Escolha uma cor para o fundo:  

O Mundo Está em Chamas no "Vão dos Países Não-Integrados"

Recursos úteis para sua maior compreensão

Título do Livro 1


Título do Livro 2


Título do Livro 3

O Pentágono dividiu o mundo em dois segmentos: "o Vão Funcional" e o "Vão dos Países Não-Integrados". Desde os ataques de 11/9/2001, guerras, rumores de guerras, terremotos, vulcões e pestes atingiram os países do "Vão Não-Integrado". Os eventos mostram um padrão e um propósito, e não ocorreram por acidente ou aleatoriamente. Milhões de pessoas tiveram suas vidas afetadas ou estão morrendo. Mas, o pior ainda está por vir.

A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?

Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia a dia!!

Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!

Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.

Agora você está na
"THE CUTTING EDGE"


Quando você entender a realidade que alguns países e regiões estão ficando atrasados em relação ao resto do mundo na incorporação à economia e governos globalizados e precisam ser forçados aos pontapés para que ingressem plenamente no sistema mundial, compreenderá por que os EUA estão agora em guerra, e por que continuarão indo à guerra no Oriente Médio, na Península Coreana, na Indonésia, no Paquistão, em Cuba, na Somália e no Timor Leste.

Todo esse pensamento estratégico do Pentágono está delineado em um livro intitulado The Pentagon's New Map, de Thomas P. M. Barnett, que leciona no Colégio de Guerra Naval dos EUA e é um pesquisador estratégico sênior. De acordo com o pensamento iluminista existem somente dois tipos de países no mundo hoje:

1. Países que já estão funcionando no novo sistema global, ou que estão caminhando clara e firmemente nessa direção — o chamado "Núcleo Funcional".

2. Países que não estão atualmente funcionando no sistema global e provavelmente não farão isso em um futuro previsível, a não ser que sejam forçados pelas tropas dos EUA ou da Europa, ou pela ameaça de uma invasão. Esses países são chamados de "Vão Não-Integrado".

A estratégia que está sendo seguida pelos EUA e pela União Europeia é a de "encurtar o vão". A orelha da capa desse livro diz de forma bem clara:

"O Novo Mapa do Pentágono é uma abordagem sofisticada sobre a globalização e combina fatores de segurança, econômicos, políticos e culturais para prever e explicar a natureza da guerra e da paz no século 21... O livro cristaliza a história e estratégia militares americanas recentes, define os parâmetros de onde nossas forças provavelmente serão enviadas no futuro, delineia o papel singular que os EUA certamente exercerão para estabelecer a estabilidade internacional... Para qualquer pessoa que esteja procurando entender os Iraques, Afeganistões e Libérias do presente e do futuro, os novos vínculos íntimos entre política externa e segurança nacional, as realidades operacionais do mundo atual, O Novo Mapa do Pentágono é um gabarito, uma Pedra de Rosseta... Não existe livro mais essencial para estes tempos atuais."

Em outras palavras, o Pentágono desenvolveu uma estratégia global, que irá:

  1. Explicar a natureza da guerra e da paz no século 21.
  2. Definir os parâmetros de onde as forças militares norte-americanas provavelmente serão enviadas no futuro.
  3. Delinear o papel singular que os EUA podem exercer para estabelecer a estabilidade internacional.

Ou seja: essa nova estratégia do Pentágono está determinando onde os EUA foram à guerra, contra quem, e com que propósito, desde os ataques de 11/9/2001! Há muito tempo que afirmamos em nossos artigos que as áreas do mundo atacadas pelas forças norte-americanas durante o governo Bush foram muito bem estudadas anos antes daquele evento. O livro O Novo Mapa do Pentágono simplesmente confirma nossa crença original.

