A Abolição do Gênero e a Vindoura Perseguição aos Cristãos

Autor: Jeremy James, 25/10/2017.

Existem somente dois gêneros, o masculino e o feminino. Isto é verdadeiro, não somente para a humanidade, mas também para o reino animal. Não há um terceiro gênero em lugar algum no mundo. Adão era um homem, não um protótipo humano. Ele não evoluiu ou emergiu a partir de uma forma biológica menor. Deus o criou como um homem adulto, a partir do pó da terra. Ele era um homem natural pleno, exatamente como qualquer homem natural hoje, porém sem as imperfeições produzidas pelo pecado.

Deus criou Adão na forma masculina com o conhecimento que iria, depois de pouco tempo, criar outro ser humano na forma feminina. Ele então criou Eva, não a partir do pó da terra, mas da carne de Adão. Embora possuisse uma identidade e gênero distintos de seu marido, Eva tinha a mesma humanidade dele.

A reprodução sexual não se originou com Adão e Eva, mas veio a existir no terceiro dia, quando Deus criou as plantas e a vegetação. Muitas espécies de plantas se multiplicam por meio da polinização cruzada. O mesmo é verdadeiro para os pássaros e peixes, que se utilizam da fertilização para propósitos de reprodução. O gênero, constituindo de dois sexos, masculino e feminino, é um aspecto fundamental da ordem natural.

O Gênero é uma Parte Fundamental do Plano de Deus

A distinção entre os sexos é absoluta. O macho é biologicamente macho em sua inteireza e a fêmea é biologicamente fêmea. Estes são fatos básicos da genética. Uma criança pode compreendê-los. Nosso gênero está fixado de forma permanente e permeia todas as células do nosso corpo.

Nosso gênero é determinado biologicamente no momento da concepção. Os céticos tentam argumentar que o embrião humano não tem gênero, não sendo macho nem fêmea, durante as sete primeiras semanas após a concepção, mas isto não é assim. A criança é totalmente menino ou totalmente menina no momento da concepção, embora o gênero somente se torna manifesto depois que certas características sexuais se desenvolvem.

Cristo tornou essa diferenciação de gênero perfeitamente clara quando disse: "Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea." [Marcos 10:6]. Um não pode se tornar o outro. O macho é macho perpetuamente e a fêmea é fêmea.

O Plano de Satanás de Fundir os Dois Gêneros

Em seu desejo totalmente compulsivo de se tornar semelhante a Deus, Satanás está determinado a substituir ou transformar a ordem natural estabelecida por Deus. Esse ataque está ocorrendo no nível mais fundamental, em que as relações sexuais entre marido e mulher não mais constituem a avenida da procriação. No sistema que ele tem em vista, um homem não mais é um homem natural, uma mulher não é mais uma mulher natural e as crianças deles serão geradas fora do útero e implantadas em uma barriga de aluguel. O casamento e a família, da forma como os conhecemos, não mais existirão e as crianças serão criadas desde a infância por uma autoridade aprovada pelo Estado.

A não ser que vejamos que este é o plano dele e que ele o está seguindo com grande tenacidade, não compreenderemos o que está acontecendo no mundo hoje.

Muitos dos Servos de Satanás São Transgêneros

Muitos dos servos de Satanás são transgêneros; eles nasceram meninos, mas foram criados como meninas, ou nasceram meninas, mas foram criadas como meninos. Modificados cirúrgica e quimicamente, os "homens" não são homens plenos e as "mulheres" não são mulheres plenas. Os úteros foram eliminados. As relações sexuais entre essas pessoas é, na verdade, uma forma de sodomia, em que um homem por nascimento atua como uma mulher com uma mulher de nascimento que se comporta como um homem. (Um estudo da psicologia e da mecânica física que estão por trás de tudo isto está fora da abrangência deste ensaio.)

Estas pessoas alcançaram com sucesso tantas posições elevadas de influência política que estão tentando agora impor sua estranha filosofia sobre o restante da humanidade.

O Padrão Por Trás dos Fatos

Sem alguma compreensão do plano deles, os exemplos que seguem não revelarão muito para a pessoa mediana. Claro, muitos verão que as leis em questão são estranhas, irracionais ou até perversas, mas isto não é suficiente. Precisamos ir além e reconhecer que elas são parte de um plano maior que afetará toda a humanidade. Elas não são apenas exemplos de comportamento político aberrante, mas peças de um quebra-cabeças demoníaco que a Nova Ordem Mundial está colocando em vigor para facilitar a chegada na Terra do seu "anjo de luz".

Não estamos a falar de lóbis extremistas ou de minorias insatisfeitas e com ideias bizarras. Ao contrário, estamos a falar de leis subversivas e opressivas que já estão em vigor e que já afetam os cidadãos em seus respectívos países. Se elas ainda não são parte do código legislativo no seu país, você não precisará esperar muito tempo, pois seus líderes políticos estão seguindo o mesmo plano.

A Supressão dos Direitos dos Pais no Canadá

A legislatura canadense aprovou neste ano a Lei das Crianças, da Juventude e das Famílias, que repeliu e substituiu a Lei de Serviços à Criança e à Família. Esta última lidava com a proteção à criança, adoção e acolhimento familiar. A nova lei acrescenta "identidade de gênero" e "expressão de gênero" como fatores que serão levados em conta ao decidir qual é "o melhor interesse da criança". Ela também removeu a fé religiosa em que os pais estão criando a criança como um fator a ser considerado. Em vez disso, na nova legislação, a única religião ou credo que os serviços de proteção à criança levarão em conta, ao avaliarem o melhor interesse da criança, é aquele em que a própria criança professa acreditar.

