Escolha uma cor para o fundo:  

Estaria o Irã "Acendendo Muitas Fogueiras" Para Iniciar uma Guerra Regional no Oriente Médio?

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

O plano iraniano para prender o "Grande Satã" americano no pântano que é o Iraque.

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


A Tática de Acender Múltiplas Fogueiras

À medida que as tropas americanas e britânicas estavam se preparando para um ataque em março de 2003, o Irã subitamente deu início a frenéticas conversações diplomáticas com os países árabes vizinhos. Em sucessivas matérias na seção Daily News Updates do nosso site naquele mês de março, observamos que membros de alto escalão do governo iraniano visitaram as capitais de todos os países árabes no Oriente Médio. Em seguida, em 21 de março de 2003, o jornal The Jerusalem Post trouxe uma matéria que tornou pública a razão para esse frenético esforço diplomático. Vamos analisar essa matéria:

Resumo da Notícia: "O Irã Está se Preparando Para 'Acender Muitas Fogueiras' Como Forma de Derrotar os Americanos", The Jerusalem Post, 21/3/2003.

"O Grande Satã Americano nunca aceitará um sistema islâmico. Ele está vindo ao Iraque para completar seu cerco à nossa República Islâmica antes de agir contra nós. Ajudar os americanos a conquistar o Iraque facilmente seria um suicídio para nossa revolução.' [principal assessor de política exterior de Khamenei, o ex-ministro iraniano das Relações Exteriores Ali-Akbar Valayati]. Velayati afirma que os EUA têm dois objetivos no Oriente Médio: evitar a destruição da 'entidade sionista' e controlar o petróleo árabe."

"Ao contrário dos partidários da acomodação, que prevêem uma fácil vitória americana, os partidários do confronto acreditam que o envolvimento dos EUA no Iraque poderia se tornar 'o início de seu fim'. Ele explica:

"'O Iraque é um pântano', Khamenei disse em seu discurso aos guardas. 'O Grande Satã será apanhado nesse pântano; e isso acelerará seu inevitável colapso'. Em um artigo recente, Velayati delineou uma estratégia direcionada a 'confrontar o Grande Satã em diversas frentes.'"

Ele então citou quais são essas "diversas frentes":

Vimos um aumento repentino da luta no Afeganistão, até o ponto em que as Forças Armadas americanas precisaram enviar reforços. Devemos também observar fogueiras adicionais se acendendo no Azerbaijão e até no Paquistão; é interessante que o ministro iraniano das Relações Exteriores fez uma visita ao Paquistão logo após esse artigo referido ter sido publicado em The Jerusalem Post. Talvez o Paquistão seja uma área em que "muitas fogueiras serão acesas" para fazer oposição aos americanos. Na seção de notícias diárias Daily News Updates do dia 1 de abril de 2004, observamos que as forças americanas estavam se preparando para lançar mais uma ofensiva no Afeganistão. Nessa data, 2.000 novos fuzileiros navais desembarcaram para tentarem localizar Osama bin Laden na fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão. De tempos em tempos nestes anos, as forças americanas lutaram muitas batalhas contra os insurgentes afegãos. Essa guerra simplesmente não acabará tão cedo.

Khamenei declarou sua intenção de fazer o Iraque se transformar em um "pântano" para os americanos, um pântano que provocará o colapso deles. Se quiser que um inimigo fique atolado em um pântano, você o atrai e o faz entrar bem no centro desse pântano, não é mesmo? Ao mesmo tempo, você quererá manter suas forças fora do pântano para que elas possam lutar sem impedimentos, e em seus próprios termos.

À medida que ocorreu o recrudescimento da luta no Iraque na semana que passou, você precisa perguntar a si mesmo se essa guerra entrou na Fase 2 agora. Durante essa luta mais recente, as Forças Armadas americanas admitiram que esses "insurgentes" estavam usando táticas que eram muito sofisticadas e complicadas. A nova sofisticação provocou um grande número de baixas, e dezenas de soldados americanos morreram na primeira semana de luta. Uma matéria não confirmada informou que 130 soldados tinham morrido.

Essa nova sofisticação é agora suspeita de ser obra de elementos externos, possivelmente iranianos. Se isso for verdade, então o Irã escolheu enfrentar as forças americanas no terreno iraquiano, em vez de aguardar passivamente que elas invadam. Mas, por que deveríamos nos surpreender, se o Irã decidiu em 2003 usar o Iraque como um de seus "frontes" pelos quais derrotará os EUA. (Veja a discussão anterior.).

