Escolha uma cor para o fundo:  

Uma Nova Guerra Iminente no Oriente Médio? O Irã e a Turquia Estão se Preparando Para Atacar o Curdistão Iraquiano

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

Se essa guerra ocorrer e se a Turquia e o Irã se aliarem, o cumprimento de Ezequiel 38-38 ficará mais próximo, pois a profecia bíblica diz que ambas as nações marcharão com a Rússia no ataque maciço a Israel no fim dos tempos.

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


A Iminente Invasão do Norte do Iraque Pela Turquia e Pelo Irã

Se as reportagens de notícias que vamos compartilhar com você estiverem corretas, a Turquia e o Irã vão iniciar uma guerra no norte do Iraque — no novo estado do Curdistão que, como informamos em um artigo anterior, foi formado de fato. (Leia os detalhes completos em N2150, "A Formação do Curdistão no Norte do Iraque e Suas Implicações Proféticas").

Se essa informação estiver correta, dois dos países que a profecia bíblica em Ezequiel 38 e 39 prediz que marcharão contra Israel na invasão liderada pela Rússia, estão prestes a combinar suas forças para invadir o norte do Iraque de modo a impedir o pleno estabelecimento de um estado curdo, e colocar um fim nos ataques de guerrilha pela fronteira perpetrado pelas forças curdas. Esse é o tipo de história que deveria fazer todo cristão bíblico e fundamentalista prestar atenção. Com certeza, todos os atores estão em suas respectivas posições, o cenário está armado para o cumprimento da profecia de Ezequiel 38-39, exatamente como diz nosso novo vídeo, The Magog Invasion.

Vamos iniciar examinando os fatos. Em seguida, examinaremos as possíveis conseqüências proféticas.

Resumo da Notícia: "O Irã e a Turquia Preparam-se Para a Guerra no Curdistão Iraquiano", DEBKAfile Exclusive Military Report, 24 de setembro de 2006.

"Uma nova guerra no Oriente Médio está para acontecer em breve... Unidades aéreas turcas e iranianas, bem como blindados, pára-quedistas, forças de artilharia e de operações especiais estão posicionados para uma invasão coordenada iminente à província iraquiana setentrional e autônoma do Curdistão. Nossas fontes identificam que o alvo da ofensiva combinada turco-iraniana são as Montanhas Quandil, onde cerca de 5000 rebeldes curdos da Turquia e do Irã, membros do PKK e do PJAK, respectivamente, estão escondidos. Tropas de assalto iranianas e turcas já estão operando de 7 a 8 quilômetros dentro do território iraquiano."

Como o mapa anterior não mostra as Montanhas Quandil (ou Qandil, em uma forma alternativa de grafia), vamos fazer uma digressão por um momento em outro artigo para vermos exatamente onde essa cordilheira está localizada. Você verá a confirmação das informações no artigo do DebkaFile:

Resumo da Notícia: "Os curdos fogem de suas casas à medida que o Irã lança ataque de artilharia leve na fronteira setentrional do Iraque", Iraq Updates, 18 de agosto de 2006 (The Guardian).

"A Turquia e o Irã despacharam tanques, peças de artilharia e milhares de soldados para suas fronteiras com o Iraque nas últimas semanas naquilo que parece ser um esforço coordenado para interromper as atividades das bases de rebeldes curdos... Algumas famílias desalojadas armaram tendas no vale atrás das Montanhas Qandil, que estão no meio da acidentada fronteira entre a Turquia e o Irã."

A cordilheira das Montanhas Qandil "divide a acidentada fronteira do Iraque com a Turquia e o Irã". Uma rápida olhada no mapa anterior mostra qual porção de território está prestes a ser invadido, se essas matérias de notícias estiverem corretas. Observe também a confirmação da matéria do DEBKAfile — que a Turquia e o Irã deslocaram suas forças para essa área naquilo que parece ser um prelúdio para um ataque ao Iraque. Esse artigo do Iraq Updates é de 18 de agosto, quase de um mês atrás; entretanto, a matéria do DEBKAfile de 24 de setembro faz uma dramática atualização:

"Tropas de assalto turcas e iranianas já estão operando de 7 a 8 km dentro do território iraquiano." Em outras palavras, a invasão já começou, pois as forças turcas e iranianas já violaram a soberania do Iraque.

