Escolha uma cor para o fundo:  

Vence o Prazo Dado ao Irã Para Cessar o Enriquecimento de Urânio Para Seu Programa Nuclear Mas Ação Alguma É Tomada

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

Mais uma vez, um prazo dado para que o Irã atendesse as exigências de interromper seu programa nuclear foi atingido com pouca ou nenhuma reação das superpotências. Todo o episódio continua a se configurar apenas como um "rumor de guerra", em vez de como guerra real.

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


Informações Pertinentes de Pano de Fundo

Nos três últimos anos, o presidente Bush tem ameaçado os líderes do Irã com "severas conseqüências" se não abandonarem imediata e completamente seu programa de energia nuclear, um programa que o presidente Bush afirma ser destinado a construir ogivas nucleares. Muitos líderes de países ocidentais juntaram-se a Bush e exortaram o Irã a atender a essas exigências.

O Irã, porém, insiste que seu programa destina-se unicamente à produção pacífica de energia elétrica.

Há mais de três anos que a Cutting Edge vem dizendo que o Irã não será atacado de forma suficientemente séria para derrubar o atual governo islâmico linha-dura, pois o Irã (a antiga Pérsia) é mostrado na profecia bíblica de Ezequiel 38-39 marchando ao lado da Rússia na invasão a Israel nos últimos dias.

Até mesmo o Pentágono entrou recentemente no ato quando um membro do Conselho das Relações Internacionais (CFR) subitamente tomou uma rígida posição contrária a um ataque militar ao Irã. Seymour Hersh, um dos jornalistas favoritos do CFR, chocou muitas pessoas quando anunciou que o Pentágono se opõe firmemente a qualquer ataque militar às instalações nucleares do Irã porque não sabe quais alvos atacar!

Resumo da Notícia: "Última Posição: O Problema dos Militares com a Política do Presidente Para o Irã", Seymour M. Hersh, The New Yorker, edição de 10/7/2006.

"... O Comando Estratégico dos EUA, apoiado pela Força Aérea, esquematizou planos, a pedido do presidente, para uma grande campanha de bombardeio ao Irã. Dentro do Pentágono, os comandantes de mais alto nível têm desafiado cada vez mais os planos do presidente, de acordo com funcionários e oficiais aposentados e ainda em serviço. Os generais, brigadeiros e almirantes têm dito ao governo que a campanha de bombardeio provavelmente não conseguiria destruir o programa nuclear do Irã. Eles também advertem que um ataque poderia acarretar sérias conseqüências econômicas, políticas e militares para os EUA."

Relacionamos aqui as muitas conseqüências de um ataque ao Irã:

  1. Esse país é muito mais poderoso que o Iraque já foi.
  2. O Irã pode fechar o Estreito de Ormuz, por onde passa cerca de 60% de todo o petróleo bruto.
  3. O Irã poderia atacar a fraca guarnição da Coalizão em Basra, com forças muito superiores.
  4. O Irã realmente tem terroristas posicionados em toda a América, Grã-Bretanha e na União Européia, que poderiam imediatamente causar tantos estragos que toda a civilização ocidental ruiria.

Embora essas sejam partes do plano da vindoura Terceira Guerra Mundial que produzirá o Anticristo, elas não serão iniciadas antes que todos os elementos dessa vindoura guerra global estejam prontos para a entrada em ação. Portanto, até que Israel tenha se retirado da Margem Ocidental e esteja pronto a aniquilar os palestinos, em cumprimento a Obadias 15-18, nem os EUA nem Israel darão início à guerra contra o Irã com um ataque militar mal-planejado.

Agora, vamos voltar ao Sr. Hersh para compreendermos melhor por que o Pentágono considera um ataque ao Irá temerário e praticamente inútil.

