A Radiação Eletromagnética com a Nova Tecnologia de Telefonia Celular 5G e a Nova Ordem Mundial

Autor: Jeremy James, Irlanda, 14/12/2018.

A cabala luciferiana que supervisiona a implementação da Nova Ordem Mundial segue um plano. Esse plano não é de origem humana, mas de Satanás. Ele quer que seu "filho ungido", a figura que conhecemos como Anticristo, reine sobre toda a Terra em seu nome.

Eles estão se esforçando, com grande sucesso, para concentrar mais e mais poder nas mãos de uma Elite centralmente coordenada. O objetivo final é um governo mundial, capaz de exercer controle totalitário sobre todas as nações. Na realidade, as nações da forma como as compreendemos atualmente cessarão de existir. Assim também cessarão todas as liberdades que tradicionalmente associamos com a democracia e com o capitalismo de livre mercado.

De modo a fazer isto, eles precisam reconfigurar substancialmente o modo como a sociedade esteve organizada nos últimos 300 anos. Isto incluirá a supressão de todos os valores e práticas sociais baseados na Bíblia. Embora grande parte dessa mudança até aqui tenha sido feita de forma gradual, o ritmo geral da transformação está aumentado e estamos rapidamente nos aproximando do ponto em que uma transição ocorrerá e quaisquer elementos da "velha" ordem mundial serão totalmente expurgados.

A Mão Oculta

Apesar de tudo o que está acontecendo, o público geral não consegue ver que a sociedade está sendo remoldada desta forma. A mão oculta escondeu-se muito bem. Virtualmente todas as pessoas ainda acreditam que os eventos mundiais acontecem de uma maneira aleatória e que as necessidades e expectativas da humanidade continuarão a ser atendidas por meio do progresso tecnológico em curso, a cooperação internacional e a tomada de decisão racional.

Este é um conto de fadas, é claro, mas é um conto de fadas em que até as pessoas bem instruídas e inteligentes estão dispostas a acreditar.

Neste ensaio, desejamos chamar a atenção para um aspecto desse plano que deve abalar a complacência de todos que amam a ordem natural que nosso maravilhoso Criador estabeleceu. Estamos falando do uso da radiação eletromagnética de alta frequência, em áreas densamente povoadas, para conectar dispositivos digitais em uma única rede integrada. Isto incluirá a tecnologia dos telefones celulares, transmissão de dados em grande capacidade, tanto para uso doméstico e comercial, e o amplo conjunto de eletrodomésticos que constituirão aquilo que algumas vezes é chamado de "Internet das coisas".

Não iremos discutir as implicações sociais desse tipo de rede, ou os muitos modos como ela pode ser usada para vigilância, propaganda e modificação do comportamento de toda uma população. Como um instrumento de controle social, ela oferecerá a um Estado totalitário acesso ilimitado às vidas privadas de seus cidadãos, até ao ponto em que "privacidade", da forma como tradicionalmente conhecemos esse termo, será algo em grande parte sem sentido.

O que iremos discutir são as implicações adversas para a saúde dessa rede planejada, que muitos estudos genuinamente científicos revelam que serão sérios e permanentes. Para aqueles que ainda acreditam no conto de fadas, esta é a parte em que João e Maria — não a bruxa — terminam no caldeirão com água fervente.

"No mundo de hoje, todos estão expostos a dois tipos de campos eletromagnéticos: (1) campos eletromagnéticos de frequência extremamente baixa (ELF, de extremely low frequency) de linhas de energia e equipamentos eletrônicos e (2) radiação de radiofrequência (RF) dos dispositivos sem fio, como telefones celulares e telefones sem fio, antenas e torres de telefonia celular, e torres de transmissão de rádio e televisão... Nem tudo ainda é conhecido sobre este assunto, mas o que é claro é que as normas de segurança pública existentes e que limitam esses níveis de radiação, em praticamente todos os países do mundo, parecem ser milhares de vezes lenientes demais." [BioInitiative Report 2012].

Pano de Fundo

Como a maioria das pessoas provalmente já sabe, a comunicação via telefone celular usa uma série de nós de transmissão, montados em torres, para transmitir um sinal entre duas localizações geográficas. A rede controla a localização de cada usuário enviando um sinal — a cada minuto, aproximadamente — para seus respectivos telefones celulares e "perguntando" qual é sua localização atual. Esta informação permite que a rede conecte usuários que possam estar a milhares de quilômetros de distância um do outro, enviando pacotes de dados de voz para as torres de celulares mais próximas deles. Isto é então transmitido pelo ar — usando uma frequência de rádio no espectro eletromagnético — desde a torre de celular até o aparelho do usuário. Portanto, mesmo quando ninguém está falando, cada telefone celular ainda está ativamente conectado com a rede.

A primeira geração (1G) da tecnologia de telefones celulares, que foi lançada nos EUA em 1983, usava um sinal analógico. A segunda geração (2G), que surgiu em 1991, substituiu isto por um protocolo de sinalização digital que era muito mais eficiente (pois permitia a criptografia do conteúdo) e mais fácil de expandir (pois podia tirar proveito dos avanços gerais na tecnologia da eletrônica, como a miniaturização). Como 2G convertia toda a entrada para a forma digital, a tecnologia também permitia que mensagens de texto e imagens fossem transmitidas pela rede, o que era algo que o sistema análogo da 1G não podia fazer.

2G usava um conjunto de padrões conhecidos como GSM. Um conjunto mais sofisticado de normas — IMT-2000 — foi apresentado comercialmente com a chegada de 3G em 2002. Isto permitiu que os telefones celulares transmitissem dados de vídeo e se comunicassem pela Internet. As faixas de bandas de radiofrequência em que a tecnologia operava também foram aumentadas com 3G, permitindo velocidades significativamente mais altas de transmissão de dados. Isto tornou possível para os usuários navegarem na Internet usando telefones celulares especialmente aperfeiçoados, os assim chamados telefones inteligentes, ou Smart Phones).

Alguns leitores poderão se lembrar da consternação em muitos países quando os governos leiloaram, pela melhor oferta, as novas frequências de rádio licenciadas. De modo a implementar 3G, as companhias de telecomunicações necessitavam da aprovação oficial para usar as frequências mais altas e deveriam pagar por esse privilégio. Isto facilitou a exploração ordeira de um recurso que — por uma boa razão — não tinha sido usado anteriormente (exceto pelas forças armadas).

A geração atual, 4G, que foi implementada inicialmente na Suécia em 2009, foi projetada para permitir vídeoconferência, televisão de alta definição e serviços de jogos, entre outras coisas. Ela é até 20 vezes mais rápida do que 3G.

A norma industrial para a próxima geração, a 5G, está atualmente em desenvolvimento e espera-se que seja finalizada até 2020. A nova norma e a tecnologia que a fundamenta permitirão a conectividade em massa dos dispositivos e velocidades de transferência de dados mais altas, bem como economias em custo e energia. Se 5G seguir adiante, velocidades de transmissão de até 2,5 gigabytes de dados por segundo serão lugar comum.

Músculo Industrial

A indústria está fazendo tudo o que pode para convencer o público que essas inovações não trazem efeitos colaterais prejudiciais, que os imensos aperfeiçamentos na conectividade e transferência de dados aumentarão grandemente nossa qualidade de vida e que nenhuma economia moderna pode permanecer competitiva se deixar de fazer uso dessa tecnologia. Em um sentido, eles estão empurrando uma porta já aberta, pois o público, especialmente a geração mais jovem, gosta de adquirir o vasto conjunto de serviços de entretenimento que 4G e 5G podem oferecer. Além disso, os gerentes das empresas estão mais preocupados em se manter atualizados com os desenvolvimentos tecnológicos do que com questões periféricas, como os possíveis efeitos adversos à saúde da radiação eletromagnética no longo prazo, particularmente quando a indústria e os órgãos reguladores do governo continuam a afirmar que não existe efeito algum.

Se não fosse por algumas vozes solitárias no mundo científico, a indústria poderia continuar a passar seu rolo compressor. Até aqui ela enfrentou pouca oposição de verdade. Sempre que alguém afirma que a exposição prolongada à radiação eletromagnética possa ter efeitos prejudiciais à saúde, a indústria rapidamente inunda a mídia com contra-afirmações escritas em termos bem fortes. Os detratores são acusados de disseminarem o medo, de realizarem pesquisa de má qualidade e de terem uma compreensão deficiente da tecnologia. A indústria também financia seus próprios estudos científicos, que supostamente refutam aquilo que ela considera como acusações antagônicas e excêntricas.

"A exposição à RF (radiofrequência) e ELF (frequência extremamente baixa) de nível muito baixo pode fazer as células produzirem as proteínas do estresse, o que significa que as células reconhecem as exposições à ELF e RF como prejudiciais. Este é outro modo importante em que os cientistas documentaram que as exposições à ELF e RF podem ser prejudiciais, e isto acontece em níveis muito abaixo dos padrões de segurança pública existentes." — [BioInitiative Report 2012].

A indústria também usa a desinformação para confundir o público, frequentemente fazendo uma representação incorreta dos argumentos de seus críticos. Uma das mais bem sucedidas até aqui é sua afirmação que efeitos adversos à saúde podem surgir somente a partir de propriedades térmicas, ou de aquecimento, da radiação eletromagnética. Como os estudos mostram que o efeito térmico da radiação eletromagnética produzido por um telefone celular é baixo demais para afetar o tecido humano, eles devem ser bastante seguros. Isto provavelmente seria verdadeiro se os únicos efeitos fossem térmicos, mas não são.

Examinaremos agora evidências para mostrar que a indústria está mentindo, que está plenamente ciente das implicações adversas à saúde do uso dos telefones celulares no longo prazo, e que sabe disso há várias décadas. Exatamente como a indústria do cigarro nos anos 1950s e 1960s, ou a indústria farmacêutica nos últimos 70 anos, a indústria da telefonia celular pertence e é controlada por um consórcio, cujo único objetivo imediato é a maximização dos lucros. E os lucros são imensos. Essas empresas gigantescas usarão todos os truques possíveis, incluindo a obsfuscação, supressão de evidência e mentiras, para manter a participação no mercado e esconder o mal causado por seus produtos.

As Normas de Segurança da Indústria

As normas de segurança na indústria da telefonia celular são definidas por órgãos reguladores nacionais, geralmente referenciando as recomendações feitas por organizações internacionais, como a Comissão Internacional Sobre a Proteção Contra a Radiação Não-Ionizante (ICNIRP, de International Commission on Non-Ionising Radiation Protection) e o Comitê Científico Sobre Riscos à Saúde Recém-Identificados e Emergentes (SCENIHR, de Scientific Committee on Emerging and Newly Identified Health Risks). Dentro de Estados-membros da União Europeia, considera-se que a indústria está obedecendo as regulamentações de saúde se os campos eletromagnéticos não excederem os limites definidos no Council Recommendation 1999/519/EC1.

"O que é impressionante com os estudos sobre o DNA, genes e proteínas e campos eletromagnéticos é que não deveria existir efeito algum se fosse verdade que os campos eletromagnéticos são fracos demais para causar danos. Os cientistas que acreditam que a energia dos campos eletromagnéticos é insignificante e que é improvável que seja prejudicial têm dificuldade em explicar essas alterações, de modo que estão inclinados a apenas ignorá-las. O problema com esta visão é que os efeitos estão ocorrendo. Não ser capaz de explicar esses efeitos não é uma boa razão para considerá-los imaginários ou não importantes." — [BioInitiative Report 2012].

Como acontece com a indústria farmacêutica, a indústria da telefonia celular cria suas próprias regras. Seus próprios cientistas, ou cientistas com vínculos com a indústria, decidem o que é seguro e o que não é. É virtualmente impossível para uma agência independente trazer preocupações científicas bem fundamentadas em um foro público com relação à adequação ou confiabilidade das normas industriais. Os trabalhos de pesquisa revisados por pares, que são preparados por cientistas respeitados, podem entrar no domínio público, mas não há garantia que serão levados em conta seriamente, ou sequer considerados, pelos governos ou pelos atores-chaves na indústria. Além de tudo isto, a indústria da telefonia celular, como a indústria das vacinas, tem uma capacidade inexplicável de realizar ou patrocinar estudos e testes que sempre parecem lhes dar as respostas que ela deseja.

