A Ira de Deus e a Noiva de Cristo

Autor: Jeremy James, Irlanda, 12/7/2019.

Existem vários indicadores na vida de um fiel cristão que mostram que ele verdadeiramente é um crente em Cristo, alguém que nasceu de novo em Cristo e é agora uma nova criatura. Não tentaremos enumerar cada um desses indicadores aqui, mas enfocaremos apenas um deles — nossa expectativa diária pelo Arrebatamento.

Parece que estamos caminhando para um tempo de perseguição real para os cristãos no mundo ocidental. Os Filhos da Perversidade não estão mais contentes em expulsar os cristãos do Oriente Médio e perseguir aqueles que vivem em países como China, Índia ou Paquistão. Eles estão agora se movendo rapidamente em direção à implementação de seus esquemas, para oprimir ativamente os cristãos que vivem nos EUA, Canadá, Europa e Austrália. Uma parte dessa opressão utilizará o Islã e sua profundamente enraizada intolerância pelo Cristianismo. A Elite sabe que, ao trazer mais e mais muçulmanos para a Europa e as Américas, ela está lançando o fundamento para uma dolorosa confrontação em alguma data futura. Mas, antes dessa data chegar, eles pretendem aplicar um golpe severo no Cristianismo bíblico no Ocidente.

Já estamos vendo ampla evidência de como isso está sendo colocado em prática, por meio da agenda LGBTQ. O objetivo deles é separar uma pequena proporção de cristãos verdadeiros, a partir de um corpo muito maior de cristãos nominais e, tendo feito isso, visar e vitimizar seus líderes. Uma vez que os pastores e líderes da comunidade cristã tenham sido removidos do caminho, a Elite espera que o restante capitulará ou se dispersará.

O Arrebatamento da Igreja

Em ensaios anteriores, mostramos que a Bíblia ensina um Arrebatamento Pré-Tribulação (chamaremos daqui para frente de APT) — veja os ensaios "Cristo Veio Duas Vezes em Sua Primeira Vinda e Virá Duas Vezes em Sua Segunda Vinda — Alguns Fatos Sobre o Arrebatamento", "Não se Perturbe Mais: Sólidas Provas nas Escrituras Que o Arrebatamento Antecederá a Tribulação" e "Por Que o Maligno Detesta o Arrebatamento Pré-Tribulação?" Também mostramos que um APT não entra em conflito de forma alguma com as referências frequentes na Palavra de Deus à perseguição perene ("tribulação") dos santos — veja "A Vindoura Perseguição aos Cristãos".

Aqueles que têm objeções ao APT normalmente fazem isso com base em que ele supostamente torna os fiéis cristãos indiferentes à crescente onda de impiedade no mundo hoje. Entretanto, ao dizerem isso, eles estão implicando que os cristãos verdadeiros que têm a "bem-aventurada esperança" não detestam o mal. E isto é falso.

A posição deles, teologicamente, está baseada em uma má compreensão da Palavra de Deus, uma falha em distinguir entre a turbulência de um mundo controlado por Satanás e a situação de um mundo sujeito à Ira de Deus.

A Ira de Deus caiu pela última vez sobre o mundo no tempo do Dilúvio. Isto não teve nada que ver com algum ato ou esquema iniciado pelo homem ou por Satanás. A Ira de Deus no fim dos tempos, que conhecemos como Tribulação de Sete Anos, será similar ao Dilúvio mundial. Ele também constituirá, desde o início até o fim, um julgamento soberano de Deus sobre toda a Terra.

A Ira de Deus no tempo do Dilúvio durou 150 dias — desde o início da inundação até o dia em que as águas começaram a minguar. A Ira de Deus na Tribulação durará um tempo muito maior — 2.520 dias (sete anos de 360 dias).

A Ira de Deus no fim dos tempos e a Tribulação de Sete Anos são o mesmo evento. Como Cristo suportou a ira de Deus no Calvário, e fez isso em nosso lugar, essa ira não pode dali para frente cair sobre a igreja. Seria impossível que isso acontecesse. É por isto que a igreja precisa ser tirada da Terra antes do início do período de 2.520 dias de Tribulação.

A perseguição à igreja ao longo do passagem de muitos séculos tem sido seu principal meio de santificação. Esse foi o sofrimento que a igreja foi obrigada a suportar, como testemunha de Cristo, estabelecida por Deus aqui na Terra. Isto foi infligido totalmente pelo Maligno e não teve nada que ver com a Ira de Deus! Tudo o que a igreja já sofreu na carne para seu Amado será adicionado grandemente para o adorno dela na glória. (Retornaremos a isto posteriormente.)