Com este pano de fundo, vamos agora examinar o livro em detalhes. Lembre-se do seguinte: o autor trabalha no Colégio de Guerra Naval dos EUA, um centro de debates iluminista. Ninguém precisa saber que esse esforço da globalização foi planejado no Macrocosmo 227 anos atrás, e no Microcosmo logo após a Segunda Guerra Mundial; portanto, o autor escreve esse plano como uma "nova estratégia" concebida após aqueles covardes ataques dos terroristas islâmicos em 11/9/2001. Assim sendo, essa parte do livro é pura desinformação; entretanto, o restante dele é uma pepita de ouro, pois nos diz exatamente onde as próximas "mudanças de regime" ocorrerão, do Oriente Médio à Coreia do Norte, passando pela Indonésia, e por muito outros países. Embora as principais guerras sejam no Oriente Médio e na Coreia do Norte, como já dissemos em outros artigos, muitas guerras menores, e muitas outras ameaças de guerra em todo o mundo estão planejadas de forma a forçar esses países a ingressarem na Nova Ordem Mundial.

Resumo da Notícia: "O Novo Mapa do Pentágono", Thomas P. M. Barnett, Colégio de Guerra Naval dos EUA, Esquire Magazine, março de 2003, pág. 174-79, 227-29.

"Nossa próxima guerra no Golfo marcará um ponto histórico — o momento quando Washington tomará posse real da segurança estratégica na era da globalização". [pág. 174].

Você pode imaginar a arrogância dessa afirmação? O governo de Washington planeja "tomar posse real da segurança estratégica" quando invade, ou ameaça invadir, países individuais! Essa soberba afirmação revela que os líderes militares e políticos dos EUA veem o país literalmente como o King Kong do mundo, e todos os outros países como macaquinhos com os quais podem fazer o que quiserem!

Vamos parar aqui para digerir o que esse autor acaba de dizer. Usando 11/9 como desculpa, o presidente Bush usou a força militar dos EUA como um potente aríete para nocautear os países que realmente se colocam como obstáculos para a plena implementação da Nova Ordem Mundial. Sabemos que o temor do Bug do Milênio foi criado para forçar os governos em todo o mundo — tanto nos países ricos como nos pobres — a atualizar seus sistemas de informática para que todos pudessem se conectar na economia do vindouro sistema global.

Entretanto, o autor Barnett identifica outras razões, não-técnicas, por que certos países ainda estão terrivelmente atrasados com relação ao resto do mundo na integração na Nova Ordem Mundial. As razões são simples, mas tão profundas e entranhadas que uma invasão, ou uma ameaça de invasão, é necessária para mudar o regime para que líderes dispostos a cooperar e responsivos possam ser instalados nesses países. Quais são esses fatores não-técnicos?

Destarte, os EUA estão "tomando posse real da segurança estratégica" desses tipos de países. Os EUA tomaram o controle da "segurança estratégica" do Iraque, não é mesmo? Além disso, as forças americanas, segundo se informa, já estão concentradas nas fronteiras do Iraque com a Síria e o Irã, e os EUA ameaçam esses países com a força militar que consideram necessária para tomar o controle da "segurança estratégica" deles também!

Usar os EUA dessa maneira é coerente com o princípio dos espíritos-guia iluministas enunciados inicialmente durante a Guerra Revolucionária e nos anos seguintes. Os espíritos-guia dos Pais Fundadores maçons e rosa-cruzes disseram-lhes que os EUA seriam estabelecidos como a "Nova Atlântida" ocultista que gradualmente moveria todas as nações do mundo para o sistema satânico conhecido como Nova Ordem Mundial [DVD Secret Mysteries of America's Beginnings] Assim, os EUA foram um instrumento em todas as guerras do século 20 e estão agora agindo para forçar todos os demais países do mundo a aderirem a esse novo sistema.

Vamos voltar ao livro de Barnett:

"O potencial de um país em garantir uma resposta militar americana é inversamente proporcional à sua conectividade na globalização." [pág. 227].

Na página 176, o autor coloca a questão de uma forma diferente: "Sempre que as tropas americanas aparecem — seja em combate, um grupo de batalha naval aproximando-se da costa como um 'lembrete', ou uma missão de paz — normalmente é em um local que está relativamente desconectado do mundo, onde a globalização ainda não fincou raízes por causa de um regime repressivo, da abjeta pobreza, ou devido à falta de um sistema jurídico sólido. São nesses lugares que o terrorismo global é incubado. Trace uma linha em torno desses envolvimentos militares e você terá aquilo que chamo de "Vão dos Países Ainda Não Integrados".