Isto é revolucionário e reduz grandemente o papel exercido pelos pais na formação e educação de seu próprios filhos. Se a criança, em algum ponto, decidir que prefere se identificar como uma menina, em vez de como um menino, o Estado tem o poder de remover a criança de seus pais, caso eles se oponham à decisão da criança. A menor idade em que essa intervenção drástica pode ocorrer não é especificada na lei, de modo que podemos assumir que ocorrerá assim que a criança começar a frequentar a escola.

Entretanto, o verdadeiro impacto da lei provavelmente será sentido nos casos em que um adolescente foi doutrinado com a propaganda LGBTQ por meio do sistema público de ensino. Os pais que procurarem aconselhar seus filhos nessas circunstâncias e direcioná-los para o gênero de seu nascimento poderão ser acusados de abuso contra os direitos da criança. Caso eles persistam em proteger a criança dessa propaganda invasiva, poderão ser condenados por uma uma infração criminal. Se isto acontecer, o Serviço de Proteção à Criança poderá remover a criança do lar de sua família e colocá-la sob os cuidados do Estado.

Esta legislação perniciosa ataca a Bíblia de várias formas: interfere com a santidade espiritual da família e faz isto com base em fundamentos frívolos e enganosos; dá ao Estado um poder e autoridade igual, se não maior, do que a dos pais da criança; rejeita totalmente a distinção de gênero masculino e feminino dado na Bíblia; advoga descaradamente a filosofia do gênero e sexualidade encontrada principalmente nas religiões pagãs e nas seitas luciferianas; solapa o vínculo bíblico entre casamento, paternidade e família; ataca a autonomia, integridade e harmonia da família. É óbvio que a lei está direcionada principalmente contra o lares cristãos e a comunidade cristã no Canadá.

O Parlamento Escocês aprovou uma legislação similar em 2014, que examinamos em detalhe em um ensaio anterior (veja "A Maligna Agenda Transgênero e seu Vínculo com a N.O.M"). A ONU está incentivando esta agenda andrógina e luciferiana e incentivando todos os países a aprovarem leis e regulamentações que tenham um efeito similar.

A Criminalização das Escrituras no Canadá

O Canadá também esteve na vanguarda de outro ataque ao Cristianismo em 2017, quando uma junta escolar em Alberta ('Battle River School Division') informou uma escola cristã sob sua tutela ("Cornerstone Christian Academy") que certas passagens das epístolas de Paulo "não deveriam ser lidas ou estudadas" e que as referências a elas deveriam ser retiradas da página da escola na Internet. (As passagens em questão são 1 Coríntios 6:9-11 e Gálatas 5:19-24). A determinação veio logo após a recente mudança legislativa que acrescentou "expressão de gênero" e "identidade de gênero" ao Código dos Direitos Humanos no Canadá. A autoridades educacionais parecem acreditar que ensinar ou promover as duas passagens citadas constituem um crime de ódio.

A escola tinha citado a Bíblia nas seguintes passagens:

"Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus." [1 Coríntios 6:9-11]

"Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, fornicação, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências." [Gálatas 5:19-24].

Um porta-voz da autoridade educacional declarou que era inapropriado compartilhar "ensinos que denigrem ou vilificam a orientação sexual de uma pessoa." Tanto quanto é do nosso conhecimento, esta é a primeira vez que uma democracia ocidental usou um artigo de uma lei para efetivamente criminalizar o uso de uma passagem bíblica específica. Ocorre que as duas passagens em questão são dogmas centrais do Cristianismo. Esses dogmas não são periféricos de algum modo às doutrinas e mandamentos que nos foram dados por Cristo, de forma que deixar de observá-los ou de defendê-los é equivalente a rejeitar o Cristianismo.

Propaganda Transgênero nos Estados Unidos

A revista Cosmopolitan, que há decadas vem sendo usada pela Nova Ordem Mundial para promover a promiscuidade e a experimentação sexual entre as mulheres da classe média, trouxe um artigo em 2016 com o seguinte título: "Por que é tão importante que uma drag queen leia histórias infantis para as crianças?"

A grande mídia nos EUA está trabalhando arduamente para fazer a fluidez de gênero parecer um assunto não controverso. Algumas revistas, como Cosmopolitan, estão até indo além e tentando fazer isto parecer uma tendência da moda. A mensagem é clara: Somente os tradicionalistas e de mentalidade estreita pensam em termos de gêneros fixos ou distinções absolutas dos gêneros. Por que devemos nos prender desse modo? Quem vai decidir o que realmente importa no rico e variado mundo das experiências sexuais?

Estas questões, que estão sendo levantadas cada vez mais na cabeça das pessoas, são normalmente acompanhadas na mídia por duas respostas ardilosamente implícitas — não devemos nos limitar e ninguém tem o direito de decidir.

Os arquitetos da Nova Ordem Mundial sabem que quanto mais cedo estas questões surgirem na mente de uma criança, mais provável é que ela aceite as respostas progressistas e não-prescritivas. Afinal, como pode uma criança de apenas quatro ou cinco anos se proteger de propaganda deste tipo quando tantos adultos crescidos estão sendo levados pelos mesmos argumentos enganosos e maliciosos?

É por isto que a Cosmopolitan quer tanto ver travestis drag queens lerem contos infantis feministas para as crianças! Isto já está acontecendo em cidades em todo o país, onde pais confusos com gênero estão permitindo que seus filhos participem desses tipos de eventos nas bibliotecas públicas. Se as reportagens forem verdadeiras, até mesmo pais normais e bem ajustados estão levando seus filhos, presumivelmente para ajudá-los a se tornarem mais tolerantes com a diversidade.

