Escolha uma cor para o fundo:  

Aumenta a Possibilidade de Guerra no Oriente Médio

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

Quase imediatamente após a partida dos colonos judeus da Faixa de Gaza, um general egípcio com seu séqüito de auxiliares chegou para assumir o controle. Depois de todas as vezes que o Egito liderou as tentativas de destruir Israel, por que o governo Sharon permitiu a instalação de um posto do alto comando egípcio na Faixa de Gaza?

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


Um general egípcio de alto escalão com seu séqüito de auxiliares agora controla a Faixa de Gaza — a uma curta distância de Jerusalém! Depois de todas as vezes, desde maio de 1948, que o Egito liderou as tentativas de destruir Israel, por que iria o governo Sharon permitir um posto do alto comando egípcio na Faixa de Gaza?

No último ano, durante aparentemente incontáveis negociações com o governo egípcio com relação ao seu futuro papel sobre quem controlará a Faixa de Gaza, o governo Sharon recusou-se a simplesmente pensar em permitir meros 750 soldados egípcios na fronteira. Hoje, entretanto, ficamos sabendo que o alto comando egípcio tomou o controle de toda a Faixa de Gaza!

Vamos analisar essa incrível história:

Resumo da notícia: "Generais egípcios assumem o controle da Faixa de Gaza", DebkaFile Intelligence, 22/8/2005.

"Uma delegação militar egípcia de alto escalão formada por 100 homens assumiu o controle de fato das forças de segurança palestinas na Faixa de Gaza e está mantendo conversações com o Hamas para evitar a ocorrência de violência terrorista."

"As fontes militares do Debkafile informam que o general Ibrahim Shukri chefia a equipe de três generais egípcios e vários coronéis e majores... Sua indicação indica a ansiedade do Cairo com relação à ameaça de infiltração terrorista da Al-Qaeda na Faixa de Gaza. Nossas fontes acrescentam que todas as operações palestinas, incluindo o emprego de 24 batalhões no território evacuado estão coordenadas com Israel indiretamente por meio de um canal direto aberto pelo general Shukri com a sede do Shin Beit de Israel."

Mantenha esta última idéia em mente. O Egito está cooperando com Israel para impedir que grupos terroristas da Al-Qaeda se infiltrem na Faixa de Gaza. Que bobagem é essa idéia, pelo menos na superfície. Grupos terroristas palestinos já atacam Israel consistentemente, muito antes de a Al-Qaeda ter sido inventada pela Inteligência ocidental.

O falecido Yasser Arafat foi o terrorista-chefe, usando seus recursos de forma ardilosa para atacar soldados e civis israelenses, e depois virava-se para as câmeras e insistia diante da mídia ocidental que ele se opunha a essas atrocidades. À medida que Israel se prepara para evacuar totalmente a Faixa de Gaza e a Margem Ocidental, o Hamas e várias facções terroristas de Arafat estão mais do que prontas e capazes de iniciarem ataques terroristas e paramilitares dentro do que permanece de Israel.

Entretanto, lemos aqui que a Al-Qaeda é uma ameaça e que um contingente militar egípcio de alto escalão chegou para assumir o controle de Gaza, para impedir que essa mítica Al-Qaeda finque seus pés! Tenha esse assunto em mente, porque em breve publicaremos um artigo que poderá simplesmente abrir seus olhos.

"Um segundo general egípcio, Muhammed Ibrahim, está em comunicação próxima com o Hamas para impedir ações irresponsáveis, incluindo disparos contra alvos israelenses... Os outros membros da equipe egípcia dividiram Gaza em setores e assumiram o comando dos batalhões palestinos. Eles instalaram suas próprias redes de comunicações e de logística no edifício da Embaixada Egípcia em Gaza."

"A presença militar egípcia de alto poder colocou o presidente palestino Mahmoud Abbas e seus ministros fora do jogo. Os oficiais egípcios em comando das unidades palestinas chamam o Ministro do Interior Nasser Yousef pelo insultuoso apelido de 'Nasser Yousif', o que significa 'Nasser, o Caso Triste', ou 'Sr. Inútil'. Os oficiais israelenses em diálogo com os palestinos consultam primeiro os oficiais egípcios e buscam a aprovação deles para os acordos." (Ibidem).

Você compreendeu essa última revelação? Os oficiais israelenses em diálogo com suas contrapartes palestinas consultam primeiro os oficiais egípcios para ver se aprovam os acordos.

