O Anticristo

Autor: Arthur W. Pink



CAPÍTULO 4

Os Nomes e Títulos do Anticristo


Existe uma ciência distinta de nomenclatura, um sistema de nomes, na Palavra de Deus. Provavelmente, todo nome nas Escrituras tem um significado histórico, simbólico ou espiritual. Os nomes estão inseparavelmente vinculados com a narrativa e, frequentemente, o significado de um nome próprio é uma chave para uma passagem importante. Os nomes não são utilizados pelo Espírito Santo frívola e descuidadamente — é claro que não! — mas com um plano definido. A variedade de nomes dados a um mesmo indivíduo não tem o objetivo de evitar uma repetição monótona, mas porque o significado de cada nome separado é mais adequado para expressar aquilo que está registrado em cada situação específica. "Diabo" e "Satanás" não são sinônimos, nem são usados aleatoriamente, mas de forma bem discriminada. Sobre o significado dos nomes encontrados nos Escritos Sagrados reside um esquema completo de interpretação; até mesmo a ordem em que os nomes aparecem não é fortuita, mas planejada e constitui uma parte de cada lição ensinada, ou de cada verdade apresentada.

Existe aqui um campo amplo aberto para estudo, um campo em que poucos fizeram um esforço sério para explorar. É estranho que ele tenha sido tão negligenciado, pois repetidamente o Espírito Santo chama a atenção para a importância e significado dos nomes. No primeiro livro da Bíblia vemos que os filhos e os locais receberam nomes significativos, que chamavam à lembrança incidentes, experiências, ou características de interesse e de importância. Existem ocasiões em que os nomes foram mudados para se harmonizarem com uma transformação na pessoa, no lugar, a experiência, ou a situação em que aquilo ocorreu. Abrão e Sarai são dois exemplos fáceis de lembrar. Como exemplo de um lugar, considere Luz, que teve seu nome modificado para Betel! — a "casa de Deus" — por causa de uma visão que Jacó recebeu ali, o lugar foi assim considerado por ele. O nome de Jacó foi modificado para Israel; no Novo Testamento um exemplo é fornecido em Simão ser renomeado como Pedro. Em Hebreus 7:1-2, o Espírito Santo chama a atenção para o significado dos nomes Melquisedeque e Salém (Jerusalém). Estes são suficientes para mostrar a importância desta linha de estudo.

Os nomes são usados nas Escrituras com uma discriminação maravilhosa e foi este fato que primeiro demonstrou para o autor a inspiração verbal das Escrituras. A precisão com que os nomes são usados na Bíblia é especialmente observável em conexão com os títulos Divinos. Os nomes Elohim e Jeová são encontrados nas páginas do Velho Testamento milhares de vezes, mas nunca são usados à toa ou intercambiavelmente. Mais de trezentos nomes e títulos são dados ao Senhor Jesus Cristo, cada um tem seu significado distinto e substituir aquele que é usado por qualquer outro destruiria a beleza e perfeições de cada passagem em que o nome aparece.

Os nomes são utilizados para expressar o caráter; os títulos são usados para indicar relacionamentos. Somente quando fazemos um estudo cuidadoso dos numerosos nomes e títulos do Senhor Jesus Cristo é que estamos em condições de apreciar suas infinitas excelências e os múltiplos relacionamentos que Ele mantém. De um ponto de vista oposto, o mesmo é igualmente verdadeiro com relação ao Anticristo. Quando prestamos cuidadosa atenção aos diferentes nomes e títulos que foram dados a ele, descobrimos que o Espírito Santo delineou de forma maravilhosamente completa a pessoa, caráter e carreira desse monstro da impiedade. É uma pena que a grande variedade de nomes atribuídos a ele tenha levado alguns irmãos à conclusão que esses nomes necessariamente se referiam a pessoas separadas, e fez com que atribuíssem esses nomes a diferentes indivíduos; somente confusão resultou disso. Existe quase tanto fundamento para fazer o Diabo e Satanás pessoas diferentes quanto há com relação (como alguns fazem) à besta e ao Anticristo como entidades separadas. Que Diabo e Satanás são nomes que pertencem à mesma pessoa, e que a besta e o Anticristo são o mesmo indivíduo, é provado pelo fato que, de forma idêntica, as mesmas características de um são também encontradas no outro. Em vez de atribuirmos esses nomes a diferentes pessoas, precisamos entender que eles denominam o mesmo indivíduo, porém em diferentes relacionamentos, ou mostrando várias fases de seu caráter.