A Ira de Deus

A recusa de ver a Ira de Deus por aquilo que ela é tem causado muita confusão na igreja moderna. Quando Cristo retornar uma segunda vez, Ele virá como um leão, não como um cordeiro. O Pai Celestial O encarregará do grande Julgamento que afligirá toda a Terra. Por esta razão somente, a Noiva de Cristo não poderá estar aqui durante esse tempo de retribuição: "E o SENHOR levantará a sua voz diante do seu exército; porque muitíssimo grande é o seu arraial; porque poderoso é, executando a sua palavra; porque o dia do SENHOR é grande e mui terrível, e quem o poderá suportar?" [Joel 2:11].

Os julgamentos dos Sete Selos, que marcam o início da Tribulação de Sete Anos, são abertos pelo próprio Cristo. Seria perverso esperar que nosso Pai Celestial requeira que Seu Filho, ao fazer isso, derrame o fogo do julgamento sobre Sua noiva. Seria ainda mais perverso esperar que Ele faria isso, uma vez que Seu Filho já pagou a dívida do pecado da igreja no Calvário!

É uma marca de quão longe a exegese bíblica na igreja moderna se afastou da verdade literal da Palavra de Deus que conclusões insanas como essas sejam consideradas aceitáveis.

A igreja precisa ser tirada da Terra antes do início do período de sete anos da Tribulação. Aqueles que afirmam o contrário deixaram de compreender o que a Palavra de Deus nos diz sobre o Arrebatamento — embora possam haver boas razões para isso (veja abaixo) — ou eles estão tentando deliberadamente confundir e enganar os santos.

Também precisamos nos lembrar que a igreja SOFRERÁ provações ou perseguição antes do Arrebatamento (veja nosso ensaio anterior, "A Vindoura Perseguição aos Cristãos"). Isto já está acontecendo em muitas partes do mundo hoje e ficará cada vez pior, propagando-se para regiões que não experimentaram nada do tipo nos últimos séculos.

A Porta

Os cristãos serão atacados como preconceituosos e intolerantes, por se recusarem a aceitar que Deus fez generosa provisão para a salvação de almas por meio das outras religiões. Ele é um Deus tão amoroso, eles argumentam, que nunca confinou o caminho da redenção a somente uma rota. Ele ama todas as almas igualmente, independente de que religião elas sigam, e irá atrair para Si mesmo todos aqueles que vivem uma vida honesta e reta. A graça do Calvário está livremente disponível para todos, exatamente como Deus tinha em vista. Não é necessário se converter para o Cristianismo para se beneficiar daquilo que Cristo alcançou no Calvário para toda a humanidade. Por meio de Sua morte e ressurreição, Ele destravou uma porta para o céu, uma porta universal, pela qual todos podem passar, independente de sua afiliação religiosa.

Para o homem em sua condição caída, isto é uma mentira muito atrativa e um número muito grande escolherá acreditar nisso.

Esta mentira mortal nega a verdade mais importante de todas, isto é, que Cristo É a porta.

Nosso Pai Celestial forneceu uma porta para o céu, e essa porta é Seu Filho. A não ser que vamos diante de Cristo e O aceitemos como "o caminho, a verdade e a vida", estamos perdidos. Fazemos isso por meio da fé somente, pela graça e poder de convencimento do Espírito Santo.

Não existe outra porta. Todos que rejeitaram a Jesus Cristo, a porta viva, estão condenados a passar pelo julgamento do Grande Trono Branco e perder para sempre a alegria de viver na presença de Deus.

Cristo não é o caminho para a porta, como os ímpios querem que acreditemos, mas a própria porta. Todos que se recusam a aceitá-Lo como seu Senhor e Salvador, por qualquer razão que seja, afastaram-se da porta. Eles decidiram depender de suas próprias obras e de sua própria justiça como meio para a salvação.

Ao fazerem isso, eles rejeitam a redenção perfeita que Cristo forneceu e continuam a viver debaixo da condenação.

Um cristão verdadeiro sabe que, independente de quão devoto um "bom" muçulmano ou um "bom" hindu possa ser, ele ainda tem uma alma perdida. Ele ainda está em guerra com Deus. Ele ainda está esmagado pelo peso de seus próprios pecados e, até que peça o perfeito Redentor para libertá-lo, por meio da cruz do Calvário, permanecerá em servidão a Satanás.

Se isso soa horrível, é porque os efeitos do pecado são horríveis. O pecado surgiu por causa do orgulho. Este é o mesmo vil impedimento que impede o incrédulo de vir a Cristo, em verdadeira humildade e arrependimento.