A realidade chocante é que as diretrizes atuais de segurança estão baseadas em efeitos térmicos somente. Elas ignoram completamente os efeitos não-térmicos (aquecimento) da radiação eletromagnética, embora estes últimos sejam milhões de vezes maiores (como veremos).

O Espectro Eletromagnético

Antes de examinarmos os efeitos não-térmicos da radiação eletromagnética, será útil revisarmos a estrutura do espectro eletromagnético e as razões por que certos tipos de radiação são sabidamente prejudiciais.

O espectro eletromagnético está entre as maravilhas da criação de Deus, embora isto raramente seja mencionado neste contexto. As propriedades dele são surpreendentes. A porção com a qual estamos mais familiarizados é com o estreito segmento no meio do diagrama abaixo. Percebemos a radiação nessa parte do espectro na forma da luz visível.

A parte do espectro à esquerda da luz visível — a radiação ultravioleta, os raios-X e os raios-gama — são todos de uma frequência mais alta do que a luz, de modo que transportam muito mais energia. Podemos tolerar níveis baixos de exposição à luz ultravioleta, mas a exposição prolongada causará queimadura solar que, se não for tratada, pode até ser fatal. A quantidade de exposição ao raio-X e gama que podemos absorver de forma segura é extremamente baixa, devido à intensidade da energia nessas faixas de onda. (Os raios gama e raios-X algumas vezes causam radiação ionizadora, pois carregam energia suficiente para nocautear os elétrons de seus átomos, desse modo "ionizando" o átomo.)

A luz visível é perfeitamente adequada para nossa fisiologia e pode ser absorvida em quantidades quase infinitas. Entretanto, isso não vigora para os comprimentos de onda à direita da luz visível, embora eles sejam mais longos e carreguem menos energia.

Necessitamos de aquecimento ou calor para uma boa saúde, mas uma quantidade excessiva pode nos matar. A sensação de calor é nossa resposta fisiológica à radiação infravermelho. Este é um "sentido" importante (como o tato, o paladar, etc.), pois, sem nossa capacidade de sentir e regular a quantidade de radiação infravermelho que entra em nossos corpos, congelaríamos até morrer, ou morreríamos de derrame provocado pelo calor.

A Radiação de Microondas e as Ondas de Rádio

Isto nos traz até as duas faixas de onda mais longas, a radiação de microondas e as ondas de rádio. Não temos a capacidade de sentir essas duas por meio de nossos sentidos. Somente podemos detectar a presença delas quando seus níveis de energia são grandes demais e causam danos aos nossos organismos. A radiação eletromagnética dos telefones celulares, até no intervalo de 5G, normalmente não gerará efeitos térmicos desse tipo.

Um forno de microondas opera como um dispositivo de aquecimento, não por que as microondas em si gerem calor, mas por causa da configuração de potência em um forno microondas, pode ser de até 800 Watts. É essa alta concentração de energia elétrica, mesmo quando distribuída via comprimentos de onda mais longos na faixa de microondas que produz o efeito térmico.

A vantagem com as ondas de microondas e de rádio é que elas têm alto poder de penetração. A luz visível pode ser completamente bloqueada por uma fina camada de átomos (ou uma membrana de células), porém as microondas e as ondas de rádio podem passar muito abaixo da superfície de um objeto. É essa propriedade de penetração que as torna tão úteis para as telecomunicações.

A indústria da telefonia celular há muito tempo argumenta que, como as microondas geradas em níveis de energia muito baixos não têm efeito térmico, elas podem ser seguramente absorvidas. Mesmo após muitos anos de exposição, nenhum problema discernível de saúde deve aparecer. O telefone celular mediano transmite a um nível de potência muito baixo, aproximadamente de 1 a 2 Watts, o que é muito abaixo do nível necessário para produzir um efeito térmico. (Uma torre de telefonia celular, é claro, é muito mais poderosa, pois precisa cobrir uma área muito ampla. Operando a 1.000 Watts ou mais, ela poderia causar dano real, mas somente se a pessoa estiver "relativamente" nas imediações dela.)

Até Mesmo a Radiação Eletromagnética Fraca Tem um Efeito Biológico

Portanto, o que poderia então causar efeitos adversos na saúde nesses níveis de energia? A resposta, que já é conhecida há mais de 60 anos, é que até campos magnéticos fracos podem interferir com o comportamento bioquímico das células vivas, sejam humanas, de animais ou das plantas, e essa interferência, se persistir durante um período de vários anos, afetará adversamente a saúde do organismo. Além disso, como o efeito é cumulativo, o dano causado pela exposição continuada por mais de cinco anos geralmente será irreversível.

Veremos agora a evidência disto e mostrar por que a proliferação do uso do telefone celular, especialmente nas faixas de 4G e 5G, terá, nos anos futuros, sérias implicações na saúde para a população em geral, em todos os países industrializados.

O fator saúde é conhecido há décadas. A citação seguinte vem de um trabalho intitulado Health Implications of Long-term Exposure to Electrosmog (Implicações para a Saúde da Exposição de Longo Prazo à Poluição Eletromagnética), escrito pelo Dr. Karl Hecht, que foi publicado em 2012. O Dr. Hecht foi comissionado por um órgão regulador alemão para analisar o grande número de estudos longitudinais que tinham sido realizados na União Soviética e na Alemanha Oriental sobre os efeitos na saúde da exposição prolongada à radiação de baixo nível no local de trabalho. Esses estudos de pesquisa, que foram realizados entre 1960 e 1990, foram conduzidos por cientistas cujas qualificações e conhecimento estavam em pé de igualdade com os padrões ocidentais:

"Além do mais, essas descobertas sobre os efeitos de longo prazo dos campos eletromagnéticos foram obtidos a partir de um amplo intervalo de pesquisa. Dos mais de 1500 trabalhos de pesquisa científica russos, os autores selecionaram 878 para a análise comissionada pelo governo. Os trabalhos selecionados estavam baseados em avaliações de saúde ocupacional e de higiene industrial, exigidos pela lei para aqueles que ficam expostos no ambiente de trabalho aos campos eletromagnéticos. A maioria dessas avaliações tinha sido realizada em milhares de trabalhadores, ao longo de longos períodos. Era de particular interesse ver que casos de doença tinham aumentado claramente, embora os limites russos para a exposição aos campos eletromagnéticos sejam três ordens de magnitude menores do que na Europa Ocidental."

Tendo examinado de perto mais de 870 estudos que cobriram mais de 3.500 indivíduos, o Dr. Hecht descobriu que os russos já estavam plenamente cientes das implicações adversas à saúde da exposição prolongada no local de trabalho aos níveis baixos da radiação eletromagnética. Mas, o quão baixo é "baixo"? Incrivelmente, o nível de exposição nesses estudos era mais de 1.000 vezes MENOR do que o nível permitido no Ocidente hoje.

O Dr. Martin Pall, professor emérito de Bioquímica e Ciências Médicas Básicas, na Universidade do Estado de Washington, tem repetidamente chamado a atenção para os estudos discutidos por Hecht. Em seu trabalho de pesquisa, 5G: Great Risk for E.U., U.S. and International Health! Compelling Evidence for Eight Distinct Types of Great Harm Caused by Electromagnetic Field (EMF) Exposures and the Mechanism That Causes Them (2018), ele faz um toque de trombeta para seus colegas cientistas e outros indivíduos influentes acordarem para os perigos representados por esta tecnologia. Ele está especialmente alarmado com a introdução planejada de 5G que, ele diz, colocará "todas as sociedades tecnológicas avançadas na Terra... em grande risco".

"Os seres humanos são sistemas bioelétricos. Nossos corações e cérebros são regulados por sinais bioelétricos internos. As exposições ambientais aos campos eletromagnéticos (EMFs) artificiais podem interagir com processos biológicos fundamentais no corpo humano. Em alguns casos, isto pode causar desconforto, interrupções no sono, ou perda do bem-estar (funcionamento prejudicado da mente e metabolismo prejudicado) ou algumas vezes, pode ser uma doença pavorosa como o câncer, ou o Mal de Alzheimer. Isto pode estar interferindo com a capacidade de uma mulher engravidar, ou de manter uma gravidez até o fim, ou resultar em alterações no desenvolvimento do cérebro que são más para a crianças. Pode ser que essas exposições tenham um papel em causar deficiências de longo prazo no crescimento normal e desenvolvimento das crianças, prejudicando as capacidades delas de se tornarem adultos produtivos." — [BioInitiative Report 2012].

Se 5G prosseguir, ele adverte, as implicações prejudiciais à saúde da radiação eletromagnética serão claras para todos verem em aproximadamente dez anos. A incidência de câncer de todos os tipos aumentará drasticamente, junto com diversos outros problemas na saúde.

Os oitos tipos distintos de danos, aos quais ele alude no título de seu trabalho de pesquisa, são como segue. Todos estão extremamente bem documentados e suportados por múltiplos estudos (veja o Apêndice A):

1. A radiação eletromagnética quebra as sequências de DNA

A radiação eletromagnética ataca e quebra os filamentos (strands) de DNA. Isto pode ser prontamente observado em laboratório. Embora os mecanismos de defesa do organismo possam realizar certo nível de reparo, as quebras contínuas dos filamentos ao longo do tempo resultarão em transformações mutacionais e causam câncer. (A intensidade e duração da exposição à radiação eletromagnética necessárias para fazer isso são consideravelmente menores do que as taxas que serão lugares-comuns em 5G.)

2. A radiação eletromagnética reduz a fertilidade

A exposição que está ocorrendo à radiação eletromagnética resulta em menor fertilidade tanto em homens e mulheres, bem como uma incidência maior de aborto espontâneo, níveis reduzidos de estrogênio, progesterona e testosterona, além de menor libido. A taxa de natalidade nos países ocidentais cairá drasticamente se 5G for adotada. Nos homens que vivem em países industrializados, o número de espermatozóides já é metade do que deveria ser, enquanto que a mobilidade deles (uma medida de sua qualidade) também está diminuindo. Um estudo da reprodução dos ratos mostrou que a exposição à radiação eletromagnética das ondas de rádio/microondas dentro dos limites "seguros" para o ser humano resultava em um agudo declínio na fertilidade e, eventualmente, causava esterilidade.

3. A radiação eletromagnética causa efeitos neurológicos

Mesmo em níveis que estão bem dentro das diretrizes de segurança existentes, a exposição prolongada à radiação eletromagnética causa uma ampla variedade de efeitos neurológicos. Esses incluem incômodos durante o sono e insônia, fadiga, dores de cabeça, depressão, má concentração e déficit de atenção, lapsos de memória, atordoamento e vertigem, agitação, ansiedade e irritação. Embora cada um desses sintomas seja problemático, eles produzem níveis de estresse que enfraquecem o sistema imunológico e tornam o indivíduo mais susceptível a outras formas de doenças.

4. A radiação eletromagnética aumenta a morte programada das células

A exposição prolongada à radiação eletromagnética pode aumentar grandemente a taxa (ou índice) de autodestruição programada da célula (conhecida como apoptoses). Este é um mecanismo que o corpo usa para remover uma célula que está estressada demais para funcionar corretamente. Este pode ser um fator no aumento drástico nas décadas recentes em distúrbios neurodegenerativos, como o Mal de Alzheimer e Esclerose Múltipla. Pelo menos cinco estudos em ratos jovens demonstram o papel da radiação eletromagnética em produzir efeitos similares ao Mal de Alzheimer.

5. A radiação eletromagnética aumenta o estresse oxidativo

Já foi demonstrado que o estresse oxidativo, que tem um papel em quase todas as doenças crônicas, aumenta significativamente com a exposição à radiação eletromagnética. Esse estresse aparece quando o número de radicais livres no corpo é maior do que a capacidade do corpo de neutralizá-los com os antioxidantes. Um radical livre é uma molécula portadora de oxigênio com um número desequilibrado de elétrons. Um número desequilibrado permite que a molécula reaja mais facilmente com outras moléculas e cause reações químicas de longas sequências, que nem sempre são benéficas para a saúde do indivíduo. Os nutricionistas recomendam uma dieta rica em antioxidantes para ajudar a enfrentar esse efeito.