"Uma questão crucial na divergência dos militares, dizem os oficiais, é o fato que as agências de Inteligência norte-americana e européia não encontraram evidências específicas de atividades clandestinas ou instalações secretas; os planejadores da guerra não sabem com certeza quais alvos atacar. O número de alvos no Irã é imenso, mas é amorfo, um general de alto escalão me disse. 'A questão com a qual nos deparamos é: Quando uma infra-estrutura inocente se transforma em nefasta?' O general de alto escalão acrescentou que a experiência militar no Iraque, onde as informações de Inteligência sobre as armas de destruição maciça estavam profundamente erradas, afetou sua abordagem ao Irã. 'Criamos este grande monstro com o Iraque, e não havia nada lá. Isto aqui é um filho do Iraque', ele disse."

Na verdade, o governo Bush está apenas regurgitando contra o Irã a mesma tática do temor falso dos serviços de Inteligência que foi usada para justificar o ataque ao Iraque. Entretanto, desta vez, a Rússia e a China estão determinadas a não permitir que Bush ataque o Irã. Essa matéria de Seymour Hersh parece ser também uma advertência ao presidente Bush para não atacar o Irã, com a diferença que desta vez a força que está por trás da advertência é o CFR.

Observe também que o Pentágono está admitindo que a Inteligência americana não forneceu alvos específicos, de modo que o Pentágono não sabe o que atacar. Na verdade, os oficiais do Pentágono nem mesmo sabem com certeza se o programa nuclear iraniano tornou-se 'nefasto' (maligno, ruim).

Na verdade, a posição que o Pentágono está assumindo parece muito próxima da posição iraniana que eles têm todo o direito de desenvolver um programa nuclear para uso civil, e isso significa que eles têm o direito de enriquecer urânio. Esse é o significado da pergunta retórica do general: 'Quando uma infra-estrutura inocente se transforma em algo nefasto?"

Mas a conclusão é, por que o Irã se arriscaria a essa condenação internacional e a um possível ataque militar para verdadeiramente produzir sua própria capacidade nuclear, uma vez que possui armas nucleares desde o início de 2002? (Leia o artigo N1660 no site da Cutting Edge.).

Antes de deixarmos este assunto, observe que o Pentágono está admitindo que, no Iraque, "não havia nada".

Este próximo segmento demonstra quão falsa realmente é a implicância do governo contra o Irã.

"No discurso do presidente Bush em junho, ele acusou o Irã de desenvolver um programa secreto de armamentos junto com seu programa de pesquisa nuclear para fins civis (o que é permitido, com limites, dentro do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares). Os oficiais de mais alto nível no Pentágono não questionam a posição do presidente que o Irã pretende eventualmente construir uma bomba, mas estão frustrados com as falhas da Inteligência. Um ex-oficial de alto escalão da Inteligência me disse que as pessoas no Pentágono estão perguntando: "Quais são as evidências? Temos um milhão de tentáculos ali, visíveis e secretos, e esses caras — os iranianos — 'estão trabalhando nisso há dezoito anos, e não temos nada?' " (Ibidem).

As palavras-chave aqui são:

* "Quais são as evidências?" O governo Bush está proferindo palavras vazias, sem base em evidência alguma! Lembre-se desse fato na próxima vez que você sentir o peso em seu bolso quando precisar reabastecer o tanque de combustível do seu carro.

* "Temos um milhão de tentáculos lá, visíveis e secretos" — e, apesar disso,

* "Não temos nada"

Incentivamos você a ler todo esse artigo de Seymour Hersh, pois ele traz outras questões criticamente importantes, todas as quais argumentam contra a probabilidade que o presidente Bush ordenará um ataque ao Irã. Bush pode ter muitos defeitos, mas não tem a língua solta, de modo que está atuando meramente de acordo com seu papel no plano global dos Illuminati. Lembre-se também que o plano está seguindo a profecia bíblica, pois o poder onipotente de Deus força os Illuminati a isso. Por esse motivo, a Cutting Edge sempre acreditou que o Irã está protegido pela profecia de Ezequiel 38-39. (Leia os detalhes completos no artigo N2014.).