Um antigo escritor disse que o nome Diabo (Devil, em inglês) é muito sugestivo do caráter dele. Se o "d" for removido, sobra "evil" (mau); se o "e" foi tirado e colocado no fim, a palavra formada é "vile" (vil). Se o "v" for retirado, a palavra formada é "ill" (doente, ou mal). Se a letra "i" for retirada e a próxima letra for aspirada, o som da pronúncia lembra "hell" (inferno). O mesmo é verdade com relação ao Anticristo: seus nomes revelam seu caráter, expõem sua vileza e preveem sua carreira e condenação.

Os nomes e títulos dados ao Anticristo são muito mais numerosos do que normalmente se supõe. Tentamos apresentar uma lista mais completa possível e oferecer alguns comentários sobre os significados. Não expandiremos cada um igualmente, pois não é necessário; em vez disso, enfatizaremos mais aqueles que são de maior importância, ou que, por causa de sua ambiguidade, requerem uma elucidação mais detalhada.

1. O Anticristo

"Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho." [1Jo 2:22]. Este nome nos apresenta um dos mais solenes e funestos assuntos na Palavra de Deus. Ele traz diante de nós um dos personagens da trindade do mal. Em cada ponto ele é a antítese de Cristo. A palavra "anticristo" tem um duplo significado. O principal é aquele que se opõe a Cristo, mas o secundário é aquele que ocupa o lugar de Cristo. Não pense que isso seja estranho, pois está de acordo com os dois estágios de sua carreira. Inicialmente, ele posará como o verdadeiro Cristo, disfarçando-se com a capa da religião. Mais tarde, porém, ele retirará o disfarce e apresentará seu verdadeiro caráter, colocando-se contra Deus e Seu Cristo.

Não somente anticristo indica o antagonismo a Cristo, mas também indica alguém que quererá ocupar o lugar de Cristo. A palavra significa outro Cristo, um pretendente, um aspirante ao nome de Cristo. Ele será visto e se colocará como o verdadeiro Cristo. Ele será a falsificação criada pelo Diabo. Exatamente como o Diabo é um anti-Deus — não somente o adversário de Deus, mas o usurpador da posição e das prerrogativas de Deus, exigindo adoração, assim também o Filho da Perdição será anticristo — não somente o antagonista e oponente de Cristo, mas Seu imitador: assumindo a posição e prerrogativas de Cristo, passando-se como o legítimo reclamante de todos os direitos e honras do Filho de Deus.

2. O Homem do Pecado, o Filho da Perdição

"Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição." [2Ts. 2:3]. Esta dupla nomeação é provavelmente o título mais terrível, mais importante e mais revelador dado ao Anticristo em toda a Bíblia. Ele diagnostica sua personalidade e expõe seu horrendo caráter. Ele nos diz que o Anticristo possuirá uma natureza dupla: será um homem, porém mais do que um homem. Ele será a paródia de Satanás para o Deus-Homem. Ele será uma encarnação do Diabo. O mundo hoje está falando e buscando um super-homem. Isto é exatamente o que o Anticristo será. Ele será a obra-prima da Serpente.

"O Homem do Pecado". Que nome terrível! O pecado do homem culminará no Homem do Pecado. O Cristo de Deus era imaculado; o cristo de Satanás não somente será pecaminoso, mas o Homem do Pecado. "Homem do Pecado" indica que ele será a incorporação viva e ativa de toda a forma e caráter do mal. "Homem do Pecado" significa que ele será o pecado personificado. "Homem do Pecado" indica que não haverá modalidade de impiedade que ele não experimentará, não haverá forma alguma de malignidade que lhe seja estranha, nenhuma profundidade de corrupção em que ele não ponha seus pés.