Esses países que não estão adequadamente "conectados" ao sistema global econômica ou politicamente deverão "garantir uma resposta militar americana", isto é, uma invasão, ou ameaça de invasão, e certamente uma exigência do público para uma "mudança de regime". Esses países desconectados são chamados de "Vão dos Países Não-Integrados" e, de uma forma realmente arrogante e petulante, esse autor ameaça invadir esses países. Veja:

"Assim, onde programamos a próxima rodada de jogos distantes para as forças armadas dos EUA? O padrão que emergiu desde o fim da Guerra Fria sugere uma única resposta: no Vão". [pág. 174].

A invasão americana a países como o Iraque nas Guerras do Golfo 1 e 2, com as consequentes mortes de civis e destruição da infraestrutura é arrogantemente referida como "jogos distantes"! Você pode começar a entender por que as pessoas que vivem nesses países do "Vão Não-Integrado" odeiam os EUA?

Em seguida, o autor relaciona os países que os EUA consideram "Não Integrados". Falando em termos genéricos, esses países estão nas seguintes regiões: o Caribe, virtualmente toda a África, os Bálcãs, o Cáucaso, a Ásia Central, o Oriente Médio — com a exceção de Israel — o Sudeste Asiático e grande parte do Sudoeste Asiático. A população desses países é de dois bilhões de pessoas, ou um terço da humanidade.

Vejamos agora alguns países específicos:

1. Haiti — Os esforços de construir um país em 1990 foram desapontadores. Espere uma intervenção dentro de pouco tempo.

2. Colômbia — O país está dividido em regiões rebeldes e os esforços realizados para solucionar o problema e unificar o país não foram bem sucedidos.

3. A Ex-Iugoslávia — Agora você sabe a razão por que o presidente Clinton foi à guerra em 1999 contra essa região. A ex-Iugoslávia não estava aderindo ao "Núcleo Funcional"!

4. Congo, Ruanda e Burundi — "De dois a três milhões de mortos na década passada. O Congo é um país agonizante — não exatamente vivo nem morto, mas todos estão se aproveitando dele. E há também o problema da AIDS." [pág. 177].

5. Angola — Nunca solucionou sua guerra civil permanente (1,5 milhão de mortos nos últimos vinte e cinco anos).

6. África do Sul — O único país do "Núcleo Funcional" da África, mas agora está descambando. A África do Sul pode ser uma porta de entrada para elementos rebeldes. A criminalidade e a AIDS são uma preocupação. As políticas socialistas do ex-presidente Nelson Mandela e a reversão da discriminação em grande parte reduziram o funcionamento do país dentro do Núcleo.

7. Israel — Estado Palestino — "O terror não se abaterá — não há uma geração na Margem Ocidental que queira algo mais do que mais violência" [pág. 177] "A única coisa que mudará esse ambiente repugnante e abrirá as comportas para mudança é se alguma potência externa intervier e fizer o papel de Leviatã em tempo integral." [pág. 228] O autor afirma que o Iraque foi fundamental para os EUA fazerem o papel de Leviatã em Israel, intervindo para forçar grandes mudanças.

Entretanto, o problema com esse ponto de vista é que o único lado que os EUA estão forçando a mudar é Israel, enquanto afaga e dispensa todos os terroristas palestinos de fazerem qualquer mudança significativa; na verdade, essas políticas podem somente ser chamadas de apaziguamento do terror, garantindo assim que a maior explosão imaginável esteja prestes a ocorrer! Mas, novamente, esse é o plano!

8. Arábia Saudita — O autor observa a instabilidade da população jovem e da família governante, mas afirma que os EUA impedirão que esse país realmente entre em colapso. Acho altamente instrutivo que esse professor do Colégio de Guerra Naval não mencione o arsenal nuclear saudita que está instalado nos mísseis táticos de fabricação chinesa, nem o fundamentalismo islâmico extremamente militante que emana desse reino. A falta de consideração desses fatores realmente causará surpresas desagradáveis no momento da maior turbulência — o que indubitavelmente envolverá a guerra de Israel com os países árabes vizinhos!

