Escolha uma cor para o fundo:  

A Lei dos Tribunais Militares de 2006 — O Fim dos EUA Como a Terra das Liberdades e das Garantias Individuais

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

Quando o presidente Bush sancionou a Lei dos Tribunais Militares, a América tornou-se igual à Alemanha de Hitler de 1938. As liberdades e garantias individuais não existem mais — mas por enquanto só no papel. A população permanece livre somente por que essas leis ainda não foram implementadas na prática. Exatamente como previsto nos Protocolos dos Sábios de Sião, essa legislação, a Lei Patriota, e outras leis individuais criaram uma completa ditadura nos EUA — em que o cidadão comum é o alvo final!

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


Resumo da Notícia: Bush Assina Lei Sobre Processo Judicial Para os Terroristas", Woodland Daily Democrat News, 18 de outubro de 2006.

"Washington (AP) — "Alguns dos nomes mais notórios na guerra contra o terror serão processados judicialmente após o presidente Bush ter assinado a lei na terça-feira que autoriza os tribunais militares dos suspeitos de terrorismo. A legislação também elimina alguns dos direitos que os acusados normalmente recebem na lei americana e autoriza interrogatórios severos dos suspeitos de terrorismo."

Retornaremos mais tarde para discutir exatamente quais direitos estão sendo eliminados por essa lei, e contra quem ela poderá ser direcionada, mas primeiro, vamos ver como o presidente Bush justificou os dispositivos extremamente severos e ditatoriais dessa Lei dos Tribunais Militares de 2006. Você ficará admirado quando parar para pensar na quilometragem que os Illuminati ganharam com um único ataque terrorista contra um alvo americano — os ataques de 11/9/2001.

Veja o que disse o presidente:

"'Com a lei que vou assinar, os homens que os altos funcionários da Inteligência acreditam que orquestraram o assassinato de quase três mil pessoas enfrentarão a justiça', disse Bush em uma cerimônia na Casa Branca."

Agora, veja o que disse o presidente em 6 de setembro, ao justificar a necessidade desses Tribunais Militares, uma criação jurídica destinada a produzir vereditos de "Culpado" em 100% dos casos!

Resumo da Notícia: "O Presidente Discute a Criação dos Tribunais Militares Para Julgar Suspeitos de Terrorismo", White House East Room, 6 de setembro de 2006.

"O presidente: Obrigado a todos... Na manhã de 11 de setembro de 2001, nosso país acordou com um ataque típico de um pesadelo. Dezenove homens, armados com estiletes, tomaram o controle de aviões e os transformaram em mísseis. Eles usaram os aviões para matar cerca de três mil pessoas inocentes. Assistimos as Torres Gêmeas desabarem diante de nossos olhos — e tornou-se instantaneamente claro que tínhamos entrado em um novo mundo, e uma nova guerra perigosa... Logo após a guerra contra o terror iniciar, autorizei um sistema de tribunais militares para julgar os terroristas estrangeiros acusados de crimes de guerra... as regras para julgar os inimigos combatentes em um tempo de conflito precisam ser diferentes daquelas usadas para julgar criminosos comuns ou membros das nossas próprias forças armadas."

"Portanto, estou enviando hoje ao Congresso uma legislação para autorizar especificamente a criação de tribunais militares para julgar os terroristas por crimes de guerra. Minha administração trabalhou com os membros de ambos os partidos na Casa dos Representantes e no Senado para criar essa legislação. Estamos propondo uma lei que garante que esses tribunais sejam estabelecidos de um modo que proteja nossa segurança nacional, e garanta um julgamento justo e completo para os acusados. Os dispositivos na lei que estou enviando hoje ao Congresso refletem a realidade que somos um país em guerra, e que é essencial que usemos todas as evidências confiáveis para trazer essas pessoas à justiça."

Vamos parar aqui para digerir o que o presidente acaba de dizer à nação:

1) "Somos um país em guerra" — Como a Constituição reserva o direito de declarar guerra somente ao Congresso, quando foi que o Congresso declarou "Guerra ao Terrorismo"? Como não houve essa declaração por parte do Congresso, oficialmente os EUA não estão em guerra. O terrorismo contra as cidades americanas é uma tática, não necessariamente uma guerra. Os EUA não estão em guerra, a despeito da afirmação em contrário do presidente; a única razão por que os homens do presidente podem continuar com essa retórica é porque eles conhecem a ignorância do cidadão americano mediano.

