama e lodo." [Isaías 57:20].

"Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha." [Salmos 1:4].

Conforme caminhamos para o fim dos tempos e os planejados desastres estão se acelerando sobre nós, qual é sua paz de coração diante de Jesus Cristo?



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Tradução: Ruth Marc
Data da publicação: 23/9/2002
Patrocinado por G. e A.
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n1682.asp