O Anticristo

Autor: Arthur W. Pink

CAPÍTULO 18

O Anticristo (Conclusão)

Ao encerrarmos este livro sobre o Anticristo, estamos cientes que "ainda muitíssima terra ficou para possuir" (Js. 13:1). Procuramos fazer uma apresentação a mais detalhada possível de acordo com a luz que recebemos para compreender o assunto e dentro das limitações do espaço disponível. Mas, pouco mais do que um esboço foi apresentado. Ainda resta muito para o leitor e estudante interessado pesquisar e preencher os detalhes por si mesmo. Acreditamos que isto será o que muitos farão. O assunto é solene, porém muito interessante.

Sem dúvida, o assunto é novo e, portanto, misterioso para alguns leitores. Para esses recomendamos que voltem ao primeiro capítulo e releiam todo o livro. Que Deus permitirá que o Diabo apresente sua obra-prima, que desafiará a Deus e perseguirá o povo de Deus não deve ser surpresa. Em cada era sucessiva, sempre houve um Caim para cada Abel, um Janes e Jambres para cada Moisés e cada João Batista. Tem sido assim durante a atual dispensação: a semeadura do trigo foi seguida pela semeadura do joio. Será assim no período da Tribulação: não somente haverá um fiel remanescente de Israel, mas haverá também uma porção infiel desse povo. Além disso, imediatamente antes do Cristo de Deus retornar a este mundo para estabelecer Seu reino, Deus permitirá que seu arquiinimigo apresente ao mundo o falso cristo, que estabelecerá seu reino.

A hora de Deus para isto não está muito distante. Foi quando a medida da injustiça dos amorreus atingiu o máximo (Gn. 15:16) que Deus deu ordens para que eles fossem exterminados. (Dt. 7:1-2). As transgressões de Israel (Dn. 8:23) e as transgressões da cristandade (2 Ts. 2:11-12) somente terão atingido o limite quando aqueles que rejeitaram o Cristo de Deus receberem o cristo de Satanás. Deus então dirá ao anjo vingador: "Lança a tua foice, e sega; a hora de segar te é vinda, porque já a seara da terra está madura." (Ap. 14:15). É isto que torna o assunto tão solene.

Aquilo que Deus se agradou em tornar conhecido a respeito do Anticristo não é revelado de modo a gratificar a curiosidade carnal, mas é de grande importância para nossas vidas diárias. Em primeiro lugar, uma compreensão correta destas coisas deve nos fazer examinar seriamente nossos corações e examinar o fundamento sobre o qual nossas esperanças foram construídas, para descobrir se elas estão realmente sobre o fundamento da rocha sólida que é Cristo Jesus, ou se estão sobre um fundamento instável, como as areias móveis das emoções humanas, das decisões humanas e dos esforços humanos para uma auto-melhoria. Tremendamente sério é o que está em risco e não podemos permitir incertezas aqui. Um mero "acho que sou salvo" não é o bastante. Nada inferior a uma total certeza de fé deve ser suficiente.

Indizivelmente solene é aquilo que lemos em 2 Ts. 2:8-12: "E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; a esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade."

Existem três pontos nos versos acima pelos quais o autor e o leitor podem testar a si mesmos. Primeiro, "Recebi a verdade"? "A tua Palavra é a verdade". Creio de forma absoluta que Deus é verdadeiro? Tenho aplicado a Palavra de Deus a mim mesmo e a tenho escondido no meu coração? Recebi pessoalmente o Salvador que a Palavra de Deus revela?"

Segundo, "Tenho prazer na iniquidade"? Há uma vasta diferença entre cometer um ato de iniquidade e sentir prazer na iniquidade. A Escritura diz que Moisés preferiu "ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado" (Hb. 11:25). Ela também fala de alguns "os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem." (Rm. 1:32). Assim é aqui na passagem que está diante de nós. Aqueles que "não receberam a verdade" têm "prazer na iniquidade". Aqui está uma das diferenças vitais entre um incrédulo e um cristão genuíno. O último pode ser dominado por uma fraqueza, sua comunhão com Cristo pode ser interrompida, ele pode pecar gravemente, mas, se fizer isso, não sentirá "prazer" em viver no pecado! Ao contrário, ele odiará a própria iniquidade em que caiu e pranteará amargamente por cometido algo que foi desonroso para seu Salvador.

Terceiro, "Recebi o amor da verdade"? Leio a Palavra de Deus diariamente, não apenas como um dever, mas como um prazer; não meramente para satisfazer a consciência, mas porque ela alegra meu coração; não simplesmente para satisfazer a uma curiosidade fútil, para que eu possa adquirir algum conhecimento do seu conteúdo, mas porque desejo acima de tudo conhecer melhor seu Autor. Posso dizer como o salmista: "Recrear-me-ei nos teus estatutos; não me esquecerei da tua palavra. Aflição e angústia se apoderam de mim; contudo os teus mandamentos são o meu prazer." (Sl. 119:16,143) Os ímpios amam as trevas, porém o povo de Deus ama a luz!

Aqui, então, estão três testes; exortamos o leitor a usá-los para se examinar honestamente e ver se está na fé. Horrível além do que se pode descrever é a outra alternativa, pois a Escritura declara a respeito daqueles que "não receberam a verdade", que "têm prazer na iniquidade" e que "não receberam o amor da verdade", que "Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade."