"O Filho da Perdição". Novamente, somos forçados a exclamar: que nome pavoroso! Não somente um ser humano degenerado, mas a criatura do Dragão. Não somente o pior do gênero humano, mas a encarnação do Diabo. Não somente o mais depravado de todos os pecadores, mas uma emanação do próprio abismo. "Filho da Perdição" indica que ele será a culminação, o máximo da arte e do poder satânicos. Toda a maldade, malignidade, sagacidade e poder da Serpente estarão incorporados nesse monstro terrível.

3. O Iníquo

"E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda." [2Ts. 2:8]. Este é outro nome do Anticristo, que torna manifesto seu terrível caráter. Cada um de seus nomes o exibe como a antítese do verdadeiro Cristo. O Senhor Jesus foi o Justo; o Homem do Pecado será o Iníquo. O Senhor Jesus foi "nascido sob a lei" (Gl. 4:4); o Anticristo se oporá a toda a lei, sendo uma lei em si mesmo. Quando o Salvador entrou neste mundo, Ele disse: "Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade." [Hb. 10:9]; mas, acerca do Anticristo está escrito: "E este rei fará conforme a sua vontade, e levantar-se-á, e engrandecer-se-á sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas, e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito." [Dn. 11:36]. O Anticristo se colocará em direta oposição à toda autoridade, tanto divina quanto humana.

4. A Besta

"E, quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra, e os vencerá, e os matará." [Ap. 11:7]. Este é outro nome que revela a terrível natureza e caráter do Anticristo e que o coloca em aguda antítese ao verdadeiro Cristo. "A besta" é o título pelo qual ele é mais frequentemente designado no Apocalipse: existem pelo menos trinta referências a ele com esse nome no último livro da Bíblia. A palavra no original grego significa uma fera. Esse nome, "a besta" contrasta o Anticristo com o verdadeiro Cristo, que é "o cordeiro" e é um fato significativo que, de longe, a grande maioria das passagens em que o Senhor Jesus é assim designado também se encontre no Apocalipse. O "Cordeiro" é o Salvador dos pecadores; a "besta" é o perseguidor e executor dos santos. O "Cordeiro" chama a atenção para a mansidão de Cristo; o termo "besta" revela a ferocidade do Anticristo. O "Cordeiro" revela Cristo como aquele que é "santo e inocente" (Hb. 7:26); "besta" manifesta o Anticristo como cruel e sem misericórdia. Na lei, os cordeiros eram considerados cerimonialmente limpos e usados para o sacrifício, mas as bestas eram imundas e impróprias para os sacrifícios.

É um ponto de interesse observar que há outro admirável contraste entre as pessoas na Santa Trindade e as pessoas na trindade do mal. No batismo de nosso Senhor, o Espírito Santo desceu sobre Ele na forma de uma pomba e a primeira menção ao Espírito Santo nas Escrituras o apresenta se movendo sobre a face das águas que cobriam o mundo pré-Adâmico (Gn. 1:2). Como são notáveis esses símbolos — um "Cordeiro" e uma "Pomba"! Uma pomba, não um gavião, ou uma águia. A delicada, inofensiva e graciosa pomba. Em contraste com isto, o Diabo é chamado de Dragão. Que contraste — a Pomba e o Cordeiro, o Dragão e a Besta!

5. O Homem Sanguinário e Fraudulento

"Destruirás aqueles que falam a mentira; o SENHOR aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento." [Sl. 5:6]. O Salmo 5 contém uma oração do remanescente judaico piedoso, apresentada durante o período da Tribulação. Como prova desta afirmação, observe que no verso 2 Deus é chamado de "rei meu". No v. 7, é dada uma indicação que o Templo foi reconstruído em Jerusalém, pois afastando-se dele após a profanação pela "abominação da desolação", o remanescente diz: "Porém eu entrarei em tua casa pela grandeza da tua benignidade; e em teu temor me inclinarei para o teu santo templo." No v. 10, o remanescente pede a destruição de seus inimigos, o que está em paralelo com Ap. 6:10. É durante esse tempo que o remanescente fiel exclamará: "Destruirás aqueles que falam a mentira; o SENHOR aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento."