Agora, vamos retornar à matéria do DEBKAfile para vermos outras informações mais pertinentes. Localize no mapa a cidade iraquiana de Kirkuk:

"A Turquia ao noroeste e o Irã a oeste têm ambos minorias curdas que se radicalizaram com o surgimento do Curdistão iraquiano nos últimos três anos. As três regiões curdas contíguas formam um centro estratégico mundial."

No artigo N2150, referido anteriormente, incluímos um mapa da região que mostra a distribuição do povo curdo; como você pode ver, esse território é significativo e inclui áreas da Turquia, do Irã e do Iraque. O alastramento da população curda vai:

1. Para Diyarbakir, na Turquia, para o noroeste;
2. Para Bakhtaran, no Irã, ao sudeste;
3. Inclui as cidades de Kirkuk e Mosul, no Iraque.

Como observamos no artigo N2150, aparentemente os curdos conseguiram formar seu próprio país na região setentrional do Iraque. O último acontecimento que o Irã ou a Turquia desejam ver é o real desenvolvimento de uma nação curda, pois isso significaria que os curdos poderiam acumular todos os recursos que uma nação pode ter a seu serviço, como um Exército, uma moeda forte e um Tesouro equilibrado. Dada a realidade das terras ricas em petróleo em torno de Kirkut, essa novel nação curda conseguiria construir esses três componentes, provavelmente de forma bem rápida.

Para agravar ainda mais a situação, rebeldes curdos têm lançado ataques terroristas pelas fronteiras da Turquia e do Irã. Veja: os curdos querem muito construir uma nação maior do que a que é possível apenas no Iraque; eles querem ganhar a independência dos territórios na Turquia e no Irã em que a população curda reside. Todavia, a Turquia tem seus olhos em um prêmio muito maior, o que torna ainda mais urgente que esse problema curdo seja sufocado. Vamos examinar agora as ambições territoriais da Turquia:

Resumo da Notícia: "À Custa dos Curdos: Construindo uma Nova Era nas Relações Entre os EUA e a Turquia", KurdishMedia.com, Sosun Welat, 26 de junho de 2006.

"Eles não podem ganhar a Turquia de volta simplesmente cortando as asas dos curdos do sul e impedindo Kirkuk de estar sob o controle curdo, porque os turcos têm mais ambições, como a de unir todos os turcos de Edirne a todas as repúblicas turcas-tartáricas como o Cazaquistão, Uzbequistão, Turcomenistão, Azerbaijão, e recuperar todas as terras árabes e gregas, e as ilhas perdidas durante a Primeira Guerra Mundial... Independente do que esses analistas fizerem ou sugerirem, os EUA não poderão recuperar a Turquia como um aliado confiável. Por outro lado, o relacionamento entre os EUA e a Turquia piorará à medida que a estabilidade e a prosperidade se estabelecerem no Iraque, particularmente no sul do Curdistão."

Portanto, essa região tem um verdadeiro problema, um problema que poderá levar toda ela a uma guerra. No mesmo tempo em que os curdos conseguiram formar um país funcional no norte do Iraque, uma realização que está levando os curdos a sonharem com um estado real formado com porções do Irã e da Turquia, o atual governo turco está tendo visões de recuperar os territórios que perdeu com o colapso do Império Otomano. (Neste ponto, incentivamos que você assista a esta animação que mostra as várias nações que controlaram o Oriente Médio nos últimos 3.450 anos — "Maps of War".

Vamos agora examinar um pouco mais o artigo do DEBKAfile, para que possamos ver o potencial desastre que esse ataque turco/iraniano poderá trazer à região e ao mundo:

"Ansioso, o governo de Washington prevê que um ataque curdo-iraniano rapidamente se tornará um conflito abrangente e acenderá chamas que envolverão todo o Curdistão iraquiano, bem como o sul da Turquia e a Armênia. Teerã é bem capaz de usar a abertura para sua força expedicionária tomar partes extensas do Curdistão e atacar uma base estratégica no norte do Iraque. Oficiais norte-americanos bem-informados não ficariam surpresos se a Turquia aproveitasse a oportunidade de tomar os campos de petróleo no norte do Iraque centrados na rica cidade de Kirkuk, a fonte de 40% da produção de petróleo do Iraque."