9. Iraque — A invasão desse país ocorreu após a publicação do livro; entretanto, hoje, os EUA encontram-se mais e mais comprometidos em uma guerra que não saiu conforme se esperava! O povo local odeia os americanos; além disso, a guerrilha, com o lado iraquiano portando armamentos cada vez mais sofisticados, parece estar no futuro próximo. Logicamente, quando Israel iniciar sua guerra contra os palestinos, sírios e egípcios, todo o Oriente Médio provavelmente explodirá na planejada Terceira Guerra Mundial.

Mas, de igual importância, é a morte pela contaminação pelo urânio exaurido, que as forças norte-americanas espalharam durante os sete anos de guerra. O urânio exaurido é o tipo mais importante de arma que as Forças da Coalizão usaram durante a guerra. Por volta de 2020, O Iraque e o Afeganistão estarão virtualmente impróprios para a vida, e as pessoas começarão a morrer a uma taxa inacreditável. O urânio exaurido tem o potencial de matar toda a população de um país, ou até de uma região do globo. Para saber os detalhes, leia os artigos sobre o urânio empobrecido na seção Terceira Guerra Mundial.

Depois que você compreender o tipo de morte que as Forças da Coalizão levaram ao Iraque, ao Afeganistão e a muitos outros países do "Vão Não-Integrado" no Oriente Médio, compreenderá o tipo de guerra total que foi declarada contra o Islã. (Leia o artigo N2063, "As Tempestades de Areia: Como a Contaminação Pelo Urânio Empobrecido Poderá Matar Populações Inteiras no Oriente Médio e na Ásia").

10. Somália — "O Vietnã do pobre" [pág. 177].

11. Irã — "A contrarevolução começou: desta vez os estudantes querem a derrubada dos aiatolás. O Irã quer amizade com os EUA, mas a ressurgência do fundamentalismo islâmico pode ser o preço a pagar pela invasão do Iraque. Os aiatolás apoiam o terror e o interesse deles pelas armas de destruição maciça é real. Isso fará deles o alvo inevitável uma vez que os problemas com o Iraque e com a Coreia do Norte estiverem resolvidos?" [págs. 177-9].

O autor Barnett não tem a menor ideia do papel da profecia bíblica em todo esse cenário. Achamos difícil acreditar que os EUA realmente conseguirão derrubar o governo islâmico fundamentalista do Irã, que odeia Israel, e substituí-lo por um governo pró-Israel, pró-Ocidente e liberal. Veja: o Irã (Pérsia) será uma das nações que acompanhará a invasão liderada pela Rússia a Israel, descrita em Ezequiel 38 e 39. Assim, o Irã agora tem exatamente o tipo de regime contrário a Israel que precisa ter para marchar junto com a Rússia. A profecia bíblica deverá impedir a conquista americana do Irã.

Em meados de 2003, logo após as forças norte-americanas tomarem o controle do Iraque, políticos americanos começaram a ameaçar o Irã, dizendo: "Vocês serão os próximos!" As forças que tinham conquistado o Iraque poderiam ser usadas para lançar um ataque ao Irã, afinal, dizia-se que o Irã estava se preparando para desenvolver suas próprias armas nucleares, uma situação que era vista como intolerável pelos líderes mundiais.

Entretanto, após muitas ameaças, o presidente Bush discretamente dispersou as forças militares, sem disparar um único tiro contra o Irã. Naquele ponto, soubemos que o Ocidente nunca atacaria. Todos os comandantes militares que recebem a incumbência de atacar um alvo procuram acumular uma disparidade de forças contra o inimigo. Essa disparidade era enorme em meados de 2003, e nunca mais será tão grande. Portanto, o ataque não ocorrerá.

Além disso, o presidente russo Putin declarou dois anos atrás que um ataque ao Irã será considerado um ataque à Rússia. Portanto, tanto Israel quanto os EUA sabem que um ataque contra o Irã dispararia uma guerra contra a Rússia. Como a Rússia possui um sistema avançado de armamentos escalares — como explicado no DVD mostrado aqui à esquerda, sabemos que os EUA e nem Israel atacarão a Antiga Pérsia.