6. A radiação eletromagnética afeta a secreção de hormônios

Estudos mostram que a exposição prolongada à radiação eletromagnética afeta a velocidade com que os hormônios são secretados na corrente sanguínea, aumentando os níveis de alguns hormônios e reduzindo outros. Como os hormônios têm um grande impacto sobre muitas funções vitais do corpo, qualquer coisa que afete o ritmo de secreção afetará o corpo como um todo.

7. A radiação eletromagnética fundamentalmente afeta células individuais

A exposição à radiação eletromagnética afeta a quantidade de cálcio em nossas células, fazendo-a crescer desnecessariamente. Cada célula tem um mecanismo conhecido como Canal de Cálcio Dependente de Voltagem, que regula a quantidade de cálcio que entra na célula. O canal é extremamente sensível às alterações de voltagem, incluindo aquelas causadas pela exposição à radiação eletromagnética. Como esses efeitos podem ser observados e medidos em laboratório, eles oferecem prova conclusiva que a radiação eletromagnética não-térmica e não-ionizante tem um efeito fundamental sobre a biologia humana, mesmo com índices de exposição e duração bem abaixo das diretrizes de segurança existentes.

Alguns cientistas acreditam que a maior parte do dano causado pela exposição à radiação eletromagnética possa ser rastreada ao modo como ela interfere com o Canal de Cálcio Dependente de Voltagem em cada célula do organismo. Como muitas plantas têm canais de cálcio similares àqueles encontrados no ser humano e nos animais, a exposição prolongada à radiação eletromagnética também causará dano às árvores e outras formas de vegetação.

8. A radiação eletromagnética aumenta grandemente o risco de câncer

Diversos estudos mostram uma conexão direta entre a exposição prolongada à radiação eletromagnética e o aumento em certos tipos de câncer, como os neuromas acústiscos, câncer no cérebro e nas glândulas salivares. Há uma forte correlação entre o lado da cabeça afetado e o lado em que um telefone celular é normalmente usado. Os índices de ocorrência de câncer são também significativamente maiores entre pessoas que vivem nas proximidades das torres de telefonia celular e indivíduos que operam rádios de ondas curtas ou sistemas de radares. (Um sistema de radar é um transmissor e receptor de microondas. O forno de microondas, que está presente em muitos lares, baseia-se na mesma tecnologia.)

Antes do advento da tecnologia do telefone celular, os melanomas (cânceres de pele) eram encontrados geralmente somente nas partes do corpo que tinham sido expostas ao sol. Cada vez mais esses cânceres estão agora sendo encontrados em todo o corpo, como seria de se esperar se eles fossem causados por alta exposição à radiação eletromagnética.

Estes não são apenas efeitos na saúde. Existem muitos mais, como o efeito debilitante que a radiação eletromagnética tem sobre a barreira sangue-cérebro, seu impacto sobre os níveis de melatonina (que influenciam nossos padrões de sono) e a incidência mais alta de catarata entre os usuários expostos por um longo período de tempo à radiação eletromagnética. Também já foi mostrado que a radiação eletromagnética causa um aumento quase instantâneo naquilo que é conhecido como proteínas do choque térmico. Esse mecanismo é parte da resposta de defesa normal do corpo a certos tipos de estresse. O fato que ele possa acionar essa resposta é prova que a radiação eletromagnética está aumentando o nível de estresse no nosso corpo, embora talvez não observemos isto.

A Indústria da Telefonia Celular Está Mentindo

Cientistas como o Dr. Pall estão grandemente preocupados com a atitude que a indústria da telefonia celular está tomando na questão da segurança. Em seu excelente trabalho de pesquisa, que recomendamos grandemente, ele dedica um grande espaço para resumir a literatura científica relevante e mostrar o quão extensa e forte ela realmente é. Ao fazer isso, ele mostra como essa literatura contradiz tudo que a indústria diz. Se este é o caso, então como a indústria reagiu a esses estudos? Aqui está a resposta do Dr. Pall:

"Existem 77 diferentes análises [no meu trabalho], cada uma documentando a existência de um ou mais desses efeitos de campos eletromagnéticos não-térmicos. O que, então, os dois relatórios de organizações que as autoridades da União Europeia e dos EUA reconhecem [ICNIRP e SCHNIHR] têm a dizer sobre essas análises independentes? A resposta é absolutamente nada! Nenhum dos dois usa qualquer uma dessas análises independentes para avaliar os efeitos dos campos eletromagnéticos." [ênfase adicionada].

Ele conclui que as diretrizes de segurança aprovadas pela Comissão da UE e a FCC (Federal Communications Commission) nos EUA "são completamente sem base científica e não podemos confiar que elas protegerão nossa segurança." [ênfase adicionada].

Ele está certo? Os estudos independentes que ele cita mostram além de qualquer dúvida que sim. Assim também os estudos realizados na União Soviética no período de 1960-1990. Assim também vários outros estudos que ele não cita. Assim também um grande estudo de 25 milhões de dólares realizado pelo National Toxicology Program (NTP), nos EUA, em 2016, que verificou que a exposição prolongada à radiação eletromagnética aumenta grandemente o risco de câncer no cérebro. O estudo é particularmente importante por que mostrou que o dano da radiação eletromagnética que ele identificou não podia ser atribuído a efeitos de aquecimento no tecido, mas era devido totalmente a fatores não-térmicos. Como as diretrizes de segurança da UE e dos EUA estão relacionadas somente com o efeito térmico da radiação eletromagnética, elas são seriamente deficientes e deveriam ser modificadas urgentemente.

"Os efeitos ocorrem em níveis de exposição não-térmicos e de baixa intensidade, milhares de vezes abaixo dos níveis que as agências federais dizem que devem manter o público em segurança. Para muitos dispositivos que operam com as tecnologias sem fio, os dispositivos estão isentos de quaisquer normas reguladoras. Já foi provado que as normas existentes são inadequadas para proteger contra danos de exposições crônicas de baixa intensidade, baseadas em qualquer avaliação independente e sensata da literatura científica." — [BioInitiative Report 2012]

Comentando sobre o estudo do NTP, O. W. Brawley, chefe do corpo médico da Sociedade Americana do Câncer, declarou: "Durante anos, a compreensão do risco potencial de radiação dos telefones celulares foi prejudicada pela falta de boa ciência. Este relatório do NTP é boa ciência... ele marca uma mudança de paradigma na nossa compreensão da radiação e do risco do câncer. As descobertas são inesperadas; normalmente não imaginaríamos que a radiação não-ionizante causasse esses tumores."

A despeito do que o Dr. Brawley diz, as descobertas não deveriam ser inesperadas! Qualquer um que tivesse seguido o trabalho neste campo saberia que "boa ciência" já tinha provado além de qualquer dúvida que a exposição prolongada à radiação eletromagnética aumenta grandemente o risco de câncer. O Dr. Brawley e outros como ele foram enganados pela indústria da telefonia celular e suas falsas garantias.

A radiação eletromagnética parece funcionar no corpo humano transmitindo para nossas células informações que elas não necessitam, que elas podem efetivamente ignorar e que interferem com a operação normal delas. Se pensarmos na radiação eletromagnética como informações, em vez de energia, pode ser mais fácil compreender por que e como ela nos afeta, por que pode fazer isso em frequências e níveis de energia extremamente baixos e, por que seu impacto pode variar tanto de pessoa para pessoa.

Avaliando os Níveis da Radiação Eletromagnética em seu Lar

Não é necessário adquirir um equipamento caro para avaliar a quantidade de radiação eletromagnética no seu lar. Basta pegar um velho rádio AM portátil, sintonizá-lo em uma das duas extremidades da faixa de frequência (que não têm recepção de estação de rádio) e aumentar o volume. Agora, caminhe em sua casa e procure a radiação eletromagnética. Quanto mais alto e mais intenso for a estática de áudio, maior radiação eletromagnética o aparelho está detectando. Isto o ajudará a identificar os "pontos críticos" no interior de sua casa e os melhores lugares para descanso."

A Radiação Eletromagnética Pulsada ou Modulada

O Dr. Pall também fala da necessidade de realizar todos os estudos sobre os efeitos do campo eletromagnético usando fontes pulsadas, similar àquelas usadas pela indústria da telefonia celular. Os campos eletromagnéticos pulsados são, falando em termos gerais, mais biologicamente ativos do que os não-pulsados. Muitos estudos foram realizados em que os autores afirmam terem sido baseados em Wi-Fi, telefone celular ou comunicação por telefone sem fio, mas como eles não usam campos eletromagnéticos pulsados, as descobertas deles foram em grande parte irrelevantes. As pulsações às quais ele se referem são devido à adoção da sinalização digital com 2G. Isto permitiu que as informações fossem codificadas de um modo muito compacto dentro da onda eletromagnética, desse modo modificando sua "forma". Essa alteração rápida no formato da onda aumenta grandemente seu efeito biológico. Como 5G transportará muito mais dados, todos na forma digital, o número de pulsações de radiação eletromagnética que ataca o corpo humano por unidade de tempo também aumentará. Esse efeito, por sua vez, será composto pelas frequências mais altas que 5G usará e o aumento exponencial no número de torres de celular e transmissores de radiação eletromagnética locais na rede.

Estudos Longitudinais na Antiga União Soviética

Como poucos estudos no Ocidente são realizados ao longo de um comprido período de tempo, em que os objetos de teste são monitorados por dez anos ou mais, as totais implicações da saúde da exposição de longo prazo à radiação eletromagnética não são totalmente compreendidas. É por isto que os estudos citados por Hecht são tão valiosos. Os russos realizaram diversos estudos longitudinais que revelaram que os efeitos adversos à saúde, que se acumulam ao longo de um período de três anos, podem ser revertidos se o indivíduo for removido de um ambiente afetado pela radiação eletromagnética e realocado, durante dois anos, a um trabalho sem exposição à radiação eletromagnética de qualquer tipo. Os trabalhadores que foram expostos à radiação eletromagnética por cinco anos sofreram efeitos adversos na saúde que não puderam ser totalmente revertidos, enquanto que aqueles que passaram dez anos, ou mais, em um ambiente em que ficavam expostos à radiação eletromagnética de forma contínua exibiram um aumento significativo em doenças sérias, incluindo o câncer.

Se você seguiu a história até aqui, verá que 5G, se implementada, provavelmente será um desastre para a saúde pública. Entretanto, o verdadeiro impacto somente se tornará aparente depois de dez anos, aproximadamente. Não somente 5G levará a um acentuado aumento na incidência de muitas formas de doenças sérias, mas também causará uma súbita queda na fertilidade. Haverá um número menor de nascimento de crianças e aquelas que nascerem estarão muito mais susceptíveis à doenças, terão menor vitalidade e sofrerão de diversos problemas neurológicos, como atenção deficiente, memória fraca e lentidão na aprendizagem. Os pais dessas crianças, junto com a comunidade mais ampla, também enfrentarão a debilitação crônica com a exposição ininterrupta à radiação eletromagnética biologicamente ativa, dia após dia, semana após semana, ano após ano.

Objetivamente falando, 5G tem o potencial de afetar severamente o fulcro da nossa sociedade.

A ressonância natural da Terra, conhecida como Ressonância Schumann, está em torno de 8 Hertz (isto é, 8 ciclos por segundo). A ressonância natural do nosso cérebro está no intervalo de 10 a 30 Hz. Por outro lado, uma faixa de comprimento de onda 5G poderia operar a 28 GHz, ou 28 bilhões de ciclos por segundo. É irracional acreditar que podemos viver no meio disto e não sentir os efeitos. Além disso, é tolice imaginar que esses efeitos serão naturais ou benéficos. Assim sendo, qual será o resultado disso?

