Escolha uma cor para o fundo:  

Uma Verdade Inconveniente — Uma Análise das Premissas do Documentário Sobre o Aquecimento Global

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

A preocupação com o aquecimento global está sendo promovida com o objetivo de convencer a todos que apenas um governo global, com poderes irrestritos, poderá 'resolver' os problemas que foram criados. O ex-vice-presidente americano Al Gore está agora na linha de frente, advertindo acerca das horríveis conseqüências que a humanidade sofrerá se o aquecimento global não for colocado sob controle. Verdadeiramente, este mundo está no ponto planejado pelos autores dos Protocolos dos Sábios de Sião: "Quando vier o nosso reinado, nossos oradores raciocinarão sobre os grandes problemas que emocionaram a humanidade, para levá-la afinal ao nosso regime salutar. Quem duvidará, então, que todos esses problemas foram inventados por nós de acordo com um plano político que ninguém adivinhou durante séculos?" [Protocolo 13].

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


O ex-presidente Bill Clinton defendeu grandemente a questão do aquecimento global durante seu mandato. Essa questão é muito querida para os Illuminati, simplesmente porque cria um temor — mas falso — de um cenário mundial que absolutamente requererá um governo global para "solucionar" o problema. A indústria do cinema em Hollywood passou recentemente a ajudar a comunidade dos expoentes do aquecimento global. Filmes como "O Dia Depois de Amanhã", "10.5" e "Apocalipse" tiveram seus roteiros escritos de forma a detalhar o terrível dano que supostamente tornou-se inevitável devido à "atividade humana", que está produzindo o aquecimento global.

Vamos separar alguns momentos para examinar o novo documentário apresentado por Al Gore, que está despertando esse tipo de alarme. Observe que essa propaganda acusa o aquecimento global pelos desastres naturais recentes.

Resumo da Notícia: "Al Gore Faz um Alerta Sobre o Aquecimento Global", Brietbart News, 20 de maio de 2006.

"O ex-presidente americano Al Gore fez um contundente chamado para o despertar das pessoas para o problema do aquecimento global no Festival de Cinema de Cannes, advertindo que o planeta Terra está diante de uma 'emergência planetária'. O aguaceiro do ano passado com desastres naturais, como o furacão Katrina, que devastou New Orleans em agosto, foi prova de que o aquecimento global está começando a causar estragos devido à mudança global no clima, ele disse."

"A Mãe Natureza entrou nesse debate com uma voz muito poderosa e persuasiva', Gore disse em uma conferência de imprensa após a projeção de "Uma Verdade Inconveniente", que documenta sua cruzada solitária para despertar a conscientização para o problema. 'O furacão Katrina foi um chamado para o despertar de muitas pessoas que tinham ouvido os cientistas advertirem que os furacões se tornariam muito mais fortes. Esses e outros fenômenos que há muito tempo foram preditos estão ocorrendo agora. A chave para solucionar essa crise depende de as pessoas exigirem uma ação, e não apenas do presidente, mas também do Congresso."

Agora, Gore torna-se específico sobre o tipo de "ação" que tem em mente:

"Ele disse que acreditava que uma imensa oportunidade tinha sido perdida após os ataques terroristas de setembro de 2001 de fazer os Estados Unidos — o país que é maior produtor de gás carbônico do mundo — substituírem gradualmente sua dependência de combustível fóssil... Desde sua apertada derrota nas eleições presidenciais de 2000, Gore tem viajado por todo o país para exibir sua apresentação de slides para audiências em pelo menos 1.000 localidades, pedindo para as pessoas aderirem à luta contra o aquecimento global. Sei a partir da minha experiência no passado que aquilo de mais valioso que posso fazer é tentar mudar a cabeça das pessoas nos EUA e em todo o mundo sobre essa emergência planetária.' Até recentemente, ele disse, as pessoas nos EUA viveram em uma redoma de irrealismo." [Ibidem].

