O Plano P.E.A.C.E. e os Objetivos do Milênio da ONU

Parte 3: A Quem Servimos?

Recursos úteis para sua maior compreensão

As Igrejas Cristãs Estão Abrindo as Portas Para o Anticristo


Título do Livro 2


Título do Livro 3


Título do Livro 4


A marcha rumo à solidariedade global. A rede abrangente de sistemas comunitários sonhada pelo guru da administração Peter Drucker (o mentor de Rick Warren) está agora sendo adotada por pastores, políticos, governantes e líderes comunitários em todo o mundo.


"Warren... revelou o comprometimento da igreja com uma nova reforma no cristianismo e a visão para um despertamento espiritual mundial no século 21 por meio do Plano P.E.A.C.E., que ele acredita mobilizará um bilhão de soldados a pé... por volta do ano 2020." [1].

"A primeira Reforma esteve relacionada com crenças; a reforma de agora estará relacionada com comportamento... A primeira foi sobre credos; esta agora será sobre nossas obras. A primeira dividiu a igreja; a deste tempo unificará a igreja." [2] Rick Warren.

"A última coisa que muitos crentes precisam hoje é de participar de outro estudo bíblico. Eles já sabem muito mais do que estão colocando em prática. O que eles precisam é de experiências de serviço..." [3] Rick Warren, Uma Vida com Propósitos.



Parte 1: A Igreja Global Emergente

Parte 2: Equipando os Líderes Para "Liderarem Como Jesus"?

Como você viu na Parte 2 desta série, o Plano P.E.A.C.E. de Rick Warren encaixa-se perfeitamente bem na marcha rumo à solidariedade global. A rede abrangente de sistemas comunitários sonhada por Peter Drucker (o mentor de Rick Warren) está agora sendo adotada por pastores, políticos, governantes e líderes comunitários em todo o mundo. Como o pastor Warren, todos eles parecem concordar que o emergente sistema de bem-estar social requer um exército mundial de servidores "voluntários". [4].

Isso faz sentido! Em setembro de 2005, o pastor Warren foi convidado a falar nas Nações Unidas e para o Conselho das Relações Exteriores (o CFR) — duas poderosas organizações determinadas a unificar o mundo sob um novo conjunto de regras sociais e controles sistêmicos. [5] Ambas estão em busca de uma transformação pacífica que sufoque as verdades "divisivas" do evangelho e faça as crenças cristãs se conformarem à Declaração Sobre o Papel da Religião, da UNESCO. Ambas reconhecem a necessidade de atrair as igrejas para essa rede global de parceiros e servidores. [6] Ambas percebem que Rick Warren — um Flautista de Hamelin com magnetismo pessoal para a agenda transformacional delas — pode servir bem aos seus grandiosos propósitos.

O presidente Bush também sabe. Ele se reuniu com Rick Warren e outros "empreendedores sociais" na Casa Branca, em 1 de junho de 2004. Após um diálogo estratégico, seu novo "exército da compaixão" foi apresentado aos participantes na Primeira Conferência Nacional da Casa Branca Sobre Iniciativas Comunitárias e Baseadas na Fé. O presidente anunciou:

"Venho de uma — o que chamamos mesa redonda... onde me reuni com alguns médicos, realizadores e transformadores da comunidade: ... o pastor Rick Warren, da Igreja da Comunidade de Saddleback, em Lake Forest, na Califórnia — (aplausos)... Jim Sprouse, pastor da Igreja Metodista Unida da Trindade... Onde existe desespero, precisamos trabalhar para oferecer esperança." [7].

Lembre-se, o presidente Bush prometeu bilhões de dólares para lutar contra a AIDS na África. Não somente ele colocou os EUA de volta sob o guarda-chuva socialista da UNESCO dois anos atrás, mas tem trabalhado de perto com as Nações Unidas para cumprir o compromisso da América de ajudar a dar fim à pobreza e a desenvolver os recursos humanos na África. O Plano P.E.A.C.E., de Rick Warren, serve a esse propósito.