As Crianças Estão Especialmente Vulneráveis à 5G

Estas observações não levam em conta as implicações para o genoma humano da exposição prolongada à radiação eletromagnética em um ambiente de 5G. O câncer é consequência do dano ao nosso DNA. Grande parte desse dano mutacional pode ser corrigido ao longo das gerações, em que genes saudáveis de pelo menos um pai é passado para a criança. Entretanto, esse não é o caso com o DNA em nossa mitocôndria. Como isto é transmitido somente por meio da linha feminina em cada geração, ela continua a acumular mutações. (As mitocôndrias em nossas células são "geradores de energia", convertendo a glicose em energia. Elas já estão presentes no óvulo no momento da concepção, de modo que o DNA do pai não os afeta.) O genoma humano é uma criação tão extraordinária que pode funcionar normalmente, mesmo quando sobrecarregado por um grande número de mutações. Mas, existem limites. As mitocôndrias de nossas células funcionarão mal ou desligarão, se muitas mutações se acumularem. Como elas já estão longe do estado ideal, alguns cientistas acreditam que elas poderiam ser especialmente vulneráveis em um ambiente 5G. Provavelmente veremos um grande aumento no número de abortos espontâneos como consequência.

A indústria da telefonia celular está completamente indiferente às implicações para a saúde de seus produtos, até mesmo no que se refere às crianças. Considere, por exemplo, a norma que ela usa para medir os limites da exposição segura. Essas normas são definidas tendo com referência um homem adulto de 1,85m de estatura e 100 kg de peso! Assim, mesmo que o "limite" seja cientificamente válido (o que não é), ele não salvaguarda uma criança.

A "ciência" empregada pela indústria é cínica ao extremo. Considere, por exemplo, o fenômeno da penetração da radiação eletromagnética. A radiação eletromagnética tem maiores efeitos à saúde quanto mais ela penetra no corpo. O nível de exposição em que ela penetraria 2,5 cm ou 5 cm dentro da cabeça de um homem adulto atravessaria totalmente a cabeça de uma criança. A criança receberia uma dosagem de radiação que, em termos práticos, seria de 5 a 10 vezes maior do que a de um homem adulto.

Os estudos soviéticos da exposição ocupacional à radiação eletromagnética também revelaram que as pessoas mais jovens eram mais sensíveis do que os adultos à radiação eletromagnética. É inconcebível que a indústria da telefonia celular não estivesse ciente disso.

Os Cérebros em Desenvolvimento São Mais Sensíveis à Radiação Eletromagnética

Outra diferença crítica entre um adulto e uma criança está nas respectivas taxas de desenvolvimento. Uma célula danificada no cérebro de um adulto pode simplesmente se desligar e deixar suas células irmãs realizarem suas funções. Entretanto, no cérebro de uma criança, quando diversas células precisam cooperar para criarem uma nova ou melhorada função, a ausência de uma célula danificada pode ter repercussões mais amplas. Um cérebro em desenvolvimento é muito mais sensível ao choque biológico do que um que já está plenamente desenvolvido.

O potencial de prejudicar uma criança no ventre materno é até maior. A maioria das mães hoje trabalha fora do lar, em tempo integral ou parcial, frequentemente em ambientes em que estão constantemente expostas à radiação eletromagnética. Muitas delas usam telefones celulares, computadores portáteis, tablets e estações de trabalho. Cada uma dessas mães é singular. O bebê minúsculo que está dentro delas está sendo exposto a níveis de radiação que são milhares de vezes maiores do que qualquer outra criança na história. Com 5G, os níveis de exposição aumentarão dramaticamente. Se pensarmos no uso universal da telefonia celular como uma gigantesca experiência social, então este aspecto da experiência precisa certamente se qualificar como o mais inescrupuloso e grotesco.

Precisamos ter em mente que as ondas cerebrais são elas mesmas uma forma de radiação eletromagnética. Elas não utilizam um espectro de energia que é singular aos humanos, mas operam de acordo com os mesmos princípios eletromagnéticos que são encontrados em toda a natureza. Se o campo magnético da Terra, fraco como é, pode movimentar a agulha de uma bússola, então por que alguns cientistas — com vínculos com a indústria — continuam a argumentar que a radiação eletromagnética de um telefone celular não pode afetar o cérebro? O cérebro de uma criança, que ainda está em desenvolvimento, é ainda mais sensível a esses efeitos, muito possivelmente em uma extensão maior do que a "boa" ciência já foi capaz de definir. 5G constituirá uma violação alarmante dos direitos das crianças. A indústria será culpada por implementar um método monstruosamente mal concebido de gerar grandes lucros e, no processo, destruir a sociedade.

O Que É Diferente com 5G?

A próxima geração da tecnologia dos telefones celulares aumentará grandemente a velocidade e capacidade das redes nacionais e internacionais, os usuários poderão "usufruir" jogos de realidade virtual sempre ativos e transmitidos ao vivo (se quiserem), conectar todos seus eletrodomésticos a um organizador central "inteligente" (se quiserem), e assistir a um número quase infinito de vídeos de alta resolução no YouTube (se quiserem). Todos esses "serviços" totalmente supérfluos serão habilitados por uma grande expansão no espectro de frequência de radiação eletromagnética que será agora utilizado pela indústria. Os governos até mesmo licenciarão o espectro de ondas milimétricas que usam frequências extremamente altas de 24 GHz e superiores. Ao todo, 11 GHz de novas frequências serão adicionadas ao extenso intervalo de comprimentos de ondas de radiação eletromagnética já disponíveis.

5G Envolverá um Aumento Exponencial nas Torres e Transmissores de Celular

O novo sistema envolverá um aumento exponencial em torres e transmissores de celulares. Este é um aspecto de 5G que muitos cientistas dizem que é verdadeiramente alarmante. Como as frequências mais altas têm comprimentos de onda significativamente menores, elas cobrem uma área geográfica muito menor. As redes existentes de torres de celular nas cidades de todo o país terão de ser extensivamente atualizadas para garantir que nenhum usuário de telefone celular fique a mais de 100 metros de distância (aproximadamente) de um transmissor. Portanto, será impossível ir a algum lugar em uma grande cidade sem ser bombardeado continuamente por radiação de microondas de alta frequência. Isto afetará a todos, independente se a pessoa estiver ou não usando um telefone celular. Até mesmo as crianças no ventre materno estarão sujeitas a isto, desde o momento da concepção.

Se 5G se parece como algo que Satanás planejou para a humanidade, você está certo em chegar a esta conclusão.

Esta é uma violação tão absurda das nossas liberdades civis que é difícil compreender como alguma coisa do tipo poderia ser considerada aceitável. Quem aprovou isto? Por que o público nunca foi consultado em algum estágio? Por que a boa ciência está sendo totalmente ignorada? E por que todo o país está sendo exposto a uma monstruosa experiência social que, com quase toda a certeza, terá consequências graves e irreversíveis?

Para responder a estas questões, precisamos olhar para o quadro maior, para reconhecer que a Nova Ordem Mundial fincará raiz somente quando a ordem existente for solapada e destruída. Antes de poder ser derrubado militarmente, os EUA precisam primeiro ser enfraquecidos em diversos níveis — espiritual, moral, econômico, educacional, bem como em sua capacidade de manter uma vigorosa base industrial e uma força de trabalho vibrante e produtiva. Quase metade da base industrial americana já foi terceirizada e enviada para a Ásia, notavelmente para a China, um inimigo marxista mal-disfarçado. A furtiva evisceração da força de trabalho está ocorrendo agora, via alimentos geneticamente modificados, vacinas, rastros químicos, glifosato e muitos outros poluentes do meio ambiente. 5G poderá se revelar mais destrutiva do que todos estes.

Pergunte a si mesmo o seguinte: Que porcentagem das crianças americanas nascidas em 2030 serão física e neurologicamente saudáveis? Quantas atingirão a idade de 10 anos sem serem afetadas por asma crônica, dificuldades na fala, concentração deficiente, atrasos no aprendizado, habilidades deficientes de raciocínio, problemas de comportamento, alergias severas, distúrbios digestivos, baixos níveis de energia ou períodos recorrentes de doença-saúde, para não mencionar alguma forma de autismo ou deficiência física? Qualquer criança bombardeada com radiação 5G desde a hora da concepção terá de ser muito sortuda para conseguir evitar todo esse campo minado.

E lembre-se, estamos somente falando sobre as crianças que nascem, não das infelizes que serão abortadas de forma espontânea durante a gravidez, devido aos efeitos da radiação. O próprio número de gravidezes cairá, pois 5G afeta grandemente a fertilidade. Como uma ferramenta de eugenia furtiva, essa tecnologia desgraçada é difícil de superar.

Referindo-se à FCC e sua aprovação às antenas 5G, o Dr. Pall disse: "Em um mundo onde o comportamento chocante tornou-se cada vez menos chocante, considero as visões deles genuinamente chocantes. A situação nos EUA é de loucura em massa."

Conjuntos de Antenas em Fases

Há ainda outro aspecto de 5G que é profundamente perturbador. Este é seu uso de antenas de alta frequência e torres de celular para criar aquilo que é conhecido como conjunto de antenas em fases (phase arrays). Parece que poucos cientistas, mesmo aqueles que estão genuinamente preocupados com as implicações para a saúde da radiação eletromagnética e 5G já pensaram nesse fenômeno sinistro.

Para compreender como isto funciona, precisamos examinar o caminho específico que um feixe de radiação eletromagnética segue até seu telefone celular. Os comprimentos de onda curtos da radiação eletromagnética 5G, como já observamos, cobrem somente uma pequena distância e, falando em termos gerais, seguem um caminho estreito. Isso significa que eles são muito mais vulneráveis à obstrução por objetos do dia a dia que estejam em seu caminho. 5G contornará esse problema (literalmente) enviando vários feixes para seu telefone celular a partir de diferentes direções ao mesmo tempo, todos levando a mesma mensagem. Isto reforça grandemente o sinal de radiação eletromagnética recebido pelo telefone celular e garante uma recepção de alta qualidade. Como diz a Wikipedia: "Em um conjunto de antenas em fases, a corrente da frequência de rádio do transmissor é alimentada para as antenas individuais com o relacionamento da fase correta para que as ondas de rádio das antenas separadas somem-se juntas para aumentar a radiação em uma direção desejada." (Wikipedia).

O extenso conjunto de transmissores em postes de energia elétrica, de telefone e de iluminação no bairro ou quarteirão onde a pessoa vive permitirão que esses múltiplos feixes alcancem seu telefone celular, independente de onde você esteja. A coordenação dos transmissores de radiação eletromagnética desse modo é conhecida como conjunto de antenas em fases (phased arrays).

Haverá muitas ocasiões durante o dia em que um indivíduo estará no ponto focal de vários feixes 5G: no escritório, no pátio de estacionamento, em um centro de compras, ou qualquer outro lugar. Talvez ele nem seja usuário de telefone celular. Em cada ocasião, ele receberá uma rajada de radiação eletromagnética 5G de um conjunto de antenas em fases que excede em muito os limites de segurança aprovados (já mostramos que esses limites são totalmente inadequados). Estes momentos de exposição em alta intensidade poderão causar dano permanente, ainda que localizado, no nível das células. Se, por exemplo, exatamente a mesma parte do nosso cérebro receber múltiplos "picos" durante um período de vários meses, um tumor poderá se formar, que eventualmente poderá nos matar.

As antenas que estão dentro dos telefones celulares existentes emitem cerca de 1-2 Watts de energia em radiação eletromagnética. Entretanto, os telefones celulares para 5G terão 16 ou mais minúsculas antenas, de modo a lhes permitir apanhar os feixes multidirecionais. Assim, em vez de absorver 1-2 Watts de energia de radiação eletromagnética, o usuário de telefone celular poderá absorver 20 Watts, ou mais, grande parte da qual penetrará no mesmo lado de sua cabeça. Isto é loucura, mas ninguém na indústria ou no governo parece se preocupar.

É também sabido que quando um pulso de alta energia de radiação eletromagnética entra no corpo humano, ele cria pequenas cargas elétricas que são fortes o suficiente para atuar como minúsculas antenas que enviam o pulso ainda mais para dentro do corpo da pessoa. Isto aumentará grandemente o efeito carcinogênico de 5G.