Esse é o ponto de vista, a perspectiva de Al Gore. Você se lembra de sua outra declaração de "emergência planetária", ainda em 1992, em seu livro, A Terra em Balanço? Vamos revisitar esse livro, pois ele contém algumas informações que surpreenderão você e servirão para seu esclarecimento:

A Terra em Balanço

Demonstramos muitas vezes em artigos passados o papel que o ativismo ambiental exerce na eventual implementação da Nova Ordem Mundial. Não há dúvida que Satanás está trabalhando nos corações e mentes dos proponentes da Nova Ordem Mundial para trazer os últimos estágios do plano. Bill Cooper, em seu livro Behold a Pale Horse (leia a resenha), compartilha esta citação dos Protocolos dos Sábios de Sião, que mostra claramente o quão perto estamos da implementação final do plano da Nova Ordem Mundial; lembre-se que essa parte final do plano foi escrita no fim dos anos 1700. (Nota: O autor Bill Cooper incluiu em seu livro todo o texto dos Protocolos.).

"Quando vier o nosso reinado, nossos oradores raciocinarão sobre os grandes problemas que emocionaram a humanidade, para levá-la afinal ao nosso regime salutar. Quem duvidará, então, que todos esses problemas foram inventados por nós de acordo com um plano político que ninguém adivinhou durante séculos?" [Protocolo 13].

Os planejadores da Nova Ordem Mundial, escrevendo mais de duzentos anos atrás, disseram que a última etapa é seus oradores criarem problemas globais de magnitude tal a requerer uma solução global. Estamos vendo isso acontecer praticamente todos os dias de alguma forma, como as celebrações do Dia da Terra, quando orador após orador levanta-se na plataforma para deplorar o estado do planeta, para acusar os Estados Unidos pela destruição e para pedir em alta voz soluções para as supostas condições catastróficas da atmosfera, dos deslizamentos de terra, das florestas tropicais, etc. Os ativistas ambientais apontam para quatro supostos problemas básicos que, segundo eles afirmam, estão ameaçando nosso planeta e nossa vida da forma como os conhecemos:

1. Chuva Ácida — Os países industrializados, especialmente os EUA, estão sendo acusados de contaminar a atmosfera do mundo com emissões das fábricas. Supostamente, muitas florestas estão sendo destruídas por essa chuva ácida. Os cientistas estão debatendo a questão da chuva ácida e, de acordo com alguns estudos, a Terra tem mais florestas do que em qualquer tempo na história registrada.

2. Redução da Área das Florestas, ou Desmatamento — Não há dúvida que as florestas tropicais estão sendo reduzidas. Essa redução perturba o equilíbrio da natureza, dizem os ambientalistas, ao reduzir a capacidade da Terra de absorver o dióxido de carbono e destruindo a habitação de muitas espécies... Isso, por sua vez, quebra a cadeia alimentar vital. Entretanto, esse aspecto está sendo exagerado, porque o rápido crescimento cobre a área desmatada.

Entretanto, essas florestas tropicais não estão sendo cortadas na velocidade mostrada na mídia popular, pois se isso fosse verdade, não haveria florestas em parte alguma em um tempo bem curto.

3. Aquecimento Global — De acordo com muitos cientistas ambientais, a temperatura média da Terra está aumentando. Esse aquecimento está sendo causado pelos assim-chamados "gases do efeito estufa", como o dióxido de carbono e o metano, que fazem engrossar a atmosfera da Terra e não liberam o calor da atmosfera para o espaço. Entretanto, muitos cientistas questionam se a Terra está realmente se tornando mais aquecida e pode, na verdade, estar mais fria e entrando em uma nova Era do Gelo.

4. Redução da Camada de Ozônio — Além do "efeito estufa", ouvimos dizer que a emissão do Clorofluorcarbono, ou abreviadamente CFC, está destruindo a camada de ozônio na atmosfera. O ozônio é um elemento químico na atmosfera que oferece proteção contra os raios ultravioleta do sol. A cada outono, a camada de ozônio sobre a Antártida desenvolve aquilo que é chamado de "buraco". Esse buraco fecha-se após um curto espaço de tempo. Esses CFC, clorino, freon e outros produtos químicos usados em muitos produtos que usamos no dia-a-dia, como refrigeradores, fizeram com que esse evento anual natural leve um tempo maior para fechar. O resultado, dizem, é a eventual destruição da camada de ozônio e o fim da vida na Terra.