A Moralidade Pagã da Nova Ordem Mundial

O cristão que é fiel à Palavra de Deus, em breve será considerado como um preconceituoso intolerante, não somente por que afirma que a salvação é encontrada somente em Cristo, mas por causa de sua rejeição em aceitar, ou reconhecer como válida, a moralidade pagã da Nova Ordem Mundial. Um cristão pode amar o pecador e odiar o pecado, porém o mundo zombará dessa atitude como sendo condescendente e elitista. Será esperado que ele desconsidere totalmente o pecado e trate como natural, saudável e agradável a Deus muitos tipos de comportamentos que são profundamente condenados na Bíblia.

É assim que o Maligno espera separar os santos de Deus. Ele quer colocá-los em uma situação em que suas orações não tenham efeito — por que eles tolamente manifestaram apoio à nova moralidade ("Se eu atender à iniquidade no meu coração, o SENHOR não me ouvirá." — [Salmos 66:18]). Alternativamente, se eles permanecerem firmes em sua posição, ficarão abertos à perseguição e sob o peso da lei.

Um fiel cristão poderá ser perseguido por usar a palavra errada. A agenda LGBTQ tem o objetivo de prender em uma cilada qualquer um que se atrever a defender o ensino bíblico a respeito dos gêneros, referenciando-se a um homem e uma mulher, respectivamente pelos pronomes apropriados "ele" e "ela". Como o profeta Isaías predisse, "por uma palavra" ele será considerado um infrator:

"Os que fazem culpado ao homem por uma palavra, e armam laços ao que repreende na porta, e os que sem motivo põem de parte o justo." [Isaías 29:21].

Para os cristãos nascidos de novo, isso somente pode significar uma coisa: A guerra chegou até o seu quintal. Em bem pouco tempo teremos de fazer uma escolha decisiva entre os caminhos do mundo e a Palavra de Deus. Muitos cristãos nominais farão aquilo que várias denominações, como as Igrejas Anglicana e Episcopal, já estão fazendo — reinterpretando a Bíblia para acomodar a agenda LGBTQ. Os batistas e outras denominações estão sob intensa pressão para seguir o mesmo caminho, e muitos de seus líderes parecem ávidos para contemporizar.

Estamos prestes a testemunhar uma grande crise na igreja. Os pastores e pregadores em toda a Europa e Américas serão solicitados a manifestar apoio à agenda LGBTQ, talvez participando de uma cerimônia que valide o estilo de vida homossexual, ou tomar uma posição que inequivocamente rejeite esse estilo de vida — provavelmente recusando uma solicitação de realizar esse tipo de cerimônia. Todos os que seguirem a segunda alternativa incorrerão em uma penalidade legal de algum tipo, como uma multa pesada. Eles também receberão uma ordem judicial para atenderem à solicitação, ou enfrentar penas financeiras adicionais. A incidência na rejeição poderá resultar no confisco da propriedade ou em uma sentença de prisão. Uma igreja poderá até mesmo perder seu alvará para funcionar.

Quantos apoiarão esses pastores e pregadores?

A Grande Apostasia

Isto é estranhamente similar à grande "apostasia" sobre a qual o apóstolo Paulo fala em 2 Tessalonicenses 2:3. A apostasia não é, como alguns supõem, um movimento significativo de cristãos professos para a descrença ou para outra religião, mas, ao contrário, um desvio geral para uma forma falsa de Cristianismo. Paulo escolheu a palavra "apostasia" por uma razão. Um apóstata não é alguém que abandonou sua religião, mas alguém que aceita e recebe uma mudança crítica e maligna em sua teologia.

Uma grande parte desse falso Cristianismo já existe em forma embrionária. Qualquer um que esteja familiarizado com os ensinos da Igreja com Propósitos, o Evangelho da Prosperidade, Palavra da Fé, ou as várias encarnações da Nova Reforma Apostólica, já discerniu os contornos do apóstata Cristianismo do fim dos tempos. O misticismo da Nova Era fincou os pés dentro da igreja evangélica e a maior parte, se não todos, dos principais papéis de liderança e cargos acadêmicos/letivos são preenchidos por maçons e vários outros impostores.

No livro do Apocalipse, cap. 17, quando João viu a Mãe das Meretrizes, ele escreveu: "... E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração." [Apocalipse 17:6]. Ele ficou grandemente admirado com a visão. A igreja de Cristo tinha se tornado, em sua forma degradada no fim dos tempos, uma mulher vestida em cores púrpura e escarlate, adornada com ouro e pedras preciosas. Aquilo não era outra religião, mas uma paródia nauseante do verdadeiro Cristianismo.