Durante nossa pesquisa vimos muitas práticas estranhas e bizarras que mostram para onde nossa sociedade está caminhando, mas poucas são tão venenosamente cínicas e exploradoras quanto esta. A visão de uma sala repleta de crianças inocentes sendo doutrinadas com propaganda feminista por um homem seriamente perturbado, usando trajes femininos vistosos e extravagantes, tudo com a aprovação dos pais dessas crianças é, certamente, uma imagem icônica na galeria de depravação de Satanás.

"Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados." [2 Timóteo 3:13].

Fascismo Transgênero nos Estados Unidos

A atitude sem força moral do público foi bem demonstrada nos dois últimos anos pela facilidade com a qual o governo americano e as legislaturas estaduais inauguraram banheiros públicos para os transsexuais. Um homem que se "auto-identifica" como uma mulher pode entrar em um banheiro público feminino e se comportar como se tivesse o direito biológico de estar ali. Isto é tão chocante, tão perverso e tão contrário ao bem-estar das nossas mulheres e filhas que somente podemos perguntar se ainda restaram pastores e presbíteros tementes a Deus no país. Por que políticos maçons de alto escalão estão recebendo a permissão de zombar e blasfemar do Cristianismo deste modo?

Existem muitos exemplos em que a subversão da ordem natural está sendo perpetrada de um modo disfarçado e furtivo, mas este não é um deles. Ao revés, os arquitetos da Nova Ordem Mundial parecem ter escolhido este assunto de alta visibilidade como um modo de demonstrar o poder deles e desmoralizar a oposição. Uma igreja cristã que não pode defender suas mulheres e crianças dos desviados sexuais — incluindo aqueles que são apoiados pelos impostos pagos pela sociedade e por leis federais — não é digna do nome.

A Destruição do Consentimento Paterno na Austrália

Deve ser óbvio a partir do que vimos até aqui que os direitos dos pais estão sendo drasticamente erodidos. O conceito jurídico tradicional do consentimento paterno, que reconhece a autoridade não qualificada dos pais em todas as questões relacionadas com o bem-estar da criança, está sendo rapidamente derrubado. Por meio da ONU e de outros modos, as crianças estão sendo separadas de seus pais, dando-lhes "direitos". Perversamente, esses direitos estão sendo estruturados de tal forma que o Estado, e não os pais, decide se eles estão sendo respeitados. Muitos países agora têm leis que permitem que o Estado remova a criança de seus pais sem o devido processo legal. Os pais são "culpados", ou estão infringindo algum "direito" que se considera que a criança possua, a não ser e até que consigam provar o contrário.

Os arquitetos da Nova Ordem Mundial estão testando essas ideias nos países mais controlados pela Maçonaria, notavelmente Canadá, Austrália e Escócia. As autoridades policiais e judiciárias nesses países estão tão fortemente infundidas com a filosofia iluminista da Maçonaria que o cidadão mediano tem pouca esperança de se defender contra eles.

O estado australiano de Victoria (população de 6 milhões) acaba de lançar um programa que estipula que, sem o consentimento paterno, as crianças a partir de 12 anos podem consultar um médico na escola, sem custos, até uma vez por semana. Aqui está o que a página deles na Internet diz:

"Todos os alunos da escola secundária que estão matriculados na escola participante poderão ter acesso ao médico clínico geral e não incorrerão em qualquer despesa pelas consultas. Os clínicos gerais fornecerão aos alunos os mesmos serviços que qualquer clínico geral na comunidade, incluindo o gerenciamento da saúde física, saúde mental e questões de saúde sexual e reprodutiva."

Os pais estão corretamente preocupados que este programa passe poder e influência consideráveis ao Estado. Até mesmo os pais de uma criança de 12 anos, que expressream por escrito sua recusa, poderão ter sua autoridade anulada se o clínico geral considerar apropriado atender a criança. Dali para frente, o clínico geral pode discutir uma ampla faixa de assuntos relacionados com sexo e gênero sem o conhecimento ou consentimento dos pais. A criança pode até mesmo ser diagnosticada com um distúrbio emocional e receber a prescrição de drogas psiquiátricas, sem a aprovação dos pais. Os clínicos gerais, se desejarem, podem fazer perguntas à criança a respeito de sua identidade de gênero e se ele se sente confortável em ser um menino (e vice versa para as meninas). O menino poderia ser questionado por que não está experimentando atos sexuais, como fazem os outros meninos, ou se tem pensamentos homossexuais. Não é necessário muito para causar confusão na cabeça de muitos adolescentes hoje. Os clínicos gerais que estiverem de acordo com a moralidade da Nova Ordem Mundial terão amplas oportunidades de subverter — sem enfrentar obstáculos — milhares de crianças inocentes.

Podemos ter certeza que programas similares serão impostos em outros países, possivelmente sob o pretexto que eles estão apenas cumprindo a Carta da ONU dos Direitos da Criança.

A Irlanda Rejeita a Ordem Natural

Para um país que tradicionalmente sempre foi conservador, a Irlanda decaiu muito nos últimos trinta anos. Em 22 de maio de 2015, os irlandeses decidiram, por ampla maioria, reconhecer o "casamento" entre pessoas do mesmo sexo, desse modo colocando o casamento entre um homem e uma mulher no mesmo plano moral que um relacionamento entre homossexuais que coabitam juntos. As palavras "marido" e "esposa" perderam seus significados, como também "papai" e "mamãe". A ímpia terminologia homossexual tomou conta de tudo.

- A legislação da abolição do gênero:

Esta insana perda de direitos como pais, mães, maridos e esposas, foi seguida rapidamente pela imediata destruição do próprio gênero. Em 22 de julho de 2015, o governo irlandês sancionou a Lei de Reconhecimento de Gênero, que permite que qualquer pessoa, sem a apresentação de evidência de qualquer tipo, legalmente modifique o gênero registrado em sua certidão de nascimento. Um homem casado pode fazer isto sem sequer buscar a aprovação de sua mulher. Este exercício grotesco de desonestidade moral foi levado à plena vista do povo irlandês, porém as pessoas mal compreendiam o que essa lei significava ou por que estava sendo implementada. Hoje, mais de dois anos depois, a maior parte do povo irlandês ainda não está ciente que esse tipo de lei exista!