2) "... essas comissões estão estabelecidas de um modo que proteja nossa segurança nacional e garanta um julgamento justo e completo para os acusados..." — Mostraremos em breve que Bush proferiu aqui uma grande mentira. Você se lembra da máxima da propaganda que ensinamos em novembro de 2001? Mostramos que a verdade de uma matéria freqüentemente encontra-se na direção oposta à indicada pela retórica pública, uma realidade que aprendi quando servi durante quase três anos na Inteligência do Exército em uma instalação do Pentágono.

Separe alguns momentos para ler essa máxima importantíssima da propaganda: N1558, "Aprenda a Raciocinar na Direção Oposta à Indicada ao Público Pela Mídia de Massa".

3) O presidente prometeu usar "evidências confiáveis" para trazer as pessoas à justiça; todavia, como estamos prestes a descobrir, os "inimigos combatentes" serão julgados, condenados, e sentenciados com base em evidências as mais frágeis e falsas possíveis. Na verdade, todo o sistema dos Tribunais Militares está arranjado de modo a negar ao acusado as mais elementares proteções. Veremos a prova disso em breve.

Agora, vamos nos voltar para uma fonte de autoridade para obtermos informações sobre essa Lei dos Tribunais Militares de 2006, a enciclopédia on-line Wikipedia. Antes de começarmos a examinar os dispositivos, conforme revelados pela Wikipedia, devemos prestar atenção no último segmento do endereço URL, pois a Wikipedia atribuiu as palavras Torture_bill ao endereço! Essa lei, com o tempo, poderá ser apropriadamente chamada de "Lei da Tortura", pois legaliza a tortura dos prisioneiros, embora essa conduta seja contrária à Convenção de Genebra! Na verdade, um dos dispositivos mais importantes dessa lei é o que legaliza o termo "inimigo combatente", em vez de "prisioneiro de guerra". [NT: Quando este artigo foi traduzido, o endereço URL já tinha sido modificado.].

Resumo da Notícia: "A Lei dos Tribunais Militares de 2006", Wikipedia Encyclopedia.

A Lei dos Tribunais Militares de 2006 dos EUA é um Ato do Congresso (Número S.3930[1]) que foi aprovada em 17 de outubro de 2006. Criada após a exposição de um programa secreto de interrogatórios da CIA, ela codifica em lei práticas controversas que se relacionam com a detenção e tratamento de prisioneiros."

Principais Dispositivos

A Seção 948a de S.3930.ENR [a versão aprovada pela Casa dos Representantes e pelo Senado] define um 'inimigo combatente ilegal' como:

"(i) Uma pessoa que se envolveu em hostilidades ou que, deliberada ou materialmente, apoiou hostilidades contra os EUA ou contra seus co-beligerantes, e que não é um combatente inimigo legal (incluindo uma pessoa que pertença ao Talibã, à Al-Qaeda, ou às forças associadas); ou

(ii) Uma pessoa que, antes, durante, ou após a data de entrada em vigor da Lei dos Tribunais Militares de 2006 foi considerada como um inimigo combatente ilegal por um Tribunal de Análise do Status do Combatente, ou outro tribunal competente estabelecido debaixo da autoridade do presidente ou do Secretário da Defesa.

Pedimos que você leia novamente o parágrafo 2 (ii), pois observará que não precisa ser provado por fatos que uma pessoa é um "combatente inimigo ilegal", pois esse rótulo pode ser simplesmente atribuído por ato de um Tribunal, mesmo que não exista algum fato concreto. À medida que os EUA escorregam mais para o fundo do abismo da ditadura absoluta, você precisa pensar nesses termos, e não nos termos tradicionais da jurisprudência judicial. Como o Plano dos Illuminati propõe que os dissidentes americanos sejam detidos, presos e até assassinados, devemos esperar esse tipo de brecha na legislação que permitirá no final que o governo designe cidadãos americanos como "combatentes inimigos", mesmo que o sobrenome deles seja Jones, Smith, ou até mesmo Bay!

Com isso em mente, vamos examinar o próximo segmento da Wikipedia, pois discute o subparágrafo 2.

"Os críticos da legislação afirmam que a forma como a definição está redigida não a impede de ser aplicada aos cidadãos americanos." [ênfase adicionada].