Lembre-se, o plano da Nova Ordem Mundial, citado anteriormente, e escrito no fim dos anos 1700, prevê a criação de grandes problemas que ameacem a humanidade e que convençam as pessoas a seguirem a implementação final desse novo sistema de governo mundial. O fato de vermos esses problemas fabricados sendo agora divulgados de forma firme e para todos ouvirem demonstra que estamos muito próximos do fim dos tempos.

Agora, entram nessa discussão, vários livros que discutem as questões ambientais, o mais proeminente dos quais foi escrito pelo então vice-presidente eleito, Albert Gore. Esse livro intitula-se A Terra em Balanço. No restante deste artigo, examinaremos esse livro do contexto de seu papel em promover a Nova Ordem Mundial. O propósito declarado de Gore ao escrever esse livro é apresentar-se para ser o líder em responder ao desafio que ele acredita que está apresentado pelo que ele repetidamente chama de crise global. O livro é uma mistura de anedota, asserções científicas escritas de uma forma simplificada e propostas que solucionarão aquilo que ele acha que é maior problema com o qual a humanidade já se defrontou. De um ponto de vista estilístico, Gore cumpre sua tarefa com brilhantismo. Ele é o líder reconhecido das questões ambientais nos Estados Unidos e seu livro já levou muitos a concordarem com ele que o futuro da Terra está literalmente pendurado no equilíbrio entre habitável e inabitável. Nesse sentido, o livro realmente é um dos mais significativos já escritos. Se as análises de Gore do nosso meio ambiente forem aceitas, o caminho para a Nova Ordem Mundial se tornará uma rodovia, sem semáforos ou limites de velocidade.

Premissa 1: A crise ambiental global é uma ameaça à vida neste planeta.

Premissa 2: Existe hoje uma crise ambiental global.

Conclusão: Nossas vidas estão ameaçadas. Essa é a premissa do novo documentário de Al Gore.

Precisamos verificar as suposições filosóficas que formam a base sobre a qual o livro foi escrito. Na página 62 (original), Gore desenvolve um histórico das mudanças climáticas. Ele aponta para as mudanças que ele acredita que ocorreram ao longo de milhões de anos, e também acredita que essas mudanças têm o agente para o desenvolvimento das instituições sociais do homem. Ele diz:

"De fato, a maioria dos historiadores acredita que a sucessão de eras do gelo e períodos interglaciais quentes entre 1 milhão e 40.000 anos atrás, forneceu o ímpeto para o desenvolvimento de organizações sociais rudimentares. Os registros arqueológicos e antropológicos indicam que cada vez que o gelo desapareceu, as populações dos povos primitivos da massa de terra da Eurásia cresceram e a cultura deles avançou."

Gore indica sua fé total na evolução quando afirma: "A própria evolução humana foi moldada por transições drásticas nos padrões do clima global durante os últimos seis milhões de anos." Na página 100, Gore afirma que é a partir dos oceanos que as formas de vida mais primitivas evoluíram. Embora muito do que ele diga em seu livro seja verdade, ele rejeita a noção de um Deus pessoal que criou e que sustenta o universo. Essa rejeição a Deus é a base de todo o argumento de Gore. Ele acredita que a vida humana possa desaparecer totalmente da Terra; entretanto, as Escrituras ensinam que Deus preservará a Terra até o tempo do juízo final. Embora seja possível que Deus usará alguns dos desastres naturais preditos no livro de Gore como uma forma de julgamento, o juízo de Deus será por causa do pecado e não conseqüência de um manejo ruim do meio ambiente.

A rejeição de Gore da doutrina bíblica é mais reveladora em suas afirmações sobre José do Egito. Ele diz: "A advertência de José ao faraó para se preparar para sete anos de escassez após sete anos de fartura reflete a nova conscientização da humanidade à sua vulnerabilidade às mudanças nos padrões do clima. Por sua vez, quando faraó indica José, que interpretou o significado ecológico do seu sonho, para supervisionar os preparativos para os sete anos de escassez, sua decisão reflete a asserção da humanidade do poder para prever e se preparar para as flutuações no clima." (pág. 62).

Essa sentença é pura bobagem e propaganda, pois não tem base bíblica nem histórica. Não há "significado ecológico" algum nessa história, pois Deus simplesmente trouxe sete anos de seca à região, para que Seu poder e Sua glória pudessem ser vistos claramente.