Vemos nisto a extensão em que uma população incauta pode ser manipulada e enganada por uma imprensa corrupta e dúplice. Aparentemente, nem um jornalista de importância teve a integridade de alertar a população a respeito do programa malicioso que estava sendo seguido pelo governo. As distinções absolutas de gênero estavam sendo esvaziadas em seus significados jurídicos e legais.

A lei irlandesa vai até mais longe do que a lei correspondente na Grã-Bretanha, em que o solicitante ainda precisa apresentar alguma evidência médica. Esta é uma daquelas raras ocasiões em que os irlandeses se inclinaram ainda mais do que os britânicos em sua deferência a Lúcifer.

Os transgêneros que dominam as duas casas do Parlamento Irlandês, o Dáil e o Seanad — tinham feito um bom trabalho para seus superiores na Nova Ordem Mundial.

Há, entretanto, uma área em que os irlandeses ficaram para trás. Embora em quase todos os países as crianças nascituras possam ser mortas com impunidade, puramente por conveniência social e econômica, o povo irlandês mostrou "uma arrogância de tirar o fôlego" (nas palavras de Sir Nigel Rodley) em sua obstinada rejeição de seguir o exemplo. Aparentemente, as crianças irlandesas nascituras não têm mais direito à vida do que suas congêneres em outros países e é uma arrogância de tirar o fôlego das mães irlandesas pensarem que elas tenham.

De acordo com a elite luciferiana que controla a ONU, os irlandeses não estão dispensados de fazerem uma oferta regular de sangue a Baal. George Soros, outro porta-voz luciferiano para a Nova Ordem Mundial e patrono de dezenas de empreendimentos corruptos em diversas partes do mundo, está preparado para doar milhões de dólares para o Movimento 'Pró-Escolha', para ajudá-los em seus esforços para aumentar substancialmente a proporção de crianças irlandesas "finalizadas" no ventre materno.

- O engodo patrocinado pelo Estado para impor o aborto a pedido:

Claramente, o governo irlandês está sofrendo certo embaraço com esta questão e está ansioso para se redimir. O primeiro-ministro, que é um homossexual declarado, anunciou recentemente que um referendo será realizado em maio ou junho de 2018, para remover o artigo existente na Constituição, conhecido como Oitavo Aditamento, que protege as crianças irlandesas nascituras da "finalização" aleatória. Isto também criou um órgão consultivo fajuto, conhecido como Assembleia dos Cidadãos, repleto com alguns transgêneros eminentes, para considerar a possibilidade de modificar esse artigo constitucional. Naturalmente, a seleção escolhida a dedo apresentou a recomendação exata que o governo esperava. Na verdade, a Assembleia dos Cidadãos foi tão absurdamente pró-aborto que até o público incauto pôde ver que a composição "representativa" era uma ficção cínica.

Os arquitetos que estão por trás da Nova Ordem Mundial contam todas as mentiras que acharem necessárias para conseguir aquilo que querem. Eles berram incessantemente que uma criança concebida em um estupro merece morrer e que os "direitos" da mãe estão sendo violados se ela não receber a permissão de matar a criança que está crescendo dentro dela. Eles sabem que se conseguirem isto, se conseguirem que a porta se abra apenas um pouquinho, então toda mulher que quiser matar sua criança nascitura afirmará que sofreu um estupro. E assim vai; uma mentira leva à outra.

- "Casamento" entre pessoas do mesmo sexo:

Já examinamos a atitude irlandesa ao "casamento" entre pessoas do mesmo sexo em um ensaio anterior (veja "A Agenda Humanista Global e seu Vínculo com o Referendo na Irlanda Sobre o Casamento Entre Pessoas do Mesmo Sexo"). O governo e a mídia manipularam com muito sucesso a percepção pública das questões para que, quando um referendo constitucional foi realizado em maio de 2015, a população votasse majoritariamente pela aprovação de uma emenda que colocava o "casamento" entre dois homossexuais no mesmo plano legal e moral que o casamento cristão tradicional entre um homem e uma mulher.

- A Irlanda e o "pai intencional":

O governo também explorou a confusão e retórica geradas pelo carnaval do casamento entre pessoas do mesmo sexo para aprovar duas leis adicionais em 2015, a Lei de Reconhecimento de Gênero, que acabamos de discutir, e uma Lei que não recebeu virtualmente atenção alguma ou qualquer tipo de análise na mídia. Ela foi aprovada em abril de 2015, durante o período de discussões que antecedeu o referendo sobre o "casamento" entre pessoas do mesmo sexo. Com a atenção pública desviada pelo referendo, a lei, conhecida como Lei da Criança e dos Relacionamentos de Família, passou rapidamente pela Câmara Baixa do Parlamento Irlandês. À primeira vista, a lei parecia lidar principalmente com a questão da reprodução assistida no contexto das barrigas de aluguel. Entretanto, entre suas múltipas seções e aditamentos (180 ao todo), que afetam mais de trinta outras leis, o governo incluiu alguns artigos e parágrafos que viraram totalmente de cabeça para baixo um princípio fundamental da lei irlandesa da família.

O novo conceito legal é o do "pai intencional". Isto é definido como uma pessoa que pretende ser o pai de uma criança que nasceu como resultado de um procedimento auxiliado por um doador e realizado dentro das previsões da lei. Assim, se dois homossexuais que coabitam juntos, A e B, querem uma criança, podem doar esperma para uma mulher (C), que aceita ser clinicamente fecundada com a semente deles. (Assumiremos neste exemplo que o óvulo é da própria mulher, e não um gameta doado por uma segunda mulher, D). Quando a criança nascer, todos os direitos e deveres paternos, que de outra forma recaíriam sobre C e seu cônjuge, são transferidos em sua totalidade para A e B, como "pais intencionais".