Nas Partes 1 e 2, vimos os dois primeiros pontos no plano P.E.A.C.E.: (1) Plantar igrejas e (2) Treinar os líderes. Você conheceu Ken Blanchard, o agente de treinamento escolhido pelo pastor Warren para treinar os líderes com propósitos em todo o mundo. Agora, na Parte 3, veremos os dois próximos pontos: (3) Assistir aos pobres e (4) Cuidar dos enfermos.

3. Assistir aos pobres

O rufo dos tambores para a ação social despertou as massas no início de julho de 2005. Foi quando Rick Warren e a Visão Mundial se uniram a Bono, Madonna (que promove a mística e ocultista Cabala), ao ídolo Beatle Paul McCartney, Snoop Dog, Faithless, Bon Jovi, Salsh (do Velvet Revolver) e muitos outros apoiadores famosos de "ONE — A Campanha Para Tornar a Pobreza uma Coisa do Passado".

Rick Warren disse: "Acredito profundamente que se nós, como evangélicos, permanecermos silenciosos e não falarmos em defesa dos pobres, perderemos nossa credibilidade e nosso direito de testemunhar sobre o amor e a Palavra de Deus." [8].

"Que causa comum poderia unir Pink Floyd e Rick Warren?", perguntou Mindy Blez em seu artigo "Whose jubilee?" Ela continuou:

"Conheça Live 8, ONE, Make Poverty History, e o Long Walk To Justice... A campanha, programada para fazer uma queda-de-braço com os líderes mundiais antes do encontro do G8 no próximo mês, para que cancelem a dívida de alguns países pobres e aumentem a ajuda pública, tornou-se tão feroz na semana passada que colocou no mesmo barco a banda Pink Floyd, dos anos 70, e Rick Warren, o autor de Uma Vida com Propósitos."

"Mas, fora do palco, um grupo de economistas famosos e acadêmicos diz que o plano do G8 não é apenas mal-orientado, mas prejudicial, particularmente para os esforços de combate à pobreza usando as igrejas. O perdão da dívida recompensará a corrupção e a ineficiência dos governos que não souberam lidar direito com o dinheiro emprestado." [9].

Algumas semanas mais tarde, Rick Warren viajou até Birmingham, na Inglaterra, para participar na liberal e interfé Conferência do Centenário da Aliança Batista Mundial. "Deus nos chamou para nos alegrarmos e termos comunhão uns com os outros e trabalharmos juntos", ele disse aos repórteres, acrescentando um slogan popular para a solidariedade sonhada: Os batistas podem "celebrar nossa diversidade e celebrar nossa unidade... A primeira Reforma esteve relacionada com crenças; esta agora precisa estar relacionada com comportamento." [10].

Jimmy Carter, outro orador no Congresso da Aliança Batista Mundial, provavelmente concorda em minimizar aquelas antigas Escrituras "divisivas" que identificam o pecado e pedem a separação. "Há uma fome intensa entre os cristãos de todo o mundo para uma cura das diferenças que agora nos separam uns dos outros", disse o ex-presidente norte-americano aos repórteres. "... Todas as grandes religiões — cristianismo, judaísmo, hinduísmo e o islamismo — têm o princípio básico da paz, justiça, hospitalidade, verdade e alívio do sofrimento." Como uma solução para a separação, ele sugeriu "o diálogo interfé... Precisamos voltar a nos unir." [11].

Voltar a nos unir? Deixar para trás o verdadeiro evangelho? Como um diálogo interfé direcionado ao consenso lidaria com a centralidade da cruz e a ressurreição do nosso Senhor? Cristãos perseguidos deram suas vidas por essas verdades salvadoras vitais! Os líderes "cristãos" de hoje preferem trocar a fé por uma ilusão de solidariedade?

Muitos estão fazendo exatamente isso! O Rev. Michael Taylor, ex-executivo da Christian Aid e um ministro batista, entregou a seguinte mensagem de encerramento:

"O único modo potencialmente realista de fazer os governos ocidentais tratarem essas questões é construir as redes mais fortes e proativas de ativistas em todo o mundo. Isso significará vincular com os outros cristãos e com pessoas de outras fés, trabalhando juntos em modos diferentes para o bem comum." [12].