Este último parágrafo prevê que virtualmente todo o território do Curdistão retratado no mapa no artigo N2150 explodirá nas chamas de uma guerra total. Poderia essa guerra se expandir e envolver todo o Oriente Médio? Esse tipo de conflagração provavelmente requererá a intervenção das superpotências na luta — os EUA, a Rússia, Israel. Isso poderia acontecer? Vamos ler mais na matéria do DEBKAfile:

1) Possível Intervenção Norte-Americana:

"A ameaça foi implítica e impaciente. O governo de Ancara deu a entender a Washington que está no ponto de decidir se captura ou não Kirkuk, um passo que solaparia uma base política e econômica fundamental do governo de Bagdá e prejudicaria os interesses dos EUA no Iraque."

O novo governo do Iraque não conseguirá sobreviver se perder 40% da receita com a produção de petróleo, e todo o esforço de guerra americano no Iraque ficaria em grave perigo pela perda de toda a área no norte do Iraque, mais as cidades de Mosul e Kikuk e os campos de petróleo. A única questão que resta responder é: O que fazer? Com as forças terrestres americanas já insuficientes e com elas totalmente envolvidas na luta contra a insurgência iraquiana, é duvidoso que os EUA possam responder com forças terrestres.

Talvez seja possível responder com o componente aéreo das forças navais, e essa pode ser a razão por que o porta-aviões Eisenhower está prestes a partir para o Oriente Médio. (Leia "War Signals?", Middle East Online, 24/9/2006.)

Possível Intervenção Israelense:

"Israel está preocupado que a ação militar contra os rebeldes turcos do PKK erradique sua presença militar e econômica no Curdistão iraquiano. Fontes militares do DEBKAfile informam que desde 2004, instrutores militares israelense e oficiais da Inteligência estão ajudando os curdos a formarem seu Exército de peshmergas (NT: Guerrilheiros que lutaram pela independência do Curdistão) e forças antiterrorismo. O Irã e a Turquia estão convencidos que Israel também mantém no norte do Curdistão iraquiano postos de observação e de alerta avançado para prevenir o Estado judeu de um possível ataque iraniano. Se isso for verdade, os dois invasores tentarão destruir esses postos. Israel perderia então uma instalação fundamental de Inteligência contra a República Islâmica do Irã."

Portanto, a capacidade de Israel de atacar quaisquer instalações nucleares iranianas será seriamente prejudicada por essa guerra iminente. A perda para Israel dos postos de Inteligência no solo poderá ser tão grande que um ataque às instalações nucleares iranianas poderá ser estorvado. Ao tempo em que você acrescentar esta próxima complicação, poderá concluir que essa invasão poderá tornar um ataque israelense ao Irã praticamente impossível.

"... As paradas para reabastecimento no Aeroporto de Irbil (Hawler) no Curdistão ajudariam a Força Aérea Israelense a superar o problema da distância para um ataque aéreo contra o Irã."

Se essa invasão fechar esses aeroportos para o reabastecimento dos aviões, a Força Área Israelense não conseguirá alcançar os alvos no Irã.

3) Possível Intervenção Russa:

Embora esta matéria do DEBKAfile não mencione qualquer possível intervenção russa nesse conflito, você pode pensar em vários cenários em que a Rússia poderia ser atraída para esse conflito:

A) Se forças terrestres norte-americanas forem aumentadas no Iraque e começassem a marchar para o norte;

B) Se Israel tentasse intervir na luta, muito provavelmente com unidades da Força Aérea;

C) Se o Irã solicitasse a intervenção russa. Como a Rússia renovou o Tratado de Defesa Estratégica que a antiga União Soviética assinou com o Irã, ela poderá ser chamada à luta ao lado do Irã se uma resposta americana ou israelense for considerada ameaçadora para o regime iraniano. A Rússia tem muitos adidos e conselheiros militares no Irã, e se eles começarem a sofrer um grande número de baixas das forças americanas ou israelenses, a Rússia pode ser forçada a entrar no conflito;

D) Se as instalações nucleares iranianas forem atingidas como parte de uma resposta ocidental a essa guerra, técnicos nucleares russos provavelmente morrerão, o que também empurrará a Rússia para o conflito.

A administração Bush evidentemente perdeu a Turquia como um aliado valioso. O processo em direção a esse ponto começou desde que o povo turco elegeu um linha-dura como primeiro-ministro, em novembro de 2002.

