Escolha uma cor para o fundo:  

A Surpreendente Ascensão da Rússia no Cenário Internacional — O Urso Parece Disposto a Lutar pela Supremacia — Parte 1

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

Subitamente, a Rússia decide demonstrar seu poderio militar de forma desafiadora em diversas regiões do mundo e o presidente Putin endurece suas posições. Você ficará chocado ao ver as alianças estratégicas que estão sendo formadas e que deixarão o cenário preparado para o cumprimento das guerras descritas em Joel 3!

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


Ao mesmo tempo em que ouvimos dizer que os EUA possivelmente não têm mais a capacidade de defender seus interesses em qualquer outra região do globo além do Oriente Médio, a Rússia está exibindo sua plumagem para todo o mundo. O presidente Putin está agindo de forma similar a um pavão, exibindo a bela plumagem de sua cauda para que todos vejam.

O que está por trás dessa súbita ressurgência diplomática?

Receitas do Petróleo e do Gás Natural Aumentam com os Preços Inflados

Ao iniciarmos, precisamos declarar um fato óbvio. Como a Rússia é o maior exportador mundial de petróleo, o aumento do preço do barril do petróleo nos últimos vinte anos beneficiou grandemente a Rússia! O país saiu de uma quase insolvência para uma situação financeira confortável — graças à receita do petróleo. Na verdade, a agência de classificação de riscos Moody atribuiu o 'status de opção de investimento", o que significa que os investidores podem investir em projetos russos com maior estabilidade do que nunca antes no passado.

Resumo da Notícia: "Sólida Situação Financeira Eleva a Classificação da Rússia — Mas Quanto?", Venla Sipila, Global Insight, 2007.

"A agência de classificação de riscos internacionais Moody, elevou na semana passada a classificação de longo prazo da moeda russa de Baa3 para Baa2 com um perfil estável, em um movimento inesperado. A decisão eleva a economia russa dois degraus na classificação para investimentos. A Moody foi a primeira grande agência de classificação de riscos a atribuir à Rússia um status de opção de investimento (Baa3) em outubro de 2003. No fim de 2004, ela seguiu isso mudando o perfil na classificação para positivo... A crescente receita com a exportação de petróleo resultou em uma drástica melhoria na liquidez financeira, ao mesmo tempo em que os pagamentos da dívida externa — até mesmo antes do prazo — levaram a uma rápida e considerável melhoria na situação da dívida. Além disso, a agência elogiou as prudentes políticas fiscais e a estabilidade do país."

Surpreendentemente, o drástico aumento no preço do petróleo bruto desde os ataques em 11/9/2001 serviu para fortalecer os inimigos da América: Rússia, China, Irã e Venezuela. O presidente Putin é aqui elogiado pela agência Moody pela maneira prudente como vem administrando o crescimento nas receitas do petróleo.

A Rússia se beneficou grandemente com a elevação na cotação do petróleo nos últimos vinte anos. Alguns observadores acreditam inclusive que a Rússia poderá em breve recuperar o status de superpotência devido à sua boa liquidez. Com esse sólido fundamento financeiro, a Rússia pode novamente olhar para o mundo e projetar seu poder para o exterior.

Para os propósitos deste estudo, focaremos o dramático crescimento na diplomacia russa e sua posição no Oriente Médio — a região particular em que a profecia bíblica diz que ela terá um papel relevante nos eventos do fim dos tempos.

Ao estudarmos o que a Rússia está fazendo, torna-se óbvio para nós que ela está fornecendo armamento com tecnologia de ponta e desenvolvendo relações diplomáticas exatamente com aqueles países que Ezequiel 38-39 prediz que marcharão com a Rússia contra Israel. Hoje, vamos examinar a súbita audácia que a Rússia está demonstrando em todo o mundo. Parece que ela está literalmente intrometendo seu nariz nas questões que afetam os Estados Unidos e desafiando-os a fazerem alguma coisa a respeito do maior poder e autoridade da Rússia no mundo.

Uma Audácia Sem Precedentes Diante de uma Fraqueza Americana Sem Precedentes

Resumo da Notícia: "China e Rússia Começam a Provocar Washington", Linda Heard, Arab News, 14 de agosto de 2007.