O Dia de Cristo e o Dia do Senhor

Podemos ter uma rápida visão das trevas que já estão operando na igreja, olhando as traduções corruptas da Bíblia que agora estão sendo usadas em tantas igrejas supostamente bíblicas. A Nova Versão Internacional (NVI) é, provavelmente, a pior, uma obra espertamente torcida, que é usada por 80%, ou mais, dos cristãos professos. Mas, as outras traduções também contêm muitas mentiras estratégicas — termos e conceitos que foram deliberadamente mal traduzidos, de modo a obscurescer uma verdade importante e levar os fiéis cristãos ao erro.

Vamos considerar apenas um exemplo. A tradução Almeida Corriigda e Fiel (ACF) refere-se ao "dia de Cristo" no seguinte verso:

"Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto." [2 Tessalonicenses 2:2].

O que esse termo significa? Para qualquer um que se preocupa com a verdade do Arrebatamento Pré-Tribulação, esta é uma questão importante. O termo não se refere ao "dia do Senhor', que, como numerosas outras passagens da Escritura confirmam, designa a ocasião quando Cristo retornará para punir os ímpios.

Como mostramos em um ensaio anterior ("Por Que o Maligno Detesta o Arrebatamento Pré-Tribulação?"), "o dia do Senhor Jesus" (1 Coríntios 5:5 e 2 Coríntios 1:14), o "dia de Jesus Cristo" (Filipenses 1:6) e "o dia de Cristo" (Filipenses 1:10 e 2:16; 2 Tessalonicenses 2:2) TODOS se referem à mesma ocasião profética, o dia da ressurreição dos santos e o Arrebatamento da Igreja. Eles NÃO se referem ao dia do Senhor, que é um evento posterior e separado, conhecido como a Tribulação de sete anos.

Por que várias traduções confundem "o dia do Senhor" com "o dia do Senhor Jesus"? Os eruditos e acadêmicos provavelmente apontarão para dois manuscritos antigos que excluem o nome "Jesus". Mas, ao fazerem isso, eles estão rejeitando o testemunho de várias centenas de manuscritos que o incluem.

Este é um erro muito sério e chocante. Podemos ver, a partir das traduções abaixo, que isto encontrou um modo de entrar nas versões bíblicas usadas pela vasta maioria de cristãos hoje:

1 Coríntios 5:5 — "no dia do Senhor Jesus" [ACF]

"Seja, este tal, entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus." [ACF].

"Entreguem esse homem a Satanás, para que o corpo seja destruído, e seu espírito seja salvo no dia do Senhor." [NVI].

2 Tessalonicenses 2:2 — "o dia de Cristo" [ACF]

"Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto." [ACF].

"Que não se deixem abalar nem alarmar tão facilmente, quer por profecia, quer por palavra, quer por carta supostamente vinda de nós, como se o dia do Senhor já tivesse chegado." [NVI].

Como você pode ver, o Maligno tem estado muito atarefado! Há muito tempo que os cristãos foram advertidos a não confiar nas traduções modernas da Bíblia, porém a maioria ignorou a advertência. Como resultado, temos hoje uma situação em que poucos fiéis cristãos conseguem defender o Arrebatamento Pré-Tribulação. Uma igreja professa que confunde a "bem-aventurada esperança" (Tito 2:13) com "a ira de Deus" (Romanos 1:18) é uma igreja cuja verdadeira força espiritual foi grandemente exaurida. Ela pode se sentir firme em sua profissão de fé, mas, na realidade, é como uma parede pronta para desabar.

As Promessas de Deus

Os cristãos que estão melhor equipados para lidar com as provações e dificuldades que estão diante de nós são aqueles que têm seus pés firmes na Rocha. Esses são aqueles que confiam completamente na Palavra de Deus e se alegram todos os dias na "bem-aventurada esperança", o Arrebatamento Pré-Tribulação. Eles se levantam de suas camas todas as manhãs sabendo que, naquele dia, poderão ouvir o grande toque da trombeta, quando os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro e aqueles que estiverem vivos serão levados para o alto, em um piscar de olhos. Eles são aqueles que sabem que o Espírito Santo, que habita dentro deles, nunca os deixará nem os esquecerá. Eles também são aqueles que não podem ser abalados, porque vivem a cada dia na gloriosa certeza das promessas de Deus.