As Forças Políticas Que Estão Por Trás de 5G

Para uma indústria que movimenta um valor estimado de 17 trilhões de dólares, é fácil comprar políticos de alto escalão e especialistas de reputação. A experiência já mostrou que uma pequena mas significativa porcentagem de cientistas está disposto a realizar um "estudo legítimo" — que se conforma com as normas e protocolos científicos aceitos — mas que garantidamente produz resultados enganosos ou confusos. Isto acontece o tempo todo. Esses trabalhos de pesquisa revisados pelos pares permitem que as grandes corporações afirmem que os riscos à saúde apresentados (dos telefones celulares, vacinas, alimentos geneticamente modificados, etc.) são exagerados, que os resultados experimentais são inconclusivos, que questões-chave ainda precisam ser respondidas, e que mais pesquisa é necessária. Enquanto isso, eles continuam a administrar seu negócio com o mesmo desprezo venal pela segurança do público.

A organização que a maioria dos americanos esperaria que levantasse as questões sobre as implicações para a saúde da radiação eletromagnética é a EPA (Environmental Protection Agency, ou Agência de Proteção Ambiental). Entretanto, a indústria da telefonia celular fez com sucesso lóbi nos anos 1990s para limitar a extensão em que a EPA poderia investigar os efeitos não-térmicos da radiação eletromagnética. Outras agências relevantes também se mantiveram silenciosas. Nem o CDC (Centro de Controle de Doenças) e nem o NIH (National Institutes of Health, ou Institutos Nacionais de Saúde) advertiram o público dos perigos sérios representados por 5G.

A outra organização-chave é a FCC (Federal Communications Commission, ou Comissão Federal das Comunicações). O chefe anterior da FCC foi Thomas Wheeler (2014-2017), um ex-lobista da indústria de cabos e comunicações sem fio e arrecadador de fundos para a campanha de 2008 de Barack Obama. De que forma esse homem estava qualificado para ocupar esse cargo e usá-lo para impor 5G sobre o povo americano? Logo após assumir o cargo, ele emitiu uma declaração afirmando que mais de 10.000 estudos nos últimos 40 anos não tinham mostrado evidência alguma que vinculava os telefones celulares com riscos para a saúde. Ocorre que os estudos em questão referiam-se principalmente aos fornos de microondas!

Embora muitos cientistas experientes estejam contactando políticos de alto escalão para advertir a respeito dos perigos representados por 5G, incluindo cartas de grupos para a Comissão Europeia, ONU e OMS, eles não estão recebendo um retorno significativo. Todas as indicações são que tanto os EUA e a UE pressionarão com a implementação de 5G em 2019 e que a grande mídia não publicará nada que possa alertar o público a respeito da seriedade do que está acontecendo.

O Efeito de EMR Sobre os Animais e Plantas

A exposição prolongada a EMR é exatamente tão prejudicial aos animais e plantas como é para os seres humanos. Alguns estudos sugerem que ela poderá ser até mais prejudicial para certas espécies, como as abelhas, cuja capacidade de orientação é prejudicada pela radiação eletromagnética, ou insetos cujas membranas ou sistemas nervosos delicados poderiam ser danificados por radiação eletromagnética em certas frequências. Até mesmo os animais de estimação em nossos lares poderão ser tão vulneráveis a 5G quanto nós somos. Além do maior risco de tumores, cataratas e outros males físicos observáveis, eles poderão sentir dores que seus proprietários serão incapazes de tratar, ou até mesmo de reconhecer.

Gostaríamos de dizer muito mais sobre este assunto, mas há um limite para o que podemos cobrir em um ensaio como este. As implicações são imensas. Por exemplo, o colapso na população das abelhas terá consequências monumentais para a produção de alimentos e a sobrevivênca de muitas variedades de árvores e plantas.

Conclusões

As mentes que estão por trás da Nova Ordem Mundial não permitirão que nada fique no caminho de seus planos. Eles são implacáveis em todo o sentido da palavra, mas são também extremamente habilidosos em ocultar suas verdadeiras intenções. Eles sabem há mais de 60 anos o que 5G fará para a humanidade e fizeram todos os esforços para esconder do público qualquer informação científica que possa revelar o que está para acontecer. Talvez a única advertência eficaz que tenha conseguido passar pelo muro de silêncio deles tenha sido The Zapping of America: Microwaves, Their Deadly Risk, and the Cover-up, de Paul Brodeur, um jornalista investigativo, publicado em 1977.

O Departamento de Defesa está trabalhando de perto com a indústria eletrônica nas últimas décadas para desenvolver uma variedade de armas baseadas em radiação eletromagnética. Portanto, o Departamento tem acesso a uma riqueza de dados que não são revelados, dados que mostram abrangentemente a variedade de efeitos que a radiação eletromagnética de diferentes frequências e intensidades pode gerar quando direcionada contra o corpo humano. Os altos oficiais militares já sabem que 5G será prejudicial e que após 5-6 anos os efeitos serão irreversíveis.

Uma das armas de radiação eletromagnética mais bem conhecida, desenvolvida pelas forças armadas dos EUA, é o Sistema de Negação Ativa. Aqui está como a Wikipedia o descreve: "O Sistema de Negação Ativa (ADS, de Active Denial System) é uma arma não-letal de energia direcionada, desenvolvida pelas forças armadas dos EUA, projetada para negação de área, de perímetro de segurança e controle de multidões. Informalmente, a arma também é chamada de raio de aquecimento, pois funciona aquecendo as superfícies dos alvos, como a pele dos alvos humanos... O ADS funciona disparando um feixe de alta energia de ondas de 95 GHz contra o alvo, o que corresponde a um comprimento de onda de 3,2 milímetros." Observe que a Wikipedia deixa de mencionar que o "feixe" é radiação eletromagnética. Observe também que 5G opera no mesmo espectro milimétrico que o armamento ADS.

A ocultação à qual Paul Brodeur se referiu em 1977 está ocorrendo há décadas. Muitos cientistas que trabalharam neste campo e que compreendem os perigos, já observaram há muito tempo que a documentação e os relatórios oficiais preparados pelas forças armadas em vários países, especialmente os membros da OTAN, nunca fazem referência aos efeitos não-térmicos da radiação eletromagnética.

O relatório preparado por Karl Hecht, ao qual já nos referimos, foi comissionado em 1996 por um órgão oficial do governo, a Agência Federal Alemã das Telecomunicações (agora conhecida como Agência da Rede Federal). A agência queria saber o que os estudos soviéticos sobre a exposição de longo prazo à radiação eletromagnética tinham descoberto. Quando Hecht apresentou seu relatório, com suas alarmantes revelações, o relatório foi caladamente encaminhado para os arquivos da agência e nunca foi liberado para o público. Hecht ficou grandemente desconcertado por essa atitude. Mais tarde, quando descobriu que seu contrato não impedia que ele mesmo apresentasse o relatório, ele o tornou disponível para outros cientistas.

Há muitos anos que se sabe que os militares russos emitiram radiação eletromagnética contra a embaixada americana em Moscou, aparentemente para testar seus efeitos em um ambiente "vivo". Muitos funcionários da embaixada adoeceram e diversos deles morreram de câncer.

A pesquisa militar sobre os usos da radiação eletromagnética mostram que certas frequências produzem efeitos neurológicos específicos. Por exemplo, radiação eletromagnética de uma determinada frequência pode fazer uma pessoa ouvir vozes, por meio da estimulação dos nervos da audição — à distância. Se a vítima não souber que um feixe de radiação eletromagnética codificada está sendo direcionado contra ela, pode pensar que está tendo uma alucinação, ou recebendo mensagens de uma fonte sobrenatural. Outras frequências fazem a vítima experimentar medo extremo ou intensa irritação. Os armamentos baseados nesses princípios poderão ser muito eficazes no campo de batalha. Eles também poderão ser usados contra a população civil, para o controle das multidões ou para incitar uma turba enfurecida a se comportar de um determinado modo.

A Palavra de Deus Descreve o Ímpio

O Maligno é exatamente isto — maligno! Ele também é o Adversário e o grande enganador. Aqueles que o servem e o seguem estão profundamente embuídos com os mesmos atributos destrutivos. Ele é um mentiroso e homicida e assim também são seus seguidores. Se nos esquecermos disso, corremos perigo.

Os cérebros que estão por trás da Nova Ordem Mundial são membros de famílias luciferianas de várias gerações. Eles desprezam o Cristianismo e os valores judaico-cristãos. Para eles, a "nova" ordem mundial é uma ordem em que as crenças e valores da antiga Babilônia dominam e controlam completamente todos os aspectos da atividade humana. Como eles atribuem grande importância aos símbolos e aos nomes, frequentemente marcam as obras de suas mãos com algo que proclame suas afiliações secretas. Podemos ver isto no programa 5G deles, que obviamente exerce um papel importante no plano deles de criar um sistema totalitário de controle.

A antena que aparecerá de forma mais proeminente no lançamento de 5G é uma que foi criada por uma companhia chamada Artemis:

Na mitologia grega, Artêmis era uma deusa e irmã gêmea de Apolo. Os romanos a conheciam como Diana, a Caçadora. Já encontramos esta figura no nosso ensaio sobre o aborto e a deusa (leia "O Vínculo Entre a Adoração à Deusa, a Feitiçaria e a Prática do Aborto".)

Uma bem conhecida acadêmica feminista, a professora Ginette Paris, publicou um livro em 1992 — The Sacrament of Abortion (O Sacramento do Aborto) — que disse ao mundo o verdadeiro significado de Artêmis para aqueles que estão trazendo a Nova Ordem Mundial. O livro dela foi tão controverso, tão patentemente luciferiano, que posteriormente foi relançado com um novo título, The Psychology of Abortion (A Psicologia do Aborto), em 2007. Na introdução, ela diz: "Os valores judaico-cristãos, que podem ter parecido necessários, talvez até redentores, cerca de 2.000 anos atrás, agora parecem mais e mais irresponsáveis, e tentarei mostrar como eles são infinitamente mais cruéis do que o aborto."

Podemos ver aqui, não apenas a rejeição da verdade bíblica, mas um retrato do Cristianismo como algo perigoso, um movimento cujo tempo já passou e cuja existência continuada não será mais tolerada.

As seguintes citações do livro dela dão uma visão geral dentro da mentalidade pagã tenebrosa que está por trás da Nova Ordem Mundial. Elas também revelam a crença chocante que o assassinato de crianças é de algum modo necessário para a saúde e bem-estar do Cosmos:

"Recebi inspiração em todo este livro de uma imagem orientadora, a Artêmis da mitologia grega (conhecida pelos romanos como Diana, a Caçadora). Ela é uma Deusa indomada..." (pág. 1).

"Este livrinho desenvolve a ideia que o aborto é um ato sagrado, que é uma expressão da responsabilidade materna e não um fracasso do amor materno." (pág. 8).

"Quando as mulheres decidem abortar, elas fazem isso por questão de princípios que não são diferentes daqueles invocados por aqueles que criam as guerras: liberdade, autodeterminação, questões de dignidade tão importantes quanto a própria sobrevivência de uma pessoa." (pág. 25).

"A guerra é muito mais irracional e excessiva do que exercer o direito ao aborto, e o poder da morte esteve exclusivamente nas mãos dos homens por tempo demais... a antiga Deusa Artêmis nos convida a imaginar uma nova alocação dos poderes de vida e morte entre homens e mulheres..." (pág. 26-27).

"Artêmis tinha uma reputação de gostar de sacrifícios de sangue, incluindo sangue humano, desde a mais antiga história religiosa registrada da Grécia, uma prática que deu ao paganismo uma má reputação... o aborto é um tipo de sacrifício..." (pág. 34).

"Ela (Artêmis) é uma Deusa pagã, porém é a personificação dos valores absolutos, da pureza a qualquer preço, a qualidade que leva inevitavelmente ao martírio." (pág. 43).

"Nossa cultura necessita de novos rituais, bem como de leis para restaurar para o aborto sua dimensão sagrada, que é tanto terrível e necessária." (pág. 92).

"O aborto como um sacrifício a Artêmis. Aborto como um sacramento — para o dom da vida permanecer puro." (pág. 107).

É incomum encontrar uma coleção de citações por um único autor que expressa tão perfeitamente a profundidade do mal que está por trás da Nova Ordem Mundial, sua desconsideração psicopata pela vida humana, ou seu comprometimento integral com o plano de Satanás para a humanidade.

Como Artêmis é a deusa do sacrifício humano, podemos ver por que os Illuminati quiseram associar o nome dela com 5G. A mesma companhia também escolheu o mal-afamado símbolo yoni como seu logotipo. Há uma ironia tenebrosa em sua escolha de um símbolo da fertilidade para uma tecnologia que secretamente tem o objetivo de reduzir a fertilidade.