Homem Sanguinário e Fraudulento é uma apresentação do Anticristo em relação aos judeus. Nos estágios iniciais de sua carreira pública, ele posará como amigo e benfeitor deles. Ele reconhecerá seus direitos de ter um Estado próprio e parecerá ansioso em proteger sua autonomia. Ele fará um pacto formal com eles (Dn. 9:27) e a paz e segurança parecerão garantidas. Mas, alguns anos mais tarde, ele revelará seu verdadeiro caráter. Seus belos discursos e declarações de amizade se revelarão falsos. Ele quebrará o pacto (Sl. 55:20) e se voltará furiosamente contra os judeus. O antigo benfeitor se transformará no pior inimigo deles. O protetor de seus interesses agora quererá desarraigá-los para que não sejam uma nação. (Sl. 83:4). Assim, ele é corretamente denominado por eles de "Homem Sanguinário e Fraudulento".

6. O Ímpio

"Os ímpios na sua arrogância perseguem furiosamente o pobre; sejam apanhados nas ciladas que maquinaram. Pela altivez do seu rosto o ímpio não busca a Deus; todas as suas cogitações são que não há Deus." [Sl. 10:2,4]. Todo este salmo é sobre o Ímpio. O verso de abertura nos dá a chave para seu escopo dispensacional. Ele contém o choro do remanescente judaico fiel durante o período da Tribulação, aqui denominado de "tempos de angústia" (confira também Jr. 30:7). Tão desesperadora será a situação do verdadeiro Israel, que parecerá que Jeová os deserdou — "Por que estás ao longe, SENHOR? Por que te escondes nos tempos de angústia?" (v. 1) Segue-se então uma impressionante e completa descrição do arqui-inimigo deles, o Ímpio. Sua arrogância (v. 2), sua depravação: "renuncia ao SENHOR" (v. 3); sua blasfêmia: "Todas as suas cogitações são que não há Deus." (v. 4); seus caminhos maus (v. 5); sua egolatria consumidora (v. 6); sua falsidade (v. 7); suas ações traiçoeiras (v. 8); sua crueldade (vs. 9-10) são todos descritos. Em seguida, o remanescente clama: "Levanta-te, Senhor. Ó Deus, levanta a tua mão; não te esqueças dos humildes. Quebra o braço do ímpio e malvado." (vs. 12 e 15). Todo o salmo deve ser estudado cuidadosamente.

7. O Homem da Terra

"Para fazer justiça ao órfão e ao oprimido, a fim de que o homem da terra não prossiga mais em usar da violência." [Sl. 10:18] O "Ímpio" descreve o caráter do Anticristo; o "Homem da Terra" define sua posição. O primeiro nome fala da profundidade de sua depravação; o outro dos seus vastos domínios. A esfera de suas operações não será meramente local; ele se tornará um imperador mundial. Ele será um rei de reis e senhor de senhores (Ap. 13:7). Quando o verdadeiro Cristo apareceu neste mundo, Satanás lhe ofereceu "os reinos do mundo e a glória deles" se Ele se prostrasse e o adorasse. Quando o falso Cristo aparecer, essa oferta será repetida, as condições atendidas e a oferta tentadora será concedida (Ap. 13:2). Em consequência de tudo isto é que ele será o "Homem da Terra"; exatamente como mais tarde Cristo será "Rei sobre toda a terra" (Zc. 14:7).

8. O Homem Poderoso

"Por que te glorias na malícia, ó homem poderoso? Pois a bondade de Deus permanece continuamente." [Sl. 52:1]. Este é outro salmo que descreve este temível personagem. Novamente, temos aqui menção de sua arrogância (v. 1), sua falsidade (v. 2), sua depravação (v. 3), sua egolatria (v. 4), suas riquezas (v. 7). A condenação dele também é anunciada (v. 5). Este título, o Homem Poderoso, se refere às suas imensas riquezas e posses e ao poder que elas lhe conferem. Ele também aponta um interessante contraste. Cristo foi o Homem Humilde, que não tinha onde reclinar Sua cabeça; o Anticristo será o Homem Poderoso, de quem se diz: "Eis aqui o homem que não pôs em Deus a sua fortaleza, antes confiou na abundância das suas riquezas, e se fortaleceu na sua maldade." [Sl. 52:7].