Por que, então, o Ocidente tem criticado publicamente os líderes iranianos nos últimos sete anos por causa do desenvolvimento de armas nucleares? Publicamos um artigo sobre esse assunto e incentivamos você a ler. O artigo é N2200, intitulado "Western Intelligence Is Reporting That Russia Is Deliberating Stoking a Propaganda Campaing Designed To Scare Iran Into The Arms of The Russian Bear" (não traduzido).

O propósito verdadeiro dessa campanha incessante contra o Irã é forçá-lo a entrar firmemente na órbita da Rússia. Assim, o cenário previsto na profecia de Gogue e Magogue, de Ezequiel 38-39 poderá se cumprir.

Analise a campanha ridícula de propaganda contra o Irã. Durante sete longos anos, os serviços de Inteligência ocidentais e israelenses reportaram que o Irã estava "perto de adquirir a capacidade de desenvolver suas próprias armas nucleares nos próximos 12-15 meses"! Aqui estamos nós, sete anos depois, e o presidente Obama e o primeiro-ministro israelense Netanyahu repetem as mesmas coisas que eram ditas por Bush e Ariel Sharon! Qualquer pessoa de bom senso pode ver que é tudo uma armação e sente vontade de gritar: "Já basta, mudem o pretexto!".

Além disso, o Irã sofreu grandemente com vários terremotos poderosos durante os últimos anos. Embora o livro O Novo Mapa do Pentágono não discuta a questão dos desastres naturais que criam as condições que resultam em "mudança de regime", sabemos que os Illuminati globais podem produzir terremotos com as ondas escalares. Para convencer as pessoas que os cientistas podem causar terremotos e vulcões usando ondas eletromagnéticas, a seguinte citação do ex-Secretário da Defesa William Cohen é inestimável:

Em um discurso em 28 de abril de 1997, na Universidade da Geórgia, o secretário Cohen falou sobre "Terrorismo, Armas de Destruição Maciça e Estratégia dos EUA", no Foro de Políticas Sam Nunn. Em seu discurso, ele afirmou que os inimigos dos EUA possuíam uma tecnologia eletromagnética que "podia alterar o clima, produzir terremotos e vulcões remotamente" ("Cohen Address 4/28 at Conference on Terrorism".)

Publicamos um artigo sobre o forte terremoto que ocorreu no Irã, em dezembro de 2003, e o tsunami, na Indonésia, em dezembro de 2004:

N1992 — "Terremoto no Irã em 26/12/2003 e Maremoto no Sudoeste Asiático em 26/12/2004 Contêm Assinaturas Ocultistas: Teriam Ambos Sido Provocados Pela Tecnologia dos Armamentos HAARP e/ou Escalares?"

12. Afeganistão — Após observar a extrema criminalidade que predomina nesse país, o autor observa que os EUA estarão envolvidos ali por um longo tempo. Como já observamos anteriormente em outro artigo (N1794, não traduzido), o Irã planejou uma contraestratégia para derrotar os EUA em seu plano de intervenção no Oriente Médio. Esse plano iraniano foi chamado de "Acender Muitas Fogueiras", e consiste de uma guerra grandemente aumentada no Afeganistão, após os EUA estarem devidamente atolados no Iraque! Você já observou os crescentes níveis de luta no Afeganistão nas últimas semanas?

Hoje, a presença norte-americana está um pouco mais discreta, pois as forças da OTAN assumiram o esforço de guerra. Entretanto, a realidade é que essa guerra corre o risco de ser perdida. O Talibã mudou de tática, tendo aprendido muito com seus irmãos iraquianos insurgentes. O Talibã controla efetivamente grande parte do Afeganistão e do vizinho Paquistão. A fronteira foi praticamente apagada, tornando muito mais fácil para os insurgentes do Talibã lutarem contras as forças da OTAN.

