Escolha uma cor para o fundo:  

O Governo da Turquia Continua a se Mover Para a Órbita Iraniana Antiocidental

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

A última peça do quebra-cabeça profético está sendo posicionada! A Turquia está saindo da órbita ocidental e entrando na órbita da militância islâmica liderada regionalmente pelo Irã e globalmente pela Rússia, preparando o terreno para o cumprimento de Ezequiel 38-39.

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia a dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


Há quase cem anos que a Turquia está na órbita das potências ocidentais! Os líderes turcos — especialmente seus comandantes militares — têm considerado a Turquia tão pró-ocidental que levaram o país a cooperar de perto com Israel e a se candidatar como membro da União Europeia.

No entanto, desde as eleições de 2002, quando o militante muçulmano Erdogan foi eleito ao cargo mais importante do país, a Turquia tem lentamente saído da órbita pró-ocidental e entrado na órbita do Irã e até mesmo na órbita da Rússia. Em 2002, o governo turco disse inicialmente ao presidente Bush que o país poderia ser usado como ponto de partida para as tropas americanas invadirem o Iraque de Saddam Hussein, mas no último minuto, retirou a permissão. Os EUA tiveram que empregar grandes recursos para retirar todas os tanques e equipamentos pesados que já tinham sido posicionados na Turquia.

Recentemente, a liderança militante islâmica turca ficou muito nervosa com o ataque israelense à Faixa de Gaza, o qual deu grande impulso nas relações com o Irã e com a Síria. Vamos dar uma olhada nesta notícia recente:

Resumo da Notícia: "Análise: A inclinação da Turquia em direção ao Irã e à Síria não é uma oscilação de curto prazo", The Jerusalem Post, 19 de fevereiro de 2009.

"A disposição do atual governo turco de se comprometer e abrigar forças islâmicas regionais e palestinas não é nova. O líder do Hamas, Khaled Mashaal, fez uma viagem controversa a Ancara, menos de um mês depois da vitória do Hamas nas eleições do Conselho Legislativo Palestino, em janeiro de 2006. É interessante que Mashaal foi convidado diretamente pelo governo do AKP (Partido da Justiça e do Desenvolvimento), depois que o ministro turco das Relações Exteriores, de visão mais secular, se recusou a convidá-lo..."

"A resposta da Turquia à ofensiva em Gaza evidenciou uma profunda divergência nas relações com Israel. Erdogan, durante a operação, questionou a presença de Israel como membro da ONU. A atmosfera na Turquia durante a Operação Chumbo Fundido foi de profunda condenação aos israelenses e judeus — com diversos incidentes desagradáveis registrados por todo o país. Erdogan participou da reunião de emergência em Doha, no dia 16 de janeiro, que foi convocada pela Síria e pelo Catar para oferecer apoio ao Hamas."

"... no atual estado de aguda polarização e de guerra fria na região, está se tornando cada vez mais impossível aos países manterem relações estreitas com ambos os lados liderados pelos EUA ou pelo Irã. A probabilidade de a Turquia aderir à aliança liderada pelo Irã não pode mais ser descartada como fantasiosa. Os analistas turcos perceberam o aumento de uma orientação 'nacionalista islâmica' no país, da qual o domínio político do AKP durante mais de cinco anos forma a expressão política."

"Para aonde irá a Turquia?"

"O que se pode dizer com certeza é que a política, de longa data, de Ankara de equidistância entre israelenses e palestinos foi descartada pela liderança atual. O governo do AKP está se alinhando não apenas com os palestinos, mas com o Hamas. Em longo prazo, isso pode ser o começo de uma lenta mudança rumo a um maior alinhamento com a aliança regional liderada pelo Irã. Essa mudança, se ocorrer, será de importância fundamental para o balanço estratégico na região."

Concordamos com essa análise. No entanto, os cristãos que conhecem suas Bíblias e a invasão russa a Israel no fim dos tempos, profetizada em Ezequiel 38-39, podem sentir o terreno profético se movendo sob seus pés! Na verdade, essa notícia pode ser comparada a um terremoto profético gigantesco que transformará as alianças no Oriente Médio de tal forma que, finalmente, a invasão russa a Israel poderá ser vista no horizonte.