9. O Inimigo

"Pelo clamor do inimigo e por causa da opressão do ímpio; pois lançam sobre mim a iniquidade, e com furor me odeiam." [Sl. 55:3]. Este é outro título usado para o Anticristo em conexão com Israel, um título que aparece várias vezes nos Salmos e nos Profetas. Ele aponta para um contraste designado daquele "amigo que é mais chegado que um irmão". Esse Inimigo de Israel o oprimirá terrivelmente. Sua duplicidade e traição são aqui referenciadas. Com relação a ele, Israel exclamará: "As palavras da sua boca eram mais macias do que a manteiga, mas havia guerra no seu coração: as suas palavras eram mais brandas do que o azeite; contudo, eram espadas desembainhadas." [Sl. 55:21]. Que o estudante esteja atento para outras passagens do Velho Testamento que fazem referência ao Inimigo.

10. O Adversário

"Disseram nos seus corações: Despojemo-los duma vez. Queimaram todos os lugares santos de Deus na terra. Já não vemos os nossos sinais, já não há profeta, nem há entre nós alguém que saiba até quando isto durará. Até quando, ó Deus, nos afrontará o adversário? Blasfemará o inimigo o teu nome para sempre?" [Sl. 74:8-10]. Este título ocorre em várias passagens importantes. Em Is. 59:19, lemos: "Então temerão o nome do SENHOR desde o poente, e a sua glória desde o nascente do sol; vindo o inimigo como uma corrente de águas, o Espírito do Senhor arvorará contra ele a sua bandeira." Lm. 4:11-12 é outra escritura que fala obviamente do fim dos tempos: "Deu o SENHOR cumprimento ao seu furor; derramou o ardor da sua ira, e acendeu fogo em Sião, que consumiu os seus fundamentos. Não creram os reis da terra, nem todos os moradores do mundo, que entrasse o adversário e o inimigo pelas portas de Jerusalém." Em Amós 3:11, lemos: "Portanto, o SENHOR Deus diz assim: O inimigo virá, e cercará a terra, derrubará a tua fortaleza, e os teus palácios serão saqueados." Este é um título que indica sua origem satânica, pois a palavra no original grego para Diabo significa "adversário".

10. O Cabeça de Muitos Países

"Julgará entre os gentios; tudo encherá de corpos mortos; ferirá os cabeças de muitos países." [Sl. 110:6]. O contexto aqui mostra que, com certeza, é o Anticristo é que deve estar em vista. O Salmo inicia com o Pai convidando o Filho para se assentar à Sua direita até que os inimigos Dele sejam colocados como escabelo dos Seus pés. Em seguida, vem a afirmação que Jeová exibirá Sua força desde Jerusalém e fará Seu povo Israel se apresentar como voluntário no dia do Seu poder. Em seguida, seguindo o juramento de Jeová que Cristo é um sacerdote para sempre, segundo a Ordem de Melquisedeque (o que contempla o exercício de Seu sacerdócio real e milenar), lemos: "O Senhor, à tua direita, ferirá os reis no dia da sua ira. Julgará entre os gentios; tudo encherá de corpos mortos; ferirá os cabeças de muitos países." O "dia da sua ira" é a porção final do período da Tribulação. Ele ferirá o cabeça de muitos países. Isto é uma referência ao Homem do Pecado, o César do último império mundial, antes do estabelecimento do reino messiânico.

12. O Homem Violento

"Livra-me, ó Senhor, do homem mau; guarda-me do homem violento." [Sl. 140:1]. Este é outro salmo que expressa as súplicas e queixas do remanescente fiel no "tempo da angústia de Jacó". Três vezes o Anticristo é denominado Homem Violento. No v. 1, o remanescente ora para que seja livre dele. No v. 4, o pedido é repetido. No v. 11, a condenação dele é predita. É feito um clamor para que Deus faça vingança contra esse sanguinário perseguidor: "Caiam sobre eles brasas vivas; sejam lançados no fogo, em covas profundas, para que se não tornem a levantar. Não terá firmeza na terra o homem de má língua; o mal perseguirá o homem violento até que seja desterrado." [Sl. 140:10-11]. O Homem Violento é um nome que combina perfeitamente com o caráter de besta do Anticristo. Esse nome revela sua ferocidade e rapacidade.