"Moscou e Pequim estão trabalhando em equipe e parecem determinadas a enviar uma mensagem à Casa Branca, que traduzida pode significar: "Não mexa conosco e fique longe de nossos aliados'. Os dois países estão atualmente envolvidos em jogos de guerra juntos com o Usbequistão, Tajiquistão, Casaquistão e Quirguistão, todos membros da Organização de Cooperação de Xangai, considerada uma zona-tampão para as ambições petrolíferas e de gás natural no Mar Cáspio. Essa organização afirma que sua missão é o contraterrorismo, mas enquanto o Irã, a Índia, o Paquistão e a Mongólia foram convidados a participarem de um encontro associado em 16 de agosto, a participação dos EUA foi rejeitada."

O único modo em que a Rússia e a China poderiam estar desafiando os EUA desse modo é se perderam o medo de suas capacidades. Talvez elas estejam pensando em notícias como estas:

Resumo da Notícia: "Extensão súbita pode se provar difícil para o Exército americano já bastante comprometido: Enfraquecido por uma guerra de quase seis anos, o Exército está com sua força de combate praticamente exausta", Lolita C. Baldor, Associated Press, reimpresso por "The Tennessean.com", 20/8/2007.

"Washington — Exaurido por quase seis anos de guerra, o Exército praticamente levou à exaustão sua força de combate e suas opções se o governo Bush decidir estender a presença no Iraque para além da próxima primavera. As 38 unidades de combate disponíveis do Exército estão mobilizadas, acabam de retornar para casa ou já estão designadas para serem enviadas para o Iraque, para o Afeganistão, ou para outras regiões, ficando sem tropas descansadas para substituírem as cinco brigadas adicionais que o presidente Bush enviou a Bagdá neste ano... Para um país já fatigado pela guerra e um Congresso inclinado a trazer as tropas para casa, nenhuma dessas opções é desejável."

Agora que os britânicos estão se retirando da região sul do Iraque, na qual Basra é a principal cidade, esses soldados americanos já sobrecarregados podem ter de assumir um encargo não previsto apenas alguns meses atrás — patrulhar a região sul iraquiana que faz fronteira com o Irã e proteger as linhas de comunicação norte-sul para o tempo quando as tropas americanas começarem a se retirar para bases seguras no Kuwait.

Resumo da Notícia: "EUA desconfortáveis com os planos da Grã-Bretanha de antecipar a retirada do Iraque", The Guardian (Reino Unido), 8 de agosto de 2007.

"O governo Bush está se tornando cada vez mais preocupado com o impacto de uma iminente retirada dos britânicos do sul do Iraque e prefeririam que as tropas britânicas permanecessem por mais um ou dois anos... O governo Bush está focado no norte, no oeste e na região central do Iraque... entretanto, ele está começando a prestar atenção à região, ao perceber que aquilo que era retratado como uma história de sucesso está azedando. O governo britânico não diz mais que Basra foi um sucesso mas nega que seja um fracasso, mesmo que as tropas britânicas estejam sendo forçadas a abandonar a cidade de Basra para se abrigarem no aeroporto."

Você pode imaginar essa virada nos eventos? A força britânica tão grandemente elogiada, que participou na invasão liderada pelos americanos em 20 de março de 2003, e que assumiu o controle total sobre a região sul agora se retirou e está concentrada no aeroporto de Basra! É agora tempo para a insurgência começar a atacar a cercada guarnição britânica com barragens de foguetes e mísseis táticos?

Agora, você pode ver por que um observador lamentou que os britânicos tivessem de "lutar para conseguirem sair vivos do Iraque"?

Enquanto isso, o norte curdo está se tornando um problema crescente para os americanos. Não somente os turcos ainda têm 200.000 soldados na região de fronteira, a partir de onde poderiam invadir rapidamente, mas os iranianos também estão iniciando ações pelo seu lado da fronteira. Observe a partir do relatório a seguir que o Irã recentemente deslocou milhares de soldados para sua região de fronteira.

Resumo da Notícia: "Curdos abandonam suas casas enquanto o Irã ataca as vilas no Iraque com morteiros", Michael Howard em Irbil, The Guardian (Reino Unido, 20 de agosto de 2007).

"Oficiais curdos iraquianos expressaram profunda preocupação ontem com o súbitos choques ferozes entre guerrilheiros curdos e as forças iranianas na remota região de fronteira no noroeste do Iraque, para aonde Teerã recentemente deslocou milhares de soldados da Guarda Revolucionária... quatro dias de ataques intermitentes com morteiros pelas forças iranianas atingiram os vilarejos nas montanhas no lado iraquiano, ferindo duas mulheres, matando animais, destruindo propriedades e desalojando cerca de 1.000 pessoas de suas casas. O Sr. Yawer disse que também houve luta intensa do lado iraquiano da fronteira entre as forças iranianas e os guerrilheiros do Partido da Vida Livre do Curdistão (PJAK)..."