O Irã, o Cérebro Que Está Por Trás da Resistência Iraquiana

Vamos agora analisar algumas matérias que especificam que o Irã é provavelmente o cérebro que está por trás desse súbito recrudescimento nos ataques contra as forças americanas no Iraque.

Resumo da Notícia: "O Irã declara guerra aos EUA", WorldNetDaily, 5/abril/2004.

"O Irã declarou guerra aos EUA... estamos agora lutando em uma guerra regional. Nossa oposição local no Iraque está sendo treinada, armada e dirigida com suporte iraniano — pelo vizinho Irã. O levante de ontem foi tratado em muitos relatos de notícias iniciais como um levante espontâneo dirigido pelo clérigo de Najaf, Moktada al-Sadr. O que outros relatos de notícias deixaram de citar é um fato significativo, mas bem definido: Al-Sadr trabalha para o Irã. Ele é um agente iraniano. A autoridade deve vem do Irã."

Ontem, os militares americanos emitiram um mandado contra Al-Sadr, querendo-o "Vivo ou Morto". Como ele é retratado como um "homem santo" da fé muçulmana, somos levados a acreditar que um levante geral ocorreria se Al-Sadr fosse preso ou morto. Se isso é verdade ou não, decidimos tentar pegá-lo; a atitude agressiva dos militares americanos em relação a esse "homem santo" foi sem dúvida alguma motivada pelo conhecimento de que ele é um agente iraniano.

Agora, vamos voltar ao artigo referido anteriormente para vermos exatamente como Al-Sadr foi elevado à posição que ocupa hoje.

"No mês de abril passado, um clérigo iraniano, Kadhem al-Husseini al-Haeri, emitiu um édito religioso e distribuiu para os mulás xiitas no Iraque, conclamando-os a 'tomar a primeira oportunidade possível para preencher o vácuo de poder na administração das cidades iraquianas. O édito, ou fatwa, emitido em 8 de abril de 2003, mostrou que os clérigos xiitas no Iraque estão recebendo direções significativas do Irã. O édito dizia que os líderes xiitas têm de 'tomar o maior número possível de posições para impor um fato consumado para qualquer futuro governo... As pessoas precisam ser ensinadas a não entrarem em colapso moral diante dos meios usados pelo Grande Satã se ele ficar no Iraque', dizia a fatwa." [Ibidem].

Exatamente assim, o plano iraniano de lutar contra os EUA uma vez que eles estiverem lutando no "pântano" iraquiano começou a avançar. Esse súbito recrudescimento na luta, que é tão sofisticado em tática e em liderança geral, simplesmente diz "Irã". Exatamente como a declaração de março de 2003 indicava, o Irã agora se moveu em ação direta contra o "Grande Satã" no Iraque; o recrudescimento da luta no Afeganistão nestes últimos meses também pode ser o resultado da direção iraniana. Ambos os países são mencionados na matéria do The Jerusalem Post como parte das "muitas fogueiras" que o Irã planeja acender após os EUA estarem afundando no "pântano".

Agora, finalmente, observe o momento em que ocorre o aviso oficial que Al-Sadr era o representante oficial do Irã dentro da comunidade xiita no Iraque.

"Em 7 de abril, no dia em que as tropas americanas efetivamente derrubaram o governo de Saddam Hussein tomando seus principais centros governamentais em Bagdá, Al-Haeri enviou uma carta manuscrita à cidade de Najaf, indicando Moktada al-Sadr como seu representante no Iraque. Haeri escreveu: "Por meio desta, informamos que o Moktada al-Sadr é nosso substituto e representante em todas as questões da fatwa.' Ela acrescentava: 'A posição dele é a minha posição.' " [Ibidem].

No mesmo dia em que os americanos derrubaram o governo de Saddam, a estratégia iraniana de 'acender muitas fogueiras' foi colocada em operação. Estamos agora apenas vendo seus efeitos amadurecerem.

Agora, vamos ao DEBKAfile para termos uma atualização mais recente sobre a liderança do Irã nesta guerra atual no Iraque:

Resumo da Notícia: "Ofensiva no Iraque na Primavera Patrocinada Pelo Irã Força um Remanejamento das Forças Americanas no Oriente Médio", DEBKAFile, 13/4/2004.