Isto é exatamente como a Palavra de Deus predisse:

"Porque ímpios se acham entre o meu povo; andam espiando, como quem arma laços; põem armadilhas, com que prendem os homens." [Jeremias 5:26].

"... também estes escolhem os seus próprios caminhos, e a sua alma se deleita nas suas abominações." [Isaías 66:3b].

Os Illuminati e seus acólitos estão realmente muito atarefados, armando laços, espreitando, predendo homens em suas arapucas e sentido prazer em suas abominações. Como a Bíblia diz, eles escolheram seus próprios caminhos e rejeitaram o caminho de Deus.

A Bíblia também aponta para a existência do mal organizado, de uma deslealdade gerada dentro de uma família, ou grupo de famílias. (A palavra "casas" em Jeremias 5:27 refere-se às dinastias de famílias, não às habitações delas):

"Como uma gaiola está cheia de pássaros, assim as suas casas estão cheias de engano; por isso se engrandeceram, e enriqueceram." [Jeremias 5:27].

"E será escolhida antes a morte do que a vida por todos os que restarem desta raça maligna, que ficarem em todos os lugares onde os lancei, diz o Senhor dos Exércitos." [Jeremias 8:3].

Os filhos de Deus não precisam temer os filhos da perversidade. Com toda sua esperteza e sua tecnologia, com toda suas vastas riquezas, supostos conhecimentos e superioridade intelectual, eles estão caminhando em direção ao julgamento e total destruição:

"Deveras o meu povo está louco, já não me conhece; são filhos néscios, e não entendidos; são sábios para fazer mal, mas não sabem fazer o bem." [Jeremias 4:22].

Eles vivem celebrando a morte e colherão plenamente a plantação tenebrosa que semearam.

Eles estão absolutamente convencidos que a vitória está ao seu alcance, mas o Senhor Deus enviará Seu Filho no tempo que Ele quiser. Que dia maravilhoso será este! Cristo destruirá totalmente essa cabala perversa e os incontáveis milhões que zombaram da mensagem do Evangelho e preferiram o caminho de Babilônia.

Ao encerrarmos, gostaríamos de observar que Isaías se referiu à obra de destruição que Cristo executará. A escolha de palavras do profeta é intrigante:

"E destruirá neste monte a face da cobertura, com que todos os povos andam cobertos, e o véu com que todas as nações se cobrem." [Isaías 25:7].

Embora muito provavelmente isto esteja relacionado com a ampla e envolvente cobertura de trevas e engodos que Satanás lançou sobre toda a Terra, também pode se referir em um senso maior à gigantesca rede eletrônica que o Maligno está construindo para controlar as mentes humanas.



Apêndice A:

Estudos Científicos Independentes Que Mostram Que a Exposição Prolongada à Radiação Eletromagnética Pode Causar Sérios Efeitos à Saúde

Nota: O mesmo ensaio pode aparecer dentro de mais de uma categoria.

A Radiação Eletromagnética Quebra as Sequências de DNA

1. Glaser ZR, PhD. 1971 Naval Medical Research Institute Research Report, June 1971. Bibliography of Reported Biological Phenomena ("Effects") and Clinical Manifestations Attributed to Microwave and Radio-Frequency Radiation. Report No. 2 Revised.

2. Goldsmith JR. 1997 Epidemiologic evidence relevant to radar (microwave) effects. Environ Health Perspect 105(Suppl 6):1579-1587.

3. Yakymenko I, Sidorik EP, Tsybulin AS. 1999 [Metabolic changes in cells under electromagnetic radiation of mobile communication systems]. Ukr Biokhim Zh (1999), 2011 Mar-Apr:20-28.

4. Aitken RJ, De Iuliis GN. 2007 Origins and consequences of DNA damage in male germ cells. Reprod Biomed Online 14:727-733.

5. Hardell, L., Sage, C. 2008. Biological effects from electromagnetic field exposure and public exposure standards. Biomed. Pharmacother. 62, 104-109.

6. Hazout A, Menezo Y, Madelenat P, Yazbeck C, Selva J, Cohen-Bacrie P. 2008 [Causes and clinical implications of sperm DNA damages]. Gynecol Obstet Fertil ;36:1109-1117.

7. Phillips JL, Singh NP, Lai H. 2009 Electromagnetic fields and DNA damage. Pathophysiology 16:79- 88.

8. Ruediger HW. 2009 Genotoxic effects of radiofrequency electromagnetic fields. Pathophysiology. 16:89-102.

9. Makker K, Varghese A, Desai NR, Mouradi R, Agarwal A. 2009 Cell phones: modern man's nemesis? Reprod Biomed Online 18:148-157.

10. Yakymenko I, Sidorik E. 2010 Risks of carcinogenesis from electromagnetic radiation and mobile telephony devices. Exp Oncol 32:729-736.

11. Yakymenko I, Sidorik EP, Tsybulin AS. 2011 [Metabolic changes in cells under electromagnetic radiation of mobile communication systems]. Ukr Biokhim Zh (1999). 2011 Mar-Apr;83(2):20-28.

12. Gye MC, Park CJ. 2012 Effect of electromagnetic field exposure on the reproductive system. Clin Exp Reprod Med 39:1-9.

13. Pall, ML. 2013. Electromagnetic fields act via activation of voltage-gated calcium channels to produce beneficial or adverse effects. J Cell Mol Med 17:958-965. doi: 10.1111/jcmm.12088.

14. Pall, M. L. 2015 Scientific evidence contradicts findings and assumptions of Canadian Safety Panel 6: microwaves act through voltage-gated calcium channel activation to induce biological impacts at non-thermal levels, supporting a paradigm shift for microwave/lower frequency electromagnetic field action. Rev. Environ. Health 3, 99-116. doi: 10.1515/reveh-2015-0001.

15. Houston BJ, Nixon B, King BV, De Iuliis GN, Aitken RJ. 2016 The effects of radiofrequency electromagnetic radiation on sperm function. Reproduction 152:R263-R276.

16. Batista Napotnik T, Rebersek M, Vernier PT, Mali B, Miklavcic D. 2016 Effects of high voltage nanosecond electric pulses on eukaryotic cells (in vitro): A systematic review. Bioelectrochemistry. 2016 Aug;110:1-12. doi: 10.1016/j.bioelechem.2016.02.011.

17. Asghari A, Khaki AA, Rajabzadeh A, Khaki A. 2016 A review on Electromagnetic fields (EMFs) and the reproductive system. Electron Physician. 2016 Jul 25;8(7):2655-2662. doi: 10.19082/2655.

18. Pall ML. 2018 How cancer can be caused by microwave frequency electromagnetic field (EMF) exposures: EMF activation of voltage-gated calcium channels (VGCCs) can cause cancer including tumor promotion, tissue invasion and metastasis via 15 mechanisms. Chapter 7 in Mobile Communications and Public Health, Marko Markov, Ed., CRC press, pp 167-188.

19. Pall ML. 2018 Wi-Fi is an important threat to human health. Environ Res 164:404-416.

A Radiação Eletromagnética Reduz a Fertilidade

20. Glaser ZR, PhD. 1971 Naval Medical Research Institute Research Report, June 1971. Bibliography of Reported Biological Phenomena (“Effects”) and Clinical Manifestations Attributed to Microwave and Radio-Frequency Radiation. Report No. 2 Revised

21. Tolgskaya MS, Gordon ZV. 1973. Pathological Effects of Radio Waves, Translated from Russian by B Haigh. Consultants Bureau, New York/London, 146 pages.

22. Goldsmith JR. 1997 Epidemiological evidence relevant to radar (microwave) effects. Environ Health Perspect 105(Suppl 6):1579-1587.

23. Aitken RJ, De Iuliis GN. 2007 Origins and consequences of DNA damage in male germ cells. Reprod Biomed Online 14:727-733.

24. Hazout A, Menezo Y, Madelenat P, Yazbeck C, Selva J, Cohen-Bacrie P. 2008 [Causes and clinical implications of sperm DNA damages]. Gynecol Obstet Fertil ;36:1109-1117.

25. Makker K, Varghese A, Desai NR, Mouradi R, Agarwal A. 2009 Cell phones: modern man's nemesis? Reprod Biomed Online 18:148-157.

26. Kang N, Shang XJ, Huang YF. 2010 [Impact of cell phone radiation on male reproduction]. Zhonghua Nan Ke Xue 16:1027-1030.

27. Gye MC, Park CJ. 2012 Effect of electromagnetic field exposure on the reproductive system. Clin Exp Reprod Med 39:1-9.

28. La Vignera S, Condorelli RA, Vicari E, D'Agata R, Calogero AE. 2012 Effects of the exposure to mobile phones on male reproduction: a review of the literature. J Androl 33:350-356.

29. Carpenter DO. 2013 Human disease resulting from exposure to electromagnetic fields. Rev Environ Health 2013;28:159-172.

30. Nazlroglu M, Yuksel M, Kose SA, Ozkaya MO. 2013 Recent reports of Wi-Fi and mobile phone- induced radiation on oxidative stress and reproductive signaling pathways in females and males. J Membr Biol 246:869-875.

31. Adams JA, Galloway TS, Mondal D, Esteves SC, Mathews F. 2014 Effect of mobile telephones on sperm quality: a systematic review and meta-analysis. Environ Int 70:106-112.

32. Liu K, Li Y, Zhang G, Liu J, Cao J, Ao L, Zhang S. 2014 Association between mobile phone use and semen quality: a systematic review and meta-analysis. Andrology 2:491-501.

33. K Sri N. 2015 Mobile phone radiation: physiological & pathophysiologcal considerations. Indian J Physiol Pharmacol 59:125-135.

34. Houston BJ, Nixon B, King BV, De Iuliis GN, Aitken RJ. 2016 The effects of radiofrequency electromagnetic radiation on sperm function. Reproduction 152:R263-R276.

35. Pall ML. 2018 Wi-Fi is an important threat to human health. Environ Res 164:404-416.

A Radiação Eletromagnética Causa Efeitos Neurológicos

36. Marha K. 1966 Biological Effects of High-Frequency Electromagnetic Fields (Translation). ATD Report 66-92. July 13, 1966 (ATD Work Assignment No. 78, Task 11).

37. Glaser ZR, PhD. 1971 Naval Medical Research Institute Research Report, June 1971. Bibliography of Reported Biological Phenomena (“Effects”) and Clinical Manifestations Attributed to Microwave and Radio-Frequency Radiation. Report No. 2 Revised.

38. Tolgskaya MS, Gordon ZV. 1973. Pathological Effects of Radio Waves, Translated from Russian by by Haigh. Consultants Bureau, New York/London, 146 pages.

39. Bise W. 1978 Low power radio-frequency and microwave effects on human electroencephalogram and behavior. Physiol Chem Phys 10:387-398.

40. Raines, J. K. 1981. Electromagnetic Field Interactions with the Human Body: Observed Effects and Theories. Greenbelt, Maryland: National Aeronautics and Space Administration 1981; 116 p.

41. Frey AH. 1993 Electromagnetic field interactions with biological systems. FASEB J 7:272-281.

42. Lai H. 1994 Neurological effects of radiofrequency electromagnetic radiation. In: Advances in Electromagnetic Fields in Living Systems, Vol. 1, J.C. Lin, Ed., Plenum Press, New York, pp. 2788.

43. Grigoriev IuG. 1996 [Role of modulation in biological effects of electromagnetic radiation]. Radiats Biol Radioecol 36:659-670.

44. Lai, H 1998 Neurological effects of radiofrequency electromagnetic radiation.

45. Aitken RJ, De Iuliis GN. 2007 Origins and consequences of DNA damage in male germ cells. Reprod Biomed Online 14:727-733.

46. Hardell, L., Sage, C. 2008. Biological effects from electromagnetic field exposure and public exposure standards. Biomed. Pharmacother. 62, 104-109.

47. Makker K, Varghese A, Desai NR, Mouradi R, Agarwal A. 2009 Cell phones: modern man's nemesis? Reprod Biomed Online 18:148-157.