Você se lembra dos meses anteriores à invasão do Iraque pelas Forças da Coalizão? A Turquia prometeu invadir o norte do Iraque com até 100.000 soldados. O governo de Washington ficou tão convencido de que a Turquia iria mobilizar essas forças no Iraque que unidades navais norte-americanas desembarcaram suprimentos e materiais na Turquia. Entretanto, o governo turco esquivou-se de fazer o comprometimento final de realmente enviar as tropas para apoiar a guerra de Bush contra Saddam Hussein. Finalmente, com uma enorme quantidade de equipamento nos portos turcos, o governo de Ancara anunciou a Washington que tinha mudado de idéia e que as tropas turcas não dariam apoio à invasão ao Iraque. A Marinha norte-americana teve de embarcar de volta todos os equipamentos e materiais!

Entretanto, recentemente, o endurecimento da Turquia foi agravado, cruzando talvez a linha em que o retorno não é mais possível. Veja a aparentemente incrível incompetência do governo americano:

"Uma publicação militar semi-oficial americana recentemente trouxe um novo mapa que mostrava partes do território turco e armênio marcados como 'Curdistão'. Esse mapa alimentou as suspeitas em Ancara e em Yerevan, a capital da Armênia, que o alto comando militar norte-americano estava seguindo um plano para as forças curdas iraquianas, lideradas pelo presidente Jalal Talabani e Masoud Barzani, a se apropriarem de territórios na Turquia e na Armênia em um contra-ataque a um potencial movimento militar turco-iraniano no Curdistão. Esse tipo de desconfiança deu asas à decisão de Ancara de ir avante contra o Curdistão — quanto antes melhor." (artigo do DEBKAfile).

Você pode imaginar essa virada de eventos? O governo Bush permitiu que uma "publicação militar semi-oficial" imprimisse um mapa que mostrava um novo país chamado 'Curdistão', que não somente incluía as áreas curdas do Iraque setentrional (como reportamos que tinha ocorrido no artigo N2150), mas também incluía parcelas do território turco e armênio! Logicamente, os membros do governo turco consideraram esse mapa como prova positiva que a administração Bush planejava criar exatamente esse 'Curdistão', embora essa criação significasse que a Turquia e a Armênia teriam de ceder parte de seus territórios soberanos!

Além disso, o Irã deve estar pensando que, talvez, Washington possa querer que ele também ceda parte de seu território no qual a população de origem curda reside atualmente.

Portanto, temos em mãos todos os elementos para uma guerra regional. O quão cedo poderia essa guerra acontecer? Lembre-se que o DEBKAfile reportou que tropas de elite turcas e iranianas já estão operando em um terreno de 7 a 8 km dentro do território iraquiano. Esse fato de "operar no terreno" indica que a guerra poderá começar em pouco tempo.

"A Inteligência turca reporta que Talabani e Barzani estão menos ocupados com as questões iraquianas do que com a transferência de grandes quantidades de foguetes antitanque e antiaéreos para o movimento antiturco PKK, e o antiiraniano PKAK em seus esconderijos. Além disso, Ancara está determinada a fazer seu ataque contra o Curdistão antes de uma ação norte-americana contra o Irã. Os turcos compraram avaliações da Inteligência russa e iraniana, de acordo com as quais o ataque norte-americano poderá ocorrer em algum momento entre a última semana de setembro e o fim de dezembro de 2006. Assim, eles sentem que o chão está bem quente debaixo de seus pés. O Irã, por sua parte, está aguardando que a Turquia faça o primeiro movimento no Curdistão iraquiano. Suas tropas entrarão em ação somente após o primeiro soldado e o primeiro tanque turco forem mobilizados."

Se a Turquia sente que "o chão está bem quente debaixo de seus pés", provavelmente eles iniciarão essa guerra muito em breve. E, uma vez que a Turquia comece a agir, o Irã atacará pelo seu lado. Neste ponto, toda a região da Turquia, Irã e o Iraque setentrional poderão imediatamente se incendiar. O plano iraniano de "acender muitas fogueiras" terá avançado para uma nova fase. Você se lembra do plano iraniano de março de 2003, pelo qual eles esperavam derrotar a invasão americana no Iraque? Publicamos o artigo N1910 em março de 2003, logo após as Forças da Coalizão cruzarem a fronteira iraquiana pelo sul.

Vamos revisitar porções desse plano, conforme publicamos no artigo N1910, "Estaria o Irã 'Acendendo Muitas Fogueiras' Para Iniciar uma Guerra Regional no Oriente Médio?"