"A agenda de compromissos do presidente norte-americano George W. Bush para o restante de abril reflete um Oriente Médio sem o Iraque... A Casa Branca sem dúvidas foi advertida em termos gerais que uma ofensiva sunita-xiita na primavera estava em formação — mas sem uma data e palavra da coordenação tática forjada entre a milícia radical xiita Exército do Medhi, de Moqtada Sadr e os batalhões Al Farouk, que é formado principalmente por tropas oriundas dos Guardas Republicanos Especiais de Saddam, mais alguns homens da Al-Qaeda... Bush está esperando ansiosamente a chegada de um visitante de fora do Oriente Médio, o primeiro-ministro britânico Tony Blair. O encontro deles para o almoço na sexta-feira, 16 de abril, será na verdade um conselho de guerra. Os dois definirão os próximos lances políticos e militares no Iraque... O papel do Irã nas agitações recentes sem dúvida tomará uma grande parte nessa discussão entre Bush e Blair."

Observamos no nosso boletim da semana passada que o nome do exército xiita que está liderando o caminho na renovada luta era muitíssimo interessante: Exército do Mahdi (ou Mehdi). Como o termo "Mahdi" refere-se ao Messias aguardado pelos muçulmanos, essa escolha de nomes para a principal força de combate que está enfrentando as Forças da Coalizão parece destinado a despertar um forte fervor messiânico nos corações dos combatentes xiitas e dos civis que os apóiam. Essa visão é ainda mais suportada pelo anúncio, alguns dias atrás, por um clérigo xiita que toda a população do Iraque precisa se levantar e lançar os americanos para fora do país pela força bruta dos números. Todo comandante de Exército teme enfrentar milhões de civis furiosos que podem tomar suas posições pelo poder bruto dos números. O único modo de parar tal multidão de civis é matá-la, mas essa ação pode garantidamente ser um tiro que sai pela culatra contra os Estados Unidos.

Agora, vamos retornar a esse artigo do DEBKAfile para vermos exatamente a tática que o Irã usou para estimular esse levante:

"Por meio de seus agentes, os oficiais da Guarda Revolucionária e as células do Hezbollah no Iraque, Teerã incentivou o turbulento e jovem clérigo xiita a encenar um levante popular contra a coalizão liderada pelos EUA nos centros xiitas de Bagdá e do sul do Iraque. Ao mesmo tempo, agentes da Al-Qaeda baseados no Irã que entram e saem do Iraque pela fronteira iraniana e síria foram enviados para promover ligações táticas entre a milícia de Sadr e os insurgentes sunitas em Falluja e Ar Ramadi. Uma vez que as chamas foram acesas e os insurgentes sunitas e xiitas radicais envolveram-se em hostilidades na primeira semana de abril, Teerã, de acordo com as fontes da DEBKAfile, instruiu seus agentes a se dispersarem e manterem a discrição para que Washington não se sinta provocado a dar uma punição." [Ibidem].

Observamos que, quando as Forças da Coalizão contra-atacaram, encontraram pouca ou nenhuma resistência. Essa realidade revela que as tropas apoiadas pelos iranianos estão usando táticas genuínas de guerrilha. Elas atacarão no momento e no local mais favorável às suas necessidades, mas se dispersarão e se ocultarão quando confrontadas com uma resposta militar maciça. Esse tipo de tática de guerrilha é muito eficiente contra um Exército normal e ajuda a erodir o suporte da população civil no país de origem.

O Conselho de Governo Cooperativo do Iraque Tomou Nota do Envolvimento Iraniano

Até mesmo o Conselho de Governo Iraquiano — colocado no poder pela Forças da Coalizão — tomou nota da liderança iraniana dentro do Iraque.

Resumo da Notícia: "O Papel do Irã nos Recentes Levantes no Iraque", MEMRI, número 692, 9 de abril de 2004.