Como resultado dessa lei, existem agora três tipos de pais dentro da lei irlandesa: (1) os pais naturais, (2) pais adotivos e (3) pais intencionais. Os dois primeiros são bíblicos, porém o último não é.

Em uma adoção, a mãe que concebeu e deu à luz é vista o tempo todo na lei como mãe natural, tanto antes quanto após os papéis da adoção serem assinados. Entretanto, dentro da nova lei, tudo isto mudou.

O "pai intencional" não é um tipo de "pai adotivo". É por isto que um novo conceito legal teve de ser inventado. Em uma barriga de aluguel, os direitos da mãe de nascimento (e os do marido dela) são severamente restringidos e diminuídos desde o início. A criança nunca pertenceu a ela no mesmo modo que uma criança adotada pertencia à sua mãe de nascimento. Em um acordo de barriga de aluguel, a mãe que dá à luz não é mais do que o receptáculo biológico que os "pais intencionais" usaram para realizar a intenção deles. Isto causará problemas emocionais potencialmente sérios nos próximos anos para as crianças que nascerem de barriga de aluguel. A partir da perspectiva dessas crianças, elas não têm uma mãe "real". O dilema delas será ainda exacerbado nos casos em que o óvulo foi doado por outra mulher (D) e implantado na mãe de nascimento (C). A criança não saberá que relacionamento tem com os outros filhos concebidos pelas mulheres C ou D.

Perversamente, no nosso exemplo, a criança não terá uma mãe reconhecida juridicamente — seja natural ou adotiva — pois será registrada em nome de dois homens (seus pais são um casal de homossexuais).

Este é exatamente o tipo de resultado ambivalente e distorcido que a Nova Ordem Mundial quer impor, em que homens "iluminados", exercendo poder por meio da legislatura do Estado, determinam o verdadeiro significado existencial das instituições sociais fundamentais, incluindo família, pai, mãe, filho, filha, gênero, casamento, marido, esposa, consanguinidade, linhagem familiar, etc. Eles odeiam o Senhor Deus, rejeitaram a ordem natural estabelecida por Ele e estão decididos a derrubar tudo o que a Bíblia prescreve para nosso benefício.

Eugenia Aplicada na Islândia

Alguém recentemente comentou na mídia que a Islândia é o lugar mais sem Deus na Terra. Como a competição para este prêmio é tão intensa, registraremos somente que a Islândia certamente está no pelotão da frente. As mulheres islandesas grávidas rotineiramente se submetem a um exame para verificarem alguma evidência da Síndrome de Down em suas crianças. O teste é considerado confiável em 75-90% dos casos, dependendo da idade da criança nascitura. Se o resultado do teste for positivo, as mães são aconselhadas a abortar os bebês. A maioria parece fazer isto. É preciso observar que esta prática também mata um número significativo de crianças nascituras que não são portadoras da Síndrome de Down.

A profissão médica na Islândia está orgulhosa de sua atitude esclarecida em relação à maternidade e concepção de filhos. Assim também, parece, está o povo islandês. O país deles agora está "Livre da Síndrome de Down". Eles eliminaram uma anomalia genética, não por meio de cura e tratamentos corretivos, mas matando as pessoas que têm o problema.

A Inglaterra é, provavelmente, ainda mais ímpia. Embora o limite de tempo normal naquele país para o aborto seja de 24 semanas, nenhuma restrição se aplica se a criança nascitura for portadora da Síndrome de Down, ou se tiver lábio leporino. A criança pode ser abortada a qualquer momento antes do nascimento.

Alguns eticistas estão agora argumentando que todas as crianças recém-nascidas devem ser inspecionadas clinicamente e observadas de perto por um período de aproximadamente seis semanas após o nascimento. Qualquer criança que deixe de atender aos padrões estabelecidos de saúde e desenvolvimento deve então ser "finalizada" (em um procedimento que algumas vezes é chamado de aborto pós-nascimento).

As sociedades pagãs tradicionalmente fazem uso do infanticídio, em geral por meio da exposição aos elementos e hipotermia, para se livrarem das crianças indesejadas. As mães inglesas e islandesas que estão grávidas com bebês com a Síndrome de Down estão sendo informadas pelos profissionais da área médica que o estigma do infanticídio não se aplica ao caso delas. Mas, elas estão sendo enganadas. Em vez de aborto pós-nascimento, como nos tempos antigos, elas estão agora praticando o infanticídio pré-nascimento.

A Nova Ordem Mundial está introduzindo o paganismo em outra forma. Os conceitos e terminologia podem ser diferentes, mas os princípios subjacentes são os mesmos. Os valores que agora estão sendo defendidos podem parecer "seculares", mas, na verdade, honram e veneram o "deus" mais perigoso de todos — Satanás.

"Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. A sua garganta é um sepulcro aberto; com as suas línguas tratam enganosamente; peçonha de áspides está debaixo de seus lábios; cuja boca está cheia de maldição e amargura. Os seus pés são ligeiros para derramar sangue. Em seus caminhos há destruição e miséria; e não conheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos." [Romanos 3:12-18].

A Grã-Bretanha — O Centro de Comando da Nova Ordem Mundial

Quando se trata de perversão dos valores bíblicos, a Grã-Bretanha tem poucos concorrentes. Já mostramos em ensaios anteriores como a casta governante britânica está há muito tempo comprometida com a agenda luciferiana. Eles são adeptos em disfarçar suas verdadeiras afiliações espirituais e em fingir estar bem dispostos com o bem-estar das nações. Entretanto, por trás dos bastidores, estão ativamente construindo a Nova Ordem Mundial.