Em nossas mentes e corações, as promessas Dele são parecidas com as memórias e os eventos reais. Humanamente, encontramos consolação refletindo nos eventos felizes de nossa infância, por exemplo quando passávamos as férias com nossos primos na fazenda. Aquelas lembranças felizes elevam nosso espírito. As promessas de Deus são similares. Elas se relacionam com os eventos que ainda não aconteceram, mas que são tão certos quanto se já tivessem ocorrido. Durante os tempos de provações e adversidades, podemos descansar em Suas promessas e extrair da suavidade e certeza delas um bálsamo suave para nossa alma.

Sem dúvida, o apóstolo Paulo tinha isto em mente quando chamou o Arrebatamento Pré-Tribulação de nossa "bem-aventurada esperança".

Dúvidas Não Justificadas

Muitos cristãos sinceros têm dificuldade em acreditar no Arrebatamento Pré-Tribulação. Eles não conseguem vê-lo como nada mais do que uma "fuga" conveniente. Como pecadores caídos, não merecemos esse tipo de misericórdia, eles dizem. Mas, eles estão confusos. O Arrebatamento Pré-Tribulação, como a própria salvação, é um dom. Nós não o merecemos!

Por que os filhos de Noé entraram na Arca antes da primeira gota de chuva cair? A resposta é a fé. Eles acreditaram naquilo que o pai deles lhes disse. Qualquer outra pessoa, com a fé necessária, poderia ter feito o mesmo.

Precisamos compreender e aceitar o plano revelado de Deus para a igreja. Ele compartilhou esse plano conosco por uma razão. Ele quer que estejamos prontos quando Seu Filho vier novamente — por que Ele virá subitamente, sem aviso. Enquanto isso, Ele quer que produzamos frutos abundantemente, sem temor.

Os cristãos nominais não estarão prontos. Eles não têm azeite em suas lamparinas. Até agora eles viveram com a luz que brilha das lamparinas dos cristãos verdadeiros — "Dai-nos do vosso azeite" (Mateus 25:8). Mas, quando a trombeta soar, quando Cristo chamar Sua noiva, dizendo algo como: "Venha, suba para cá!", quantos de nós irão ansiosamente responder, "Sim, Senhor, aqui estou!"?

Sim, a triste verdade é que uma imensa proporção da igreja professa não estará preparada. Esses cristãos nominais não estão aguardando pelo dia de Jesus Cristo; eles terão coisas mais importantes em suas mentes. Eles vivem suas vidas lentamente, desde o início até o fim do ano, e nunca pensam, uma vez sequer, no fato que, quando Cristo retornar e chamar Sua noiva nos ares, Ele não estará ali por muito tempo. Somente aqueles que estiverem prontos e aguardando — aqueles que estiverem cheios do Espírito — ascenderão para encontrá-Lo nos ares.

Vivemos em uma época de grande apostasia e de mentiras chocantes, de pastores enganadores e pregadores manipuladores, que alegremente liderarão seus rebanhos para as profundezas do inferno. Muitos cristãos professos pensam que são salvos, quando na verdade não são. É por esta razão que iniciamos este ensaio com uma rápida referência aos indicadores na vida de um fiel cristão que mostram que ele realmente É um crente em Cristo, alguém que verdadeiramente nasceu de novo em Cristo. O principal desses indicadores é o desejo de estar com Cristo!

Qualquer um que possua esse desejo terá estudado a doutrina do Arrebatamento Pré-Tribulação com grande objetividade e cuidado.

Por Que o Maligno Detesta o Arrebatamento Pré-Tribulação?

Por que há tanta pressão hoje — desde líderes de igreja a autoproclamados especialistas em profecias bíblicas — para refutar a verdade do Arrebatamento Pré-Tribulação? A resposta está vinculada com a criação iminente de uma Nova Ordem Mundial. Satanás quer que uma grande massa de pessoas rejeite a Cristo e receba seu "filho" — o Anticristo. Ele sabe que quando o Espírito Santo deixar a terra, levará a igreja com Ele. Satanás também sabe que os cristãos professos que não forem tomados no Arrebatamento ficarão expostos à "operação do erro" que o apóstolo Paulo menciona em 2 Tessalonicenses 2:11. Se este for o caso (e é!), então Satanás sabe que poderá escravizar fatalmente milhões de almas logo após esse evento ocorrer.

Deve ser lembrado que é o próprio Deus quem envia a "operação do erro", não Satanás. Por que Deus fará isso? "Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade." [2 Te. 2:12]. Esta é uma afirmação muito desconcertante, pois parece implicar que todos os cristãos professos que não forem tomados no Arrebatamento aceitarão o Anticristo.

O Espírito Santo precisa deixar a Terra para que a Ira de Deus possa cair com toda a fúria. Quando Ele partir, a igreja precisará ir com Ele. O Arrebatamento e a partida do Espírito Santo são o mesmo evento. Estamos certos dessa conexão por causa da promessa que Cristo fez à igreja: "E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre." [João 14:16].