13. O Assírio

"Ai da Assíria, a vara da minha ira, porque a minha indignação é como bordão nas suas mãos... Por isso acontecerá que, havendo o SENHOR acabado toda a sua obra no monte Sião e em Jerusalém, então castigarei o fruto da arrogante grandeza do coração do rei da Assíria e a pompa da altivez dos seus olhos." [Is. 10:5.12]. Não podemos tentar fazer aqui uma exposição da importante passagem em que esses versos aparecem — em capítulos subsequentes trataremos em detalhes do Anticristo nos Salmos e nos Profetas. Por enquanto, basta salientar que a passagem referida trata do fim dos tempos (veja os versos 12 e 20), e que as principais características do Homem do Pecado podem ser claramente discernidas naquilo que é dito a respeito do assírio. Quase todos os estudantes pré-milenistas das profecias concordam que o rei de Isaías 30:33 é o Anticristo, porém nos dois versos precedentes, esse "rei" é identificado como o "assírio".

14. O Rei de Babilônia

"Então proferirás este provérbio contra o rei de Babilônia, e dirás: Como já cessou o opressor, como já cessou a cidade dourada!" [Is. 14:4]. Não desejamos adiantar aquilo que discutiremos em detalhes em nossos estudos futuros; basta agora dizer que é nossa firme convicção que a Escritura ensina claramente que haverá outra Babilônia, que ofuscará em importância e glórias a Babilônia do passado, e que Babilônia será um dos quartéis-generais do Anticristo. Ele terá três: Jerusalém será seu quartel-general religioso, Roma seu quartel-general político, e Babilônia seu quartel-general comercial. Para aqueles que querem se adiantar nessas futuras exposições, recomendamos que façam um estudo minucioso de Is. 10, 11, 13, 14; Jr. 49, 51; Zc. 5 e Ap. 18.

15. O Filho da Alva

"Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações!" [Is. 14:12]. "Lúcifer é uma palavra latina que significa 'estrela da manhã'. Todas as versões antigas e todos os rabinos tornam a palavra um nome indicando o 'resplandecente', ou, mas especificamente 'estrela brilhante' ou, de acordo com os antigos ainda mais especificamente, a Estrela da Manhã, ou prenúncio da luz do dia." (Dr. J. A. Alexander). Esse termo "Lúcifer" tem sido comumente considerado como um dos nomes de Satanás, e aquilo que aqui é dito da Estrela da Manhã é visto como uma descrição de sua apostasia. Contra essa interpretação nada temos a dizer, exceto comentar que estamos satisfeitos que ela não esgote esta impressionante escritura. Uma exposição detalhada precisa ser reservada para um capítulo posterior. Por enquanto, é suficiente salientar que por mais que Is. 14 possa apontar para o passado distante quando, por causa do orgulho, Satanás caiu de seu estado original, muito evidentemente a passagem também aponta para a frente, para um dia futuro e apresenta outro retrato do Anticristo. Nesta mesma passagem, Lúcifer é chamado de "o homem que fazia a terra estremecer" (v. 16) e, em sua blasfema arrogância "Serei semelhante ao Altíssimo" (v. 14), não temos dificuldade em identificá-lo com o Homem do Pecado de 2Ts. 2:3,4. A força desse título específico, "Estrela da Manhã", é vista comparando-se o texto com Ap. 22:16, onde aprendemos que esse é um dos títulos do Deus-homem. "Estrela da Manhã" fala de Cristo vindo para dar início ao grande dia de descanso para a terra. Como uma farsa grotesca e blasfema, Satanás enviará uma imitação do messias para iniciar um falso milênio.