Isso soa mais como o "evangelho social" do que com a Grande Comissão? O bem-estar físico está se tornando mais importante para os líderes de igreja que a verdade sobre Deus e Sua graça? É a luta contra os vilões sociais, políticos e econômicos em vez de contra "as principados e potestades e hostes espirituais da maldade nos lugares celestiais?" [Efésios 6:12] Em caso afirmativo, é uma batalha perdida! [13].

Logicamente, nosso Deus se preocupa com os pobres e nós também devemos nos preocupar com eles. Mas, nos dias do Novo Testamento, o cuidado compassivo pelos incrédulos estava ligado ao evangelismo — um ministério vital que Ken Blanchard, escolhido por Rick Warren para treinar os líderes, aparentemente abandonou. "... ele disse que não está interessado em evangelismo", disse Rebecca Barnes, editora de ChurchCentral.com. [14].

Os discípulos na igreja primitiva sabiam bem que a maior dádiva aos pobres e necessitados era o evangelho, que traz a convicção do pecado, leva ao arrependimento e abre a porta para uma eternidade com Jesus. A compaixão deles não somente demonstrava o amor de Deus em um mundo duro e hostil, mas também plantava nos corações a gloriosa promessa do reino eterno de Deus. É por isso que os cristãos primitivos enfrentaram a perseguição. Como Jesus explicou, "Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia." [João 15:19].

Os mártires que foram presos por falarem as verdades "ofensivas" de Deus poderiam facilmente ter escapado da tortura e da morte. Alguns foram orientados a adorar outros deuses junto com o seu próprio Deus, mas isso era impensável para aqueles que amavam a Jesus. Eles preferiram morrer a trair seu Senhor! O testemunho tocante dessa fé sem contemporização atraiu incontáveis outras pessoas para os braços cuidadosos da igreja cristã.

Na igreja primitiva, o serviço compassivo aos pobres e necessitados estava enfocado principalmente na própria família espiritual — os irmãos e irmãs fiéis em Cristo. A Palavra de Deus nos diz:

"Quando entre ti houver algum pobre, de teus irmãos, em alguma das tuas portas, na terra que o Senhor teu Deus te dá, não endurecerás o teu coração, nem fecharás a tua mão a teu irmão que for pobre; antes lhe abrirás de todo a tua mão, e livremente lhe emprestarás o que lhe falta, quanto baste para a sua necessidade... Pois nunca deixará de haver pobre na terra; pelo que te ordeno, dizendo: Livremente abrirás a tua mão para o teu irmão, para o teu necessitado, e para o teu pobre na tua terra." [Deuteronômio 15:7-8,11].

"Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me. Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes." [Mateus 25:35-40].

"Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé." [Gálatas 6:10].

"O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade." [Romanos 12:9-13].

Mas tudo está mudando! O marketing, a manipulação, a contemporização, os padrões top-down, e as avaliações intrusivas tornaram-se a norma. E as Nações Unidas lideram o caminho. [Veja The UN Plan For Your Community] O programa Management of Social Transformations (MOST) é um de seus mais inovadores programas. Na citação abaixo, observe a banqueta comunitária de três pernas de Peter Drucker: parcerias entre o setor público (o governo, que define as normas), o setor privado (as empresas) e o setor social (sociedade civil, especialmente as igrejas). Considere as palavras: exclusão social.

"Melhores Práticas, no Banco de Dados MOST, são projetos de modelos ou políticas destinadas a melhorar a qualidade de vida dos indivíduos ou grupos que sofrem com a pobreza ou exclusão social. Tipicamente, eles estão baseados na cooperação entre as autoridades nacionais ou locais, organizações não-governamentais (ONGs) e comunidades locais, o setor privado..."

"MOST concentra suas atividades em [1] gerenciamento da transformação nas sociedades multiculturais e multiétnicas; [2] no estudo das cidades como os locais de mudança social acelerada; [3] na gestão local das transformações ambientais, tecnológicas e econômicas, e [4] na erradicação da pobreza e da exclusão social." [15].