Nós mesmos não poderíamos ter definido essa matéria de forma mais sucinta! Os cidadãos americanos SÃO o alvo final. Na próxima grande crise, nossa amada Constituição e nossa tradicional forma tripartite de governo serão totalmente colocadas de lado. Veja como os Protocolos dos Sábios de Sião explicam precisamente essa parte do plano:

"Regularemos mecanicamente todos os atos da vida pública de nossos súditos por novas leis. Essas leis irão retomando uma a uma todas as complacências e todas as liberdades demasiadas concedidas... e nosso reinado se assinalará por um despotismo tão majestoso que estará em condições, em qualquer tempo e lugar, de fazer calar os que nos queiram fazer oposição e que estejam descontentes." [Protocolo 5 — Despotismo e o Progresso Moderno].

Em todo o restante deste segmento, destacaremos em negrito as seções que você precisa estudar e meditar com a máxima atenção.

"A Lei muda a legislação pré-existente para explicitamente proibir a invocação da Convenção de Genebra ao considerar o pedido de habeas corpus para os acusados que não são cidadãos dos EUA [Seção 5(1)]. Esse dispositivo aplica-se a todos os casos pendentes na data em que a Lei foi sancionada; bem como a todos os casos futuros. Se o governo decidir processar um acusado, um Tribunal Militar se reunirá para esse propósito. As regras a seguir são algumas das estabelecidas para julgar os combatentes inimigos ilegais que não são cidadãos dos EUA. [Sec. 948b (a)] A lei não impede que essas regras sejam aplicadas ao julgar os combatentes inimigos ilegais que são cidadãos americanos, pelas seções 948b(a) e 948c."

"Certas seções do Código Uniforme da Justiça Militar" são consideradas inaplicáveis — incluindo algumas que se relacionam com um julgamento sumário [Sec.948b (d)(1)(A)], auto-incriminação obrigatória [Sec.948b (d)(1)(B)], e investigação anterior ao julgamento [Sec.948b (d)(I)(C)].

* Um advogado civil de defesa não poderá atuar no caso, a não ser que tenha permissão de ver os materiais classificados como secretos. [Sec.949c (b)(3)(D)] A maioria dos advogados de defesa neste país atualmente não tem permissão militar para ver documentos secretos, de modo que esta regra tem o efeito de eliminar a possibilidade de um acusado ter um advogado civil.

* Com base em suas descobertas, o juiz pode introduzir evidências "ouvi dizer" (não-confirmadas) [Sec. 949a (b)(2)(E)(i), evidências obtidas sem um mandado de busca [Sec. 949a(b)(2)(B), evidências obtidas quando o grau de coerção é questionado [Sec. 948r (d), ou evidências classificadas (secretas) que não estavam disponíveis para a defesa [Sec. 949d (f)(2)(B)].

Sob o disfarce de proteger as liberdades, o presidente dos EUA e o Congresso conspiraram para remover nossas liberdades! A Constituição e o Sistema Judicial dos EUA proíbem totalmente esse tipo de evidências, pois elas são consideradas terrivelmente injustas e difíceis para o acusado contestar. Permitir esse tipo de "evidência" normalmente levará qualquer acusado à condenação — mesmo aqueles que forem totalmente inocentes!

* Para o acusado ser declarado culpado, basta uma maioria de dois terços [Sec. 949 m(a)].

* Nenhum acusado poderá invocar em seu favor a Convenção de Genebra nos processos judiciais. [Seção 5 (a)] Você se lembra que algumas semanas atrás, o Congresso tentou aprovar uma legislação que forçaria o presidente e todos os seus homens a observarem as Convenções de Genebra, especialmente as regras que proíbem a tortura dos prisioneiros, e que especificamente proíbem o uso de "evidências" obtidas mediante tortura? Como você pode ver no próximo segmento, essa Lei dos Tribunais Militares de 2006 permite que "evidências" obtidas mediante tortura sejam usadas contra o acusado.

* O presidente determina "o significado e aplicação" das Convenções de Genebra que proíbem a tortura de prisioneiros. [Sec. 6 (a)(3)(A)].

* O acusado poderá ser julgado pela mesma ofensa uma segunda vez "com seu consentimento". [Sec. 949h(a)] Ridículo! Os governos ditatoriais de todos os tempos reservaram para si o direito de continuar "julgando" um acusado até que obtivessem o resultado que desejavam. Na jurisprudência americana, os promotores estão absolutamente proibidos de levar a julgamento alguém que já tenha sido inocentado das mesmas acusações por um júri anterior. Isto aqui é ditadura das grandes! Não duvide!