48. Khurana VG, Hardell L, Everaert J, Bortkiewicz A, Carlberg M, Ahonen M. 2010 Epidemiological evidence for a health risk from mobile phone base stations. Int J Occup Environ Health 16:263-267.

49. Levitt, B. B., Lai, H. 2010. Biological effects from exposure to electromagnetic radiation emitted by cell tower base stations and other antenna arrays. Environ. Rev. 18, 369-395.

50. Carpenter DO. 2013 Human disease resulting from exposure to electromagnetic fields. Rev Environ Health 2013;28:159-172.

51. Politanski P, Bortkiewicz A, Zmyslony M. 2016 [Effects of radio- and microwaves emitted by wireless communication devices on the functions of the nervous system selected elements]. Med Pr 67:411-421.

52. Pall ML. 2016 Microwave frequency electromagnetic fields (EMFs) produce widespread neuropsychiatric effects including depression. J Chem Neuroanat 75(Pt B):43-51. doi: 10.1016/j.jchemneu.2015.08.001.

53. Hecht, Karl. 2016 Health Implications of Long-Term Exposures to Electrosmog. Brochure 6 of A Brochure Series of the Competence Initiative for the Protection of Humanity, the Environment and Democracy.

54. Sangun O, Dundar B, Comlekci S, Buyukgebiz A. 2016 The Effects of Electromagnetic Field on the Endocrine System in Children and Adolescents. Pediatr Endocrinol Rev 13:531-545.

55. Belyaev I, Dean A, Eger H, Hubmann G, Jandrisovits R, Kern M, Kundi M, Moshammer H, Lercher P, Muller K, Oberfeld G, Ohnsorge P, Pelzmann P, Scheingraber C, Thill R. 2016 EUROPAEM EMF Guideline 2016 for the prevention, diagnosis and treatment of EMF-related health problems and illnesses. Rev Environ Health DOI 10.1515/reveh-2016-0011.

56. Zhang J, Sumich A, Wang GY. 2017 Acute effects of radiofrequency electromagnetic field emitted by mobile phone on brain function. Bioelectromagnetics 38:329-338. doi: 10.1002/bem.22052.

57. Lai H. 2018. A Summary of Recent Literature (2007–2017) on Neurological Effects of Radio Frequency Radiation. Chapter 8 in Mobile Communications and Public Health, Marko Markov, Ed., CRC press, pp 189-224.

58. Pall ML. 2018 Wi-Fi is an important threat to human health. Environ Res 164:404-416.

A Radiação Eletromagnética Aumenta a Morte Programada da Célula

59. Glaser ZR, PhD. 1971 Naval Medical Research Institute Research Report, June 1971. Bibliography of Reported Biological Phenomena (“Effects”) and Clinical Manifestations Attributed to Microwave and Radio-Frequency Radiation. Report No. 2 Revised.

60. Tolgskaya MS, Gordon ZV. 1973. Pathological Effects of Radio Waves, Translated from Russian by B Haigh. Consultants Bureau, New York/London, 146 pages.

61. Raines, J. K. 1981. Electromagnetic Field Interactions with the Human Body: Observed Effects and Theories. Greenbelt, Maryland: National Aeronautics and Space Administration 1981; 116 p.

62. Hardell L, Sage C. 2008. Biological effects from electromagnetic field exposure and public exposure standards. Biomed. Pharmacother. 62:104-109. doi: 10.1016/j.biopha.2007.12.004.

63. Makker K, Varghese A, Desai NR, Mouradi R, Agarwal A. 2009 Cell phones: modern man's nemesis? Reprod Biomed Online 18:148-157.

64. Levitt, B. B., Lai, H. 2010. Biological effects from exposure to electromagnetic radiation emitted by cell tower base stations and other antenna arrays. Environ. Rev. 18, 369-395.

65. Yakymenko I, Sidorik E. 2010 Risks of carcinogenesis from electromagnetic radiation and mobile telephony devices. Exp Oncol 32:729-736.

66. Yakimenko IL, Sidorik EP, Tsybulin AS. 2011 [Metabolic changes in cells under electromagnetic radiation of mobile communication systems]. Ukr Biokhim Zh (1999). 2011 Mar-Apr;83(2):20-28.

67. Pall, ML. 2013. Electromagnetic fields act via activation of voltage-gated calcium channels to produce beneficial or adverse effects. J Cell Mol Med 17:958-965. doi: 10.1111/jcmm.12088.

68. Pall ML. 2016 Microwave frequency electromagnetic fields (EMFs) produce widespread neuropsychiatric effects including depression. J Chem Neuroanat 75(Pt B):43-51. doi: 10.1016/j.jchemneu.2015.08.001.

69. Batista Napotnik T, Rebersek M, Vernier PT, Mali B, Miklavcic D. 2016 Effects of high voltage nanosecond electric pulses on eukaryotic cells (in vitro): A systematic review. Bioelectrochemistry. 2016 Aug;110:1-12. doi: 10.1016/j.bioelechem.2016.02.011.

70. Asghari A, Khaki AA, Rajabzadeh A, Khaki A. 2016 A review on Electromagnetic fields (EMFs) and the reproductive system. Electron Physician. 2016 Jul 25;8(7):2655-2662. doi: 10.19082/2655.

71. Pall ML. 2018 Wi-Fi is an important threat to human health. Environ Res 164:404-416.

A Radiação Eletromagnética Aumenta o Estresse Oxidativo

72. Raines, J. K. 1981. Electromagnetic Field Interactions with the Human Body: Observed Effects and Theories. Greenbelt, Maryland: National Aeronautics and Space Administration 1981; 116 p.

73. Hardell, L., Sage, C. 2008. Biological effects from electromagnetic field exposure and public exposure standards. Biomed. Pharmacother. 62, 104-109.

74. Hazout A, Menezo Y, Madelenat P, Yazbeck C, Selva J, Cohen-Bacrie P. 2008 [Causes and clinical implications of sperm DNA damages]. Gynecol Obstet Fertil ;36:1109-1117.

75. Makker K, Varghese A, Desai NR, Mouradi R, Agarwal A. 2009 Cell phones: modern man's nemesis? Reprod Biomed Online 18:148-157.

76. Desai NR, Kesari KK, Agarwal A. 2009 Pathophysiology of cell phone radiation: oxidative stress and carcinogenesis with focus on the male reproductive system. Reproduct Biol Endocrinol 7:114.

77. Yakymenko I, Sidorik E. 2010 Risks of carcinogenesis from electromagnetic radiation and mobile telephony devices. Exp Oncol 32:729-736.

78. Yakimenko I, Sidorik EP, Tsybulin AS. 2011 [Metabolic changes in cells under electromagnetic radiation of mobile communication systems]. Ukr Biokhim Zh (1999). 2011 Mar-Apr;83(2):20-28.

79. Consales, C., Merla, C., Marino, C., et al. 2012. Electromagnetic fields, oxidative stress, and neurodegeneration. Int. J. Cell Biol. 2012: 683897.

80. LaVignera et al 2012 La Vignera S, Condorelli RA, Vicari E, D'Agata R, Calogero AE. 2012 Effects of the exposure to mobile phones on male reproduction: a review of the literature. J Androl 33:350-356.

81. Pall, ML. 2013. Electromagnetic fields act via activation of voltage-gated calcium channels to produce beneficial or adverse effects. J Cell Mol Med 17:958-965. doi: 10.1111/jcmm.12088.

82. Nazlroglu M, Yuksel M, Kose SA, Ozkaya MO. 2013 Recent reports of Wi-Fi and mobile phone- induced radiation on oxidative stress and reproductive signaling pathways in females and males. J Membr Biol 246:869-875.

83. Pall, M. L. 2015. Scientific evidence contradicts findings and assumptions of Canadian Safety Panel 6: microwaves act through voltage-gated calcium channel activation to induce biological impacts at non-thermal levels, supporting a paradigm shift for microwave/lower frequency electromagnetic field action. Rev. Environ. Health 3, 99-116.

84. Yakimenko I, Tsybulin O, Sidorik E, Henshel D, Kyrylenko O, Kysylenko S. 2015 Oxidative mechanisms of biological activity of low-intensity radiofrequency radiation. Electromagnetic Biol Med: Early Online 1-16. ISSN: 1536-8378.

85. Houston BJ, Nixon B, King BV, De Iuliis GN, Aitken RJ. 2016 The effects of radiofrequency electromagnetic radiation on sperm function. Reproduction 152:R263-R276.

86. Dasdag S, Akdag MZ. 2016 The link between radiofrequencies emitted from wireless technologies and oxidative stress. J Chem Neuroanat 75(Pt B):85-93.

87. Wang H, Zhang X. 2017 Magnetic fields and reactive oxygen species. Int J Mol Sci. 2017 Oct 18;18(10). pii: E2175. doi: 10.3390/ijms18102175.

88. Pall ML. 2018 Wi-Fi is an important threat to human health. Environ Res 164:404-416.

A Radiação Eletromagnética Afeta a Secreção de Hormônios

89. Glaser ZR, PhD. 1971 Naval Medical Research Institute Research Report, June 1971. Bibliography of Reported Biological Phenomena (“Effects”) and Clinical Manifestations Attributed to Microwave and Radio-Frequency Radiation. Report No. 2 Revised.

90. Tolgskaya MS, Gordon ZV. 1973. Pathological Effects of Radio Waves, Translated from Russian by B Haigh. Consultants Bureau, New York/London, 146 pages.

91. Raines, J. K. 1981. Electromagnetic Field Interactions with the Human Body: Observed Effects and Theories. Greenbelt, Maryland: National Aeronautics and Space Administration 1981; 116 p.

92. Hardell, L., Sage, C. 2008. Biological effects from electromagnetic field exposure and public exposure standards. Biomed. Pharmacother. 62, 104-109.

93. Makker K, Varghese A, Desai NR, Mouradi R, Agarwal A. 2009 Cell phones: modern man's nemesis? Reprod Biomed Online 18:148-157.

94. Gye MC, Park CJ. 2012 Effect of electromagnetic field exposure on the reproductive system. Clin Exp Reprod Med 39:1-9.

95. Pall, M. L. 2015. Scientific evidence contradicts findings and assumptions of Canadian Safety Panel 6: microwaves act through voltage-gated calcium channel activation to induce biological impacts at non-thermal levels, supporting a paradigm shift for microwave/lower frequency electromagnetic field action. Rev. Environ. Health 3, 99-116.

96. Sangun O, Dundar B, Comlekci S, Buyukgebiz A. 2016 The Effects of Electromagnetic Field on the Endocrine System in Children and Adolescents. Pediatr Endocrinol Rev 13:531-545.

97. Hecht, Karl. 2016 Health Implications of Long-Term Exposures to Electrosmog. Brochure 6 of A Brochure Series of the Competence Initiative for the Protection of Humanity, the Environment and Democracy.

98. Asghari A, Khaki AA, Rajabzadeh A, Khaki A. 2016 A review on Electromagnetic fields (EMFs) and the reproductive system. Electron Physician. 2016 Jul 25;8(7):2655-2662. doi: 10.19082/2655.

99. Pall ML. 2018 Wi-Fi is an important threat to human health. Environ Res 164:404-416. A Radiação Eletromagnética Fundamentalmente Afeta Células Individuais.

100. Adey WR. 1988 Cell membranes: the electromagnetic environment and cancer promotion. Neurochem Res.13:671-677.

101. Walleczek, J. 1992. Electromagnetic field effects on cells of the immune system: the role of calcium signaling. FASEB J. 6, 3177-3185.

102. Adey, WR. 1993 Biological effects of electromagnetic fields. J Cell Biochem 51:410-416.

103. Frey AH. 1993 Electromagnetic field interactions with biological systems. FASEB J 7:272-281.

104. Yakimenko IL, Sidorik EP, Tsybulin AS. 1999 [Metabolic changes in cells under electromagnetic radiation of mobile communication systems]. Ukr Biokhim Zh (1999), 2011 Mar-Apr:20-28.

105. Gye MC, Park CJ. 2012 Effect of electromagnetic field exposure on the reproductive system. Clin Exp Reprod Med 39:1-9.

106. Pall, ML. 2013. Electromagnetic fields act via activation of voltage-gated calcium channels to produce beneficial or adverse effects. J Cell Mol Med 17:958-965. doi: 10.1111/jcmm.12088.