Aparentemente, as igrejas que aderirem ao Plano P.E.A.C.E. servirão ao primeiro e ao último desses quatro objetivos da UNESCO. E a parte fundamental do processo transformacional serão os grupos pequenos liderados por um facilitador, treinados para o diálogo, para a contemporização (sintetizar crenças diversas) e a busca de um "terreno comum" ainda maior. Formados sob o estandarte da comunhão, da cura e do discipulado, esses grupos dialéticos levarão os membros a trocarem o pensamento individual pelo pensamento coletivo. E os membros mais responsivos serão escolhidos para liderarem outros para esse novo paradigma planejado pela ONU, pelo CFR e pelo governo Bush.

Por que todos precisam ser um! A "exclusão social", como a pobreza, precisa terminar. Todas as formas de separação — sejam baseadas em crenças, em preferências sexuais, em valores morais, ou qualquer outra coisa — precisam ceder lugar à solidariedade. As massas seguirão o programa, porque somente aqueles que aderirem à "responsabilidade" para se conformar terão o "direito" de serem livres. E a guerra contra a pobreza e a AIDS será usada para justificar essa transformação contrária aos valores americanos tradicionais.

4. Cuidar dos Enfermos

Este objetivo toca meu coração. Muito tempo atrás, escolhi a profissão de enfermeira porque queria cuidar dos doentes. Minha "carreira" terminou quando nossa primeira criança nasceu, mas um de nossos filhos entrou na Escola de Medicina com o mesmo desejo de servir a Deus por meio da ministração aos doentes. Assim, posso compreender por que Rick e Kay Warren foram tocados pelas grandes necessidades na África.

Em uma página da Internet intitulada "Personal P.E.A.C.E. Plan", Rick Warren responde à pergunta, "O que posso fazer?" Na seção sobre "Cuidar dos Enfermos", ele nos dá a seguinte resposta:

Ele provavelmente tem um plano muito mais extenso para seu ministério para aqueles que sofrem com AIDS na África. Eu apenas espero que isso não signifique contemporizar as diretrizes morais de Deus ou justificar a promiscuidade. Afinal, somente Deus pode resgatar as pessoas da servidão espiritual e levá-las para a liberdade em Jesus Cristo! Mas o dom da fé e a liberdade que Deus dá vêm somente após a convicção do pecado e o genuíno arrependimento. Essa conversão é abortada quando o verdadeiro evangelho é substituído por garantias positivas, que Deus tem simpatias pelos nossos pecados e cura nossas feridas independente do quão obstinadamente defendamos nosso comportamento.

Todavia, o consenso nas conferências internacionais recentes sobre a AIDS parece estar estabelecido contra essas crenças "julgamentais". E os ministros cristãos que atuam debaixo dos holofotes públicos certamente enfrentarão oposição se espalharem essas "certezas morais". De fato, as reportagens a seguir ilustram o crescente consenso que aqueles que trabalham com pacientes aidéticos precisam apoiar e nunca questionar a imoralidade sexual. À medida que você ler, lembre-se como a gravidez na adolescência e as doenças sexualmente transmissíveis multiplicaram-se com o desaparecimento do estigma que estava ligado à promiscuidade.

Campanha Mundial Contra a AIDS: "... A Declaração de Compromisso Com Relação ao HIV/AIDS... definiu compromissos específicos que a comunidade internacional trabalhará para cumprir... incluindo campanhas de prevenção, redução do estigma... e garantia de tratamento, cuidado e respeito pelas pessoas que vivem com o HIV ou AIDS... Como Kofi Annan, o secretário-geral da ONU disse: "Todos precisamos reconhecer a AIDS como um problema nosso.".

Construir parcerias envolve trabalhar com outros para alcançar nossos objetivos. [Observe a estrutura comunitária.] Os parceiros precisam estar unidos dentro e fora da área da saúde, do governo, das organizações não-governamentais e do setor privado, para trabalharem juntos em direção ao objetivo comum de melhorar as respostas à AIDS... A Campanha Mundial Contra a AIDS está estabelecendo parcerias nos níveis internacional, regional e local. Elas incluirão alianças com... grupos religiosos, como a Aliança Ecumênica.