"Em 6 de abril, o diário londrino publicado em língua árabe, Al-Hayat (1) discutiu a recente atividade iraniana no Iraque: "Nos dois últimos dias, tem havido conversações repetidas no Conselho de Governo do Iraque sobre um grande papel iraniano nos eventos que ocorreram nas cidades xiitas iraquianas. A presença iraniana direta nas áreas xiitas do Iraque nas questões de política, segurança, e economia não podem mais ser ignoradas. Essa presença é acompanhada por um vigoroso esforço iraniano de criar pontes com diferentes forças no Iraque; primeiro, por ajuda material e logística a outros partidos além do xiita e, segundo, por meio da tradicional influência iraniana nos seminários religiosos [hawza] e nas instituições Marjaiya [autoridades religiosas xiitas]"

"Um membro do Conselho Governante disse ao Al-Hayat que os iranianos conseguiram recentemente ativar um conhecido Marja [um clérigo xiita considerado como uma autoridade religiosa], Kazem Al-Hairi, que vive na cidade de Qum, no Irã, e é sabidamente próximo do movimento de Al-Sadr, e era considerado um herdeiro do aiatolá Muhammad Sadeq Al-Sadr. (2) [Ibidem; ênfase no original].

Você pode ver que o Irã construiu cuidadosamente seu ataques em torno do fervor religioso da população. Não somente consultaram os representantes xiitas iraquianos, mas apontaram Al-Sadr como seu líder-chave dentro do Iraque, um clérigo considerado um aiatolá! Observe também que as tentativas deles de unirem as forças sunitas com os xiitas, desfazendo vários séculos de animosidade implacável entre os dois grupos. Matérias de notícias nestes últimos dias observaram que as ações táticas severas dos americanos contra a população civil provocaram a união desses dois competidores.

Ao retornarmos para esse artigo do MEMRI, vamos descobrir exatamente quão extensa se tornou essa infiltração iraniana no Iraque. Você verá o resultado prático da campanha de "acender muitas fogueiras" do Irã, e poderá ver como foi necessário para o Irã enviar emissários para virtualmente todas as capitais árabes na região em 22 de março, antes de implementar esse grande plano.

"... a presença iraniana no Iraque não está limitada às cidades xiitas. Em vez disso, está espalhada por todo o Iraque, de Zakho, no norte, a Umm Al-Qasr, no sul, e a infiltração dos Guardas Revolucionários Iranianos e do Exército da Al-Quds no Iraque começou muito antes da guerra, por meio de centenas de agentes da Inteligência iraniana, entre eles refugiados iraquianos que foram expulsos por Saddam Hussein nos anos 70 e 80 para o Irã, alegadamente por causa de sua origem iraniana, e que se infiltraram novamente no Iraque por meio das áreas curdas que estavam fora do controle do governo iraquiano do partido Baath. 'Após a guerra, a Inteligência iraniana enviou seus agentes por meio da fronteira não-controlada Iraque-Irã; alguns deles como alunos e clérigos, e outros pertencentes às milícias xiitas. Haj Saidi disse que o assassinato no verão passado do aiatolá Muhammad Baqir Al-Hakim, que presidia o Supremo Conselho da Revolução Islâmica no Iraque, foi uma operação bem sucedida executada pela unidade de Inteligência do Exército Al-Quds, do Irã. Ele também revelou que houve uma tentativa fracassada contra a vida do Marja Xiita de mais alto escalão, o aiatolá Ali Al-Sistani, durante o feriado de Eid Al-Adha no ano passado, e que houve outro plano de assassinar o aiatolá Ishaq Al-Fayadh." [Ibidem].

De uma forma tipicamente brutal, esses agentes iranianos procuraram remover por meio de assassinatos todos os clérigos que não estavam totalmente em sintonia com o grande objetivo do Irã. Quando esses assassinatos e tentativas de assassinatos ocorreram, a maioria das pessoas achou que os clérigos tivessem sido executados por insurgentes iraquianos locais que estavam meramente atacando os líderes iraquianos que estavam cooperando com as Forças da Coalizão. Poucas pessoas consideraram que esses assassinatos foram perpetrados por agentes iranianos profissionais.

Forças Iranianas Pressionando Por Eleições

Quando o presidente Bush anunciou que estava pressionando por eleições no Iraque o mais cedo possível, todos ficaram surpresos quando tantas pessoas no Iraque entusiasticamente concordaram, iraquianos que estavam batalhando duro pelo sistema de um homem, um voto. Agora, podemos compreender o porquê, ao continuarmos lendo o memorando do MEMRI.