Agora que a Turquia está entrando firmemente na esfera antiocidental, todas as nações profetizadas para se aliarem com a Rússia e se juntarem a ela na invasão a Israel estão agora posicionadas — exatamente como previsto nessa profecia de 2.600 anos atrás.

Revisão Profética Geral

Vejamos algumas profecias genéricas sobre o fim dos tempos em Joel 3:

"Porque, eis que naqueles dias, e naquele tempo, em que removerei o cativeiro de Judá e de Jerusalém, congregarei todas as nações, e as farei descer ao vale de Jeosafá; e ali com elas entrarei em juízo, por causa do meu povo, e da minha herança, Israel, a quem elas espalharam entre as nações e repartiram a minha terra." [Joel 3:1-2].

"Proclamai isto entre os gentios; preparai a guerra, suscitai os fortes; cheguem-se, subam todos os homens de guerra. Forjai espadas das vossas enxadas, e lanças das vossas foices; diga o fraco: Eu sou forte. Ajuntai-vos, e vinde, todos os gentios em redor, e congregai-vos. Ó SENHOR, faze descer ali os teus fortes..." [Joel 3:9-11].

"Suscitem-se os gentios, e subam ao vale de Jeosafá; pois ali me assentarei para julgar todos os gentios em redor. Lançai a foice, porque já está madura a seara; vinde, descei, porque o lagar está cheio, e os vasos dos lagares transbordam, porque a sua malícia é grande." [Joel 3:12-13].

Certamente vemos essas profecias se cumprirem desde que Israel voltou a ser um país novamente. Israel declarou sua independência em maio de 1948 e, imediatamente, encontrou-se em uma luta mortal contra exércitos árabes muito maiores. Ninguém esperava que Israel, em desvantagem numérica e material, sobrevivesse; porém, a poderosa mão de Deus estava com ele, como nos tempos do Antigo Testamento. Israel esmagou seus inimigos. Israel lutou novamente em 1956, 1967, 1973 e 1982. Já ocorreram cinco guerras entre os árabes e os judeus desde que Israel renasceu em 1948.

Mas, como todos os sinais apontam para o aparecimento do Anticristo, devemos esperar conflitos militares ainda maiores, entre forças muito maiores, como nunca visto antes. Veja o que diz a Escritura:

"Multidões, multidões no vale da decisão; porque o dia do SENHOR está perto, no vale da decisão." [Joel 3:14].

Realmente devemos ver imensas batalhas entre Israel, seus inimigos árabes e outras nações, conforme avançamos para os estágios finais desta época.

2) Zacarias 12 — Uma profecia sobre o fim dos tempos:

"Eis que eu farei de Jerusalém um copo de tremor para todos os povos em redor, e também para Judá, durante o cerco contra Jerusalém."

Quando Deus fala aqui sobre um cerco contra Jerusalém, está falando de uma profecia messiânica. Nos versos seguintes, Deus revela que Ele mesmo livrará Israel durante esse cerco. No verso 9, Deus diz: "E acontecerá naquele dia, que procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém." Observe que Deus promete destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém. Assim, se a Rússia concluir que pode restaurar seu status de superpotência e derrotar o Anticristo ao conquistar Jerusalém, então acabou de assinar sua sentença de morte! Para ver como Deus lida com essa invasão russa a Israel, leia Ezequiel 38-39.

No capítulo 12 de Zacarias, Deus diz, no versículo 3: "E acontecerá naquele dia que farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a carregarem certamente serão despedaçados; e ajuntar-se-ão contra ela todo o povo da terra.".

No fim dos tempos, todas as nações da Terra se levantarão contra Jerusalém para destruí-la e conquistá-la, porém em lugar algum a Bíblia diz que esses exércitos virão todos de uma vez. Ao contrário, outra passagem afirma que as nações virão diante do julgamento de Deus no Oriente Médio, uma de cada vez. Veja: "... Porque, como vós bebestes no meu santo monte, assim beberão também de contínuo todos os gentios; beberão, e sorverão, e serão como se nunca tivessem sido." [Obadias 16; referindo-se a Edom].