"Não tenha medo — Aja pela paz" — "A Aliança Ecumênica está compelida pelo evangelho para conclamar todas as igrejas, as organizações relacionadas e as pessoas de fé para cumprirem seus papéis como pacificadores... Assumimos essa tarefa com um foco especial em superar o estigma e a discriminação contra as pessoas infectadas pelo HIV/AIDS.".

Eu me preocupo. E você? As igrejas dizem SIM! "Lutando contra o estigma relacionado com o HIV/AIDS e a discriminação.".

Aliança Ecumênica — "Os cristãos acreditam que todos são criados à imagem de Deus e compreendem que o reconhecimento e respeito pela dignidade de cada pessoa humana; independente da circunstância, é o ponto de partida para todas nossas ações e respostas. Protegendo os direitos das pessoas que vivem com o HIV e AIDS e promovendo uma atitude de cuidado e solidariedade que rejeita todas as formas de estigmatização e discriminação, a dignidade deles como seres humanos é melhor protegida.".

"Somos chamados, também, para derrubar as barreiras entre "nós" e "eles" e para nos unir com as pessoas que vivem e estão afetadas pelo HIV e AIDS... Em resposta ao amor inclusivo e gracioso de Deus por toda a humanidade, a igreja é chamada para modelar a aceitação para todos... Certas pessoas vulneráveis que possam estar propensas a comportamento de alto risco (... homens que mantêm relações sexuais com outros homens e trabalhadores do sexo de ambos os sexos) requerem particular atenção, compaixão, confiança e acompanhamento..."

"Em seu papel profético, as igrejas não devem ter medo de oferecer suporte social visível e forte para métodos eficazes de prevenção..." [Significado: Não hesite em incentivar o uso do preservativo, mas não mencione o pecado!].

"Promover a plena participação de pessoas soropositivas dentro das organizações religiosas, na sociedade civil, e respostas do governo..."

"... um Grupo Estratégico de doze membros... desenvolverá estratégias, monitorará a implementação..."

Vitais para a implementação desse sistema de "saúde" são as estratégias de marketing — normalmente pesquisas, análises de campo de força, e sistemas de dados de alta tecnologia para monitorar a aderência, avaliar o "progresso", e analisar "o que funciona". Como nos regimes totalitários recentes, compensações bem-escolhidas distraem as massas da angústia da vigilância e do controle. Em Admirável Mundo Novo, o autor Aldous Huxley descreve as "sensações" sedutoras que compensam a perda de liberdade e de privacidade na comunidade coletiva, ou "saudável". Entre elas, a mais importante é a licenciosidade sexual:

"À medida que a liberdade política e econômica diminui, a liberdade sexual tende a aumentar em compensação. E o ditador... fará bem em incentivar essa liberdade. Em conjunção com a liberdade para sonhar acordado [desviando o foco da realidade para a fantasia ou a imaginação] sob a influência das drogas, dos filmes e do rádio, ele ajudará a reconciliar seus súditos à servidão, que é o destino deles." [18] [tradução nossa] [Veja Servindo ao Todo Maior.].

Aldous Huxley não foi um profeta, mas como um socialista fabiano na atmosfera utópica que precedeu a Segunda Guerra Mundial, ele estava bem habituado com as visões globais e os sonhos utópicos. Na verdade, o irmão dele, Julian Huxley, foi escolhido como o primeiro presidente da UNESCO, o braço cultural e educacional das Nações Unidas. Desde então, a maioria das advertências em Admirável Mundo Novo tornou-se realidade.

Rick Warren parece ter ingressado em outro grupo de visionários: aqueles que adotam a visão dominionista do fim dos tempos. Descrevendo o Plano P.E.A.C.E. como uma "revolução" para o cristianismo global, ele disse: "Estou olhando para um estádio cheio de pessoas que estão dizendo a Deus que farão tudo o que for necessário para estabelecer o Reino de Deus na Terra, como ele está estabelecido nos céus." [3].