107. Pall ML. 2014 Electromagnetic field activation of voltage-gated calcium channels: role in therapeutic effects. Electromagn Biol Med. 2014 Apr 8 doi: 10.3109/15368378.2014.906447.

108. Pall ML. 2015a How to approach the challenge of minimizing non-thermal health effects of microwave radiation from electrical devices. International Journal of Innovative Research in Engineering & Management (IJIREM) ISSN: 2350-0557, Volume-2, Issue -5, September 2015; 71- 76.

109. Pall, M. L. 2015 Scientific evidence contradicts findings and assumptions of Canadian Safety Panel 6: microwaves act through voltage-gated calcium channel activation to induce biological impacts at non-thermal levels, supporting a paradigm shift for microwave/lower frequency electromagnetic field action. Rev. Environ. Health 3, 99-116. doi: 10.1515/reveh-2015-0001.

110. Pall ML. 2016 Electromagnetic fields act similarly in plants as in animals: Probable activation of calcium channels via their voltage sensor. Curr Chem Biol 10: 74-82.

111. Pall ML. 2016 Microwave frequency electromagnetic fields (EMFs) produce widespread neuropsychiatric effects including depression. J Chem Neuroanat 75(Pt B):43-51. doi: 10.1016/j.jchemneu.2015.08.001.

112. Batista Napotnik T, Rebersek M, Vernier PT, Mali B, Miklavcic D. 2016 Effects of high voltage nanosecond electric pulses on eukaryotic cells (in vitro): A systematic review. Bioelectrochemistry. 2016 Aug;110:1-12. doi: 10.1016/j.bioelechem.2016.02.011.

113. Asghari A, Khaki AA, Rajabzadeh A, Khaki A. 2016 A review on Electromagnetic fields (EMFs) and the reproductive system. Electron Physician. 2016 Jul 25;8(7):2655-2662. doi: 10.19082/2655.

A Radiação Eletromagnética Aumenta Grandemente o Risco de Câncer

114. Dwyer, M. J., Leeper, D. B. 1978 A Current Literature Report on the Carcinogenic Properties of Ionizing and Nonionizing Radiation. DHEW Publication (NIOSH) 78-134, March 1978.

115. Marino AA, Morris DH. 1985 Chronic electromagnetic stressors in the environment. A risk factor in human cancer. J environ sci health C3:189-219.

116. Adey WR. 1988 Cell membranes: the electromagnetic environment and cancer promotion. Neurochem Res.13:671-677.

117. Adey WR. 1990 Joint actions of environmental nonionizing electromagnetic fields and chemical pollution in cancer promotion. Environ Health Perspect 86:297-305.

118. Frey AH. 1993 Electromagnetic field interactions with biological systems. FASEB J 7:272281.

119. Goldsmith JR. 1995 Epidemiological evidence of radiofrequency radiation (microwave) effects on health in military, broadcasting and occupational settings. Int J Occup Environ Health 1:47-57.

120. Goldsmith JR. 1997 Epidemiologic evidence relevant to radar (microwave) effects. Env Health Perspect 105(Suppl 6):1579-1587.

121. Kundi M, Kild K, Hardell L, Mattsson M. 2004 Mobile telephones and cancer – a review of the epidemiological evidence. J Toxicol Env Health, Part B 7:351-384.

122. Kundi M. 2004 Mobile phone use and cancer. Occup Env Med 61:560-570.

123. Behari J, Paulraj R. 2007 Biomarkers of induced electromagnetic field and cancer. Indian J Exp Biol 45:77-85.

124. Hardell L, Carlberg M, Soderqvist F, Hansson Mild K. 2008 Meta-analysis of long-term mobile phone use and the association with brain tumors. Int J Oncol 32:1097-1103.

125. Khurana VG, Teo C, Kundi M, Hardell L, Carlberg M. 2009 Cell phones and brain tumors: a review including the long-term epidemiologic data. Surg Neurol 72:205-214.

126. Desai NR, Kesari KK, Agarwal A. 2009 Pathophysiology of cell phone radiation: oxidative stress and carcinogenesis with focus on the male reproductive system. Reproduct Biol Endocrinol 7:114.

127. Davanipour Z, Sobel E. 2009 Long-term exposure to magnetic fields and the risks of Alzheimer's disease and breast cancer: Further biological research. Pathophysiology 16:149-156.

128. Yakymenko I, Sidorik E. 2010 Risks of carcinogenesis from electromagnetic radiation and mobile telephony devices. Exp Oncol 32:729-736.

129. Giuliani L, Soffriti M (Eds). 2010 Non-thermal Effects and Mechanisms of Interaction between Electromagnetic Fields and Living Matter, Ramazzini Institute Eur. J. Oncol. Library Volume 5, National Institute for the Study and Control of Cancer and Environmental Diseases “Bernardino Ramazzini” Bologna, Italy 2010, 400 page monograph.

130. Khurana, V. G., Hardell, L., Everaert, J., Bortkiewicz, A., Carlberg, M., Ahonen, M. 2010 Epidemiological evidence for a health risk from mobile phone base stations. Int. J. Occup. Environ. Health 16, 263-267.

131. Carpenter DO. 2010 Electromagnetic fields and cancer: the cost of doing nothing. Rev Environ Health 25:75-80.

132. Yakymenko, I., Sidorik, E., Kyrylenko, S., Chekhun, V. 2011. Long-term exposure to microwave radiation provokes cancer growth: evidences from radars and mobile communication systems. Exp. Oncol. 33(2), 62-70.

133. Biointiative Working Group, David Carpenter and Cindy Sage (eds). 2012 Bioinitiative 2012: A rationale for biologically-based exposure standards for electromagnetic radiation.

134. Ledoigt G, Belpomme D. 2013 Cancer induction molecular pathways and HF-EMF irradiation. Adv Biol Chem 3:177-186.

135. Hardell L, Carlberg M. 2013 Using the Hill viewpoints from 1965 for evaluating strengths of evidence of the risk for brain tumors associated with use of mobile and cordless phones. Rev Environ Health 28:97-106. doi: 10.1515/reveh-2013-0006.

136. Hardell L, Carlberg M, Hansson Mild K. 2013 Use of mobile phones and cordless phones is associated with increased risk for glioma and acoustic neuroma. Pathophysiology 2013;20(2):85110.

137. Davis DL, Kesari S, Soskolne CL, Miller AB, Stein Y. 2013 Swedish review strengthens grounds for concluding that radiation from cellular and cordless phones is a probable human carcinogen. Pathophysiology 20:123-129.

138. Morgan LL, Miller AB, Sasco A, Davis DL. 2015 Mobile phone radiation causes brain tumors and should be classified as a probable human carcinogen (2A). Int J Oncol 46(5): 1865-1871.

139. Mahdavi M, Yekta R, Tackallou SH. 2015 Positive correlation between ELF and RF electromagnetic fields on cancer risk. J Paramed Sci 6(3), ISSN 2008-4978.

140. Carlberg M, Hardell L. 2017 Evaluation of Mobile Phone and Cordless Phone Use and Glioma Risk Using the Bradford Hill Viewpoints from 1965 on Association or Causation. BioMed Res Int 2017, Article ID 9218486.

141. Bortkiewicz A, Gadzicka E, Szymczak W. 2017 Mobile phone use and risk for intracranial tumors and salivary gland tumors — A meta-analysis. Int J Occup Med Environ Health 30:27-43.

142. Bielsa-Fernandez P, Rodriguez-Martin B. 2017 [Association between radiation from mobile phones and tumour risk in adults]. Gac Sanit. 2017 Apr 12. pii: S0213-9111(17)30083-3. doi: 10.1016/j.gaceta.2016.10.014. [Epub ahead of print].

143. Alegria-Loyola MA, Galnares-Olalde JA, Mercado M. 2017 [Tumors of the central nervous system]. Rev Med Inst Mex Seguro Soc 55:330-334.

144. Prasad M, Kathuria P, Nair P, Kumar A, Prasad K. 2017 Mobile phone use and risk of brain tumours: a systematic review of association between study quality, source of funding, and research outcomes. Neurol Sci. 2017 Feb 17. doi: 10.1007/s10072-017-2850-8. [Epub ahead of print].

145. Miller A. 2017 References on cell phone radiation and cancer.

146. Hardell L. 2017 World Health Organization, radiofrequency radiation and health – a hard nut to crack (Review). Int J Oncol 51:405-413.

147. Pall ML. 2018 How cancer can be caused by microwave frequency electromagnetic field (EMF) exposures: EMF activation of voltage-gated calcium channels (VGCCs) can cause cancer including tumor promotion, tissue invasion and metastasis via 15 mechanisms. Chapter 7 in: Mobile Communications and Public Health, Marko Markov, Ed., CRC Press, pp 167-188.

Por Que 5G Será Até Mais Perigoso Que 4G Devido à Pulsação Aumentada

148. Osipov YuA, 1965 [Labor hygiene and the effect of radiofrequency electromagnetic fields on workers]. Leningrad Meditsina Publishing House, 220 pp.

149. Pollack H, Healer J. 1967 Review of Information on Hazards to Personnel from High-Frequency Electromagnetic Radiation. Institute for Defense Analyses; Research and Engineering Support Division. IDA/HQ 67-6211, Series B, May 1967.

150. Creighton MO, Larsen LE, Stewart-DeHaan PJ, Jacobi JH, Sanwal M, Baskerville JC, Bassen HE, Brown DO, Trevithick JR. 1987 In vitro studies of microwave-induced cataract. II. Comparison of damage observed for continuous wave and pulsed microwaves. Exp Eye Res 45:357-373.

151. Grigoriev IuG. 1996 [Role of modulation in biological effects of electromagnetic radiation]. Radiats Biol Radioecol 36:659-670.

152. Belyaev I. 2005 Non-thermal biological effects of microwaves. Microwave Rev 11:13-29.

153. Belyaev I. 2005 Non-thermal biological effects of microwaves: current knowledge, further perspective and urgent needs. Electromagn Biol Med 24(3):375-403.

154. Markov MS. 2007 Pulsed electromagnetic field therapy: History, state of the art and future. The Environmentalist 27:465-475.

155. Van Boxem K, Huntoon M, Van Zundert J, Patijn J, van Kleef M, Joosten EA. 2014 Pulsed radiofrequency: a review of the basic science as applied to the pathophysiology of radicular pain: a call for clinical translation. Reg Anesth Pain Med. 2014 Mar-Apr;39(2):149-59.

156. Belyaev, I. 2015. Biophysical mechanisms for nonthermal microwave effects. In: Electromagnetic Fields in Biology and Medicine, Marko S. Markov, ed, CRC Press, New York, pp 49-67.

157. Pall, M. L. 2015 Scientific evidence contradicts findings and assumptions of Canadian Safety Panel 6: microwaves act through voltage-gated calcium channel activation to induce biological impacts at non-thermal levels, supporting a paradigm shift for microwave/lower frequency electromagnetic field action. Rev. Environ. Health 3, 99-116. doi: 10.1515/reveh-2015-0001.

158. Panagopoulos DJ, Johansson O, Carlo GL. 2015 Real versus simulated mobile phone exposures in experimental studies. BioMed. Res. Int. 2015, article ID 607053, 8 pages. doi: 10.1155/2015/607053.

159. Batista Napotnik T, Rebersek M, Vernier PT, Mali B, Miklavcic D. 2016 Effects of high voltage nanosecond electric pulses on eukaryotic cells (in vitro): A systematic review. Bioelectrochemistry.

Solicitação Especial

Incentivamos os leitores frequentes a baixarem os ensaios disponíveis neste website para cópia de segurança e consulta futura. Eles poderão não estar disponíveis para sempre. Estamos entrando rapidamente em um tempo em que materiais deste tipo somente poderão ser obtidos via correio eletrônico. Os leitores que desejarem ser incluídos em uma lista para correspondência futura são bem-vindos a me contactar em jeremypauljames@gmail.com. Não é necessário fornecer o nome, apenas um endereço eletrônico.



Autor: Jeremy James, artigo em http://www.zephaniah.eu
Data da publicação: 10/1/2019
Transferido para a área pública em 14/6/2020
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/radiacao5g.asp