Essa escalada dos combates na região norte do Iraque acontece ao mesmo tempo em que as forças britânicas estão se retirando do sul e se concentrando no aeroporto de Basra. Enquanto isso, as forças americanas não conseguem manter os insurgentes na parte central do Iraque, nem conseguem manter seu quartel-general na Zona Verde seguro e protegido contra os ataques de morteiros.

Finalmente, o presidente Bush removeu todos os porta-aviões americanos e seus respectivos grupos de batalha naval do Golfo Pérsico, após eles terem sido enviados para lá para ameaçarem o Irã com um ataque físico. Esses grupos de batalha naval entraram no Golfo Pérsico em meio a uma grande fanfarra e uma retórica pública ameaçadora, mas agora foram caladamente mandados para fora da região. A Cutting Edge publicou um artigo criticamente importante sobre esse assunto, N2225, "US Quietly Pulls All Naval Carrier Groups Out of the Persian Golf".

Todos esses elementos dentro do Iraque representam uma força menor para os EUA nesta região crítica e no mundo em geral.

Agora, vamos examinar um par de exemplos em que a Rússia está ganhando estatura na região e forçando sua agenda diplomática e/ou militar para os países que terão um papel relevante nas profecias do fim dos tempos.

Resumo da Notícia: "Putin endurece sua posição contra os EUA e seus aliados", China Daily News, 1 de agosto de 2007.

"A Rússia ultimamente parece estar endurecendo sua postura diplomática ao enfrentar forte pressão de diferentes frentes... O presidente russo Vladimir Putin não conseguiu chegar a um consenso com seu correspondente americano George W. Bush quando este 'calorosamente' o recebeu durante sua visita aos EUA no início do mês. Em 14 de julho, a Rússia anunciou que tinha temporariamente cessado de implementar o Tratado Sobre Forças Armadas Convencionais na Europa (CFE), citando 'circunstâncias atuais extraordinárias' como uma razão e dizendo que o país 'precisava manter sua segurança nacional'."

Como se essa conversa não fosse o suficiente, a Rússia então unilateralmente tomou duas decisões diplomáticas, diante da determinada pressão americana:

1) "... Durante a suspensão temporária, a Rússia não estará sujeita a qualquer acordo internacional sobre limitação das armas convencionais e decidirá a quantidade específica de armamento conforme os acontecimentos da situação internacional política e militar requererem." [ênfase adicionada].

2) "... em seu encontro com os serviços de segurança e militar russos de alto escalão na última quarta-feira, Putin citou diversas 'ameaças globais' que a Rússia precisa estar preparada para enfrentar. As ameaças incluem os EUA insistirem em planos de utilizar forças na Europa Oriental e a ratificação paralisada do CFE na Europa."

Pela primeira vez desde o fim da Guerra Fria, os líderes russos estão ativamente considerando os interesses globais da Rússia e identificando as "ameaças globais", especialmente aquelas vindas dos EUA. A Guerra Fria mostra sinais de que está sendo ativada novamente, com uma Rússia muito mais forte e os EUA muito mais fracos.

No meio das deterioradas relações entre a Síria e Israel, a Rússia joga duas cartas de trunfo:

Resumo da Notícia: "O Jogo do Poder de Putin", Simon Tisdall, The Guardian (Reino Unido), 16 de agosto de 2007.

"A declaração no início deste mês do almirante Vladimir Masorin, comandante da Marinha russa, que Moscou pretende restabelecer uma presença naval permanente no Mediterrâneo, está sendo examinada atentamente de Washington a Tel Aviv... o lance tem inúmeras e desafiadoras implicações, indo desde o monopólio regional da Sexta Frota dos EUA em poder naval até a segurança das rotas transcaucasianas e norte-africanas de suprimento de energia."

"Mas é a possibilidade da Rússia reativar suas bases navais da Guerra Fria na Síria, nos portos de Tartus e Latakia, que poderá ter o impacto geopolítico mais dramático. Elevando o arsenal da Síria na região, os analistas dizem que esse lance poderia complicar ainda mais as tentativas do Ocidente de obter um acordo no Líbano e nos territórios palestinos. Sistemas defensivos de mísseis e de vigilância em torno de quaisquer instalações russas poderiam também deslocar o equilíbrio militar de forma desvantajosa para Israel."