Isso significa que o governo egípcio agora possui o poder de veto nos acordos israelenses com os palestinos? Meu, o quanto o primeiro-ministro Sharon se afastou de seus compromissos com os membros conservadores do Likud! Ele prometeu repetidamente que nunca permitiria a entrada dos egípcios nesse tipo de relacionamento interno com os palestinos, particularmente na Faixa de Gaza.

Lembre-se que os exercícios militares anuais dos egípcios sempre têm a mesma premissa: guerra total contra Israel e invasão do estado judaico. O Egito sempre foi um inimigo implacável de Israel, mesmo nas duas últimas décadas, quando buscou publicamente uma paz nominal. A fachada pró-Ocidente do Egito é bem tênue, apenas uma mão de verniz sobre um profundo anti-semitismo. Os eventos brevemente provarão que esse é o caso.

Mas, este não é o único fato chocante com relação ao Egito. Soldados egípcios chegaram à fronteira em Rafah, cruzando-a antes da data estipulada no acordo original com Israel. Hoje, a fronteira em Rafah está totalmente sob o controle dos militares egípcios. Ninguém realmente acredita que o Egito impedirá os palestinos de contrabandearem todos os tipos de armas por meios dos enormes túneis cavados sob a fronteira; ao contrário, os observadores experientes acreditam que o Egito expandirá o fluxo de armas por meio desses túneis e até mesmo iniciará o envio de armas mais pesadas e mais destrutivas, armas que poderiam colocar a hesitante nação de Israel em submissão.

Antes de deixarmos essa matéria de notícia, vamos reiterar uma questão tornada perfeitamente clara.

Observe que o objetivo de permitir que os egípcios controlem Gaza é impedir que os palestinos ataquem as unidades militares de Israel e a população à medida que esta se retirar. Leia novamente:

"Uma delegação militar egípcia de alto escalão formada por 100 homens assumiu o controle de fato das forças de segurança palestinas na Faixa de Gaza e está mantendo conversações com o Hamas para evitar a ocorrência de violência terrorista." (Ibidem).

O primeiro-ministro Sharon declarou continuamente que não se retiraria "debaixo de fogo". Em outras palavras, os palestinos poderiam impedir a retirada unilateral de Israel simplesmente lançando seus foguetes e fazendo os morteiros caírem como chuva. Sharon poderia simplesmente persuadir a Autoridade Palestina a manter o Hamas e os vários grupos da Jihad silenciosos até que ele pudesse sair.

Sharon deve ter secretamente se voltado para os egípcios para que eles mantivessem os palestinos sob controle — pelo menos até que a retirada estivesse concluída.

Assim, o que acontecerá "no dia seguinte" à conclusão da retirada e depois do último cidadão judeu e da última unidade das Forças Israelenses de Defesa tiverem se retirado? O Egito é certamente o inimigo implacável de Israel. Qual é o provável plano de ação do Egito no futuro próximo, após a retirada israelense? Os palestinos certamente quererão reiniciar suas ações terroristas e os egípcios provavelmente permitirão que façam isso — desde que o terrorismo deles se encaixe no plano-mestre árabe para a destruição de Israel.

Vejamos agora um documento do Pentágono que informou o Congresso a respeito do cenário mais provável da "próxima guerra árabe-israelense'.

Resumo da notícia: "1997: A Próxima Guerra Árabe-Israelense, por Emanuel A. Winston, Analista e Comentarista Sobre o Oriente Médio, The Jewish Press, 31/1/1997 volume XLVII, No. 5, págs. 43 e 53.

"Em meados de janeiro, um relatório aterrorizador, porém não surpreendente, foi revelado ao público. Datado de 10/12/96, compilado e pesquisado pelo Grupo de Trabalho Sobre Terrorismo e Guerra Não-Convencional da Câmara dos Representantes dos EUA, e intitulado 'Tratando o Novo Ciclo de Luta Árabe-Israelense'... Em resumo, esse relatório diz que países como Síria, Irã, Iraque, Paquistão e Egito estão planejando e se preparando para uma guerra final e devastadora de aniquilação contra Israel. Isso inclui a aquisição de armas nucleares, biológicas e químicas, em combinação com armas convencionais, como tanques, aviões e soldados, tudo em uma quantidade maciça." [pág. 43].

"O Paquistão terá cumprido seu papel de incubador para a bomba nuclear islâmica. Espera-se que a Síria seja o pavio planejado que deflagrará a guerra, trazendo suas tropas para a fronteira com Israel, nas Colinas de Golan e no Líbano, levando Israel a fazer um ataque preventivo. Isso oferecerá a justificativa para que os outros membros do pacto de guerra juntem-se à Síria, e ao mesmo tempo dará ao Ocidente uma desculpa para não protestar diante do assalto dos exércitos árabes."