13. Paquistão — "Existe sempre perigo pelo fato de possuir a bomba nuclear e, sentindo-se fraco, usá-la no conflito com a Índia... Temendo que o Paquistão caísse nas mãos dos muçulmanos radicais, acabamos apoiando militares linha-dura em quem realmente não confiamos... Parece que o Paquistão não controla muito seu próprio território." [pág. 179].

O Paquistão está claramente sob o domínio dos extremistas muçulmanos radicais, um grupo que trabalha em total sincronia com os militantes que controlam o Serviço de Inteligência Paquistanês e com muitos oficiais militares de alta patente. Se esses militantes derrubarem o governo pró-Ocidente do Paquistão, todo o Oriente Médio poderá se incendiar em uma guerra nuclear em escala total. Na verdade, os muçulmanos radicais parecem estar na iminência de derrubar o governo pró-Ocidente do Paquistão.

As forças norte-americanas estão sendo lentamente levadas cada vez mais à luta no Paquistão, um país no qual não deveriam estar lutando. Aviões não-tripulados estão sendo usados diariamente contra os "extremistas radicais" e suas famílias, de modo que crianças inocentes são apanhadas na linha de fogo.

14. Coreia do Norte — A Coreia do Norte certamente está se comportando como se fosse o próximo país a ser invadido. Entretanto, como o desempenho dos EUA foi desapontador nas duas primeiras semanas de luta no Iraque, o Serviço de Inteligência Russo concluiu que os EUA não poderão derrotar a Coreia do Norte sem recorrer ao uso de armas nucleares ("Progress of War Shows US Cannot Defeat North Korea Without Nuclear Weapons!", Russian Intel, 3 de abril de 2003].

Todavia, os Illuminati têm um plano para a Coreia do Norte representar no vindouro cenário para preparar o caminho para o Anticristo. Qual é o plano de batalha da Nova Ordem Mundial para a Coreia do Norte?

"Uma confrontação de arrepiar os cabelos na Península Coreana poderá... ameaçar a sobrevivência humana". [The Armageddon Script, pág. 223, leia a resenha].

15. Indonésia — "Temores usuais sobre a divisão do país, bem como o fato de ter a maior população islâmica do mundo" [pág. 179]. Se você tem acompanhado nossa seção Daily News Updates, sabe que, por razões desconhecidas, o governo indonésio lançou uma poderosa campanha militar contra os terroristas militantes na região de Aceh, em 19 de maio de 2003. [veja a matéria "23 Killed in Indonesia's Aceh Province", publicada em 23 de maio na seção Daily News Update do site Cutting Edge.].

Agora você sabe por que o governo indonésio ordenou a invasão da província de Aceh! Ele está tentando levar a Indonésia para dentro do "Núcleo Funcional" de países!

Entretanto, a Indonésia tem sido afetada de forma muito singular por fortes terremotos! Referencie a seção sobre terremotos na discussão anterior sobre o Irã.

O período de reconstrução após um forte terremoto pode ser muito valioso para a Comunidade Internacional que deseja levar esses países na marra para o século 21. A ajuda oferecida sempre é acompanhada por rígidos controles financeiros e políticos, praticamente garantindo que o país aceitará as reformas modernizadoras, mesmo que a contragosto.

16. Índia — "... sempre existe o perigo de um confronto nuclear com o Paquistão... A Caxemira é a razão do conflito com o Paquistão e isso envolve agora os EUA de um modo que nunca envolveu antes, devido à guerra contra o terrorismo." [Ibidem]. O que o autor não percebe é que o conflito na Caxemira, que ameaça colocar a Índia e o Paquistão em guerra nuclear — com a China na fronteira pronta para apoiar o Paquistão, tem implicações proféticas dramáticas! Como detalhamos no artigo N1602, a estrada que permitirá o deslocamento do Exército chinês para o Oriente Médio, cruzando o rio Eufrates, que ficará seco, em cumprimento a Apocalipse 16:12, passa pela seção paquistanesa da Caxemira! A Índia sabe que essa estrada foi construída e sabe por que a China dedicou tanto tempo e recursos para construí-la; a Índia se sente muito ameaçada pela proximidade dessa estrada com sua fronteira e está tentando poderosamente tomar o controle da região da Caxemira perto de onde passa essa estrada, uma região que ela precisa tomar do Paquistão à força.