Talvez você também queira se familiarizar com as visões ocultistas sobre os preparativos para o aparecimento do Anticristo lendo estes dois artigos: N1056 e N1057, "A Próxima Guerra Árabe-Israelense Está Extremamente Próxima, Parte 1 e 2". Esses dois artigos mostram surpreendentemente como Deus está forçando Satanás a conformar seus planos para produzir o Anticristo às profecias bíblicas! Você também verá como Satanás tem manipulado os eventos mundiais há mais de um século para levar o mundo ao ponto de colocar o Anticristo em cena.

A Rússia Liderará a Invasão a Israel!

Vamos agora revelar a verdade profética que a Turquia estará aliada com a Rússia quando esta liderar o ataque a Israel, em cumprimento a Ezequiel 38 e 39.

Em Ezequiel 38-38, Deus fala sobre uma invasão a Israel nos últimos dias por uma confederação de forças lideradas pela Rússia. Deus diz que várias nações árabes participarão da força invasora: Pérsia (Irã), Cuxe (Etiópia), Líbia e a Casa de Togarma (a Turquia).

Uma rápida olhada no mapa do Oriente Médio mostra que essa invasão será pelo norte e pelo sul. A Líbia e a Etiópia invadirão pelo ocidente, atravessando o Egito e depois subindo pelo sul. As forças russas, junto com as iranianas e turcas, virão pelo norte. Assim, para o observador de fora, parecerá que a nação de Israel estará cercada por exércitos hostis. Lembre-se desse fato, pois se tornará muito importante posteriormente neste artigo.

Vamos revisar a profecia dos capítulos 38 e 39 de Ezequiel:

"Veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: Filho do Homem, dirige o teu rosto contra Gogue, terra de Magogue, príncipe e chefe de Meseque e Tubal, e profetiza contra ele." [versos 1-2].

Esses versos identificam a Rússia como o principal protagonista da invasão:

  1. A palavra Rosh no texto bíblico original, traduzida como "chefe", é o antigo nome do país que hoje chamamos de "Rússia".

  2. Meseque é a forma-raiz do nome "Moscou".

  3. Tubal é o nome de um dos principais rios da Rússia e da Ucrânia. O rio Tubal é também um dos mais importantes do mundo. [NT: Alguns estudiosos creem que Tubal possa ser uma referência à cidade de Tobolsk, situada além dos Montes Urais, na região central da Rússia, identificando, assim, sua parte europeia e asiática].

Os versos 4-6 dizem que esse exército será gigantesco. Deus usa expressões como "uma grande companhia" e "Gomer e todas as suas tropas", "grande multidão e poderoso exército" [verso 15], para descrever a dimensão dessa força militar. Ela parecerá ser invencível quando chegar às fronteiras de Israel.

Embora os estudiosos da Bíblia não tenham certeza sobre quando exatamente ocorrerá essa invasão, além de ser "no fim dos anos" [verso 8], "nos últimas dias" [verso 16], alguns acreditam que deverá ocorrer antes de o Anticristo firmar a aliança com os líderes religiosos de Israel. Essa invasão poderá ser o gatilho que iniciará os sete anos judaicos do Período da Tribulação.

A base para essa crença é Ezequiel 39:9, onde a Bíblia diz que o povo de Israel não precisará se preocupar em cortar lenha por sete anos, pois poderá fazer uso do equipamento do vasto exército que foi destruído por Deus. Como ninguém acredita que haverá a preocupação de cortar lenha nos primeiros meses ou anos do reino milenar de Cristo, então essa invasão e sua sangrenta conclusão precisarão terminar antes do tempo em que o Anticristo firmará uma aliança com Israel, momento em que a Tribulação de Sete Anos iniciará. [Daniel 9:27].

Esclarecimento Sobre o Início do Período de Sete Anos da Tribulação

Como pode ser? Você pergunta. O período de sete anos da Tribulação não inicia no instante em que o Anticristo aparecer e iniciar seus sinais e maravilhas da mentira?