Já mencionamos em outro ensaio a "Lei da Pessoa Nomeada" que o Parlamento Escocês aprovou em 2014. Essa lei permite que o Estado imponha a agenda dos transgêneros sobre uma população indefesa, por meio da ameaça aos pais resistentes de remoção de seus filhos, se eles não se submeterem.

Os ingleses estão atacando o gênero de outra forma, com passos em andamento para excluir o gênero como um campo de dados compulsório do próximo censo na Inglaterra e Gales. Os assim chamados especialistas deles estão afirmando que isto viola os direitos dos transgêneros ou, como algumas vezes eles são chamados, "pessoas inter-sexo e não-binárias". Uma sociedade que não respeita mais as distinções absolutas de gênero, até mesmo na compilação das estatísticas nacionais oficiais, efetivamente já lançou fora a ideia inteira.

Isto marca uma etapa revolucionária em direção à implementação da Nova Ordem Mundial. Não mais serão apresentados aos meninos e meninas modelos de papel masculino e femininos não-ambíguos durante seus anos de formação. Uma grande proporção entrará para a vida adulta com uma mentalidade andrógina, mesmo se ainda possuírem as característas do gênero físico do seu nascimento. Muitos estarão tão confusos que optarão por cirurgias de mudança de sexo ou reatribuição por meios químicos. O casamento se tornará uma instituição defunta, à medida que um número cada vez maior de adultos se movimentaram para frente e para trás em uma escala deslizante de distrofia de gênero e disfunção sexual.

A Destruição do Casamento Natural

Os cérebros que estão por trás da abolição do gênero gostam de explorar esses efeitos inevitáveis resultantes. À medida que o casamento como instituição se desintegrar, os relacionamentos emocionais, sociais e biológicos que fundamentam a família nuclear irão rapidamente se desfazer. O senso de comprometimento incondicional com o bem-estar da família cessará de existir. Com nada tangível para sustentar o casamento, os casais que se separarem irão, cada vez mais, entregar o cuidado e criação de seus filhos ao Estado.

Este cenário é impressionantemente similar àquele imaginado por Aldous Huxley em seu livro Admirável Mundo Novo, em que adultos hedonistas vivem em uma névoa feliz de desapego, enquanto o aparato do Estado, suportado pela robótica e tecnologia avançada, trata as questões mundanas como produção de alimentos, procriação e a educação das crianças. Os laboratórios em que as crianças são geradas e nascem, descritos no início do livro, representam, de muitas formas, toda a agenda luciferiana.

A Doutrinação LGBTQ Começará aos Dois Anos de Idade

A abolição do gênero na Grã-Bretanha também está sendo seguida por meio de programas educacionais que requerem que as crianças pequenas, até mesmo aquelas que estão no Jardim de Infância, aprendam e assimilem os valores e ideias LGBTQ. O maior sindicato de professores na Grã-Bretanha, a União Nacional dos Professores, está até mesmo propondo a contratação de professores transgêneros para programas de educação sexual para crianças de somente dois anos de idade — o que inclui tratamento afirmativo das questões que envolvem lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros — e orientação para sexo seguro na atividade sexual no nível do Ensino Médio. Eles estão promovendo uma política de portas abertas, pois o próprio governo está lançando o alicerce para essas tremendas transformações sociais.

As igrejas anglicanas, metodistas e presbiterianas na Inglaterra e em Gales estão, em grande parte, indiferentes a esses acontecimentos. Na verdade, a Igreja Anglicana está caladamente endossando tudo isto. Justin Welby, o arcebispo de Cantuária (o líder espiritual da Igreja Anglicana) recusa-se a condenar a homossexualidade como um pecado. Falando a respeito dos homossexuais, ele disse: "— Quem sou eu para julgá-los pelos seus pecados, se eles têm pecados?"

Os Anglicanos Estão Vendidos

A Igreja Anglicana já emprega pastores transgêneros. Um pastor da Igreja da Inglaterra que "fez a transição" de homem para "mulher" em 2000 recebeu a permissão de se tornar a primeira pessoa abertamente transgênero a ser ordenada como pastora pela Igreja da Inglaterra. Deve ser óbvio, a partir desses eventos impressionantes, que a maçonicamente controlada Igreja Anglicana oferece apenas uma forma cristianizada de paganismo. Sem qualquer dúvida, este repúdio à Palavra de Deus continuará até que todos os aspectos da moralidade iluminista sejam incorporados aos ritos e rituais da Igreja Anglicana. Por exemplo, em julho de 2017, os líderes anglicanos — a Casa dos Bispos, a Casa do Clero e a Casa dos Leigos — votaram majoritariamente para incluir um serviço de reconhecimento do transgênero, ou "rebatismo" para os membros que mudarem de gênero.

Não deveríamos estar surpresos que a mesma igreja tenha desenvolvido o Curso Alpha, um falso evangelho aprovado pelo Vaticano que se tornou para muitos a verdadeira face do Cristianismo [veja o ensaio de número 108, intitulado "The Alpha Course: Ecumenism, Romanism and an Empty Gospel" (não traduzido), no site do autor].

A Igreja da Inglaterra é uma igreja "estabelecida", ou aprovada pelo Estado. O Estamento de poder britânico como um todo apoia fortemente a Nova Ordem Mundial e sua agenda sinuosa. Já vimos amplas evidências disto nos anos recentes, mas talvez o exemplo mais descarado da cumplicidade seja o papel exercido pelo Foreign and Commonwealth Office (NT: Um dos ministérios mais importantes do governo britânico, concentrando o papel de um Ministério das Relações Exteriores, relações com os países da Comunidade Britânica de Nações, junto com um Ministério da Indústria e Comércio; cuida também da segurança interna, do combate ao terrorismo, etc.). Em 2016, este órgão do governo publicou, por meio de uma de suas agências subsidiárias, um relatório repleto com recomendações de longo alcance que levantaram a agenda LGBTQ para um nível totalmente novo.