O Espírito Santo é o restritor mencionado por Paulo:

"Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora o retém até que do meio seja tirado." [2 Tessalonicenses 2:7].

Ele somente é capaz de impedir as obras das trevas neste mundo. Nenhuma organização, instituição ou grupo, independente do quão espiritual, seria capaz de fazer isso! Um poder sobrenatural somente pode ser restringido por um poder sobrenatural maior. Isaías diz: "Então temerão o nome do SENHOR desde o poente, e a sua glória desde o nascente do sol; vindo o inimigo como uma corrente de águas, o Espírito do SENHOR arvorará contra ele a sua bandeira." [Isaías 59:19].

Mais uma vez, com esse verso de Isaías, encontramos uma das muitas armadilhas armadas pelo Maligno. A maior parte das Bíblias modernas faz uma bagunça total nesta passagem. Considere o seguinte:

"Então temerão o nome do SENHOR desde o poente, e a sua glória desde o nascente do sol; vindo o inimigo como uma corrente de águas, o Espírito do SENHOR arvorará contra ele a sua bandeira." [ACF].

"Desde o poente os homens temerão o nome do Senhor, e desde o nascente, a sua glória. Pois ele virá como uma inundação impelida pelo sopro do Senhor." [NVI].

Não encontramos nada aqui, exceto confusão e engodo. O "inimigo", que virá como uma inundação, como declarado na ACF, é completamente apagado nas traduções corrompidas. Ele é até identificado com o próprio Deus! Como resultado, a passagem não faz sentido algum.

É claro, a partir de tudo isto, que a Elite governante — os Filhos da Perversidade — fizeram um esforço conjunto para suprimir a verdade do Arrebatamento Pré-Tribulação nas traduções modernas da Bíblia. Os cristãos que usam essas traduções para alcançar uma sólida compreensão bíblica do Arrebatamento são, portanto, grandemente prejudicados. Eles deveriam deixar de lado essas traduções corruptas e usar, em lugar delas, a Almeida Corrigida e Fiel (da Sociedade Bíblica Trinitariana), ou a Almeida Revista e Corrigida (da Sociedade Bíblica do Brasil).

O Arrebatamento Pré-Tribulação Pode Ser Inferido a Partir de Outras Doutrinas

É interessante que, mesmo se esses versos-chaves não estivessem na Palavra de Deus, AINDA saberíamos que a doutrina de um APT é totalmente apoiada pela Escritura.

O termo "a ira de Deus" tem um significado preciso na Palavra de Deus. Ele se aplica somente para os ímpios. A ira não pode cair sobre os pecadores arrependidos. Na verdade, Colossenses 3:6 descarta isso explicitamente: "Pelas quais coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência." Somos também informados que "nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus." [Romanos 8:1]. Como a Ira de Deus está direcionada SOMENTE contra os ímpios, contra aqueles que ainda estão sob a condenação, então ela não pode vir sobre a igreja de forma alguma.

O livro do Apocalipse descreve como a Ira de Deus, como uma sequência pré-determinada de eventos judiciais, cairá sobre os filhos da desobediência durante a Tribulação de sete anos. Como esses eventos se relacionam com a Terra como um todo, e não apenas a uma ou mais regiões geográficas, então elas certamente impactarão severamente toda a população mundial. A Tribulação será universal. Nem uma alma sequer escapará da fúria. Isto significa que a igreja não poderá estar na Terra quando ela iniciar.

Argumentar de forma contrária é afirmar que a obra de Cristo no Calvário foi incompleta e que sua noiva precisa estar submetida à mesma retribuição feroz que o restante da humanidade terá de suportar. Ademais, isso colocaria sobre o Noivo, sobre o próprio Cristo — o "esposo" de Mateus 9:15, Marcos 2:19, Lucas 5:34 e João 3:29 — a tarefa terrível de julgar sua Rainha (Salmos 45) por uma dívida que já foi paga. Isto simplesmente não é defensável.

O Rei Ezequias

Não há dúvida que existem alguns que acreditam no APT, não por que o confirmaram por meio de um exame cuidadoso na Escritura, mas por que isso se adequa a algum propósito mesquinho. Eles são similares aos fariseus, que tinham certeza que teriam um lugar no Reino simplesmente por que eram filhos de Abraão. Jesus tentou mostrar que, se essa era a atitude deles, então, na realidade, eles estavam muito distantes da verdade.