O Prazo de 12 de Julho Venceu e Houve Pouca ou Nenhuma Resposta Ocidental

Em junho, as potências ocidentais estabeleceram o prazo de 12 de julho para que o Irã respondesse à proposta norte-americana e européia.

Resumo da Notícia: "Irã Tem Até 12 de Julho Para Encerrar o Enriquecimento", My Way News, 3 de julho de 2006.

"Viena, Áustria (AP) — As potências ocidentais reativarão os esforços para punirem o Irã por meio de possíveis sanções do Conselho de Segurança da ONU a não ser que suspenda o enriquecimento do urânio e concorde com as conversações sobre seu programa nuclear até 12 de julho, disseram diplomatas na segunda-feira. Os enviados — alguns deles experientes diplomatas norte-americanos, e todos familiarizados com os detalhes dos esforços das seis nações de persuadirem o Irã a aceitar uma contemporização em suas atividades nucleares — falaram apenas dois dias diante de um encontro-chave Irã-União Européia, em Bruxelas, com o propósito de tornar claro para os iranianos que o tempo deles está se esgotando. Na quarta-feira, o representante de mais alto nível da União Européia, Javier Solana, exortará o principal negociador nuclear iraniano, Ali Larijani, a que seu país se comprometa imediatamente em suspender o enriquecimento e iniciar as negociações... Eles também disseram que a Rússia e a China estavam mais próximas do que nunca em apoiar o Ocidente na ação no Conselho de Segurança da ONU — incluindo sanções — se o governo de Teerã recusar o pacote de incentivos destinado a fazê-lo desistir do enriquecimento do urânio."

"Desejamos ansiosamente ouvir uma resposta do Irã... a resposta oficial", disse Cristina Gallach, a porta-voz de Javier Solana."

Assim, a pressão foi feita. Como o Irã não respondeu na afirmativa como as potências ocidentais exigiram, terá a matéria ido para o Conselho de Segurança da ONU, conforme prometido? A resposta é claramente "Não". Em vez disso, as potências ocidentais responderam com timidez, em vez de com determinação.

Resumo da Notícia: "O Irã Não Responde aos Incentivos das Seis Nações — Bush e Putin Estão Preocupados", MosNews, 17/7/2006.

"O presidente Bush e o presidente russo Vladimir Putin, que divergem sobre a imposição ou não de sanções da ONU contra o Irã, expressaram preocupação com o fato que Teerã ainda não tenha respondido a uma oferta de incentivos... Os dois líderes fizeram uma demonstração de unidade em uma declaração conjunta, expressando sua intenção de tentar limitar a proliferação das armas nucleares, incluindo os casos do Irã e da Coréia do Norte. 'Estamos especialmente preocupados com o fato de o governo iraniano não ter se envolvido seriamente nas propostas' feitas pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha, Bush e Putin disseram... O Irã se recusou a responder a uma oferta feita no início de junho de incentivos econômicos, motivando Washington a levar o caso ao Conselho de Segurança da ONU."

"Embora a Grã-Bretanha, França, Estados Unidos e Alemanha apóiem sanções econômicas se o Irã deixar de cooperar, essas medidas não são atualmente apoiadas pela China e pela Rússia, que têm poder de veto no Conselho de Segurança."

O Irã certamente se recusou a responder de forma cooperativa. Mas, nenhuma resposta automática do Ocidente enviando o assunto para o Conselho de Segurança foi anunciada após a data de 12 de julho passar. Em vez disso, meras palavras enganosas e vazias continuaram a fluir das bocas dos líderes ocidentais. Lembre-se que a Rússia e China têm o poder de veto no Conselho de Segurança, o que significa que qualquer debate provavelmente não levará a parte alguma.

Além disso, a Rússia e a China conseguiram com sucesso colocar o presidente Bush em um canto no Conselho de Segurança. Veja:

Resumo da Notícia: "EUA Aceitam Redação Sobre o Irã Que Omite o Uso da Força", The New York Times, 30 de maio de 2006.