"Neste tempo, cada uma das nações agressoras está acumulando equipamento militar adicional, que são convencionais e não-convencionais. As grandes reservas militares permitem que a coalizão das forças árabes torne Israel exausto e use toda sua reserva de homens e de materiais... O Grupo de Trabalho da Câmara dos Representantes descreve detalhadamente como os líderes civis e militares, da maioria dos estados árabes, bem como do Iraque e do Paquistão, estão convencidos que a vulnerabilidade presente de Israel é tão grande que há uma oportunidade única de iniciar o processo que levará à destruição de Israel. Eles acreditam que o mundo islâmico não deve perder essa janela de oportunidade histórica. Portanto, esses líderes islâmicos firmaram numerosas estratégias e alianças táticas até então inexistentes na região." (Ibidem).

Israel certamente está reforçando essa percepção dos árabes que uma estreita "janela de oportunidade histórica" se abriu para eles. O primeiro-ministro Sharon cedeu o controle de quase metade do interior de Israel aos palestinos! Isso significa que o potencial para ataques danosos a partir de dentro poderá impedir que Israel responda a ataques que venham a partir de fora de suas fronteiras! Como diz esse artigo referido, os árabes estão unidos como nunca antes em criar "numerosas estratégias e alianças táticas até então inexistentes na região."

Em seguida, esse relatório do Pentágono ao Congresso mostra o papel que será dado aos palestinos nesse plano de ataque dos árabes.

"O plano de ataque inclui, novamente, o embargo de petróleo ao Ocidente para persuadir os EUA a não tentarem fornecer suprimentos em tempo hábil, nem ajudar de forma alguma... Os europeus, que têm equipado o Iraque, o Irã e a Síria com tecnologia e armamentos não-convencionais, não serão difíceis de persuadir. Eles sabem que a guerra vai acontecer e desejam proteger seu futuro mercado árabe para armamentos, etc. Podemos contar que fecharão seus campos de pouso e portos para que os EUA não possam abastecer Israel. No entanto, podemos esperar que também continuem fornecendo munições para as nações árabes."

Essa idéia de um embargo do petróleo árabe soa verdadeira demais para ser ignorada, não é mesmo? Hoje, a administração Bush está ameaçando o Irã e a Venezuela, dois gigantes na produção de petróleo. Quanto mais o presidente Bush ameaça o Irã, mais aumenta o preço do petróleo cru. Com o Irã e a Venezuela tão avessos aos EUA, não parece ser um passo gigantesco de fé contemplar um embargo do petróleo a partir de uma parte substancial de países membros da OPEP. A Cutting Edge tem advertido desde 1996 que um embargo do petróleo é parte do plano para a deflagração da Terceira Guerra Mundial, tão necessária para a apresentação do Anticristo. Nossos escritos ao longo desses anos advertiram continuamente que os árabes usariam novamente o petróleo como uma arma com a qual esperam destruir Israel.

Agora, vamos ler o "Cenário de Guerra" do relatório da Câmara dos Deputados:

A Síria tem um plano de contingência para uma grande guerra.

"O primeiro passo será uma provocação lançada a partir do Líbano — um ataque 'libanês' contra um alvo estratégico israelense e/ou um ataque terrorista espetacular no centro de Israel. Conforme planejado, tal provocação instigará uma grande 'resposta' israelense no Líbano. Devido à natureza do posicionamento das tropas no sul do Líbano, muitos soldados sírios morrerão no ataque retaliatório de Israel, e Damasco ficará em uma posição de considerar as ações israelenses uma agressão inaceitável e uma ameaça."

"Os sírios terão então a 'justificativa para retaliar', disparando uma salva de mísseis SSM contra as cidades israelenses e contra as principais instalações militares. Enquanto isso, em solidariedade às vítimas palestinas... a 'polícia' de 50.000 homens da OLP e 'auxiliares' iniciarão uma maciça intifada e uma onda de terrorismo. Juntas, essas atividades serão suficientes para impedir um posicionamento tempestivo das reservas israelense no Golan... Além disso, a crescente pressão no mundo árabe/islâmico para que todos os governos e povos se unam na Guerra Santa ou enfrentem levantes populares por causa da posição antiislâmica, provavelmente motivará os governos do Egito e da Jordânia a participarem da guerra, para não correrem o risco de serem derrubados pela população enfurecida. Enquanto isso, liderados pela Arábia Saudita, o mundo muçulmano decretará um Embargo do Petróleo. Existem terroristas islâmicos suficientes em todo o Ocidente para iniciar uma onda de terrorismo na Europa e nos EUA, de forma a dissuadir, ou retardar uma ajuda norte-americana a Israel." (Ibidem).