Publicado por Wilton Park, um centro de estudos e debates ultra-progressista sediado em Styning, no sul da Inglaterra, o relatório trata de forma áspera todas as possíveis objeções à nova moralidade iluminista. Sob o título "Oportunidades e Desafios: A Interseção de Fé e Direitos Humanos das Pessoas LGBTQ+", ele se propõe a tratar em suas várias propostas os "altos níveis de ignorância entre as comunidades de fé com relação às questões LGBTQ+".

A entonação do relatório é quase militante em algumas passagens. Totalmente apimentado com retórica estridente, ele se parece mais como um manifesto político do que uma análise comedida. O fato de um ministério importante do governo britânico patrocinar abertamente esse tipo de documento é um sinal para todos os progressistas britânicos que o Estamento político de poder tem agora com a intenção de destruir o Cristianismo bíblico no Reino Unido.

Estridentemente Anticristão:

O relatório implica repetidamente, com ênfase nauseante, que os cristãos evangélicos estão gravemente errados em sua atitude em relação à homossexualidade. Ele até mesmo declara que a interpretação deles do Gênesis está totalmente errada e que Deus destruiu Sodoma e Gomorra por razões que não tinham nada que ver com a homossexualidade:

"17. A compreensão de textos religiosos fundamentais que parecem perpetuar a discriminação deve ser melhorada usando textos de eruditos bem respeitados, para desafiar as versões aceitas, por exemplo a destruição de Sodoma e Gomorra no capítulo 19 de Gênesis. Um bom exemplo de erudição que mostra consideração pelos outros, baseada na discussão desta história é "Breaking Open: Sodom and Gomorrah", um livreto da Soulforce Inc, publicado em 2016.

A divisa da Soulforce Inc. é: "Sabotar a Supremacia Cristã". O livreto deles diz:

"Até mesmo uma leitura rápida do texto revela que esta história [de Sodoma e Gomorra] não é sobre homossexualidade de forma alguma. Não existem descrições de homens tendo sexo homossexual consensual com base em desejo mútuo. Existem somente duas menções ao sexo em toda a passagem e ambas são sobre estupro. A primeira é a multidão irada de todos os homens da cidade exigindo que os dois estrangeiros que tinham acabado de chegar a Sodoma saíssem da casa para que fossem estuprados grupalmente. A segunda é quando Ló oferece suas duas filhas jovens para a multidão fazer com elas o que fosse bom aos seus olhos" (v. 8)...

"O texto diz que todos os homens de Sodoma vieram até a casa de Ló (v. 4). Esta não é uma multidão de homens gays em um frenesi sexual dirigido pela lascívia homossexual. Certamente, a maioria dos homens não tinha sequer visto os dois visitantes. Isto é sobre subjugação, dominação e xenofobia. Isto é uma questão de poder, violência e de manter os estrangeiros em sua posição vulnerável..."

"Se existe um comentário político sobre Sodoma e Gomorra que se aplica a nós hoje, é sobre dar as boas-vindas aos imigrantes e refugiados que estão entre nós. É sobre compartilhar nossos recursos abundantes com aqueles que não têm o suficiente por causa dos sistemas de violência, injustiça e dominação."

Incrivelmente, o relatório de Wilton Park descreve isto como uma discussão "erudita que mostra consideração pelos outros". Todavia, qualquer um com um pouquinho de bom senso pode ver que isto é distorção da Escritura do tipo mais descarado e cínico. Presumivelmente, o FCO esperava que poucos leitores fossem conferir o documento-fonte. A arrogância deles neste exemplo dá uma amostra da mentalidade tenebrosa que prevalece hoje entre os mandarins que trabalham nos altos escalões do governo.

Teologia Esquisita:

A natureza calculista e subversiva do relatório do Wilton Park é, provavelmente, mais evidente a partir do número de vezes que ele exige que as interpretações tradicionais da Bíblia sejam desafiadas e derrubadas:

O relatório também propõe financiamento "para pesquisa, incluindo exegese textual, para desafiar as interpretações negativas dos líderes de fé com relação aos textos sagrados." [Deve ser observado que o termo 'teologia queer', que foi usado no relatório do Wilton Park, não é visto como pejorativo pela comunidade homossexual.].

A mensagem que está por trás de tudo isto é bastante clara: Os cristãos que não reinterpretarem a Bíblia de um modo radicalmente novo serão no futuro condenados por "discurso de ódio". Eles precisam reconhecer "que a violência espiritual com relação aos LGBT+ é violência com base em gênero."

A atitude com relação ao Cristianismo em todo o relatório é verdadeiramente chocante. O Fundo Barnabé, que oferece ajuda para a igreja perseguida em todo o mundo, publicou uma resposta formal ao relatório do Wilton Park em julho de 2017. A resposta do Fundo Barnabé foi altamente crítica ao relatório e pediu que o Foreign & Commonwealth Office o retirasse imediatamente. Ele disse que o relatório "representa um ataque significativo contra os direitos humanos dos cristãos em todo o mundo". Como parte de seu ataque contra o Cristianismo, o relatório redefine "tolerância" para significar qualquer posição consistente com a política LGBTI, enquanto que todas as outras opiniões são classificadas como "intolerantes" ou até "odiosas".

Ação Direta Contra os Cristãos

O Fundo Barnabé também faz uma observação que deve abalar a complacência de todos os cristãos professos que ainda não acordaram para a gravidade do que está acontecendo:

"O relatório do Wilton Park contém níveis extensos e significativos de Cristianofobia, tanto no sentido de intolerância em relação aos cristãos, incluindo estereótipos negativos e defesa da discriminação e até ação direta contra os cristãos."