"Washington, 30 de maio — A administração Bush, buscando obter o suporte da Rússia para uma resolução no Conselho das Nações Unidas contra o Irã, concordou com uma linguagem que descarta a ameaça imediata da força militar, disseram altos funcionários norte-americanos e europeus na terça-feira. A concordância dos americanos aumentou as chances de os russos aprovarem a resolução... O gabinete do Departamento de Estado anunciou que Condoleezza Rice viajará a Viena na quarta-feira para mais conversações sobre o Irã com representantes de alto nível da Rússia, da China e da Europa."

O segmento a seguir mostra como os russos guiaram essa questão de um modo como a administração Bush originalmente não queria seguir — de forma a evitar uma reencenação da invasão ao Iraque.

"Há vários meses que os Estados Unidos exigem que a pressão sobre o Irã aumente por meio da aprovação de uma resolução do Conselho de Segurança com base no Capítulo 7 da Carta das Nações Unidas. Esse capítulo invoca o poder do Conselho para exigir obediência dos países-membro em certas questões e ameaça punições caso eles se recusem a obedecer. A Rússia, temendo uma repetição do suporte para a guerra no Iraque em 2002 e 2003, se opôs a qualquer invocação do Cap. 7, com base em que os EUA poderiam se aproveitar da aprovação como uma justificativa para agir de forma unilateral e impor penalidades econômicas ou usar a força militar contra o Irã. Para aplacar os russos, os Estados Unidos concordaram em invocar somente o artigo 41 do Cap. 7, e não o capítulo inteiro. O artigo 41 não faz referência ao possível uso da força, e, portanto, oferece aos russos um modo de apoiá-lo."

Agora você pode ver por que os russos e chineses não apoiaram a proposta em Viena, pois eles já haviam guiado as negociações de um modo destinado a proteger o Irã.

Apenas por boa medida, o presidente russo Putin lembrou à América e à União Européia que não havia necessidade imediata de colocar essa matéria em discussão em caráter de urgência no Conselho de Segurança da ONU.

Resumo da Notícia: "É Prematuro Falar em Sanções ao Irã, Diz Putin", Iran Mania, 18 de julho de 2006.

"Londres, 18 de julho (IranMania) — O presidente russo Vladimir Putin conclamou o Irã a responder a um plano para resolver o impasse sobre seu programa nuclear, mas disse que ainda era cedo demais para falar em sanções contra o Irã... 'É prematuro falar em sanções contra o Irã', disse Putin em uma conferência à imprensa após a conclusão do encontro de cúpula do Grupo dos Oito (G-8)... Putin falou após os países do G-8, Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Rússia e Estados Unidos emitirem uma declaração conclamando o Irã a aceitar a proposta dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, mais a Alemanha, para resolver a preocupação com seu programa nuclear. Essa proposta conclama o Irã a renunciar aos planos de enriquecer o urânio em troca de um pacote de incentivos, incluindo o acesso assegurado à energia nuclear."

Portanto, o mundo provavelmente continuará no mesmo caminho em que esteve nos últimos três anos com relação ao Irã. O presidente Bush e os membros do seu gabinete continuarão a reclamar, a resmungar e a murmurar, mas sem tomar ação militar alguma. Exatamente como temos visto nos três últimos anos.

Vamos permitir que Jesus Cristo tenha as últimas palavras proféticas:

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim." [Mateus 24:6].

O Iraque e o Afeganistão são guerras verdadeiras, mas o Irã é apenas um "rumor de guerra".

À medida que caminhamos em direção ao clímax final da Terceira Guerra Mundial, que produzirá o Anticristo, precisamos saber distingüir as diferenças.



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 25/7/2006
Revisão: V. D. M. — Campo Grande / MS e http://www.TextoExato.com
Patrocinado por: S. F. F. C. — Vargem Grande Paulista / SP
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2143.asp