Podemos nos lembrar do rei Ezequias. Esse homem, que anteriormente tinha sido modesto, ficou tomado pelo orgulho, possivelmente por que o Senhor adicionou 15 anos ao seu tempo de vida. Ele cometeu um ato de soberba quando mostrou à delegação de Babilônia tudo o que havia em seu Tesouro real. Isso o colocou sob o julgamento divino. O profeta Isaías lhe disse que, por causa de sua atitude presunçosa, todas as riquezas em seu Tesouro real seriam levadas para Babilônia. Os filhos dele, também, seriam levados e transformados em eunucos naquela terra pagã. Entretanto, o profeta acrescentou que essa calamidade não viria durante o tempo de vida de Ezequias. Quando ouviu isto, Ezequias disse: "Boa é a palavra do SENHOR que disseste. Disse mais: Pois haverá paz e verdade em meus dias." [Isaías 39:8].

Esta foi uma resposta muito mesquinha. Embora possamos nos perguntar o que estava passando pela cabeça dele, é óbvio, a partir do que a Bíblia registra, que Ezequias estava preocupado somente com seu próprio bem-estar. O fato que o reino de Judá seria destruído no processo, que milhares morreriam e que seus próprios filhos seriam escravizados e mutilados parece que não o entristeceram nem um pouco.

Aqueles que acreditam no Arrebatamento Pré-Tribulação por razões igualmente mesquinhas não são diferentes de Ezequias.

A Parábola dos Talentos

A parábola dos talentos é precedida por um verso que mostra que ela se relaciona diretamente com a Segunda Vinda de Cristo e, por implicação, com o Arrebatamento da igreja: "Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir." [Mateus 25:13].

No início, os três servos parecem ser salvos, pois cada um deles recebeu um ou mais talentos. O primeiro recebeu cinco talentos e acumulou outros cinco, investindo de forma produtiva aquilo que tinha recebido. O segundo recebeu dois talentos e acumulou outros dois, usando sabiamente aquilo que o mestre lhe tinha dado. O último recebeu somente um talento, mas não fez coisa alguma com ele! Ele simplesmente enterrou o talento no chão. (Tenha em mente que um talento de prata equivalia a uma quantia substancial de dinheiro.)

Ao retornar, o mestre elogiou grandemente os dois primeiros servos — "Bem está, servo bom e fiel" — e os recompensou de forma apropriada. Entretanto, ele ficou irado com o último, que poderia, no mínimo, ter feito uso do talento, entregue aos banqueiros e recebido juros. Em vez disso, ele enterrou o talento no chão e não demonstrou respeito pela propriedade do mestre, ou qualquer consideração pela tarefa que lhe tinha sido confiada. Como consequência, ele perdeu tudo! O único talento que ele tinha recebido foi entregue ao primeiro servo. Em seguida, ele foi condenado como um "servo inútil" e lançado nas trevas exteriores.

Esta parábola diz muito para nós hoje.

Conclusão

Não podemos brincar com a Palavra de Deus. Não podemos adicionar nem subtrair dela. Se ela ensina certa doutrina e homens de Deus já forneceram boas evidências que ela faz isso, então há um ônus sobre nós para examinarmos a questão com oração, diligência e respeito. Não temos direito algum de rejeitar aquilo, a não ser que possamos mostrar, a partir da Escritura, que a doutrina é incorreta.

Precisamos também nos lembrar que o Maligno detesta a doutrina do Arrebatamento Pré-Tribulação. Ele não quer que os santos em Cristo tenham a "bem-aventurada esperança", ou vivam na maravilhosa certeza da graça e misericórdia de Deus. Para escravizar o mundo e atrair a humanidade para sua cilada mortal, então ele necessita, no fim dos tempos, de uma igreja institucional que não mais acredite na "bendita esperança", uma igreja que tenha se distanciado tanto da Palavra de Deus que não se veja mais como a Noiva de Cristo.

Os Santos da Tribulação

Antes de concluir, gostaríamos de mencionar o destino espiritual daqueles que vierem à fé em Cristo após o início dos sete anos da Tribulação. Em termos numéricos, eles poderão até exceder o número daqueles que vieram à fé durante a Época da Igreja.

Apesar do que alguns estão ensinando, essas almas tomarão parte na Primeira Ressurreição e receberão corpos imortalizados. O alimento prolongador da vida, que o Senhor fornecerá durante o Milênio, será somente para as pessoas que nascerem durante aquele período, muitos bilhões em número, que ainda não receberam corpos imortalizados. Essas pessoas serão descendentes diretos do pequeno número de judeus e gentios que sobreviverem à Tribulação.