Não, a Tribulação não se inicia nesse momento. Inicia-se depois que o Anticristo convencer os rabinos judeus ortodoxos que ele é o seu longamente aguardado Messias. Ninguém, por maiores que sejam os milagres que opera, poderá conquistar os corações da liderança judaica ortodoxa, até e a não ser que "cumpra" todas as profecias messiânicas do Antigo Testamento e as falsas expectativas messiânicas criadas pela tradição rabínica.

Os autores ocultistas estão cientes desse fato e elaboraram planos sobre como enganar os rabinos ortodoxos; eles planejam que o Anticristo encene o cumprimento de todas essas expectativas. Peter Lemesurier, autor do livro The Armageddon Script [leia a resenha], reconhece esse fato. Ele lista todas essas expectativas e o modo como o Anticristo as cumprirá.

A questão é: o mundo passará por um período de pelo menos alguns meses, talvez até um ano, entre o aparecimento do Anticristo e seu reconhecimento oficial pelos rabinos judeus como seu Messias, permitindo assim que firme uma aliança nacional com Israel.

A Bíblia permite esse cenário? Sim, permite, no sentido que não o proíbe. Em Daniel 9:27, que descreve o início oficial da Tribulação de sete anos (uma semana judaica), não vemos nenhuma menção sobre o período entre o aparecimento do Anticristo e a confirmação da aliança. Entretanto, a existência desse período não é proibida nas Escrituras. Além disso, os estudiosos conhecem os judeus bem o bastante para saberem que eles nunca aceitariam alguém como o Messias sem que cumpra essas expectativas bíblicas e da tradição judaica.

Daniel 7:7-8 lança mais luz sobre o assunto. Nessa passagem, Deus diz que o aparecimento do Anticristo será precedido por uma reorganização global em dez supernações, cada uma com seu líder. Apocalipse 17:17 é uma passagem paralela, que revela que esses dez líderes estarão executando um plano ativo de unir todo o poder político e econômico do mundo com o propósito expresso de entregá-lo ao Anticristo. Sabemos que esse é o plano da Nova Ordem Mundial. Isso significa que, quando o Anticristo aparecer, todos os líderes das dez supernações anunciarão que estão entregando todo seu poder e influência a ele. Provavelmente, eles farão isso em uma grande conferência internacional, com o Anticristo e todos os dez líderes presentes, na qual entregarão simbolicamente as chaves do mundo nas mãos dele.

Com que júbilo o mundo celebrará esse evento! Toda a mídia fará uma grande e exultante cobertura do evento, como nunca se viu antes.

No entanto, em Daniel 2:40-45, vemos que no pano de fundo dessa exultante celebração, nem tudo estará em harmonia no recém-criado Reino do Anticristo. Essa passagem nos diz que o reino de dez nações será parcialmente forte como o ferro e parcialmente fraco como o barro. Como o ferro e o barro não combinam bem, e como os objetos feitos com o barro são frágeis, quando o peso do reino global for realmente colocado sobre essa estrutura de dez nações, toda a estrutura começará a ruir. Como ocorrerá essa desintegração?

Em Daniel 7:7-8, vemos a única sequência de eventos que pode nos dizer quão perto estamos do aparecimento do Anticristo. Vamos revisar essa sequência de três etapas:

  1. No verso 7, Daniel vê a formação dos dez chifres (dez nações).
  2. No verso 8a, Daniel vê outro chifre, um "chifre pequeno" aparecer após o estabelecimento dos dez chifres. Esse chifre pequeno é o Anticristo, como Deus confirma em 7:24-25.

  3. Subitamente, ocorre um cataclismo, que destrói totalmente três das dez supernações. A Bíblia não revela exatamente quais são essas três supernações, mas oferece algumas boas indicações sobre pelo menos duas delas.

Possível Identificação de Duas das Três Supernações Que Serão Destruídas

1. Em Ezequiel 38:1-4, Deus revela que o líder do grande exército que marchará contra Israel nos últimos dias será a Rússia. No plano da Nova Ordem Mundial, a Rússia lidera a Supernação 5, no plano global de reorganização.