Mas os sonhos humanos e as obras coletivas nunca podem estabelecer o reino de Deus na Terra como é está estabelecido nos céus. O que conta são os caminhos de Deus, não os nossos caminhos, e Ele já nos mostrou um quadro totalmente diferente do fim. É por esse motivo que Jesus nos advertiu a estarmos alertas — sempre atentos aos verdadeiros sinais do fim dos tempos (antes que Ele, não nós, faça todas as coisas novas). Elas incluem:

A fé universal no Deus bíblico não é parte do quadro do tempo do fim, embora milagres poderosos assombrarão as massas. Sim, nosso Deus opera milagres! Mas Ele nos adverte a provarmos os espíritos e estarmos alertas contra as enganações:

"A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade." [2 Tessalonicenses 2:9-12].

"Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará." [Mateus 24:9-12].

"Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?" [Lucas 18:8b].

Deus prometeu que um remanescente fiel verá o glorioso dia quando Ele virá para os Seus. Por Sua graça admirável eles suportarão a perseguição e resistirão às pressões para se conformarem ao consenso sempre mutável das massas que seguem nos caminhos largos e espaçosos do mundo. "Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela." [Mateus 7:13].

"Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos." [Hebreus 12:1-3].

Notas Finais

1. Rick Warren hits home run with announcement of global peace plan, em http://www.assistnews.net/Stories/s05040087.htm

2. Ken Camp, "Second Reformation will unify church, Warren tells Dallas GDOP", 2005, em http://www.pastors.com/article.asp?ArtID=8280

3. Rick Warren, Uma Vida com Propósitos (Editora Vida), pág. 231 no original.

4. Veja #7 e http://www.crossroad.to/Quotes/reinventing-government/third_way.htm e peace-onu-1.asp

5. "Council of Foreign Relations" em http://www.crossroad.to/Quotes/globalism/cfr.htm. "Rick Warren Speaks about Purpose at United Nations," (Sep. 14, 2005) em http://www.christianpost.com/article/society/1835/section/rick.warren.speaks.about.purpose.at.united.nations/1.htm

6. Veja "Local Agenda 21: The UN Plan for Your Community" em http://www.crossroad.to/text/articles/la21_198.html

7. First White House National Conference on Faith-Based and Community Initiatives, em http://www.whitehouse.gov/news/releases/2004/06/print/20040601-10.html

8. "The ONE Campaign: An Advocacy Letter From Rick Warren," o texto de uma carta, assinada por líderes evangélicos de grande projeção, desafiando o presidente Bush a mudar a política dos EUA com relação aos pobres, em http://www.beliefnet.com/story/168/story_16821.html

9. Mindy Belz em seu artigo, "Whose jubilee?, 25 de junho de 2005, em http://www.worldmag.com/subscriber/displayArticle.cfm?ID=10764

10. Trennis Henderson, "Rick Warren: Global Baptists are 'all in this together," 30 de julho de 2005 em http://www.bwanet.org/Congress/congresstoday29f.htm.

11. John Hall, "Baptist World Congress: Baptists can help in fight against terrorism " Texas Baptist Communications, julho de 2005, em http://www.bwacongress2005.org.uk/information.asp?id=849.

12. Michael Ireland, “Cristians must unite with those of other faiths" ASSIST News, 30-7-05, em http://www.assistnews.net/Stories/s05070114.htm.

13. The Armor of God em http://www.crossroad.to/Victory/Armor.htm.

14. Rebecca Barnes, "No evangelism?” em http://www.churchcentral.com/dcforum/DCForumID7/68.html.

15. MOST, "Successful Projects related to Poverty and Social Exclusion em http://www.unesco.org/most/bphome.htm.

16."Rick and Kay Warren heard the call," em http://www.purposedriven.com/en-US/Events/AIDS/Overview.htm.

17. "Personal P.E.A.C.E. Plan," em http://www.purposedriven.com/en-US/PEACE/Personal_PEACE_Plan.htm.

18. Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley.



Autora: Berit Kjos (Kjos Ministries, em http://www.crossroad.to)
Data da publicação: 15/6/2006
Patrocinado por: A. J. R. C. — Fortaleza / CE
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/peace-onu-3.asp