Novamente, se examinarmos diligentemente as Escrituras para descobrir aquilo que elas ensinam sobre o Anticristo — sua personalidade, seu caráter, seus caminhos, etc. — quanto mais estivermos informados sobre ele, melhor preparados estaremos para detectar os muitos anticristos que estão hoje no mundo preparando o caminho para o aparecimento e para a carreira do Homem do Pecado. Não há razão para sermos ignorantes a respeito dos ardis de Satanás. Não há desculpa válida se somos enganados por seus "falsos apóstolos", que se transformam em apóstolos de Cristo (2 Co. 11:13). Os cristãos não devem ser enganados pelos muitos falsos profetas que se têm levantado no mundo. (1 Jo. 4:1). Tampouco serão, se estudarem diligentemente aquilo que Deus registrou para nosso esclarecimento e para nos salvaguardar das sutis enganações do grande Inimigo.

Novamente, quando damos ouvidos à Palavra profética, quando guardamos suas solenes advertências em nossos corações, o efeito é que nos separaremos de tudo que for anticristão. "Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso." (2 Co. 6:14-18).

Este chamado não é feito para que os cristãos se separem dos outros cristãos. Como poderia ser? A Escritura não se contradiz. A Palavra de Deus diz explicitamente: "Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia." (Hb. 10:25). Mas, a mesma Palavra que nos diz para não deixarmos de nos congregar com os outros cristãos, nos ordena dizendo: "Não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as." (Ef. 5:11). Deus proíbe que Seu povo ajude na implementação dos planos do Príncipe das Trevas.

Finalmente, à medida que oramos e lemos o ensino da Escritura referente a este que virá e seguirá o mais terrível curso que já foi seguido por alguém na terra; à medida que aprendemos como ele ascenderá ao trono do mundo e será o ditador sobre os assuntos humanos; à medida que descobrimos como ele empregará o tremendo poder com o qual Satanás o investirá para abertamente desafiar a Deus e tudo o que leve o nome de Deus; e como estamos cientes dos pavorosos julgamentos que Deus derramará sobre o mundo naquele tempo e da terrível condenação que virá sobre o Anticristo e seus seguidores, nossos corações ficam agitados dentro de nós e não hesitaremos em erguer nossas vozes e advertir. O mundo ignora totalmente aquilo que o aguarda. As nações não sabem o que está reservado para elas. Até mesmo Israel não tem discernimento sobre a noite escura que está à sua frente. Mas, como Deus nos instruiu com relação ao que está prestes a fazer, é um crime permanecer em silêncio. As vozes de todos aqueles a quem Deus se agradou em esclarecer devem ser erguidas em um testemunho solene e unido a respeito das coisas que Deus disse que "em breve devem acontecer".




Sobre o Autor

Considerado agora um grande autor e erudito bíblico, Arthur W. Pink serviu ao Senhor em relativa obscuridade por mais de trinta anos. Ele nasceu em 1886 em Nottingham, no norte da Inglaterra. Sua conversão ao Cristianismo ocorreu no início da idade adulta, depois de um período de profundo envolvimento com a Sociedade Teosófica, um grupo gnóstico e ocultista. Foi o verso de Provérbios 14:12 "Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte", entregue a ele por seu pai, que particularmente tocou no seu coração uma noite e o levou a renunciar a Teosofia e tomar a decisão de seguir a Jesus.

Pouco tempo depois, Pink decidiu que deveria frequentar uma escola bíblica ou um seminário, porém não concordava com a orientação doutrinária de muitas instituições cristãs. Entretanto, quando tinha 22 anos, mudou de ideia, imigrou para os EUA e se matriculou no Instituto Bíblico Moody. Ele abandonou a escola seis semanas mais tarde, afirmando que o ensino ali era imaturo demais. Apesar da falta de um diploma, ele rapidamente obteve o pastorado de uma igreja no Colorado. Em 1916, ele se casou com a americana Vera E. Russell, que foi sua principal apoiadora e leal companheira durante todo seu ministério.

Em 1922, lançou uma revista mensal intitulada Studies in the Scriptures (Estudos nas Escrituras), que circulava entre o povo cristão de língua inglesa em todo o mundo, embora com um número relativamente pequeno de cerca de 1.000 assinantes.

Pink nunca foi plenamente aceito por suas congregações e precisou percorrer os EUA, a Austrália e a Inglaterra a procura de um pastorado estável. Em seus anos finais, ele e Vera estavam virtualmente sozinhos, com poucos amigos e mantenedores. Seus doze últimos anos foram vividos na remota ilha escocesa de Lewis, nas Hébridas Exteriores. Ali, ele continuou a publicar sua revista, que trazia seus artigos, muitos dos quais foram posteriormente transformados em livros. Ele acreditava que Deus o tinha chamado para exercer um ministério de escrever e dar aconselhamento por correspondência. Em vez de possuir um pastorado convencional, seus leitores se tornaram a sua congregação. Entretanto, somente após sua morte, em 1952 é que a extensão e profundidade de seus escritos foram reconhecidas de forma mais ampla.

O biógrafo Iain Murray observa a respeito dele que "a ampla circulação de seus escritos após sua morte fez dele um dos mais influentes autores evangélicos da segunda metade do século 20."

No início de sua carreira cristã, Arthur Pink ficou conhecido por suas visões pré-milenistas e dispensacionalistas, porém mais tarde em sua vida ele abandonou o dispensacionalismo. Seu clássico O Anticristo ainda é considerado um dos livros mais completos sobre o fim dos tempos. Pink escreveu mais de cinquenta livros, alguns poucos dos quais foram traduzidos e publicados pelas editoras PES (http://www.editorapes.com.br) e Fiel (http://www.editorafiel.com.br).


Anterior | Índice | Próximo



Data da publicação: 13/10/2010
Transferido para a área pública em 21/4/2020
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/anticristo-cp18.asp