2. Em Ezequiel 38:13, Deus diz que os aliados de Israel não se moverão agressivamente para protegê-lo. Em vez disso, emitirão receosamente um protesto diplomático dizendo: "Vens tu para tomar o despojo? Ajuntaste a tua multidão para arrebatar a tua presa? Para levar a prata e o ouro, para tomar o gado e os bens, para saquear o grande despojo?" Em outras palavras, os aliados de Israel nada farão para socorrê-lo. Nessa hora, Israel se sentirá traído como nunca se sentiu em sua história; além disso, se os Estados Unidos se recusarem a ajudá-lo, sua derrota militar pela mão dos russos parecerá ainda mais iminente, inevitável e palpável.

Os estudiosos modernos observam que os Estados Unidos historicamente sempre apoiaram Israel contra a Rússia em diversas ocasiões, desde a formação do Estado de Israel em 1948. Na verdade, em 1973, durante a Guerra dos Seis Dias, o presidente Nixon ordenou que as forças nucleares norte-americanas ficassem em alerta total, pois a Rússia estava ameaçando intervir e já tinha colocado suas forças nucleares em alerta. Como você pode ver nesta foto, o presidente George W. Bush obviamente encenou esta pose, ficando bem de frente do hexagrama iluminista da bandeira de Israel (Leia o artigo N1593 para conhecer os detalhes completos). Os líderes americanos sempre apoiaram Israel, sem se importar com a opinião do restante do mundo.

Portanto, neste caso, os estudiosos modernos perguntam: Onde estão os EUA aqui?

Se os Estados Unidos, como líderes do NAFTA, forem destruídos, então poderemos compreender por que os demais aliados de Israel somente emitirão um tímido protesto diplomático em sua defesa.

3. Uma das expectativas messiânicas dos rabinos judeus é que o Messias livrará Jerusalém quando a cidade estiver cercada por exércitos. Jesus fez alusão a essa crença em Lucas 21:20: "Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei então que é chegada a sua desolação." O contexto dessa passagem é a perseguição dos judeus durante a Grande Tribulação. Quando os judeus virem Jerusalém cercada por exércitos, devem saber que a perseguição está muito próxima, e devem fugir.

Jesus aludiu à profecia messiânica contida em Zacarias 12, que descreve Jerusalém cercada e atacada por exércitos e em que Deus promete livrar a cidade eterna pelo Seu onipotente poder.

Agora, faço uma pergunta simples: Quando o Anticristo estiver deliberadamente "cumprindo" todas as profecias messiânicas para que os líderes judeus ortodoxos o declarem como seu Messias, como simulará o cerco de Jerusalém por exércitos e encenará um livramento divino?

A resposta é simples, mas aparentemente ninguém pensou nisso antes:

Quando os exércitos liderados pela Rússia marcharem contra Israel — possivelmente após a Rússia ter destruído o NAFTA e logo após o aparecimento do Anticristo — eles virão pelo norte e pelo sul. Os líbios e os etíopes constituirão o exército que virá pelo sul; os russos, alguns europeus orientais, os turcos e os iranianos formarão o exército que virá pelo norte.

Logo antes de Deus destruir esses exércitos, os judeus verão que Israel e sua amada cidade estão cercados por exércitos. Eles estarão esperando que seu Messias os livre, de acordo com a profecia bíblica. Haverá um candidato óbvio a Messias, que está percorrendo Israel, afirmando ser o Messias e cumprindo todas as profecias messiânicas. Os olhos de todos estarão sobre ele para ver se poderá livrar Jerusalém sitiada de exércitos.

Este será o teste final, o teste do ácido, para provar se o homem que afirma ser o Messias judaico é seu Messias nacional de verdade. Além disso, desde o momento em que aparecer, o Anticristo terá sua base de operações em Jerusalém. Para ser declarado o Messias judaico, não poderia ter sua base em nenhum outro lugar. Portanto, quando os exércitos se aproximarem das fronteiras de Israel vindos do norte e do sul, o nervosismo e a irritação no gabinete do Anticristo deverão ser muito grandes. Afinal, a Rússia acaba de aniquilar os Estados Unidos, o Canadá e o México (o NAFTA) e provavelmente terá destruído também outra supernação. Agora, eles estão a caminho para destruir o próprio Anticristo e tomar o controle do mundo para a mãe Rússia.