"... a ameaça real vem não dos oficiais que são conhecidos, mas daqueles que não são conhecidos. Entre eles estão dezoito organizações filantrópicas xiitas em Kazimiya, na cidade de Al-Sadr em Bagdá, em Karbala, Najaf, Kufa, Nasiriah, Basra, e outras cidades com uma grande maioria xiita. Nesses escritórios, agentes de notícias foram recrutados todos os dias, sob o disfarce de ajuda financeira, assistência médica, alimentos, roupas para os pobres... o plano iraniano para tornar o Iraque em outro Irã é um plano amplo e envolve o recrutamento de milhares de jovens xiitas para o próximo estágio, que ocorrerá com as primeiras eleições parlamentares no Iraque. Aqueles que forem recrutados deverão arregimentar o voto de seus parentes em favor dos candidatos que serão endossados pelo aparato da Inteligência iraniana." [Ibidem].

Para propelir ainda mais o ímpeto para a eleição, esses agentes iranianos então voltaram sua atenção para a mídia de massa árabe.

"... mais de trezentos repórteres e técnicos que estão agora trabalhando no Iraque para as redes de televisão e de rádio, jornais, e outras agências da mídia, são na verdade membros do Exército da Al-Quds e das unidades de Inteligência dos Guardas Revolucionários... as alocações de dinheiro iraniano para as atividades no Iraque, tanto secretas quanto abertas, atingiram 70 milhões de dólares por mês."

Quando — e se — as eleições finalmente forem marcadas, os agentes iranianos terão preparado a população bem o suficiente para elegerem seus próprios representantes que suportarão a agenda deles. Parece que o plano para forçar as eleições rapidamente pode ser um tiro que sairá pela culatra contra os líderes americanos, pois parece que o Irã previu esse lance e criou um contramovimento que poderá se revelar extremamente eficiente.

Finalmente, vamos examinar a extensão em que as forças do Exército do Mahdi foram treinadas e suportadas pelas forças iranianas.

"Uma fonte no Exército Quds da Guarda Revolucionária Iraniana revelou para Al-Sharq Al-Awsat (4) informações relacionadas com a construção de três acampamentos e centros de treinamento na fronteira iraniana-iraquiana para treinar elementos do "Exército do Mehdi", fundado por Muqtada Al-Sadr. A fonte estimava que em torno de 800 a 1.200 jovens apoiadores de Al-Sadr receberam treinamento militar, incluindo guerrilha, fabricação de bombas e explosivos, o uso de armas pequenas, coleta de informações militares e espionagem. Os três acampamentos estavam localizados em Qasr Shireen, Ilam, e Hamid, na fronteira sul do Iraque, que é habitada em grande parte pelos muçulmanos xiitas. A fonte iraniana, conhecida no Iraque como "Abu Hayder" confirmou que o serviço de Inteligência da Guarda Revolucionária introduziu nas cidades xiitas equipamentos para a transmissão de rádio e televisão, que são usados por Al-Sadr e seus mantenedores. A fonte indicou que elementos do Exército Al-Quds e a Inteligência dos Guardas Revolucionários levaram muitos das operações dirigidas contras as Forças da Coalizão." [Ibidem].

Qual é o grande plano dos iranianos? Eles pretendem forçar os americanos a se retirarem do Iraque, assim preservando o Irã de ser fisicamente atacado pelas Forças da Coalizão. Eles também pretendem colocar um governo no Iraque que apóie plenamente o estilo de governo iraniano — "O Governo dos Juristas" [Wilayat Al-Faqih] que é o estilo de governo do falecido aiatolá Khomeini." [Ibidem].

Teria a Terceira Guerra Mundial Já Iniciado?

Agora que sabemos que o Irã é o cérebro que está por trás da luta atual no Iraque, precisamos enfocar a questão das possíveis ramificações geopolíticas. Se o Irã tem, de fato, enfrentado as forças americanas com seus agentes, isso significa que está iniciando a batalha para proteger sua nação atacando o inimigo no solo iraquiano? Falando tecnicamente, essa tática muda toda a equação político-militar. Agora, os EUA estão tecnicamente em guerra contra o Irã, tornando esse conflito uma guerra regional. Mas, por que deveríamos nos surpreender, se esse era o objetivo declarado do plano iraniano de "acender muitas fogueiras"?

O príncipe Hassan, da Jordânia, testemunhou os óbvios desdobramentos acontecerem e fez uma advertência: A Terceira Guerra Mundial pode estar a caminho.