Uma segunda área em que Gore lida extensivamente em seu livro é a questão do aquecimento global. Ele diz:

"O aquecimento global é também uma ameaça estratégica. A concentração de dióxido de carbono e outras moléculas que absorvem o calor aumentou 25% desde a Segunda Guerra Mundial, representando uma ameaça mundial à capacidade da Terra de regular a quantidade de calor do sol retida na atmosfera. Esse aumento no calor ameaça seriamente o equilíbrio do clima global que determina o padrão dos ventos, das chuvas, das temperaturas da superfícies, das correntes oceânicas, e do nível do mar. Isso tudo, por sua vez, determina a distribuição da vida vegetal e animal na terra e no mar e tem um grande efeito na localização e padrão das sociedades humanas."

É o aquecimento global a ameaça que Al Gore parece acreditar que é? Contrariamente às afirmações do Sr. Gore de que há uma concordância quase universal entre os cientistas acerca dos fatos do aquecimento global, existem diversos cientistas muito competentes que divergem publicamente das descobertas do painel das Nações Unidas que previu um aumento de 2 graus na temperatura por volta do ano 2025. Esses cientistas altamente competentes são de instituições respeitáveis, como o M.I.T., o Instituto Oceanográfico de Woods Hole, o Serviço Meteorológico Nacional, e o Laboratório Nacional Lawrence Livermore, para citar apenas alguns. Esses cientistas salientam que dados do clima foram coletados durante dez anos por satélites. Esses dados foram examinados por meteorologistas espaciais da NASA, o Dr. Roy Spencer e o Dr. J. R. Christy, que reportaram suas descobertas em março de 1990 na revista Science.

A conclusão deles: "Não existe uma tendência óbvia de longo prazo; e as anomalias durante os primeiros cinco anos são compensadas pelas dos últimos cinco anos."

Há cerca de 100 anos que a temperatura e os níveis de precipitação são registrados diariamente em milhares de estações em todo o mundo. Se qualquer aquecimento significativo tivesse ocorrido, essas leituras mostrariam isso. Mas, em termos simples, elas não mostram um nível significativo de aquecimento. Até mesmo os aderentes do aquecimento global reconhecem que houve somente uma mudança de meio grau centígrado nas temperaturas globais. Até mesmo essa mudança nas temperaturas é altamente questionável porque as estações de medição não estão distribuídas de forma regular por todo o globo terrestre. Elas estão localizadas em somente 30% da superfície da Terra. Os dados dos satélites são muito mais confiáveis. Um erro danoso na teoria do aquecimento global encontra-se na falta de elevação da temperatura quando os níveis de dióxido de carbono estavam no ponto mais alto. O próprio Gore admite que a liberação de dióxido de carbono na atmosfera aumentou 25% desde a Segunda Guerra Mundial. Se a teoria do aquecimento global estivesse correta, haveria um correspondente aumento na temperatura, mas isso não ocorreu.

Comentando as afirmações inconsistentes sobre o dióxido de carbono, o Dr. Patrick Michaels, da Universidade de Virgínia, acrescenta: "É bastante aparente que a maior parte do aquecimento ocorreu antes da maior parte do aumento na emissão do dióxido de carbono. Existem tantas coisas que podem ir contra uma teoria simplista antes de alguém reconhecer que ela é simplista."

A Solução Proposta Por Al Gore

Agora que Albert Gore definiu o problema da forma como ele o enxerga, o que pretende fazer a respeito? Essa é a questão crítica, afinal Gore foi vice-presidente e foi candidato a presidente dos EUA. Ele propõe várias ações:

1. Estabilizar a população mundial. Ele menciona especificamente o controle da natalidade nos países em desenvolvimento. No entanto, muitos líderes de Nova Era sempre incluíram o aborto livre ao definiram a estabilização da população mundial. Não se deixe enganar; o plano de Gore aumentará a ocorrência dos abortos.