Essa é a VERDADEIRA razão por que o conflito indo-paquistanês é tão importante.

Esses são os países que constituem o "Vão dos Países Não-Integrados". Os EUA claramente esperam que, fazendo de alguns países já visados anteriormente um exemplo, os outros rapidamente caíam uma vez que uma ameaça pública seja feita contra eles. O presidente da Libéria não perdeu tempo e declarou que irá voluntariamente renunciar assim que as tropas de paz da ONU desembarcarem em seu país. Entretanto, o ditador do Zimbábue disse ao presidente Bush para não "interferir" nos assuntos internos de seu país; o Zimbábue provavelmente precisará ser invadido — por razões humanitárias, é claro — para que seu ditador seja removido.

O perigo é que esse cenário subitamente dê errado no pior momento possível, levando o mundo para uma queda livre causada por uma Terceira Guerra Mundial. Sabemos que os Illuminati estão planejando essa guerra desde 22 de janeiro de 1870 [leia os detalhes no artigo N1015], de modo que essa "nova" estratégia do Pentágono parece condenada a fracassar e a afundar o mundo na guerra final que produzirá o Anticristo. Logicamente, durante o curso dessa Terceira Guerra Mundial, os Illuminati poderão destruir muitas das nações do "Vão Não-Funcional", que não poderão ser integradas rapidamente ao sistema mundial, usando armas de destruição maciça. Ex-satanistas já me disseram que mais pessoas morrerão nessa guerra, que está planejada para durar treze semanas, ou 91 dias, do que em todas as guerras que ocorreram no século 20 juntas. Com toda a destruição e ataques terroristas planejados nessa conflagração global, dificilmente as pessoas observarão que certas nações "não-funcionais" foram simplesmente destruídas. Falaremos um pouco mais sobre isso em nossa conclusão, a seguir.

Este é o plano, para que os Illuminati tenham o restante do mundo pronto para "funcionar" dentro do sistema globalista e sem a existência de papel-moeda do Cristo maçônico — o sistema predito em Apocalipse 13:16-18, que fala sobre a marca da besta.

Conclusão

Podemos ver claramente agora que conhecemos o "Mapa do Mundo do Pentágono"! Percebemos os seguintes fatos como verdadeiros:

1. O presidente Clinton iniciou seu esforço de "encurtar o vão" com sua guerra sem sentido contra a Iugoslávia em março de 1999. Assim, vemos o fato demonstrado novamente que os Illuminati tinham essa guerra e essa estratégia já definida anos antes dos ataques de 11/9/2001! Agradecemos ao professor do Colégio de Guerra Naval por tornar esse ponto extremamente claro!

2. Embora a União Europeia tenha publicamente se oposto à invasão do Iraque, está tomando a iniciativa na invasão a países africanos selecionados! Assim, podemos ver que essa campanha para "encurtar o vão" é uma operação conjunta entre os EUA e a Europa. O plano global da Grande Fraternidade Branca avança, sendo tocado pela Europa e pelos EUA.

3. Podemos ver que, a não ser que uma guerra ocorra e que atrase esse plano, guerras continuarão a serem deflagradas até que os governos de todos os países do "Vão dos Não-Integrados" sejam derrubados para que possam ser integrados no "Núcleo Funcional" da Nova Ordem Mundial.

4. Como Israel foi identificado por esse autor como um país do "Núcleo Funcional" no meio de países do "Vão dos Não-Integrados", sabemos que os Illuminati planejam proteger a sobrevivência de Israel. Verdadeiramente, os EUA parecem decididos a lutar as batalhas de Israel em favor do Estado judaico!

Todavia, esse autor não menciona uma estrutura de tempo, ou prazos para que essas mudanças ocorram! Sabemos que os Illuminati estão marchando de acordo com o calendário de Deus e, como indicamos em muitos artigos anteriores, eles estão operando de acordo com seu próprio calendário desde a véspera do Ano Novo de 1999.