* Se a comissão militar chegar a um veredito de Inocente, a autoridade que a convocou não é obrigada a tomar uma ação com base no resultado. [Sec 950b(c)(3)] Novamente, estamos aqui encarando os olhos da ditadura! Mesmo que um tribunal militar considere o acusado Inocente, as autoridades não são obrigadas a libertá-lo! Elas podem mantê-lo preso pelo resto de sua vida, e continuar a torturá-lo para obter maiores "evidências", que poderão ser usadas contra ele em um novo julgamento.

Exatamente como nos antigos dias maus de Josef Stalin na Rússia, Adolf Hitler na Alemanha, e Mao Tse Tung na China, uma porcentagem de 100% de condenações é absolutamente garantida!

Lembre-se também da triste realidade: cidadãos americanos medianos, com os sobrenomes Smith, Jones e Bay são os alvos finais!

Histórico no Legislativo:

  • A lei foi aprovada no Senado por 65 a 34, em 28 de setembro de 2006. [2]
  • A lei foi aprovada na Casa dos Representantes por 250-17-12, em 29 de setembro de 2006. [3]
  • O presidente George W. Bush sancionou a lei em 17 de outubro de 2006.

Críticas:

"Keith Olbermann, da MSNBC, anunciando a 'Morte do Habeas Corpus' como resultado da Lei foi censurado pelos críticos que afirmam que o texto da lei autoriza a detenção permanente e a tortura (conforme definida pela Convenção de Genebra) de qualquer pessoa — incluindo cidadãos americanos — com base unicamente na decisão do presidente. [10] Alguém a descreveu como 'a legalização do tratamento dado a José Padilla' — referindo-se ao cidadão americano que foi declarado um combatente inimigo ilegal e então mantido na prisão por três anos antes de finalmente ser acusado por um crime menor do que tinha sido alegado originalmente. [11] Uma ação legal em favor de Padilla alega que durante esse período de tempo ele foi submetido a privações sensoriais, à privação do sono, e a posições estressantes forçadas. [12].

"A Anistia Internacional disse que a Lei contraria os princípios dos direitos humanos' [13 Um editorial em The New York Times descreveu a legislação como 'uma lei tirânica que estará classificada nos pontos mais baixos na democracia americana, a versão na nossa geração das Leis da Sedição e dos Estrangeiros'". [14].

"O diretor da União Americana das Liberdades Civis (ACLU), Anthony D. Romero, declarou: 'O presidente pode agora, com a aprovação do Congresso, manter pessoas presas indefinidamente sem acusação, remover as proteções contra abusos terríveis, enviar pessoas para julgamento com base em evidências sem confirmação, autorizar julgamentos que podem sentenciar as pessoas à morte com base em testemunhos inconsistentes e fechar a porta dos tribunais para os pedidos de habeas corpus." [15].

Acho terrivelmente errado que somente a ACLU, que tem inclinações comunistas, esteja falando contra essa terrível erosão dos nossos direitos e liberdades. A maior parte dos americanos conservadores vê com desprezo as opiniões da ACLU e fica a favor de quase tudo o que a ACLU critica! Portanto, como somente a ACLU está abrindo a boca contra esses dispositivos ditatoriais, a maioria dos americanos não estará ciente que, neste caso, a ACLU está certa, um fato que a maioria das pessoas só descobrirá quando estiver dentro de um campo de concentração e olhando para fora!

Como o plano dos Illuminati é desmantelar as liberdades e as garantias constitucionais que existem nos EUA e impor uma ditadura "no fim do período" que levará à Terceira Guerra Mundial, que permitirá o aparecimento do Cristo da Nova Era (o bíblico Anticristo) no cenário internacional, precisamos perceber que estamos vivendo nesse período agora. Lembre-se que a confrontação nuclear na Península Coreana que ameaçará a própria sobrevivência humana também está prevista para ocorrer "no fim do período".

Portanto, todas as pessoas com discernimento precisam entender que estamos realmente muito perto do tempo da Terceira Guerra Mundial.



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 6/11/2006
Patrocinado por: S. F. F. C. — Vargem Grande Paulista / SP
Revisão: V. D. M. — Campo Grande / MS e http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2163.asp