2. Gore propõe a rápida criação e desenvolvimento de tecnologias adequadas para o meio ambiente, especialmente no campo da energia, transporte, agricultura, construção civil e na área industrial. Esse não é um objetivo ruim; entretanto, na página 325 (original), ele propõe algo que não é sensato. Ele diz que o motor de combustão interna (seu carro) representa uma ameaça maior do que as armas nucleares para o futuro da humanidade. Na página seguinte, ele propõe a eliminação do motor de combustão interna em favor de veículos de energia mais eficiente. Embora Gore exagere o dano causado pelo motor de combustão interna, uma tecnologia mais eficiente que o substitua não é algo indesejável.

Em seguida, Gore fala em compartilhar a tecnologia adequada ao meio ambiente. Essa idéia é simplesmente uma forma de Redistribuição da Riqueza, um dos principais alvos da Nova Ordem Mundial. Compartilhar nossa tecnologia poderia beneficiar este país mais do que o prejudica, pois a disseminação e uso da tecnologia avançada produz modernização em todos os países para os quais a tecnologia for transferida. Esses países poderão então comprar produtos norte-americanos. Novamente, o objetivo assim oferecido não é uma coisa má em si mesmo. O problema que Gore parece não compreender é que com o compartilhamento da tecnologia, os incentivos econômicos para desenvolver novas tecnologias são diminuídos. Portanto, Gore e Clinton acreditam que é responsabilidade do governo "investir" (usando a terminologia de Clinton) na indústria privada de modo a produzir a tecnologia que Gore deseja compartilhar. Quando ele diz "compartilhar", o que realmente quer dizer é entregar.

Para que essa abordagem funcione, uma agência central de planejamento econômico precisará determinar quais empresas receberão o dinheiro de Pesquisa e Desenvolvimento que Clinton e Gore querem distribuir. Em resumo, esse plano coloca o governo federal no papel de financiar o desenvolvimento tecnológico, algo que atualmente é feito pelas empresas privadas. Você deve saber que esse tipo de planejamento central por parte do governo é exatamente o que Clinton tem em mente. Estamos nos movendo cada vez mais para perto da síntese entre capitalismo e comunismo, um sistema também conhecido como fascismo. O fascismo é definido como um sistema econômico em que as empresas privadas controlam os meios de produção, mas em que o governo federal controla quem produz quais mercadorias, as quantidades que serão produzidas, e para quem elas serão distribuídas. Esse é o novo sistema que controlará a economia mundial na Nova Ordem Mundial, porque uma eliminação da concorrência internacional é essencial para a construção de um sistema global coeso.

Não duvide! O sistema econômico planejado para a Nova Ordem Mundial é o fascismo.

3. Gore propõe que tenhamos uma abrangente mudança nas regras da economia, pela qual medimos o impacto das nossas decisões no meio ambiente. O que Gore está referenciando aqui é um sistema de acordos comerciais baseado na adesão aos princípios ecológicos. Esse objetivo é nobre e se todos aderirem ao acordo, os resultados sem dúvida serão positivos. Entretanto, o problema é que um sistema de regras como esse não poderá ser imposto sem sanções internacionais apoiadas por uma força militar. No nosso atual sistema geopolítico, essa imposição é impossível de ser feita. Um número muito grande de nações ainda levanta seus narizes diante da ONU, como fez o presidente Bush ao ordenar que as Forças da Coalizão invadissem o Iraque em 20 de março de 2003. Até que a ONU receba uma capacidade de se impor militarmente de forma massacrante, o sistema proposto por Gore não poderá funcionar.

4. Gore propõe negociar e aprovar novos acordos internacionais que formarão as estruturas regulatórias, definirão proibições específicas, mecanismos de imposição, planejamento cooperativo, acordos de compartilhamento, incentivos, penalidades e obrigações mútuas necessários para fazer todo o plano funcionar. Isso tudo parece de forma muito suspeita com uma Economia Global e um Governo Mundial. Embora Gora afirme que seja contrário ao governo mundial na pág. 301, esse sistema não pode estar muito distante se essa solução for adotada.

5. Gore propõe educar melhor os cidadãos acerca do meio ambiente. O grande problema aqui não é o processo de ensinar, mas o conteúdo. As pessoas não precisam de desinformações sobre o aquecimento global e a destruição da camada de ozônio, especialmente as crianças e adolescentes, que se deixam influenciar com facilidade. Ninguém também precisa de um curso de revisão sobre a Teoria da Evolução, de Darwin, que Gore pressupõe em seu livro.