16. O Destruidor

"Habitem contigo os meus desterrados, ó Moabe; serve-lhes de refúgio perante a face do destruidor; porque o homem violento terá fim; a destruição é desfeita, e os opressores são consumidos sobre a terra. Porque o trono se firmará em benignidade, e sobre ele no tabernáculo de Davi se assentará em verdade um que julgue, e busque o juízo, e se apresse a fazer justiça." [Is. 16:4-5]. Podemos observar que o verso em que o Anticristo é chamado de Destruidor vem imediatamente antes daquele em que lemos que o trono será estabelecido, uma referência, é claro, ao estabelecimento do reino messiânico. Estas duas coisas estarão sincronizadas: a destruição do Anticristo e o início do reino do verdadeiro Messias; é por isto que lemos aqui "os opressores serão consumidos". Uma referência adicional ao Homem do Pecado sob esse título de Destruidor pode ser encontrada em Jr. 6:26: "Ó filha do meu povo, cinge-te de saco, e revolve-te na cinza; pranteia como por um filho único, pranto de amargura; porque de repente virá o destruidor sobre nós." Este é outro título que mostra o Anticristo em conexão com Israel. Após o retorno de muitos dos judeus para a Palestina, e após seus direitos terem sido reconhecidos pelas grandes potências, e sua segurança e sucesso parecerem garantidos, o inimigo deles, cheio de malícia satânica, procurará exterminá-los. "O Destruidor" contrasta com o Senhor Jesus que é o grande Restituidor — veja Sl. 69:4.

17. O Prego

"Naquele dia, diz o SENHOR dos Exércitos, o prego fincado em lugar firme será tirado; e será cortado, e cairá, e a carga que nele estava se desprenderá, porque o SENHOR o disse." [Is. 22:25] Os dez últimos versos deste capítulo devem ser lidos atentamente. Eles fornecem uma admirável representação do fim dos tempos. Sebna ocupava um cargo importante em Israel. Aparentemente, ele era um usurpador. Deus anunciou que Sebna seria removido em vergonha e que o homem de Sua escolha — Eliaquim — assumiria o cargo. Essas figuras históricas se mesclam com os personagens proféticos. No v. 22, Deus diz: "E porei a chave da casa de Davi sobre o seu ombro, e abrirá, e ninguém fechará; e fechará, e ninguém abrirá." Como sabemos, em Ap. 3:7 isso se refere a ninguém menos que o Senhor Jesus, e Dele se diz: "E fixá-lo-ei como a um prego num lugar firme, e será como um trono de honra para a casa de seu pai." (v. 23). Em seguida, no verso final do capítulo, lemos: "Naquele dia, diz o SENHOR dos Exércitos, o prego fincado em lugar firme será tirado; e será cortado, e cairá, e a carga que nele estava se desprenderá, porque o SENHOR o disse." Exatamente como Eliaquim prefigura Cristo, assim também Sebna aponta para o Anticristo; além disso, exatamente como no v. 23 temos uma profecia que anuncia o estabelecimento do reino do Messias, no v. 25 temos a predição da derrubada do reino do falso messias.

18. O Ímpeto dos Estranhos

"Como o calor em lugar seco, assim abaterás o ímpeto dos estranhos; como se abranda o calor pela sombra da espessa nuvem, assim o cântico dos tiranos será humilhado." [Is. 25:5]. Os primeiros versos deste capítulo contemplam a fortaleza do inimigo — Babilônia — e o restante retrata as bênçãos do reino milenar. No verso citado, a queda do Anticristo é anunciada. Com isto deve-se comparar Is. 14:19, em que a respeito de Lúcifer se diz: "Porém tu és lançado na tua sepultura, como um renovo abominável, como as vestes do que foram mortos atravessados à espada, como os que descem ao covil de pedras, como um cadáver pesado." Isto aponta para outro contraste. O "Renovo" é um dos nomes messiânicos: "... eis que eu farei vir o meu servo, o RENOVO." [Zc. 3:8b]; "... Eis aqui o homem cujo nome é RENOVO; ele brotará do seu lugar, edificará o templo do SENHOR." [Zc. 6:12]. Colocando juntos Is. 4:2 e Is. 14:19, a antítese fica ainda mais evidente. De Cristo se diz: "o renovo do SENHOR". O Anticristo é chamado de "renovo abominável": Cristo é o "renovo do Senhor"; o Anticristo é o "renovo dos abomináveis".