Resumo da Notícia: "Príncipe Jordaniano faz advertência sobre a Terceira Guerra Mundial", Lucy Williamson, repórter do Oriente Médio da BBC News, 26 de março de 2004.

"O príncipe Hassan, da Jordânia, disse que receia que a Terceira Guerra Mundial esteja em erupção no Oriente Médio... Vozes extremistas na região estavam se erguendo e não somente indivíduos, mas estados estavam tomando a lei em suas próprias mãos, disse o príncipe. Ele estava falando após uma semana em que Israel assassinou o líder espiritual do grupo militante palestino Hamas, o xeque Ahmed Yassin... O príncipe disse que temia a violência que atualmente está marcando as relações israelenses-palestinas se alastraria para outros países na região... '... no tempo presente em que a fabricação de uma Terceira Guerra Mundial está realmente ocorrendo diante dos nossos olhos... Receio que veremos o transbordamento das hostilidades com o Líbano; o Hezbollah já está bombardeando o norte [de Israel]... Um transbordamento das hostilidades com a Síria... e, é claro, o Irã ainda está muito no eixo do mal.'"

Foi exatamente assim que a Primeira Guerra Mundial começou. Depois que o arquiduque da Áustria foi assassinado, os eventos começaram a se desdobrar exatamente da mesma maneira como o príncipe Hassan descreveu. Como uma pedra atirada em um lago, cada evento começou a criar círculos cada vez maiores de eventos subseqüentes. Em pouco tempo, o continente europeu ficou dividido em dois campos e a guerra ficou a caminho. Esse desdobramento de eventos levou trinta dias para ocorrer desde o assassinato do arquiduque. Muitas pessoas se preocuparam que o dramático assassinato perpetrado por Israel do clérigo palestino, o xeque Ahmed Yassim, possa similarmente ser o gatilho para essa Guerra Mundial.

O plano dos Illuminati prevê que a Terceira Guerra Mundial começará entre Israel e seus vizinhos árabes [leia o artigo N1056]. Além disso, logo após os ataques de 11/9/2001, um assessor do primeiro-ministro Sharon de Israel quase deixou o gato escapar da bolsa. Veja:

Resumo da Notícia: "A Terceira Guerra Mundial Virá — Gostem ou Não — Diz importante assessor de Sharon", Stephanie Innes, Arizona Daily Star, 27 de abril de 2002.

"Os ataques do terror em 11 de setembro e as extremas agitações no Oriente Médio apontam para uma coisa — a Terceira Guerra Mundial, disse um porta-voz do primeiro-ministro de Israel Ariel Sharon na sexta-feira, durante visita a Tucson. 'Estamos lutando em uma guerra nos últimos 18 meses, que é a precursora da Terceira Guerra Mundial. O mundo irá lutar, goste ou não. Tenho certeza disso. Raanan Gissin, um assessor de alto nível de Sharon, disse em uma entrevista na sexta-feira. '11 de setembro foi um evento divisor de águas e as coisas nunca mais serão as mesmas. As linhas de batalha já estão traçadas.'"

"As linhas de batalha já estão traçadas."

Essa é a essência do plano dos Illuminati. Esses ataques recentes no Iraque simplesmente representam o resultado de um plano muito maior para instigar a Terceira Guerra Mundial, que produzirá o Anticristo. O plano parece estar bem perto de sua conclusão. Cada ataque no Afeganistão e no Iraque e cada ameaça de guerra entre Israel e a Autoridade Palestina leva o mundo mais para perto das fatídicas "dores do parto finais" de Mateus 24:6-8, as dores finais trarão à luz o Anticristo.

Cada ataque terrorista e cada ameaça de ataque terrorista também cumpre essa profecia de Mateus 24 dos "rumores de guerras". Em breve, o mundo passará por súbitas chamas, quando a guerra explodir em todo o globo, acompanhada pelos ataques terroristas urbanos planejados, alguns dos quais serão realizados com armas de destruição maciça. Além de todos esses problemas, o plano prevê que cientistas deliberadamente causem terremotos sem precedentes na Califórnia [Behold a Pale Horse, de Bill Cooper; leia a resenha].

O nascimento do Anticristo estará seriamente para acontecer quando esses eventos começarem a ocorrer um após o outro em uma sucessão bem rápida.



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 13/7/2004
Patrocinado por: S. F. F. C. — Vargem Grande Paulista / SP
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n1910.asp