6. Gore quer estabelecer condições sociais e políticas mais propícias para o surgimento de sociedades sustentáveis, especialmente no mundo em desenvolvimento. Gore fala em tornar essas economias em desenvolvimento na imagem de governos "responsáveis", como o norte-americano. A situação na Somália é ampla evidência do que pode ocorrer em sociedades politicamente instáveis; todavia é questionável se nosso sistema de governo e a economia é um modelo apropriado para a Somália imitar.

Gore chama esse plano de seis pontos de Plano Marshall Global, modelado de acordo com o plano que reconstruiu a Europa após a Segunda Guerra Mundial. Logicamente, já vimos em artigos anteriores que esse Plano Marshall foi a primeira aplicação maciça de uma "Redistribuição da Riqueza", e foi preparatório para redistribuições ainda mais maciças assim que o mundo entrar na Nova Ordem Mundial. Como os EUA financiaram o Plano Marshall original, Gore acha essencial que os EUA financiem este novo plano também. Embora esse plano tenha provavelmente pouco impacto nos cristãos especificamente, ele afetará de forma drástica a economia mundial, com resultados trágicos, pavimentando assim o caminho para o governo mundial, ao qual Gore afirma se opor. O Plano Marshall de Gore tem objetivos nobres, em termos gerais. O problema é que os meios para alcançá-los moverão o mundo para o segmento final em direção à Nova Ordem Mundial.

Em seguida, Gore faz uma afirmação que parece risível à primeira vista, mas que tem grandes implicações para nós hoje. Veja:

"Sabemos agora que o impacto cumulativo deles [dos motores de combustão interna] no meio ambiente global está representando uma ameaça mortal à segurança de cada país que é mais mortal do que qualquer inimigo militar que algum dia teremos de enfrentar." [pág. 325 no original; Earth in the Balance].

Quando Gore redigiu essas palavras em 1992, a Rússia ainda tinha 20.000 ogivas nucleares apontadas contra os EUA, a China estava trabalhando freneticamente para desenvolver suas próprias bombas nucleares, e estávamos começando a ouvir as histórias repetitivas de terrorismo contra nossas cidades usando diversos tipos de armas, incluindo bombas nucleares. Assim, Gore acaba de dizer que o motor de combustão interna era uma ameaça maior a este planeta do que as armas nucleares!

Na página seguinte [pág. 326], Gore propõe eliminar totalmente o motor de combustão interna! Os Acordos de Kyoto realizariam esse objetivo draconiano por meio da severa regulamentação que sufocariam a economia por um lado, ao mesmo tempo em que levariam os preços para cima de forma que ninguém conseguiria comprar os produtos e serviços que mantêm a civilização industrial funcionando ativamente. O retorno à economia agrícola é o objetivo final.

A resposta a esse aquecimento global são os Acordos de Kyoto, que destruirão qualquer economia industrial que implementar totalmente seus dispositivos. Não temos tempo nem espaço agora para discutir os Protocolos de Kyoto, mas incentivamos que você leia nossos artigos sobre o assunto: N1125 e N1126 (disponíveis no site da Cutting Edge). [NT: O artigo N1520, "Selado o Acordo Para as Metas do Protocolo de Kyoto, Porém Sem o Apoio dos EUA", também contém muitas informações.].

Mesmo sem ter visto o novo documentário de Al Gore, sabemos que ele enfatiza os mesmos temores ambientais como fez No livro A Terra em Balanço. Embora o nível científico seja ruim e as conclusões sejam irracionais, essa advertência soa terrivelmente como o objetivo sobre o qual Bill Cooper advertiu com sua citação tirada dos Protocolos dos Sábios de Sião: "Quando vier o nosso reinado, nossos oradores raciocinarão sobre os grandes problemas que emocionaram a humanidade, para levá-la afinal ao nosso regime salutar. Quem duvidará, então, que todos esses problemas foram inventados por nós de acordo com um plano político que ninguém adivinhou durante séculos?" [Protocolo 13] [pág. 303 no livro Behold a Pale Horse (leia a resenha)].

Bill Clinton Ingressa no Movimento Encabeçado por Al Gore

Resumo da Notícia: "Clinton diz que 'precisamos levantar o traseiro da cadeira' e lidar com o problema do aquecimento global", Pat Jackson, My Way News, 20 de maio de 2006.