Entretanto, os santos da Tribulação, se podemos chamá-los assim, não serão parte da igreja, a Noiva de Cristo. A Noiva consiste somente da ecclesia, os que foram chamados para fora. Esta é a igreja, o corpo de Cristo, que ainda está em crescimento, embora de forma lenta. A igreja ficará completa antes do início da Tribulação de sete anos. Nem uma alma a mais será adicionada ao corpo da igreja após o Arrebatamento.

A Palavra de Deus faz uma clara distinção entre os santos que constituem o corpo espiritual que conhecemos como Noiva de Cristo, e os santos da Tribulação — grandemente amados pelo Senhor — mas que não pertencem à igreja. O Salmo 45 descreve a Noiva do seguinte modo:

"As filhas dos reis estavam entre as tuas ilustres mulheres; à tua direita estava a rainha ornada de finíssimo ouro de Ofir. Ouve, filha, e olha, e inclina os teus ouvidos; esquece-te do teu povo e da casa do teu pai. Então o rei se afeiçoará da tua formosura, pois ele é teu Senhor; adora-o." [Salmos 45:9-11].

A maioria dos eruditos bíblicos concorda que a "rainha" nesta passagem é realmente a igreja, a Noiva de Cristo. Embora a igreja nunca seja revelada em termos doutrinários no Velho Testamento, ela pode ser vista rapidamente neste salmo. Ela se assenta ao lado do "rei" — isto é, Cristo — adornada com "ouro de Ofir" — a mais pura e radiante forma desse elemento. Ela é instruída a se esquecer de todos seus antigos vínculos e adorar o Rei com todo seu ser.

A beleza das vestes dela é enfatizada:

"A filha do rei é toda ilustre lá dentro; o seu vestido é entretecido de ouro. Levá-la-ão ao rei com vestidos bordados; as virgens que a acompanham a trarão a ti." [Salmos 45:13-14].

A igreja é a filha do SENHOR e a noiva de Cristo. Sua beleza extraordinária deriva inteiramente da obra redentora de Cristo no Calvário. Embora suas roupas sejam uma "cobertura", sua beleza permeia todo seu corpo.

O livro do Apocalipse nos diz que, enquanto esperava com expectativa pelo noivo, a noiva esteve se preparando:

"Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou." [Apocalipse 19:7].

Não somos informados o que ela fez para se preparar, mas, sem dúvida, foi por meio de sua fiel obediência a Deus e Suas santas leis, servindo como uma fiel testemunha de Cristo aqui na Terra e suportando com paciência a perseguição que veio com esse papel.

Nos versos 14 e 15, encontramos o que somente pode ser uma referência aos santos da Tribulação:

"Levá-la-ão ao rei com vestidos bordados; as virgens que a acompanham a trarão a ti. Com alegria e regozijo as trarão; elas entrarão no palácio do rei." [Salmos 45:14-15].

Somos apresentados aqui com uma cena em que as "virgens", os santos da Tribulação, que são chamados de "acompanhantes" da Noiva, são levados pela Noiva ao palácio e à presença do Rei. Eles experimentarão alegria e regozijo ao serem conduzidos.

A partir disso, podemos inferir que a Noiva tem acesso imediato ao Noivo, como em um verdadeiro casamento, enquanto que os amigos ou "companheiras" da Noiva somente podem entrar sob seu patrocínio ou supervisão.

Os convidados que participarem da ceia do Cordeiro, que ocorrerá aqui na Terra, precisarão vestir uma roupa de núpcias (Mateus 22:11), de modo a obter a admissão. Essa roupa, ou "cobertura" é a justiça de Cristo, que todos os santos da Tribulação possuirão ("E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos." — Apocalipse 19:8).

Aparentemente, embora a Noiva vestirá linho branco em sua cerimônia de casamento no céu, ela estará adornada com ouro de Ofir na ceia das bodas do Cordeiro. Isto parece indicar que, após ela estar casada com Cristo, uma transformação espiritual adicional ocorrerá dentro dela.

Solicitação Especial

Incentivamos os leitores frequentes a baixarem os ensaios disponíveis neste website para cópia de segurança e consulta futura. Eles poderão não estar disponíveis para sempre. Estamos entrando rapidamente em um tempo em que materiais deste tipo somente poderão ser obtidos via correio eletrônico. Os leitores que desejarem ser incluídos em uma lista para correspondência futura são bem-vindos a me contactar em jeremypauljames@gmail.com. Não é necessário fornecer o nome, apenas um endereço eletrônico.



Autor: Jeremy James, artigo em http://www.zephaniah.eu
Data da publicação: 11/9/2019
Transferido para a área pública em 12/11/2020
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/ira-de-deus.asp