À medida que as tropas americanas e britânicas estavam se preparando para um ataque em março de 2003, o Irã subitamente deu início a frenéticas conversações diplomáticas com os países árabes vizinhos. Em sucessivas matérias na seção Daily News Updates do nosso site naquele mês de março, observamos que membros de alto escalão do governo iraniano visitaram as capitais de todos os países árabes no Oriente Médio. Em seguida, em 21 de março de 2003, o jornal The Jerusalem Post trouxe uma matéria que tornou pública a razão para esse frenético esforço diplomático. Vamos analisar essa matéria:

Resumo da Notícia: "O Irã Está se Preparando Para 'Acender Muitas Fogueiras' Como Forma de Derrotar os Americanos", The Jerusalem Post, 21/3/2003.

"O Grande Satã Americano nunca aceitará um sistema islâmico. Ele está vindo ao Iraque para completar seu cerco à nossa República Islâmica antes de agir contra nós. Ajudar os americanos a conquistar o Iraque facilmente seria um suicídio para nossa revolução.' [principal assessor de política exterior de Khamenei, o ex-ministro iraniano das Relações Exteriores Ali-Akbar Valayati]. Velayati afirma que os EUA têm dois objetivos no Oriente Médio: evitar a destruição da 'entidade sionista' e controlar o petróleo árabe."

"'Ao contrário dos partidários da acomodação, que prevêem uma vitória fácil para os americanos, os partidários do confronto acreditam que o envolvimento dos EUA no Iraque poderia se tornar 'o início de seu fim.' Ele explica:"

"'O Iraque é um pântano', Khamenei disse em seu discurso aos guardas. 'O Grande Satã será apanhado nesse pântano; e isso acelerará seu inevitável colapso'. Em um artigo recente, Velayati delineou uma estratégia direcionada a 'confrontar o Grande Satã em diversas frentes.'"

Ele então citou quais são essas 'diversas frentes':

Obviamente, o plano iraniano está funcionando perfeitamente!

* Iraque — A guerra no Iraque deixou a força militar norte-americana atolada e, além disso, o contingente mobilizado provou ser totalmente insuficiente. Hoje, se as forças terrestres norte-americanas fossem forçadas a se deslocar para o norte para enfrentar as forças iranianas ou turcas, elas estariam sem seus tanques M1A, que foram retirados do teatro de guerra e substituídos pelos inadequados veículos blindados Stryker. Mesmo quando você acrescenta o poder de fogo naval do grupo de batalha do porta-aviões Eisenhower, é duvidoso que a força norte-americana possa enfrentar o poder de fogo combinado das forças invasoras turcas e iranianas, e ainda lutar contra os grupos insurgentes dentro do Iraque. Na verdade, eu não ficaria surpreso se a Insurgência iraquiana lançar o equivalente à Ofensiva de Tet, no Vietnã, na véspera da invasão do norte. Esse ataque nacional poderia certamente manter ocupadas as forças existentes dentro do país e provavelmente impediram que elas se deslocassem para o norte.

* Afeganistão — Essa guerra é tão ressurgente que confunde a cabeça. Não somente o Taliban recapturou parte do país, mas conseguiu estorvar os esforços da força militar da OTAN (NATO) que em grande parte assumiu a guerra dos americanos. Se você voltar alguns dias e ler algumas matérias selecionadas na seção Daily News Updates, perceberá o desconforto em que as forças ocidentais estão lutando sem conseguir qualquer avanço naquele remoto país.

* Israel — O novo presidente iraniano já propôs publicamente que Israel seja "varrido do mapa", tornando bem claro sua posição com relação a esse minúsculo país. E, como observamos anteriormente, essa ofensiva provavelmente tomará algumas valiosas posições no Curdistão, das quais Israel depende se um dia quiser lançar um ataque às instalações nucleares iranianas.

* Azerbaijão — Este minúsculo país não está exatamente dentro da área da invasão iminente. Entretanto, o Azerbaijão está localizado ao norte do Irã, tem ao leste o Mar Cáspio e a oeste a Armênia. A matéria de notícias que citamos anteriormente observa que os curdos têm planos de tomar parte da Armênia para formar o grande Curdistão. O Azerbaijão está certamente dentro da região geral.