"Austin, Texas (Reuters) — O ex-presidente Bill Clinton disse no sábado que o aquecimento global é uma ameaça maior para o futuro do que o terrorismo e que os Estados Unidos e outros países precisam 'levantar o traseiro da cadeira' e fazer alguma coisa a respeito do problema... Ele disse que os Estados Unidos precisam buscar políticas que criem 'mais parceiros e menos inimigos' e usar a 'cooperação institucionalizada' antes que ocorra um estrago catastrófico provocado pelo aquecimento global... 'A mudança climática é mais remota que o terror, mas uma ameaça mais profunda para o futuro dos filhos, netos e bisnetos que espero que todos vocês terão', disse Clinton."

"Durante a administração Clinton, o Protocolo de Kyoto foi criado para restringir a emissão dos gases do efeito estufa, mas a administração Bush o rejeitou com o argumento de que ele seria prejudicial para a economia norte-americana. 'Acho que deveríamos estar no sistema de mudança climática de Kyoto', disse Clinton. 'Não podemos solucionar o aquecimento global ou qualquer outro problema mundial de proporções muito grandes sozinhos'. Os EUA são considerados o maior emissor dos gases do efeito estufa e são responsabilizados pelo aquecimento global. O presidente George W. Bush disse que o aquecimento global pode estar ocorrendo, mas sua causa não é clara. Em geral, acredita-se que a queima do combustível fóssil seja a causa principal da mudança do clima..."

Vamos agora falar da "oposição" do presidente Bush aos Acordos de Kyoto. A imagem que a mídia de massa pintou do presidente Bush para o público é que ele é contrário aos Acordos de Kyoto e realmente não acredita que o aquecimento global seja uma proposição já provada. Essa posição agrada a base eleitoral conservadora do presidente. Veja uma matéria de notícias sobre como o presidente está respondendo ao novo documentário de Al Gore:

Resumo da Notícia: "Bush Desdenha o Filme de Gore Sobre o Aquecimento Global", Brietbart News, 22 de maio de 2006.

"É certo que o presidente Bush assistirá o documentário de Al Gore sobre o aquecimento global? 'Duvido muito', disse Bush friamente na segunda-feira. Mas ele deveria assistir, Gore replicou. Na verdade, o ex-vice-presidente democrata ofereceu-se para ir à Casa Branca a qualquer dia e horário para exibir o documentário ou uma apresentação de slides sobre o aquecimento global que ele já apresentou mais de 1.000 vezes por todo o mundo."

"'Toda a comunidade científica chegou ao consenso sobre a questão que os seres humanos são os responsáveis pelo aquecimento global e ele hoje novamente expressou sua dúvida pessoal que isso seja verdade', disse Gore em uma entrevista à Associated Press na França, onde estava para participar do Festival de Cinema de Cannes. Bush e Gore tiveram amargos desentendimentos sobre o meio ambiente e em outras questões..."

É mesmo verdade? Tiveram Bush e Gore amargos desentendimentos sobre o meio ambiente?

Essa é a linha padrão da propaganda — mas está ela enraizada na verdade? Afinal, durante um debate entre Bush-Gore na campanha eleitoral em 2000, o candidato Bush afirmou que ele e Gore realmente não estavam muito distantes em muitas questões. Isso inclui a visão sobre o aquecimento global?

Pedimos que você separe alguns momentos para ler o artigo N1663, publicado em junho de 2002. Vamos reimprimir aqui alguns excertos:

Apesar da decisão de não assinar os Acordos de Kyoto, Bush subitamente legitimou a questão do aquecimento global! Esse meio-passo abre uma pequena fresta na porta proibida, exatamente como requer o Plano das Seis Etapas Para a Mudança do Comportamento. Em breve, Bush ou seu sucessor não terão problemas em escancarar totalmente a porta para os Acordos de Kyoto.

Qual foi a resposta do radialista conservador Rush Limbaugh a essa notícia? Ele chamou o presidente Bush de "George W. Al Gore".