Provavelmente, o Anticristo estará ardendo em ira, tomado por um furor indescritível, pois os líderes russos voltaram atrás na decisão de apoiá-lo. Como se atrevem a destruir o consórcio de dez supernações que foi planejado meticulosamente por tanto tempo e executado com perfeição?

Mas, o Anticristo também deverá estar cheio de medo e esperando pelo pior. Ele não tem um arsenal de armas nucleares e escalares comparável ao da Rússia, nem tem como utilizá-lo. Sem os Estados Unidos, a Rússia e a China são King Kongs, mas a China ainda não estará marcando presença ali, pois sua decisão de ocupar o Oriente Médio e Jerusalém será tomada somente sete anos mais tarde.

Quando Deus intervier e aniquilar a Rússia e todos seus exércitos aliados, como prometeu fazer em Ezequiel 38:16-23 e no capítulo 39, os povos do mundo em geral, e os judeus especificamente, atribuirão o livramento ao Anticristo! Eles dirão: "Meu Deus, ele realmente livrou Jerusalém dos exércitos que a sitiavam!" Como o Anticristo já "cumpriu" todas as outras profecias e expectativas messiânicas, os líderes judeus ortodoxos não perderão tempo em declarar que ele é o Messias.

Então, e somente então, permitirão que ele venha à mesa de conferências para "firmar a aliança", iniciando assim o período de sete anos de Tribulação.

Para nos alertar que a invasão russa a Israel acontecerá logo antes do Anticristo "firmar a aliança", Deus usa o termo "sete anos" em Ezequiel 39:9! Veja:

"E os habitantes das cidades de Israel sairão, e acenderão o fogo, e queimarão as armas, e os escudos e as rodelas, com os arcos, e com as flechas, e com os bastões de mão, e com as lanças; e acenderão fogo com elas por sete anos."

Sete anos. Portanto, acredito que aqui Deus está dizendo que a invasão russa a Israel acontecerá logo antes do Anticristo firmar a aliança. A posição defendida por muitos eruditos bíblicos, que essa invasão acontecerá perto do meio da Tribulação não faz sentido, pois não consigo imaginar os judeus, durante os primeiros três anos e meio do Reino Milenar, tendo a necessidade de usar os restos dos equipamentos desse exército.

Faz muito mais sentido entender que essa invasão russa a Israel acontecerá logo antes do Anticristo firmar a aliança, e que será o efeito catalisador que levará os judeus a proclamarem que o Anticristo é seu Messias!

Conclusão

A Turquia está saindo da órbita ocidental e entrando na órbita da militância islâmica liderada regionalmente pelo Irã e globalmente pela Rússia. Essa mudança dramática demonstra que os povos do mundo estão, definitivamente, indo em direção ao fim dos tempos. Na verdade, os cristãos deveriam estar contentes, pois podem ver mais provas emocionantes que a história está cumprindo as profecias bíblicas literalmente!

O próximo evento que devemos esperar é o anúncio da criação do Estado Palestino. Essa profecia de 2.600 anos está prestes a se cumprir, como todos os indícios fortemente indicam. O livro Israelestine mostra em detalhes esse desenvolvimento emocionante e as várias profecias do Antigo Testamento que serão cumpridas.

Sua fé será fortalecida dramaticamente. Lembre-se, apenas o Deus da Bíblia Sagrada usa profecias cumpridas como uma das principais formas para validar a realidade que Ele é o único e verdadeiro Deus, e que todos os outros deuses e suas religiões não passam de falsas alegações!

Observe atentamente a Israel, o Irã e a Rússia, pois esses são os atores principais nos eventos que estão prestes a acontecer.

Verdadeiramente, o fim dos tempos está sobre nós!



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia a dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Tradução: Marcelo N. Motta, Blog PensandoBiblicamente
Data de publicação: 27/2/2009
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2345.asp