19. Profano e Ímpio Príncipe de Israel

"E tu, ó profano e ímpio príncipe de Israel, cujo dia virá no tempo da extrema iniquidade, assim diz o Senhor DEUS: Tira o diadema, e remove a coroa; esta não será a mesma; exalta ao humilde, e humilha ao soberbo." [Ez. 21:25-27]. O Profano e Ímpio Príncipe de Israel aqui não pode ser outro senão o Anticristo, pois somos informados expressamente que o dia dele virá no tempo da extrema iniquidade. A referência, é claro, é à "iniquidade" de Israel, e essa iniquidade terminará com o aparecimento do Messias (veja Dn. 9:24). "Tirar o diadema" refere-se à insígnia de seu sacerdócio (em todos os outros locais no Velho Testamento em que aparece, a palavra hebraica aqui traduzida como "diadema" é traduzida como "mitra" — usada somente pelo sumo sacerdote em Israel); "remover a coroa" indica que ele ocupará a posição de rei.

20. O Chifre Pequeno

"Estando eu a considerar os chifres, eis que, entre eles subiu outro chifre pequeno, diante do qual três dos primeiros chifres foram arrancados; e eis que neste chifre havia olhos, como os de homem, e uma boca que falava grandes coisas." [Dn. 7:8]. Para uma descrição completa desse título do Anticristo, veja Dn. 7:8-11, 21-26; 8:9-12, 23-25. Reservaremos nossos comentários sobre esses versos até um capítulo posterior. "O chifre pequeno" referencia a origem política modesta do Anticristo e o descreve como ele será antes de obter a supremacia governamental.

21. O Príncipe Que Há de Vir

"E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será como uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações." [Dn. 9:26]. Este capítulo conecta o Anticristo com o Império Romano em sua forma final e o apresenta como o último dos Césares.

22. O Homem Vil

"Depois se levantará em seu lugar um homem vil, ao qual não tinham dado a dignidade real; mas ele virá caladamente, e tomará o reino com enganos." [Dn. 11:21]. Isto coloca em contraste o Anticristo e o "Santo de Israel". A identidade dele é estabelecida observando-se o que é predito a seu respeito.

23. O Rei Cheio de Vontade Própria

"E este rei fará conforme a sua vontade, e levantar-se-á, e engrandecer-se-á sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas, e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito." [Dn. 11:36]. O Anticristo não somente será o sumo sacerdote da religião mundial, mas será rei supremo na chefia do governo.

23. O Pastor Inútil

"Eis que suscitarei um pastor na terra, que não cuidará das que estão perecendo, não buscará a pequena, e não curará a ferida, nem apascentará a sã; mas comerá a carne da gorda, e lhe despedaçará as unhas. Ai do pastor inútil, que abandona o rebanho! A espada cairá sobre o seu braço e sobre o seu olho direito; e o seu braço completamente se secará, e o seu olho direito completamente se escurecerá." [Zc. 11:16,17]. Isto está em contraste evidente com o Bom Pastor, que deu a vida pelas Suas ovelhas. O Pastor Inútil do iludido Israel provará ser um monstro desolador, que trará sobre esse povo a mais severa de todas as tribulações que ele já sofreu.

25. O Anjo do Abismo

"E tinham sobre si rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego Apoliom." [Ap. 9:11]. Abadom e Apoliom significam Destruidor. É o "destruidor" de Is. 16:4 e de Jr. 4:7. O fato de esse nome ser dado aqui em hebraico e em grego mostra que ele estará conectado com os judeus e com os gentios.

Outros nomes do Anticristo que o estudante pode consultar são: "A Vara da Ira" de Deus" (Is. 10:12); "o Espírito Imundo" (Mt. 12:43); "a Mentira" (2Ts. 2:11); "uma Estrela" (Ap. 8:10 e 9:11); e "a Vinha da Terra" (Ap. 14:18).

O próximo capítulo tratará do gênio do Anticristo e salientará as muitas e interessantes comparações e contrastes entre ele e o Cristo de Deus. Que o estudante veja quantos pontos de semelhança e de oposição consegue encontrar.

Anterior | Índice | Próximo



Data da publicação: 19/8/2010
Transferido para a área pública em 21/4/2020
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/anticristo-cp04.asp