Lembre-se que os Protocolos de Kyoto foram criados para dar fim à civilização industrial. Por meio de regulamentações extremistas, os Protocolos de Kyoto primeiro forçarão a civilização industrial a uma paralisia, para então cair como uma pedra. Os preços da maioria dos produtos terão aumentos contínuos, forçando o consumidor mediano a cortar suas compras em tudo, de veículos, a roupas e alimentos. Em pouco tempo, as indústrias terão de começar a demitir os trabalhadores e a espiral econômica será desastrosa. No fim, o plano prevê que toda a civilização industrial seja erradicada e substituída por uma economia agrícola, como a que existia trezentos anos atrás!

Bush começou a nos empurrar para essa direção em junho de 2002. Agora, vamos examinar as notícias que levaram o "Sr. Republicano, Rush Limbaugh a ter esse ataque de raiva.

Resumo da Notícia: "O Clima Está Mudando, EUA Dizem em Relatório", Andrew C. Revkin, The New York Times, 3 de junho de 2002.

"Em uma surpreendente mudança para a administração Bush, os EUA enviaram um relatório sobre o clima para as Nações Unidas, detalhando os efeitos específicos e de longo alcance que o aquecimento global infligirá no meio ambiente nos EUA. No relatório, pela primeira vez a administração acusa principalmente as ações humanas pelo recente aquecimento global. Ele diz que o principal culpado é a queima de combustível fóssil que envia os gases do efeito estufa, que retêm o calor, para a atmosfera. Mas embora o relatório diga que os EUA serão substancialmente modificados nas próximas décadas... ele não propõe mudança importante alguma na política do governo para os gases do efeito estufa. Ele recomenda a adaptação para as mudanças inevitáveis. Ele não recomenda fazer reduções rápidas nos gases do efeito estufa para limitar o aquecimento, a abordagem preferida por muitos grupos ambientalistas e pelos países que aceitaram o Protocolo de Kyoto, um tratado sobre o clima redigido na administração Bush e que foi rejeitado pelo Sr. Bush."

Os conservadores americanos não elegeram George W. Bush para oficialmente declarar que a falsa questão do aquecimento global é verdadeira! Há tempos que eles sabem que esse aquecimento global está baseado em ciência fraudulenta, e que ele estava sendo usado para criar uma crise global de modo a justificar um governo global. Os conservadores sabiam que Bill Clinton e Al Gore estavam profundamente envolvidos na questão do aquecimento global, e essa foi uma das razões por que eles não votaram em Al Gore para presidente.

Como dissemos anteriormente, Rush Limbaugh ficou tão decepcionado com a súbita reversão do presidente Bush em sua posição acerca do aquecimento global que chamou o presidente Bush de "George W. Al Gore".

Parece que pouco sabe Rush que esse é o caso em muitas outras questões envolvendo as políticas reais do presidente Bush. Por exemplo, a política dele para os gays e lésbicas é idêntica à de Clinton.

Adicionalmente, o presidente Bush está dando ao país um déficit público fora do controle e uma burocracia governamental inchada, ambos os quais traem a confiança que ele recebeu dos conservadores.

Conclusão

Este súbito interesse dos democratas pelo aquecimento global ocorre ao mesmo tempo em que o presidente Bush e o Partido Republicano estão caindo rapidamente nas pesquisas de opinião de voto. Se os democratas tomarem o controle do Congresso nas eleições de 2006, e se ganharem a presidência em 2008, o mundo poderá ver um presidente democrata que afundará este país no abismo dos Acordos de Kyoto.

Além disso, se Hillary Clinton for eleita presidente, realmente veremos esse tipo de ênfase. Lembre-se do axioma: Se os Illuminati querem que a ênfase durante um período do ciclo presidencial de 4 ou 8 anos esteja nas questões exteriores, eles fazem um republicano ser eleito; mas se a ênfase deve estar nas questões domésticas, eles fazem um democrata ser eleito.

A implementação dos Acordos de Kyoto na economia norte-americana certamente é uma decisão doméstica, interna.

Teremos de esperar para ver como isso vai se desdobrar, mas realmente parece que a máquina da propaganda está favorecendo o Partido Democrata na questão do aquecimento global.



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 11/11/2006
Patrocinado por: A. A. S. — Rio de Janeiro / RJ
Revisão: V. D. M. — Campo Grande / MS e http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2134.asp