Agora você sabe a real ameaça que os palestinos representam para Israel à medida que se preparam para tomar o controle de Gaza e da Margem Ocidental. Israel está entregando território que a doutrina militar convencional considera absolutamente essencial para a defesa. Como você pode ver no mapa anterior, uma vez que Israel entregue o controle militar da Margem Ocidental, reterá pouco território precioso ao longo do Mar Mediterrâneo. O país poderia ser cortado em duas metades em qualquer ponto ao longo da Margem Ocidental.

Considere algumas destas curtas distâncias:

Como a doutrina militar convencional diz que o patrimônio mais importante a proteger contra a derrota militar é território, Israel parece estar cometendo suicídio nacional ao entregar toda essa terra. Similarmente, os estrategistas árabes estão provavelmente lambendo seus beiços, imaginando a possibilidade de uma guerra contra um Israel que subitamente se enfraqueceu.

Outro mapa da região mostra que 70-80% de toda a capacidade industrial de Israel reside nessa estreita faixa ao longo do Mar Mediterrâneo.

A doutrina militar convencional é bem clara: Israel está cometendo suicídio nacional contra uma força determinada, bem armada, bem treinada e numericamente muito superior que deseja sua destruição. Você pode ver essa imaginária "janela de oportunidade histórica" se escancarando totalmente? Israel está oferecendo a isca e os palestinos, sírios, egípcios e jordanianos estão prestes a cair em uma cilada.

Israel tem armas exóticas que os árabes desconhecem totalmente. Sharon dispõe do armamento escalar (leia os artigos N1776 e N1766b), e da Bomba de Combustão Aérea (leia o artigo N1422), além de armamento convencional extremamente sofisticado guiado por computadores. Literalmente, Israel dispõe do tipo de armamento que poderá repelir os bárbaros, ainda que eles estejam às portas de suas cidades!

Reitero aquilo que disse antes. Os planejadores da Nova Ordem Mundial prevêem que Israel sobreviverá a essa guerra planejada, e que os árabes é quem serão aniquilados. Os planos deles para o Anticristo prevêem que ele apareça caminhando no meio a poeira e da destruição dessa Terceira Guerra Mundial, entre sinais e maravilhas, para enganar a população mundial. Em particular, o plano da Nova Ordem Mundial prevê que o Anticristo trabalhe com afinco para enganar os judeus ortodoxos a acreditarem que é o seu Messias. Obviamente, se Israel fosse destruído, o Anticristo teria de alterar drasticamente esse plano. Como observamos no artigo N1643, "O Desejo Ardente de Reconstruir o Templo É o Ímpeto Propulsor Que Está Por Trás dos Acontecimentos no Oriente Médio", toda a política na região está sendo dirigida por um plano maçônico criado pela Grã-Bretanha, os EUA e Israel. Os Illuminati não permitirão que Israel seja derrotado, ou o plano deles de reconstruir o templo de Salomão viraria cinzas.

Portanto, os árabes estão sendo levados a uma gigantesca cilada, ao mesmo tempo em que pensam que eles é que estão armando uma cilada!

Você pode ter certeza que o plano de Deus para Israel e para o fim dos tempos não será frustrado nem trazido à nulidade. Cada uma das profecias de Deus será cumprida exatamente. Se você é um cristão nascido de novo, não tem nada a temer. Israel como uma nação não precisa temer a destruição, embora possa sofrer pesadas baixas. Se você conhece o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador ou se é um judeu que está preocupado com a sobrevivência de Israel, pode tomar conforto nas promessas de Deus de proteção em Salmo 91 e em muitas outras passagens que citamos em N1705, "As Promessas Bíblicas Referentes à Vindoura Restauração de Israel".

Leia esse material atentamente, repetidas vezes, e encontrará conforto para sua alma.

À medida que Israel se retira das colônias, as profecias de aniquilação de Obadias 15-18, Joel 3 e Isaías 34 estão prestes a ocorrer — nas notícias do dia-a-dia!



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 6/9/2005
Patrocinado por: C. e E. S. — Itá / SC
Revisão: V. D. M. — Campo Grande / MS e http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2067.asp