O que acontecerá se alguns desses países conseguirem resistir à estratégia iluminista de "integrá-los" no Sistema Mundial? O que acontecerá se o calendário oculto estiver se aproximando e vários países não estiverem cooperando? Acredito que os eventos de guerra preditos nas Escrituras e ameaçados na literatura da Nova Ordem Mundial ocorrerão. Veja:

Guerra total

"... uma guerra global curta, mas muito mortal, usando-se armas nucleares contra centros populacionais selecionados foi contemplada, e... não foi descartada." [Behold a Pale Horse", autor de Nova Era Bill Cooper, pág. 167, leia a resenha].

"Como um recurso nas mãos das Nações Unidas para impor as formas exteriores de paz e dar tempo para o ensino da paz e permitir o crescimento da boa vontade, a bomba atômica... pertence às Nações Unidas para uso (ou simples ameaça de uso) quando uma ação agressiva por parte de qualquer país levantar sua horrenda cabeça." [The Externalization of the Hierarchy, Alice Bailey, canalizando o espírito-guia demoníaco Mestre Djwahl Kuhl, pág. 548].

Os Illuminati planejam lançar a bomba atômica contra qualquer país que se oponha à vontade da Fraternidade Branca Global! Os países que não estiverem alinhados quando o prazo oculto tiver sido atingido correrão o risco de serem aniquilados!

Profecia Bíblica:

"E, havendo aberto o segundo selo, ouvi o segundo animal, dizendo: Vem, e vê. E saiu outro cavalo, vermelho; e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra, e que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada." [Apocalipse 6:3-4].

Estamos convencidos que essa "grande espada" representa as armas nucleares, as pragas e, possivelmente, as armas químicas, em outras palavras, armas de destruição maciça.

"E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR." [Joel 2:30-31].

O "grande e terrível dia do SENHOR" começará no momento em que o Anticristo confirmar seu pacto com Israel [Daniel 9:27]. Portanto, devemos esperar ver "sangue, fogo e colunas de fumaça" no Oriente Médio antes do aparecimento do Anticristo! Estes são tempos muito difíceis.



Você está preparado espiritualmente? Sua família está preparada? Você está protegendo seus amados da forma adequada? Esta é a razão deste ministério, fazê-lo compreender os perigos iminentes e depois ajudá-lo a criar estratégias para advertir e proteger seus amados. Após estar bem treinado, você também pode usar seu conhecimento como um modo de abrir a porta de discussão com uma pessoa que ainda não conheça o plano da salvação. Já pude fazer isso muitas vezes e vi pessoas receberem Jesus Cristo em seus corações. Estes tempos difíceis em que vivemos também são tempos em que podemos anunciar Jesus Cristo a muitas pessoas.

Se você recebeu Jesus Cristo como seu Salvador pessoal, mas vive uma vida espiritual morna, precisa pedir perdão e renovar seus compromissos. Ele o perdoará imediatamente e encherá seu coração com a alegria do Espírito Santo de Deus. Em seguida, você precisa iniciar uma vida diária de comunhão, com oração e estudo da Bíblia.

Se você nunca colocou sua confiança em Jesus Cristo como Salvador, mas entendeu que ele é real e que o fim dos tempos está próximo, e quer receber o Dom Gratuito da Vida Eterna, pode fazer isso agora, na privacidade do seu lar. Após confiar em Jesus Cristo como seu Salvador, você nasce de novo espiritualmente e passa a ter a certeza da vida eterna nos céus, como se já estivesse lá. Assim, pode ter a certeza de que o Reino do Anticristo não o tocará espiritualmente. Se quiser saber como nascer de novo, vá para nossa Página da Salvação agora.

Esperamos que este ministério seja uma bênção em sua vida. Nosso propósito é educar e advertir as pessoas, para que vejam a vindoura Nova Ordem Mundial, o Reino do Anticristo, nas notícias do dia a dia.

Fale conosco direcionando sua mensagem a um dos membros da equipe de voluntários.

Se desejar visitar o site "The Cutting Edge", dê um clique aqui: http://www.cuttingedge.org

Que Deus o abençoe.

Data de publicação: 12/2/2010
Revisão: http://www.TextoExato.com
A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n1833b.asp