Portanto, em março de 2003, os iranianos podem ter estipulado que toda essa região como um lugar onde eles "acenderiam muitas fogueiras" de modo a derrotar a invasão norte-americana ao Iraque. Essa probabilidade parece muito alta, e você precisa dar um bocado de crédito aos líderes do Irã, pois eles conhecem a região, as populações e a política melhor que os norte-americanos, e estão usando vigorosamente a "vantagem de jogar na própria quadra". Na verdade, a única dificuldade parece ter sido como atingir todo esse plano estratégico sem provocar uma resposta maciça dos norte-americanos ou dos israelenses. Os iranianos estão seguindo a estratégia de "tomar a sopa quente pelas bordas do prato, em vez de tentar tomá-la pelo meio e queimar a língua"; eles sabiam que se fizessem um ataque direto poderiam ser rechaçados.

A Invasão de Israel Está Profetizada em Ezequiel 38-39 — Tropas Turcas e Iranianas Marcharão com os Exércitos Invasores

Após predizer que a Rússia liderará a invasão a Israel nos últimos dias, Deus então anuncia as nações que marcharão junto com a Rússia:

"Persas, etíopes, e os de Pute com eles, todos com escudo e capacete; Gômer e todas as suas tropas; a casa de Togarma, do extremo norte, e todas as suas tropas, muitos povos contigo."

Os eruditos concordam que a Pérsia é o Irã moderno. Portanto, essa possível invasão do Curdistão envolve uma das nações preditas nessa profecia de Ezequiel. Já dissemos diversas vezes em outros artigos que acreditamos que o Irã está protegido da destruição nacional ou de "mudança de regime" por parte dos EUA ou de Israel por causa dessa profecia. Obviamente, se o Irã (a antiga Pérsia) marchará com a Rússia nessa invasão, seu governo precisa ser de linha-dura, antiocidental, e anti-Israel, o que ele já é; e igualmente óbvio, o Irã nesse tempo predito precisa possuir um Exército digno de estar no mesmo campo de batalha com os russos.

Mas, e a Turquia? Alguns eruditos modernos acreditam que a "Casa de Togarma" seja a Turquia moderna, e não a Armênia, como diz a tradição. Vamos examinar essa possibilidade:

Consultando "Togarmah" na Enciclopédia On-line Wikipedia, lemos:

"Na Torá, Togarma está listada na genealogia das nações como o filho de Gomer, e neto de Jafé (Gênesis 10:3). Tradicionalmente, ele é considerado o ancestral dos povos de língua turcomana. Por exemplo, na Resposta do Rei José, o monarca cazar escreve:

"Você também pergunta em sua epístola: 'De que povo, de que família, e de que tribo vocês são?' Saiba que somos descendentes de Jafé, por meio de seu filho Togarma. Descobri nos livros de genealogia de meus ancestrais que Togarma teve dez filhos. Estes são seus nomes: O mais velho foi Ujur, o segundo Tauris, o terceiro Avar, o quarto Uauz, o quinto Bizal, o sexto Tarna, o sétimo Khazar, o oitavo Janur, o nono Bulgar, e o décimo Sawir." (Esses são os míticos fundadores das tribos que viviam nas proximidades do Mar Negro e do Mar Cáspio.)" [tradução nossa].

Obviamente, o pais mais importante de língua tártara do mundo hoje é a Turquia.

Se a Turquia e o Irã combinarem forças para atacarem o norte do Iraque para impedir a formação de um governo no Curdistão, então o mundo estará testemunhando duas nações citadas em Ezequiel 38-39 se unindo pela primeira vez na história moderna. Essa pode ser uma situação que vale a pena observar. Mas, uma questão é bem clara:

Exatamente como diz o DVD "Magog Invasion", todos os atores estão agora em suas posições.

A Turquia acaba de se voltar contra o ocidente, após gerações de governos pró-ocidentais.

O Irã tem um governo linha-dura e de caráter messiânico que está obstinadamente em oposição ao Ocidente, ao mesmo tempo em que depende do suporte e da defesa da Rússia para garantir que não seja aniquilado pelo poder militar norte-americano.

Irã — Turquia e Rússia — Três elementos-chave da profecia de Ezequiel 38-39. Fique atento às notícias do dia-a-dia. A situação poderá se tornar muito interessante à medida que o mundo continua a marchar em direção aos eventos do fim dos tempos.



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia-a-dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 5/10/2006
Patrocinado por: A. P. — Catanduva / SP
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2157.asp