Observe a frase "ação direta contra os cristãos". A entonação do relatório do Wilton Park torna bem claro que "ação direta contra os cristãos" é exatamente o que está em vista. Como evidência disto, o Fundo Barnabé aponta para uma recomendação chocante que aparece no relatório: "Os líderes religiosos devem prestar contas pela promoção que fazem do ódio contra as pessoas LGBTI..." Entre os homossexuais radicais, bem como entre os grupos extremistas em geral, o termo "devem prestar contas" é um eufemismo bem conhecido para tratamento persistente e opressivo até que a vítima finalmente se submeta.

Outras Iniciativas Nacionais e Internacionais

O ataque coordenado contra o gênero no mundo inteiro é intenso. É virtualmente impossível manter um levantamento completo das várias iniciativas, leis, programas e regulamentações, em vários países, que exigem aderência à agenda LGBTQ. As Nações Unidas em Nova York, a sede do comunismo internacional, está solapando o gênero com uma vingança, principalmente por meio da Convenção dos Direitos Humanos e programas sociais relacionados.

Os parlamentos em todos os países, dominados por maçons, marxistas, homossexuais e transgêneros, estão rapidamente trocando as leis e instituições permanentes por substitutos que negam ou que distorcem o gênero.

Cada vez mais, as grandes empresas estão tornando seus serviços condicionais à aceitação de certos valores e códigos. Podemos esperar que serviços da Internet amplamente usados, como Google, Microsoft e Apple, em algum momento no futuro incluam em seus "termos e condições" um reconhecimento formal por parte do usuário que o endosso da companhia aos LGBTQ é coerente com a Escritura. Os cristãos que são verdadeiros com sua fé não quererão assinalar o quadradinho e, deste modo, não poderão mais usar o serviço. Isto poderá ter sérias implicações no local de trabalho. Os empregadores estão recebendo uma crescente lista de razões para não contratarem cristãos bíblicos.

As principais revistas científicas e institutos de pesquisa em muitos países, bem como porta-vozes do governo e servidores públicos de alto escalão, estão propondo a remoção do gênero como um campo de dados nas certidões de nascimento, carteiras de habilitação e passaportes — este último já foi colocado em vigor no Canadá. Quando o campo não é removido, ele está recebendo múltiplos valores. Em junho de 2017, o Oregon tornou-se o primeiro estado nos EUA a adicionar uma opção "terceiro gênero" nas carteiras de habilitação emitidas pelo estado. Mudanças deste tipo poderão também se aplicar à coleção de dados nacionais do censo, como na Grã-Bretanha. Poderá até se tornar ilegal pedir a um candidato, em uma entrevista de emprego, a declarar ou confirmar seu gênero.

Os Escoteiros da América admitiram homossexuais nas posições de liderança em 2015. Logo depois disso, permitiram que crianças transgêneros mulher-para-homem ingressassem. Recentemente, anunciaram que, a partir de 2018, as meninas poderão se tornar membros. Assim, em apenas alguns poucos anos, uma instituição respeitável e com um bom histórico foi totalmente desmantelada. Os Escoteiros tinham o objetivo de patrocinar a formação do caráter nos meninos e ajudá-los a amadurecerem até se tornarem homens, Mas, como os mestres da Nova Ordem Mundial estão substituindo os homens por indivíduos efeminados e emasculados, esta é agora uma barreira a mudar.

Sem dúvida, outros países em breve seguirão o exemplo. Talvez até possamos esperar que muitos eventos nos Jogos Olímpicos sejam declarados como sem gênero ou "isento de gênero" dentro de aproximadamente uma década.

Conclusão

Frequentemente, é somente em retrospecto que podemos dizer quando uma guerra começou de verdade. Em algum ponto, os sinais e tensões atingem um limiar de intensidade e se juntam em "ação direta". Podemos dizer que o relatório de Wilton Park alcançou esse limiar. A data de publicação do relatório — 9 de setembro de 2016 — pode ser considerada como a data em que a guerra iluminsta com os cristãos no Ocidente foi formalmente declarada. As luvas foram retiradas e a vítima poderá começar a receber os socos às mãos nuas a qualquer momento.

Os cristãos bíblicos são agora o alvo a ser atacado. Infelizmente, os pastores, em sua maioria, são impostores que têm pouca ou nenhuma compreensão daquilo que o Maligno está fazendo. Alguns nem mesmo reconhecem a existência do Maligno!

Talvez eles comecem a observar que algo não está exatamente correto quando os pastores genuínos começarem a ser multados ou presos por expressarem suas crenças, quando as igrejas forem lacradas por terem sido consideradas culpadas por "discurso de ódio", ou quando os cristãos forem surrados nas ruas por usarem emblemas cristãos diante de uma "Marcha do Orgulho Gay". Irão eles então agir, ou aguardarão até que os ativistas homossexuais vandalizem suas igrejas ou invadam o serviço dominical? Talvez nada seja dito até que bons pais cristãos sejam levados aos tribunais pelos Serviços Sociais, por que se recusam a permitir que seus filhos escolham seus gêneros ou que assistam a um travesti, todo maquiado e com roupas e penteados extravagantes, contar histórias para eles na sala de aula.

Na teologia esquisita e lascívia legalizada da Nova Ordem Mundial, não haverá lugar para cristãos bíblicos. Uma longa "ação direta" está reservada para eles.

"E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente." [Gênesis 6:5].



Autor: Jeremy James, artigo em http://www.zephaniah.eu
Data da publicação: 29/10/2017
Transferido para a área pública em 13/8/2019
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/transgenero-14.asp