O que este último parágrafo quer dizer é que a Rússia terá de erigir teias protetoras de estado da arte acima e em torno de seus novos portos na Síria. Durante um tempo de guerra, Israel poderá descobrir que seus aviões estão sendo derrubados por esses sistemas de mísseis russos quando forem enviados para bombardear alvos na Síria.

A Rússia também seguiu uma rota mais direta para garantir a sobrevivência da Síria no caso de uma guerra contra Israel.

Resumo da Notícia: "As FID advertem: O sistema antiaéreo da Síria é o mais avançado do mundo", YNET News, 13 de agosto de 2007.

"A Síria possui o sistema antiaéreo instalado mais avançado do mundo após suas contínuas aquisições de sistemas bélicos russos... Em uma aposta para responder à supremacia da Força Aérea Israelense, o governo de Damasco fez um grande esforço nos últimos anos para aprimorar sua capacidade em termos de mísseis terra-terra e terra-ar. De acordo com a fonte militar, como parte desses esforços, os sírios adquiriram os mísseis mais avançados terra-ar de fabricação russa existentes, considerados o que há de mais moderno na tecnologia de interceptação. Alguns desses mísseis saíram direto da linha de produção antes mesmos de serem colocados em serviço nas forças armadas russas. A pressa de Damasco para adquirir armamento antiaéreo é uma das características mais proeminentes dos preparativos dos sírios para um possível conflito com Israel."

Você entendeu essa importantíssima afirmação?

A Rússia forneceu aos sírios novos sistemas de mísseis de defesa antes mesmo de as forças russas receberem esses sistemas! Esse é um forte comprometimento por parte da Rússia, que está investindo em uma futura guerra contra Israel. Se os aviões de Israel conseguirem penetrar nesse sistema de defesa com mísseis antiaéreos, as perdas sem dúvida serão muito maiores do que seriam sem a existência desses sistemas. A perda de aviões da Força Aérea é uma grande preocupação para os comandantes israelenses durante uma guerra, pois Israel possui poucos aviões.

Quando você combina essa preocupação com a realidade que muitos pilotos israelenses estão pedindo baixa da Força Aérea, você tem uma situação preocupante em suas mãos! Além disso, a Síria, o Irã e a Rússia estão observando o aparente deslocamento de poder dos EUA/Israel para a Rússia/Síria/Irã.

No próximo artigo, examinaremos o comprometimento da Rússia com o Irã. Essa é uma questão muito sensível e importante.

Jesus Cristo disse que o Anticristo aparecerá na cena internacional por meio de "guerras e rumores de guerras". Verdadeiramente, isso está acontecendo hoje e os "rumores de guerra" vêm exatamente da região em que Deus disse que atrairia todas as nações do mundo — o Vale de Jeosafá, que é o Oriente Médio (Joel 3). Deus advertiu que traria esses exércitos para o Oriente Médio após trazer Israel de volta para a sua terra (Joel 3:1). Veja os julgamentos de Deus na planície do Oriente Médio e verifique se eles não coincidem com o acúmulo de dezenas de milhares de mísseis e centenas de milhares de soldados:

"Proclamai isto entre os gentios; preparai a guerra, suscitai os fortes; cheguem-se, subam todos os homens de guerra. Forjai espadas das vossas enxadas, e lanças das vossas foices; diga o fraco: Eu sou forte. Ajuntai-vos, e vinde, todos os gentios em redor, e congregai-vos. Ó Senhor, faze descer ali os teus fortes; suscitem-se os gentios, e subam ao vale de Jeosafá; pois ali me assentarei para julgar todos os gentios em redor. Lançai a foice, porque já está madura a seara; vinde, descei, porque o lagar está cheio, e os vasos dos lagares transbordam, porque a sua malícia é grande. Multidões, multidões no vale da decisão; porque o dia do Senhor está perto, no vale da decisão." [Joel 3:9-14].

Como você verá na Parte 2, Deus fez os líderes da Rússia e do Irã acumularem quantidades imensas dos armamentos mais sofisticados que existem no mundo. Deus está agindo para cumprir a profecia de Joel 3, bem como armando o cenário para o cumprimento de Ezequiel 38-39.



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 22/8/2007
Revisão: V. D. M. — Campo Grande / MS e http://www.TextoExato.com
Patrocinado por: J. S. L. e M. R. D. S. L. — Sorocaba / SP
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2231.asp